segunda-feira, 22 de julho de 2013

Família de Morsi acusa exército de rapto

Familiares de Mohammed Morsi lançaram esta segunda-feira duras críticas à atuação do exército do país, acusando-o de raptarem o antigo presidente do país.

Desde que foi deposto, no dia 3 de julho, Morsi encontra-se detido num local secreto, sem contacto com a família. Até agora, ainda não foi feita nenhuma acusação formal ao antigo presidente, mas há uma investigação em curso sobre alegados atos de espionagem e de incitação à violência cometidos por ele.


Shaimaa Morsi (foto AP)




A família de Morsi vai agora pedir ao Tribunal Penal Internacional que investigue o golpe que depôs o antigo líder egípcio e as condições em que ele se encontra.

«Vamos tomar medidas legais, local e internacionalmente, contra Abdul Fattah al-Sisi, o líder do sangrento golpe militar, e o seu grupo», disse Shaimaa, filha do antigo presidente, em conferência de imprensa.

Osama, um dos filhos de Morsi, sublinhou que a presente situação constitui «uma violação dos direitos humanos e um escândalo».


Fonte: A Bola

Terremoto mata 89 e fere mais de 600 pessoas na China

Na China, um terremoto matou 89 pessoas e feriu mais de 600, nesta segunda-feira.
As câmeras de trânsito balançando são efeito do terremoto que aconteceu pouco antes das 8h, hora local.
A terra tremeu na província de Gansu, atingindo especialmente a cidade de Dangxi. A região, no Noroeste da China, é uma zona rural montanhosa.
Segundo o Governo, o tremor atingiu uma magnitude de 6.6 graus e foi perto da superfície, o que agrava os efeitos.
Casas viraram entulho e as equipes de resgate buscavam desaparecidos nos escombros. As vítimas não paravam de chegar e os hospitais da província ficaram pequenos. Pessoas esperavam do lado de fora por atendimento.
Antes de o terremoto acontecer, aquela região já vinha sofrendo com fortes chuvas. Várias estradas estavam interrompidas por causa de deslizamentos de terra. Agora, máquinas mais pesadas não estão conseguindo chegar e o socorro às vítimas fica mais difícil.

Fonte: Jornal Nacional

Depois de dois anos, neve cai durante cinco minutos no Paraná

A primeira cidade do Paraná a ter registro de neve, nesta segunda-feira (22), foi Palmas, no sul do estado. A neve caiu por volta das 14h durante cerca de cinco minutos, mas foi o suficiente para se acumular no chão. De acordo com os meteorologistas, ainda há previsão de que o fenômeno ocorra nas outras cidades das regiões sul e sudoeste e também, em Curitiba, até a madrugada de terça-feira (23).

Neve caiu em Palmas, no sul do Paraná, por volta das 14h e durou cinco minutos (Foto: Cleverson José/RPC TV) 
Neve caiu em Palmas, no sul do Paraná, por volta das
14h desta segunda (22) e durou cinco minutos
(Foto: Cleverson José/RPC TV)


Por volta das 17h, voltou a ocorrer a chuva congelada em Palmas, mesmo fenômeno que havia acontecido nesta manhã. “As pessoas confundem chuva congelada com neve. Quando é chuva congelada, cai no solo e derrete. Quando é neve, os flocos ficam acumulados na superfície”, explica o meteorologista Celso Oliveira.  Nesta tarde, a neve foi confirmada pelos meteorologistas. O último registro do fenômeno na cidade foi em 2 de agosto de 2011.

Neve em Curitiba
Para Curitiba, a previsão de neve é para a madrugada de terça-feira, quando deve fazer entre -1°C e 0°C, segundo Oliveira. A última vez que nevou na capital paranaense foi em 17 de julho de 1975.

Em Palmas, houve registro de chuva congelada durante a manhã e também no período da tarde (Foto: Adriana Loduvichak/RPC TV) 
Em Palmas, houve registro de chuva congelada durante a manhã e também no período da tarde (Foto: Adriana Loduvichak/RPC TV)

Baixa popularidade de Dilma alimenta volta de Lula, diz FT

A presidente Dilma Rousseff

"O carisma do ex-presidente, que não completou a escola primária e facilmente chega a todos os níveis da sociedade brasileira e internacional, fica em contraste com a senhora Rousseff", diz o FT
Londres - Uma eventual volta às eleições do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é tema de uma reportagem na edição desta segunda-feira, 22, do jornal britânico Financial Times.
Segundo o texto, os protestos populares, a queda da aprovação de Dilma Rousseff diante da elevada popularidade de Lula e a mais recente pesquisa eleitoral publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo "alimentam especulações" de que o ex-presidente poderia disputar as eleições de 2014. Dilma, porém, continua sendo a primeira opção do partido, diz o FT.
A reportagem nota que a reação da presidente Dilma Rousseff aos protestos populares das últimas semanas revelou a diferença de comportamento entre os dois líderes do PT. "O carisma do ex-presidente, que não completou a escola primária e facilmente chega a todos os níveis da sociedade brasileira e internacional, das favelas à Casa Branca, fica em contraste com a senhora Rousseff."
Para o jornal britânico, Dilma é "uma tecnocrata taciturna criticada por políticas econômicas intervencionistas" e que parece mais inclinada a "minúcias de projetos de infraestrutura do que a tomar a tribuna para fazer política".
"Isso, combinado com a popularidade do senhor Lula da Silva, tem alimentado especulações de que o ex-metalúrgico, que liderou o Brasil entre 2003 e 2010, poderia fazer um retorno nas eleições presidenciais do próximo ano", diz o texto.
A reportagem cita a pesquisa eleitoral Ibope publicada na sexta-feira, 19, pelo jornal "O Estado de S.Paulo" e que mostra que Lula "seria até 37% mais forte do que Dilma como candidato do PT à Presidência". A reportagem também cita o aumento das intenções de voto de Marina Silva (sem partido) e Aécio Neves (PSDB) na mesma pesquisa.
"O estilo discreto de Dilma Rousseff foi inicialmente bem recebido. Mas com o país sofrendo uma série de protestos em favor de melhores serviços públicos, brasileiros se perguntam se a senhora Rousseff tem experiência política para conduzir a jovem democracia", diz a reportagem.
Apesar de citar a hipótese de Lula, o FT afirma que a presidente Dilma segue como principal nome do PT para as eleições presidenciais do próximo ano.

Fonte: Exame

Morre ator Dennis Farina, o detetive Joe Fontana de 'Law & Order'

Dennis Farina, que interpretou o detetive Joe Fontana na série Law & Order, morreu nesta segunda-feira (22), vítima de um coágulo no pulmão, segundo informações do site TMZ. Ele tinha 69 anos.

O ator também é conhecido por papéis em diversos filmes clássicos, como O Nome do Jogo (1995), Snatch – Porcos e Diamantes (2000) e Fuga à Meia-Noite (1988). Ele também apareceu na série Luck, da HBO.




Farina, nascido em 1944 em Chicago, morreu em Scottsdale, no estado norte-americano do Arizona. Ele tinha três filhos, do casamento com Patricia Farina. Eles se divorciaram em 1980. Ele também tinha seis netos.

Segundo o representante do ator, ele vivia com Marianne Cahill há décadas, mas nunca foram casados.

Antes de se dedicar a carreira de ator, Farina foi policial em Chicago, de 1967 a 1985. 

Fonte: TERRA

No 1º dia, Papa passa por multidão e discursa: 'Cristo bota fé nos jovens'

O Papa Francisco chegou ao Brasil às 15h45 desta segunda-feira (22) para presidir a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), desfilou em carro aberto e saudou os jovens em seu primeiro discurso, no Rio de Janeiro. "Cristo bota fé nos jovens", afirmou o pontífice argentino, que faz sua primeira viagem internacional desde que foi escolhido sucessor de Bento XVI. O Papa fica no país até domingo (28) e ainda visitará a cidade de Aparecida (SP), nesta quarta.
(O G1 acompanha em tempo real a visita do Papa, em fotos e vídeos. Siga)
Francisco foi recebido com flores brancas pela presidente Dilma Rousseff na base aérea do Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro. Em seguida, percorreu um trajeto, acompanhado por uma multidão, em três carros, incluindo o papamóvel, e de helicóptero, até o Palácio da Guanabara, onde ambos discursaram.

"Cristo bota fé nos jovens. E também os jovens botam fé em Cristo", afirmou o Papa. "Obrigado pelo seu generoso acolhimento (...). Vim para a JMJ para encontrar os jovens que vieram de todo o mundo atraídos pelos braços abertos pelo Cristo Redentor. Estes jovens vêm de diversos continentes, falam línguas diferentes, são portadores de variadas culturas e, todavia, em Cristo encontram as respostas para suas mais altas e comuns aspirações e podem saciar a fome de verdade límpida e de amor autêntico que os irmanem para além de toda diversidade", afirmou.
"Cristo abre espaço para eles [jovens], pois sabe que energia alguma pode ser mais potente daquela que se desprende do coração dos jovens", disse o Papa. "Atenção, a juventude é a janela pela qual o futuro entra no mundo (...), por isso nos impõe grandes desafios. A nossa geração se demonstrará à altura da promessa contida em cada jovem quando lhes souber abrir espaço."
Papa Francisco e a presidente Dilma no Palácio Guanabara (Foto: Reprodução/GloboNews) 
Papa Francisco e a presidente Dilma no Palácio
Guanabara (Foto: Reprodução/GloboNews)
O Papa disse também que o Brasil possui "profundos sentimentos de fé". "Venho para alimentar a chama de amor fraterno que arde em cada coração", disse. "Aprendi que para ter acesso ao povo brasileiro é preciso ingressar pela porta de seu imenso coração. Permitam-se que nessa hora eu possa bater delicadamente a essa porta", disse.
"Por isso, peço licença para entrar e transcorrer essa semana com vocês. Não tenho nem ouro nem prata, mas tenho algo de mais precioso que me foi dado: Jesus Cristo", afirmou o Papa Francisco.
Antes, a presidente Dilma Rousseff deu boas-vindas ao Papa. “É uma honra redobrada em se tratando do primeiro Papa latino-americano”, disse. “O Brasil e seus mais de 50 milhões de jovens acolhem de braços abertos os peregrinos de dezenas de países que vieram para essa grande celebração."
"A juventude brasileira está engajada numa luta por uma nova sociedade. Essa celebração da juventude durará muito mais do que os dias da jornada"
Dilma Rousseff, presidente da República
"Sabemos que temos diante de nós um líder religioso sensível aos anseios de nossos povos por Justiça social, oportunidade para todos. (...) Lutamos contra um inimigo em comum, a desigualdade social", afirmou Dilma.
Segundo ela, "estratégias de superação da crise econômica, centradas só na austeridade, sem a devida atenção aos enormes custos sociais que ela acarreta, golpeiam os jovens".
Ainda conforme a presidente, "a fé é parte do espírito brasileiro" e moveu centenas de jovens em protestos pelo país nos últimos meses. "A juventude brasileira tem sido protagonista nesse processo e clama por mais direitos sociais (...). Os jovens exigem respeito, ética e transparência. Querem que a política atenda a seus interesses, aos interesses da população", disse. "A juventude brasileira está engajada numa luta por uma nova sociedade. Essa celebração da juventude durará muito mais do que os dias da jornada", completou.

Calor humano
Foram quase 12 horas de viagem ao Brasil. Minutos após descer do avião Airbus A330 da Alitalia, que saiu do Aeroporto de Fiumicino, próximo a Roma, às 8h55 (3h55 em Brasília), Francisco cumprimentou autoridades e religiosos que o aguardavam ao longo de um tapete vermelho estendido na pista do Galeão e ouviu o Hino da Jornada de um coral de 140 crianças.
GNews - Multidão toca o Papa Francisco (Foto: GloboNews) 
Multidão cerca o carro do Papa Francisco no Rio
(Foto: GloboNews)
Fotos divulgadas pela agência de notícias AP mostraram o Papa Francisco conversando com jornalistas durante o voo. Segundo o porta-voz do Vaticano, Frederico Lombardi, o Papa ficou 15 minutos na cabine do avião na aterrissagem. "Tivemos medo", brincou. Segundo ele, o Papa teve uma viagem tranquila, mas muito ativa, com "uma energia extraordinária". O porta-voz disse ainda que Francisco pediu ajuda aos jornalistas no voo porque ele veio para dar sua mensagem e, sem eles, ela ficaria apenas parcial.
Após os cumprimentos, Francisco entrou em um carro em direção à Catedral Metropolitana de São Sebastião, no Centro do Rio. Dezenas de pessoas acenavam durante o trajeto. O carro chegou a ficar detido em um congestionamento. O Papa manteve o vidro aberto, devolvendo as boas-vindas. Próximo à catedral, o carro foi novamente cercado por uma multidão, mas o Papa continuou acenando com a janela aberta, protegido por seguranças.
Segundo Lombardi, o Papa pediu menos segurança e gosta de ter contato com as pessoas, não de militarização. "Foi a primeira experiência, ele acabou de chegar. Vimos o entusiasmo das pessoas. Isso é algo novo, talvez uma lição para os próximos dias. Temos que achar a maneira correta", disse, destacando o entusiasmo da população brasileira.
Francisco subiu então no papamóvel em direção ao Theatro Municipal. O primeiro desfile no veículo, sem proteção lateral, foi acompanhado por centenas de fiéis. Francisco foi aplaudido, fotografado e parou para beijar crianças.
"Fiquei em êxtase. Esse era um sonho meu, eu já vi pra cá com essa intenção", disse a mãe de uma delas, o menino Guilherme Mendes, de 2 anos, que foi abençoado com o sinal da cruz.
Multidão cerca o papamóvel próximo da Catedral do Rio de Janeiro (Foto: Gabriel Bouys/AFP)Multidão cerca o papamóvel próximo à Catedral do Rio de Janeiro (Foto: Gabriel Bouys/AFP)
Depois, Francisco embarcou em outro carro até o 3º Comando Aéreo Regional (Comar). Por volta das 17h50, foi de helicóptero até o Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na Zona Sul, encontrar-se com a presidente Dilma Rousseff, o governador do Rio, Sérgio Cabral, o prefeito Eduardo Paes e outras autoridades. Às 18h, o Papa chegou ao palácio do governo, onde proferiu seu discurso.

Protestos
Ao menos três grupos se reuniram no Largo do Machado, na Zona Sul do Rio, para protestar contra a visita do Papa. No início da noite, houve tumulto em frente ao Palácio da Guanabara, quando o Papa já havia deixado o local. Manifestantes jogaram bombas de fabricação caseira em policiais, que revidaram com balas de borracha, jatos d'água e bombas de gás lacrimonêneo.

Papa acena para os fiéis do papamóvel (Foto: Victor R. Caivano/AP)Papa acena para os fiéis do papamóvel (Foto: Victor R. Caivano/AP)
Agenda
O Papa fica hospedado nesta segunda na Residência Assunção, no Sumaré. Jorge Bergóglio deve dormir no quarto 5, que possui uma área de 45 metros quadrados. Nos sete dias em que ficará no país, Francisco fará pelo menos 15 pronunciamentos. A expectativa de especialistas é que ele quebre protocolos e faça pregações emblemáticas para reforçar suas posições frente aos desafios da igreja. Cerca de 5,5 mil jornalistas acompanham a visita, 2 mil da imprensa internacional.
Nesta terça-feira (23), Francisco passa o dia descansando, sem compromissos oficiais. Na quarta (24), a agenda do Papa começa com uma visita a Aparecida, no interior de São Paulo. Na cidade, ele celebra uma missa no Santuário Nacional e almoça no Seminário Bom Jesus. São esperados 200 mil fiéis.
Mulheres fizeram encenção contra a catequização de índios (Foto: Gabriel Barreira/G1) 
Mulheres fizeram encenação contra a catequização de índios em protesto no Rio (Foto: Gabriel Barreira/G1)
O retorno para o Rio de Janeiro está marcado para as 16h. No fim da tarde, o pontífice visita o Hospital São Francisco de Assis. O Papa deve inaugurar o Polo de Atenção Integrada da Saúde Mental (PAI) para acolher dependentes químicos, de álcool e drogas.
O primeiro ato da JMJ com participação do Papa será na quinta-feira (25). Pela manhã, o Papa participa de uma missa privada no Sumaré. Depois, vai ao Palácio da Cidade, em Botafogo, para abençoar a bandeira olímpica e paraolímpica. Por volta das 11h, o compromisso é uma visita à comunidade da Varginha, na Zona Norte. Às 17h, vai à Praia de Copacabana, onde será celebrada a Festa da Acolhida com os jovens.
A sexta-feira (26) também começa com uma missa fechada no Sumaré. Após a oração, o Papa vai à Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, encontrar com um grupo de jovens selecionados pela igreja e que vão se confessar com Francisco. Haverá então um breve encontro com alguns jovens detentos no Palácio Arquiepiscopal São Joaquim.
A oração do Ângelus será feita no Palácio São Joaquim, residência do arcebispo do Rio. Também está prevista uma saudação ao Comitê Organizador da Jornada. No fim da tarde, o Papa vai à Praia de Copacabana, onde será realizada a Via Sacra.
No sábado (27), a manhã começa com uma missa com bispos na Catedral de São Sebastião. Por volta das 11h30, o Papa se reúne com membros da sociedade civil no Theatro Municipal. Após o ato, ele almoça com bispos e cardeais. No início da noite, o Pontífice vai a Guaratiba para a Vigília de Oração.
No domingo (28) de manhã, o Papa retorna a Guaratiba para realizar a Missa de Envio, marcada para as 10h. À tarde, após um almoço com sua comitiva, Francisco tem um encontro com a coordenação do Conselho Episcopal Latino-Americano. O Papa se reunirá ainda com voluntários da JMJ, no Riocentro, e participará da cerimônia de despedida, agendada para as 18h30. O embarque para Roma está previsto para as 19h.

Segurança e protestos
Os protestos realizados desde junho pelo país motivaram ajustes nos planos de segurança para a visita, mas o Vaticano assegurou na quarta (17) que não havia motivo para preocupação. Francisco inclusive dispensará o uso de papamóvel blindado.
infograficos_papamovel_papa (Foto: Editoria de Arte/G1)
O Exército informou que estará em todas as áreas da jornada e que pessoas mascaradas ou com os rostos cobertos serão impedidas de entrar na celebração com o Papa no Campo da Fé, em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio.

Durante a passagem de Francisco pelo Rio, a Operação Papa mobilizará cerca de 13,7 mil homens, 10,2 mil das Forças Armadas, 1,3 mil homens da Força Nacional de Segurança, além de agentes e policiais dos Órgãos de Segurança e Ordem Pública. A Polícia Militar do Rio afirma que vai empregar 14 mil homens para fazer o patrulhamento da cidade.
No planejamento de segurança adotado pela Secretaria Extraordinária de Grandes Eventos, vinculada ao Ministério da Justiça, Copacabana é considerada a área mais complexa, já que o bairro deve receber cerca de 2 milhões de pessoas na Via Sacra, que será realizada no dia 26 e terá a presença do Papa Francisco. Mais de 10 mil agentes, entre policiais federais, rodoviários federais, civis, bombeiros, trânsito e defesa civil vão atuar no esquema.

Fonte: G1

Princesa Kate dá à luz um menino

A princesa Kate, esposa do príncipe William, deu à luz um menino no início da tarde desta segunda-feira em Londres, anunciou o Palácio de Kensington.
O terceiro na linha de sucessão ao trono do Reino Unido nasceu às 16h24 locais (13h24 em Brasília) pesando 3,813 kg. Mãe e filho passam bem, segundo nota divulgada algumas horas depois do nascimento.
O primeiro filho do duque e da duquesa de Cambridge entra na linha de sucessão ao trono atrás apenas do avô, o príncipe Charles, e do pai.
Kate chegou ao Hospital Saint Mary na manhã de hoje e, segundo os relatos iniciais, o príncipe William permaneceu ao lado da esposa durante todo o trabalho de parto.

A princesa Kate, esposa do príncipe William, deu à luz um menino no início da tarde desta segunda-feira (Foto: Divulgação)
A princesa Kate, esposa do príncipe William, deu à luz um menino no início da tarde desta segunda-feira (Foto: Divulgação)

"Sua Alteza Real a Duquesa de Cambridge deu à luz, sem problemas, um menino às 4h24 da tarde de hoje", dizia um comunicado.
Momentos depois, um arauto dirigiu-se ao Palácio de Buckingham para anunciar o nascimento da criança, uma tradição seguida desde o século 19. O nome da criança deverá ser conhecido dentro das próximas horas ou em alguns dias.

Fonte: Diário do Litoral