sábado, 30 de novembro de 2013

Reginaldo Rossi é transferido de UTI para apartamento do hospital

 Reginaldo Rossi (Foto: Divulgação)

O cantor e compositor pernamubucano Reginaldo Rossi foi transferido da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para um apartamento do Hospital Memorial São José no final da tarde desta sexta-feira (29). Segundo a assessoria de comunicação do hospital, o quadro de saúde do cantor é estável - ele está recebendo tratamento para um problema no pulmão.

Ainda segundo o hospital, as visitas estão restritas, mas uma exceção foi aberta para a dupla de cantores Joelma e Chimbinha, da banda Calypso, que prometeu visitar o artista na noite desta sexta.
No início da tarde desta sexta um boletim médico informou que o músico está estável e consciente - os primeiros exames descartaram qualquer hipótese de problemas cardíacos. Ainda não há previsão de alta e a família não informou o motivo de Rossi ter sido levado ao hospital na última quarta (27).
Segundo o médico Jorge Pinho, que acompanha o cantor, a queixa inicial eram fortes dores nas costas e uma tosse, mas os dois sintomas já melhoraram. "Afastamos a possibilidade do infarto agudo do miocárdio, como também foi afastada a possibilidade de uma embolia pulmonar. Vamos fazer os exames para definir qual o tratamento mais cabível”, disse o médico Jorge Pinho, que acompanha o cantor.
 Nascido na capital pernambucana em 1944, o cantor e compositor é conhecido como o Rei do Brega. Entre os seus maiores sucessos estão "Garçom", "A raposa e as uvas", "Em plena lua de mel" e "Leviana". Ele tentou se eleger deputado estadual de Pernambuco pelo PDT, mas não obteve êxito e continua fazendo shows pelo Brasil. Nos dias 21 e 22 de novembro deste ano, Rossi se apresentou no Manhattan Café Teatro.

STF nega pedido de João Gilberto

João Gilberto: Supremo negou embargo de livro sobre o cantor


Em decisão unânime, o Supremo Tribunal Federal rejeitou a tentativa do músico João Gilberto de tirar de circulação a obra não autorizada João Gilberto, da editora Cosac Naify. A deliberação dos ministros pode apontar o caminho a ser tomado na questão das biografias não autorizadas. O Supremo deve julgar em breve uma ação dos editores que questiona a restrição a biografias.

A ministra Cármen Lúcia é relatora tanto do processo de João Gilberto quanto da ação dos editores. Na sessão em que negou o recurso de João Gilberto, estavam ausentes os ministros Joaquim Barbosa (presidente da corte), Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux.

O livro João Gilberto é organizado por Walter Garcia, professor da USP, e reúne entrevistas, documentos, reportagens, ensaios e fotografias. A corte rejeitou o recurso de João Gilberto contra uma decisão anterior da Justiça, que já havia negado um pedido de busca e apreensão da obra.

Em uma audiência pública sobre as biografias não autorizadas realizada na semana passada, a ministra Cármen Lúcia afirmou que pretende liberar seu voto no início de dezembro, para que a ação entre na pauta do tribunal.

Fonte: O Povo

Xuxa vai com Junno ao velório do pai de Cazuza no Rio

do EGO, no Rio
Xuxa no velório do produtor musical João Araújo, pai de Cazuza (Foto: Claudio Andrade / FotoRioNews) 
Xuxa Junno no velório de João Araújo, no Rio

Xuxa foi com o namorado, o cantor Junno, ao velório do pai de Cazuza neste sábado, 30, no Rio. O corpo do produtor musical João Araújo foi enterrado no cemitério São João Batista, na Zona Sul da cidade. João morreu neste sábado vítima de uma parada cardíaca quando se recuperava de um acidente doméstico no qual ele fraturou a cabeça do fêmur em Angra dos Reis.
Xuxa chegou ao cemitério de mãos dadas com Junno e ainda estava com o pé enfaixado. Também foram prestar as últimas homenagens a João, que morreu aos 78 anos, a escritora Glória Perez, o ator Marcelo Brou, o diretor Boninho e a mulher dele, a atriz Ana Furtado.

Mais do que o pai de Cazuza
João foi considerado um dos mais importantes executivos da indústria fonográfica e esteve à frente da gravadora Som Livre, das Organizações Globo, há cerca de 40 anos. Em 2007 ele foi eleito presidente de honra da Associação Brasileira de Produtores de Discos (ABPD) e no mesmo ano recebeu o prêmio Grammy Latino por sua contribuição à indústria musical.

Cazuza era o único filho de João Araújo do casamento de 50 anos com Lucinha Araújo. O show "Volta Cazuza", em homenagem ao cantor morto em 1990, que acontecerá na noite deste sábado, 30, em São Paulo, será mantido. O espetáculo terá duas horas de duração com um trecho de 20 minutos, no qual será exibido uma holografia do artista. Na ocasião, está sendo preparada uma homenagem a João no Parque da Juventude, onde acontecerá o show.
A gravadora Som Livre enviou uma nota sobre a morte de seu produtor: "A Som Livre lamenta a perda de João Araújo, o mais importante executivo de sua história. Ao longo de mais de 35 anos de dedicação à empresa, João estabeleceu as bases da Som Livre, que deve a ele sua história e seu sucesso. João lançou as mais importantes trilhas sonoras da teledramaturgia brasileira e abriu portas para o sucesso de alguns dos principais nomes da música nacional como Novos Baianos, Djavan, Barão Vermelho e, claro, seu querido filho Cazuza. Seu legado como executivo e produtor para a música brasileira pode ser comparado, mas não será superado. Seus amigos, ex-funcionários e admiradores aqui reunidos lhe desejam descanso em paz por eternas e maravilhosas trilhas."
No Twitter, a Sociedade Viva Cazuza, entidade mantida por Lucinha Araújo para abrigar crianças vítimas da AIDS, também publicou um comunicado sobre o falecimento de João: "A Viva Cazuza está de luto, pois morreu na manhã deste sábado (30), vítima de uma parada cardíaca, João Araújo, pai do cantor Cazuza."

Xuxa no velório do produtor musical João Araújo, pai de Cazuza (Foto: Claudio Andrade / FotoRioNews)Xuxa no velório do produtor musical João Araújo, pai de Cazuza (Foto: Claudio Andrade / FotoRioNews)