domingo, 11 de setembro de 2016

11 de setembro de 2001: veja quem foram os sequestradores dos aviões que acabaram com a vida de quase 3 mil pessoas

Hoje, o ataque terrorista ao complexo World Trade Center, as Torres Gêmeas, e ao Pentágono, completaram 15 anos. Todo 11 de setembro marca os familiares e amigos que tiveram perdas ali, e ao todo, foram aproximadamente 2977 mortos (excluindo os sequestradores dos aviões).

Aviões que colidiram no World Trade Center
Voo 11 da American Airlines: foi o primeiro dos quatro voos sequestrados no ataque de 11 de setembro. Tinha capacidade para 158 passageiros, sendo 9 na primeira classe, 30 na executiva e 119 na classe econômica; mas neste havia 81 passageiros, incluindo o matemático Daniel M Lewin. Neste avião, havia cinco sequestradores:
  • Mohammed Atta (33 anos): líder do sequestro e membro da organização terrorista Al-Qaeda. Acredita-se que ele estava pilotando o avião quando anunciou o sequestro. Seu pai não apoiou sua decisão, dizendo que gostaria que todos os seus filhos tivessem uma boa educação. Estudou na Universidade de Cairo (Egito).
  • Satam Al-Suqami (25 anos): esfaqueou o matemático Daniel, que estava sentado na sua frente. Acredita-se que ele tenha tentado intervir no sequestro. Antes de participar do desastre, Suqami estudava direito na universidade King Saud University, e lá se juntou a um outro membro da al-Qaeda e deu-se início ao terrorismo.
  • Abdulazi Al-Omari (22 anos): foi um guarda se segurança de aeroporto e Imane (pregador do culto islâmico).
  • Wail e Waleed al-Shehri (28 anos e 22 anos, respectivamente): eram irmãos. Os dois sentaram-se na primeira classe. O Wail era portador de problemas mentais, pois foi divulgado que ele viajou para procurar tratamento acompanhado de seu irmão, que estudava para ser professor (de uma matéria desconhecida).
Wail
Walled

O avião se chocou às 8h45m com a Torre Norte.

Voo 175 da United Airlines: foi o segundo avião a ser sequestrado e o que se chocou com a Torre Sul às 09h59m. Carregava 59 passageiros, sem os sequestradores. O choque foi transmitido para o mundo inteiro e até hoje as imagens rodam pela internet. Alguns restos deste avião foram recuperados próximo ao local do atentado.
Nesse avião também havia 5 terroristas:
  • Marwan-al-Shehhi (23 anos): era o líder do sequestro desse voo. Morou na Alemanha, onde conheceu Ziah Jarrah, Mohammed Atta e Ramzi Binalshibh. Juntos, prometeram suas vidas à al-Qaeda, liderando os ataques de 11 de setembro de 2001. Passou o ano de 2001 planejando como seria os ataques nos EUA.
  • Fayez Banihammad (24 anos): chegou nos EUA em junho de 2001. Perto do dia do sequestro, dividiu um quarto com mais quatro sequestradores, incluindo os que decolaram no Voo 11.
  • Mohand al-Shenri (22 anos): era estudante universitário que largou os estudos depois de perder nos seus cursos. Saiu de casa para lutar em Chechnya, na Rússia, mas foi levado para os campos de treinamento da al-Qaeda.

  • Hamza al-Ghamdi (20 anos): saiu de sua casa para lutar na Rússia, assim como o Mohand, porém foi enviado para a al-Qaeda. Chegou nos EUA em maio de 2001 como turista. Ele ligava para casa e dizia que estava na Chechnya.

  • Ahmed al-Ghamdi (22 anos): era o irmão mais velho de Hamza. Abandonou a escola para lugar na Chechnya, mas foi enviado para a al-Qaeda, onde foi escolhido por Osama Bin Laden para participar de ataques terroristas. A última vez que ligou para os pais foi em julho de 2001, omitindo estar nos Estados Unidos.

Pentágono
Voo 77 da American Airlines: foi o terceiro avião sequestrado pelos terroristas no ataque de 11 de setembro, que deixou 64 mortos na colisão com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, mais conhecido como Pentágono. Foi divulgado que, neste voo, o mais jovem dos passageiros tinha apenas 3 anos (nasceu em 1997/98, dependendo do mês em que nasceu).
Os sequestradores são:

  • Hani Hanjour (29 anos): era o sequestrador piloto da aeronave. Sua primeira vez nos EUA foi em 1990 com o objetivo de estudar inglês na Universidade de Arizona. Voltou somente em 2000 se juntando com Nawaf al-Nazwi, outro sequestrador que atuou neste voo. Em sua juventude, queria abandonar os estudos para ser comissário de bordo. Sua família, que na época residia na Arábia Saudita, não acreditou que ele pudesse ter algum envolvimento com o ataque terrorista. A última vez que ele ligou foi há oito horas antes de morrer no ataque.


  • Nawaf al-Hazmi (25 anos): voou na classe executiva ao lado de outro sequestrador de nome Salem. Um agregado da família disse que Nawaf sofreu uma tentativa de assassinato. O seu pai tentou matá-lo uma vez quando ele era criança, provavelmente com uma faca. O mesmo alegou que ele nunca comentou sobre uma enorme cicatriz que tinha em um dos braços.


  • Salem al-Hazmi (20 anos): ele era irmão de Nawaf e veterano da al-Qaeda. Sua primeira vez nos Estados Unidos foi em junho de 2001. Houve vários relatos de que ele estaria vivendo com seu outro colega, Satam al-Suqami, no Texas. O pai de Salem e Nawaf chegou a desacreditar na veracidade das fotos dos dois, afirmando que elas poderiam ter sido falsificadas ou adulteradas, e justamente por ser pai, acreditava que seus filhos ainda estavam vivos e ilesos. A Arábia Saudita, país natal da família, disse que as fotos eram verdadeiras.


  • Majed Moqed (24 anos): era estudante de direito antes de se juntar à al-Qaeda. Sua família disse que ele gostava de viajar e praticar esportes. O governo dos EUA anunciou que encontrou uma carteira de identidade da Arábia Saudita com seu nome nos escombros do Pentágono. A família acreditava ser uma carteira falsificada.


  • Khalid al-Mindhar (26 anos): pouco se sabe sobre sua vida antes de ter completado 20 anos. No final dos anos 90, casou-se com Hoda al-Hada, com quem teve duas filhas. Ele foi listado em 19 de setembro, 8 dias após o atentado, como uma pessoa viva. 


Capitólio
Voo 93 da United Airlines: foi o último avião sequestrado, por quatro terroristas. Ele transportava 37 pessoas (com exceção dos sequestradores). O avião caiu 81 minutos após a decolagem em função de uma briga entre os sequestradores e os passageiros. Ziad Samir, que assumiu o controle do voo, deixou-o cair em um território vazio na Pelsilvânia, para evitar que algum outro passageiro assumisse em seu lugar.
Os sequestradores do voo são:
  • Ziad Samir Jarrah (26 anos): era o piloto do voo 93. Acredita-se que o libanês tenha tentado pilotar a aeronave, cujo destino deveria ser o prédio do Capitólio. Foi um dos envolvidos no planejamento dos ataques terroristas enquanto frequentava a faculdade de Hamburgo, quando morava na Alemanha. Ele tinha uma namorada no país, de nome Sengün, com quem fez planos para se casar. Deixou para ela uma carta de suicídio, dizendo que fez o que tinha que fazer e que Sengün ia ficar orgulhosa do resultado das explosões.

  • Ahmed al-Nami (24 anos): antes do sequestro, era estudante universitário. Deixou sua família em 2000 para completar o Hajj, mas acabou indo para o Afeganistão, no campo de treinamento da al-Qaeda. Chegou nos Estados Unidos em 2001 no mês de maio. A última vez que ligou para a família foi em um mês após.
  • Saeed al-Ghamdi (21 anos): saiu de casa para lutar na Chechnya, mas foi relatado que ele desviou o caminho e foi direto para a al-Qaeda. Ele se instalou às escondidas na Flórida, onde planejava os ataques terroristas.

  • Ahmed al-Haznawi (20 anos): chegou nos Estados Unidos em junho de 2001 sob a direção da al-Qaeda com visto de turista. Seu pai foi contra a sua saída para a Chechnya, para onde ia inicialmente. Junto com Saeed, se instalou na Flórida, participando do planejamento dos ataques terroristas.

A intenção do pessoal do Voo 93 era colidir o voo em dois lugares: ou com a Casa Branca ou com a sede de congresso do país, o prédio Capitólio. Vários dos passageiros que morreram na colisão se comunicaram com seus familiares e amigos e se despediram deles.

Nenhum comentário: