terça-feira, 12 de março de 2013

Suspeito de matar professora postou homenagem no Facebook dias antes

Mensagem compartilhada pelo suspeito no dia 23 de fevereiro (Foto: Reprodução/Facebook) 
Mensagem compartilhada pelo suspeito no dia 23
de fevereiro (Foto: Reprodução/Facebook)

Quinze dias antes do assassinato da professora de português Simone Lima, de 27 anos, na noite de segunda-feira (11), em Itirapina (SP), o suspeito do crime compartilhou uma mensagem no Facebook sobre a importância dos educadores para os japoneses. O corpo da vítima foi enterrado na tarde desta terça-feira (12) no Cemitério Municipal. A Polícia Civil trabalha com a hipótese de crime passional.

"No Japão o único profissional que não precisa se curvar diante do imperador é o professor, pois, segundo os japoneses, numa terra em que não há professores não pode haver imperador", diz a mensagem no Facebook do estudante Thomas Hiroshi Haraguti, de 33 anos, que foi preso em um canavial na madrugada desta terça-feira (12). Acima do texto, postado no dia 23 de fevereiro, ele escreveu: "Bom sabe [sic]".

A foto do perfil de Haraguti foi removida da rede social após o crime, mas a conta continua ativa. O aluno é suspeito de matar a professora de 27 anos a facadas por volta das 19h desta segunda-feira. Segundo o delegado José Franciso Minelli, o estudante seria apaixonado pela professora, mas não era correspondido.

Thomas Hiroshi Haraguti foi preso após matar professora de Itirapina (Foto: Reprodução/EPTV) 
Thomas Hiroshi Haraguti foi preso após matar
professora de Itirapina (Foto: Reprodução/EPTV)

O setor de comunicação social da Delegacia Seccional de Rio Claro divulgou uma nota informando que, no interrogatório, o homem disse que "tinha bronca da professora, que se sentia humilhado e praticou o crime por ódio, porém, não explicou com detalhes os motivos".
Ainda de acordo com a nota, o suspeito começou a estudar na Escola Estadual Professor Joaquim de Toledo Camargo neste ano. "As testemunhas ouvidas no flagrante não souberam informar quais os reais motivos do crime e disseram que nunca ouviram da vitima qualquer reclamação sobre possíveis ameaças ou assédio que ela estaria sofrendo por parte de algum aluno", dizia outro trecho.

A mãe do suspeito, Vera Lúcia Cazão,  não consegue aceitar a atitude do filho. Ela disse que na adolescência ele era viciado em maconha e crack e, mesmo passando por muitos tratamentos, ficou com sequelas. "Ele é um menino quieto, que dorme pouco. Quando ele fica muito tempo sem dormir, ele começa a andar muito, cantar, falar sozinho. Eu criei meu filho para ser um homem, não para ser o que ele se tornou ontem", disse emocionada.
Haraguti está na Cadeia de Rio Claro e deve ser transferido para a Penitenciária de Itirapina. Ele responderá por homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Entenda o caso
O crime aconteceu dentro da Escola Estadual Professor Joaquim de Toledo Camargo. Ainda segundo testemunhas, o suspeito entrou na sala dos professores, empurrou um deles e atacou Simone, que não teve tempo de reagir. A vítima chegou a ser socorrida pelo Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu), mas já chegou ao hospital sem vida.
O estudante, que tem aulas pelo programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA),  foi encontrado pela Polícia Militar às 3h desta terça. Ele estava escondido em um canavial próximo a um resort na zona rural de Itirapina. Com o suspeito, que não reagiu à prisão, os policiais encontraram a faca usada no crime.

A professora Simone Lima foi morta dentro de uma escola estadual de Itirapina (Foto: Reprodução/ Facebook) 
A professora Simone Lima foi morta dentro de uma escola estadual (Foto: Reprodução/ Facebook)
 
Professora amiga
Simone vivia com a irmã Silmara de Lima, desde que ficou órfã de pai e mãe.“Eu acho que era um amor platônico que ele tinha por ela e como não era correspondido resolveu se vingar dessa forma monstruosa que abalou a cidade inteira”, falou Silmara.

Segundo alunos de Simone, ela dava aulas como professora substituta na escola há cerca de três anos. Luciana Acorsi, estudante do 3º ano do ensino médio na escola, disse que a docente era muito querida. "Simpática, explicava a matéria muito bem. Não tinha problema, sempre ajudava, muito amiga. Parecia que ela era parente de todo mundo. A escola perdeu uma grande professora", lamentou emocionada.
A estudante Adrieli Azevedo, também do 3º ano, afirmou que a escola está chocada com o crime. "Ninguém tinha o que reclamar dela. É difícil acreditar que isso aconteceu. A gente espera justiça. A pessoa que fez isso não pode ficar na rua".

Sem aulas
As aulas na Escola Estadual Professor Joaquim de Toledo Camargo foram suspensas por dois dias e só devem ser retomadas na quinta-feira (14). A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo divulgou uma nota durante a noite lamentando a morte da professora.

Fonte: G1

Nenhum comentário: