domingo, 26 de maio de 2013

Antônio Fagundes e Susana Vieira brigam nos bastidores de “Amor à Vida”

O ator Antônio Fagundes se desentendeu com a atriz Susana Vieira nos bastidores da novela “Amor à Vida”, da Rede Globo. A briga começou quando a atriz se atrasou para a gravação de uma cena. Ela deixou o elenco e a parte técnica esperando, o que irritou Fagundes. O ator é conhecido pela sua pontualidade e bateu palmas com ironia e reclamou muito ao ver a atriz chegar atrasada ao set.
Susana fechou a cara e reagiu dizendo que iria gravar porque “não estava de brincadeira jogando baralho e, sim, retocando o visual, com dez pessoas em cima, fazendo cabelo, maquiagem, unha…”.
O diretor Mauro Mendonça Filho contornou a briga e trouxe Suzana para gravar a cena. As informações são de Patrícia Kogut, do jornal “O Globo”.

viver

Fonte: Clica Piauí

Vergonha do Pai

Pablo Jorge, filho do cantor Naldo, diz o que pai o mata de vergonha. O menino, fruto do relacionamento do cantor com a ex-mulher Branka, publicou no Instagram uma foto do pai e no texto deu uma alfinetada em Moranguinho, atual mulher de Naldo. Anteriormente, Pablo já tinha mostrado seu descontentamento com a notícia de que o pai se casaria outra vez. O adolescente chamou Ellen Cardoso de ‘prostituta’ e chegou a dizer que Naldo o ‘matava de vergonha’.



Fonte: São Gonçalo

Vanessa da Mata canta Jobim para 120 mil pessoas com bis de 30 minutos

SÃO PAULO, SP, 26 de maio (Folhapress) - Cinco minutos após ter encerrado seu show cantando repertório de Tom Jobim, na tarde de hoje no Parque da Juventude, em São Paulo, sob aplausos do público, a cantora Vanessa da Mata anunciou que não estava voltando para um simples bis.

Na verdade, ela disse que iria repetir várias músicas do show, porque milhares de pessoas ainda estavam chegando ao local. Assim, depois de uma hora e 15 minutos de show, ela repetiu a dose por 30 minutos extras.

Vanessa cantou para 120 mil pessoas, segundo a produção do evento, plateia recorde da já superlativa turnê do projeto Nivea Viva  Tom Jobim, de shows gratuitos e ao ar livre. Depois de passar por cinco capitais, ela termina no Rio, no próximo dia 9. A polícia não divulgou número de pessoas.

Em dia de sol, mas sem muito calor, o público já ultrapassava 60 mil pessoas antes do início do espetáculo, aberto pontualmente às 16h30. Gente de todas as idades, com muita criança correndo de um lado a outro.

Entre as 22 músicas que Vanessa cantou, a produção de Tom Jobim (1927-1994) foi contemplada em grandes sucessos e também em músicas menos conhecidas. Os arranjos, feitos por um grande amigo de Tom, Eumir Deodato, alternaram reproduções respeitosas e algumas ousadias.

"Eu Sei que Vou Te Amar", por exemplo, ficou um tanto mais acelerada, mas funcionou muito bem assim, escalada para encerrar a apresentação. Depois, no "show nº 2", ela fechou com "Garota de Ipanema".

Na primeira parte, Vanessa não cantou essa. Clássico mundial, ela foi mostrada no telão, que exibiu um dueto de Frank Sinatra e Tom Jobim, nos anos 1960, cantando uma versão bilíngue na TV americana. O público urrou ao ver o "maestro".

 Vanessa conta que sente orgulho por ter chance de interpretar canções do mestre

Apesar do trabalho dobrado, Vanessa cantou muito empolgada, chegando a visivelmente se emocionar bastante em alguns momentos. Sua voz, que se encaixa bem no canto contido da bossa nova, mostrou força diante da multidão.

Quase duas horas depois de sua primeira entrada no palco, Vanessa se despediu de uma plateia gigantesca e feliz. Que foi, de modo ordeiro, pegar o metrô para casa na estação Carandiru, bem ao lado do parque da Juventude. O local se firma como opção simpática para grandes shows na cidade.

Fonte: TN Online

Bolsas femininas têm mais micróbios do que maioria dos vasos sanitários

RIO DE JANEIRO
Bolsas femininas têm mais micróbios do que maioria dos vasos sanitários
Marina Ficcio
Bolsas femininas têm mais micróbios do que maioria dos vasos sanitários

O professor do Instituto de Microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Maulori Cabral, confirmou à Agência Brasil que bolsas femininas têm mais micróbios do que na maioria dos vasos sanitários, como é apontado por estudo da  empresa Initial Washroom Hygiene, do Reino Unido, especializada em limpeza de banheiros públicos.
“Tem mais micróbios na superfície das bolsas das mulheres do que na superfície dos vasos sanitários. As mulheres colocam a bolsa em tudo que é lugar. Pegam na bolsa o tempo todo e ficam passando micróbios da mão para a bolsa. E ninguém passa água sanitária na bolsa”, diz.
O estudo feito pela companhia britânica revela que o creme de mãos, batons e estojos de maquiagem são os itens mais sujos que as mulheres carregam nas bolsas. Maulori Cabral concorda com a pesquisa. “É o que ela [mulher] toca mais, mas, pelo lado de fora”. Ele explicou que os batons, sozinhos,  já têm agentes antimicrobianos. O mesmo ocorre em relação ao creme para mãos. Já os frascos que contêm o creme estão a todo momento sendo segurados pelas mãos femininas.
Maulori Cabral esclareceu que quando uma pessoa segura algum objeto, transfere para ele parte da sua microbiota. “Todo bicho vivo que você conhecer tem uma população de micróbios associada ao próprio corpo. Cada pessoa tem as suas populações bacterianas. Esse conjunto de populações bacterianas que está associada ao corpo denomina-se microbiota”, disse.
Cabral descartou, entretanto, que o fato de as bolsas femininas apresentarem mais micróbios que a superfície de vasos sanitários põe em risco a saúde humana. “De maneira nenhuma. Isso tudo é injeção de pânico”. A microbiota faz parte da evolução dos seres vivos. Cada pessoa carrega cerca de 100 trilhões de bactérias. “O corpo adulto é  formado por  10 trilhões de células que são descendentes da fecundação, ou seja, da nossa origem embrionária”. Quando a criatura nasce, se contamina com bactérias, inclusive da própria mãe e, quando fica adulta, carrega dez vezes mais bactérias do que células embrionárias. “Quando você encosta em uma coisa, passa para ela seus micróbios”.
Na avaliação do virologista, lavar as mãos de forma frequente não reduz o número de bactérias presentes nas bolsas das mulheres. O que precisa é lavar as mãos sempre antes das refeições e depois de ir ao banheiro.  “Quando lava as mãos, você não se livra dos seus micróbios; você se livra dos micróbios dos outros. Porque os seus fazem parte da sua microbiota. Os dos outros é que podem fazer mal a você, ou não”.
Cabral reiterou que os seres humanos nascem para conviver com os micróbios. “Fantasiar micróbios como algo maléfico é o maior absurdo”. Ele disse que as crianças tomam lactobacilos vivos porque isso faz bem à sua saúde e disse que a contaminação microbiana é uma coisa natural. Embora sejam invisíveis, os micróbios são os seres mais poderosos do planeta, avaliou o professor da UFRJ.
Os micróbios fazem parte do cotidiano. Cabral explicou que como o ser humano é um animal social, os homens cumprimentam uns aos outros, trocando micróbios no aperto de mãos. “A primeira coisa que você faz é: fique com um pouco dos meus micróbios e me dê um pouco dos seus”. Quando há mais intimidade com a outra pessoa, trocam-se beijos. “Aí a coisa complica” porque, segundo Cabral, cada gotícula de saliva tem 100 mil bactérias. “Mas, tem coisa melhor do que trocar bactérias?”, brincou o professor. Isso significa que quanto mais íntimo for o cumprimento, mais a microbiota é compartilhada.

Fonte: Panorama Brasil

Giovanna Antonelli e Murilo Benício celebram aniversário de Pietro

Neste domingo (26) Giovanna Antonelli e Murilo Benício reuniram amigos e familiares para comemorarem o aniversário de oito anos do filho Pietro.
Giovanna trouxe Antônia, sua filha, num carrinho e a outra gêmea, Sophia, chegou andando junto com a babá.
Com o tema ecologia, a festa aconteceu na Fazendinha de Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio.

Murilo Benício e Giovanna Antonelli fazem festa de aniversário para Pietro
Murilo Benício e Giovanna Antonelli fazem festa de aniversário para Pietro

Fonte: O FUXICO

Amanda Bynes diz que Rihanna apanhou de Chris Brown por ser feia

Continuando a série de atitudes sem sentido de Amanda Bynes, a atriz postou recados no Twitter ofendendo a cantora Rihanna. Ela encaminhou uma mensagem para a ex-namorada de Chris Brown e logo em seguida deletou-a.
"Rihanna, Chris Brown bateu em você porque você não é bonita o suficiente", escreveu Amanda. Ela continuou em outro post: "Ninguém quer ser o seu amor". Além dos xingamentos à toa, a atriz ainda mencionou que quase batizou seu novo cachorro de Rihanna.

 

Já a cantora, simplesmente respondeu: "Viu o que acontece quando eles cancelam a internação?". Amanda, que vem passando por uma série de episódios envolvendo surtos de comportamento, foi detida na última quinta-feira (23) enquanto fumava maconha na recepção de seu prédio.

 

Fonte: Caras

Incêndio em ônibus congestiona Rodovia Ayrton Senna, diz Ecopistas

A Rodovia Ayrton Senna está bloqueada no sentido São Paulo entre os municípios de Mogi das Cruzes e Itaquaquecetuba na tarde deste domingo (26). Segundo a Ecopistas, concessionária que administra a rodovia, a medida foi tomada a pedido do Corpo de Bombeiros que trabalha para controlar o fogo em um ônibus no quilômetro 39 da estrada.
A Ecopistas informou que os passageiros que estavam no veículo conseguiram sair e que não existem vítimas De acordo com a concessionária, o fogo começou por volta das 16h30 e o bloqueio foi feito há 40 minutos. O congestionamento vai do KM 39 ao 45 e não existe previsão de liberação da estrada, segundo a concessionária.

Fonte: G1

Facção tem tribunal paralelo e cobra mensalidade, afirma MP em MS

Facção tem tribunal paralelo e cobra mensalidade, afirma MP em MS (Foto: Fabiano Arruda/G1 MS)Operação apreendeu R$ 4 mil em espécie nesta sexta-feira. (Foto: Fabiano Arruda/G1 MS)


A operação “Blackout”, desencadeada nesta sexta-feira (24) em Mato Grosso do Sul, revelou detalhes de como se organiza uma facção criminosa que atua dentro e fora de presídios. Segundo as investigações, líderes do grupo realizam um tribunal paralelo para julgar ações de faccionados e as apurações confirmam pelo menos três mortes após julgamentos. Além disso, o grupo faz uma espécie de “rifa” entre os integrantes e a cobrança de R$ 400 por mês. Quem não paga entra para uma espécie de livro negro, sob risco de morrer. Todo dinheiro é arrecadado para financiar a organização.
A ação foi desencadeada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Polícia Militar e Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) com objetivo de desmobilizar a facção. A articulação se estende a unidades prisionais de todo país e possui integrantes no Paraguai, Bolívia e Peru. Desde março deste ano, o grupo tinha como alvos servidores ligados à Segurança Pública do estado como PMs e agentes penitenciários. Pelo menos quatro atentados, como a um policial militar que atua na região do bairro Moreninhas, foram evitados no período.
Segundo o promotor de Justiça Marcos Alex Vera de Oliveira, coordenador do Gaeco e um dos responsáveis pela ação, os tribunais realizados pela facção são compostos por pelo menos quatro julgadores. As investigações apontaram sobre um detento morto em Três Lagoas após a facção descobrir que ele utilizou o nome do grupo para cobrar uma dívida, considerando o ato como traição.
O preso foi morto e a causa do óbito foi apontada como overdose. No entanto, segundo o promotor, integrantes do grupo asfixiaram a vítima e depois introduziram quantidade de cocaína pela boca do homem com um tubo de caneta. Outro caso é de 2009, quando uma mulher ligada ao grupo, mas que estava fora do presídio, foi morta após ser julgada pelo tribunal paralelo.
O promotor considera que os resultados da operação vão dificultar a rotina da facção por meio do bloqueio de contas bancárias e sequestro dos valores, prisão dos comparsas, isolamento das lideranças, cortando a comunicação entre eles. No entanto, considera ser pouco provável que a organização cesse as ações.

Atuação
Para Marcos Alex, o grupo, que tem o comando principal em penitenciárias de São Paulo, utiliza a fronteira de Mato Grosso do Sul para a execução dos crimes. “Mato Grosso do Sul é território chave para a facção”, disse. Todos os líderes identificados na “Blackout” foram presos. Na ação também foram apreendidas anotações encontradas com os detentos e R$ 4 mil em espécie.

Facção tem tribunal paralelo e cobra mensalidade, afirma MP em MS (Foto: Fabiano Arruda/G1 MS) 
Promotor (ao centro) admite que facção não deve
cessar ações. (Foto: Fabiano Arruda/G1 MS)

Segundo ele, desde março, quando a investigação teve início após a morte de um policial militar aposentado em Três Lagoas, a ação identificou 328 membros.
Foram listadas 140 contas bancárias, inclusive de pessoas jurídicas, que eram utilizadas para dissimular o dinheiro movimentado pelo tráfico de drogas e roubo. Conforme o promotor, ao todo, 133 contas bancárias foram bloqueadas. Entre novembro de 2012 e fevereiro deste ano, pelo menos R$ 3 milhões foram movimentados.
Ainda conforme o coordenador do Gaeco, dos 55 mandados de prisão expedidos na operação, 43 foram cumpridos, o restante é considerado foragido no estado. Do total, 38 estavam presos e 25 já foram transferidos para o presídio federal de Campo Grande. Todos responderão por formação de quadrilha. “O Ministério Público já os denunciou à Justiça e eles não serão mais investigados e passarão a ser processados. Os presos também perderão qualquer benefício [no sistema prisional]”.

O comandante-geral da Polícia Militar em MS, Carlos Alberto David dos Santos, afirmou ao G1 que a corporação tem conhecimento da identidade dos foragidos e as cidades em que os criminosos devem estar escondidos. Segundo ele, a PM já tem equipes empenhadas na caça aos foragidos.

Problema recorrente
As investigações apontaram que a quadrilha dava comando de atentados, bem como se articulava em outros crimes, com o uso de celulares. O diretor-presidente da Agepen, Deusdete Oliveira, admitiu que o trabalho de monitorar a entrada de celulares em presídios, problema recorrente no estado, é complexo por conta do volume de visitantes aos finais de semana. Só no presídio de Segurança Máxima, em Campo Grande, o número chega a quatro mil, segundo ele.
Deusdete afirma que não é possível monitorar mais de 11 mil presos. Dessa forma, o serviço de inteligência da Agepen prefere se concentrar no monitoramento das principais lideranças criminosas. Ele voltou a afirmar que a principal medida para enfrentar o problema é a instalação de um bloqueador de sinal de celulares.
Para o promotor Marcos Alex, o primeiro passo de combate à facção é impedir que os integrantes se comuniquem. "Se não for estrangulada essa comunicação continuaremos a vivenciar essa situação de coordenação de crimes por detentos".

Fonte: G1

Advogada presa em Campo Grande por ligação com PCC

Advogada presa em Campo Grande por ligação com PCC  
24 Maio 2013
Da Redação Horizonte MS/Foto: Ilustração
 
 
Na manhã desta sexta-feira (24),  a advogada Daniela Dall Bello Rondão foi presa durante as ações da Operação “Blecaute” que busca membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Formada há apenas 6 meses, a advogada já é um dos alvos dos 17 mandados de prisão expedidos pela Justiça.
 
A mulher foi detida em  sua casa no bairro Itanhangá Park, bairro nobre de Campo Grande, e em seguida, foi encaminhada para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do bairro Piratininga. Interceptações telefônicas mostraram relação dela com os presos.
 
Além de Daniela, uma segunda mulher e um homem também foram presos pelos policiais da Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais). O rapaz  foi encontrado em um imóvel no bairro Jardim Paulista.  O primeiro mandado de prisão foi cumprido às 6h20 na Rua União, no Jardim Noroeste. 
 
Um outro mandado de prisão seria cumprido na Rua Geometria, no Portal Caiobá, mas de acordo com a polícia, o procurado não estava na casa. As investigações que desencadearam à operação começaram em março último.  
 
 Ao total foram expedidos 55 mandados de prisão contra os integrantes, 38 deles estão no presídio de Segurança Máxima e de lá ordenaram o assassinato de pelo menos três agentes da segurança pública, além da execução do policial militar aposentado, Otacílio Pereira de Oliveira, de 60 anos, que foi morto em Três Lagoas (MS).
 
A operação “Blecaute” é realizada em conjunto entre o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) e a Polícia Militar.

Filmes de EUA, França e China são favoritos na reta final de Cannes

CANNES, França — O Festival de cinema de Cannes, que no domingo anuncia seus prêmios, entra na reta final tendo o filme "Inside Llewyn Davis", dos irmãos Coen, como favorito dos críticos para a Palma de Ouro, enquanto os prêmios de interpretação poderão ser atribuídos a atores e atrizes que vivem homossexuais, entre eles Michael Douglas e Matt Damon.
Os corredores do Palácio dos Festivais são cenário de apostas e discussões, mas há consenso entre muitos críticos que, a dois dias da premiação, o filme cheio de humor e melancolia dos Coen, sobre a cena musical em Nova York nos anos 60, e "A Touch of Sin", um corrosivo retrato da China contemporânea do diretor Jia Zhangke, estão entre os melhores.
O Júri, presidido por Steven Spielberg, integrado pela atriz Nicole Kidman e por grandes diretores, como o romeno Christian Mungiu e o taiwanês Ang Lee, terá visto, entre 16 de maio e sábado, 20 longas-metragens que concorrem à Palma de Ouro.
Após nove dias de exibições, o Festival foi pego de surpresa nesta quinta pelo excelente "La vie d'Adèle", do franco-tunisiano Abdellatif Kechiche, que narra o despertar sexual de uma adolescente de 15 anos e sua paixão por uma jovem pintora de cabelos azuis, que poderá conquistar mais de um prêmio, segundo os críticos.
Este longa, que está na disputa pela Palma de Ouro, poderá valer o prêmio de interpretação à jovem Adèle Exarchopoulos, excepcional em seu papel de uma estudante de 15 anos, que descobre a paixão e o desejo quando conhece Emma, vivida pela atriz Léa Seydoux.
O filme possui belas cenas de amor entre as duas mulheres. Mas é a história intensa entre elas e, sobretudo, o magnífico retrato de Adèle, que colocou a obra entre as favoritas.
Os candidatos mais fortes aos prêmios de interpretação são Michael Douglas, que ressuscita o extravagante pianista americano Liberace, com suas perucas, trajes de lamê, candelabros dourados sobre o piano, maquiagem e peles.
Em "Behind the Candelabra", do premiado diretor Steven Soderbergh - que se despediu do cinema com esse filme, "pelo menos por um tempo indefinido" - Matt Damon interpreta Scott Thorson, o jovem amante do pianista.
Em todas as cerimônia de premiação de Cannes sempre há surpresas. Mas seria muito interessante se os intérpretes do filme de Soderbergh - que foi considerado "gay demais" por Hollywood, o que o fez ser produzido pela rede americana HBO - sejam duplamente premiados em Cannes, junto com as atrizes do filme franco-tunisiano que vivem lésbicas, justamente vários dias depois de o casamento gay ter sido legalizado na França.
Outro nome bastante cotado para o prêmio de interpretação é o do ator e cantor guatemalteco Oscar Isaac, que vive o protagonista do filme dos Coen.
Entre os fortes candidatos à Palma de Ouro está também "Le Passé", um drama íntimo do iraniano Asghar Farhadi, com a francesa Bérénice Bejo, que pode valer ao realizador de "A Separação", premiado com o Oscar de melhor filme estrangeiro em 2012, o prêmio a melhor diretor.
"Nebraska", um "road movie" em preto e negro de Alexander Payne, que narra a viagem de um idoso e seu filho por paisagens rurais de Estados Unidos para receber um suposto prêmio de loteria de um milhão de dólares, surgiu nesta quinta em Cannes como outro sério candidato aos prêmios de Cannes.
O prêmio da loteria é certamente uma farsa, mas serve para iniciar uma aventura entre pai e filho, que começa no estado de Montana, quando o velho, alcoólatra e com demência senil (Bruce Dern) se propõe a viajar nem que seja a pé para Lincoln, Nebraska, para receber o prêmio.
Um de seus filhos o acompanha e no caminho se torna seu cúmplice.
Na sexta estreia "The Immigrant", de James Gray, com os grandes Marion Cotillard e Joachim Phoenix, e "Michael Kohlhass", uma epopeia histórica do francês Arnaud des Pallières, com o ator dinamarquês Mads Mikkelsen, que ganhou no ano passado o prêmio de interpretação em Cannes por "A Caça".

Fonte: AFP