domingo, 27 de março de 2016

Baixa audiência de Velho Chico reflete o gosto do público por tramas simples


Uma coisa o diretor Luiz Fernando Carvalho já havia deixado bem explícita antes da estreia de Velho Chico: a busca principal não seria por audiência, pois ele tinha pleno conhecimento da dificuldade em difundir uma trama recheada de complexidade e busca pela brasilidade, em uma ambientação realística no nordeste, com personagens de aparência cansada, suada e de gente trabalhadora, que luta para conquistar os objetivos primordiais da vida de um ser humano. Simples aspectos como a sujeira dos personagens recebem críticas negativas de diversos internautas, que se acostumaram tanto com as tramas na cidade grande e com aparências sempre maquiadas a ponto de não conseguirem "digerir" facilmente o novo folhetim escalado para a grade oficial das 21h, na emissora carioca. 
Outro ponto de grandes discussões nas redes sociais são as cenas quentes entre alguns personagens, principalmente envolvendo a participação milionária de Rodrigo Santoro, que, diga-se de passagem, está ganhando cerca de 300 mil reais por mês para fazer parte do elenco da produção. Alguns chegam a questionar a nudez em um horário que não condiz com este tipo de cena, afinal trata-se de uma faixa entre 21h e 22h. Realmente, nesse quesito, poderia haver um pouco mais de senso, pois ainda há crianças assistindo à televisão neste horário, ao contrário de "Liberdade, Liberdade", que será exibida a partir das 23h e terá um espaço bem maior para exibir momentos mais pesados, principalmente por se tratar de uma trama sobre Inconfidência Mineira e os aspectos posteriores vividos por Joaquina (Andreia Horta), filha de Tiradentes (Thiago Lacerda).
Contudo, não se pode, de maneira alguma, desmerecer o belíssimo trabalho presente em Velho Chico, considerada por críticos especializados como uma das novelas mais bem feitas dos últimos tempos, fato que nos leva a discutir acerca da denominação de teledramaturgia atribuída à produção, pois a qualidade por trás do enredo e direção poderiam fazer desta uma série televisiva, até mesmo com parâmetros condizentes às atrações norte-americanas, porém, com um "target" centrado no Brasil, por conta da busca pela paixão nacional. 
Definitivamente, os telespectadores da Globo se acostumaram com tramas contemporâneas, recheadas de triângulos amorosos e a disparidade entre mimados, soberbos e pobres, geralmente moradores de favela, ambiente bastante presente em diversas novelas da emissora carioca, para gerar um conforto maior a todos as classes. 
O que você acha desta baixa audiência apresentada por Velho Chico, a nova novela das 21h? Será que há chances de melhora na passagem de fase, com a saída do atual elenco e entrada dos substitutos em fases maduras dos personagens? Deixe sua opinião nos comentários! 

Afrânio e Iolanda se reencontram e choram de emoção
Após a morte de Leonor (Marina Nery), programada para acontecer na noite desta sexta-feira (25), Afrânio (Rodrigo Santoro) passará por um momento crucial na sua vida, tendo que cuidar de duas crianças ao lado da mãe, Encarnação (Selma Egrei), ainda dominada pela amargura de ter perdido seu outro filho e, ainda por cima, ficar viúva ao término do primeiro capítulo, quando Jacinto (Tarcísio Meira) faleceu. Iolanda (Carol Castro) sempre foi a grande paixão do saruezinho, sobretudo antes de se dedicar aos negócios da fazenda, mas a distância realmente manteve ambos totalmente separados, já sem esperanças de um reencontro, exceto pelo dia em que a cantora fica sabendo sobre o estado de saúde do antigo amor, que acabara de levar um tiro. 
A morena não pensa duas vezes e vai correndo atrás do hospital em que ele está sendo tratado, promovendo um grande encontro na trama, além, é claro, de conhecer Tereza (Julia Dalavia), filha de seu ex-namorado. A partir daí, a alegria virá a tona no casal, que dá início a uma longa conversa sobre o passado, sobre as aventuras vividas em Salvadore todas as vezes em que ambos se encontravam no clube onde Iolanda costumava se apresentar à noite. Esta cena promete!

Fonte: Diário 24hrs

Wagner Barreto vence primeira temporada do 'The Voice Kids'


Após quase três meses de audições, o paranaense Wagner Barreto foi anunciado neste domingo, 27, o vencedor da primeira temporada de "The Voice Kids", reality show musical da Globo. O cantor mirim, selecionado pela dupla sertaneja Léo e Victor, recebeu 66% dos votos do público e superou as rivais - e conterrâneas - Rafa Gomes e Pérola Crepaldi.
Wagner Barreto, morador de Porto Rico, no interior do Paraná, tem 15 anos e canta desde os 6. Suas principais influências são Tião Carreiro, Zezé Di Camargo e Luciano e Daniel, segundo informações do site oficial.
O "The Voice Kids" estreou com um painel de jurados diferente da versão com adultos. Com exceção de Carlinhos Brown, todos os demais - Ivete Sangalo e a dupla sertaneja Victor & Leo - participam pela primeira vez da competição musical.
A competição começou com 24 vozes para cada uma das três equipes, totalizando 72 cantores e cantoras mirins entre 9 e 15 anos. O vencedor levou R$ 250 mil e gravará um álbum.

Fonte: Portal A Tarde

Dilma afirma que aguenta pressão e analisa alternativas para evitar impeachment


Sob intenso cerco político, Dilma Rousseff deixou impressionados os ministros com quem conversou nesta semana. Não sem motivo: com uma frieza a toda prova, ela expôs planos de governo para os próximos dias, meses e até para 2018. "Podem ficar tranquilos porque eu aguento bem a pressão. Sou resistente", disse a presidente, ainda gripada, em uma das reuniões com a equipe.
Sem tempo, Dilma trocou a leitura frenética de livros pela análise minuciosa de mapas de votação na Câmara, onde uma comissão com 65 deputados vai definir o destino do impeachment. Ampliou o escopo, mirando em mais do que os 171 votos necessários para barrar o processo no plenário, e exibiu habilidade em decorar o Estado de cada parlamentar a ser fisgado.
A ordem é abrir o cofre, atender os aliados fiéis, desalojar os "traidores" e dividir o PMDB, que na terça-feira deve oficializar o divórcio do governo. Na estratégia do "tudo ou nada", Dilma partiu para o varejo das negociações políticas, virou uma espécie de "ouvidora" dos insatisfeitos, coisa que sempre abominou, e montou um gabinete de crise permanente.
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve a nomeação suspensa como ministro da Casa Civil e aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal para saber se poderá assumir o cargo, atua de longe na coordenação geral dos trabalhos, sem pisar no Palácio do Planalto.
A batalha de comunicação do governo é agora direcionada para "vender" a imagem de Dilma como mulher "guerreira", que lutou contra a ditadura e hoje enfrenta um "novo modelo de golpe". Todos os dias, Dilma recebe no Planalto ou mesmo na residência do Alvorada líderes e dirigentes de partidos aliados, além de ministros do PMDB. Pede apoio e promete mudanças.
Deputados do PP e do PR informaram a ela que será difícil manter o aval ao governo se o PMDB desembarcar e alertaram sobre um possível efeito dominó em outros partidos.
"Foi um aviso de que o gato subiu no telhado. A ficha dela caiu, mas, por incrível que pareça, não se abateu", contou um dos deputados que estiveram com a presidente. "Parece que, se morrer, vai morrer lutando".
Numa contraofensiva arriscada, o governo decidiu, na quinta-feira, desafiar o vice Michel Temer - que comanda o PMDB e é chamado por petistas de "chefe da facção" -, exonerando o presidente da Funasa, Antônio Henrique de Carvalho Pires, homem de sua confiança.
Nos bastidores, auxiliares de Dilma afirmam que tudo será feito para enfrentar a "conspiração" do grupo de Temer e contemplar com cargos quem pode ajudar a derrubar o impeachment na Câmara. É uma disputa voto a voto, no mais fiel estilo do "toma lá, dá cá".
Tática semelhante foi usada em dezembro, quando Dilma dispensou o vice-presidente de Fundos e Loterias da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto, indicado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como retaliação à atitude do deputado de aceitar o pedido de impeachment.
Em conversas reservadas, Dilma mostra inconformismo com o fato de Cunha, réu no Supremo Tribunal Federal, acusado de corrupção na Petrobras, conduzir o processo que pode levar a seu afastamento. "Eu não cometi nenhum crime para justificar a interrupção do meu mandato. Brigarei até o fim", diz ela, enquanto a Operação Lava Jato avança sobre o governo.
No PT há quem pregue até mesmo que, em caso de impeachment, Dilma recorra à Organização dos Estados Americanos (OEA). Nesse combate, há ainda táticas de guerrilha que circulam na internet, com ameaças de fim de programas sociais, como o Bolsa Família, se a presidente cair.
Foi após a campanha da reeleição, em 2014, que Dilma terminou de ler a biografia do ex-presidente Getúlio Vargas, escrita pelo jornalista Lira Neto. Não por acaso, outro dia voltou a dar uma espiada no terceiro volume, segundo relato de um ministro. "Tudo a seu tempo", costumava dizer Getúlio, quando era pressionado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Adele fala sobre dificuldade em amamentar e critica pressão


Reservada - principalmente quando se trata de seu filho, o pequeno Angelo, de 3 anos, -, a cantora Adele resolveu falar sobre as dificuldades que enfrentou no período de amamentação, durante um show em Londres, na última semana.
A artista contou que se sentiu muito mal com a situação. "Tudo o que eu queria era alimentá-lo e eu não consegui e me senti como 'se eu estivesse na selva agora, meu filho morreria porque meu leite acabou'", disse.
Adele ainda criticou a pressão exercida por algumas pessoas. "A pressão que colocam na gente é ridícula. Todas as pessoas que nos pressionam por isso, devem ir se f***, certo? Porque é muito difícil", falou. "Algumas de nós simplesmente não conseguem. Eu lutei com meus seios por nove semanas e não pude mais", completou, desabafando.

Fonte: Portal A Tarde

Para refletir sobre os nossos conceitos

Da página do Facebook 'PAPO RETO'

Vejam a lista dos aniversariantes da semana

Hoje (27 de março)
Elizabeth Mitchell (46)

Fergie (41)

Renato Russo (1960-1996)

Tony Banks (71)

Xuxa Meneghel (53)
Segunda-Feira (28 de março)
Diane Wiest (68)

Juliana Paiva (23)

Lady Gaga (30)

Mônica Carvalho (45)

Polliana Aleixo (20)

Sérgio Loroza (49)

Sílvia Buarque (47)

Zizi Possi (60)
Terça-Feira (29 de março)
Astrud Gilberto (76)

Jorge Fernando (56)

La Toya Jackson (60)

Lima Duarte (86)

Pedro Bial (58)
Quarta-Feira (30 de março)
Anitta (23)

Celine Dión (48)

Eric Clapton (71)

MC Hammer (54)

Norah Jones (37)

Vera Zimmermann (52)
Quinta-Feira (31 de março)
Jessica Szohr (31)

Paula Lavigne (47)
Sexta-Feira (1º de abril)
Ana Maria Braga (67)

Asa Butterfield (19)

Astrid Fontenelle (55)

Jimmy Cliff (68)

Susan Boyle (55)

Vitor Belfort (39)
Sábado (02 de abril)
Linda Hunt (71)

Regis Danese (43)

Supla (50)

27 de março: Dia Mundial do Teatro

Parabéns para todos os atores desse meio

Luciana Gimenez ignora perfil polêmico em jornal britânico: 'Está tranquila'


Luciana Gimenez voltou a ser assunto na imprensa internacional, e de uma forma nada agradável para a ela. Num perfil publicado nesta quarta-feira, no tabloide britânico “Daily mail”, a apresentadora é chamada de “destruidora de lares” por, segundo a publicação, ter mantido um relacionamento com o astro Mick Jagger quando ele ainda era casado com a ex-modelo Jerry Hall.
O jornal afirma ainda que Luciana, hoje casada com o empresário Marcelo de Carvalho, conquistou fama “sem esforço ou talento, apenas com uma dose de descaramento”. Num trecho da reportagem, o veículo afirma que ela vive "num tríplex de R$ 20 milhões em uma das áreas mais exclusivas de São Paulo e tem quatro empregados à disposição, um apartamento de R$ 15 milhões em Nova York e uma casa de férias em uma ilha no Brasil".
Ela acompanhou toda a repercussão da sua mansão, em Nova York, nos EUA, onde passará o feriado com os filhos, Lucas e Lorenzo, e disse que não vai se manifestar publicamente sobre o assunto.
“Ela está tranquila. Com certeza, a própria biografia da Luciana, como excelente mãe, esposa, filha e mulher de destaque é, infinitamente, muito maior do que qualquer outra história que tente denegrir a sua imagem”, disse o representante da apresentadora.

Apresentadora já ganhou processo contra o jornal
Segundo o assessor de Luciana, a própria chegou a pedir que não fosse elaborado nenhum comunicado para ser enviado à imprensa em resposta ao perfil publicado no jornal britânico. Ainda não se sabe se Luciana pretende tomar medidas judiciais contra a publicação.
Vale lembrar que em 2012, o mesmo "Daily mail” foi processado pela apresentadora por publicar uma parte da biografia não-autorizada de Mick, escrita por Christopher Andersen, em que descrevia Luciana como “uma atriz pornô brasileira”, afirmando ainda que ela "teria ganho um bônus de Jagger" depois do nascimento do filho deles, Lucas, hoje com 16 anos.

Ela ganhou uma indenização da revista de 15 mil euros, o que equivalia, na época, R$ 42 mil reais. O jornal também foi obrigado a se retratar, negando todas as informações conferidas a Luciana na tal matéria.

Luciana e o atual marido, Marcelo de Carvalho

Brasileiros trocam ovos por barras de chocolate na 'Páscoa da crise'


O volume e a receita das vendas de ovos de chocolate na Páscoa têm caído desde 2013, segundo pesquisa inédita da Nielsen, consultoria especializada em hábitos de consumo. Daquele ano para 2015, houve queda de 24%, de 44,28 milhões de ovos para 33,43 milhões de unidades. Em valores, também houve queda. O declínio nesse intervalo foi de 13%, passando de 868,68 milhões de reais em 2013 para 753,84 milhões de reais em 2015.
A substituição de ovos por chocolates de outros tipos, mais baratos, tende a crescer com a acentuação da crise econômica. Para 2016, segundo dados da Nielsen, 75% dos domicílios brasileiros não têm a intenção de dar mais do que um presente na Páscoa. Entre os produtos mais populares, o chocolate ocupa a primeira posição, com 55% da preferência dos consumidores, seguido pelos ovos, com 43,2%.
Os ovos podem estar ficando em segundo plano, mas a pesquisa mostra que, quando considerados todos os tipos de chocolate, as vendas cresceram entre 2013 e 2015, tanto em volume quanto em faturamento. Isso reforça a tendência de substituição do tradicional ovo de Páscoa por outros tipos de chocolate.
"Vimos que o volume em unidade evoluiu principalmente em tabletes", diz a consultoria. "Tamanhos menores (até 200g) e com preços mais acessíveis também ganharam importância na última Páscoa, já que o consumidor está apertando seu bolso para ainda manter itens como esse em seu carrinho", acrescenta a empresa.

Varejo - O varejo deve ter uma Páscoa mais magra este ano, segundo projeção da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A entidade estima queda de 3,4% no volume vendido em relação a 2015. A CNC diz esperar que a data movimente 2,8 bilhões de reais em vendas em 2016. No ano anterior, o volume vendido já tinha recuado 1%. A Páscoa disputa com o Dia dos Namorados a quinta colocação no ranking de movimentação de vendas do varejo nacional.
Além do volume menor, a CNC espera preços ao consumidor mais elevados. Segundo a entidade, a Páscoa de 2016 deve ser a mais cara dos últimos treze anos, com alta média de 13,6% nos preços dos produtos.
O menor otimismo com relação às vendas fez os supermercados brasileiros reduzirem as encomendas de ovos de Páscoa, segundo dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Segundo pesquisa da entidade, o valor nominal da compra de ovos de Páscoa por parte dos varejistas feitas com os fornecedores caiu 7%.

Impostos - Levantamento do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) mostra que o ovo de chocolate é o terceiro item com maior carga tributária entre uma lista de produtos típicos da Páscoa, com taxa de 38,53%. Antes dele aparecem o vinho (54,73%) e o bacalhau (43,78%).
A taxa deve ficar ainda maior após o dia 1º de maio. Nessa data começa a vigorar um decreto do governo que altera a arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de produtos como cigarro, fumo, sorvete e também o chocolate.

Fonte: Veja

Por onde anda 'Samara Felippo', uma das atrizes que participou da novela Anjo Mau?


A atriz Samara Felippo nasceu em 6 de outubro de 1978 no Rio de Janeiro-RJ, e antes de ser atriz, prestava vestibular para Ciência da Computação, quando desistiu disso após ter obtido vaga na Oficina de Atores da Rede Globo.
Anjo Mau, de 1997, foi a novela que marcou a estréia da atriz na televisão, interpretando a personagem Simone, que recebeu esse nome em homenagem à personagem da primeira versão do folhetim Selva de Pedra (1972) interpretada pela atriz Regina Duarte. Em seguida, participou da 4ª temporada da novela juvenil Malhação. Teve trabalhos memoráveis como a lutadora e feminista Greta Bazaróv, de Da Cor do Pecado (2004), Wanda Carvalho de O Profeta (2006), e seu último papel em folhetins, a vilã Simone, de Sete Pecados (2007).
Ela integrou recentemente a novela bíblica Os Dez Mandamentos (2015) como Joquebede, a mãe de Moisés.
A atriz morou com o jogador de basquete Leandrinho e com ele teve duas filhas: Alícia, nascida em 25 de junho de 2009 e Lara, em 25 de maio de 2013. Na relação dos dois ao longo do tempo que conviveram juntos, eles deram um tempo e se reconciliaram, terminando de vez em setembro de 2013. Ela é colunista do portal Basketeria, no qual fala sobre os bastidores do mundo do basquete.

Samara na 1ª fase da personagem Joquebede da novela bíblica Os Dez Mandamentos
Samara nos bastidores da peça Orgulhosa Demais, Frágil Demais, na qual interpretava a grande estrela de Hollywood, Marilyn Monroe
Foto quando interpretou sua primeira vilã na 6ª temporada de Malhaçao, Erica Schmidt
Samara em foto como Simone Garcia, personagem da novela Anjo Mau (1997)
Samara em cena como a vilã Simone, de Sete Pecados (2007)
Samara caracterizada como a brava lutadora e feminista Greta Bazaróv para a novela Da Cor do Pecado
Celina, de Chocolate com Pimenta
Em cena como Wanda, da novela O Profeta, sua segunda vilã