terça-feira, 26 de abril de 2016

Dance Mania - Mason Vs Princess Superstar: Perfect (Exceeder)

O mashup da música Exceeder, de Mason, com os vocais de Perfect, da cantora Princess Superstar, deu muito certo, virando até uma música chiclete para alguns fãs de música eletrônica. Perfect (Exceeder) caiu em diversos álbuns aqui no Brasil e integrou o álbum Clubbers Guide 2007 da Ministry Of Sound.
Álbuns Brasileiros: Club Mix (Radio Mix FM), Na Balada 13 (Jovem Pan), Summer Eletrohits 4 (Som Livre - TVZ), Superpop (RedeTv!)

Após rumores de que estaria doente, Angelina Jolie é fotografada em Londres, veja as fotos!

Estrelando.com.br - Angelina Jolie está causando muita polêmica por conta de seu peso. Depois de ser diversas vezes questionada sobre o assunto, ela apareceu, aparentemente mais magra, em Londres, na Inglaterra.
Recentemente a atriz se envolveu em alguns rumores de que estava pesando cerca de 35 quilos e sofrendo de anorexia. Na época, especialistas até arriscam afirmar que Angelina Jolie estaria sofrendo com um câncer, o que deixaria sua aparência ainda mais magra.
Os cliques da bela foram feitos na segunda-feira, dia 25, em que ela usando um vestido todo cinza, enquanto ela estava saindo de um jantar com o político William Hague.
Confira a seguir alguns cliques de como foi a sua noite!



Veja 1ª foto de Antônio, filho de Paloma Duarte e Bruno Ferrari:'Sou muito gato'


Paloma Duarte deu à luz seu terceiro filho, Antônio, conforme adiantou oPurepeople em primeira mão. Na manhã desta terça-feira (26), a atriz que -exibiu o barrigão na reta final da gravidez - mostrou o rosto do bebê, fruto de sua relação com Bruno Ferrari, com uma foto no Instagram.
"Para acalmar o telefone da 'mamys', aviso que cheguei! E como sou muito gato, já nasci no agito, então vamos esclarecer: sexta passada, dia 22, nasci. Domingueira de manhã já estava em casa derretendo minhas irmãs. Agradecemos todos os e-mails e recados!", escreveu a atriz, que ainda completou a postagem com as hashtags "paz", "amor", "tudo lindo", "amor maior" e "plenitude".
Os fãs da artista, que faz pausa na carreira após não renovar com a Record, encheram a foto de comentários carinhosos. "Coisa mais fofa, Paloma! Parabéns! Felicidades sempre!", escreveu uma seguidora. "Lindo esse príncipe! Linda esta família! Que Deus abençoe vocês", comentou outra. "Bem-vindo, Antônio! Parabéns, Paloma, mais um filhote lindo!", parabenizou uma terceira. "Realmente é um principezinho!", elogiou mais uma internauta. "Lindo e gordinho", escreveu outra fã.
Aos 38 anos, Paloma já é mãe de Maria Luiza, de 20 anos, e Ana Clara, de 18. Recentemente, ela publicou orgulhosa fotos em que a filha mais velha aparece sexy em um ensaio fotográfico.

Fonte: Rondônia Dinâmica

WALCYR CARRASCO BRIGA COM COLEGA DE 'ÊTA MUNDO BOM!' E PARCERIA DE SUCESSO CHEGA AO FIM


Depois da desavença envolvendo Benedito Ruy Barbosa e Edmara Barbosa, pai e filha, ambos autores da novela das nove "Velho Chico", que resultou na saída da autora da equipe, outra situação foi registrada, desta vez nos bastidores da novela das seis, "Êta Mundo Bom!".
Parceira do autor Walcyr Carrasco no sucesso "Verdades Secretas", a coautora Maria Elisa Berredo se afastou da equipe da novela das seis. Tudo ocorreu em função de uma briga entre ela e Carrasco, o que levou a Globo a dispensá-la de "Êta Mundo Bom!". A exemplo do ocorrido em "Velho Chico", a emissora confirma mais esse fato afirmando em nota que "Divergências acontecem quando se trabalha em grupo". 
O nome de Maria Elisa Berredo já não aparece mais nos créditos da novela. Antes, a TV Globo destacava na abertura que a trama era escrita pela dupla. Também foi alterada a equipe de colaboradores da atração. Com a saída de Claudia Tajes e Daniel Berlinsky, entraram Nelson Nadotti e Vinicius Vianna. Apesar de tantas mudanças, a audiência da novela não foi afetada, e "Êta Mundo Mundo!" continua sendo o maior sucesso do horário nos últimos anos

Walcyr Carrasco afirmou à direção que a colega estava dando palpites desnecessários à trama, colocando regras em um território em que ele domina com maestria, que é o das novelas das 18 horas. A coautora tinha autonomia para mexer no texto de Carrasco, mas ele não gostou, diferente do que ocorreu em "Verdades Secretas", onde todas as alterações de Berredo foram aceitas com tranquilidade. A troca de colaboradores também teve o dedo de Maria Elisa, que propôs a saída de Claudia Tajes e Daniel Berlinsky. Após esse episódio Carrasco concluiu que o problema era a colega e resolveu pedir sua dispensa da trama. 

"Êta Mundo Bom!" com audiência de novela das 9
A novela é considerada uma das maiores audiências do horário com números equivalentes a uma trama feita para o horário das 9. A Globo passou por um período de crise em relação ao Ibope de suas novelas há poucos meses, mas tramas como essa, que conta a história do inocente Candinho; e a novela das 7, "Totalmente Demais", devolveram o domínio da teledramaturgia à emissora.
Mesmo em uma boa fase para o canal, a novela "Velho Chico" não registra a audiência esperada para o horário e corre riscos ao se confrontar com a novela bíblica da Record, "Os Dez Mandamentos".

Fonte: Blasting News

O canadense que descobriu ser intersexual ao ganhar barba e menstruar aos 12 anos


"Eu tinha 12 anos quando a ficha finalmente caiu: minha barba começou a crescer e tive minha primeira menstruação. Foi algo realmente confuso para mim. Meus pais estavam um pouco assustados. Levaram-me para alguns médicos, mas ninguém na pequena cidade do Canadá em que vivia sabia o que era ser intersexual. Um médico disse que 'era melhor colocá-la em um sanatório até que ela aprenda a se vestir como uma menina e usar maquiagem'.


Isso ocorreu aos 12 anos, em uma época que mesmo meninas são forçadas a fazer isso. Felizmente, meus pais ficaram ultrajados e me disseram: 'Não vamos fazer isso. Vamos apenas amar você e você escolha como quer ser'. Isso foi um presente. Muitas crianças intersexuais não têm isso.
Bullying.
Minha família inteira foi muito afetuosa. Eu tinha muita vitalidade, era engraçado e eu divertia as pessoas com minhas imitações de Elvis Presley. Minha família aceitou-me muito bem - a escola e a sociedade é que foram duras comigo.
Assim que pude usar calça comprida o tempo todo, comecei a fazê-lo. Era bem difícil naquela época para uma menina usar calças compridas. Senti-me sob pressão para tomar hormônios femininos, apesar de eu querer ser mais masculino - queria ser menino.


Implicavam comigo na escola. Eu tentava passar despercebida, não arrumar em problemas. Mas quando você tem um corpo como o meu, isso é problemático. As pessoas se incomodam. Tive problemas porque gostava de uma garota, e ela gostava de mim também. Tudo deu muito errado porque eu não era realmente um menino. Me chamavam de lésbica, sapatão. As outras crianças gritavam para mim 'você é doente' e, na sala de aula, recebia bilhetinhos sugerindo que cometesse suicídio.
Vivíamos em uma base militar no leste do Canadá, porque meu pai estava no Exército. A escola era enorme, meu pai se preocupava porque eu sofria bullying constantemente. Sendo assim, ele se aposentou mais cedo, perdendo parte de sua pensão, e a gente se mudou para Cape Breton, uma ilha na região de Nova Scotia. Mas isso foi ainda mais opressor, porque era muito isolado, e as pessoas ainda mais ignorantes.


Quando terminei meus estudos, em 1978, sofri para arrumar um emprego. Mudei-me para Toronto e me apresentei como uma espécie de lésbica masculina. Era uma forma de formar uma comunidade, encontrar apoio e me sentir aceita. Eu não conhecia outras pessoas intersexuais - sequer conhecia essa palavra na época.
A vida não era fácil. Sofria ameaças diariamente na rua. Jogavam coisas em mim. Alguém tentou me empurrar na frente de um bonde. Em uma manifestação de orgulho gay, homens gay ameaçaram baixar minhas calças.


Lésbicas masculinas são alvo de muito ódio até hoje. Uma das razões pelas quais eu me comporto mais como homem hoje é porque eu não quero mais lidar psicologicamente com a violência e as expressões de ódio.
Mas quando minhas peças de teatro foram produzidas, meu nome ficou mais respeitado na comunidade.
Nos anos 90, cuidei de amigos que estavam morrendo de Aids. Foi um tempo louco e ocupado. Eu não queria que as pessoas soubessem que eu tinha uma barba, mas não tinha tempo para me barbear. A barba começou a crescer e meus amigos disseram que eu deveria deixá-la crescer. Depois que eles morreram, fiz justamente isso, em homenagem a como eles me aceitaram.


Mas isso novamente me colocou em maus lençóis. Nos bares lésbicos, a barba não era bem vista. Mulheres me perguntavam: 'O que você está fazendo aqui'?. Eu dizia apenas que era lésbica também, e que 'algumas de nós usam barba'.
Só foi em meados dos anos 90 que fiquei sabendo o que era intersexo. Alguém que conhecia há anos perguntou se eu não poderia ser intersexual, e eu acabei indo procurar o termo na internet, além de fazer pesquisas intensas. 'É isso mesmo que sou'.
Lembrei-me de coisas que minha mãe me contou dos tempos em que estava grávida comigo. Ela tomava um remédio chamado Progestin, que minha pesquisa revelou causar a intersexualidade em bebês. Acho que isso foi o que aconteceu comigo.
Em meados da década de 1990, mudei meu nome para Alec. Tanto eu quando minha parceira saímos do armário como transgênero - de amantes lésbicas, viramos irmãos! Foi um choque para a comunidade. Eu já era extremamente masculina, então só precisei mesmo mudar meu nome. Gosto do meu corpo como ele é, não tenho qualquer desejo de mudá-lo. Eu gosto de ter seios. Mas é difícil começar um relacionamento, porque tudo é muito diferente.


É problemático para as pessoas entenderem o conceito da intersexualidade. E as pessoas intersexuais têm problemas. Se elas passaram por alterações cirúrgicas, são aconselhadas a ocultá-las, e têm vergonha. Muitas pessoas escolhem um gênero ou outro. Talvez seja mais fácil viver assim.
Mas agora há alianças sendo feitas entre pessoas não-binárias e intersexuais. E isso é muito importante para os intersexuais - a cirurgia já não é mais tão importante, pois pais perceberam que é sua própria ansiedade que eles estão tentando sanar quando escolhem um ou outro gênero para suas filhas. As crianças normalmente estão OK com isso. Eu não via problema em ser confundido com menino ou menina - era divertido enganar as pessoas às vezes.
Estudo cultura aborígene na Universidade de Toronto. Nas comunidades indígenas do Canadá antes da colonização pessoas transgênero eram vistas com duplamente abençoadas porque possuíam o espírito masculino e feminino. Eram extremamente importantes e recebiam funções especiais em cerimônias.


Eu tomo testosterona. Não para parecer mais masculino, mas por uma razão de saúde: eu ainda menstruo, apesar de meu médico ter dito que eu já deveria estar na menopausa. Mas não estou, e as menstruações são fisicamente muito duras para mim.
É maravilhoso que haja um número crescente de jovens canadenses se identificando como não-binários. Gostaria que isso tivesse acontecido há 40 anos, pois eu teria tido uma vida menos traumática. Mas esse novo movimento me deu muita confiança. Agora eu gosto de sair. Antes eu não fazia isso muito, porque as pessoas até beliscavam os meus seios para ver se eram reais."

Fonte: BBC

Veja como está Chernobyl, 30 anos após pior acidente nuclear da história


O fotógrafo polonês Jerzy Wierzbicki visitou o local, acompanhado por dois guias - ambos antigos empregados da usina.
A explosão causou um incêndio que durou 10 dias e lançou imensas quantidades de material radioativo no meio ambiente da região, bem como por extensas áreas da Europa, especialmente Ucrânia, Belarus e Rússia. A área em volta da usina foi evacuada, e a zona de exclusão, que se estende por um raio de 30 km, é patrulhada por policiais armados com fuzis AK-47.
Na verdade, a região nunca foi totalmente evacuada. As regras de exclusão variam de acordo com os níveis de radiação. A usina, fechada em 2000, não tem residentes oficiais. Trabalhadores envolvidos na desativação da usina e na descontaminação da área têm permissão para morar na cidade de Chernobyl, a uma distância de 15 km da usina, mas ainda assim há um limite para o número de semanas consecutivas que podem passar no local.
Um pouco mais longe, Ivan e Maria Semeniuk estão jantando em sua casa, no vilarejo de Parishev, a 20 km da usina. Quando houve o acidente, eles foram evacuados, e as autoridades disseram que poderiam voltar três dias depois.

Ivan e Maria
Mas o casal desconfiou do prazo. Colocou alguns pertences em seu velho carro e dirigiu para outro vilarejo, Borodianka. Lá, foram lavados com água fria pela polícia militar e Ivan foi informado que passaria a trabalhar como operário na construção civil.
Dois anos mais tarde, ele e Maria voltaram a Parishev e lá ficaram desde então, apesar de estarem dentro da zona de exclusão. O vilarejo e a floresta em volta têm alguns outros moradores, mas a área é majoritariamente vazia.
Visitantes à zona de exclusão podem medir mudanças nos níveis de radiação com um dosímetro. Na casa de Ivan e Maria, 30 anos depois, a leitura é bem baixa, aquém do limite da leitura de exposição a radiação considerada perigosa.
A média dos níveis de radiação na zona de exclusão varia entre 0,9 microsieverts por hora e 2,5 microsieverts nas áreas mais próximas à usina. Em áreas onde grandes leituras são registradas, como os 214,2 microsieverts da foto acima, é perigoso mesmo permanecer no local por alguns minutos.
O dosímetro registrou essa leitura perto da cidade de Pripyat, hoje abandonada, próximo a equipamento usado nas operações de emergência em 1986.



Entre os detritos estão a maioria dos veículos e máquinas que participaram dos esforços de contenção do acidente nuclear no Reator 4.
Pripyat é uma cidade fantasma, a 4 km da usina. Construída em 1970 especialmente para funcionários e suas famílias, ainda nos tempos em que a Ucrânia ainda era parte da extinta União Soviética. Tinha capacidade para 50 mil pessoas. Os residentes foram evacuados em uma operação maciça, 36 horas depois da explosão.


O teto da casamata do Reator 4 explodiu por volta de 01h30 da manhã em 26 de abril de 1986 e Pripyat permanece do jeito que estava. O consultório médico, no Centro Médico 26, completo com vidros de remédios e vacinas, está deserto.
No jardim de infância Pequeno Urso, carteiras e cadeiras estão amontoadas e brinquedos abandonados jazem cobertos de poeira.
Antes da evacuação, residentes não tinham sido informados do desastre nuclear. No total, 116 mil pessoas tiveram que deixar Pripyat às pressas.

Retrato de Lênin num ap em Pripyat
No chão de um dos apartamentos há uma foto em preto e branco do ex-líder soviético Vladimir Lênin. É outro sinal de um mundo que desapareceu décadas atrás.
Pripyat era uma típica cidade soviética, repleta de edifícios de concreto uniformes, pouca vegetação e estradas ruins. A foto acima é a visão do 15º andar do mais alto conjunto habitacional.

Sem pessoas, a floresta vizinha gradativamente invadiu as ruas e o espaço entre os edifícios. Os únicos moradores agora são animais selvagens, cujos números cresceram dramaticamente. Observadores falam do retorno de espécies que eram consideradas extintas.
Uma grande instalação militar foi construída na região, como parte dos esforços de proteção da usina. Seu símbolo é a antena de radar Duga-3. Mas a base foi fechada três anos após o acidente.

Floresta invadiu ruas da cidade fantasma
Coletar objetos na zona de exclusão é expressamente proibido, em especial as máscaras de gás usadas pelos trabalhadores conhecidos como liquidatários - que trabalharam nas operações de resgate. Estima-se que 600 mil pessoas foram recrutadas para ajudar a apagar o incêndio e limpar a área.

Base militar foi desativada
De acordo com um relatório da Organização Mundial de Saúde publicado em 2005, 4 mil pessoas morreram em decorrência do acidente. O governo ucraniano estima que apenas 5% dos membros de equipes de resgate e limpeza ainda vivos estão saudáveis.
Pessoas trabalhando na usina precisam ser checadas regularmente em estações de medição de radiação. E não têm permissão para por coisa alguma no chão.

É proibido pegar objetos da cidade fantasma
O Reator Quatro encontra-se coberto por um "sarcófago" feito de concreto e aço, que se encontra em estado ruim. Um consórcio internacional espera substituí-lo no ano que vem.
Quando o novo domo, orçado em US$ 2,2 bilhões, for instalado, terão início os trabalhos de remoção da antiga estrutura e de entulho.

Fonte: BBC

Adélia diz que vai entrar na Justiça por ofensas racistas em redes sociais

A ex-BBB Adélia é a nova vítima de racismo nas redes sociais com comentários preconceituoso. As contas da advogada no Instagram e no Facebook tem sido alvo de ataques de internautas. Em entrevista ao site 'Ego', a artista contou que está reunindo provas para entrar na Justiça e buscar os culpados pelos crimes digitais.


"Racismo sempre existiu, mas pra mim não era algo tão presente, acontecia de vez em quando. Agora, depois que fiquei famosa, toda foto que eu posto tem pelo menos dez comentários racistas. Me chamam de macaca, me mandam voltar pra selva, me oferecem banana", contou a ex-BBB.
Adélia diz ainda que está juntando provas para entrar na Justiça contra as pessoas que a ofenderam. "Não tomei providência antes porque minha vida estava muito corrida, mas estou juntando provas e vou entrar na Justiça. Eu sou advogada e isso é mais um motivo para eu não deixar em branco. Estou indignada. Sou vítima igual a Maju, a Taís Araújo e a Cris Viana, e tantos outros", desabafou.

Fonte: Correio da Bahia

Ator de 'Velho Chico' tem AVC durante gravações e entra em coma profundo


Estrelando o personagem padre Romão na novela 'Velho Chico', o ator Umberto Magnani, de 75 anos, passou mal durante as gravações da trama na segunda-feira (25). De acordo com informações do site 'Ego', o artista sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e foi internado no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, onde segue em coma profundo.
"Ele passou mal e teve uma parada cardíaca. Ele passou por uma cirurgia de seis horas. O médico deu 48 horas para ele acordar. Agora é só orar. A gente se apega a Deus, mas é muito difícil ele sair e não ter sequelas", explicou a filha do ator, a jovem Ana Julia, contando ainda que seu irmão, Beto Magnani, está acompanhando o pai no hospital.
A TV Globo anunciou a substituição do padre Romão por conta da internação do Magnani. Um novo ator chega à trama.

Fonte: Correio da Bahia

Nova novela global terá como abertura uma música de Ivete Sangalo


A novela substituta de Totalmente Demais já tem nome: Haja Coração, uma releitura de Sassaricando (1987), porém não é um remake, pois a novela poderá ter alguns núcleos alterados. Enfim, a TV Globo disse que a abertura da novela ficará por conta de Ivete Sangalo, com a música O Farol, composta por Ramon Cruz. Uma música bem envolvente e muito bem produzida:


Haja Coração, segundo o diretor da trama, Fred Mayrink, a trilha sonora da novela será bem diversa, tendo música pop, rock, samba, MPB e muito mais.
No elenco, terá Mariana Ximenes, Tatá Werneck, Ellen Roche, Leopoldo Pacheco, Jayme Matarazzo, Hilda Rebello, Chandelly Braz, Malu Mader, Marcelo Medici, Luiza Possi, Cláudia Jimenez, Marcello Melo Jr e Maria Clara Gueiros.
O autor é Daniel Ortiz.

Alexandre Frota defende casal que levou 'cusparada' de José de Abreu em vídeo: "Atitude covarde e medíocre"


José de Abreu, petista fanático, gerou muita polêmica quando, num restaurante, cuspiu na cara de um casal que veio provocá-lo. O vídeo da discussão do ator com os clientes do estabelecimento circula na internet desde sexta-feira (22), e por isso justificou esse ato tão baixo nível: "Estavam nos xingando de safados. Minha mulher, percebendo que eu ainda não tinha ouvido, tentou evitar que eu escutasse. O cara ao lado começou a me chamar de ladrão e a chamar minha mulher de vagabunda."
Ainda segundo José, o casal afirmou que para ele era fácil roubar o dinheiro do povo e gastar num restaurante japonês, o que foi negado por ele mesmo.
Agora, quem comprou a briga e tomou partido do casal foi o ator SBTista Alexandre Frota, que postou um vídeo em seu Facebook comentado a atitude do ator e o desafiou a fazer o mesmo com ele. Leia um resumo:
"Vou mandar um recado para esse grande ator, José de Abreu (...), um homem que não passa necessidade como o (a maioria do) povo brasileiro. Zé, foi muito feio. Você cuspiu na cara de um pai e de uma mãe de família(...) e ainda foi ironizar o casal no Twitter. Nós sabemos que você é petista, que luta pelo governo de Dilma Rousseff e Lula, que você é comunista e que mama nas tetas do governo... até aí tá tudo certo. Estou louco pra encontrar contigo, e vou te dar a cara pra você cuspir. Duvido você cuspir. E tomara que você cuspa. Estou rezando pra você cuspir, tá bom? Cuspir na cara foi uma atitude covarde, medíocre e baixa (...) e esse ato foi vagabundo, pois você é um grande ator.".


Se chegarmos à uma conclusão, analisaremos que nem o ator está certo em ter feito o que fez, e muito menos o casal que foi até a mesa dele para provocá-lo. Uma ação (casal) gerou uma reação (José). Se o casal ficasse calado, não levaria cuspe.
Já o Alexandre deveria ter ficado quieto ao invés de procurar se aparecer pra tentar voltar aos holofotes, ainda mais comprando uma briga que não tem nada a ver com ele e que ele não sabe como começou. Se ficasse quieto, ganharia mais.