terça-feira, 17 de julho de 2012

Nivea Stelmann ‏critica Elano no Twitter

Pelo visto o clima entre o ex-Casal Nívea stelmann e Elano ainda não é dos melhores. . Na tarde de hoje, no Twitter, a morena bombardeou o ex fazendo críticas pesadas ao talento de Elano como jogador e a necessidade dele de chamar atenção da mídia.

Nívea crítica ex pelo Twitter | Foto: Reprodução Internet
Nívea crítica ex pelo Twitter | Foto: Reprodução Internet
Tudo começou quando uma nota deu conta de que Elano teria aconselhado Neymar e Ganso a ficarem longe de atrizes Globais. Diante disso, Nívea soltou o verbo. "Gente, eu fico quieta na minha. Vcs conhecem minha postura ha 18 anos. Mas acho que esse moço que ta no gremio ta precisando de midia ja que saiu da aba do Neymar e do Ganso. Alem de esquentar o banco do Santos, nao acertar mais o gol, mandar duas vezes a bola pra lua, fazer tudo que fez comigo, pois contra provas e fatos nao há argumentos. Nao faz mais parte da seleção brasileira, fica chorando c padre e fazendo clip romântico", desabafou ela.
Nívea e Elano ficaram juntos por aproximadamente quatro meses. Com um final nada pacifíco, os dois se encontraram na justiça por conta de uma invasão por parte do jogador a casa da atriz. Um mês depois Elano entrou na Justiça alegando que a ex teria enviado fotos íntimas para o Santos e para sua família. Na época, Nívea disse que apenas reenviou as imagens para a mulher do meia, pois o jogador teria mandado primeiro para ela.

Fonte: O Dia

Advogado de Bruno diz que goleiro é alvo de perseguição por diretor do presídio: ‘Até o papel higiênico dele estão revistando’

 O goleiro Bruno
Rui Pimenta, advogado de Bruno de Souza, disse, nesta terça-feira, que o goleiro está sendo alvo de uma perseguição por parte de um diretor da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Minas Gerais, onde ele está preso. Rui classificou como absurda e arbitrária a punição - vinte dias sem banho de sol, sem receber visitas e sem trabalhar na faxina - aplicada contra Bruno por ter enviado uma carta ao público externo fora dos trâmites legais do presídio.
- Carregaram nas tintas. Acontece que tem um diretor lá (ele não se lembra o nome) que tratou o Bruno mal e o Bruno respondeu. Essa pessoa fez parte da comissão que decidiu pela punição. E agora o Bruno está vivendo nessa ditadura militar. Até o papel higiênico dele estão revistando - disse o advogado.
Rui Pimenta informou que na tarde desta terça irá à Vara de Execuções Penais entrar com pedido para que a punição seja suspensa. O advogado admitiu ter sido ele a entregar a carta de Bruno, mas alegou ter examinado a correspondência e não ter visto nada de irregular nela:
- O Bruno não é um preso permanente. Ele pode e será absolvido. O que está acontecendo com ele é uma ilegalidade.
Pimenta disse, ainda, que não acredita que a punição influenciará o julgamento do hábeas-corpus no Supremo Tribunal Federal (STF).

Fonte: Extra

Rosane Collor deve 36 mil na praça e cita até pai de desafeta para reclamar pensão maior de Collor


A ex-primeira-dama Rosane Brandão Malta, ex-mulher de Fernando Collor de Mello, tem mais a limpar do que o próprio nome na história política do país. Com o nome sujo na praça, Rosane deve R$ 36.031. A maior parte da dívida se refere a uma pendência financeira com um fundo de investimentos, o PCG Brasil Multicarteira, no valor de R$ 24.031, reclamada em 4 de dezembro de 2008.
Os outros R$ 12 mil são devidos a uma empresa de serviços de Maceió, cobrados judicialmente no dia 13 de maio de 2009, conforme consta em registro no 2º Cartório de Protestos de Títulos e Letras da capital alagoana.
— Vivo com o que posso. Minha casa não tem telefone fixo. Collor cortou o pagamento há uns quatro anos e o celular de empresa que usava, há três meses — afirma ela, que teve negado seu pedido de gratuidade na Justiça num processo contra o ex, que lhe cortou a TV a cabo e a linha telefônica em 2008.
Nos dois casos, ela contraiu as dívidas ainda quando assinava Rosane Malta Collor de Mello. Neste domingo, ela ressurgiu ao conceder uma entrevista ao “Fantástico”, da Rede Globo, na qual revela que Fernando Collor realizava rituais de magia negra na Casa da Dinda, a residência oficial do casal em Brasília em seus tempos de presidente, entre 1989 e 1992, ano em que foi cassado pelo Congresso Nacional.
Rosane confirma ainda que o ex-tesoureiro da campanha presidencial, Paulo César Faria, costumava tomar café-da-manhã com Collor e que cobra do ex-marido uma pensão maior. Hoje, ela ganha R$ 18 mil.

'Quem vive com salário mínimo, amém'
O impeachment de Fernando Collor de Mello, em 1992, acabou com a República de Alagoas e com o reinado de Rosane Collor, que deixou de participar de recepções ao lado de reis e princesas e, hoje, separada do senador pelo PTB, não só acha pouco os R$ 18.660 de pensão que recebe dele como cita a família de uma desafeta, Thereza Collor (viúva de Pedro Collor, que detonou as investigações que culminaram no afastamento do irmão da Presidência), para justificar sua briga na Justiça com o ex. Segundo ela, o pai de sua ex-cunhada, o usineiro João Lyra, manteria suas ex-mulheres com R$ 40 mil mensais para cada:
— João Lyra passa dois, três anos com uma mulher e lhe dá pensão de R$ 40 mil.
Procurado pelo EXTRA, Lyra não foi localizado. Questionada sobre os 30 salários mínimos que ganha por mês, Rosane responde com o patrimônio de Collor — composto sobretudo por um grupo de comunicação liderado pela TV Gazeta, em Alagoas:
— Quem vive com salário mínimo, amém. Se ganham R$ 20 mil, amém. O que não é justo é eu receber R$ 18 mil de uma pessoa que é ex-presidente, senador da República, dono de rádios, jornal.
Rosane ainda foi criticada por tratar como magia negra os rituais africanos realizados por Collor.
— Por que ela não falou isso na época? Por que agora, como evangélica, ela coloca isso sem explicar? — questiona o babalaô Ivanir dos Santos, da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa.
Também procurado por telefone, Collor não quis se pronunciar.

Futricas palacianas
Presidente da Câmara dos Deputados à época do impeachment de Collor, o ex-deputado Ibsen Pinheiro desdenha de Rosane e diz que nada do que ela disse ao "Fantástico" teria importância. Para ele, a ex-primeira-dama tratou da crise política de 1992 como se fosse um problema doméstico. De revelador mesmo, em sua opinião, só os detalhes dos rituais de magia negra realizados na Casa da Dinda, residência dos Collor em sua passagem pelo Palácio do Planalto.
— Novidade, houve. De importante, nenhuma. Ela deu um ângulo doméstico para o problema. Para ela, tudo não passou de uma crise doméstica, por mais dramática que fosse, mas doméstica. Os fatos que ela contou até eram interessantes, mas eram basicamente futricas. Ela não tinha percepção do momento que viveu. Ao longo da Presidência, fomos percebendo isso e vimos que ela não tinha a noção política do papel que poderia ter. Ela não tinha condições nem mesmo de perceber o que se passava — diz Ibsen Pinheiro, atual presidente do PMDB gaúcho, com fina ironia ao se referir a Rosane.
Já o presidente do Senado naquele tempo, o hoje deputado federal Mauro Benevides (PMDB-CE), tampoouco dá importância a ela. Tanto que nem a ouvirá para a biografia que escreve, onde tratará do afastamento de Collor da Presidência da República, em 1992:
— Não vi a entrevista dela ao "Fantástico", mas ouvi falar e não vou ouvi-la porque não quero imprimir um caráter melodramático à história.
Ex-governador de Alagoas, Geraldo Bulhões conta que a ex-primeira-dama apenas confirmou o que já era conhecido no meio político.
— Isso não é novidade. Sabíamos do envolvimento deles com magia negra, mas nunca tocaram no assunto. Ela nem participava das conversas políticas na Casa da Dinda. Só nos recebia e saía — conta ele.

Fonte: Extra

CPI do Cachoeira: assessora que é sensação na comissão sai de férias após polêmica de vídeo íntimo

Denise vem causando furor não apenas na CPI do Cachoeira
Denise vem causando furor não apenas na CPI do Cachoeira
 
“Denise está de férias” tem sido a frase mais repetida pelos funcionários do gabinete do senador Ciro Nogueira (PP-PI) às dezenas de repórteres e curiosos que têm procurado a concorrida assessora do parlamentar. Loura, bonita, dona de uma muitíssimo bem localizada tatuagem de dragão, Denise Leitão Rocha é o assunto do Congresso Nacional há uma semana, desde que um vídeo com cenas íntimas suas e de outro funcionário da Casa pra lá de tórridas vazou misteriosamente, e passou por nove entre dez celulares e tablets do Senado Federal. Desde o fim da semana passada, diante da polêmica em torno de seu nome, Denise saiu de férias e é tema proibido entre seus colegas.
- Eu trabalhei muito pouco com ela. Nossos horários eram diferentes, mal nos falávamos - saiu pela tangente um colega.
- Parece que ela saiu de férias - respondeu outro.
- Saiu mesmo de férias. Deve voltar só no mês que vem. Não éramos próximos - esquivou-se um terceiro, também sob anonimato, a exemplo dos outros.
De acordo com seus colegas, Denise mal parava no gabinete. Por ser contratada pelo chamado Regime Diferenciado de Frequência, ela não é obrigada a bater ponto. Nenhum deles soube explicar quais eram suas funções no Parlamento.

Denise Rocha
Denise Rocha Foto: Reprodução
Denise era figura fácil da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira, já que Ciro Nogueira é membro da comissão. Segundo a revista “Veja”, em uma das sessões da CPI, após o vazamento do vídeo, Denise teria sido orientada a sair para que não houvesse o risco de ser fotografada ao lado de algum parlamentar.
Suposto affair de Romário, conforme o EXTRA mostrou em maio, Denise não foi encontrada para comentar sua saída de férias, tampouco a afirmação de que foi convidada a se retirar da CPI.

Fonte: Extra

São Paulo é o único estado que não investe um centavo no SAMU/192

Quem já precisou de socorro para alguém em casa, via pública ou local de trabalho, sabe o alívio que dá quando liga para o 192 e a ambulância do SAMU chega ao local. Afinal, são equipes treinadas para lidar com emergências e alguns minutos podem fazer a diferença entre a vida e a morte ou mais seqüelas.
SAMU atende onde o paciente está. É a sigla do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, programa criado no primeiro ano do governo do ex-presidente Lula pelo então ministro da Saúde Humberto Costa.


Há dois anos o Viomundo denunciou:  São Paulo era o único estado brasileiro que não punha um centavo no SAMU/192, embora tivesse sido governado até abril de 2010 por José Serra (PSBD), ministro  da Saúde no governo FHC. Serra manteve a decisão tomada por seu antecessor no Palácio dos Bandeirantes, o também tucano Geraldo Alckmin, de não aderir à implantação do SAMU.
Todos os demais estados – inclusive os do Norte e Nordeste participavam do financiamento do SAMU: 50% dos recursos são do governo federal, 25% do estado e outros 25% do município.
Em 5 junho deste ano, a matéria a Folha de S. Paulo publicou a reportagem Resgate nota 10. Dizia:
Samu de São Paulo ganha prêmio mundial de eficiência em atendimentos de emergência.
Acrescentava:
É o primeiro da América Latina a conquistar o “Certificado Internacional de Eficiência”, ao lado de outras grande metrópoles como Londres e Berlim.
No twitter, José Serra, candidato à prefeitura, saudou a premiação do SAMU da capital:
Esse tweet levou-nos à pergunta óbvia: E o Estado de São Paulo como estaria? Será que dois anos depois da primeira reportagem, ele já participaria do SAMU?
O Viomundo contatou o Ministério da Saúde, para averiguar quais estados e municípios tinham parceria com o SAMU. Afinal, é o único órgão que dispõe dessas informações atualizadas. O objetivo era ter um mapa da distribuição no Brasil e saber se, finalmente, São Paulo já contribuía.
Ao mesmo tempo, o Viomundo entrou em contato com a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo, para saber se o estado participava do pacto tripartite.
A partir daí foi um jogo de empurra de semanas.
A assessoria de imprensa do Ministério da Saúde respondeu:
A cobertura do SAMU 192 no Brasil é de 64%: ou seja, temos 121.967.804 habitantes com acesso ao SAMU 192. Por região temos: Norte — 51%; Nordeste — 61%; Centro-oeste — 79%; Sudeste — 65%; Sul — 66%.
Atualmente, o SAMU 192 no Brasil é composto por 165 Centrais de Regulação das Urgências, com cobertura de 1.970 municípios com acesso ao SAMU 192 em todos os estados. Temos ainda 2.052 municípios em processo de expansão ou implantação do serviço.
No quesito qualidade do atendimento, o Ministério da Saúde está ampliando e qualificando o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Os municípios poderão ter aumento de 66% no valor de custeio das ambulâncias caso os gestores locais atendam a critérios de qualidade. Todo SAMU 192 já habilitado tem direito a solicitar essa qualificação.
O atendimento pré-hospitalar móvel visa chegar à vítima nos primeiros minutos após um agravo a sua saúde de caráter urgente. A gravidade com risco de morte é uma situação extrema, onde o serviço móvel de atendimento visa evitar complicações clínicas e o óbito. No Brasil, o SAMU teve início através de um acordo bilateral, assinado entre o Brasil e a França, através de uma solicitação do Ministério da Saúde. Foi criado em 2003 e oficializado pelo Ministério da Saúde por meio do Decreto nº. 5.055, de 27 de abril de 2004. O SAMU 192 é parte da Política Nacional de Atenção a Urgências, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU/192) e tem contribuído com o Estado brasileiro a reduzir o número de óbitos, o tempo de internação em hospitais e as seqüelas decorrentes da falta de socorro, principalmente no contexto das emergências clínicas.
As despesas de custeio mensal do componente SAMU 192 são de responsabilidade compartilhada, de forma tripartite, entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios. A União é responsável pela proporção de 50% da despesas, que no ano de 2011 correspondeu a R$ 430.204.000,00. A complementação dos recursos financeiros repassados pelo Ministério da Saúde para o custeio mensal do Componente SAMU 192 é de responsabilidade conjunta dos Estados e dos Municípios, em conformidade com a pactuação estabelecida na respectiva CIB (os grifos são do Ministério da Saúde).
Retorquimos. Afinal, a pergunta básica não havia sido respondida. Quais estados têm parceria com o SAMU e quais não têm?
A assessoria de imprensa do Ministério da Saúde devolveu:
Sua pergunta básica foi respondida na seguinte frase:
Atualmente, o SAMU 192 no Brasil é composto por 165 Centrais de Regulação das Urgências, com cobertura de 1.970 municípios com acesso ao SAMU 192 em todos os estados (os grifos, inclusive o vermelho, são do Ministério da Saúde).
Voltamos à carga, já que existir em todos os estados não significa que determinado estado invista recursos no SAMU.  A assessoria de imprensa informou:
Segue a resposta da área técnica ao seu pedido.
O Ministério da Saúde pactua o serviço do SAMU 192 com estados e municípios e normatiza as portarias. O repasse do custeio é pactuado com os gestores estaduais e municipais nas Comissões Intergestores Bipartite (CIB). O cumprimento desse repasse é de responsabilidade de cada gestão. O Ministério realiza o repasse de sua responsabilidade e o investimento estadual e municipal é de responsabilidade de cada parte.
Insistimos, já que a pergunta central continuava sem resposta. A assessoria de imprensa mais uma vez se esquivou:
Para informações referentes aos estados, o Ministério da Saúde orienta a buscá-las com as respectivas secretarias estaduais de Saúde.
Da assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo, o Viomundo cobrou a resposta por telefone e e-mail, no mínimo, dez vezes.
Inicialmente, respostas eram deste gênero:
– Nós vamos te responder daqui a pouquinho.
– Já, já, te respondemos por e-mail.
Depois, foram estas:
– Nós não temos nada ver com o SAMU.
– Isso é com o Ministério da Saúde e a Secretaria Municipal de Saúde.
Só que nunca informou isso por escrito. Só de boca. Diante da nossa insistência em ter a resposta documentada e a reiterada recusa da Secretaria Estadual de Saúde, gravamos esta última resposta, informando que estávamos fazendo isso:
– SAMU é uma responsabilidade do município financiada pelo Ministério da Saúde.
– Mas então o Estado de São Paulo não faz parte da tripartite do SAMU?
– O estado entra com os hospitais onde são levados os pacientes.
Conclusão 1: o Estado de São Paulo continua a não investir um centavo no SAMU/192. Daí esse jogo de empurra e a falta de transparência.
Da parte da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo, provavelmente para encobrir a omissão dela em relação a esse serviço fundamental.
Da parte do Ministério da Saúde,  a sonegação da informação seria para não se indispor com os tucanos paulistas? Ou para não deixar o secretário da Saúde em saia justa? Haveria conivência ou fazeção de vista grossa?  Se não é nenhum desses motivos, qual foi afinal ?
Relembramos que o Ministério da Saúde é o órgão que tem o real mapa da situação. Tanto que, em 2010, foi quem nos esclareceu sobre  de São Paulo.
Conclusão 2: Se São Paulo contribuísse com a porcentagem que foi pactuada, certamente a cobertura do SAMU no Estado seria muito maior.
Conclusão 3:  Todo atendimento do SAMU no Estado de São Paulo é custeado unicamente pelo governo federal e municípios.
“A conta fica mais pesada para os municípios, já que são obrigados a se responsabilizar também pela parte que deveria ser do estado”, lamenta o médico Arthur Chioro, secretário da Saúde de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, e presidente do Conselho de Secretários Municipais do Estado de São Paulo (Cosems). “Arcam com 50% do custeio total do SAMU e não com os 25% previstos na portaria do Ministério da Saúde.”
Essa situação onera financeiramente todos os municípios, independentemente do porte.  Nas cidades menores, há uma dificuldade adicional. O SAMU deve ser regional e exige a participação da Secretaria Estadual de Saúde também na articulação de diferentes municípios de uma região.
“Só que como a Secretaria Estadual de Saúde não aporta a sua parte nos recursos previstos na legislação que regulamenta o SAMU, esse processo está travado em algumas regiões no interior de São Paulo”, constata Arthur Chioro. “Há municípios que receberam as ambulâncias e não conseguem colocá-las em funcionamento.”
A propósito. Antes da criação do SAMU, algumas cidades, como Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre, dispunham de serviço público para atender emergências pré-hospitalares. Porém, como programa do SUS [Sistema Único de Saúde], destinado a 100% da população, o SAMU só passou a existir em 2003.
Se na sua cidade já tem, não hesite em telefonar para o 192 nestas situações:
* Ocorrência de problemas cardiorrespiratórios
* Intoxicação
* Queimaduras graves
* Ocorrência de maus tratos
* Trabalhos de parto onde haja risco de morte da mãe ou do feto
* Tentativas de suicídio
* Crises hipertensivas
* Quando houver acidentes/trauma com vítimas
* Afogamentos
* Choque elétrico
* Acidentes com produtos perigosos
* Transferência entre hospitais de doentes com risco de morte
– Mas não dá para obrigar o Estado de São Paulo a investir no SAMU? – muitos devem estar perguntando.
A resposta é não. A expectativa é que a Secretaria Estadual de Saúde reveja algum dia a sua posição, pois facilitaria a ampliação do SAMU no estado. Enquanto isso não ocorrer, São Paulo estará deixando de cumprir a sua responsabilidade neste importante serviço, que ajuda a salvar vidas.

Fonte: Viomundo

HSBC é acusado de lavar dinheiro de cartéis mexicanos e do terrorismo‎

 


Senado dos Estados Unidos apresentou dossiê com mais de 300 páginas; executivos darão explicações ao senadores hoje.
O banco britânico HSBC expôs o sistema financeiro dos Estados Unidos a uma ampla rede de lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e financiamento de terroristas devido ao seu fraco sistema de controle, diz um relatório do Senado dos Estados Unidos que investigou as filias do banco no país por um ano. 
Executivos do banco devem responder às acusações nesta terça-feira (17/07) em uma audiência perante o Comitê Permanente de Investigações do órgão norte-americano, responsável pela produção do documento de mais de 300 páginas que foi divulgado nesta segunda-feira (16/07).
As investigações do Senado reforçam as suspeitas de envolvimento do HSBC com redes de lavagem de dinheiro dos cartéis mexicanos e introduzem novas acusações quanto possíveis vínculos com bancos sauditas e bengaleses como também com contas iranianas, rompendo com diversas sanções estabelecidas pelo governo dos EUA. 
“Em uma época de terrorismo internacional, de violência relacionada às drogas nas nossas ruas e fronteiras e crime organizado, parar com fluxos de dinheiro ilício vinculados a essas atrocidades é um imperativo da segurança nacional”, afirmou o senador Carl Levin, presidente do Comitê. 

Cartéis mexicanos
O HSBC continuou a realizar negócios com casas de câmbio mexicanas apesar das crescentes suspeitas de que estariam ligadas à lavagem de dinheiro do narcotráfico, enquanto outros bancos pararam de se relacionar com essas instituições. O banco "não tomou medidas decisivas para enfrentar essas filiais e colocar um fim à conduta", disse o documento.
Segundo o relatório, o negócio mexicano possuía uma filial nas Ilhas Cayman que mesmo movimentando 2,1 bilhões de dólares em apenas um ano, não possuía funcionários nem escritório. O documento também aponta que unidades do banco nos EUA receberam sete bilhões de dólares das casas transportados por aviões ou carros durante os anos de 2007 e 2008.

Desrespeito a sanções
O Senado também denunciou o banco por movimentar dinheiro vinculado ao Irã e a Cuba, ambos sancionados pelos EUA. Para burlar as regras norte-americanas, o HSBC apagou todas as referências das transações de seus registros, explicou o jornal britânico The Telegraph.
Acredita-se que mais de 28 mil transações irregulares foram realizadas pelo HSBC durante o período de 2001 a 2008. O Irã estaria envolvido em 25 mil dessas movimentações que envolveram cerca de 19,4 bilhões de dólares, informou o jornal britânico The Guardian.
O HSBC providenciou dólares e serviços bancários a bancos da Arábia Saudita e de Bangladesh, suspeitos de financiarem organizações terroristas.
Em um dos casos descritos no relatório, o Al Rajhi Bank, instituição saudita suspeita de financiar a Al-Qaeda, ameaçou retirar todos os seus investimentos do HSBC em 2006 caso não recuperasse acesso à transação em massa. Um executivo do HSBC argumentou que o banco deveria retomar os negócios com o saudita, informou o diário norte-americano The New York Times
Em outro exemplo de negociações ilícitas travadas pelo banco britânico, o relatório informa que o HSBC lavou 290 milhões de dólares durante quatro anos por meio do envio de cheques para um banco japonês. Segundo o britânico The Guardian, esta transação deve ter beneficiado russos envolvidos no negócio de carros usados.  

A falta de controle dos EUA
O Comitê do Senado também criticou o papel dos órgãos de controle das instituições financeiras nos EUA. “O escritório regulador do banco federal, o OCC (Escritório de Controle da Moeda), tolerou o fraco sistema contra lavagem de dinheiro do HSBC por anos”, disse o senador Carl Levin, presidente do Comitê. “Se um banco internacional não vai policiar as suas próprias filiais para parar de dinheiro ilícito, as agências reguladoras devem considerar a possibilidade de revogar a carta do banco dos EUA sendo usada para ajudar e estimular este dinheiro ilícito”, criticou.
Esta não é a primeira vez, no entanto, que investigações comprovam a relação de uma relevante instituição financeira com o crime organizado. Em um escândalo de 2007, ficou conhecido que um dos maiores bancos dos EUA, o Wachovia (filiado, atualmente, ao Wells Fargo) lavou 378,4 bilhões de dólares do narcotráfico – quantia equivalente a um terço do PIB do México – por meio de transações financeiras com casas de cambio mexicanas. 

Fonte: Gilson Sampaio

Professores da Unifesp decidem continuar em greve

Professores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) decidiram em assembleia nesta terça-feira continuar em greve por tempo indeterminado. Eles estão paralisados desde o dia 31 de maio e pedem, além de reajuste salarial, mudanças na carreira docente - num movimento composto por professores de 56 das 59 universidades federais. Além das universidades, a paralisação afeta 34 dos 38 institutos federais, dois Centros de Educação Tecnológica (Cefets) e o Colégio Federal Pedro II, no Rio de Janeiro.

Reunidos no câmpus central da instituição, na zona sul da capital, os docentes da Unifesp rejeitaram a proposta anunciada pelo governo na última sexta-feira, que prevê a redução dos níveis de carreira de 17 para 13 - como forma de incentivar o avanço rápido e a busca por títulos - e reajustes de 16% a até 45% num período de três anos.

Durante esta semana, novas assembleias estão programadas em vários câmpus das federais, para cada sindicato discutir seu posicionamento. Na segunda-feira, o Andes, o sindicato dos professores de universidades federais, defendeu a manutenção da greve. A Andes avalia que o movimento de negociação foi "recém-iniciado" com a apresentação da proposta e a paralisação deve continuar. Uma nova reunião entre o comando de greve e o governo está marcada para a próxima segunda-feira, 23, quando serão apresentados ao Ministério do Planejamento o resultado das assembleias.

Fonte: Jornal A Tarde

Exército negará que militares fizeram apologia a crime

O ministro da Defesa, Celso Amorim, indicou que o Exército vai negar que militares do 1º Batalhão de Polícia do Exército, no Rio de Janeiro, cantaram refrões de apologia ao crime enquanto corriam nas ruas da cidade. Em entrevista nesta terça-feira no Senado, onde se encontrou com o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), Amorim chegou a ensaiar um repúdio ao treinamento dos militares, mas depois adiantou que a conclusão de uma sindicância interna minimizará o episódio.

"Se verdadeira (a história), é absolutamente inaceitável. Mas as informações até agora indicam que não teria ocorrido como o descrito ali", afirmou. Durante treinamento na rua Barão de Mesquita, os militares gritaram: "Bate, espanca, quebra o osso. Bate até morrer". Um instrutor perguntou: "E a cabeça?". O grupo respondeu: "Arranca a cabeça e joga no mar". Os relatos foram feitos pela coluna de Ilimar Franco, do jornal O Globo.

Cânticos de defesa de práticas de violação de direitos humanos costumam fazer parte da rotina dos treinamentos das Forças Armadas e das polícias. Nos últimos anos, Exército, Marinha e Aeronáutica não deram indicações de mudanças na formação de suas tropas. Na entrevista, o ministro Amorim destacou que o Exército teve um bom comportamento em ações como a da Rio+20 e no Complexo do Alemão, ambos no Rio. "O Exército não vale daquele tipo de incentivo", afirmou.

Fonte: Jornal A Tarde

Menos de 30% dos brasileiros são plenamente alfabetizados

Apenas 35% das pessoas com ensino médio completo podem ser consideradas plenamente alfabetizadas e 38% dos brasileiros com formação superior têm nível insuficiente em leitura e escrita. É o que apontam os resultados do Indicador do Alfabetismo Funcional (Inaf) 2011-2012, pesquisa produzida pelo Instituto Paulo Montenegro e a organização não governamental Ação Educativa.

A pesquisa avalia, de forma amostral, por meio de entrevistas e um teste cognitivo, a capacidade de leitura e compreensão de textos e outras tarefas básicas que dependem do domínio da leitura e escrita. A partir dos resultados, a população é dividida em quatro grupos: analfabetos, alfabetizados em nível rudimentar, alfabetizados em nível básico e plenamente alfabetizados.

Os resultados da última edição do Inaf mostram que apenas 26% da população podem ser consideradas plenamente alfabetizadas – mesmo patamar verificado em 2001, quando o indicador foi calculado pela primeira vez. Os chamados analfabetos funcionais representam 27% e a maior parte (47%) da população apresenta um nível de alfabetização básico.

“Os resultados evidenciam que o Brasil já avançou, principalmente nos níveis iniciais do alfabetismo, mas não conseguiu progressos visíveis no alcance do pleno domínio de habilidades que são hoje condição imprescindível para a inserção plena na sociedade letrada”, aponta o relatório do Inaf 2011-2012.

O estudo também indica que há uma relação entre o nível de alfabetização e a renda das famílias: à medida que a renda cresce, a proporção de alfabetizados em nível rudimentar diminui. Na população com renda familiar superior a cinco salários mínimos, 52% são considerados plenamente alfabetizados. Na outra ponta, entre as famílias que recebem até um salário por mês, apenas 8% atingem o nível pleno de alfabetização.

De acordo com o estudo, a chegada dos mais pobres ao sistema de ensino não foi acompanhada dos devidos investimentos para garantir as condições adequadas de aprendizagem. Com isso, apesar da escolaridade média do brasileiro ter melhorado nos últimos anos, a inclusão no sistema de ensino não representou melhora significativa nos níveis gerais de alfabetização da população.

“O esforço despendido pelos governos e também pela população de se manter por mais tempo na escola básica e buscar o ensino superior não resulta nos ganhos de aprendizagem esperados. Novos estratos sociais chegam às etapas educacionais mais elevadas, mas provavelmente não gozam de condições adequadas para alcançarem os níveis mais altos de alfabetismo, que eram garantidos quando esse nível de ensino era mais elitizado. A busca de uma nova qualidade para a educação escolar em especial nos sistemas públicos de ensino deve ser concomitante ao esforço de ampliação de escala no atendimento para que a escola garanta efetivamente o direito à aprendizagem ”, resume o relatório.

A pesquisa envolveu 2 mil pessoas, de 15 a 64 anos, em todas as regiões do país.

Veja quais são os quatro níveis de alfabetização identificados pelo Inaf 2011-2012:

Analfabetos: não conseguem realizar nem mesmo tarefas simples que envolvem a leitura de palavras e frases ainda que uma parcela destes consiga ler números familiares.

Alfabetizados em nível rudimentar: localizam uma informação explícita em textos curtos, leem e escrevem números usuais e realizam operações simples, como manusear dinheiro para o pagamento de pequenas quantias.

Alfabetizados em nível básico: leem e compreendem textos de média extensão, localizam informações mesmo com pequenas inferências, leem números na casa dos milhões, resolvem problemas envolvendo uma sequência simples de operações e têm noção de proporcionalidade.

Alfabetizados em nível pleno: leem textos mais longos, analisam e relacionam suas partes, comparam e avaliam informações, distinguem fato de opinião, realizam inferências e sínteses. Resolvem problemas que exigem maior planejamento e controle, envolvendo percentuais, proporções e cálculo de área, além de interpretar tabelas, mapas e gráficos.

Fonte: Jornal A Tarde

Nova Ford Ranger: A raça continua forte

 
 
A Ford apresentou a Nova Ranger, a picape média que estabelece uma nova referência em desempenho, capacidade off-road, design, tecnologia e traz um nível de segurança inédito em seu segmento de mercado.
Com cabines dupla e simples, motores diesel e flex, transmissões automática e manuais, a picape oferece o melhor conjunto de atributos com as mais vantajosas condições de negócio da categoria.
No seu projeto, a Ford investiu US$ 1,1 bilhão. Com uma nova plataforma, a Nova Ranger é a única picape a contar com a classificação 5 estrelas do Euro NCAP, o principal órgão independente de avaliação de segurança veicular da Europa.
No seu desenvolvimento, foi submetida aos testes mais rigorosos em diferentes regiões do mundo, do calor do deserto às temperaturas abaixo de zero do Ártico. No total, foram mais de 1 milhão de quilômetros de testes, incluindo percursos no Brasil, para garantir o desempenho e durabilidade da picape sob todas as condições de uso.
Ela impressiona ainda pelo nível de qualidade, pela imponência, pelo desenvolvimento ultramoderno e robustez, excedendo no padrão de confiança. Também é muito eficiente no desempenho e economia de combustível.
A sua proposta de veículo combina ainda capacidade de carga, alto padrão de dirigibilidade e conteúdo de conforto com preço muito competitivo.
 
Motores e transmissões
 
A nova picape traz motores potentes e é líder na versão 3.2 Diesel de cinco cilindros, com 200 cv, e na 2.5 Flex, de 168 cv com gasolina e 173 cv com etanol. Ambos são da nova geração Ford, os mais modernos do mercado. A linha tem ainda um motor 2.2 destinado para venda a frotistas.
As transmissões também são novas e avançadas: a eficiente transmissão automática de seis velocidades, além das versões manuais de cinco ou seis velocidades.
Os motores e transmissões são fabricados pela Ford e projetados especialmente para este uso, um enorme diferencial no segmento.
 
Linha completa
 
A Nova Ranger oferece uma gama ainda mais completa de opções para os consumidores, com modelos cabine simples ou dupla, motores Diesel 3.2 ou 2.2 (este último exclusivo para frotistas) ou 2.5 Flex, tração 4x4 ou 4x2 e versões de acabamento XL, XLS, XLT ou Limited. É a linha mais completa e abrangente do mercado para atender as diferentes necessidades dos consumidores do segmento.
 
A picape da Ford tem um conjunto mecânico totalmente novo, incluindo o chassi. Essa nova plataforma permitiu o desenvolvimento de carrocerias dupla e simples como projetos distintos para cada utilização.
Foram criados novos sistemas de suspensão e de direção, combinando tecnologias inteligentes e funcionalidade. O resultado é um veículo capaz de atender uma ampla gama de aplicações, tanto na robustez de uma picape para o trabalho, como no conforto que se exige de um modelo para passageiros.
Sua distância entre-eixos é a maior da categoria, o que garante ampla capacidade de transporte e aproveitamento de carga. Ao mesmo tempo, propicia um espaço interno entre os líderes da categoria. Na cabine dupla, por exemplo, a Nova Ranger oferece a melhor relação de espaço traseiro e com grande conforto e ergonomia, um ponto altamente desejado pelo consumidor de picapes.
 
Imponência no design

Robusta e moderna, a Ranger tem uma personalidade forte e vibrante. O seu design exterior moderno foca no conceito Raça Forte, que marca a experiência da Ford neste ramo de veículos.
As suas linhas são musculosas e limpas e a postura firme e confiante sinaliza a força de uma picape de última geração. A ampla grade de três barras cromadas, com o oval Ford no centro, é um elemento de identificação global da marca.
 
 
O para-brisa bem inclinado e as superfícies dinâmicas da lateral desenham um perfil ágil, com linha de cintura alta e vincos que criam um jogo de luz.
A traseira imponente e robusta harmoniza o design e amplia a capacidade de carga da caçamba. Na tampa traseira, a maçaneta cromada com chave e câmera de ré embutida no logotipo Ford são novidades. A luz de freio é incorporada no santantônio.
As rodas de liga leve, de 16 polegadas na versão XLS e de 17 polegadas nas versões XLT e Limited, têm desenho forte e moderno.
A linha conta com nove opções de cores superatuais. São cinco perolizadas: preto Gales, azul Mônaco, azul Aurora, cinza Ubatuba e cinza Novara; duas metálicas: prata Geada e prata Atenas; e duas sólidas: branco Ártico e vermelho Bari.
 
Interior refinado e prático
 
Se o conjunto mecânico é aprimorado, o interior não fica nada a dever: exibe um altíssimo padrão de espaço, silêncio, conforto e tecnologia embarcada, revolucionando o conceito de qualidade na categoria.
Do tecido dos bancos à textura dos painéis internos e tonalidades de cores, o interior da Nova Ranger é um produto premium, sem abrir mão da durabilidade para atender a aplicações profissionais.
Os bancos são anatômicos e confortáveis, com opção de couro. A direção traz um design exclusivo e o painel tem comandos ergonômicos e intuitivos, com iluminação na cor azul “Ice Blue”.
A cabine conta com 23 diferentes porta-objetos, incluindo console no teto com porta-óculos, porta-luvas com capacidade para acomodar um laptop e um compartimento oculto sob o banco traseiro. Outro destaque é o compartimento refrigerado no console, ligado ao sistema de ar-condicionado, com capacidade para seis latas de refrigerante.
A Nova Ranger tem o conteúdo mais completo de conforto e conveniência do segmento. Oferece, dependendo da versão: ar-condicionado automático digital de dupla zona, GPS integrado com mapas do Brasil e tela de LCD de 5 polegadas, sensor de estacionamento traseiro, câmera de ré, computador de bordo, sensor de chuva, acendimento automático dos faróis, bancos elétricos com ajuste em 8 posições, piloto automático e controle de áudio no volante.
Sistema de som com entrada para iPod, USB e conexão Bluetooth para celular, faróis com ajuste de altura, retrovisores com rebatimento elétrico, trio elétrico com abertura e fechamento global e abertura elétrica do tanque de combustível são outros itens disponíveis.
 
Segurança 5 estrelas
 
A Nova Ranger tem o conjunto mais completo de segurança ativa e passiva da categoria: seis airbags (dianteiros, laterais e de cortina), carroceria ultrarreforçada com zonas de deformação programada, sensores inteligentes de severidade de impacto, freios ABS, câmera traseira, sensor de ré, além de controle de estabilidade com 8 funções, o mais completo da categoria.
O controle eletrônico de estabilidade é capaz de desempenhar as seguintes funções: controle de tração, controle automático de velocidade em descidas, assistente de partida em rampa, controle de oscilação de reboque, controle adaptativo de carga, controle anticapotamento, luz de frenagem de emergência e assistência em frenagem de emergência.
 
Versões completas
 
A versão equipada com motor 3.2 Diesel cabine dupla 4x4 XLT vem com trio elétrico, ar-condicionado digital de dupla zona, airbag duplo, freios ABS com EBD, controle eletrônico de estabilidade (ESP) com oito funções, diferencial traseiro blocante, piloto automático, áudio com Bluetooth, santantônio e estribos cromados, faróis de neblina e rodas de liga leve de 17 polegadas.
A versão 3.2 Diesel cabine dupla 4x4 Limited, topo de linha, vem também com airbags laterais e de cortina, GPS, câmera de ré, sensor de chuva, faróis com acendimento automático, bancos com ajuste elétrico em 8 direções, retrovisores com rebatimento elétrico, console refrigerado, santantônio estilizado e bagageiro no teto.
Outro exemplo é a versão 2.5 Flex cabine dupla XLT. Ela vem com trio elétrico, ar-condicionado digital de dupla zona, airbag duplo, freios ABS com EBD, piloto automático, áudio com Bluetooth, santantônio e estribos cromados, faróis de neblina e rodas de liga leve de 17 polegadas.
Toda a linha conta com 3 anos de garantia sem limite de quilometragem e oferece manutenção econômica, com preços competitivos de peças de reposição. Como oferta de lançamento, a Ford Credit e a Mapfre Seguros oferecem uma apólice de seguro para a Nova Ranger sem perfil do condutor e com preço especial.
 

Fonte: Site do Moquenco

Novo VW Space Cross: Respeito é bom!!!

 
A Volkswagen  lançou o Space Cross, a versão aventureira do SpaceFox, dentro do mesmo espírito das outras versões do gênero produzidas pela marca, a Saveiro Cross e o CrossFox, e o Blog do Moquenco, do jornalista Orestes Moquenco, teve a oportunidade de ficar alguns dias com um exemplar do modelo, para uma rápida avaliação.
Não foi exigida ao extremo, pois não tinha a menor necessidade, já que o Space não atende tal apelo. Picape 4x4 é uma coisa, ele é outra completamente diferente. Gosta de uma boa terra batida, tipo carreadores de canavial, seu habitat preferido, mas não faz feio quando o chão fica úmido e cheio de lama, não um atoleiro.
Com suspensão elevada, o Space Cross foi criado para possibilitar o acesso com maior facilidade a caminhos não asfaltados, oferecendo simultaneamente os mesmos níveis de conforto e versatilidade que do SpaceFox. Trata-se de um carro agradável de dirigir, combinando agilidade e estabilidade, com excelente comportamento nas curvas.
Um dos atrativos do Space Cross é a oferta do maior pacote de itens tecnológicos do segmento, que inclui computador de bordo com sete funções, espelho retrovisor interno eletrocrômico, faróis com acendimento automático e função coming & leaving home, sensor de chuva, retrovisor externo com função tilt down e sensor de estacionamento traseiro. O carro traz, de série, conjunto elétrico, ar-condicionado e direção hidráulica e não faz concessões em matéria de segurança: tem airbags dianteiros e freios ABS, considerado mais que completo nos dias de hoje e a versão avaliada possui tudo isso.
O modelo é equipado com o motor 1.6 VHT Total Flex que desenvolve 104 cv quando abastecido com etanol e 101 cv com gasolina. O conjunto mecânico conta com a transmissão I-Motion  de cinco velocidades, tornando o veículo ainda mais tranquilo de dirigir e ainda o sistema Shift Padlles no volante, adiantando muito e colocando o condutor em posição sempre de ataque.
Conhecida pela sigla ASG (iniciais de Automated Sequential Gearbox), a transmissão I-Motion permite que o motorista faça trocas de marchas sem o acionamento da embreagem pelo condutor. As mudanças podem ser feitas por meio da alavanca localizada no console ou pelos acionadores opcionais (shift paddles) posicionados junto ao volante. Pode ser usada de modo totalmente automático, com a troca das marchas acionada de forma automatizada por uma central eletrônica.
Conhecida pela sigla ASG (iniciais de Automated Sequential Gearbox), a transmissão I-Motion permite que o motorista faça trocas de marchas sem o acionamento da embreagem pelo condutor.
A tecnologia I-Motion se baseia na tradicional transmissão manual com cinco marchas MQ200 da Volkswagen.  A transmissão automatizada agrega à caixa um sistema de acionamento inteligente e elimina a necessidade do pedal da embreagem.
Na transmissão ASG, as trocas de marchas são feitas por atuadores eletro-hidráulicos, acionados por um sistema de óleo pressurizado até 60 bar. A seleção das marchas é feita por uma central de controle computadorizada específica (TCU – Transmission Control Unity), que troca informações com a central responsável pelo gerenciamento do motor (ECU – Engine Control Unity). Para escolher a marcha apropriada a cada situação são levados em conta dados como a velocidade do carro, a inclinação da pista, rotação do motor e o posicionamento do pedal do acelerador.
O motorista pode optar por um comportamento mais dinâmico, em modo automático, selecionando a opção esportiva do câmbio (S, de Sport). Nessa posição, a TCU passa a realizar as trocas nas acelerações em rotações mais elevadas, privilegiando ao máximo o aproveitamento do torque do motor.
Depois de explicado tudo isso para quem não conhecia o I-Motion, na avaliação, achei que o sistema "atrasa" um pouco as mudanças, prejudicando a guiada mais agressiva, mas o ser humano se acostuma com tudo, até com esse pequeno delay de uma marcha para outra. Muitos reclamam sobre o sistema, mas nem tudo são flores na vida.
Quando abastecida com etanol, senti que ela "toma" mais, em consequencia, anda mais. Não descobri a pólvora sem fumaça, mas é uma das opções do proprietário do veículo.
É muito bom de guiar o Space Cross, com suspensão elevada em 33 mm na dianteira e 35 mm na traseira, em comparação à do SpaceFox. É um carro na mão e dá prazer acelerar em um carreador de cana ou um chão com buracos leves, graças à alteração na geometria, nas mangas de eixo e na calibração da suspensão e conta com pneus 205/55 R15. O preços vão de R$ 57.990 a R$ 60.990 (versão I-Motion), compatíveis com o que é oferecido por mais este membro da família VW.
O motor de cento e poucos cavalos proporciona uma velocidade máxima de cerca de 170 km/h, considerada boa para os que querem um veículo esperto no chão batido e confortável no asfalto.
Gostei muito, mesmo apanhando um pouco do câmbio I-Motion. Mas, isso passa. (Orestes Moquenco)

Audi A5 Cabriolet: Esporte e sofisticado ao extremo


A5Cabio 2

O modelo Cabriolet de quatro lugares da Audi, assim como os outros Audi A5 recentemente lançados no mercado brasileiro (Sportback e Coupé), também ficou mais elegante e refinado após recente atualização. Seguindo o padrão dos outros modelos conversíveis da marca dos quatro anéis, o novo Audi A5 Cabriolet vem equipado com uma capota de tecido totalmente automática, que oferece um alto grau de conforto, tanto aberta quanto fechada. São necessários apenas 15 segundos para abrir ou fechar o equipamento, mesmo com o carro em movimento, a uma velocidade de até 50 km/hora.
O teto acústico com uma camada isolante é impressionante: quando fechado, reduz o ruído de modo tão eficaz que possibilita ao condutor total concentração na experiência de dirigir. Quando aberta, a capota dobra-se em um pequeno pacote que deixa 320 litros de capacidade de bagagem no porta-malas – quando fechada, a capacidade sobe para 380 litros. Com os encostos dos bancos traseiros dobrados o espaço se expande para 750 litros.
O A5 Cabriolet tem um defletor de vento integrado na estrutura do pára-brisa, que melhora o nível de ruído interno com a função de fazer o ar passar por cima do habitáculo e outro entre os assentos dianteiros e traseiros para redução do fluxo do retorno do vento. Materiais de qualidade superior criam uma atmosfera luxuosa e bem acabada no interior do modelo. A superfície da armação do pára-brisas é de alumínio anodizado e o acabamento interno é “Platinum”.
Elementos de reforço integrados na carroceria do conversível de quatro lugares atuam para compensar a falta de um teto rígido. Airbags laterais e chapas de alumínio, colocadas de forma a proteger os ocupantes em caso de acidente ou capotamento, completam o pacote de segurança.
Com 4.626 mm de comprimento, 1.854 mm de largura e 1.383 mm de altura, o novo Audi A5 Cabriolet tem entre-eixos de 2.751 mm e peso de 1.735 kg. O modelo apresenta dianteira agressiva e linhas horizontais na traseira que enfatizam a esportividade. Os faróis bi-xenônio redesenhados, com faixa de LED, e as lanternas traseiras também com LED completam o visual moderno.

A5Cabio 3
A montadora oferece ainda faróis com ajuste automático de altura e um par de eficientes farois de neblina, aprimorados e moldurados por uma lâmina preta de alto brilho. São 15 opções de cores disponíveis para a carroceria, duas opções de cores internas – preto e cinza – em diversas combinações e 3 opções de cores de capotas. As rodas são de liga leve de 18 polegadas, com pneus 245/40.

Excelência na categoria Cabriolet
Os modelos cabriolet sempre marcaram a história da Audi no Brasil, desde a chegada da empresa há 18 anos no País. O primeiro veículo da montadora a desembarcar por aqui foi o Audi 80 Cabriolet, estrela da festa de lançamento da marca no Brasil, em março de 1994. Na ocasião, o piloto Ayrton Senna, então importador da Audi para o Brasil, apresentou o modelo em uma festa para 3 mil pessoas em um hangar no Aeroporto de Congonhas. O conversível chegou de avião cargueiro e foi dirigido até o palco da festa pelo humorista e apresentador Jô Soares, que entregou o conversível ao tricampeão mundial de F1, ao som do “Tema da Vitória”.
A história dos cabriolets da Audi no Brasil tem ainda outras estrelas, como o Audi A4 Cabriolet, o Audi TT, TTS e TT RS Roadster e o R8 V10 Spyder, todos reconhecidos pelo design inovador e elegante e pela esportividade nas linhas e motorizações.

Motorização e câmbio
O novo Audi A5 Cabriolet é bastante parecido com o Coupé, em relação ao chassi, ergonomia e equipamentos. O mesmo se aplica à motorização, tração quattro e transmissão S-tronic.
O modelo vem equipado com motor 2.0 TFSI, de quatro cilindros e 1.984 cm3 de cilindrada, que gera 211 cv de potência máxima, entre 4.300 e 6.000 rpm. O torque máximo é de 350 Nm, disponível entre 1.500 e 4.200 rpm.
Entre os destaques de tecnologia está o sistema AVS (Audi Valvelift System) que varia a abertura e fechamento das válvulas do motor, alterando o desempenho em baixas e altas rotações. Seguindo o desenvolvimento tecnológico da marca, o novo Audi A5 Cabriolet também utiliza o sistema KERS de recuperação de energia cinética aumentando com isso a eficiência no consumo de combustível.

A velocidade máxima é de 238 km/hora e a aceleração de 0 a 100 km/hora é feita em apenas 7,3 segundos. Mesmo com um motor compacto, o desempenho e eficiência do novo Audi A5 Cabriolet ganharam destaque, graças à tecnologia do turbocompressor, novo câmbio S tronic e ao alto torque em baixas rotações.
A versão cabrio de 211 cv vem equipada com câmbio S tronic (dupla embreagem) de 7 velocidades, que porporciona engates de marchas mais rápidos do que uma tradicional transmissão mecânica e economia de combustível significativa. No modo automático, a função executa as trocas de marcha de maneira suave e temporiza as mudanças de modo a otimizar o consumo de combustível.  
O sistema quattro de tração integral permanente está disponível como item de série e apresenta novo diferencial central e a função de vetorização de torque, que garante ainda mais tração, estabilidade e resposta dinâmica, porque atua nas quatro rodas: se uma delas fica sem atrito, o sistema desacelera um pouco aquela roda para evitar que ela derrape. Isso resulta em excelente tração para fazer uma curva, por exemplo.

Conforto e conveniência
Com acabamento interno “Platinum”, o novo Audi A5 Cabriolet oferece materiais de alta qualidade, que tornam o modelo mais elegante do que nunca e os controles ainda mais intuitivos. Os bancos esportivos são recobertos com uma combinação de couro e couro Alcantara, com ajustes elétricos (inclusive para o apoio lombar) disponíveis para o condutor e passageiro da frente. O banco traseiro é bipartido e o modelo vem equipado com capota elétrica, que abre e fecha em apenas 15 segundos, mesmo com o veículo em movimento (abaixo de 50 km/hora).
Entre os itens de conforto e conveniência, destaque para alavanca de câmbio em couro, ar-condicionado automático, computador de bordo com marcador de temperatura, controle de cruzeiro, espelho retrovisor interno com função antiofuscante automática, vidros com isolante térmico e volante esportivo multifuncional, em couro, com shift paddles.

A5 7

No exterior, o acabamento das soleiras das portas é em alumínio e os espelhos retrovisores têm ajuste elétrico e capa externa na cor do veículo. No Pacote Advanced, os opcionais oferecidos pela montadora são oAudi Drive Select – sistema que possibilita selecionar o modo de condução mais atraente para o motorista, modificando característicasda direção, motor e módulos de controle do amortecimento; o Audi Side Assist - que alerta o condutor sobre o posicionamento de veículos em pontos cegos e que permite a troca de faixa mais segura; o computador de bordo colorido; e o sistema Keyless-Go (que permite ao motorista abrir a porta e dar a partida sem a chave).
Os espelhos retrovisores externos eletricamente ajustáveis, rebatíveis e aquecidos; o sistema de som Bang & Olufsen; e o sistema Keyless-Go, caso o cliente não peça o Pacote Advanced também podem ser solicitados como opcionais.

Informação e entretenimento
O sistema de informação e entretenimento, que também foi significativamente melhorado, inclui a unidade MMI (Multi Mídia Interface) Plus, com sistema de navegação e comando de voz ativo (o veículo interage com o condutor). A operação é intuitiva, por meio do botão MMI com joystick ou controle por voz integrado. O MMI Navigation Plus inclui uma tela em cores de 7 polegadas e de alta qualidade, com apresentação de mapas em 3D e disco rígido para músicas e dados de 20 GB.
O modelo vem ainda equipado, de série, com rádio Symphony, sistema Bluetooth e Audi Music Interface.
A5cabio 1
 
 Fonte: Site do Moquenco

Tia amordaçava e dava comida mofada a crianças em creche

Acusada teria tentado convencer a filha adolescente a assumir a culpa pelos maus-tratos
Creche dos horrores. Assim está sendo chamada a casa de R.F., de 43 anos, onde dois bebês - um menino de 1 ano e 2 meses e outro de 11 meses - que ela tomava conta foram fotografados amarrados e amordaçados com os bracinhos para trás. O imóvel fica em São José do Imbassaí, distrito de Maricá. As imagens foram feitas semana passada pela filha da acusada, uma adolescente de 14 anos. A menina teria sido coagida pela mãe a assumir a culpa pelos maus-tratos. O caso foi registrado na 82ª DP (Maricá).
Mães de bebês que ficavam na falsa creche também acusam R. de servir comida mofada às crianças. Em duas conversas por telefone, que foram gravadas, R. pede que a filha diga que foi ela quem amarrou os meninos porque não queria mais que a mãe cuidasse das crianças. Ela diz que será presa caso a adolescente não confirme esta versão em depoimento à polícia. A dona da casa, no entanto, nega as acusações de agredir as crianças.
A ‘creche dos horrores' funcionava na casa onde a acusada mora. No local, ela cuidava de cerca de 10 crianças, mas o imóvel foi fechado porque não tem autorização para funcionar como creche. "Fiquei horrorizada. Antes de colocar meu filho lá fui conhecer e parecia tudo normal", disse uma mulher de 42 anos, que recebeu as fotos feitas na casa e as mostrou para a mãe de outro bebê.
Segundo outra mãe de criança que ficava na casa de R., sua filha de 3 anos contou que a acusada amarrou um menino e o jogou na cama, além de outras torturas. "Minha filha disse que nessa hora ele bateu com o rosto na madeira. Ainda tem a marca", denunciou.

Camisa foi apreendida
Uma camisa que teria sido usada para amordaçar uma das crianças foi apreendida pela polícia, assim como as fotos e o CD com a gravação da suposta conversa entre R.F. e a filha por telefone. O material será encaminhado à perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). Hoje, agentes da 82ª DP (Maricá) vão ouvir depoimentos. Mães de algumas crianças deverão ser ouvidas.

Advogado diz ser invenção
Na delegacia, a filha de R.F. repetiu, em depoimento, a conversa que foi gravada por telefone. O advogado da acusada, Fábio Toledo, disse que a adolescente, que é filha adotiva, teria inventado a história para se vingar da mãe por achar que não recebia atenção. "Ela simulou os maus tratos porque a mãe não estava dando muita atenção para ela. E depois ficou com medo de assumir a culpa porque seria alvo do ódio das mães das crianças", afirmou o advogado.

Drag-queen leva rapa

Letícia Roccos acusa fã de roubar suas perucas, botas e maquiagem. Eles se conheceram no ‘Face’
A drag-queen Letícia Roccos, de 30 anos, prestou queixa na 43ª DP (Guaratiba) contra um fã que ela abrigou em sua própria casa. A denunciante - cujo nome de batismo é Cícero de Albuquerque - diz ter sido roubada pelo rapaz, que mora em Barra Mansa, no Sul Fluminense. Segundo ela, na madrugada do último dia 10, foram furtados três estojos de maquiagem, perucas e botas, causando prejuízo de cerca de R$ 5 mil.
A vítima conheceu o suspeito através do Facebook, há cerca de um mês. "Ele me adicionou e disse ser meu fã. O cara também ficou muito interessado nos shows que eu faço e disse que tinha vontade de ser drag-queen", disse Letícia, que durante um mês ajudou o suspeito com dinheiro e abrigo.
O fã teria dito para Letícia que sofreu abusos da mãe quando era criança. "O corpo dele tem muitas cicatrizes. Ele me dizia que foram feitas pela mãe, que era ligada à magia negra. Acredito que com essa informação também ajudo a polícia a encontrá-lo", comentou a drag, ressaltando que nunca manteve relacionamento amoroso com o fã. "Tenho um companheiro há 18 anos".
Desde o dia 10, Letícia está fazendo show com perucas e botas antigas ou emprestadas por amigos. Ela também está passando perrengue no curso de maquiagem em que está inscrita, já que teve todo o material roubado.
Agentes da 43ª DP estão à procura do suspeito. O nome dele é mantido em sigilo para não atrapalhar as investigações. "Vamos chamar a vítima para depor novamente e estamos tentando localizar o acusado. Assim que conseguirmos identificá-lo, ele também vai ser convocado a depor", afirmou o delegado Marcos Cipriano, titular da distrital.

Relatos de mais vítimas
Letícia lançou uma campanha no Facebook pedindo ajuda para encontrar o ladrão e recuperar o material roubado. Segundo ela, o suspeito já foi visto em uma boate em Volta Redonda, no Sul do Estado.
"Há outras drag-queens me procurando dizendo terem sido vítimas do mesmo homem", contou Letícia, que suspeita que o acusado poderia assassiná-la. "Ele tirou as facas da cozinha e deixou ao lado da minha cama. Ou ele iria me matar enquanto eu dormia ou ia usar caso eu tentasse impedi-lo de roubar".

Fonte: Jornal Meia Hora

"Meu pai falava que eu ia ser um perdedor", diz Dr. Rey no De Frente Com Gabi.


 
No "De Frente Com Gabi" desta quarta, 18 de julho, Marília Gabriela entrevista o cirurgião plástico Roberto Miguel Rey Júnior, mais conhecido como Dr. Rey. Nascido em São Paulo, Rey é filho de pai americano e mãe gaúcha e passou uma infância difícil até ser levado para os Estados Unidos por uma família de Mórmons. Ele vem ao programa para falar sobre cirurgias plásticas, sua história de vida, seus planos para o futuro e outras curiosidades.


Confira as melhores frases da entrevista: 

  • Saí do Brasil ainda criança, por isso meu português é de um menino de 11 anos.
  • Impressionar o mundo com números é fácil, eu quero impressionar a Deus.
  • Nasci em São Paulo, na Lapa de Baixo.
  • Meu pai era um herói de guerra, mas era mulherengo.
  • Meu pai se apaixonou por uma espiã alemã.
  • Eu roubava lojas de comida, brinquedos, 2 ou 3 vezes por semana quando era criança.
  • Os Mormons salvaram minha vida. Se eles não tivessem batido na minha porta eu estaria hoje em uma cadeia brasileira.
  • Estou sempre nas baladas, mas meu copo só tem água.
  • Pra cada riquinha que eu opero eu posso fazer 3 cirurgias de lábio leporino.
  • Eu tenho uma auto-estima muito ruim.
  • Meu pai falava que eu nunca ia ter nada, que eu ia ser um perdedor.
  • O gringo está melhorando, mas ainda é muito racista.
  • Eu nasci para dar voz aos latinos.
  • Na medicina, a parte mais artística é a cirurgia plática, por isso eu a escolhi.
  • Mais uns 5 ou 6 anos eu vou concorrer a governador do Estado da Califórnia.
  • Eu tenho a cara um pouquinho gay, mas as mulheres sabem que eu não sou.

Fonte: Portal SBTista

Perfume de Lady Gaga será lançado em agosto; veja detalhes

 Perfume de Lady gaga terá nota floral Foto: Getty Images

Nada de notas de sangue e sêmen, como Lady Gaga havia anunciado. Seu novo perfume, Lady Gaga Fame, é floral frutal. Confira abaixo os detalhes do produto, divulgados pelo site WWD:

– A novidade será lançada mundialmente no fim de agosto. É preta na embalagem, mas se torna invisível ao entrar em contato com o ar;
– A estrutura do perfume foge da piramidal, com notas de topo, médias e de base. É de trampolim, o que significa que as notas são exaladas de maneira aleatória;
– Os perfumistas Richard Herpin, Honorine Blanc e Nathalie Lorson trabalharam com a cantora para criar o aroma, com toques de beladona, incenso, açafrão, mel, néctar de damasco, esmagado de orquídea-tigre e jasmim-árabe;
– A novidade estará disponível em frascos de três tamanhos e o preço varia de US$ 19 a US$ 79 (aproximadamente, R$ 39 a R$ 161);
– Complementos, como sabonete preto, loção corporal e sabonete líquido, serão disponibilizados após o lançamento do perfume.

Fonte: Terra

Lázaro Ramos vive músico em filme de Sérgio Machado

Uma da manhã na Sala São Paulo. A movimentação é intensa, mas não é nenhum concerto, nenhum recital. A sala abriga nesta madrugada a filmagem de uma cena importante do novo longa de Sérgio Machado. O diretor de "Cidade Baixa" e "Quincas Berro D’Água" comanda uma animada equipe reunida pela Gullane Filmes para contar a história do Instituo Baccarelli e da Sinfônica de Heliópolis. Neste momento específico, o músico de periferia realiza seu exame de admissão para a Osesp. O próprio diretor artístico da Orquestra Sinfônica de São Paulo - Arthur Nestrovski - faz uma participação especial, integrando a banca examinadora que avalia... Lázaro Ramos.

Em sua segunda parceria com o diretor, Lázaro faz o músico jovem que joga suas fichas e sonha integrar a prestigiada orquestra. O filme chama-se, provisoriamente, "Acorda, Brasil", mas é certo que vai mudar até o lançamento, embora o título tenha a ver com o conceito da obra. O músico de Lázaro é a representação deste Brasil que, nos últimos anos, tem aberto novas perspectivas de vida para a garotada da periferia. Não faz muito tempo, quais eram as opções? Ser jogador de futebol ou então uma meteórica trajetória no tráfico, ganhando dinheiro (rapidamente) e vivendo 'à bout de souffle' (a perder o fôlego) antes de tombar sob as balas de adversários ou da polícia.




Esses garotos hoje podem sonhar com outras coisas, como os da favela de Heliópolis, que possui uma orquestra sinfônica e é dela que Lázaro - o personagem dele - sai para a Osesp. A Osesp é a cereja do bolo, a Sinfônica de Heliópolis é a expressão do Brasil que acorda - e isso não vai mudar com o título -, mas o filme não é chapa branca, como diz o diretor Machado. "É tudo, menos chapa branca", reforça Lázaro Ramos, que chega dos bastidores para conversar com a reportagem. O palco está uma balbúrdia. A cena filmada nesta noite é a sequência do material que foi rodado no dia anterior. Lázaro, no violino, acompanhado de uma pianista. Os planos próximos de ambos já foram feitos e agora, nesta madrugada, o diretor de fotografia Marcelo Durst sobe na plataforma para filmar, de cima do palco, as reações dos integrantes da comissão de avaliação, que, da plateia, assistem à apresentação do candidato.







Embora o nome de Lázaro Ramos seja o mais importante no elenco de "Acorda, Brasil", o longa tem participações de outras figuras conhecidas, como a própria mulher do ator, Taís Araújo, e Sandra Corveloni, que ganhou o prêmio de interpretação feminina no Festival de Cannes por "Linha de Passe", de Walter Salles. Mas o personagem de Lázaro é o motor que impulsiona a historia real, baseada na experiência de dois jovens de comunidade cuja vida será transformada pela música. Fátima Toledo, com quem Lázaro e Machado trabalharam em "Cidade Baixa", prepara mais uma vez o elenco jovem, repetindo uma experiência que começou em "Pixote, a Lei do Mais Fraco", de Hector Babenco, há 32 anos, e prosseguiu em "Cidade de Deus", de Fernando Meirelles, há dez. Ambos os filmes adquiriram projeção internacional e são bem exemplos do tipo de vida que os garotos de Heliópolis - e "Acorda, Brasil" - estão conseguindo, agora, evitar.

Marcelo Durst, o grande diretor de fotografia de "Estorvo", retorna ao cinema depois de um período dedicado à publicidade. Filho do lendário diretor de TV e cinema Walter George Durst, Marcelo já trabalhou (num comercial da Nike) com John Woo. Ele gosta de ângulos e movimentos de câmera complicados. Tira de letra. Seu nome é mais um a credenciar a produção da Gullane com estreia prevista para o ano que vem, com distribuição da Fox.

Fonte: Cine In Site

Servidores públicos federais estão acampados na Esplanada dos Ministérios

Servidores públicos federais permanecem acampados na Esplanada dos Ministérios (Antonio Cruz/ABr) 


Servidores públicos da saúde, educação e outras categorias pertencentes ao governo federal estão acampados na Esplanada dos Ministérios. A manifestação, que começou ontem (16) e vai até sexta-feira (20), busca atrair a atenção do governo para as reivindicações do setor.

Antônio Carlos Azevedo, diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Rio de Janeiro (Sintrasef) e servidor da área de saúde, afirma que a categoria tem a menor remuneração do serviço público – R$ 1.900,00 com as gratificações. Segundo Azevedo, os servidores da saúde buscam a equiparação dos salários com as outras categorias.

Outro pedido dos servidores da saúde são medidas de reparação do governo quanto às doenças adquiridas no trabalho. “Nós temos servidores que trabalham a vida toda no combate às endemias e, devido a inseticidas que eram manipulados, 99% de nós estamos doentes”, afirma Azevedo. De acordo com ele, oito trabalhadores do Rio de Janeiro morreram em decorrência da manipulação de inseticidas.

Marcel Matias, coordenador do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica de Natal (Sinasefe Natal), afirma que a greve foi o último recurso encontrado pelo sindicato, que busca melhores condições de trabalho e a reestruturação da carreira de docente e de técnico administrativo.

O sindicalista enfatiza que as duas atividades devem ser tratadas conjuntamente. “O governo chamou apenas os docentes para apresentar proposta. Ele tentou dividir a categoria, não apresentou [nada] para os administrativos. Isso é ruim porque cria uma rivalidade”, afirmou.

A manifestação não tem apenas servidores públicos. No caso dos docentes e técnicos administrativos, alunos de algumas instituições de ensino foram à Esplanada apoiar as reivindicações. É o caso de Thais Mátia, estudante de Minas Gerais. “As pessoas não veem a importância de a gente estar aqui apoiando os professores. É uma causa muito importante”.

De acordo com Maurício Scotelaro, da Diretoria Executiva do Condsef, são esperadas entre duas mil e três mil pessoas na Esplanada dos Ministérios. As ações do dia serão definidas pelos líderes dos sindicatos, à medida que mais servidores chegarem.

Fonte: Jornal A Tarde

Bandidos atiram contra cemitério durante enterro de policial no Caju

O corpo do policial civil Antônio da Gama, de 49 anos, foi sepultado na tarde desta terça-feira no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju, na zona Portuária. Bandidos de favelas das redondezas abriram fogo em direção ao cortejo na chegada do caixão ao cemitério. Um helicóptero da polícia foi acionado para dar apoio aos policiais que estavam presentes ao sepultamento. A aeronave deu rasantes sobre a Favela Parque Alegria, intimidando os bandidos que atiravam contra o cemitério.
Antônio foi morto nesta segunda, na porta de uma creche do Grajaú. Ele trabalhava há três anos como segurança da unidade, tentou correr para dentro da creche, mas foi atingido por dois disparos, quando dezenas de crianças já haviam entrado, às 7h.
O crime soou como um alerta para moradores que já reclamavam dos assaltos a pedestres e roubos de carro no bairro. O comando do 6° BPM (Tijuca) criou um projeto visando o diálogo com a população e reforço na ronda escolar. Latrocínio (roubo seguido de morte) é a principal linha de investigação da Divisão de Homicídios (DH). Segundo testemunhas, seis tiros foram disparados na porta da creche Studio da Criança.
Foto: Severino Silva / Agência O Dia
Policiais da Divisão de Homicídios investigam próximo à unidade escolar, que não deixou de funcionar durante todo o dia de ontem | Foto: Severino Silva / Agência O Dia
Levado ao Hospital do Andaraí, ele não resistiu. Teve a mochila, pistola e celular roubados. O inspetor entrou em 1990 para a Polícia Civil e era lotado na 19ª DP (Tijuca). “Antônio era tranquilo e sempre muito carinhoso com as crianças. Deixou cinco filhos. Todos estão muito abalados”, contou a diretora da creche, Fabiana Souza.

A creche continuou aberta. Porém, alguns pais buscaram os filhos mais cedo: “Continuo confiando plenamente no serviço da escola. A segurança no bairro todo tem que melhorar, senão terei que fazer algo”, disse uma mãe.

“Todo dia tomamos conhecimento de um assalto nessa região. Precisamos de mais policiamento nas ruas”, reclamou Arlindo Coelho, presidente de Associação de Moradores do Grajaú.

Vítima evitou roubo no início do mês

Policias da Divisão de Homicídios trabalham com a hipótese de latrocínio (roubo seguindo de morte), mas não descartam que o crime tenha sido premeditado.

No último dia 5, dois homens tentaram roubar uma moto na frente da mesma creche e foram impedidos pelo policial Antônio Gama, que, junto com mais um segurança, fez disparos para o alto.

Foto: Severino Silva / Agência O Dia
Polícia ampliou patrulhamento no bairro após assassinato | Foto: Severino Silva / Agência O Dia
“Uma das possibilidades é que os mesmos criminosos tenham voltado ao local com um comparsa para roubar as armas dos agentes”, revelou o delegado titular da DH, Rivaldo Barbosa.

O vídeo do circuito interno de câmeras da creche está sendo analisando, mas já é possível afirmar que os três homens desceram de um carro. Comerciantes da região também relataram ter visto o mesmo veículo rondando a região uma hora antes do crime.

Mãe vira alvo no Méier

Na semana passada, no Méier, uma mãe que iria deixar a filha numa creche foi alvo de ladrões, que entraram no carro e a obrigaram a fazer saques em caixas eletrônicos. Depois, seguiram com ela até o Jacarezinho, onde os bandidos desceram.

Em abril de 2007, um outro policial civil, que também trabalhava como segurança da creche, foi baleado ao tentar impedir assalto em frente à creche. Ele disparou contra ladrões que queriam roubar pai e filha. As vítimas ficaram no meio do tiroteio e os criminosos fugiram.

Nesta segunda-feira, após o crime, o tenente-coronel Márcio Rocha, comandante do 6° BPM, afirmou que o policiamento no entorno da creche foi intensificado. À tarde, três carros de polícia ficaram parados na esquina da Av. Júlio Furtado — onde fica a creche — com a Rua Caruaru.

Fonte: Jornal O Dia

'Homer Simpson' cantando 'Eu quero Tchu, Eu quero Tcha'



Veja a cena do episódio 20 da 23ª temporada do seriado que foi ao ar semana passada aqui no Brasil onde o patriarca da família Simpson canta a febre "Eu quero Tchu, eu quero Tcha".


A música foi incluída por uma decisão do estúdio de dublagem Audionews, que faz a versão em português para o canal Fox.O episódio foi ar semana passada aqui no Brasil pelo canal Fox.Confira: