sábado, 25 de setembro de 2010

Parte 2

ANOS 80

A década de 1980, ou simplesmente década de 80, conhecida ainda como anos 80, foi o período de tempo entre os anos 1980 e 1989.
No rock, o punk se renova, mais acelerado e intenso (como no hardcore).
Já o hard rock também recebe novas influências, com batidas mais fortes e sons de guitarras mais pesados, o que trouxe ao público um dos gêneros musicais mais populares da década: o heavy metal, que, na sequencia, também gerou inúmeras vertentes ainda mais rápidas e pesadas, como o trash metal, speed metal e o black metal. Alguns exemplos que se consagram na década neste gênero do rock foram as bandas Iron Maiden, Helloween e Manowar, na versão clássica do heavy metal; e os grupos Metallica, Slayer, Megadeth e Anthrax, no trash metal. Conservando as raízes do hard rock, também merecem destaque os longos períodos de sucesso que tiveram as bandas Van Halen, AC/DC, Whitesnake e Scorpions no decorrer dos anos 80.
Outras inúmeras bandas de rock e pop surgiram nos anos 80: Dire Straits, A-ha, Supertramp, U2, The Smiths, Duran Duran. Algumas, surgidas em meados dos anos 70, só se consolidaram na década de 80; no Brasil, RPM, Ultraje a Rigor, Titãs, Legião Urbana, 14 bis, Barão Vermelho, Kid Abelha, Ira! entre outras.
Os anos 80 são conhecidos também como a década da música eletrônica. Nesta época, o New Wave e o Synthpop se tornam os gêneros musicais mais vendáveis e populares, assim como toda a estrutura da Dance Music. Surge a MTV e o hip hop; advento da música eletrônica nas pistas de dança e as primeiras raves. No underground é criado o rótulo "música industrial" para bandas eletrônicas mais experimentais e obscuras, além de diversas bandas de rock de garagem que dariam origem ao grunge na década de 1990. Foi nos anos 80 que surgiu a vertente da música que mais originou variantes, a House music. Inspirada em experimentações sobre batidos dos anos 70, principalmente a disco music, teve como principais representante: Bomb the bass, S'express, gino latino, coldcut, entre outros. Em 83 surgiu no underground a sub-cultura gótica (Ver artigo: Gótico (estilo de vida)) na Inglaterra, denominada incialmente como "Dark" no Brasil sendo esta derivada do gênero Pós-punk.
No Brasil foi lançado o primeiro Rock in Rio (1985). É inaugurado o Sambódromo na cidade do Rio de Janeiro em 1984. Consolidavam-se o estilo musical da MPB, ou música popular brasileira (surgido na segunda metade da década de 60), e as bandas de música pop e de rock and roll, como Legião Urbana, Ultraje a rigor, Engenheiros do Hawaii, Titãs, RPM, Claudio Zoli (com a banda Brylho e Solo). A MPB consagrou a posição de destaque das vozes femininas na música brasileira ; entre os fenômenos individuais destacam-se Elba Ramalho, Simone , Marina Lima, Maria Bethânia, Zizi Possi, Fafá de Belém, Elis Regina, Gal Costa, Rita Lee, Rosana e Joanna. Dentre as vozes masculinas, Caetano Veloso, Chico Buarque, Milton Nascimento, Tom Jobim, Guilherme Arantes, Flávio Venturini, Ivan Lins e Gilberto Gil.
Dentre os artistas internacionais mais carismáticos, destacam-se Michael Jackson, com o álbum Thriller, o mais vendido da história, e que também inventou o videoclipe moderno; a contraparte feminina, Madonna e Cyndi Lauper, um dos principais ícones fashion de todos os tempos; Tina Turner voltou ao mundo da música lançando um novo álbum, Private Dancer, mega sucesso, além de apresentações eletrizantes ao redor do mundo. Outros cantores que se destacam nessa década são Kylie Minogue, Janet Jackson, George Michael, Boy George, Lionel Richie, David Bowie, Whitney Houston, Paula Abdul, Prince, Billy Idol, Bruce Springsteen, Laura Branigan, Roxette entre outros.

Anos 90

A década de 1990, ou simplesmente década de 90 ou ainda anos 90 é o período que se compreende entre 1990 e 1999.
Otimismo e esperança seguiram o colapso do Comunismo, mas os efeitos colaterais do fim da Guerra Fria estavam só começando, como o advento terrorista em regiões do Terceiro Mundo, especialmente na Ásia. O Primeiro Mundo experimentou crescimento econômico estável durante toda a década. O Reino Unido, depois de uma recessão em 1991-92 e a desvalorização da libra, conseguiu 51 bimestres seguidos de crescimento que se seguiram no novo século. Até nações com menor representatividade econômica como a Malásia tiveram aperfeiçoamentos gigantescos. Mas deve se notar que a economia dos Estados Unidos permaneceu sem crescimento durante a primeira metade da década.
A Banda Guns N' Roses se consolida como a maior banda de Rock do mundo no começo dos anos 90 e Axl Rose se torna um ícone e um simbolo sexual nessa época.
Com a ajuda da nova emissora de televisão MTV, o rock voltou às paradas com o estilo grunge, popularizado em grupos como Nirvana e outros grupos de Seattle, como Pearl Jam, Alice in Chains, Soundgarden e Stone Temple Pilots. Com a morte de Kurt Cobain, líder do Nirvana, em 1994, o movimento começa a perder força.
Seguindo o grunge, veio Britpop, com bandas britânicas influenciadas pelos Beatles e outras bandas da 1ª Invasão Britânica (como The Who e Rolling Stones), como Oasis, Blur e The Verve.
Músicas eletrônicas, experimentais e com intuitos "underground" se fundem com o rock e se popularizam com bandas como Nine Inch Nails, Rammstein, KMFDM e Ministry entre outras. Mais tarde algumas dessas bandas gerariam controvérsia ao serem indiretamente relacionadas a fatos como o Massacre de Columbine, em 1999.
O Metal Sinfônico começa a se manifestar com a aparição de bandas como Within Temptation, Nightwish , Tristania , After Forever entre outras. Estas bandas implementam temas mais escuros e profundos nas suas letras, usando sons orquestrais e coros juntamente com os sons típicos do rock.
O pop começa a revelar grandes vozes ao mundo como Céline Dion, Mariah Carey e Whitney Houston, cantoras que emplacaram suas músicas na Billboard.
O pop teen começado no fim dos anos 20 retorna com força com Spice Girls, que foi um dos maiores fenômenos da música da época, juntamente aos Backstreet Boys, Shakira, Thalía, Christina Aguilera,e Jessica Simpson,'N Sync e Britney Spears.
No final da década de 1990, a imprensa britânica condecorou a cantora, atriz e apresentadora Cher com o título de "Goddess of Pop" (em inglês, Deusa do Pop), por sua grande influência em todos os ramos da cultura pop (música, cinema, TV e teatro) e legado musical. Com o álbum Believe (1998), Cher trouxe o retorno o gênero dance, alcançando o primeiro lugar em 23 países simultaneamente. O efeito de distorção no vocsl da música, criado pela própria cantora e batizado de Cher Effect, foi bastante popularizado na música popular contemporânea da década de 2000. Cher é a única artista solo de todos os tempos a conseguir um número um nos charts da revista Billboard nas décadas de 1960, 1970, 1980, 1990 e 2000.





Apesar de Michael Jackson se envolver em polêmicas envolvendo sua vida pessoal que prejudicaram muito sua carreira e imagem, lança albuns de grande sucesso: Dangerous ( o álbum masculino mais vendido dessa década), HIStory: Past, Present and Future – Book I (o álbum duplo mais vendido da história) e Blood On The Dance Floor (o álbum de remixes mais vendido da história). O Rei do Pop visita o Brasil duas vezes: em 1993 para duas apresentações da Dangerous Tour em São Paulo, no Morumbi e em 1996 para gravar o clipe de They Don't Care About Us na Bahia e no Rio de Janeiro, sempre muito assediado por fãs e pela imprensa.
A Rainha do Pop Madonna vem ao Brasil pela primeira vez com sua turnê The Girlie Show em 1993. Com duas apresentações, uma em São Paulo, no Morumbi, e outra no Rio de Janeiro, no Maracanã, ambas em novembro daquele ano.
O punk rock volta com tudo com o sucesso de bandas como Green Day e The Offspring mais o hardcore melódico do Pennywise, Bad Religion e NOFX.
Mais tarde, no final da década, com significativas e visíveis mudanças no estilo de bandas como Green Day e The Offspring, então principais representantes do punk no cenário mundial, junto ao surgimento de bandas como Blink-182 e Sum 41, surge o controverso pop punk.
Radiohead consegue aclamação popular e crítica, com os álbuns The Bends e OK Computer. A banda passou a produzir álbuns experimentais (com influências artistas da Warp Records, como Aphex Twin) para fugir da imagem "comercial".
O rap entra para cultura popular, começando com Tupac Shakur, The Notorious B.I.G., Eazy-E, MC Hammer, Public Enemy, Vanilla Ice, NWA e terminando com o hip-hop de Puff Daddy, Dr. Dre e Eminem. No Brasil o ritmo se popularizou com Gabriel, O Pensador e Planet Hemp.
Emerge para o grande público a house music, nascida em Nova York com o DJ Frankie Knuckles.
A década de noventa foi marcada também pelo estilo Dance, mais conhecido como Eurodance, gênero derivado do Italo Disco, e também denominado assim pelo fato de muitos artistas virem da Europa, de quase todos os pontos. O estilo misturava a batida da era Disco com o house, que estoura nos rádios do mundo (No Brasil a rádio Jovem Pan 2 era a estação da dancemusic). Nos anos 90 o estilo ganhou muita popularidade em todo mundo, atingiu sue apogeu no ano de 1995, pois anos mais tarde o estilo foi perdendo força gradativamente. No ano de 1996 o estilo já apresenta um certo desgaste, sendo mesclado por elementos de trance, folk e também o reggae. E muitos projetos chegam a findar nesse memso ano.
Os artistas mais bem sucedidos no estilo formam: 2 Brothers on the 4th Floor ; 2 Unlimited; Ace of Base; Alexia; Angelina; ATB; Aqua; BG The Prince of Rap;Black Box; Capitain Hollywood Project; Captain Jack; Cascada; Corona; Culture Beat; Dj BoBo; DJ Company; DJ Miko; Double You; Dr. Alban; E-Rotic; E-type; Fun Factory; Haddaway; Ice MC; JK; La Bouche; Le Click; Martha Wash; Maxx; Masterboy; Masterboy; Mr. President; Nevada; Nina; Nicki French; Playahitty; Real McCoy; Randy Bush; Ru Paul ; Scatman John; Snap!; Scooter; Whigfield; U96; Undercover; DJ Mangoo; J&R Project; Toy Box; Moisés Santana & Charles Friend; Tweenty 4 Seven;
Marta Marta Wash emprestou sua voz para praticamente todas as bandas de sucesso do dance dos anos 90, entre elas C&C Music Factory, [[Snap! e Black Box. Marta Wash consolida o estilo de vocal que vai guiar os novos estilos de música na próxima década, como Club House e Tribal House.
Grandes festivais como Lollapalooza e o Rock in Rio II.
A música volta a ter conteúdo político, com o Tibetan Freedom Concert, que apoiava o Movimento Internacional de Libertação do Tibete, começa em 1996, atraindo 120,000 por ano. Também surgem grupos politizados como o Rage Against the Machine.
A cultura rave populariza trance, techno e música eletrônica (e a droga ecstasy).
Cria-se nos EUA o selo Parental Advisory para letras censuradas como obscenas.
Os artistas country como Garth Brooks, Shania Twain, LeAnn Rimes, Faith Hill e Tim McGraw vendem milhões nos EUA.
O reggae brasileiro entra para as paradas com Cidade Negra, e também com grupos "reggae rock" como Skank.
Cher


O rock nacional revela vários nomes, dos mineiros Skank, Jota Quest e Pato Fu, ao mangue beat de Chico Science & Nação Zumbi, passando pelos Raimundos, Mamonas Assassinas e Charlie Brown Jr. No heavy metal, destaque para o Sepultura e para os paulistas do Angra. No hard rock nacional, destacou-se o Dr. Sin e Golpe de Estado.
Gêneros brasileiros como o pagode, axé e sertanejo passam a ultrapassar o rock em vendagem no Brasil.
Em 1995 a cantora Simone grava o primeiro álbum da história da indústria fonográfica brasileira composto exclusivamente por canções cristãs/natalinas, intitulado 25 de Dezembro. A vendagem, de 1.0 milhão de cópias, ocorreu em apenas um mês e meio. A versão em espanhol vendeu 2.0 milhões de cópias.