segunda-feira, 7 de março de 2016

Danilo Gentili conta o que há de novo na temporada 2016 do The Noite

Pois é, queridos fãs, o The Noite finalmente vai voltar ao ar, mais especificamente hoje, 7 de março. Mas a longa espera valerá a pena, porque o programa vem "recheadaço" de novidades. Entre elas, e a mais importante, é o novíssimo cenário. Mudou tudo! Plateia, área da banda, bancada de entrevistas, cortinas, espaço do Diguinho, luzes, sofás, ou seja, TUDO! Não vamos mostrar muito, só para não estragar a surpresa, mas dá para conferir algumas fotos aqui abaixo.




Achou que era só isso? Está errado! O The Noite terá novos quadros engraçadíssimos, e alguns ressucitados do extinto Agora É Tarde. Quer saber se o Leite Show volta? Quais quadros voltarão ao ar? Quais são as novidades? Relaxa, porque o próprio Danilo Gentili contou tudo.

Fonte: SBT

UOL: Adélia, Ronan e Munik se enfrentam no segundo paredão triplo do "BBB16"


Adélia, Ronan, Munik se enfrentam no segundo paredão triplo do "BBB16", formado na noite deste domingo (6), e disputam a preferência do público para continuar no reality. A eliminação de um dos três será na próxima terça-feira.
A formação do sexto paredão começou com o anjo Matheus dando uma imunidade para dona Geralda nesta votação: "Tenho um carinho muito forte por ela e sei que é recíproco. Vou dar [o colar] para a minha mãezinha Gegê". Após receber a vantagem, a mineira foi surpreendida por Bial, ao ser comunicada de que nesta semana também teria de indicar um brother direto para a berlinda. Pega de surpresa, a professora aposentada escolheu Adélia para enfrentar seu primeiro paredão. 
Em seguida, o líder da semana Renan votou em Ronan. "O considero uma pessoa muito forte nas provas e sei que ele pode me indicar a qualquer momento", justificou o modelo.
Assim como Renan, Munik foi a participante mais citada no confessionário, recebendo três votos da casa. Por ser o líder da semana, o modelo teve de desempatar e escolheu Pequi para completar o trio de emparedados.

Paredão triplo
Na última quinta-feira, Pedro Bial avisou aos espectadores que aquele que fosse imunizado pelo anjo nesta semana teria uma grande tarefa no jogo: indicar mais um participante à berlinda. "Quem receber o colar do anjo, além de não poder ser votado no confessionário, vai ter de indicar alguém pro paredão antes do líder", anunciou.

Veja como foram os votos da casa
Por ter recebido o poder do anjo, Geralda indicou Adélia direto para a berlinda
O líder Renan votou em Ronan
Adélia votou em Munik
Maria Claudia votou em Munik
Matheus votou em Munik
Ronan votou em Renan
Munik votou em Renan
Geralda votou em Renan

Com eliminação de Ana Paula, ‘Big Brother’ atinge maior audiência em seis anos

Ana Paula foi, sem dúvida, a mais polêmica participante das últimas edições do ‘Big Brother Brasil’. Neste último sábado (05), a mineira foi expulsa do reality show globalapós dar dois tapas na cara de Renan, seu companheiro de confinamento.
A eliminação da moça causou um verdadeiro rebuliço nasredes sociais e a edição da noite do programa chegou a marcar quase 31 pontos no Ibope. Os números são os maiores atingidos pelo programa nos últimos seis anos.
Já no domingo (06), o ‘BBB’ voltou a marcar seus números usuais, na casa dos 17 pontos de média. Ainda assim, a atual edição vem sendo celebrada nos bastidores da Globo, como uma espécie de ‘revival’ do sucesso da fórmula.


Fonte: Heloísa Tolipan (Jornal do Brasil)

Rodrigo Santoro aparece como esgrimista em campanha da VR. Veja!

Com sua comentadíssima volta a televisão brasileira prestes a acontecer, é natural que Rodrigo Santoro ocupe o lugar de queridinho das campanhas publicitárias. O bonitão se prepara para entrar no ar em ‘Velho Chico’,próxima novela das 21h da Globo, escrita por Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Luiz Fernando Carvalho.
Nesta segunda (07), foram divulgadas imagens dos bastidores da campanha que Rodrigo estrela para a marca masculina VR. Nos cliques, Santoro aparece como um esgrimista, uma das inspirações para a coleção.
Ao lado do ator global está o atleta olímpico Renzo Agresta, nas fotos assinadas por Daniel Mattar. Para os fãs de Rodrigo, vale anotar na agenda: ‘Chico’ estreia no dia 14 deste mês.


Fonte: Heloísa Tolipan (Jornal do Brasil)

Pesquisa: 51% dizem que TV incentiva desrespeito à mulher


Cerca de 51% dos brasileiros dizem que filmes e programas televisivos incentivam o desrespeito e o assédio a mulheres em ambientes de trabalho. Quase metade deles acredita que os programas de entretenimento têm impacto negativo nas práticas de assédio a mulheres nos locais de trabalho. Cerca de 73% acreditam que as mulheres são mostradas de maneira exageradamente sexualizadas no cinema e na TV, "reduzidas a seios e bundas", com poucas roupas e pouco inteligentes.
Os dados fazem parte da pesquisa Investigação sobre o impacto da representação de gênero no cinema e na televisão brasileira, divulgada nesta segunda-feira, 7, pelo Instituto Geena Davis, que há mais de dez anos se dedica a estudar e ampliar a presença da mulher no audiovisual no mundo.
A apresentação do trabalho foi feita na sede do Sistema Firjan, no centro do Rio de Janeiro, e contou com um painel de discussão sobre gênero na mídia e maior participação da mulher na cadeia produtiva do setor audiovisual. Concluído no ano passado, o estudo ouviu cerca de 2 mil pessoas, e foi dividido em dois momentos. Na primeira etapa, foram feitos grupos para elaboração das perguntas e, depois, uma pesquisa quantitativa por todo o Brasil.
O estudo aponta, também, que aproximadamente 65% das mulheres brasileiras têm dificuldade de se identificar com os personagens femininos retratados no cinema e na televisão. Quase 70% dos entrevistados acham que as mudanças positivas no país para a igualdade de gênero, como conquistas profissionais e mais autonomia financeira, são pouco retratadas no cinema e na TV.
Um dos coordenadores da pesquisa, João Feres, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), explicou que a população está mais alerta para os estereótipos dos papéis femininos e masculinos que ainda persistem na mídia brasileira.
"Os entrevistados da pesquisa qualitativa veem os personagens femininos ainda muito presos aos papéis tradicionais de dona de casa, doméstica. As mulheres nunca estão no poder, são sempre os homens", disse. "Os homens também consideram os papéis masculinos estereotipados, de machão", afirmou, ao destacar que a glorificação da hipermasculinidade foi uma das críticas feitas pelos entrevistados.
Segundo o estudo, quase dois terços (63%) dos brasileiros demonstram preocupação com os padrões de beleza mostrados no cinema e na televisão, que, segundo eles, são irreais. Por outro lado, mais de 60% da população acham que a exposição da violência doméstica no cinema e na TV pode ajudar a reduzir essa prática nos lares brasileiros, mas que é importante mostrar o fim da impunidade em relação aos crimes de violência.

Fonte: Portal A Tarde

Transexual denuncia caso de preconceito em prova da Uneb


Uma mulher transexual, de 24 anos, disse que foi vítima de transfobia durante a primeira etapa do vestibular da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), realizada na manhã deste domingo, 6, no Colégio Polivalente do Cabula, em Salvador.
Ariane Senna, que é ativista e membro de alguns grupos que lutam contra o preconceito contra pessoas trans, entrou em contato com o Portal A TARDE para denunciar o caso. Ela afirmou que a discriminação começou logo ao chegar no local de realização da prova com o marido. Ao entrar no banheiro feminino, uma funcionária saiu correndo e criou um tumulto ao afirmar que um homem estaria lá. 
Quando saiu do local, Ariane não entendeu o motivo da confusão e questionou ao marido, que a explicou. Mesmo chateada, ela não falou nada e seguiu para a sala 1609, onde fez o exame.
No local, Ariane disse que foi constrangida novamente pelo fiscal responsável pela sala, que a chamou pelo nome de batismo no RG. Em determinado momento, a estudante pediu para ir ao banheiro e o homem a direcionou ao masculino. Mas ela se recusou e disse que usaria o feminino, pois é uma mulher. Contudo, foi impedida pelo fiscal: "o senhor tem o nome de homem e quer entrar no banheiro feminino?".
Ariane procurou a coordenadoria, que chamou o fiscal para conversar. Em seguida, o coordenador afirmou ter sido um mal entendido, mas também a tratou como homem.
Ela pediu a troca de fiscal, o que, segundo ela, foi acatado. Com a mudança, Ariane finalizou a prova, mas teme passar pela mesma situação nessa segunda, quando será aplicado mais um exame da Uneb. 
Em nota, a Uneb se posicionou "contra qualquer tipo de preconceito e discriminação" e comunicou que "todas as medidas estão sendo tomadas, no sentido de apurar e afastar qualquer ocorrência que venha a prejudicar ou atingir os direitos civis constituídos de todos os cidadãos, no vestibular".

Confira a nota na íntegra
Diante das informações veiculadas hoje (dia 6) a respeito de um caso de eventual prática de preconceito contra candidata do Vestibular 2016 desta Universidade, a UNEB manifesta seu firme posicionamento contra qualquer tipo de preconceito e discriminação e comunica que todas as medidas estão sendo tomadas no sentido de apurar e afastar qualquer ocorrência que venha a prejudicar ou atingir os direitos civis constituídos de todos os cidadãos no referido processo vestibular, sempre na perspectiva de zelar pelo respeito, inclusão e participação equânime e democrática, de acordo com os princípios que regem esta instituição e a legislação nacional.

Fonte: Portal A Tarde

Fãs fazem campanha por ex-BBB Ana Paula no Video Show


Sendo uma das personagens mais controversas do BBB16, a jornalista mineira de 34 anos, Ana Paula, conseguiu conquistar uma legião de fãs. E mesmo após ser expulsa do BBB 16, por ter agredido fisicamente outro participante, o Renan, a jornalista voltou a ser um dos assuntos mais comentados nas redes socias.
Agora, a campanha é para a Ana assumir a vaga deixada por Mônica Iozzi na bancada do Vídeo Show ao lado de Otaviano Costa. No Twitter a #OlhaElaNoVideoShow entrou para o top trend (assuntos mais comentados do dia).

Fonte: Portal A Tarde

Anderson Dias, filho de Amarildo, exibe tanquinho em ensaio de cueca


Anderson Dias, filho do pedreiro Amarildo - desaparecido da Rocinha, na Zona Sul do Rio, em 2013 - posou para um novo ensaio de moda. Nas imagens, divulgadas nesta segunda-feira, 7, o modelo exibe o físico invejável, em alguns cliques sem camisa e, em outros, apenas de cueca.
Recentemente, o modelo contou em entrevista ao EGO que concilia o trabalho de fotos e desfiles com o de flanelinha e pedreiro. "Moro com a minha mãe na Rocinha e preciso me virar. Não tem aparecido trabalho como modelo. Nos fins de semana, sou flanelinha dos carros que estacionam e, durante a semana, ajudo meus tios como pedreiro. Quando tem trabalho como modelo, também faço. A vida segue", disse.

EGO NAS REDES SOCIAIS

A renda mensal de Anderson, somada ao trabalho de flanelinha e como pedreiro, é de R$ 600. Paralelo aos trabalhos, ele se cuida. Faz musculação, luta muay thai e disputa competições de surfe de peito.
Dieta? Ele nunca ouviu essa palavra. "Nunca fiz dieta na vida. Gosto mesmo é de um prato de feijão, arroz, macarrão e frango na chapa. Só não como cachorro-quente e hambúrguer", disse ele, que mede 1,84m de altura e pesa 88kg: "Estou feliz com meu corpo. Há quatro anos era muito magrinho, pesava 79kg e hoje ganhei massa muscular."
Anderson é o filho mais velho de Amarildo, desaparecido em 2013, após ser torturado por policiais da Unidade de Polícia Pacificadora da Rocinha (UPP) e morto por não entregar a localização de um paiol de armas na comunidade. No último mês, vários PMs envolvidos foram condenados pela justiça e presos.








Fonte: EGO

Novela 'Renascer' da Rede Globo faz 23 anos!




A novela, que foi produzida pela Rede Globo e um sucesso de audiência, faz, nesta terça-feira (08), 23 anos que estreou no horário das 21hrs, substituindo 'De Corpo e Alma' e sendo substituída por 'Fera Ferida'.
Renascer, escrita por Benedito Ruy Barbosa, deu um grande destaque para o personagem Buba, ou Alcides (Maria Luísa Mendonça), uma hermafrodita.
Sua média geral foi de 60 pontos, sendo considerada assim como um grande sucesso. Seu último capítulo praticamente parou o Brasil inteiro, com média de surpreendentes 87 pontos.

Maria Luísa Mendonça, intérprete da hermafrodita Buba/Alcides

Fã perde emprego para ver Ana Paula na porta do Projac

Felipe Dias perdeu o emprego para ver Ana Paula
Ana Paula foi uma das participantes mais controversas da história do Big Brother e, com seu jeitinho “sincerona”, conseguiu conquistar o carinho de muita gente. Na porta do Projac, cerca de 40 pessoas aguardavam a saída da ex-sister, que encara uma maratona de entrevista após ser desclassificada do programa pelos tapas que deu em Renan.


Os fãs aglomerados em frente ao Projac são todos jovens, com idade entre 14 e 24 anos, que se identificaram com as atitudes de Ana Paula dentro da casa. "Ela é verdadeira! É autêntica! O jeito dela de falar as coisas... Às vezes é um jeito explosivo, mas ela fala a coisa certa", opina Thais Marques. Já Felipe Dias parece ter se inspirado na ex-participante do reality e foi até as últimas consequências: ele perdeu o emprego na loja em que trabalha porque faltou três dias tentando encontrar a mineira. "Vim sábado para tentar vê-la e não consegui, fui ontem ao aeroporto e hoje estou aqui".


Tem até quem mande recado: "Fala para ela que ela é muito importante na vida de cada um que está aqui", pediu a estudante Bruna Fernanda, que faltou aula para tentar ver Ana Paula.


O grupo, que tenta um contato com a ex-sister pela primeira vez, promete que vai fazer uma festa de aniversário para ela, regada a muita bebida! "Queremos mostrar que ela realmente tem fãs. Agora ela tem o apoio que não teve durante esses anos".


Fonte: Multishow

O homem que passou 20 anos preso por homicídio - mas sua 'vítima' continuou viva


O ugandense Edward Edmary Mpagi foi preso por um assassinato que ele não cometeu ─ na verdade, sua suposta "vítima" continuava viva e passando bem.
Mpagi passou 20 anos na prisão. Como ele, centenas de outros ugandenses ainda permanecem atrás das grades aguardando uma decisão da Justiça.
Em 1980, Campala, capital e maior cidade da Uganda, era uma terra sem lei ─ soldados matavam civis e episódios de violência extrema ocorriam à luz do dia.
Quando o táxi de Edward Mpagi foi assaltado, ele decidiu se mudar com sua família para o vilarejo onde moravam seus pais. Ali, o único problema era uma disputa de terras que já se arrastava por anos ─ e foi justamente isso que mudou para sempre seu futuro.
Em junho de 1981, seus vizinhos foram roubados e espancados, e as suspeitas recaíram sobre Mpagi - que foi preso junto com seu primo, Fred Masembe.
"(Os vizinhos) não tinham uma relação boa com meus pais", alega Mpagi.
Ele e o primo foram acusados de assalto e enviados à prisão de Masaka, onde os prisioneiros eram divididos de acordo com seus crimes. "Percebi que estava no grupo dos assassinos", diz Mpagi. "Fiquei com muito medo pois sabia que eu era inocente".
Um ano depois, Mpagi e seu primo foram levados a julgamento. Eles só haviam se encontrado com seu advogado duas vezes mas, quando Mpagi pediu mais tempo, ouviu dele uma negativa. "Eu sei de tudo", disse o advogado. E, então, o julgamento começou.
Mpagi não falava bem inglês ─ o idioma do tribunal ─ enquanto seu primo, Masembe, não sabia nada do idioma.




Para a surpresa de ambos, souberam que haviam sido indiciados pelo assassinato do filho do vizinho, William Wandyaka.
"Foi horrível, porque se você sabe que é inocente, não tem nem o que dizer", diz Mpagi.
Nenhuma testemunha foi chamada para depor em defesa dos dois, mas quatro pessoas afirmaram terem visto Mpagi com uma arma.
A verdade era que não havia uma arma, tampouco uma vítima ─ Wandyaka estava vivo e passando bem, e só tinha se escondido.
"Ele estava longe de casa e voltava durante a noite ─ ele não podia se expor", diz Mpagi, que alega que as testemunhas haviam sido compradas.
Quando o juiz o condenou à morte, Mpagi conta ter desmaiado. "Não tenho palavras para descrever o que aconteceu. Foi terrível. Falaram que eu ia morrer".
Os dois homens foram levados, então, para a prisão de segurança máxima de Luzira, em Campala. Despidos, eles receberam dois lençóis ─ um deles para ser usado como cama. Mpagi só voltou a dormir em um colchão em 1996.

Superlotação
A prisão recebia tantos prisioneiros políticos que os condenados eram levados diretamente à forca. As celas eram individuais, mas acabavam sendo compartilhadas por quatro ou cinco detentos.
"Dividíamos um pequeno balde como um penico. E tínhamos diarreia, por causa da disenteria (doença inflamatória do intestino). Era horrível", diz Mpagi.
Os prisioneiros só podiam sair de suas celas por meia hora durante o dia, para limpar os baldes.
Segundo Mpagi, a pior coisa era ouvir as execuções de suas celas. "Podíamos ouvi-los (prisioneiros) chorando, dizendo adeus, ou nos dizendo que A ou B haviam sido levados. Eu tremia só de pensar: 'Quem será o próximo agora?'", diz Mpagi.
Houve cinco rodadas de execuções ─ cada uma com vários prisioneiros ─ entre 1989 e 1999. Mpagi testemunhou todas elas.
Um dos companheiros de cela lhe passou uma mensagem, escrita em papel higiênico. Dizia: "Adeus, Mpagi. Parto esta tarde para nos encontramos no céu".
E as más condições da prisão causaram a morte de seu primo ─ Masembe ficou doente, mas recusou tratamento e morreu em 1985.

Inocência
Mpagi acredita ter escapado da execução porque as autoridades penitenciárias sabiam que ele era inocente ─ ele falava bastante sobre o assunto, e um jornalista discutiu seu caso na TV. "Eu falava a todo mundo que vinha me ver que eu era inocente e que estava morrendo".
Em 1989, a verdade veio à tona ─ líderes da cidade natal de Mpagi finalmente investigaram o caso e escreveram ao procurador-geral do país para dizer que o homem que ele fora acusado de matar ainda estava vivo. Apesar disso, nada mudou. Mpagi permaneceu encarcerado.
O problema foi que, naquele momento, muitos dos que estavam envolvidos no caso ─ incluindo os juízes ─ já haviam morrido. "Não havia ninguém para prestar depoimento. Portanto, demorou muito para conseguirmos reunir provas factuais", relembra Mpagi.
Já tendo perdido uma apelação em 1983, sua única chance era o perdão presidencial, que foi finalmente dado pelo presidente Yoweri Museveni em 2000. Quando Mpagi foi liberado, sua "vítima", Wandyaka, ainda estava viva ─ ele morreu de Aids dois anos depois. Apesar das repetidas solicitações de Mpagi, Wandyaka nunca quis encontrá-lo.
Mpagi não pediu indenização, especialmente por causa da preocupação com os companheiros de cela. Ele temia que se processasse o Estado, o governo relutaria em libertar outros prisioneiros inocentes. "Então, eu dizia: 'Não, me deixem quieto'". Ele hoje faz campanha pela abolição da pena de morte.
Mpagi também se tornou catequista, e todos os dias visita prisões para rezar com os presos. "Eu sempre digo a eles: 'Na prisão, você é como um tomate em uma plantação ─ um tomate cresce e produz novos tomates, vocês podem crescer e se tornar pessoas melhores'".

Fonte: G1

'Layo & Bushwacka' - Love Story

Layo & Bushwacka é o nome artístico dos DJs Layo Paskin e Matthew Benjamin (Bushwacka), que se uniram pela primeira vez em 1988. Mesmo após tanto tempo juntos, só conseguiram ter um single da dupla reconhecido em 1999, ao lançarem 'Deep South', porém fizeram muito mais sucesso ao lançarem em 2002 'Love Story'.
Love Story virou hit mundial e aqui no Brasil sua melodia foi usada na canção de funk 'Boladona', de Tati Quebra-Barraco, lançada em 2005 e tema da novela América.
A dupla já fez remix para 'Bebel Gilberto', 'Depeche Mode' e 'Ella Fitzgerald'.

Layo & Bushwacka
Capa do single 'Love Story'
Tati Quebra-Barraco em 2015, no programa 'The Noite' de Danilo Gentili

Música de Tati Quebra-Barraco, Boladona (do canal Junior Lopes)

Clipe da banda, 'Love Story' (do canal rel0yud)

Mãe luta por cirurgia para filha que tem tumor grave na garganta, em GO


A família da estudante Rafaela Morais de Oliveira, de 13 anos, luta por uma cirurgia para a adolescente, que tem um tumor grave na garganta. Há dois meses, quando a doença foi diagnosticada, eles tentam uma vaga para realizar o procedimento na rede pública de saúde de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, mas ainda não obtiveram nenhuma resposta sobre a demanda.
Mãe de Rafaela, a auxiliar de costura Ana Cláudia Salviano Morais deixou o emprego para poder cuidar da filha. Ela diz que não tem condições de arcar com uma cirurgia particular e teme pela vida da garota.
"[Tenho medo] de perder minha filha. Só isso. Estou recorrendo para tudo, a quem puder me ajudar e ajudar minha filha", disse a mulher aos prantos.
Ana Cláudia explica ainda que o caso da filha é considerado urgente, mas, mesmo assim, não conseguiu uma vaga. "Levei na [Central de] Regulação de Aparecida e eles não me deram dia, mês ou ano. Ela precisa de um lugar que tenha equipamento completo pra fazer [a cirurgia] porque o caso dela não é simples. O tumor está perto da veia do coração e na hora pode ter uma hemorragia e ir para o pulmão", salienta.
A mãe explica que fez uma vaquinha com familiares para pagar os exames mais caros e ter tudo pronto para quando a autorização sair. Conforme relata, Rafaela tem dificuldades de se alimentar e já engasgou até com água. Por isso, ela tem receio até mesmo quando a menina vai ao colégio. "Já avisei aos professores para ficarem observando ela na escola", pontua.
A adolescente, que sonha ser médica, também fica apreensiva ao falar do problema de saúde e se emociona ao falar da demora em conseguir atendimento.
"Estou com medo de não dar tempo de fazer a cirurgia e eu morrer. Não sinto nada [na garganta], só quando eu vou comer mesmo, [a comida] fica presa na garganta, demora a descer. Tem que respirar mais forte e rápido, porque cansa. Quero que a cirurgia saia rápido", lamenta.


Respostas
Segundo a Central de Regulação de Aparecida de Goiânia, a mãe de Rafaela acabou retirando o pedido da cirurgia da filha, pois não estava conseguindo resposta e achou melhor buscar outra alternativa.

Diante da situação, a prefeitura da cidade orientou Ana Cláudia a entrar novamente com pedido de cirurgia, o que foi feito na manhã desta segunda-feira (7).

O caso, agora, foi encaminhado para a Central de Regulação de Goiânia. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a paciente tem uma consulta marcada com especialista na próxima quinta-feira (10).

Fonte: G1

Em meio à batalha judicial, Madonna dedica música ao filho em show


Neste último domingo (6) foi comemorado o Dia das Mães em diversos países, no entanto, esta data não foi nada fácil para Madonna
A cantora disputa na justiça a guarda de seu filho Rocco, de 15 anos, com seu ex-marido, o cineasta Guy Ritchie. De acordo com informações divulgadas pelo jornal Daily Mail, a Rainha do Pop teria admitido que está conformada que o menino quer realmente morar com o pai na Inglaterra, já que ele estava cansado de acompanhá-la nas viagens de sua turnê. 
Nese fim de semana, durante um show da "Rebel Heart Tour" na Nova Zelândia, a cantora se emocionou ao dedicar a música "La Vie En Rose" ao filho. "É verdade, não há amor maior que o de uma mãe", disse a loira no palco. "Se eu falar muito dele, eu vou chorar, mas quero dedicar essa música a ele. É uma canção de amor por um homem, mas eu sei que ele vai ser um, algum dia. Espero que ele ouça isso em algum lugar e saiba o quanto sinto falta dele", disse. 


Fonte: Vagalume

HERDEIRO DE EIKE, OLIN BATISTA RETOMA A CARREIRA DE DJ COM MÚSICA EM HOMENAGEM À MÃE, LUMA DE OLIVEIRA


Olin Batista retoma a carreira de DJ com uma música em homenagem à mãe, a deusa Luma de Oliveira. O herdeiro de Eike Batista compôs uma batida eletrônica depois de rever fotos antigas da família e do Carnaval.
"Eu procuro sempre incluir o máximo de sentimento e amor possível em minhas produções, todas têm uma historia interessante por trás. Então, nada mais gratificante do que poder homenagear a pessoa que mais amo na minha vida fazendo o que amo. A ideia foi fazer uma música com elementos 'tribais' e com bastante percussões, que lembrasse e tivesse uma vibe brasileira e 'carnavalesca'. Dessa ideia surgiu 'Luma", explica.
Com este desejo de homenageá-la, Olin queria ainda incluir na música uma voz que falasse o nome de sua mãe: "À noite fui para o estúdio para relaxar e ouvir um pouco de música e digitei o nome dela no YouTube. Encontrei uma entrevista antiga dela no Jô Soares. No início da entrevista ele apresentava a minha mãe muito animado. Cortei a parte onde ele dizia: "Luma de Oliveira" e usei só "Luma".
E a mãe, claro, ficou feliz da vida com a homenagem. “Meu coração quase não aguenta. Quanto orgulho e amor! Que benção de filho", diz Luma.

Fonte: Extra

Aniversariantes da semana (07 à 12 de março)

Hoje (07)
Nívea Maria (68)
Danilo Caymmi (67)
Felipe Andreoli (36)

Terça-Feira (08)
Neuza Borges (75)
Letícia Sabatella (45)
Tom Cavalcante (54)
Marjorie Estiano (34)

Quarta-Feira (09)
Lucinha Lins (63)

Quinta-Feira (10)
Kid Vinil (60)
Osama Bin Laden (morto em 2011)
Aécio Neves (56)
Sharon Stone (58)
Fofão (46)
Timbaland (44)
Michel Melamed (40)
Carol Castro (32)
Carrie Underwood (33)
Emily Osment (24)
Olívia Wilde (32)
Sexta-Feira (11)
Magic Paula (54)
Tetê Espíndola (62)
Eduardo Lages (68)
Samuel Reoli - Mamonas Assassinas (morto em 1996)
Suzy Rêgo (49)
Thiaguinho (33)
Sábado (12)
Matheus Costa (18)
Luiz Bacci (32)
Déborah Evelyn (50)