segunda-feira, 15 de abril de 2013

Marco Feliciano... um ditador!

Na boa, eu acho que o inFeliciano já está passando dos limites. Ele está alfinetando a sociedade inteira. Não tenho muita criatividade para escrever críticas, mas não sei se hoje eu vou ter para continuar escrevendo. Mas vamos lá.
Quem ele pensa que é para ficar julgando todo mundo? Falou mal de Caetano Veloso, que não buliu ninguém; falou de Lady Gaga, fala mal dos homossexuais... Ele quer ficar no cargo de presidente dos direitos humanos, mas não está cumprindo com as legislações. Ele falou mal até de John Lennon, que 'Deus deu a revanche'. Fala sério. Se fosse assim, seria um Deus bastante maldoso né? Francamente! Ele é o diabo em forma de gente. Falando mal dos baianos, da religião Católica, quando apanhar na rua não vai saber de onde veio as porradas! Algumas pessoas famosas estão se passando para o lado dele só para não se queimar com a mídia, até porque né... Todo mundo fala; e a sociedade então, que é hipócrita...

 O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Marco Feliciano, em reunião a portas fechadas.

Uma sugestão: junta o pai de Dinho, Caetano Veloso, e todos que foram provocados por ele, pega uma marreta e dá nas pernas desse descarado! Pega também um porrete e dá na cabeça dele!

Em Paris, Marina Silva comenta polêmica envolvendo Marco Feliciano

Marina Silva participou nesta segunda-feira em Paris de uma mesa redonda sobre arte, psicanálise e política, onde apresentou ao público francês a proposta de seu novo movimento político, a Rede Sustentabilidade. Em entrevista exclusiva à RFI Brasil, ela comentou a polêmica envolvendo o presidente da comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, Marco Feliciano, acusado de ter feito declarações preconceituosas contra homossexuais, negros e mulheres.
"A crítica que se deve fazer não é pelo fato de Marco Feliciano ser um pastor evangélico, é porque ele não tem preparo e tradição para assumir essa comissão", disse Marina Silva, apontando que o governo usou as comissões encarregadas de direitos humanos e meio ambiente como moeda em troca de apoio político porque não considera esses temas importantes.

 A ex-ministra Marina Silva participou de um debate nesta segunda-feira, 15 de abril de 2013, em Paris. 
A ex-ministra Marina Silva participou de um debate nesta segunda-feira, 15 de abril de 2013, em Paris.

No evento realizado na Escola Nacional Superior de Belas Artes, a ex-ministra do Meio Ambiente e ex-senadora debateu sobre o conceito de sustentabilidade e sobre a necessidade de uma nova maneira de fazer política com os psicanalistas Alain Didier-Weill e Paolo Lollo e o artista plástico Jean Daviot.
Candidata à presidência do Brasil em 2010, quando ficou em terceiro lugar no primeiro turno, Marina Silva afirmou que seu novo partido, Rede Sustentabilidade, tem um projeto a longo prazo de mudar a cultura política no Brasil e sua candidatura em 2014 ainda é apenas uma possibilidade.
"Nós vamos fazer essa discussão em 2014. Esse processo que antecipa as eleições é muito empobrecedor. É como se fosse um barulho político para que as pessoas não elaborem projetos nem assumam compromissos", explicou ela.
Marina Silva afirmou que agora seu movimento está focado no recolhimento das assinaturas necessárias para se tornar um partido legalmente registrado. De acordo com ela, do total de 500 mil assinaturas exigidas pela lei, mais de 200 mil já foram reunidas desde o lançamento do projeto, em fevereiro.
Além de participar do debate na Escola Nacional Superior de Belas Artes, Marina Silva se encontrou na manhã desta segunda-feira com a ministra francesa da Habitação, Cécile Duflot, ex-secretária-geral do Partido Verde, para conversar sobre a questão da governança ambiental global.

Fonte: RFI Português

“Religião morta e fajuta”, diz pastor Marco Feliciano sobre Igreja Católica


O pastor Marco Feliciano se envolveu em mais uma polêmica. A mais nova agora, o deputado pelo PSC de São Paulo, que foi eleito para presidir a Comissão dos Direitos Humanos, protagoniza um vídeo gravado durante um culto religioso onde afirma que o avivamento da Igreja Católica é um avivamento de Satanás.

Feliciano partiu para o ataque à Igreja Católica. “Eu conheço Deus... Não é o Deus desta religião morta e fajuta... Se há algum católico aqui, o que eu duvido muito, mas, se tiver, está em busca de alentamento. Deixa eu te explicar uma coisa. Primeiro, você não pode sentir aquilo que nós sentimos sem experimentar o Deus que nós sentimos', prega o deputado.

‘Não pastor, não pastor, mas eu sou carismático, eu até aprendi a falar em línguas, botar uma fita no rádio e eu decorei.’ Esse avivamento é o avivamento de Satanás... Por que é que você não pode experimentar o mesmo avivamento? Porque o seu Deus não é o mesmo que o meu... O meu Deus exige santidade, santidade física e de alma”, declarou.

As imagens originais haviam sido encontradas pelo jornal Extra há uma semana, em um canal da Assembleia de Deus no YouTube. No entanto, o vídeo foi removido pelo usuário no fim de semana. Outros internautas, porém, já haviam feito uma cópia e voltaram a postá-la.

Na mesma pregação Feliciano inclui os homessexuais, ainda que afirme não ser homofóbico. “O meu Jesus não foi feito para ser enfeite de pescoço de homossexual nem de pederasta nem de lésbica”, conclui.

Fonte: iBahia

Pai de vocalista do Mamonas Assassinas vai processar Marco Feliciano

São Paulo -  As declarações do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) continuam gerando polêmica, e mais uma vez podem parar na Justiça. O pai do vocalista Dinho, do Mamonas Assassinas, morto em 1996, vai processar por danos morais o pastor, que ocupa a presidência da Comissão dos Direitos Humanos e Minorias (CDHM). O motivo seria a afirmação do parlamentar de que Deus matou o grupo, que morreu após o avião em que a banda estava colidir com a Serra da Cantareira.

Foto: 15_mamonas575x350.jpg
Grupo Mamonas Assassinas era conhecido conhecida pela irreverência | Foto: Reprodução Internet
No vídeo que circula na Internet, Feliciano diz: “O avião estava no céu, região do ministro do juízo de Deus. Lá na Serra da Cantareira, ao invés de virar para um lado, o manche tocou pra outro. Um anjo pôs o dedo no manche e Deus fulminou aqueles que tentaram colocar palavras torpes na boca das nossas crianças", disse.
A confirmação ocorreu nesta segunda-feira pelo pai do vocalista, Hildebrando Alves Leite, que considera um absurdo as afirmações feitas pelo deputado contra os integrantes da banda, conhecida pela irreverência em suas apresentações. Hildebrando, que mora no estado de São Paulo, disse que vai entrar com o processo por Brasília nessa semana ou na semana que vem.
Para ele, o pastor não precisa emitir todas as suas opniões sendo uma pessoa pública. "Ele foi infeliz nessas declarações, não soube se colocar. Não tenho nada contra ele, mas ele tem que saber o que fala", declarou Hildebrando por telefone ao Dia Online.

Fonte: O Dia

Rachel Sheherazade explica por que defendeu o pastor Marco Feliciano

A jornalista Rachel Sheherazade, 39, aproveitou sua participação no programa "A Máquina" (TV Gazeta) para esclarecer uma polêmica.
Após defender no "SBT Brasil" a permanência do pastor Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, um grupo de empregados de sua emissora se rebelou e quis fazer um abaixo-assinado intitulado "Rachel não nos representa".
"Eu fiz um comentário sobre o deputado Marco Feliciano e deixei as opiniões dele de lado", disse. "Meu foco era a democracia, que eu achava que estava sendo colocada em risco."
"Defendi a permanência dele na Comissão de Direitos Humanos por um princípio democrático", afirmou. "O Feliciano foi eleito por uma maioria para ser deputado".
"É um efeito democracia: nem tudo agrada", concluiu.
Rachel confessou também que, às vezes, tem reações muito explosivas.
"Devo ser bipolar: sou superboazinha, sou supermeiguinha, mas não pise no meu calo, que eu viro fera", comentou.
O programa vai ao ar na terça-feira (16), a partir das 23h30.


Roberto Nemanis/Divulgação/SBT
Rachel Sheherazade
Rachel Sheherazade

Fonte: F5

Caetano Veloso rebate críticas de Marco Feliciano


O cantor Caetano Veloso rebateu as críticas do deputado Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal. Em um vídeo que circula pela internet, o pastor aparece dizendo que o baiano fez pacto com o diabo para ter o sucesso com a gravação da música "Sozinho".
"Há um vídeo no YouTube em que Feliciano, esbravejando de modo descontrolado, diz-se com Deus contra o diabo e, para provar isso, mente e mente mais", disse Caetano em desabafo publicado na coluna do jornal O Globo deste domingo, 14.
"As pessoas religiosas deveriam observar o quanto ele está dominado pela soberba. Faz pouco, ele se sentiu no direito de julgar os vivos e os mortos, explicando por meio de uma teologia grotesca a morte dos garotos dos Mamonas e sagrando-se justiçador de John Lennon. Agora, aferra-se à mentira", critica Caetano em referência a outros vídeos em que Feliciano aparece justificando as mortes dos Mamonas e de Joh Lennon, que, segundo ele, foi castigo de Deus.
O baiano ainda diz que a postura do deputado é inadequada ao cargo que ocupa. "Será que minha calma observação, aqui neste espaço, de que sua persona pública é inadequada ao cargo para o qual foi escolhido (matizada pela esperança no papel das igrejas evangélicas) o ameaça tão fortemente? Eu diria a pastores, padres, rabinos ou imãs — sem falar em pais de santo e médiuns espíritas, que são diretamente agredidos por ele — que atentassem para o comportamento de Feliciano: como pode falar em nome de Deus quem mente com tão evidente consciência de que está mentindo?".
Sobre a acusação de Feliciano de que Caetano teria feito pacto com o diabo, o cantor respondeu: "E como pode ele, sem piedade daqueles que com tanta confiança o ouvem em seu templo, afirmar que eu disse em entrevista coisa que nunca disse e nunca diria, ou seja, que o êxito inesperado de minha versão de "Sozinho" se deveu a eu ter mostrado a faixa a Mãe Menininha e esta ter-lhe posto uma bênção que, para Feliciano, seria trabalho do diabo? Mãe Menininha, figura importante da história cultural brasileira, já tinha morrido fazia cerca de dez anos quando gravei a canção".
Caetano continuou: "É muita loucura demais. E muita desonestidade. Aprendi com meu pai os gestos da honestidade — e tomei o ensinamento de modo radical. Me enoja ver a improbidade. Feliciano sabe que eu nunca dei tal entrevista. Mas não se peja de impressionar seus ouvintes gritando que eu o fiz. Ele, no entanto, não sabe que eu jamais sequer mostrei qualquer canção minha à famosa ialorixá. Nem a Nossa Senhora da Purificação eu peço sucesso na carreira. Nunca pedi. Nem a Deus, nem aos deuses, e muito menos ao diabo. Decepciono muitos amigos por não ser religioso. Mas respeito cada vez mais as religiões. Vejo mesmo no cristianismo algo fundamental do mundo moderno, algo inescapável, que é pano de fundo de nossas vidas. Mas não sou ligado a nenhuma instituição religiosa. Eu me dirigiria aqui àqueles que o são".
"Se Feliciano precisa, para afirmar sua postura religiosa, criar uma caricatura caluniosa dos baianos e da Bahia, algo é muito frágil em sua fé. A maré montante do evangelismo não dá direito à soberba irrefreada. O boneco tem pés de barro. E cairá. Eu creio na justiça e na verdade. Esses valores atribuídos a Deus têm minha adesão irrestrita. Não sei que Deus sustenta a injustiça e a mentira. Ou será que é aí que o diabo está?", finaliza.

Fonte: Portal A Tarde