quarta-feira, 8 de maio de 2013

Obra de Paul Cézanne é leiloada por US$ 41,6 mi em NY

Quadro Les Pommes do pintor Paul Cezanne vendido por 41,6 milhões de dólares
Quadro Les Pommes do pintor francês Paul Cezanne foi vendido por 41,6 milhões de dólares em Nova York (Jessica Martorell/EFE)

O quadro Les Pommes, do francês Paul Cézanne (1839-1906), foi vendido nesta terça-feira em Nova York por 41,6 milhões de dólares, valor que inclui impostos e comissões, em um leilão de arte moderna e impressionista realizado pela Sotheby's. A pintura, realizada em 1889, é considerada uma das maiores conquistas do artista no âmbito das naturezas mortas, já que nela desafia o espaço e as formas através de uma composição em movimento.
Cézanne conseguiu que o quadro, uma representação da natureza morta de maçãs e laranjas, fosse considerada pelos especialistas como o nascimento da arte moderna. "Cada maçã está pintada com traços particulares e embora se trate de uma temática clássica, em sua técnica se mostra a influência do impressionismo", explica o especialista de arte impressionista da Sotheby's, David Normal.
A outra joia do leilão foi o retrato L'Amazone, do artista Amedeo Modigliani (1884-1920), que uma colecionadora adquiriu por 25,9 milhões de dólares. Nela, Modigliani pintou a amante do irmão mais novo de seu mecenas, a elegante baronesa Marguerite de Hasse de Villers, que posou vestida com traje e luvas de montar a cavalo e com as mãos sobre a cintura. O quadro, pintado em 1909, é uma das obras mais vanguardistas do artista italiano e uma das imagens mais chamativas realizadas de uma mulher, pois nela a amazona lança um olhar fixo que cativa o espectador.
Ambas peças fazem parte das vinte obras oferecidas neste pregão e que procedem da coleção de Alex e Elisabeth Lewyt, uma das melhores coleções em Nova York de arte do século XIX. Durante esse leilão de primavera organizado pela Sotheby's, os colecionadores também puderam adquirir obras de grandes artistas como Pablo Picasso, Georges Braque, Joan Miró, Vincent Van Gogh e Claude Monet, pelas quais a casa estima arrecadar um total de 160 milhões de dólares.
(Com agência EFE)

Estreia do novo Jurassic Park é adiada mais uma vez

Estreia do novo Jurassic Park é adiada mais uma vez


O portal americano Deadline confirmou nesta quarta-feira, 08 de maio, que a estreia de Jurassic Park 4 está adiada por tempo indeterminado, a estreia estava agendada para 13 de junho de 2014, ainda de acordo com a reportagem, a Universal se surpreendeu e até entrou em conflito com a equipe de produção após receber a notícia que as gravações se prolongariam por mais alguns meses e que teria que investir muito mais na continuação do blockbuster.
Toda a confusão iniciou mês passado, após algumas adaptações no roteiro original, o que acabou ocasionando alguns conflitos internos. Fontes ligadas à Universal disseram que o estúdio classificou o enredo como “muito ambicioso”.

Steven Spielberg assumirá novamente a produção, Colin Treverrow (Sem Segurança Nenhuma) foi confirmado como o novo diretor. Mais informações sobre "Estreia do novo Jurassic Park é adiada mais uma vez" nas próximas horas, curta a página do Diário 24 Horas no facebook, manteremos você informado. 
 
Fonte: Ache Belem

Mais de 30 são detidos por roubo de R$ 50 milhões em diamantes em Bruxelas

O Ministério Público da Bélgica anunciou nesta quarta-feira (8) a detenção de 31 suspeitos de envolvimento no roubo de US$ 50 milhões (R$ 100 milhões) em diamantes no aeroporto de Bruxelas em fevereiro. Os suspeitos foram detidos na Bélgica, na França e na Suíça.

AP
Porta-vozes da Promotoria Jean-Marc Meilleur e Anja Bijnens concedem coletiva em Bruxelas
Mais de 250 policiais participaram da operação da Bélgica, onde 24 dos 31 detidos foram levados sob custódia. Um deles foi detido na França e os outros seis na Suíça. Os suspeitos que estavam na França e na Suíça foram detidos na terça-feira e no dia seguinte a polícia belga iniciou a operação, que contou com mandados de busca em 40 residências.
"Na Suíça, encontramos diamantes que já podemos dizer que vieram do roubo, e na Bélgica grandes quantias de dinheiro foram encontradas. E a investigação continua", disse Jean-Marc Meilleur, porta-voz da promotoria belga.

Em Londres: Polícia busca ladrões após roubo milionário de joias
Mais Reino Unido: Ladrões roubam mais de 46 mi de euros em joias

Meilleur não deu detalhes de como a polícia conseguiu rastrear os suspeitos. É esperado que autoridades anunciem no final da quarta-feira quantos detidos serão indiciados e presos.
Em fevereiro, ladrões vestidos de policiais e armados com metralhadoras roubaram 120 pacotes de diamantes da pista do aeroporto de Bruxelas, sem disparar um tiro. Acredita-se que o suspeito detido na França seja um dos integrantes da gangue de oito membros que realizou o assalto. "É a única pessoa que podemos afirmar neste momento que pode ter participado dos eventos na pista", disse Meilleur.
A polícia de Genebra disse que havia interrogado oito pessoas após incursões policais e, posteriormente, liberando seis delas e deixando duas sob investigação. Esses números diferem ligeiramente dos dados fornecidos pelas autoridades belgas.
AP
Carregamento de diamantes foi roubado do avião da Helvetic no aeroporto internacional de Bruxelas
Entre os presos em Genebra estão um empresário e um advogado, enquanto cerca de 100 mil francos suíços (US$ 106,2 mil) em dinheiro e uma porção de diamantes foram recuperados, disse a polícia suíça. Na Bélgica, as operações policiais recuperaram dinheiro e carros de luxo.
Com AP e Reuters

Berlusconi é condenado a 4 anos de prisão e multa de 10 milhões de euros

Foto: Reprodução

Silvio Berlusconi, ex-primeiro-ministro da Itália, foi condenado a quatro anos de prisão nesta quarta-feira pelo crime de fraude fiscal na compra e venda de direitos de filmes americanos por parte do grupo Mediaset (que pertence ao político), entre 1994 e 1999. Berlusconi teria aumentado artificialmente o preço dos direitos para sonegar dinheiro destinado a impostos e encaminhá-lo a contas no exterior.
O ex-primeiro-ministro, que pagará multa de 10 milhões de euros, está impedido de ocupar cargos públicos por cinco anos e de comandar empresas privadas por três anos. A proibição começará a valer quando houver uma decisão definitiva por parte do Tribunal Supremo, terceira e última instância judicial italiana.

Fonte: Sidney Rezende

Maníaco de Cleveland é denunciado pelo sequestro e estupro de 3 mulheres

CLEVELAND, Estados Unidos — Ariel Castro, um homem de origem porto-riquenha de 52 anos, foi denunciado por sequestro e estupro vinculados ao rapto de três mulheres em Cleveland, desaparecidas há uma década, informou nesta quarta-feira um promotor público.
Castro é acusado do estupro de Amanda Berry (hoje com 27 anos), Gina DeJesus (23) e Michelle Knight (32) durante o período em as jovens estiveram em cativeiro em sua casa, afirmou a jornalistas o promotor público Victor Perez. Os dois irmãos de Ariel, também detidos, não foram denunciados em relação com o caso.
Ariel Castro enfrenta três acusações de estupro e quatro de sequestro, relacionadas a DeJesus, Knight, Berry e a filha de seis anos de Berry, Jocelyn, que nasceu em cativeiro. As acusações de estupro não se relacionam com a menina.
Os dois irmãos de Ariel, Pedro, de 54 anos, e Onil, de 50, também foram detidos na segunda-feira, mas não serão denunciados.
"Não há nada que nos leve a crer que eles estivessem envolvidos ou tivessem conhecimento disto", afirmou a respeito dos irmãos o subchefe de polícia da cidade, Ed Tomba.
"Nós não descobrimos fatos que os vinculem ao crime", acrescentou.
As três mulheres e a criança foram resgatadas na segunda-feira em uma série dramática de acontecimentos depois que Berry, agora com 27 anos, fez sinais para um vizinho que a ajudou a escapar da casa modesta, situada na Avenida Seymour, em um bairro operário de Cleveland.
Segundo Ed Tomba, ao longo de dez anos de cativeiro as três mulheres jamais saíram da propriedade de Ariel Castro em Cleveland, e tiveram permissão para sair da casa apenas em duas ocasiões, para ir até a garagem, disfarçadas.
Mais cedo, o chefe de polícia de Cleveland, Michael McGrath, disse à emissora de TV NBC: "temos confirmação de que estiveram amarradas e havia correntes e cordas no hall" da casa.
Ele disse que até que os depoimentos das vítimas estejam completos não será possível descrever em detalhes como elas foram tratadas e destacou que não poderia confirmar os informes de que as mulheres mantidas em cativeiro tiveram gestações múltiplas.
McGrath disse ainda que as sequestradas só tinham permissão para sair fora da casa "muito raramente".
"Saíam ao quintal muito de vez em quando, acredito. Seu estado de saúde é bom, considerando as circunstâncias", acrescentou.
Os três irmãos - Ariel, Oneil e Pedro Castro, de 52, 50 e 54 anos, respectivamente - eram suspeitos do rapto das meninas. Ariel é o dono da casa onde as três mulheres foram encontradas; seus dois irmãos viviam em outro local, segundo a polícia.
McGrath insistiu que tem toda certeza de a polícia não perdeu a oportunidade nos últimos dez anos de tentar encontrar as jovens ou identificar os responsáveis por seu desaparecimento.
Os três irmãos foram presos depois que Amanda conseguiu alertar um vizinho, que derrubou a porta para libertá-la, junto com a filha de seis anos.
A polícia atendeu a seu chamado ao número 911 e encontrou as outras duas mulheres na modesta casa cujo pórtico estava adornado com as bandeiras de Estados Unidos e Porto Rico.
Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight desapareceram em incidentes separados em 2002, 2003 e 2004.
Fern Gentry, a avó de Berry, falou com sua neta do Tennessee em uma ligação emitida por uma filial local da ABC.
"Fico feliz de ter você de volta", disse Gentry.
"Fico feliz por estar de volta", respondeu Berry.
"Acreditei que tinha te perdido", disse a avó.
"Não, aqui estou", respondeu a neta.
Após a liberação, foi divulgada uma fotografia na qual Berry aparece sorrindo junto a sua irmã e sua filha no hospital.
"Parece muito bem, feliz, saudável e ontem à noite comeu um picolé", disse o vice-chefe da polícia de Cleveland, Ed Tomba, sobre a pequena Jocelyn.
"Ver sua mãe a fez sorrir", acrescentou Tomba, segundo a rede ABC.
"O pesadelo acabou", disse aos jornalistas o agente especial do Escritório Federal de Investigações (FBI), Steve Anthony.
"Estas três jovens mulheres nos proporcionaram a autêntica definição de sobrevivência e perseverança. Agora pode começar a cura", disse.
O pesadelo terminou quando Berry, que havia sido sequestrada pouco antes de seu décimo sétimo aniversário, conseguiu colocar o braço por um espaço da porta e começou a gritar por ajuda.
"Escutei gritos (...) e vi essa garota tentando fugir como uma louca da casa", disse à rede de televisão ABC Charles Ramsey, um vizinho que virou um herói local.
"Fui até a entrada e ela disse: 'me ajude a sair, estou aqui há muito tempo. Quero sair daqui. Agora mesmo'", acrescentou.
Ramsey disse que não conseguiu abrir a porta, então a golpeou, abrindo a parte de baixo, e ela saiu se arrastando com a menina.
Berry foi a uma casa vizinha e chamou a polícia, implorando que fossem ao local o mais rápido possível, "antes que ele volte", segundo a gravação da ligação ao 911.
Berry foi vista pela última vez no dia 21 de abril de 2003 pela tarde, quando saída de seu trabalho em um restaurante de 'fast-food' a poucas quadras de sua casa.
DeJesus tinha 14 anos quando desapareceu. Saiu da escola no dia 2 de abril de 2004, mas nunca chegou em casa.
Michelle Knight foi vista pela última vez perto da casa de um primo, no dia 23 de agosto de 2002. Tinha 20 anos.
Os vizinhos disseram à AFP estar chocados e afirmaram não ter ideia de que Castro, com quem por vezes realizavam inclusive churrascos, mantivesse as três mulheres como reféns.
Uma prima dos três irmãos acusados expressou surpresa e vergonha pelo fato, assinalando que sua família está tão chocada quanto todos.
Maria Castro Montes pediu que sua família não seja julgada pela ação de seu primo. "Em nome da família Castro, queria dizer que todos realmente sentimos pena delas, por tudo que sofreram, e se isso foi obra de um membro de nossa família, ele deva pagar por isso".

Fonte: Google

Ônibus atropela e mata ciclista de 14 anos na Zona Oeste do Rio

Tribuna Hoje - Três atropelamentos envolvendo ônibus deixaram um morto e dois feridos nesta quarta-feira (8). No mais grave deles, um adolescente de 14 anos que andava de bicicleta morreu atropelado por coletivo por volta das 16h na Avenida das Américas, na altura do número 12.141, perto do condomínio Pedra de Itaúna, na Zona Oeste do Rio. O acidente foi na pista lateral, no sentido Barra, segundo o Corpo de Bombeiros. Segundo a polícia, o motorista será indiciado por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.
Segundo o comando do 31º BPM (Recreio), o jovem morto era morador da comunidade Beira-Rio, e foi atingido por um ônibus da linha 853 (Vila Kennedy-Barra da Tijuca), da Autoviação Jabour. Procurada pelo G1, A empresa informou que lamenta o acidente e informa que aguarda o laudo da perícia técnica.
De acordo com o sistema de multas do Detran, a placa do ônibus envolvido tinha 23 multas registradas entre fevereiro de 2011 e junho de 2012. Entre elas, infrações como avanço de sinal vermelho e excesso de velocidade.
Segundo a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR), o coletivo está em dia com as vistorias 2012 do Detran e da SMTR, e era conduzido pelo motorista Luís Carlos da Silva, 41 anos, com 15 de profissão, que parou para prestar socorro à vitima e foi encaminhado à delegacia para prestar depoimento.
"A SMTR determinou ao Consórcio Santa Cruz que suspenda o motorista de suas funções até a conclusão do inquérito policial. Caso seja determinada sua culpa, o motorista será demitido", acrescenta a nota.

Outros atropelamentos
Também na Zona Oeste, outro ônibus atropelou uma criança de 11 anos na Estrada dos Bandeirantes nesta quarta-feira. Segundo o Corpo de Bombeiros, a vítima foi encaminhada para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. Segundo a assessoria da Secretaria estadual de Saúde, ele teve apenas um corte no rosto e passa bem.
Segundo a SMTR, o ciclista teria se desequilibrado e caído na frente do coletivo da linha 747 (Vargem Grande x Cascadura), do consórcio Transcarioca. O motorista Nilton César Castro Faria, de 47 anos, ainda teria freado, mas não evitou o choque. O ônibus está em dia com as vistorias da SMTR (2013) e do Detran (2012), de acordo com a nota. O condutor prestou socorro e foi encaminhado à delegacia para prestar depoimento.

Terceiro atropelamento, na Avenida Brasil
Por volta das 18h, uma pessoa foi atropelada por outro ônibus, na pista central da Avenida Brasil, sentido Centro, na altura da Ilha do Governador, segundo o Centro de Operações Rio. A vítima permanecia no local até às 18h30 e não havia informações sobre o seu estado de saúde. A faixa seletiva da pista central teve que ser interditada. Ainda na Brasil, um carro pegou fogo e provocou interdição da pista no sentido Zona Oeste.

13 mortos desde início de abril
Os dois casos engrossam a lista de acidentes recentes envolvendo ônibus no Rio. Só no mês de abril, foram 12 mortos na Região Metropolitana. Somado à morte do jovem desta quarta, o número chega a 13.
A Prefeitura do Rio anunciou novas cobranças das empresas. Entre as mudanças estão um treinamento de reciclagem aos mais de 18 mil motoristas de ônibus em até um ano. Aqueles que cometeram infrações também terão os nomes divulgados pelos consórcios de coletivos, conforme determinação da prefeitura. Além disso, os motoristas flagrados ou condenados por infrações graves serão demitidos.

As medidas foram tomadas após a morte do ciclista Pedro Nikolay em um acidente na Avenida Vieira Souto, em Ipanema, na manhã do dia 30. O motorista Onofre dos Santos afirmou não ter percebido o acidente e foi indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A perícia que deve esclarecer o acidente será concluída em 15 dias.
Uma semana depois, nesta segunda (6), Claude Jeanine Madeleine Deletite, francesa naturalizada brasileira, de 70 anos, foi atropelada ao atravessar fora da faixa na esquina da Rua Francisco Sá com a Avenida Nossa Senhora de Copacabana. Ela foi internada em estado grave no Hospital Miguel Couto, passou por cirurgias e, após pequena melhora, foi transferida para uma clínica particular na noite desta terça (7).
O caso mais grave foi no dia 2 de abril, quando uma briga entre motorista e passageiro provocou a queda de um ônibus da linha 328 (Castelo-Bananal) do Viaduto Brigadeiro Trompowski sobre a pista lateral da Avenida Brasil, na altura da Ilha do Governador. Oito pessoas morreram e outras nove ficaram feridas.
No dia 18, a idosa Emilce Thomás Duarte de Oliveira, de 64 anos, foi atropelada na Rodoviária Novo Rio, na Zona Portuária, após desembarcar de um ônibus da Viação 1001. Segundo a assessoria de imprensa da rodoviária, ela passava por trás do ônibus que dava marcha a ré e morreu na hora. Este foi o sexto caso grave de acidentes envolvendo ônibus na Região Metropolitana do Rio desde o início de abril.
Mais um caso aumentou a lista de acidentes graves envolvendo ônibus no Rio no mês de abril. Um ônibus da linha 435 (Grajaú x Gávea) subiu a calçada na Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema, Zona Sul, e atingiu uma lanchonete, a portaria de um prédio residencial e uma banca de jornal. Quatro pessoas ficaram levemente feridas e foram liberadas no local, segundo o Corpo de Bombeiros.
Outro coletivo tombou na rodovia RJ-104, em São Gonçalo, na Região Metropolitana, deixando 26 feridos sem gravidade, segundo a Polícia Militar.Em Parada de Lucas, no Subúrbio, uma batida entre um ônibus e um carro no Trevo das Margaridas deixou 29 pessoas feridas sem gravidade, na manhã do dia 14.
No dia 10, um ônibus da linha 685 (Méier - Irajá) perdeu o controle e colidiu com um posto de gasolina na rua Clarimundo de Melo, perto da igreja de São Jorge, em Quintino Bocaiúva, também no subúrbio. Quatro pessoas foram atropeladas, uma morreu.

Resgata trabalha no ônibus que caiu do viaduto nesta terça (02) no Rio de Janeiro. (Foto: Carlo Wrede/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)Acidente mais grave, dia 2 de abril, causou oito mortes (Foto: Carlo Wrede/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)

Helicóptero cai no Morro da Urca, no Rio

Um helicóptero caiu em área de difícil acesso do Morro da Urca, na Zona Sul do Rio, por volta das 13h30 desta quarta-feira (8), segundo o Corpo de Bombeiros. Na aeronave estavam o piloto e cinco turistas, sendo dois de Belém, um do Rio e dois americanos. Ninguém ficou ferido. Segundo a assessoria de imprensa do Bondinho, a aeronave não caiu, fez apenas um pouso forçado, ao lado do heliponto.
Equipes de resgate do Corpo de Bombeiros do Quartel de Humaitá estavam no local às 14h50. Os bombeiros informaram que quando chegaram ao Morro da Urca os passageiros já tinham deixado a mata e apenas o piloto permanecia no local.

Aerovave caiu ao lado do heliponto no Morro da Urca (Foto: Reprodução/TV Globo)Aerovave caiu ao lado do heliponto no Morro da Urca (Foto: Reprodução/TV Globo)

A assessoria da Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar, que cuida do bondinho, informou que uma rajada de vento arrastou a aeronave no momento do pouso. Segundo o Radar RJ, da TV Globo, o velocidade dos ventos chegou a 44 km/h na horário.
Uma equipe do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes (Seripa), órgão vinculado à Aeronáutica, estava a caminho do heliponto do Pão de Açúcar, por volta das 14h30, para apurar as causas do acidente.
Segundo a polícia, os passageiros foram levados para a 10ª DP (Botafogo).

2ª queda em uma semana
Esta foi a segunda queda de um helicóptero em menos de uma semana no Rio. Na sexta-feira (8), uma aeronave da Polícia Civil caiu dentro de um centro de treinamento policial no Caju, na Zona Portuária, deixando cinco feridos, um deles em estado grave.

Fonte: G1