sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Dona de cocar utilizado em "Velho Chico" quer doá-lo para família Montagner

A dona do cocar utilizado em cena de "Velho Chico", no ritual indígena quando trata os ferimentos do personagem Santo (Domingos Montagner), resgatado do rio São Francisco pelos índios, quer doar a peça para a família do ator, falecido tragicamente na última quinta-feira (15), justamente no rio São Francisco.
A atriz Nathalia Ferrari (foto/abaixo) desenvolve o projeto social "Raízes da Mãe Terra" e foi ela quem levou os índios da tribo "Fulni-ô" para participarem da novela.
"Quando fui acompanhar a cena, eu levei meu cocar pessoal. Na hora a produção pediu ele emprestado e foi utilizado no altar da cena que aconteceu o ritual de cura dos ferimentos. Depois, o figurinista da novela me pediu emprestado para gravar a cena do Domingos Montagner saindo da oca. A Globo até me pediu o cocar, mas como eu faço trabalho com ele sobre a índia Iracema, eu não podia dar. Mas agora quero dar a família dele, eles merecem ficar como essa recordação", conta.

Nathalia Ferrari com o cocar emprestado para a produção do folhetim
Dona da ONG indígena, ela revela que foram gravadas duas cenas do ator Domingos Montagner saindo da oca, com e sem o cocar, e a cena escolhida pela direção da novela foi sem o item.
"Eu desenvolvo projeto com eles aqui no Rio, levo para as escolas e para eventos culturais. Então surgiu a oportunidade de filmar 'Velho Chico'. Eu fui dois dias para acompanhar as gravações com os índios. Eu duvido muito que o Domingos não tenha pedido permissão para a cena do ritual. Ele tratou de forma muita respeitosa, séria e com muita humildade os índios neste trabalho. Eu o via sempre interagindo e querendo saber e aprender sobre acultura deles", explica.


Ela também destaca que os índios não fazem nada antes de consultar a espiritualidade. "Se eles estavam ali é porque não tinha problema. Quando eles foram ao programa da Fátima Bernardes para falar das cenas, ficaram dois ou três dias pedindo permissão. O líder respondeu que era necessário para que o mundo conhecesse a força da história do Rio São Francisco", diz.

Cena de "Velho Chico" com o cocar no altar do ritual indígena
Segundo a atriz, os índios ficaram muito tristes com a morte de Domingos Montagner e fizeram um ritual na aldeia da tribo "Fulni-ô". "O Senhor da aldeia perguntou por que eles estavam tristes. Ele explicou que o Domingos Montagner foi escolhido pelo grande espírito para mostrar a humanidade a força da natureza. Eu conversei com um deles, o índio Tafkeal, ele me pediu pra passar uma mensagem. Os índios não veem a morte como sofrimento, água não tira a vida, ela dá a vida", finalizou.

Confira a mensagem:
“Por que estão querendo trazer a alma dele de volta? Ele nasceu de novo hoje. Ele se tornou um novo protetor do rio São Francisco, que estava tão esquecido. Porque esse rio não pode morrer. A novela contou todos os mistérios do rio e esse é mais um deles. Mas ele se tornou um ser de luz, pois a água não tira a vida, ela dá a vida. Fiquem felizes pela alma dele, pois quando ele entrou no rio se despediu do corpo e alma, nasceu em um mundo melhor. Algum dia os brancos irão entender isso. Então, temos que fazer um ritual para que os brancos entendam e sejam fortes, pois ele está bem. Ele agora é um protetor do rio São Francisco”.

Fonte: Na Telinha

Nenhum comentário: