quinta-feira, 23 de junho de 2016

'Se ela não engravidar, quem vai engravidar sou eu', diz Daniela Mercury sobre Malu Verçosa

A cantora Daniela Mercury esteve presente com a esposa Malu Verçosa na festa do 27° Prêmio da Música Brasileira, na noite desta quarta-feira (22), no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em entrevista ao portal Ego, durante a passagem pelo tapete vermelho, Daniela revelou que deseja aumentar a família.
"A vontade é grande. Não descarto isso, de engravidar ou da Malu engravidar por nós. A imprensa não me viu grávida, né? Mas cá entre nós, é mais fácil a Malu engravidar. Aliás, é uma boa ameaça. Se ela não engravidar, então quem vai engravidar sou eu", brincou a cantora baiana.


Bem humorada, Malu entrou na brincadeira. "Ela me ameaça, se você não engravidar eu engravido. Quer muito ter uma filha ou filho que venha da minha barriga. Ela é louca, né?", disse.
A jornalista comentou ainda sobre a última adoção que a família fez. "Acabamos de finalizar o processo de adoção da mais velha. Ela tem 18 anos e está toda feliz", afirmou a jornalista.
Malu e Daniela têm três filhas adotadas: Marcia, 18 anos, Ana Alice, 14 anos, e Ana Izabel, 6. Daniela ainda tem outros dois filhos de seu primeiro casamento, Gabriel e Giovana.

Fonte: Correio da Bahia

Maria Rita contrai caxumba e cancela shows em Portugal


Com caxumba, a cantora Maria Rita cancelou os shows que faria em Portugal neste fim de semana. A cantora apresentaria a turnê Voz:Piano nesta sexta e sábado (24 e 25 de junho) nas cidades de Cascais (durante o Festival Cascais Groove' 16) e Coimbra (no Convento de São Francisco), respectivamente.
"A artista contraiu caxumba, doença potencialmente contagiosa, ficando impossibilitada de viajar e se apresentar nas datas internacionais programadas inicialmente", diz comunicado publicado no perfil oficial da cantora no Facebook. "Por recomendação médica, Maria Rita está de repouso absoluto e lamenta profundamente não poder estar com seus fãs."
Devido à doença, a cantora também teve que adiar o coquetel de lançamento de seu novo álbum, O Samba em Mim, no Rio de Janeiro. O evento, marcado para o dia 28, agora será realizado em 5 de julho.

Fonte: Veja

Cunha pode pegar até 55 anos de prisão

Eduardo Cunha responde a dois processos
Crime eleitoral de falsidade ideológica. Evasão de divisas. Lavagem de dinheiro (2X). Corrupção passiva (2x). As suspeitas que recaem sobre Eduardo Cunha (PMDB-RJ) podem render uma pena alta ao deputado. A condenação pode chegar a, no máximo, 55 anos de reclusão. Fora a multa. Mas como é réu primário, ele passaria do regime fechado para o semiaberto em 9 anos e 2 meses. Isso no caso de o peemedebista receber a condenação máxima.
Presidente afastado da Câmara dos Deputados, Cunha virou réu nesta quarta-feira (22), pela segunda vez, em uma ação penal no STF (Supremo Tribunal Federal). Os ministros decidiram, por unanimidade, que há indícios suficientes para julgar o parlamentar por lavagem de dinheiro, corrupção passiva, crime eleitoral de falsidade ideológica e evasão de divisas.
Cunha é acusado de manter contas secretas na Suíça abastecidas por dinheiro desviado do esquema de corrupção da Petrobras. A mulher de Cunha, a jornalista Claudia Cruz, e a filha do casal, Danielle, também são investigadas nesse processo, mas os autos foram enviados na semana passada para o juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba. Na sessão de hoje, os ministros também decidiram, por 9 votos a 2, pela manutenção do processo de Claudia e Danielle no Paraná.
A corrupção passiva se caracteriza quando a pessoa é ocupante de um cargo público e alguém oferece vantagem com o objetivo de se beneficiar. A pena é de 2 a 12 anos de reclusão mais multa.
O crime de lavagem de dinheiro ocorre quando se oculta a natureza de um dinheiro adquirido de forma ilícita, segundo a lei 9.613/1998. A pena é reclusão de 3 a 10 anos, mais multa.
A evasão de divisas é o crime quando se enviam valores de contas bancárias brasileiras para outro País sem declarar à Receita Federal.
Já a omissão ou declaração falsa em documento eleitoral é quando a pessoa omite algo relacionado à candidatura, previsto no artigo 350 do Código Penal. A condenação é de até cinco anos mais multa.
Pelos quatro crimes, se condenado, Cunha pode pegar de 8 a 33 anos prisão, mais a multa.
Só que Cunha também é réu em outra ação penal, aceita pelo STF em 3 de março passado, também por unanimidade, por suspeita de receber ao menos US$ 5 milhões em propinas referentes a dois contratos de navios-sonda da Petrobras em 2006 e 2007.

Nesta ação ele é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, podendo pegar pena de 5 a 22 anos de reclusão, mais a multa. No máximo, portanto, a reclusão pode chegar a 55 anos.
Mas o parlamentar, que é réu primário, pode se beneficiar em relação à durabilidade da pena, de acordo com a advogada Marcela Maria Furst. E se fechar um acordo de delação premiada, a pena pode ficar ainda menor.
— A pena soma algumas decorrências do crime, mas pode diminuir por causa dos atenuantes, como idade [menor que 21 anos e maior que 70], se se arrependeu, se é réu primário etc. Um recurso muito usado nestes casos é o da delação premiada, que é uma forma de ele diminuir a pena culpando outro por meio de uma confissão. O atenuante é da pessoa, não do crime.
De acordo com a advogada, no caso do Cunha, pesa bastante o fato de ele ter o foro privilegiado, que é um mecanismo que designa uma forma especial para julgar se determinadas autoridades.
De acordo com o especialista em direito penal Marco Aurélio Florêncio Filho, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, existe ainda a possibilidade de os dois processos serem reunidos e julgados de uma só vez. Mas isso só acontece “desde que os fatos guardem relação”.
A junção dos processos poderia alterar a dosimetria das penas. Contudo, o fato de o STF aceitar os dois processos separadamente indica que as duas ações devem correr também isoladas.
Na hipótese de ser condenado e receber a pena máxima, Cunha cumpriria 1/6 (um sexto) da pena, ou 9 anos e 2 meses, para progredir do regime fechado para o semiaberto.
Em razão da falta de vagas em colônias agrícolas e industriais, onde os presos podem trabalhar, o semiaberto no País costuma ser cumprido como se fosse o regime aberto: o apenado sai para trabalhar durante o dia e voltar para dormir na penitenciária.
Com mais nove anos e dois meses (1/6) de pena cumpridos, Cunha passaria do regime semiaberto para o aberto, trabalhando durante o dia e ficando recluso em casa à noite.

Fonte: R7

Rihanna não virá mais a América do Sul ainda este ano

Há alguns meses circulam dezenas de boatos de que Rihanna estaria com tudo certo para trazer sua aclamada turnê ‘Anti’ para a América do Sul, neste segundo semestre. A cantora, inclusive, faria mais de um show em território brasileiro.
Parece que era muito bom para ser verdade... De acordo com o portal Popload, RiRi não concretizou sua participação no Lollapalooza Colômbia, motivo principal que a traria para o continente sul-americano.
Com isso, promessas de mega-shows no Rio de Janeiro e em São Paulo voltam a tornar-se apenas sonhos para os milhões de fãs da popstar. Será que ano que vem ela aparece por aqui!?

Paris Jackson defende o pai, Michael, das acusações de abuso infantil

A filha de Michael Jackson, de 18 anos, entrou nas redes sociais para defender o pai após os documentos que revelaram o lado sombrio do cantor virem à tona, documentos esses que tinham fotos de crianças e adolescentes nus, tortura animal e sadomasoquismo.
“Infelizmente a notícias negativas e polêmicas sempre venderão. Peço que ignorem o lixo e os parasitas que fazem uma carreira tentando difamar meu pai. As pessoas puras são sempre diminuídas. Continuaremos provando que meu amado pai sempre foi e será inocente”, escreveu Paris no Instagram.


As acusações contra o cantor existem desde 2003, quando a polícia entrou na casa dele enquanto estava em Las Vegas, encontrando em seu quarto e em seu no banheiro, do Rancho Neverland, tais documentos citados acima.
Realmente, a fama e dinheiro são coisas que não servem para qualquer um, não é?