segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Neil Patrick Harris, apresentador do Oscar 2015, fica de cueca no palco

G1- O ator Neil Patrick Harris, apresentador do 87º Oscar, que aconteceu na noite deste domingo (22), em Los Angeles, nos Estados Unidos, apareceu de cueca no palco durante a cerimônia (assista no vídeo acima). A passagem cômica foi uma paródia de "Birdman", o grande vencedor da noite, e teve ainda participação de Milles Teller, de "Whiplash".



"Birdman ou (A inesperada virtude da ignorância)" ganhou quatro estatuetas, inclusive melhor filme e melhor diretor, para o mexicano Alejandro González Iñárritu.

Outro destaque da noite foi "O grande hotel Budapeste", que também ficou com quatro estatuetas, mas em categorias técnicas: melhor figurino, melhor cabelo e maquiagem, melhor design de produção e melhor trilha sonora.

Tanto "Birdman" quanto "O grande hotel Budapeste" haviam sido indicados em nove categorias.

Já "Boyhood: Da infância à juventude" acabou sendo o grande derrotado do 87º Oscar. Indicado em seis categorias e um dos maiores favoritos ao prêmio principal, de melhor filme, o longa de Richard Linklater ficou com apenas uma estatueta: melhor atriz coadjuvante, para Patricia Arquette. A vitória de Patricia rendeu ainda um meme "estrelado" por Meryl Streep, que vibrou bastante com a conquista da colega.

O independente "Whiplash" ganhou em três categorias no Oscar 2015: melhor ator coadjuvante para J.K. Simmons, melhor mixagem de som e melhor montagem.

A primeira estatueta da noite, de melhor ator coadjuvante, foi entregue ao veterano J.K. Simmons. Ele ganhou por seu trabalho em "Whiplash".

Neil Patrick Harris, o anfitrião da festa, aparece de cueca no palco do Oscar 2015 (Foto: John Shearer/Invision/AP)

Neil Patrick Harris entra no palco do Oscar 2015 usando apenas cueca (Foto: REUTERS/Mike Blake)

Oscar 2015: Confira os memes que marcaram a cerimônia

Cabelo de Kelly Osbourne virou piada nas redes sociais.
Crédito: Twitter/Reprodução

Ah, a Internet. Como toda grande cerimônia gera grandes memes, a noite de premiação do Oscar 2015 chamou a atenção na Internet com várias montagens destacando os vestidos das celebridades, particularmente a cantora Lady Gaga, e até a animação da atriz Meryl Streep como o discurso feminista de Patricia Arquette. O Viver reuniu alguns memes. Confira:
A reação de Meryl Streep ao discurso de Patricia Arquette rendeu esta imagem, que talvez defina os melhores momentos da noite. Na legenda, vários twitteiros imaginavam o que Meryl estaria gritando tão empolgada. Entre as legendas mais engraçadas, estão "CHRIS PRATT GOSTOSOO!" e "TOCA RAUL!!".

Crédito: Twitter/Reprodução

O azarão Leonardo DiCaprio, de fora da premiação deste ano, também não escapou das montagens da Internet, sendo comparado ao esquilo Scrat, de A era do gelo, que, assim como o pobre Leo, nunca consegue conquistar seu Oscar, ops, sua noz.

Crédito: Twitter/Reprodução

O vestido de Lady Gaga, talvez o mais comentado da noite, não escapou dos comentários maldosos dos internautas, sendo comparada à "tia da limpeza".

Crédito: Twitter/Reprodução

O vestido de Marion Cotillard, indicada pos Dois dias, uma noite, também virou meme. Dispensa comentários, né?


Crédito: Twitter/Reprodução

Crédito: Twitter/Reprodução

Crédito: Twitter/Reprodução

A zuera não tem limites. Crédito: Twitter/Reprodução


Crédito: Twitter/Reprodução


Crédito: Twitter/Reprodução


Crédito: Twitter/Reprodução

Fonte: Diário De Pernambuco

Quem sai? Mariza, Luan e Angélica estão no 5º Paredão do 'BBB15'


Angélica, Luan e Mariza se enfrentam o quinto "Paredão" do "Big Brother Brasil 15 ", após votação de participantes da casa neste domingo (22). O trio disputa a permanência no jogo e um deles será eliminado na próxima terça-feira (24), perdendo a chance de ganhar R$ 1,5 milhão. Na última semana, Angélica lamentou a derrota na disputa pela liderança na casa. A auxiliar de enfermagem acusou o carioca Fernando, vencedor da prova, de ter dormido, o que é proibido nas provas de resistência do reality show da TV Globo, mas o episódio não foi confirmado.
A formação do "Paredão" deste domingo começou depois que o Big Fone tocou pela primeira vez. Luan foi o mais veloz entre os brothers e atendeu a ligação, mas acabou ouvindo uma mensagem que o colocou na disputa para deixar a casa. "Estava dormindo, atendi no susto", disse o carioca, aborrecido. Talita, que pediu anticoncepcional na última semana, foi uma das sisters que tentou atender a ligação e depois comemorou não ter conseguido.

Anjo Tamires imunizou Talita na disputa
Tamires, anjo da semana, teve que escolher um dos colegas para imunizar. Nervosa, ela disse estar em um dilema, já que tanto Amanda quanto Angélica seriam opções de voto do líder Fernando. Ela então imunizou Talita e destacou não querer influenciar no voto do produtor carioca.
Fernando, que venceu a prova do líder após ficar mais de 12 horas suspenso em cordas, cogitou indicar Luan e Amanda, mas acabou mandando Angélica para a berlinda. "Ela tem um tom muito impositivo, entra numa discussão, mas a verdade dela que prevalece, existem outras verdades, outros pontos de vista", afirmou.

Oscar 2015: Atrizes se rebelam contra o machismo no tapete vermelho

Reese Witherspoon no tapete vermelho do Oscar 2015 | Foto: Getty
Atriz indicada ao Oscar disse que é "difícil ser mulher em Hollywood"

"Somos mais do que nossos vestidos", disse a atriz Reese Witherspoon no tapete vermelho do Oscar 2015. Ela falava sobre a campanha #AskHerMore, criada para estimular repórteres a perguntar questões interessantes às mulheres em eventos de Hollywood.
Em meio à temporada de premiações nos Estados Unidos, que terminou no domingo com o Oscar, atrizes famosas têm levantado a voz contra o que classificam como demonstrações de machismo da mídia e da indústria.
Atrizes como Cate Blanchett, Julianne Moore e Emma Stone vinham se recusando a apenas exibir seu "visual" nos tapetes vermelhos, alegando que, enquanto seus colegas homens recebem perguntas relacionadas a carreiras e papéis nos filmes, para elas, sobram questões sobre vestidos, penteados e dietas.
A campanha com o slogan #AskHerMore ("pergunte mais a ela") foi encampada pela atriz Reese Witherspoon, que concorreu ao Oscar de melhor atriz, e pela comediante Amy Poehler, apresentadora da última edição do Globo de Ouro e estrela do seriado Parks and Recreation.
Horas antes da cerimônia, nas redes sociais, Witherspoon falou sobre a campanha, que foi usada em eventos recentes para estimular os repórteres a perguntarem às atrizes sobre seu trabalho.
"Há tantas indicadas incríveis e talentosas neste ano! Vamos ouvir suas histórias! Espalhem a ideia", disse.

Leia mais: 'Birdman' leva 4 prêmios no Oscar; veja ganhadoresCampanha usa a hashtag #AskHerMore para pedir que jornalistas façam perguntas mais inteligentes às atrizes: "Não pergunte apenas sobre o vestido. Pergunte sobre a mulher que está usando [o vestido]"

A atriz disse que gostaria de ouvir mais perguntas como "qual foi o maior risco que você correu e sente que valeu a pena?" e "de qual das suas conquistas você mais tem orgulho?".
Ao ser entrevista no tapete vermelho do teatro Dolby, onde aconteceu a entrega do Oscar, ela disse que o movimento pretende mostrar que as atrizes são "mais do que seus vestidos".
"Estamos muito felizes de poder estar aqui e falar sobre o trabalho que fazemos. É difícil ser uma mulher em Hollywood ou em qualquer indústria", afirmou.
O grupo Representation Project, responsável pela campanha #AskHerMore, pediu que a hashtag fosse usada pelo público para pressionar os entrevistadores do Oscar, alegando que "muitas vezes os repórteres focam mais na aparência feminina do que em suas conquistas".
A atriz Patricia Arquette, premiada como melhor atriz coadjuvante por Boyhood, protagonizou um dos momentos mais importantes do Oscar 2015 ao fazer um discurso pela igualdade de direitos e de salários para as mulheres.
"Para todas as mulheres que tiveram filhos, para cada uma das cidadãs e pagadoras de impostos desta nação, nós lutamos pelos direitos de todos. É o nosso momento de ter igualdade de direitos de uma vez por todas para as mulheres nos Estados Unidos."

'Você faz isso com os homens?'

Um dos momentos mais emblemáticos dessas críticas ocorreu na temporada de premiações do ano passado, quando Cate Blanchett (vencedora do Oscar de melhor atriz em 2014) interrompeu uma entrevista no tapete vermelho no momento em que um cinegrafista filmava seu corpo para mostrar seu vestido. "Você faz a mesma coisa com os homens?", perguntou ela ao cinegrafista, ao vivo.Cate Blanchett interrompeu uma entrevista no tapete vermelho no momento em que um cinegrafista filmava seu corpo para mostrar seu vestido

Este ano, na premiação do SAG (Screen Actors Guild Awards), diversas atrizes se recusaram a mostrar as mãos para a chamada chamada "mani-cam" - uma pequena câmera da emissora E! que servia para as atrizes exibirem suas unhas feitas e os dedos adornados com anéis de diamantes.


Emma Stone e Jennifer Garner também já se queixaram de serem questionadas sobre suas rotinas de beleza ou o típico "como você concilia trabalho e família?", perguntas que nunca aparecem nas entrevistas com seus respectivos namorados e maridos famosos.
"Absolutamente todas as pessoas que me entrevistaram me perguntaram isso", criticou Garner em um evento em outubro passado. "Ninguém nunca perguntou (ao marido dela, o ator e diretor Ben Affleck) sobre equilíbrio entre trabalho e família. E nós compartilhamos a mesma família. Será que não é hora de mudar essa conversa?"
Numa tentativa de mostrar a banalidade de algumas perguntas feitas a mulheres famosas, o site Buzzfeed UK as fez a atores durante a premiação do Bafta, no início de fevereiro. Astros como Eddie Redmayne (indicado ao Oscar por A Teoria de Tudo) e Michael Keaton (Birdman) ficaram desconcertados ao ouvirem "o que você está vestindo?" ou "você pode dar uma voltinha?".
'Oscar do descontentamento'
Apesar das reações femininas às perguntas banais, alguns analistas apontam que muitas atrizes costumam se beneficiar dos elogios nas temporadas de premiações, já que isso geralmente se traduz em mais contratos publicitários com produtos de beleza ou grifes de moda. É o que resssaltou, em entrevista ao jornal New York Times, Bronwyn Cosgrave, autora do livro Made for Each Other: Fashion and the Academy Awards (Feitas uma para a outra: a moda e a Academia", em tradução livre).Jennifer Garner se queixou que só ela, e não seu marido (Ben Affleck) é questionada sobre como equilibrar carreira e família

Por outro lado, o sexismo em Hollywood tende a refletir a objetificação das mulheres e seu julgamento apenas pela aparência em outras esferas da sociedade.

Além disso, muitas mulheres têm aproveitado o momento para pedir mais representatividade feminina em papéis de destaque e mais reconhecimento nas cerimônias de premiação.
A colunista Melissa Silverstein, da revista Forbes, já chama a edição deste ano da premiação de "Oscar do descontentamento" por conta das críticas que as indicações receberam desde que foram anunciadas em 15 de janeiro.
"Está difícil ficar animada com o Oscar porque não me sinto representada. Escrevo sobre as mulheres no mercado cinematográfico há mais de sete anos e, mesmo que já estejamos falando sobre o número de mulheres diretoras e de mulheres diante das câmeras, essa temporada de prêmios me lembra o ainda quanto falta para chegarmos lá", disse.


Esta é a primeira vez, desde 2006, que a premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas – cujos eleitores são, em sua maioria, (77%) homens – não indica mulheres a nenhum dos grandes prêmios além da categoria de melhor atriz.
Apenas uma das cinco atrizes indicadas neste ano está em um filme também indicado como melhor filme – Felicity Jones, que interpreta a primeira esposa de Stephen Hawking no filme A Teoria de Tudo.
Todos os outros filmes cujas atrizes foram indicadas ao principal prêmio contam histórias exclusivamente de mulheres e receberam elogios da crítica, mas foram deixados de fora da premiação. É o menor índice desde 2003.
Representatividade
A diminuição da representatividade das mulheres entre os filmes indicados chama mais atenção quando se considera que o sucesso na mídia da premiação depende cada vez mais de suas espectadoras. Segundo a empresa de pesquisa Nielsen, cerca de 61% da audiência televisiva do Oscar 2014, a edição mais vista desde 2000, foi de mulheres.
"Nosso dinheiro é tão verde quanto (o dos homens) e nós compramos metade dos ingressos (para os filmes). Mas nossas histórias ainda são irrelevantes nos maiores prêmios", afirma Melissa Silverstein.
O argumento de Silverstein, ecoado por outros comentaristas americanos, tanto homens quanto mulheres, cita exemplos como Livre, filme baseado na biografia de Cheryl Strayed, que fez uma caminhada de mais de 1.600 km pelos Estados Unidos. O filme recebeu críticas favoráveis e o chamado "oscar buzz" (expectativa de muitas indicações ao Oscar), mas foi indicado em apenas duas categorias – melhor atriz e melhor atriz coadjuvante.
Da mesma forma, Selma, filme sobre a caminhada intermunicipal pelos direitos civis dos negros liderada por Martin Luther King Jr., em 1965, recebeu duas indicações, entre elas a de melhor filme, mas deixou de fora sua diretora, Ava DuVernay.
* Com reportagem de Camilla Costa, Mariana Della Barba e Paula Adamo Idoeta

** Esta reportagem foi atualizada em 23/02/2015, para incluir informações sobre a cerimônia do Oscar 2015.

‘50 Tons de Cinza’ passa de 3 milhões de espectadores no Brasil

Cena do filme 'Cinquenta Tons de Cinza'

Cinquenta Tons de Cinza continua quente no Brasil. Em apenas oito dias, da estreia no dia 12 até sexta, 20, o filme passou de 3 milhões de espectadores no país. Um resultado espetacular, especialmente se considerada a classificação indicativa do longa, que é para 16 anos. No ranking da bilheteria do fim de semana, levantado pela especializada Rentrak, 50 Tons deixa para trás, novamente, a animação infantil Bob Esponja e o tenso Sniper Americano, filme de Clint Eastwood sobre o dia a dia de um atirador de elite no Iraque. 


Já ns Estados Unidos, Cinquenta Tons de Cinza perdeu força. A procura pelo longa caiu 73% neste fim de semana, o segundo em que o filme está em cartaz no país. Na bilheteria americana, que valoriza o montante arrecadado por uma produção e não o seu público, o filme soma 130 milhões de dólares -- 23,2 milhões de dólares do último fim de semana.
No mundo todo, Cinquenta Tons de Cinza já arrecadou quase 300 milhões de dólares, em apenas 10 dias. A estreia do filme foi de impacto. Só no Brasil, ele fez quase 1,6 milhão de espectadores nos primeiros quatro dias.

Fonte: Veja

Brasileira disputa vaga para embarcar em viagem sem volta para Marte


O que levaria uma mulher de 51 anos a embarcar em uma viagem sem volta rumo ao desconhecido?
Sandra é uma professora de Rondônia que está entre as 100 pessoas pré-selecionadas em todo o mundo para uma experiência inédita: formar a primeira colônia de seres humanos no planeta vermelho.
Missão: Uma viagem sem volta para colonizar outro planeta. Destino: Marte, um novo mundo, inexplorado e desconhecido. Distância: 225 milhões de quilômetros. Ano: 2025.
É preciso muita coragem para querer entrar para a história da corrida espacial e conquistar o planeta vermelho. Mais de 200 mil pessoas se candidataram. Apenas 24 serão escolhidas. “Eu fiquei naquela: me candidato, não me candidato. Eu fiquei uns 15 dias sendo atormentada por isso. Eu acordava no meio da noite pensando nisso. Aí eu me inscrevi”, conta a professora Sandra Feliciano.
Depois de um longo processo de seleção, Sandra, uma brasileira, descobriu esta semana que está entre os 100 finalistas. Mas, será que a família aprova? “Uma viagem que não sabe se vai chegar e, se chegar, sabe que não vai voltar, fica meio esquisito”, diz o pai, Anísio Feliciano da Silva. E os amigos? “É bem coisa da Sandra mesmo ir para Marte”, conta a amiga Val Ramos.
A aventura que motiva a professora é chamada de Mars One. O megaprojeto que quer levar humanos para Marte vai ser também um reality show. É um Big Brother espacial. “Isso pode ser alcançado. Vai ser o maior evento de mídia da história”, lembra Gerard Hooft, ganhador do Nobel de Física de 1999.
O financiamento do projeto vem de um fundo criado por várias empresas e tem um custo considerado baixo para uma missão deste porte: US$ 6 bilhões. A primeira equipe a pisar em Marte vai ter a missão de produzir energia, oxigênio e comida. Os coordenadores garantem que o projeto é viável. “Humanos chegarão a Marte. Esse vai ser o próximo grande passo da humanidade, conta o criador do projeto Bas Lansdorf.
Mas, o projeto não é unanimidade. Cientistas do respeitado Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o MIT, divulgaram um estudo afirmando que os tripulantes morrerão em poucos meses devido à falta de recursos. Ainda assim, Sandra confia no Mars One.
“Não são pessoas desqualificadas, não são malucos. São pessoas que a vida toda se dedicaram a isso, são cientistas renomados. Eu sou corajosa, mas não suicida. É diferente”, afirma Sandra.

Para diminuir os riscos da viagem, o Fantástico foi atrás de dicas com quem entende do assunto.

Fantástico: Precisa levar um casaquinho, doutor?
Barres de Almeida, astrofísico: Não adianta teria que levar um grande casacão. Aliás, você nunca pode sair do traje de astronauta.
Fantástico: E filtro solar, tem que usar?
Barres de Almeida: Protetor solar é fundamental em Marte.
Fantástico: A água é potável?
Barres de Almeida: A água não deve apresentar grandes surpresas. Não se espera micróbios ou qualquer coisa tóxica.

E, claro, tem que cuidar direitinho das coisas. “O ideal é deixar tudo bem guardadinho e protegido dentro da estação espacial. A vida fora da estação é bastante inóspita, mesmo para uma passeadinha”, conta Barres de Almeida.
Sandra agora está mais perto de participar da conquista do espaço. O foco da professora de Porto Velho é nas próximas etapas do processo, que acaba ainda este ano. Se tudo der certo, ainda vamos ouvir muitas histórias desta brasileira.

Fonte: Fantástico