domingo, 14 de julho de 2013

A verdade por trás da festa da queda da Bastilha

Quando os franceses forem às ruas neste domingo comemorar sua festa nacional, que lembra a tomada da prisão da Bastilha em 14 de julho de 1789, muitos não saberão que, em vez do evento que foi o maior pontapé da Revolução Francesa, poderão estar festejando um episódio que aconteceu exatemente um ano depois: La Fête de la Féderation (A Festa da Federação, em tradução livre).
Para explicar como pode ter havido uma confusão entre as duas datas, é preciso fazer uma viagem no tempo e mergulhar na história francesa.
É muito fácil esquecer que no século que se seguiu aos eventos de 1789, a França foi submetida principalmente a regimes monárquicos, os mesmos que a revolução tanto havia combatido.
Primeiro veio Napoleão, depois os Bourbon. Em seguida, o rei Louis-Philippe, para depois o país experimentar um pequeno intervalo republicano, em 1848. Na sequência, veio o imperador Napoleão III.

 a queda da Bastilha, em 1789 (foto:Getty)

Somente a partir de 1870, quando o país saiu derrotado da Guerra Franco-Prussiana, é que a França estabeleceu seu duradouro sistema republicano.
No final de 1870, muitos monarquistas haviam sucumbido aos ideais da República, a Assembleia Constituinte era composta por uma maioria republicanana e, portanto, havia chegado o momento de inaugurar uma nova era, com uma série de símbolos nacionais.

Reconciliação

Uma das primeiras tarefas foi estabelecer o dia festa nacional francesa.
Após analisar várias opções, a opinião da esquerda prevaleceu: dia 14 de julho. Eles argumentaram que a queda da Bastilha foi o estopim da Revolução, com a libertação dos presos ali confinados.
Contudo, havia um probelma. O evento também fora marcado por um banho de sangue, no qual dezenas de pessoas morreram, entre elas o governador de Paris, que foi decapitado.
Para alguns parlamentares, o dia nacional da França deveria ser também um dia de reconciliação. Foi quando os olhos de todos se voltaram para a Festa da Federação.
Um ano após a tomada de Bastilha, a esperança pairava sobre Paris. O rei Louis XVI ainda estava no trono, mas seus poderes haviam sido cerceados pela Assembleia Constituinte. Os privilégios da aristocracia haviam sido abolidos.

parada militar na frança (AFP)
Parada militar nos Champs Elysées é um dos eventos que marcam o feriado nacional francês

Foi uma época definida pelos historiadores como a "fase otimista da revolução".
E para marcá-la, as autoridades organizaram um evento ao ar livre extraordinário no Champs de Mars, onde hoje fica a Torre Eiffel.
Um arco triunfal de 24 metros de altura foi erguido, o lugar foi preparado para receber 400 mil pessoas. No centro, instalaram um altar onde podia-se ler os dizeres "A Nação, A Lei, o Rei".
Nas semanas que precederam ao evento, parisienses de todas as classes sociais se uniram nos esforços de organização da festa.
Choveu cántaros no dia 14 de julho de 1790. Ainda assim, delegações da recém-criada Guarda Nacional fizeram um desfile pela cidade, liderados pelo Marquês de Lafayette.
No Champs de Mars, canções militares foram entoadas; foram feitos juramentos ao Rei que, por sua vez, prometeu validar os decretos da Assembleia Nacional; uma missa foi celebrada.
E num episódio que lembra cenas contemporâneas do culto a celebridades, a multidão foi ao delírio quando a rainha Maria Antonieta levantou seu bebê, herdeiro do trono, para exibí-lo ao público.

'Dia mais bonito da França'

Nas palavras do historiador Georges-Henri Soutou, foi um momento em que ainda era possível imaginar que um novo regime poderia conciliar diferentes crenças religiosas e ainda contar com o apoio do Rei.
Não durou, é óbvio. Dentro de um ano, a revolução estava na rota que a levou ao seu fechamento sangrento.
Mas um século depois, a Festa da Federação era a única data em torno da qual todo mundo, desde os leais aos Bourbon aos pró-socialistas, podiam concordar.
Para o senador Henri Martin, que rascunhou a Lei do Dia Nacional, 14 de julho de 1790 foi o dia mais bonito da França, possivelmente da história da humanidade. Foi naquele dia em que a união finalmente foi conquistada.
Aprovada em 1880, a lei era propositalmente ambígua. Não mencionava a que 14 de julho se referia.
E hoje, é claro, todo mundo acha que é o dia da tomada da Bastilha.
Mas reserve também um pensamento ao outro 14 de julho, quando a França parecia estar vivenciando transformações mais pacíficas, graduais. Este dia também é parte da história.

Depeche Mode e o tecnopop que nunca morre

Os ingleses do Depeche Mode se entronizaram na noite deste sábado em Portugal como os reis do tecnopop, assegurando assim a obrigatória dose de maturidade ao Optimus Alive, um festival cada ano mais consolidado.
Com uma atuação carregada de sedução e dança, o vocalista Dave Gahan fez do palco seu reino particular no segundo dia do evento em Oeiras, a cerca de 20 quilômetros de Lisboa.
A banda que injetou o som sintetizado no pop há três décadas entoou as canções mais emblemáticas de sua carreira durante quase duas horas e com poucos esquecimentos.
A atuação, que atraiu mais pessoas do que na noite anterior, serviu também de apresentação de seu último disco, "Delta Machine", um trabalho eclético e minimalista.
O Depeche Mode começou o show com "Welcome to My World", canção que abre seu álbum mais recente e chamou com eficácia o público que ainda se aproximava dos dois palcos.
Em seguida Gahan pegou o microfone e cantou para um público de súditos ansioso para devorar alguns dos hinos eletrônicos mais dançantes das últimas décadas.
Em uma noite de temperatura amena, o clássico "Walking in My Shoes" começou a animar os espectadores, agitados pelo cinquentão Gahan.
Em um segundo plano, ficou o compositor, tecladista e guitarrista Martin L. Gore, que se dedicou a fundo em algumas músicas, como "Judas" e "Home".
O potencial dos novos singles da banda foi demonstrado com a dramática "Heaven" e a fogosa "Should Be Higher", nas quais o vocalista sempre balançava as quadris e interpretava seus frequentes gestos afeminados.
O Depeche Mode rendeu um tributo especial a um dos discos mais bem-sucedidos da banda, "Violator" (1990), com "Policy of Truth" e uma de suas mais sofisticadas canções, "Enjoy the Silence".
Depois vieram aquelas músicas que marcaram o início do grupo de Essex, como "Black Celebration", que deu nome a seu quinto álbum produzido em 1985.
Também não faltaram a melancolia dos teclados de "Precious" e as doses de eletrônica de "A Pain that I'm Used To", ambas canções do álbum "Playing the Angel" (2005).
O público só entendeu que chegou de verdade sua hora quando soou o começo lento, quase em câmera lenta, do solo de guitarra de "Personal Jesus", talvez a mais característica canção do grupo.
E embora "Home" tenha acalmado os espectadores, o público foi reavivado em seguida com "Just Can't Get Enough", o terceiro single da banda, e "Never Let Me Down".
O show do Depeche Mode foi precedido por seus compatriotas Editors, banda cujo cantor Tom Smith tem uma voz profunda como a do cantor Ian Curtis de Joy Division.
O grupo, que este junho lançou seu quarto álbum "The Weight of Your Love", fez um show sem excessos no qual não faltou a potência meteórica do single "Munique".
Algumas surpresas da jornada foram os portugueses do Oquestrada, um pop fresco e divertido feito com folclore autóctone.
O tom enigmático do evento foi do soul da dupla canadense e dinamarquesa Rhye, que souberam aproveitar a intimidade do segundo palco para apresentar seu álbum de estreia "Woman".
A sétima edição do festival termina neste domingo com os americanos do Kings of Leon e alguns grupos excelentes como o Alt-J, vencedores mais recentes do famoso prêmio "Mercury".

Fonte: Terra

Senador italiano compara ministra negra a orangotango

O primeiro-ministro de Itália, Enrico Letta, criticou duramente o senador Roberto Calderoli por ter comparado a ministra Cecile Kyenge, a primeira negra a ocupar um posto no gabinete do país, a um orangotango.
Em comunicado divulgado hoje (14), Letta disse que as palavras de Calderoli são "inaceitáveis" e foram "além de qualquer limite".
Calderoli é vice-presidente do Senado e líder do partido Liga do Norte, que é contrário à imigração. As declarações a respeito de Kyenge, que é ministra da Educação, foram feitas em um discurso durante uma reunião da legenda no sábado (13), no norte italiano.
"Quando eu vejo imagens de Kyenge não consigo evitar pensar na semelhança com um orangotango, embora não diga que ela é um", disse Calderoli segundo o Corriere della Sera.

 AP Photo/Montagem/Estadão Senador Roberto Calderoli comparou ministra Cecile Kyenge a um orangotango

Kyenge é uma médica nascida na República Democrática do Congo que se tornou a primeira ministra negra da Itália quando o gabinete de Letta foi empossado em abril.
Calderoli disse durante a reunião que Kyenge fez bem em se tornar ministra, mas que "talvez ela devesse fazer isso em seu próprio país". Ele disse também que ela "faz tantos imigrantes que vêm aqui sonhar" que eles farão a "América" na Itália.
A Liga Norte não está no governo, mas é há muito tempo o aliado mais próximo do partido do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, que é o principal parceiro de Letta no governo de coalizão.
As declarações do senador deram início a pedidos por sua renúncia. Uma delas partiu do ministro da Administração Pública, Gianpiero D''Alia.

Fonte: Paraíba

Gabonês contratado pelo Borussia é mais rápido que Bolt

O atacante gabonês Pierre-Emerick Aubameyang, recém-contratado pelo Borussia Dortmund junto ao Saint-Etienne, da França, percorreu durante um treino a distância de 30 metros mais rápido que o jamaicano Usain Bolt quando estabeleceu o recorde mundial dos 100 m em 2009.
O jogador de 24 anos conseguiu nesta semana em um teste físico realizado pelo clube alemão a marca de 3.70 segundos, oito centésimos mais rápido que Bolt para a mesma distância. O homem mais rápido do mundo, o jamaicano, dono de seis medalhas de ouro olímpicas, cravou a incrível marca de 9.58 na final do Mundial de Altetismo de Berlim-2009.
"Pierre é sem dúvida o jogador mais rápido que atuou conosco", afirmou o diretor de futebol do Borussia, Michael Zorc, ao jornal alemão Bild.
Com o Saint-Etienne, marcou 19 gols em 37 jogos na última edição da Ligue 1, da qual foi vice-artilheiro atrás do sueco Zlatan Ibrahimovic, do Paris Saint-Germain.
O gabonês, comprado por 13 milhões de euros pelo atual vice-campeão europeu assinou seu primeiro contrato profissional com o Milan em 2008, mas praticamente não jogou com o time 'rossonero' e foi emprestado a vários clubes franceses (Lille, Dijon e Mônaco) antes de ter seu passe comprado pelo Saint-Etienne em 2011.
Bolt, que se prepara para disputar o Mundial de Atletismo de Moscou, dos dias 10 a 18 de agosto, não deve ver com bons olhos a contratação de Aubameyang pelo Borussia, já que é torcedor declarado do rival Bayern de Munique.

Fonte: Portal A Tarde

Grande Recife: Começam as obras do Corredor Exclusivo da BR 101(Norte)

A Secretaria das Cidades inicia as obras de construção da Estação Cruz de Rebouças, que ficará localizada no Corredor Exclusivo da BR 101(Norte). Devido a essa atividade, o Grande Recife irá alterar o itinerário de algumas linhas de ônibus que trafegam naquela localidade.
 

Os veículos que seguem no sentido Abreu e Lima/Igarassu, ao fazer o retorno (localizado em frente à Oficina Humberto Carros e Rodas) deverão acessar a pista de tráfego misto, percorrendo cerca de 2 km. Após esse caminho, os veículos poderão retornar ao corredor exclusivo de ônibus no retorno que fica em frente ao posto de combustível Cassino e ao Hotel L’amour. 

Já os ônibus que seguem no sentido Igarassu/Abreu e Lima, ao fazer o retorno que fica em frente ao posto de combustível Cassino e em frente ao Hotel L’Amour, deverão acessar a pista de trafego misto, percorrendo cerca de 2 km. Após esse caminho, os veículos poderão retornar ao corredor exclusivo de ônibus, no retorno localizado em frente à Oficina Humberto Carros e Rodas. 

As obras têm previsão de três a quatro meses de duração. Em caso de dúvidas, o Consórcio disponibiliza a Central de Atendimento ao Cliente, no 0800 081 0158.

Informações: Sec. das Cidades

Adolescente é morta com facada no peito no RN; outra menor é suspeita

Do G1 RN
294 comentários
 
Raissa Andrade foi morta com facada em Natal (Foto: Reprodução/Facebook) 
Raissa Andrade foi morta com facada em Natal
(Foto: Reprodução/Facebook)

A estudante Raissa Pinheiro Andrade, de 16 anos, morreu ao ser atingida por uma facada no peito durante uma festa de São João no Vale Dourado, zona Norte de Natal. Ela foi ferida na noite de sexta-feira (12) e morreu neste sábado (13) no hospital Santa Catarina. Segundo a polícia, a suspeita de cometer o crime é outra adolescente, mais nova que Raissa.
De acordo com o relato de testemunhas à polícia, Raissa havia participava da festa de São João e, no evento, teve uma discussão com outra adolescente. Depois disso, a suspeita teria pegado uma faca e desferido um único golpe no peito de Raissa.
Após ser atingida, ela foi levada para o hospital e cirurgiada. Neste sábado, ela teve uma hemorragia interna e morreu. O corpo de Raissa foi levado para o Instituto Técnico-Científico de Polícia do Rio Grande do Norte (Itep) e já foi liberado para sepultamento.

Fonte: G1

'Trofeuzinho': Fabiana Karla avalia o que os homens pensam sobre a virgindade

12/07/2013 às 08h41
Atualizado em 12/07/2013 às 09h17
Fabiana Karla comenta situação da sua personagem em Amor à Vida, que não consegue perder a virgindade (Foto: Globo/Alex Carvalho )Fabiana Karla comenta a virgindade da sua personagem em Amor à Vida (Foto: TV Globo)

No Brasil, a média desta faixa etária é de 15 a 17 anos. Bem longe do que vive Perséfone, personagem de Fabiana Karla em Amor à Vida. Ela, que já ultrapassou os 30, vive constantemente em busca do homem perfeito para dividir este momento tão especial. Mas, o que será que a atriz pensa sobre o assunto? Ela mesma deu sua opinião ao Mais Você.
“A Perséfone se dedica tanto ao trabalho que se esqueceu dos amores que poderia ter, e da vida sexual dela. Agora as amigas estão todas atrás de um pretendente”, disse, enfatizando a campanha que os colegas da personagem estão fazendo para tirá-la desta situação.
A atriz espera que isso aconteça em breve: “Ela quer um grande amor e trata isso com muita doçura, ela vislumbra um homem para viver ao lado dela. Eu faço votos para que isso aconteça logo, torço muito por ela. Cada um tem o seu momento e a gente tem que respeitar as diferenças de cada um”.
Fabiana comentou o que os homens devem pensar sobre uma mulher virgem, na idade de Perséfone. “Eu não sei se eles se assustam ou se é um atrativo, um trofeuzinho”, ponderou. A atriz também aconselhou quem está vivendo o mesmo tipo de situação, em dúvida sobre perder ou não a virgindade: “Se amem muito, saibam que vocês são incríveis, é um momento tão especial e se a pessoa se amar e segurar sua onda, não vai entregar o tesourinho para qualquer um”.

Fonte: Mais Você (Rede Globo)

Zimmerman, inocentado da morte de Trayvon Martin, provoca indignação nos EUA


SANFORD, Estados Unidos, 14 Jul (Reuters) - Inocentado por um júri na Flórida, George Zimmerman se viu livre da acusação criminal de matar a tiros o adolescente negro desarmado Trayvon Martin, mas ainda está sob o fogo dos líderes dos direitos civis e críticos que ficaram consternados com o veredicto.
As seis mulheres do júri, que deliberaram durante 16 horas ao longo de dois dias, decidiram na noite de sábado que Zimmerman não é culpado da acusação de assassinato em segundo grau e de homicídio culposo, um caso que polarizou os norte-americanos.
Debates sobre discriminação racial, armas, leis de defesa pessoal e igualdade de justiça, que surgiram depois do acontecimento em 2012, continuavam na manhã seguinte ao veredicto.
"Continuo estupefato com a decisão", disse à emissora CNN um líder dos direitos civis Jesse Jackson neste domingo. "O Departamento de Justiça (dos EUA) precisa intervir para levar isso para outro nível."
O presidente da Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor, Benjamin Jealous, afirmou neste domingo que ele havia falado com autoridades da Justiça sobre fazer acusações federais de direitos civis contra Zimmerman.
"Quando você olha para os comentários feitos por jovens negros que viviam naquele bairro, sobre como se sentiam especialmente visados por (Zimmerman), há motivos para pensar que a raça foi o motivo pelo qual ele alvejou o jovem Trayvon", disse Jealous à CNN.
Os jurados ficaram isolados durante as três semanas de depoimentos e permaneceram anônimos por ordem judicial. Eles se recusaram a falar com jornalistas depois da decisão.
Os advogados de defesa argumentaram que Martin, de 17 anos, atacou Zimmerman na noite de 26 de fevereiro de 2012, em um condomínio fechado em Sanford, na Flórida. Os promotores tinham que provar que Zimmerman cometeu um crime ao perseguir Martin e que ele não agiu em legítima defesa.
O tribunal liberou Zimmerman de portar um aparelho de monitoramento eletrônico que vinha usando durante a liberdade condicional. Zimmerman, que tinha recebido ameaças de morte, agora enfrenta a possibilidade de um processo civil por homicídio culposo pela família de Martin.
O drama tenso que foi crescendo ao longo dos 16 meses terminou tarde da noite com a leitura do veredicto, quando um funcionário do tribunal disse "inocente".
Zimmerman, de 29 anos, não demonstrou emoção num primeiro momento, porém, mais tarde, abriu um sorriso depois de se sentar.
 


Fonte: Reuters

Ator do seriado 'Glee', Cory Monteith é encontrado morto no Canadá

O ator Cory Monteith do seriado "Glee" foi encontrado morto neste sábado (13) em um hotel em Vancouver, no Canadá, segundo a polícia.
Ele interpretava o galã Finn Hudson na série de TV da emissora americana Fox, desde que ela começou em 2009.
O canadense Monteith, de 31 anos, estava hospedado no Hotel "Fairmont Pacific Rim" na parte baixa da cidade, disse Doug Lepard, chefe do Departamento de Polícia de Vancouver, em entrevista.
De acordo com ele, a causa da morte não pôde ser imediatamente identificada pela polícia e pelos paramédicos, mas não havia sinais de crime.
De acordo com informações da CNN, os médicos legistas devem realizar a necropsia na segunda-feira (15).
O corpo de Monteith foi descoberto por volta de meio-dia, no horário local, pelos funcionários do hotel depois que ele perdeu o horário do checkout, informou Lepard.

Joshua Jackson (à esquerda), Lea Michele e Cory Monteith participam de apresentação no New York City Center no dia 18 de maio de 2009, em New York (Foto: AFP)Joshua Jackson, Lea Michele e Cory Monteith participam de apresentação no New York City Center no dia 18 de maio de 2009, em New York (Foto: AFP)


Ele teria morrido cerca de duas horas antes disso, segundo fontes ouvidas pela agência EFE.
O ator tinha dado entrada no hotel no dia 6 de julho.
Aparentemente, havia várias pessoas no quarto do ator, no 21º andar do hotel, em algum momento da sexta à noite.
Porém, o chefe de polícia afirmou que nas câmaras de segurança do hotel é possível ver Monteith voltando para o seu quarto sozinho nas primeiras horas da manhã de sábado.

Dependência química
Em abril deste ano, Cory Monteith passou um tempo numa clínica de reabilitação para tratar de uma dependência química, assumida por ele em 2011, em entrevista à revista "Parade".
Na época, ele contou que havia começado a usar drogas aos 13 anos, e foi internado pela primeira vez aos 19, depois da intervenção da mãe e de amigos.
Ele chegou a dizer que se considerava "sortudo" pelo fato de estar vivo.
Questionado sobre se a morte tinha relação com abuso de drogas, o policial Doug LePard recusou-se a comentar.

Finn Hudson
Na série "Glee", Monteith interpretava o personagem Finn Hudson, um jogador de futebol americano que se transformava em um cantor de um grupo musical.
O ator cresceu na cidade de Victoria, na Colúmbia Britânica.
Em sua conta no Twitter, Monteith se descrevia como "alto, esquisito, canadense, ator, baterista, pessoa".
Ele começou a carreira em uma série de pequenos papéis. Entre 2006 e 2007, atuou na série de ficção científica "Kyle XY", da rede ABC, e na série "Kaya", da MTV americana.
Mas a fama veio com o seriado adolescente "Glee", ambientado na pequena cidade de Lima, no estado americano de Ohio. A série estreou em 2009.
Ele marcou com seu personagem, com seu romance conturbado com a protagonista da série, Rachel Berry, interpretada por Lea Michele.
Monteith e Michelle repetiram o romance na vida real.
Em comunicado na página de "Glee", os produtores executivos da série disseram que estavam "profundamente entristecidos pelas notícias trágicas".
"Cory era um talento excepcional e uma ainda mais excepcional pessoa", diz o texto. "Era uma verdadeira alegria trabalhar com ele, e todos vamos sentir sua falta tremendamente. Nossos pensamentos e orações estão com sua família e com seus amados."
Uma autópsia deve ser feita na segunda-feira (15).

Fonte: G1