sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Aline atende Big Fone e está no paredão

O Big Fone voltou a dar o ar da graça nesta sexta, dia 7 de fevereiro, durante o programa do Big Brother. Aline foi mais rápida e atendeu o telefone dentro da sala da casa mais vigiada do Brasil e foi direto para o próximo paredão.

A gaúcha ainda teve que pegar um bracelete preto e colocar em que iria votar no próximo domingo, dia 9 de fevereiro. A atriz escolheu Letícia, que ficou sem entender nada. Aline não pode falar o que escutou no Big Fone, pois se comentar algo, ela será penalizada.


Aline. Foto: Reprodução

Júnior ganha o anjo

Júnior é o novo anjo. Em prova realizada na manhã desta sexta,dia 7 de fevereiro, o paulista venceu a prova que disputou em dupla com Cássio. Eles foram mais rápidos que Angela e Franciele, e Tatiele e Vanessa em uma prova onde tiveram que dirigir um carro e pegar objetos no meio do caminho.

Quando retornaram para a casa mais vigiada do Brasil, os dois brothers receberam uma chave cada e tinham que ligar o carro. Cássio foi primeiro e não conseguiu. Em seguida, Júnior foi e ligou o veículo. Ele acabou ganhando o anjo e ficando com o automóvel.

O paulista escolheu Valter e Clara para o monstro. O casal terá que pentear um macaco e seus filhotes sempre que uma música tocar na casa.


Fonte: Sidney Rezende

Página ironiza professora que criticou traje de passageiro no Santos Dumont

Do G1 Rio
659 comentários
Marcelo Santos usa a camiseta que foi ironizado por professora universitária (Foto: Reprodução / Facebook)Marcelo Santos usa a camiseta que foi ironizado por professora universitária (Foto: Reprodução / Facebook)

Após a polêmica envolvendo a professora do departamento de letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-Rio) e diretora da Coordenação Central de Cooperação Internacional (CCCI PUC Rio), Rosa Marina Meyer, uma página foi criada nesta sexta-feira (7), no Facebook, para ironizar a atitude dela ao postar a foto onde criticava os trajes de um homem que vestia camiseta, no Aeroporto Santos Dumont, na Zona Sul do Rio. A descrição da página diz: “A professora da PUC-RJ que odeia viajar de avião com quem usa regata, bermuda e tem cara pobre, pois pra viajar com ela, é preciso ter glamour." Rosa Marina postou um pedido de desculpas após a polêmica publicação: "Absolutamente não foi essa a minha intenção", disse.

Página foi criada para ironizar atitude de professora que criticou trajes de homem no aeroporto do Rio (Foto: Reprodução / Facebook)Página foi criada para ironizar atitude de professora que criticou trajes de homem no aeroporto do Rio (Foto: Reprodução / Facebook)

Na página, um homem identificado como Marcelo Santos postou uma mensagem como se fosse ele mesmo o alvo de crítica da professora. Ele postou uma foto em que aparecia ao lado da estátua de Carlos Drummond de Andrade, em Copacabana, Zona Sul do Rio, usando a mesma camiseta da foto tirada pela professora e ironizada nas redes sociais. Marcelo voltava de uma viagem de cruzeiro, passou o dia no Rio e foi para o Aeroporto Santos Dumont para seguir até Minas Gerais, onde mora.
"Boa tarde. Gostaria de agradecer as mensagens calorosas dos amigos, neste momento. Na oportunidade, informo que estava chegando de viagem de um cruzeiro internacional e tinha conhecimento do calor que estava no Rio de Janeiro, ocasião em que estava com trajes casuais. Ademais, por estar de férias, no Rio de Janeiro, não tinha porque estar usando terno e gravata apenas para usar um meio de transporte. Informo, também, que os comentários infelizes das pessoas na página do Facebook já estão sendo alvo de análise pelos meus colegas do escritório e, certamente, serão tomadas as medidas legais. É lamentável perceber que isso partiu de pessoas ligadas a educação de nosso país. Com efeito, apenas vem descortinar o preconceito existente por muitas pessoas que se julgam melhor apenas por questão de aparência."

'Aeroporto ou rodoviária?'
O comentário da professora foi compartilhado e chegou até a página da personagem Dilma Bolada, onde tinha mais de dez mil compartilhamentos até as 18h desta sexta. Para os internautas, os comentários foram preconceituosos. Na quinta-feira (6), a professora postou um pedido de desculpas.

"Sabedora do desconforto que posso ter criado com um post meu publicado ontem à noite, peço desculpas à pessoa retratada e a todos os que porventura tenham se sentido atingidos ou ofendidos pelo meu comentário. Absolutamente não foi essa a minha intenção."

Post da professora originou revolta nas redes sociais (Foto: Reprodução / Facebook)Post da professora originou revolta nas redes sociais (Foto: Reprodução / Facebook)


Fonte: G1

Decretada a prisão de justiceiro flagrado em vídeo

Rio de Belford Roxo, na Baixada Fluminense
Rio de Belford Roxo, na Baixada Fluminense: Ramos é acusado de ter executado à queima roupa com um tiro na cabeça um jovem de 20 anos
Rio - Acusado pela Polícia Civil do Rio de ter executado à queima roupa com um tiro na cabeça um jovem de 20 anos rendido por dois homens em uma esquina de Belford Roxo, na Baixada Fluminense, Douglas Idael Pereira Ramos, de 32 anos, é conhecido como "xerife" na região, segundo testemunhas ouvidas pelo delegado Luiz Henrique Guimarães, responsável pela investigação.
A Justiça do Rio decretou a prisão temporária de Ramos, que estava foragido até o fechamento desta edição. O vídeo que mostra a execução de Igor de Oliveira Falcão, em 23 de janeiro, foi revelado pelo jornal carioca Extra. Na delegacia, a mãe do acusado reconheceu o filho como autor dos disparos, segundo o chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso.
"Testemunhas relatam que os dois (Igor e Victor Fernandez, também assassinado, a cerca de 100 metros) estavam praticando roubos na região. Segundo informações do Serviço de Inteligência, ele (Ramos, morador da área) combatia o consumo e o tráfico de drogas, se intitulava o xerife na região. Moradores contaram que ele tem ódio de marginal, não tolera", disse Guimarães, titular da 54.ª DP, em Belford Roxo.
Segundo o delegado, a investigação não confirmou até o momento a suspeita de que o acusado teria sido contratado como segurança de uma farmácia que fica em frente ao local da execução. Em 17 de dezembro do ano passado, pouco mais de um mês antes da execução filmada com um celular, Ramos foi condenado pela 1ª Vara Criminal de Belford Roxo a dois anos de prisão em regime aberto pelo crime de porte ilegal de arma. A prisão foi substituída por duas penas restritivas: prestação de serviços à comunidade e pagamento de multa no valor de um salário mínimo a alguma entidade com destinação social.
O delegado disse que pretende ouvir nos próximos dias três suspeitos de ter participado da execução de Falcão - o piloto da moto, que levou Ramos na garupa, e os dois que seguraram a vítima. Ele também aguarda o resultado de uma perícia para verificar se a arma que matou Falcão foi a mesma usada para assassinar Fernandez.

Fonte: Exame

Rachel Sheherazade diz que é ameaçada e que não vai se calar

Foto: Divulgação
 
Não é de hoje que a jornalista Rachel Sheherazade, que disse no "SBT Brasil" achar compreensível o fato de um grupo de homens espancar e amarrar um menor infrator em um poste, causa muita polêmica ao expressar sua opinião. A profissional, aliás, foi contratada pelo SBT justamente por isso. O canal se apressou em dizer que a opinião da jornalista não reflete a da emissora, mas ninguém em sã consciência está reclamando do barulho causado pela âncora. Claro que Rachel está sendo muito procurada pela mídia pela repercussão de suas palavras no telejornal. Ao blog, a jornalista disse (por email) que é constantemente ameaçada por conta de seu estilo, mas que não vai se calar. 
 
Veja a entrevista abaixo:
Imaginou que sua opinião sobre o jovem amarrado causaria tanto barulho?
Não imaginei. Meus comentários são muito fortes, porque eu não fico em cima do muro, tomo posições bem definidas, sem me preocupar com a patrulha do politicamente correto. Por isso eles acabam reverberando tanto na sociedade. 
 
Depois de tantos anos de mordaça, os tempos da censura da ditadura militar, as pessoas ainda não estão acostumadas ao contraditório. Mas, acho que minhas opiniões repercutem mais porque falo o que a pessoa comum gostaria de dizer, mas não tem onde desabafar. Apesar das muitas tentativas de intimidação que recebo, faço questão de defender meu ponto de vista, pois vivo num país democrático, onde a imprensa (até que se prove o contrário) é livre. Exerço minha liberdade de expressão que muitos querem cercear.
 
Qual seu termômetro na hora de escolher um assunto?
Escolho o assunto mais apaixonante ou que cause indignação ou politicamente relevante. O assunto tem que mexer comigo, me comover de alguma forma.
 
Existe algum tema que jamais abordaria na TV?
Nunca pensei em temas proibidos... Quando surge um assunto interessante, que me conquista, simplesmente, falo.
 
Dizem que quem fala o que quer ouve o que não deve. Você já ouviu o que acha que não deveria de outras pessoas (nas ruas, dos colegas, na internet)? E qual foi sua reação?
Sim, já ouvi as maiores atrocidades do mundo pela internet. Ameaças contra a minha integridade física, contra a vida dos meus filhos. Já ouvi críticas à minha origem nordestina, contra minha religião, contra meus posicionamentos conservadores... todas as formas de preconceito já sofri pela internet, mas preferi não me colocar como vítima e ficar chorando minhas dores. Sou maior que tudo isso. Na internet, se escondem os maiores covardes, mas também se revelam meus maiores aliados. E a vida é feita de dicotomias.

Você foi convidada para trabalhar no SBT em São Paulo justamente por suas opiniões repercutirem muito quando estava no nordeste, mas achou que esse seu estilo tomaria essa dimensão?
Meu estilo é o mesmo. O que mudou foi a repercussão das minhas palavras. Se antes, eu falava para um estado (a Paraíba), uma região, hoje falo para todo Brasil, meus comentários são replicados em todas as redes sociais e ganham até legenda em vários idiomas, pois estão sendo vistos fora do país.
 
Se algum dia deixar de emitir suas opiniões em um telejornal, acha que será cobrada por isso?
Sim, acho que serei muito cobrada pelo meu público se um dia me calar – ou se me calarem!

Pai pede ao Facebook para ver vídeo de retrospectiva do filho morto

Visto 1 milhão de vezes, vídeo de John Berlin rendeu contato do Facebook.
Rede social lançou série de vídeos 'A Look Back' para comemorar 10 anos.


Norte-americano John Berlin publicou vídeo no YouTube pedindo ao Facebook para ver o vídeo de retrospectiva disponibilizado pela rede social do filho morto há dois anos. (Foto: Reprodução/YouTube)Norte-americano John Berlin publicou vídeo no YouTube pedindo ao Facebook para ver o vídeo de retrospectiva disponibilizado pela rede social do filho morto há dois anos. (Foto: Reprodução/YouTube)

Um norte-americano postou nesta quarta-feira (5) um vídeo no YouTube pedindo ao Facebook que permita a ele ver o vídeo de retrospectiva de seu filho morto há dois anos, pois o sistema da rede social inviabiliza o acesso a contas de pessoas que morreram (Veja aqui).
Para comemorar o aniversário de 10 anos, o Facebook lançou o mecanismo chamado “A Look Back” (A retrospectiva), uma coletânea de fotos exibidas em forma de vídeo que mostram o histórico de fotos e postagens dos usuários mais comentadas.
No vídeo de 1 minuto e 26 segundos, John Berlin, que mora em Saint Louis, no Missouri, agradece a Mark Zuckerberg, cofundador e presidente-executivo do Facebook, por ter lançado o mecanismo de vídeos que remontam a atividade dos perfis no site, chamado de “A Look Back” (A retrospectiva). Até a publicação, o vídeo de Berlin já havia sido visto mais de 1 milhão de vezes.
“Eu estou chamando Mark Zuckerberg e o Facebook. Vocês estão lançando esses novos vídeos, esses vídeos de um minuto que todo mundo está compartilhando, e eu acho isso legal”, afirmou Berlin.
“Meu filho morreu em 28 de janeiro de 2012 e nós não podemos acessar a conta dele no Facebook. Eu tentei enviar e-mails, mas não está funcionando. Nós só gostaríamos de ver o vídeo dele, só isso.”

“Eu nem preciso ter acesso à conta dele. Se vocês puderem fazer isso por vocês mesmos, eu não ligo”, disse.
O filho de John se chamava Jessie Berlin e tinha 21 quando faleceu de causas naturais. Segundo uma postagem de John Berlin em sua conta na rede social Google+ nesta quinta-feira (6), o pedido pode ser atendido.
“FB [Facebook] entrou em contato conosco e eles estão trabalhando nesse vídeo. Eu gostaria de agradecer a todo mundo pelo apoio”, escreveu.
O norte-americano aproveitou para mandar um recado aos país. “[Jessie] é a prova de que não há garantias na vida. Abrace e beijem seus filhos. Diga a eles que os ama todo dia”, escreveu.

Fonte: G1

Tom Cruise é processado em US$ 1 bilhão por suposto plágio de roteiro

Astro em 'Missão Impossível: Protocolo Fantasma' Foto: Divulgação
Astro em 'Missão Impossível: Protocolo Fantasma'
Foto: Divulgação

De acordo com o site Radar Online, o escritor Timothy Patrick McLanahan abriu um processo bilionário contra Tom Cruise alegando que o astro plagiou uma história sua para criar o roteiro de Missão Impossível: Protocolo Fantasma.

O longa, lançado em 2011, arrecadou mais de US$ 600 milhões em bilheteria, tornando-se o mais lucrativo da carreira do astro. Cruise foi o produtor do filme, o quarto da franquia. 

Documentos obtidos pelo site afirmam que, no dia 20 de dezembro do ano passado, McLanahan abriu o processo, pedindo US$ 1 bilhão a Cruise, à Paramount Pictures e a diversas outras empresas de cinema. Ele alega que a história do filme é um plágio de um roteiro seu.

"Em 1998, escrevi um roteiro chamado Head On. E, depois de tê-lo feito, fiz um certificado de direitos autorais para proteger o material e o autor de uso não autorizado", diz ele, alegando ter enviado a história à Agência William Morris, que a recusou - e, no entanto, a teria repassado a outras empresas, incluindo a Creative Artist Agency, de uma das parceiras do astro.

"Imediatamente reconheci que os scripts deste filme foram escritos de forma ilegal e produzidos a partir da cópia de Head On", acusa McLanahan, que pede a soma a partir do cálculo da arrecadação do longa nos cinemas (US$ 694.710.000), das vendas de cópias em DVD e blue ray (US$ 144,5 milhões) e os outros U$ 145 milhões de outras fontes de lucro da franquia, como aluguéis e vendas de filmes sob demanda.

Fonte: Terra

BBB Cássio é acusado de fazer declaração racista




BBB14/Divulgação
PUBLICADO EM 06/02/14 - 22h12
O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro recebeu nesta quinta-feira (6) uma representação contra o brother Cássio, participante da casa do Big Brother Brasil 14, por ter dado uma declaração considerada racista. A frase apontada no processo aconteceu durante uma festa em que a atriz  Tatá Werneck, participou como a personagem Valdirene de “Amor à Vida”. Na ocasião, o participante informou que havia  "atravessado uma mulher negra por acreditar que ela já deveria ser acostumada por manter relações sexuais com homens negros”.

A denuncia foi realizada pela Coordenação Nacional de Entidades Negras criada para a ouvidoria da Secretaria de Políticas Para Mulheres da Presidência da República.
O  acusado é o líder da casa e pode deixar a liderança nesta quinta-feira, quando acontece uma nova prova entre os participantes.

Fonte: O Tempo

Jornalista causa polêmica com comentário sobre justiceiros: "Adote um bandido"

Rachel causou polêmica (Foto: Divulgação)

A jornalista do SBT Rachel Sheherazade provocou polêmica e dividiu opiniões na internet com um comentário a favor do grupo de pessoas que deteve um suspeito de assalto, o agrediram e deixaram nu, preso a um poste com uma trava de biciclata. O caso foi no Rio de Janeiro na última semana.
Em seu comentário no "SBT Brasil" de terça-feira, Rachel disse que a atitude do grupo era "até compreensível". "Num país que sofre de violência endêmica, a atitude dos vingadores é até compreensível", disse a jornalista. "O Estado é omisso, a polícia desmoralizada, a Justiça é falha. O que resta ao cidadão de bem, que ainda por cima foi desarmado? Se defender, é claro", acrescentou, para completar: "O contra-ataque aos bandidos é o que chamo de legítima defesa coletiva de uma sociedade sem Estado contra um estado de violência sem limite". No final, ainda disse que quem defende o suspeito deveria "adotar um bandido". "Aos defensores dos direitos humanos, que se apiedaram do marginalzinho preso no poste, lanço uma campanha: faça um favor ao Brasil, adote um bandido".
A fala da apresentadora gerou inúmeras críticas nas redes sociais e ela usou o Twitter para tentar se defender da repercussão negativa. Ela criticou o "politicamente correto" e o jornalismo "chapa branca". "Gente boa, valeu pelo debate. Obrigada a vocês que não distorceram de forma desonesta minhas palavras e captaram a mensagem! Abaixo a censura!". 
O Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro também se manifestou sobre o tema, repudiando as declarações de Sheherazade, salientando que "o desrespeito aos direitos humanos tem sido prática recorrente da jornalista".
"Sheherazade violou os direitos humanos, o Estatuto da Criança e do Adolescente e fez apologia à violência", diz trecho da nota, que pede ainda que a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj" "investigue e identifique as responsabilidades neste e em outros casos de violação dos direitos humanos e do Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros". A nota lembra ainda que canais de rádio e TV não são propriedade privada, "mas concessões públicas que não podem funcionar à revelia das leis e da Declaração Universal dos Direitos Humanos". A nota lembra qu ejornalista não pode usar seu espaço para "incitar a violência, a intolerância, o arbítrio e o crime".
A repercussão vai levar o SBT a se manifestar sobre o caso nesta quinta-feira, segundo a Folha Online. Tanto a equipe de jornalistas como os dirigentes da emissora não concordam com a âncora e querem que fique claro que a posição dela não reflete a do SBT no tema. Uma das opções discutidas era que Sheherazade lesse no jornal de hoje um editorial dizendo que ela não defende os justiceiros, mas que a população tem direito de se revoltar com a criminalidade. Essa ideia foi desconsiderada, mas a apresentadora deve ser questionada na bancada pelo colega Joseval Peixoto. A emissora quer deixar claro que discorda de Sheherazade.

Fonte: Correio da Bahia