sexta-feira, 13 de junho de 2014

"Não vou me perturbar por agressões verbais", diz Dilma após vaias

Dilma esteve na abertura da Copa

Na última quinta-feira, na abertura da Copa do Mundo 2014, a presidente Dilma e Joseph Blatter, mandatário da Fifa, foram hostilizados pelos torcedores na Arena Corinthians. Questionada sobre o assunto, Dilma lembrou do período em que foi torturada pelo regime militar durante a ditadura.
"Não vou deixar me pertubar por agressões verbais. Não vou me deixar pertubar. Eu não vou me deixar atemorizar por xingamentos que não podem ser sequer escutados pelas crianças e pelas famílias", disse, segundo o jornal Folha de São Paulo.
"Aliás, na minha vida pessoal enfrentei situações do mais alto grau de dificuldade. Situações que chegaram ao limite físico. Eu suportei não foram agressões verbais, mas agressões físicas. E nada me tirou do meu rumo. Nada me tirou dos meus compromissos nem do caminho que tracei pra mim mesma", completou.
Dilma destacou ainda que os protestos não representam exatamente a opinião de toda a população: "O povo brasileiro não age assim. O povo brasileiro não pensa assim e, sobretudo, o povo brasileiro não sente da forma como esses xingamentos expressam. O povo brasileiro é um povo civilizado e extremamente generoso e educado."

Fonte: Goal.com

Nunca vi pessoas tão parecidas: Voldemort e Pitbull


Pitbull e Voldemort separados por J.K Rowling

Foi pênalti ou não? Para a internet não foi nada

Reuters
Neymar cobra pênalti contra Croácia
Neymar cobrando pênalti: para redes sociais, pênalti não existiu
São Paulo – Depois de um começo de jogo dramático na Copa do Mundo, com um gol contra do lateral Marcelo, o Brasil venceu por a Croácia por 3 a 1. O gol da virada foi marcado por Neymar. Depois, Oscar ainda marcou o terceiro gol.
O gol saiu de um pênalti que havia sido sofrido por Fred. Em alguns momentos a “regra é clara”, em outros, fica aquele eterno debate: foi pênalti ou não?
Menos do que o próprio gol, os internautas em redes sociais comentaram mais ainda a (in)existência do pênalti.
No final das contas, se usuário de rede social fosse juiz, o segundo gol da seleção brasileira não teria acontecido.

Fonte: Exame