quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

'Jovem que Leiloou a Vigindade' no 'De Frente com Gabi':Quarta, 27/02/2013

Nesta quarta–feira, 27 de fevereiro, Marília Gabriela recebe a jovem Catarina Migliorini, que ficou conhecido por leiloar sua virgindade na internet.
Catarina, que desistiu da proposta do japonês (o primeiro pretendente que ofereceu o lance de R$1,5 milhão), revela a Gabi que recebeu mais duas propostas e diz que está analisando. “Um foi um pouquinho mais de US$ 1 milhão, o outro foi um pouquinho menos”, afirma. Com 20 anos, a garota diz que a fama é algo novo, que está se adaptando e tem o desejo de publicar um livro.


Catarina Migliorini revela que acredita em amor verdadeiro (Foto: Carol Soares/SBT)


DE FRENTE COM GABI
Neste domingo, à meia-noite

Fonte/Divulgação:SBT

Nadar em piscina no 55º andar custa a partir de R$ 558

SÃO PAULO – A piscina do hotel Marina Bay Sands, em Cingapura, além de ter uma vista impressionante, também é uma das mais caras do mundo. Para construir o hotel que possui três torres e um espaço de lazer no topo do prédio foi preciso de 4 bilhões de libras (cerca de R$ 11,8 bilhões, de acordo com a cotação do Banco central do Brasil do dia 25 de fevereiro de 2013).
A Infinity Pool foi construída para parecer que a água se estende até o horizonte e se encontra no 55º andar, garantindo uma vista completa da cidade. No entanto, nadar na sua borda não é tão perigoso quanto parece; de acordo com jornal britânico Daily Mail, a água transborda e cai em uma estrutura logo abaixo, onde é bombeada de volta para a piscina.

 

Marina Bay Sands
O hotel possui 2.560 quartos e sua diária custa a partir de R$ 558, de acordo como site Hoteis.com. Para entreter os hóspedes, o local tem, além da piscina, casino, teatro, museu, restaurantes e bares, spa, fitness center,  centro comercial, sala de convenções, salão de festas e um canal, que lembra as ruas de Veneza.
O local está funcionando desde junho de 2010. Até então, o hotel mais caro (em termos de construção) era o The Emirates Palace Hotel, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, aberto em 2004, que custou 2 bilhões de libras.

Fonte: Yahoo

Lula se compara a Lincoln: 'a imprensa batia igualzinho batem em mim'

Em um discurso feito no evento que comemora os 30 anos da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou mais uma vez a postura da imprensa. Mas, desta vez, se comparou ao ex-presidente dos Estados Unidos Abraham Lincoln.
"Eu fiquei impressionado como a imprensa batia no Lincoln em 1860, igualzinho batem em mim. E o coitado não tinha nem computador. Ia para o telex ficar esperando", afirmou Lula, que disse estar lendo a biografia do ex-presidente norte-americano. "Hoje a resposta é em tempo real. Eu quero parar de reclamar dos que não gostam de mim e não dão espaço. Eu não convido eles para minha festa e não sou convidado".

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa de conferência em Cuba (Foto: EFE)

As declarações de Lula vêm depois de a presidente, Dilma Rousseff, ter sido criticada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A oposição e os formadores de opinião da imprensa, segundo Lula, nunca quiseram a eleição dele e de sua sucessora. "Essa gente nunca quis que eu e a Dilma ganhássemos as eleições, que a gente fosse progressista", disse. "A bronca que eles tinham de mim era (em relação ao) meu sucesso e agora é o sucesso da Dilma."

De acordo com o ex-presidente brasileiro, os adversários e os "formadores de opinião pública" foram os últimos a aderir, na década de 1980, ao movimento pelas eleições diretas para presidente e, na década seguinte, à campanha pelo impeachment do então presidente Fernando Collor. "É preciso reconhecer que o País mudou muito, inclusive na questão da comunicação. Nos anos 80, qualquer imbecil se achava formador de opinião pública", criticou. "Nesse País, formadores de opinião pública eram contra a campanha das diretas, contra a derrubada do Collor".

Fonte: Época Negócios

Milionário apresenta projeto do Titanic 2 em Nova York

O milionário australiano Clive Palmer apresentou nesta terça-feira (26) o projeto do Titanic 2 - cuja primeira versão naufragou em 1912 deixando mais de 1.500 mortos. À diferença dos fabricantes originais, porém, ele se recusou a dizer que a sua versão do transatlântico mais famoso da História não afundará.
- Qualquer coisa em que você colocar um buraco, afunda - disse Palmer durante o evento, em Nova York, segundo a agência de notícias Reuters. Acho que dizer isso é um cavalheirismo.
O Titanic 2 tentará recriar toda a atmosfera do projeto original. Além do formato da nave, da decoração interna, e das três classes - primeira, segunda e terceira - os passageiros terão à sua disposição trajes de época. Uma das diferenças é que haverá botes salva-vidas para todos e escadas de emergência extras.
O navio, de design norueguês, será de fabricação chinesa. Segundo Palmer, o contrato com o estaleiro estatal CSC Jinling deve ser assinado na semana que vem. Segundo a Reuters, a empresa já está construindo quatro embarcações para os negócios de mineração do empresário.
A expectativa é que a construção comece no fim do ano e que a primeira viagem ocorra em 2016. O roteiro será o mesmo que não deu certo na versão original: cruzar o Atlântico entre a Inglaterra e os Estados Unidos. Os ingressos ainda não começaram a ser vendidos, nem os preços foram diulgados.
De acordo com a Radio France Internationale (RFI), o Titanic 2 terá 207 metros de comprimento e 43 metros de altura. Contará com restaurantes finos, academias de ginástica, piscinas, bibliotecas, e poderá receber até 2.400 passageiros e 900 tripulantes.
Palmer, um industrial que fez carreira na mineração e nos negócios imobiliários, detinha uma fortuna de US$ 795 milhões em 2012, de acordo com a Forbes. Ele se declara bilionário, segundo a Reuters.
 
Fonte: Primeira Edição

Na sua última celebração, Bento XVI justifica renúncia e pede orações pelo sucessor

BRASÍLIA - Na sua última audiência geral como papa, Bento XVI, de 85 anos, justificou nesta quarta-feira (27) a decisão de renunciar, alegando que suas “forças tinham diminuído”, nos últimos meses. Também disse que um papa nunca “está sozinho” e agradeceu a cada um que o apoiou, nos oito anos de pontificado. Segundo Bento XVI, sua atitude foi consciente e baseada na coragem de tomar “decisões difíceis”. O papa pediu ainda que sejam feitas orações para seu sucessor e os cardeais que participarão do conclave, quando será escolhido o próximo pontífice.
“Dei esse passo em plena consciência da sua gravidade e novidade”, ressaltou o papa, sendo aplaudido, inclusive de pé, por cardeais e bispos, além do público de cerca de 200 mil pessoas, segundo o Vaticano. “Ter coragem de fazer escolhas difíceis é ter sempre dentro de si o bem da Igreja”, acrescentou. O papa deixará o pontificado na próxima quinta-feira (28).
A celebração foi acompanhada por fiéis de vários países, inclusive brasileiros que seguravam bandeiras do Brasil. A Praça São Pedro foi cercada por um forte esquema de segurança. Na primeira parte da cerimônia, houve em uma saudação em vários idiomas, inclusive português de Portugal: “Damos graças a Deus orando continuamente”.
Bento XVI foi aplaudido ao pedir orações durante o conclave, quando será escolhido o próximo papa, e pelo seu sucessor. “Orem pelos cardeais e pelo sucessor de Pedro [aquele que ocupa o pontificado é chamado de papa e sucessor do apóstolo Pedro]”, disse. “Os cardeais [reunidos no conclave] terão uma tarefa relevante.”
Ao mencionar as atribuições do pontificado, Bento XVI destacou que a Igreja Católica Apostólica Romana não está representada apenas em uma pessoa, no papa, mas pertence a Deus. “Sempre soube que o barco da Igreja não é meu, não é nosso, é Dele [de Deus]”, disse.
O papa lembrou que, quando foi eleito, em 19 de abril de 2005, sentiu “um peso sobre os ombros”, mas pediu luz a Deus. “Aceitei e sempre tive a certeza de que Ele me acompanhou. [Na ocasião], disse: 'Senhor, por que me pedes isso? É um peso grande sobre os meus ombros, aceitarei apesar de todas as minha fraquezas'”, disse Bento XVI, na celebração.
Ao analisar a vida no pontificado, Bento XVI disse que um papa nunca está sozinho. “O papa pertence a todos”, ressaltou. “Um papa não está sozinho no barco de Pedro, mesmo que seja sua primeira responsabilidade. Eu nunca me senti sozinho.”
Bento XVI lembrou que um cardeal, ao ser escolhido papa, perde sua privacidade e disse que, ao renunciar, ele não voltará à vida que mantinha antes do pontificado. “Quando se está empenhado é para sempre o Ministério Petrino [o pontificado]. Quem assume o Ministério Petrino perde a privacidade”, disse. “Recebe-se a vida quando perde-se a vida.”
Ao final, o papa agradeceu a todos que o acompanharam nos últimos oito anos. Ele citou a Igreja Católica Apostólica Romana, os fiéis, a equipe de diplomatas do Vaticano, os responsáveis pela comunicação e os anônimos.
 
Fonte: Diário Comércio Indústria

Terceiro colocado em eleição da Itália rejeita coalizão com centro-esquerda

O comediante Beppe Grillo, cujo Movimento 5 Estrelas desafiou expectativas e se tornou o terceiro colocado nas eleições de domingo e segunda, rejeitou nesta quarta-feira fazer uma coalizão com a centro-esquerda.

Resultado: Apuração final confirma impasse após eleições parlamentares na Itália
Reuters
Líder do Movimento 5 Estrelas, o comediante Beppe Grillo, dá entrevista depois de votar em Gênova, Itália (25/02)
Cenário: 'Empate' em eleições na Itália causa apreensão na Europa
O Partido Democrata, de Pier Luigi Bersani, ganhou a maioria na Câmara dos Deputados, mas não obteve o mesmo resultado no Senado, conquistado pela aliança de centro-direita do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi. Os inconclusivos resultados eleitorais deixaram a Itália em um impasse político e elevou os custos de empréstico para o governo.
Em seu blog, Grillo chamou Bersani de "homem morto que caminha" e um político perseguidor, sugerindo que qualquer acordo para formar um novo governo será difícil. À BBC, Grillo disse esperar novas eleições dentro de um ano. Apesar disso, disse acreditar que os dois principais blocos na centro-esquerda e na centro-direita chegariam a um acordo, deixando seu movimento na oposição.
Saiba mais: Entenda as eleições na Itália
Ele também afirmou que o 5 Estrelas decidiria caso a caso se apoiaria legislações específicas, mas não daria um voto de confiança a qualquer governo liderado por partidos tradicionais. Ele também afirmou que deveria ser cumprimentado por dar esperança a pessoas irritadas.
 "(O 5 Estrelas) não dará qualquer voto de confiança ao Partido Democrático (centro-esquerda) ou a qualquer outra pessoa, mas votará na Câmara a favor das leis que refletem o seu programa", afirmou no Twitter.
*Com BBC e Reuters

Médicos criam técnica para operar nervos microscópicos usando robô

Após sofrer um corte aparentemente banal enquanto abria uma lata para cozinhar, a advogada paulistana Regiane Tedesco descobriu que havia perdido toda a sensibilidade em um dedo da mão ao ter um importante nervo cortado.
Ela procurou a ajuda de médicos brasileiros e acabou se tornando uma das primeiras pessoas do mundo a ser submetida a uma microcirurgia de nervo realizada por meio de um robô.
A pesquisa médica que possibilitou sua cirurgia foi realizada por um grupo de cirurgiões brasileiros, franceses e americanos. Eles formam a Sociedade Ramses (sigla em inglês da Sociedade de Microcirurgia e Endoscopia), criada há dois anos para estudar o assunto.
A técnica é nova e pode abrir as portas para a realização de cirurgias robóticas complexas em praticamente todos os nervos do corpo, até mesmo no cérebro. Outra possível utilização é para o reimplante de membros amputados.
O acidente de Tedesco ocorreu no segundo semestre de 2012. Ela cozinhava em casa para o marido, quando pegou uma lata defeituosa de alcachofras.
— Eu tentei abrir a lata, mas estava difícil e eu cortei meu dedo na lâmina. Imediatamente parei de sentir o dedo. Estava sangrando muito, eu enrolei minha mão em uma toalha e corri para o hospital.

 

No primeiro atendimento, ela teve o corte suturado, mas a sensibilidade não voltava e o dedo ficava cada vez pior.
O problema era que o nervo lesionado não havia sido reconectado. Ela foi então encaminhada para um grupo de especialistas e concordou em ser submetida a uma nova técnica de microcirurgia para religar o nervo.
A diferença de um procedimento tradicional é que seria realizada por meio de um robô.

Robôs na medicina
A ideia de usar robôs médicos em cirurgias surgiu pela primeira vez na década de 1990. Os primeiros protótipos surgiram no exterior com o objetivo de operar, de forma remota, astronautas em missões no espaço ou militares no campo de batalha.
Entretanto, imperfeições na transmissão de dados entre a estação onde estava o médico e a sala de cirurgia com o robô — por vezes distantes centenas de quilômetros — tornaram a ideia inviável.
Porém, os pesquisadores perceberam que se médico e robô estivessem no mesmo ambiente não haveria problemas de transmissão de dados, segundo o cirurgião dr. Gustavo Mantovani, co-fundador da Ramses (sigla em inglês da Sociedade de Microcirurgia e Endoscopia Assistidas por Robôs) e médico no hospital Oswaldo Cruz, de São Paulo.
Embora fosse perdida a vantagem do tratamento remoto, os robôs se revelam capazes de aumentar a destreza e a precisão do cirurgião em até cinco vezes.
— Controlando os braços robóticos você tem uma filtragem do tremor fisiológico do ser humano. Isso aumenta também a qualidade da sua sutura, do seu procedimento.
O médico afirmou ainda que o robô possui um sistema computadorizado para permitir que suas pinças façam movimentos milimétricos — que o cirurgião consegue visualizar por meio de uma câmera que funciona como um microscópio tridimensional.
Todo o sistema é controlado pelo médico, que fica sentado em um console equipado com visor e controles. Diferente do que acontece em uma cirurgia tradicional — quando o cirurgião tem que operar em uma posição desconfortável - o equipamento facilita procedimentos longos.
'A cirurgia começa a avançar e a partir de duas a três horas você começa a ficar muito cansado. O robô evita isso porque você está em uma posição muito mais ergonômica de se trabalhar e muito menos cansativa', afirmou o cirurgião ortopedista Leonardo Mendonça, que também participa da pesquisa.

Pesquisa
Esses robôs já são usados rotineiramente desde os anos 2000 em alguns tipos de cirurgia — especialmente as urológicas.
Médicos de diversas especialidades se esforçam agora para criar novas técnicas para integrar os robôs aos mais diversos tipos de procedimentos.
A inovação criada pelo grupo de ortopedistas associados a Mantovani é adaptar o uso do robô a cirurgias de nervo.
Algumas operações usando a nova técnica já foram realizadas na França e no Brasil desde o ano passado. Tedesco foi a primeira paciente brasileira a passar por uma microcirurgia robótica de mão.
A cirurgia robótica ainda é uma procedimento limitado e caro no Brasil. Mas a pesquisa desses cirurgiões deve contribuir para popularizá-la e possibilitar, no futuro, cirurgias complexas no sistema nervoso central, especialmente no cérebro.
'O robô é uma forma de ampliar as habilidades do cirurgião. Eu vejo no futuro eles sendo usados em cirurgias minimamente invasivas com alta qualidade. Poderemos fazer procedimentos que nem imaginamos serem possíveis hoje', disse Mantovani.

Fonte: R7

Pegadinha coloca "fantasma" em espelho de salão de beleza para divulgar "O Último Exorcista"

Reprodução
Para divulgar a continuação do filme de terror "O Último Exorcismo", um "fantasma" foi colocado no espelho de um salão de beleza. A brincadeira causou sustos nas clientes do estabelecimento e as melhores reações foram postadas em um vídeo no YouTube.

 No final, uma criança assustadora aparece caminhando pelo salão na mesma posição que a do pôster. O vídeo com as reações tem feito sucesso no Youtube e já tem quase 60 mil visualizações.

O filme estreará na próxima sexta-feira (1), nos Estados Unidos.

Custos dos planos individuais de saúde têm maior alta desde 2007

Os gastos dos planos de saúde individuais (contratados por uma pessoa física, e não por famílias ou empresas) com cada usuário tiveram um aumento de 16,4% nos 12 meses encerrados em junho de 2012, em comparação com o período anterior (julho de 2010 a junho de 2011), segundo divulgou o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) nesta terça-feira (26) em São Paulo.
Esse é o maior resultado desde 2007, quando começou a série histórica do indicador criado pelo IESS, que é financiado por seis operadoras (Amil, Golden Cross, SulAmérica, Bradesco, Intermédica e OdontoPrev).
Essa alta na Variação de Custos Médico-Hospitalares (VCMH) – que avalia a diferença no gasto por pessoa feito pelos planos em períodos consecutivos de 12 meses – reflete principalmente o peso das internações, que tiveram um crescimento de 16,6% no período. Em seguida, aparecem os tratamentos (15,1%), as consultas (13,3%) e os exames (9,8%).
Enquanto o VCMH subiu 16,4%, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – usado pelo governo para medir a inflação geral – fechou em 6,1% no intervalo analisado.
O superintendente executivo do IESS, Luiz Augusto Carneiro, diz que o VCMH é sempre superior à variação do IPCA, tanto no Brasil quanto no exterior, mas essa diferença nunca havia sido superior a 10 pontos percentuais.

Materiais mais caros
"Esse aumento nos custos das internações se deve ao valor muito elevado de materiais como próteses e órteses ortopédicas", diz. Isso porque a metodologia internacional do índice leva em conta fatores como o preço de materiais e procedimentos e a frequência de uso.
Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) apontam, ainda, que o gasto médio por internação no país aumentou 15,5% entre 2007 e 2011: eram R$ 3.219,56, e hoje são R$ 4.992,15.
De acordo com a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), que representa 15 grupos de operadoras (como Allianz, Amil, Bradesco, Golden Cross, Intermédica, OdontoPrev, SulAmérica e Porto Seguro), as despesas com internações sofreram uma variação de 215,4% entre 2007 e 2012, passando de R$ 4,9 bilhões para R$ 15,4 bilhões.
Dados do Ministério da Saúde revelam, porém, que os leitos de internação (hospitalares, clínicos, obstétricos, pediátricos e UTIs) dos setores público e privado aumentaram pouco entre março de 2007 e março de 2012: de 503.054 para 503.127.

Alta por faixa etária
O VCMH mostra também que os beneficiários de planos com 59 anos de idade ou mais foram os que mais cresceram entre julho de 2010 e junho de 2012: 1,7%. Os usuários de 0 a 18 anos foram o segundo grupo com maior aumento, de 1,5%. Esses números refletem as duas faixas de maior procura pelos serviços dos planos de saúde – crianças e idosos.
Na amostra do VCMH, 23,5% dos usuários têm mais de 59 anos, enquanto na população essa parcela da população é de 10,8%, segundo o Censo 2010 do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE).
O diretor executivo da FenaSaúde, José Cechin, explica que o custo por faixa etária não pode variar mais do que seis vezes entre a primeira e a última. Além disso, pela lei brasileira, a diferença nos preços pode ocorrer apenas com base na idade do usuário, não em outros critérios.
"Os idosos pagam mais, mas o valor ainda é abaixo do risco deles. Os jovens acabam bancando os mais velhos", afirma.

Dados da saúde suplementar
Segundo o superintendente do IESS, há atualmente no Brasil cerca de 10 milhões de usuários de planos individuais – um quarto do mercado de saúde suplementar. A base de dados do instituto para fazer o VCMH reúne 10% desse total.
Em 2012, o setor de saúde suplementar no país teve uma receita de R$ 94,3 bilhões e despesas de R$ 76,5 bilhões, segundo a ANS. Em setembro do ano passado, havia 67,1 milhões de beneficiários em todos os tipos de planos privados (individuais, familiares, empresariais e odontológicos), administrados por 1.338 operadoras de saúde.
De acordo com a FenaSaúde, o mercado brasileiro de saúde suplementar cresceu 5,3% entre setembro de 2011 e setembro de 2012. Já os grupos representados por ela, que administram 29 empresas, tiveram alta de 8,4% no período, somando 25 milhões de usuários.
Apesar de a maior parte da cobertura das operadoras da FenaSaúde ser de planos de assistência médica (14,8 milhões), os odontológicos (10,2 milhões) foram responsáveis pelo maior índice de crescimento: 14,3%.
O Boletim de Indicadores Econômicos e Financeiros da FenaSaúde, divulgado este mês, revela ainda que, de setembro de 2011 a setembro de 2012, os beneficiários dos planos de assistência médica – considerando todo o mercado – cresceram mais nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte, com aumento de 11,2%, 7,4% e 5,1%, respectivamente. No Sudeste, foi registrada uma elevação de 2% e o Sul apresentou redução de 0,4%.
No ranking do número absoluto de usuários, porém, o Sudeste (64,1%) continua líder, seguido das regiões Nordeste (13,5%), Sul (13,4%), Centro-Oeste (5,5%) e Norte (3,6%).
 
Fonte: Tribuna Hoje

Ninguém apontou erros do município, diz prefeito de Santa Maria

Cezar Schirmer disse que a tragédia trouxe ensinamentos e que Santa Maria pode se tornar referência no voluntariado Foto: Fernando Diniz / Terra
Cezar Schirmer disse que a tragédia trouxe ensinamentos e que Santa Maria pode se tornar referência no voluntariado
Foto: Fernando Diniz / Terra

Um mês após a tragédia que matou 239 pessoas na boate Kiss, ninguém apontou erros da prefeitura de Santa Maria (RS), afirmou nesta quarta-feira o chefe do Executivo municipal Cezar Schirmer. Com documentos à mão da fiscalização do Corpo de Bombeiros na casa noturna que pegou fogo no dia 27 de janeiro, o prefeito diz que não serão abertas sindicâncias enquanto não houver uma definição clara de alguma omissão por parte do município.


"Aquilo (o alvará de prevenção contra incêndios do Corpo de Bombeiros) é um documento que diz que toda a legislação está sendo cumprida. Não é minha tarefa responsabilizar este ou aquele. O que quero dizer é que até este momento não é dito que a prefeitura errou aqui ou acolá. Se um fiscal não agiu correto (...), bom, se isso vier a acontecer, claro que nós vamos tomar providências", disse Schirmer em entrevista ao Terra.

Não é minha tarefa responsabilizar este ou aquele. O que quero dizer é que até este momento não é dito que a prefeitura errou aqui ou acolá

Cezar Schirmer prefeito de Santa Maria
Na opinião do prefeito, a lei estadual é clara ao colocar o Corpo de Bombeiros como responsável pelo exame dos planos e inspeções dos sistemas de prevenção contra incêndio. A prefeitura não pode questionar um laudo aprovado pela corporação, segundo ele.

O incêndio de Santa Maria deu início a um processo de fiscalização massiva de casas noturnas por todo o Brasil. "Não é só aqui, é em todo o Brasil, acho que no planeta inteiro estão avaliando a situação das casas noturnas. Já oferecemos sugestões à Câmara dos Deputados... talvez o ideal seria uma legislação nacional, unificadora", disse.

Referência em voluntariado

Na opinião do prefeito, a tragédia precisa trazer ensinamentos. "Eu acho que a tragédia não pode terminar em si, tem que deixar ensinamentos, aprendizagem. É possível transformar Santa Maria em referência nacional em muitas coisas. No voluntariado, por exemplo. No dia da tragédia foi um trabalho fenomenal, centenas de pessoas que se apresentaram para distribuir água, comida", lembrou.​
Amigos e familiares fazem barulho em homenagem às vítimas da KissClique no link para iniciar o vídeo
Amigos e familiares fazem barulho em homenagem às vítimas da Kiss

Schirmer disse que a ajuda das pessoas evitou problemas de informação no difícil momento do reconhecimento de corpos no Centro Desportivo Municipal (CDM), no mês passado. "Isso é uma coisa notável, a organização, que normalmente nessas tragédias sempre dá problema, porque as pessoas não são bem informadas, aqui, graças a Deus, não houve uma reclamação", ressaltou.

Ideias de homenagens às vítimas são muitas na mesa do prefeito, que acredita que ainda não é tempo de pensar em memoriais. Os projetos vão desde a criação de um centro de estudos de políticas para a juventude até a criação de um monumento em memória dos mortos na tragédia. 


Incêndio na Boate Kiss

Na madrugada do dia 27 de janeiro, um incêndio deixou mais de 230 mortos em Santa Maria (RS). O fogo na Boate Kiss começou por volta das 2h30, quando um integrante da banda que fazia show na festa universitária lançou um artefato pirotécnico, que atingiu a espuma altamente inflamável do teto da boate.

Com apenas uma porta de entrada e saída disponível, os jovens tiveram dificuldade para deixar o local. Muitos foram pisoteados. A maioria dos mortos foi asfixiada pela fumaça tóxica, contendo cianeto, liberada pela queima da espuma.


Os mortos foram velados no Centro Desportivo Municipal, e a prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias. A presidente Dilma Rousseff interrompeu uma viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde prestou solidariedade aos parentes dos mortos.

Os feridos graves foram divididos em hospitais de Santa Maria e da região metropolitana de Porto Alegre, para onde foram levados com apoio de helicópteros da FAB (Força Aérea Brasileira). O Ministério da Saúde, com apoio dos governos estadual e municipais, criou uma grande operação de atendimento às vítimas.

Quatro pessoas foram presas temporariamente - dois sócios da boate, Elissandro Callegaro Spohr, conhecido como Kiko, e Mauro Hoffmann, e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, Luciano Augusto Bonilha Leão e Marcelo de Jesus dos Santos. Enquanto a Polícia Civil investiga documentos e alvarás, a prefeitura e o Corpo de Bombeiros divergem sobre a responsabilidade de fiscalização da casa noturna.

A tragédia fez com que várias cidades do País realizassem varreduras em boates contra falhas de segurança, e vários estabelecimentos foram fechados. Mais de 20 municípios do Rio Grande do Sul cancelaram a programação de Carnaval devido ao incêndio.

No dia 25 de fevereiro, foi criada a Associação dos Pais e Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia da Boate Kiss em Santa Maria. A intenção é oferecer amparo psicológico a todas as famílias, lutar por ações de fiscalização e mudança de leis, acompanhar o inquérito policial e não deixar a tragédia cair no esquecimento.

Fonte: Terra

O adeus do Papa à multidão de fiéis

Uma multidão se aglomerou na manhã desta quarta-feira na Praça São Pedro, sob um sol escaldante, para a última audiência geral de Bento XVI, que disse adeus aos fiéis emocionados e fervorosos, ressaltando que "nunca me senti sozinho" durante seus oito anos de pontificado.
Longe dos assentos reservados para diplomatas e prelados, localizados bem em frente à tribuna papal, os fiéis se amontoaram perto da colunata de Bernini, que cerca a praça, o coração simbólico do cristianismo.
Entre eles, a irmã Yolanda, uma freira mexicana que vive em Roma: "Estou triste, mas ao mesmo tempo feliz pelo Papa, que está muito cansado. Queria estar perto dele, porque para mim é um exemplo de simplicidade e sinceridade", disse com o rosto sorridente.
Como todos os fiéis presentes, ela aplaudiu freneticamente quando o Papa apareceu às 10h39, a bordo de seu papamóvel, e começou seu percurso pela praça para cumprimentar e abençoar os fiéis.
"Longa vida ao Papa!" gritavam alguns agitando bandeiras brancas e douradas, as cores da Santa Sé. O Papa parou várias vezes para beijar bebês e crianças, levadas até ele por seu secretário particular.
Nova salva de palmas quando a frágil silhueta de Bento XVI apareceu finalmente no alto palanque montado para a ocasião em frente à Basílica de São Pedro, depois de saudar os cardeais presentes.
Embora distantes e sem visibilidade, muitos devotos tiraram fotos para capturar esse momento único, com o pano de fundo da majestosa Basílica.
"É realmente uma alegria para nós estarmos aqui hoje para este momento histórico. Eu não estou triste porque Bento XVI sai, mas Joseph Ratzinger fica com a gente", declarou com um grande sorriso Alban, uma jovem que estuda no Seminário francês de Roma.
Além dos religiosos, presentes em grande número, os simples fiéis também não ficaram de fora, como Anna Santamaria, uma aposentada de Orte (perto de Roma), que tomou um trem especialmente para comparecer à audiência.
"Eu queria vê-lo uma última vez. Eu estou triste e feliz: entendo sua decisão de partir, na sua idade é muito difícil suportar um fardo", considerou esta mulher de cabelos brancos.
A atmosfera esteve marcada pela emoção, à imagem da faixa erguida por dois jovens: "O Papa é o coração desta cidade". Sem mencionar as dezenas de bandeiras no céu da praça: italiana, alemã, espanhola, brasileira...
O público também expressou sua afeição pontuando a fala do Papa com aplausos e gritos de "Benedetto", especialmente quando ele explicou as razões da sua renúncia.
Uma decisão que ainda não é unanimidade dentro da igreja. Leonardo Rossi, um jovem italiano membro da Opus Dei, expressou sua consternação: "Eu não compartilho a decisão do Papa de renunciar, não era o momento adequado, com todos os problemas que a Igreja atravessa".
Mais longe, dois sacerdotes americanos também se mostraram um certo desconforto quando perguntados sobre o seu estado de espírito neste momento histórico: primeiro aceitaram falar, mas então, com um sorriso confuso, afastaram-se sem responder.
Sentimentos que não parecem afetar às fileiras dos cardeais que reservaram uma ovação a Bento XVI no final do seu discurso. Vários gritos irromperam entre a multidão: "Viva o Papa".
No momento da saudação em várias línguas (inglês, francês, alemão, espanhol ...) alguns fiéis começaram a deixar a praça e seus arredores, onde era possível se mover sem dificuldade.
Na Via della Conciliazione, a avenida principal que leva a Praça de São Pedro, a multidão era escassa diante das telas gigantes que exibiam a última intervenção pública do Papa no Vaticano.
"O Papa trabalhou tão duro, eu nem sei como ele sobreviveu a um ritmo tal", sussurrou um fiel. No total, Bento XVI realizou 348 audiências durante seu pontificado, que contou com mais de 5 milhões de pessoas.

Fonte: Terra