sexta-feira, 29 de junho de 2012

Delegado faz reconstituição na casa de irmã da modelo Ângela Bismarchi

Angelina Filgueiras morreu com um tiro no peito (Foto: Reprodução/TV Globo)
Angelina, irmã de Ângela Bismarchi
O delegado Gabriel Ferrando, titular da 81ª DP (Itaipu), realizou, nesta sexta-feira (29), a reconstituição do crime que terminou com a morte da policial federal Angelina Filgueiras, irmã da modelo Ângela Bismarchi. A informação é da 81ª DP. Na noite de sexta-feira, 15 de junho, após uma briga na casa de Angelina, em Piratininga, na Região Oceânica de Niterói, na Região metropolitana do Rio de Janeiro, ela e o ex-marido, Márcio Luiz Dias Fonseca, morreram baleados. Jolmar Alves Milato, então namorado de Angelina, foi o único sobrevivente da briga.  Marido de Ângela Bismarchi acompanhou autópsia O cirurgião plástico Wagner de Moraes, marido da modelo Ângela Bismarchi, afirmou na segunda-feira (18) ter acompanhado a autópsia do corpo da cunhada, Angelina. Segundo Wagner, o tiro que Angelina levou no peito foi à queima-roupa. Ainda segundo ele, a bala fez uma perfuração no lado direito do peito de Angelina e saiu na parte esquerda das costas: “A lesão foi compatível com suicídio como também com outra possibilidade de disparo”, afirmou o cirurgião.  Wagner de Moraes disse que Márcio Luiz o procurou antes do crime dizendo que queria conversar com ele e que o casal teria tido uma briga no dia anterior, por causa do namoro dela com Jolmar Alves Milato, único sobrevivente do crime ocorrido na casa da policial. saiba mais      'Nós estamos unidos pela perda', diz marido de Ângela Bismarchi     Irmã de Ângela Bismarchi é enterrada no Cemitério de Inhaúma     Irmã de Bismarchi foi afastada da PF para cuidado psiquiátrico, diz família     Filha viu ex-marido de irmã de Ângela Bismarchi invadir a casa armado     'Resolvi ficar porque sou forte', justifica Ângela Bismarchi em reality     Delegado pede exame para verificar pólvora nas mãos de irmã de modelo     ‘Era doentia a paixão dele pela ex’, diz cunhado de mulher morta em Niterói  “Fui até a casa dela e depois fui para minha casa. Fui chamado depois da tragédia até a casa de Angelina. Encontrei o Márcio caído no banheiro e a Angelina tinha sido socorrida para o hospital. Perdi dois irmãos: a Angelina e o Márcio”, afirmou Wagner de Matos, que esteve na 81ª DP (Itaipu) na tarde desta segunda-feira (18) para saber se a casa da vítima já está liberada para ser arrumada.  Namorado tem hematomas, diz advogado “O Jolmar está com vários hematomas pelo corpo”, afirmou o advogado Ramisés Cesar Duarte Batista, que defende o engenheiro Jolmar Alves Milato, único sobrevivente do crime. O advogado confirmou ainda que Jolmar ficou machucado nos olhos, e que uma das vistas está inchada e um pouco fechada, por causa dos socos que trocou com Márcio Luiz.  De acordo com o delegado Gabriel Ferrando de Almeida, titular da 81ª DP (Itaipu), Jolmar afirmou, em depoimento, que, após a invasão de Márcio à casa de Angelina, na noite de sexta-feira (15), houve uma briga entre os três. Ainda segundo o depoimento, Angelina acabou conseguindo desarmar o ex-marido. “Jolmar contou que, após Angelina dizer que se mataria caso a briga não parasse, ela teria disparado conscientemente contra o próprio peito”, afirmou o delegado.
Após Angelina ter supostamente disparado contra si, Jolmar teria conseguido pegar a arma e atirar contra Márcio, que foi atingido três vezes e morreu na hora. Angelina chegou a ser levada para o hospital, mas já chegou morta.
‘Jolmar está bem abalado’, diz advogado
“O Jolmar está bem abalado psicologicamente, e até fisicamente”, acrescentou Ramisés. O engenheiro prestou um novo depoimento na tarde de domingo (17), na Delegacia de Itaipu. Segundo o advogado, Jolmar confirmou as informações prestadas no primeiro depoimento, prestado no sábado (16), na 77ª DP (Icaraí) e reafirmou que conseguiu evitar que Angelina se suicidasse dois dias antes do crime. “O Jolmar confirmou que Angelina tentou se suicidar na quarta-feira (13). Ela chegou a cortar os pulsos, mas foi contida por Jolmar”, contou o advogado, enfatizando que, em outra ocasião, Angelina já havia ingerido veneno.
Ramisés disse que o delegado responsável pelas investigações não fez nenhum comentário sobre o tiro que acertou o peito de Angelina ter sido disparado de cima para baixo, o que enfraqueceria a hipótese de suicídio. “Ele não falou nada comigo sobre isso. Temos que aguardar os laudos da necropsia do corpo e dos vestígios de pólvora nas mãos dos envolvidos no crime para poder emitir alguma opinião”, ressaltou Ramisés. O advogado disse que ainda não teve acesso aos depoimentos da filha adotiva de Angelina, que estava em casa no momento do crime, e de Wagner de Moraes, marido da modelo Ângela Bismarchi. Ele também informou que não pretende pedir a reconstituição do crime.

Familiares vão depor ao longo da semana
A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio informou que o delegado Ferrando vai convocar familiares de Angelina Filgueiras para prestar depoimento ao longo desta semana. Segundo Ferrando, a maior dúvida agora é saber se Angelina realmente disparou contra si, ou se outra pessoa disparou contra ela. “Já recolhemos a arma do crime – uma pistola calibre nove milímetros –, requeremos as imagens das câmeras de segurança da casa e solicitamos exames de resíduos de pólvora nas mãos dos envolvidos no crime”, disse o delegado.
“Pelos depoimentos de vizinhos e do ex-namorado de Angelina, além de relatos informais de familiares, havia uma relação conflituosa entre ela e o ex-marido. E Angelina já teria tentado suicídio por duas vezes”, afirmou o delegado. “Jolmar vai responder por homicídio doloso. A esfera judicial vai decidir se ele agiu em legítima defesa”, concluiu o delegado.
Segundo Ferrando, familiares de Angelina relataram informalmente que ela teria um histórico de outras tentativas de suicídio. “Ela estaria, psicologicamente, muito debilitada, devido às ameaças que viria sofrendo do ex-marido, que dizia que mataria ela e o namorado”, finalizou o delegado.

Fonte: G1

Nenhum comentário: