domingo, 30 de setembro de 2012

Neymar é expulso, mas Santos arranca empate com o Grêmio

Não adiantou ter marcação individual, por zona ou uma tática coletiva para anular Neymar. Nem ver a torcida do Grêmio atordoá-lo ao ponto de ser expulso. Mesmo com um a menos, o Santos segurou o Grêmio e arrancou empate em 1 a 1, na noite deste domingo, no Olímpico, pela 27 rodada do Brasileirão. E poderia ter sido pior para os donos da casa. No último lance do jogo, Bernardo cobrou falta no travessão e quase virou o jogo.

O resultado foi ótimo ao líder Fluminense e ao vice Atlético-MG, que viram a ascensão tricolor diminuir de ritmo. Agora com 50 pontos, o time gaúcho está nove pontos atrás dos cariocas e três, dos mineiros. O Peixe, por sua vez, está em 13º com 34 pontos.

Os dois times voltam a jogar sábado, nas suas casas, mas em horários diferentes. O Santos recebe o Inter, às 16h20m, e o Grêmio, o Cruzeiro, às 18h30m.

Depois do jogo, o centroavante Marcelo Moreno afirmou que o Grêmio relaxou depois da expulsão de Neymar.

- A gente trabalhou todo o tempo para fazer o segundo gol, mas não conseguiu manter o nível no segundo tempo. Acho que a gente relaxou quando o Neymar foi expulso.

Já o técnico do Santos, Muricy Ramalho, reclamou da arbitragem, que mandou para rua o craque da Vila:

- Ele (Neymar) toma porrada o tempo todo e não fazem nada. Ele só caiu por cima (do Pará), não fez nada. Falam que ele é cai-cai, mas ele não faz isso e continua tomando porrada igual.

Pressão deu resultado
Antes mesmo de o jogo começar, a preocupação tricolor com Neymar era evidente. O jogador fora vaiado ao ter o nome anunciado no sistema de som e ao subir ao campo para o aquecimento. O único momento de trégua aconteceu quando um banco de crianças, que esperava a entrada do time do Grêmio em campo, não se aguentou e cercou o ídolo: uma menina, visivelmente emocionada, se agarrou ao jogador e caminhou com ele por quase todo o campo até o vestiário.
Neymar na partida do Santos contra o Grêmio (Foto: Futura Press)Neymar recebeu muitas vaias da torcida no Olímpico (Foto: Futura Press)
Bem diferente do comportamento do restante do público e da equipe gremista. Sem violência – diga-se de passagem -, a parceria encontrou em vaias, gritos, marcação firme e posicionamento correto as táticas para controlar a estrela santistas e da Seleção. Tudo, claro, acrescido da perfeita atuação de Pará. Responsável por marcar o camisa 11, o lateral-direito, que só atuou com o pagamento de multa, afinal está emprestado pelo Peixe, ainda conseguiu atacar.

Foi assim que saiu o primeiro ataque gaúcho. Aos 12 minutos, Pará cruzou da linha de fundo e Marcelo Moreno bateu de primeira por cima do gol de Rafael. O lance gerou uma série ataques. O centroavante acertou uma cabeçada no travessão, mesmo recurso usado por Gilberto Silva, que parou nas mãos de arqueiro rival. Moreno ainda bateu cruzado para fora, mas a pressão foi aumentando, aumentando até que... Zé Roberto cobrou falta, Werley subiu mais do que a zaga e, também de cabeça, abriu o placar: 1 a 0, aos 33. Foi o oitavo gol do zagueiro no ano, o quinto de cabeça.

E Neymar? Ele mostrou a qualidade habitual. Parece ter um ímã nos pés tal o controle de bola. Mas encontrou, por vezes, marcação tripla. Só conseguiu um chute de longe, defendido por Marcelo Grohe.

Expulsão não atrapalhou

Em desvantagem no placar, o Santos voltou com Bernardo no segundo tempo na vaga de Pato Rodrigues. Mas teve um Neymar um jogador incomodado. Diferente do habitual. Levou amarelo, aos cinco minutos, por reclamação. E foi expulso, dois minutos mais tarde, depois de se embolar e cair com Pará.

O que parecia ser o começo do fim, na verdade, abriu a reação do Peixe. O Grêmio se desarrumou. E sofreu o empate, aos 12, com Bruno Rodrigo. O zagueiro chutou de dentro da área após Durval escorar cobrança de escanteio de Bernardo.

A igualdade murchou o time gaúcho. Por momentos, deu a impressão de ter um a menos. Quase levou a virada com André, que bateu cruzado. Só com a entrada de Leandro a partida teve outra reviravolta.

O atacante quase marcou aos 28: tomou a frente de Durval, mas chutou para fora. Abusando de chutões e cruzamentos para área, o Grêmio não teve forçar para fazer o segundo. E no último lance do jogo, quase levou a virada. Bernardo sairia na cara de Marcelo Grohe. Léo Gago fez a falta e acabou expulso. Na cobrança, o próprio meia bateu e a bola explodiu no travessão.

Fonte: Globo Esporte

Nenhum comentário: