Um casal grego foi preso na quarta-feira sob suspeita de ter comprado uma menina cigana recém-nascida por US$ 5,5 mil (R$ 12 mil) da própria mãe do bebê e vão comparecer perante um promotor nesta sexta-feira para receber as acusações, informou a polícia.
Presos em Atenas, os suspeitos, que têm entre 48 e 53 anos, alegaram ter comprado a criança em março porque não tinha filhos, disse a polícia em um comunicado.
“O bebê ficou com eles desde então, enquanto buscavam maneiras de legalizá-lo”, disse a polícia.
No momento, as investigações estão focadas em encontrar a mãe biológica e a intermediária, que também seria cigana.
O caso foi descoberto graças à denúncia de uma terceira pessoa, afirmou a polícia, que acrescentou que, logo após receber a menina, a mulher tentou em vão registrar o bebê no município de Filís, nos arredores de Atenas.
Esse é pelo menos terceiro caso de suspeita de tráfico de bebê descoberto na Grécia desde a semana passada, quando as autoridades descobriram uma menina loira de quatro anos de idade em um acampamento de ciganos que não parece em nada com a família com a qual estava vivendo.
A descoberta de Maria, apelidada de “anjo loiro” pela mídia grega, provocou uma busca global por seus pais verdadeiros, depois de testes de DNA mostrarem que Christos Salis, 39, e Eleftheria Dimopoulou, 41, com quem ela estava, não eram seus pais de sangue.
Ontem, a polícia búlgara afirmou ter encontrado a possível mãe da criança, em Nikolaevo, no centro do país. Acredita-se que a suposta mãe, Sasha Ruseva, 35, tenha dado à luz em Lamia, cidade a uma hora de distância do acampamento em que Maria foi encontrada. Agora, as autoridades aguardam o resultado de um exame de DNA para comprovar se ela é realmente a genitora do “anjo loiro”.
Crianças traficadas são compradas na Grécia a partir de mães de antigos países comunistas pobres, especialmente da vizinha Bulgária. Elas normalmente são legalizadas por meio de declarações falsas em registros de nascimentos ou tribunais.
No início desta semana, a Grécia ordenou uma investigação das certidões de nascimento em todo o país para rastrear esses casos.
Grécia e Bulgária concordaram, na quinta-feira, em intensificar os esforços contra o tráfico de bebês entre os dois países. (Das agências internacionais)

Fonte: Jornal Pequeno