terça-feira, 30 de agosto de 2016

Pepê comemora crescimento de barriga da mulher, grávida de gêmeos


EGO - Pepê está cada vez mais empolgada com a gravidez de sua mulher, Thalyta Santos. A cantora e sua companheira, que está na 19ª semana de gestação, contaram ao EGO como está a expectativa para receber os gêmeos, João Gael e Enzo Fabiano. "Ela está realizando o meu maior sonho. Juntas, iremos construir uma família linda", declarou a irmã de Neném.
Thalyta também tem ficado muito feliz ao ver o desenvolvimento dos filhos. "Estávamos muito ansiosas para ver a barriga crescer e agora ela começou a ficar maior. Eles estão começando a se mexer muito e isso é uma alegria", comemorou a moça. Segundo ela, os fãs da dupla Pepê & Neném mandam muitas mensagens de carinho para elas e sempre pedem notícias das crianças.
"Eles não param de nos chamar nas redes sociais. Por isso, sempre posto foto. Estou até pretendendo abrir um canal no YouTube quando eles estiverem perto de nascer. Vou postar vídeos deles, da Pepê com eles e de momentos nossos para ajudar algumas futuras mamães que nos acompanham com dicas. Será bem legal", adiantou Thalyta.
Em conversa recente com o EGO, Pepê falou da emoção ao saber os sexos dos gêmeos e revelou os nomes escolhidos para os seus filhos com Thalyta Santos. "Estou muito feliz. Já escolhi até os nomes. Eles se chamarão Enzo Fabino e João Gael", contou Pepê, que se casou em junho de 2016, em São Paulo.
Segundo a cantora, sua esposa tem tido uma gravidez muito tranquila. "Ela tem passado bem e só sente um pouco de enjoo, que é normal. Eu é que estou mais nervosa. Acho que aflorou o sentimento de mãe em mim. Estou sentido que vou ficar assim até esses bebês nascerem. Mas tenho fé que vai dar tudo certo e realizarei meu sonho de ter filhos", confessou a artista, que lançou o clipe da música "Só Você não Vê", no dia 27 de agosto.

Piadas Engraçadas: 'Dividindo os problemas'

Pivô de separação entre William Bonner e Fátima Bernardes seria colega da Globo


O anúncio da separação de Fátima Bernardes e William Bonner caiu como uma bomba para o público, mas nos bastidores já se sabia que isso era só uma questão de tempo.
Muuuuuuita gente na Globo sabia que a situação do (ex) casal estava insustentável. Em março deste ano, este blog publicou que a produção da apresentadora estava preocupada, pois ela ficou doente após uma briga com o marido e ficou uns dias sem fazer o programa. 
Em 2012, já havia sinais de desgaste, conforme dito aqui, mas isso era assunto proibido na Globo e sempre negado pelo (ex) casal. Pouco antes de deixar o Jornal Nacional, Fátima foi à sala de um dos diretores para dizer que não aguentava mais fazer o telejornal ao lado de seu tenso marido...
Desde que começaram os rumores da crise, têm surgido comentários de que o pivô de tudo seria uma colega que trabalha na mesma emissora dos dois.
A proximidade de Bonner com essa mulher, que nem fica perto dele fisicamente (na hora do trabalho), serviu para acirrar mais ainda a desconfiança de Fátima. Não é de hoje que comentam isso nos corredores da Globo.
Outro motivo das brigas constantes do casal foi o alto faturamento de Fátima Bernardes, que passou a ganhar beeeeeem mais que Bonner (mais que o triplo) depois que saiu do jornalismo e foi para o comando do Encontro.
Além do salário ser maior, ela ganha também com publicidade.

Fonte: Fabíola Reipert

Ao Pé da Letra: Grávida de uma garota

Cassado em 1992, Collor diz que impeachment não é golpe

Primeiro presidente na história do país a sofrer um impeachment, o senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) subiu hoje (30) à tribuna do Senado para declarar que votará favorável ao impedimento da presidente afastada Dilma Rousseff.


Ao embasar seu voto, o ex-presidente aproveitou para provocar movimentos que, em 1992, pediram a sua condenação e hoje defendem o governo petista. "Faço minhas, hoje, as palavras de dois documentos daquele período", disse, citando primeiro uma nota assinada em 1º de julho de 1992, por várias entidades, entre elas Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Central Única dos Trabalhadores (CUT), CGT, União Nacional dos Estudantes (UNE) e Inesc.
"O primeiro (documento) diz: 'a constatação de que a crise que abala a nação não é, como se pretende insinuar, nem fantasiosa, nem orquestrada, porém, originada do próprio Poder Executivo, que se torna, assim, o único responsável pela ingovernabilidade que ele mesmo criou e que tenta transferir para outros setores da sociedade'. Como disse, faço minhas, hoje, as palavras acima", disse Collor.
Em seguida, o senador citou outra nota, também da época de seu impeachment, assinada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que diz: "O país não vive, como alardeiam setores mais radicais, qualquer clima de golpe até porque a nação não suporta mais tal prática. O que o povo brasileiro deseja, e tem manifestado seguidamente, é a decência e a firmeza traduzidas na transparência e probidade no trato da coisa pública".
No discurso, Collor lembrou detalhes do processo que sofreu em 1992, que culminou na sua condenação pelo Parlamento e afastamento da política por 14 anos - embora tenha sido absolvido posteriormente dos crimes pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Para ele, o que ocorreu há 24 anos foi uma injustiça, diferentemente do que ocorre hoje no Brasil. Na opinião dele, a presidente Dilma Rousseff infringiu a lei e provocou a própria derrocada. "Hoje, a situação é completamente diversa. Além de infração às normas orçamentárias e fiscais com textual previsão na Constituição como crime de responsabilidade, o governo afastado transformou sua gestão numa tragédia anunciada. É o desfecho típico de governo que faz da cegueira econômica o seu calvário e da surdez política, o seu cadafalso", afirmou.
O ex-presidente também rechaçou a ideia de que o que está ocorrendo no país seja um golpe institucional. Na opinião dele, o impeachment "é o remédio constitucional de urgência no presidencialismo quando o governo, além de cometer crime de responsabilidade, perde as rédeas do comando político e da direção econômica do país".

Fonte: Terra

Estado Islâmico pode ter enterrado mais de 15 mil corpos em fossas comuns

Foi denunciada a existência de mais de 70 fossas comuns feitas pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI, ex-Isis) entre o Iraque e a Síria. Calcula-se que as valas clandestinas contenham entre 5 mil e cerca de 15 mil corpos. 
Outras covas de vítimas das atrocidades devem ser encontradas conforme forças dos governos locais forem retomando controle do território, especialmente com os avanços em Mossul e Raqqa, dois redutos do grupo. 
Os dados foram levantados pela agência de notícias norte-americana "Associated Press" como resultado de ampla pesquisa de documentos oficiais, entrevistas exclusivas com sobreviventes e acesso a imagens do EI. 
Os números oferecem um panorama das ações do grupo, que tenta desde 2014 implementar um califado regido pela sharia, a lei islâmica, na região. Desde então, os jihadistas têm como alvo diversas minorias locais, como os yazidi. 
Das 72 sepulturas documentadas pela agência, a menor contém três corpos e acredita-se que a maior abrigue milhares, mas é impossível determinar o número exato até o momento.

Fonte: Jornal do Brasil

ONU critica proibição do uso do 'burkini' na França

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh) criticou a proibição que algumas cidades francesas impuseram ao uso do "burkini", traje de banho muçulmano que cobre o corpo inteiro, alegando que a medida é discriminatória. 
"Os decretos não melhoram a situação de segurança, pelo contrário, tendem a alimentar a intolerância religiosa e a estigmatização de pessoas de religião muçulmana na França, em particular das mulheres", apontou o organismo em comunicado. 
Ainda segundo a Acnudh, este tipo de medidas afetam de forma desproporcional as mulherese as jovens e "abalam sua autonomia ao negar sua aptidão para tomar decisões independentes sobre sua maneira de vestir".


A proibição da peça em ao menos 30 cidades francesas causou polêmica e foi manchete dos jornais de todo o mundo nos últimos dias. Os prefeitos das cidades francesas baniram o uso da peça alegando motivo de segurança, especialmente após uma série de ataques jihadistas terem deixado centenas de mortos em lugares como Paris e Nice. Além disso, para muitos políticos, a peça representa uma opressão das mulheres. Recentemente, o premier Manuel Valls disse ser a favor de uma lei nacional contra a peça. Na França já é proibido o uso do véu islâmico em instituições de ensino e repartições públicas. Na semana passada, o Conselho de Estado da França, a maior instância judicial administrativa do país, proibiu a cidade de Villeneuve-Loubet, nas proximidades de Nice, de vetar o uso do "burkini". Apesar de a decisão ser direcionada especificamente a cidade, e não ser de âmbito nacional, ela pode abrir um precedente legal no país.

Fonte: Jornal do Brasil

Para 87% dos brasileiros, país está no rumo errado, mas pessimismo diminui, diz pesquisa


A maioria esmagadora da população brasileira acha que o país não está no caminho certo, mas essa percepção já foi pior. É o que sugere uma pesquisa feita pela consultoria Ipsos.
De acordo com o levantamento, em agosto, 87% dos entrevistados disseram que o Brasil está no rumo errado, apenas dois pontos percentuais abaixo do registrado no mês anterior. No entanto, esse número chegou a 94% em março deste ano.
A pesquisa foi feita com 1.200 pessoas em 72 municípios, entre os dias 30 de julho e 9 de agosto. A margem de erro é de três pontos percentuais.
Para o diretor da Ipsos Public Affairs, Danilo Cersosimo, apesar de a opinião dos brasileiros permanecer muito negativa, há uma tendência de mudança "extremamente lenta". Ele avalia que o viés de melhora não está relacionado a uma boa avaliação de Michel Temer, e sim com o fim do processo de impeachment de Dilma Rousseff.
"Só o fato de ter ido a julgamento é uma espécie de resposta à instabilidade. A opinião pública de modo geral se sente aliviada pela instabilidade política estar sendo resolvida pelo processo de impeachment. É uma espécie de ponto final àquela crise", diz.
"Minha leitura é que pode ser um início de uma tímida e gradativa retomada de um rumo mais positivo. Está no insconsciente das pessoas que este ano está perdido, mas 2017 pode ser melhor."
Cersosismo acredita, porém, que se Dilma voltar ao cargo a instabilidade política regressará e o otimismo comedido poderá ser revertido.


Falta de impacto
A combinação das crises política e econômica com a falta de medidas marcantes do governo interino é a chave para entender o pessimismo sobre o rumo do país, afirma Cersosimo.
Segundo o diretor da Ipsos, Temer não deu um "choque de gestão" ou deixou uma "mensagem impactante" capaz de convencer os brasileiros. Os escândalos de corrupção em que se envolveram seus ministros no começo do mandato também afetaram a opinião dos brasileiros. Um dos homens mais fortes do governo interino, Romero Jucá deixou o Ministério do Planejamento em maio, horas após o jornal Folha de S. Paulo divulgar uma gravação em que ele sugere uma articulação para conter a Operação Lava Jato.
"(O governo dele) ficou sem cara. E tem o aspecto político, que pesa. É a sua transparência, o quanto ele está no meio do balaio dos outros corruptos. Temer não conseguiu se distanciar do principal problema (do governo) de Dilma, no entendimento do povo: a corrupção."


A reprovação ao presidente interino se manteve em 68% neste mês, mas o índice cresce quando o assunto é economia. De julho a agosto, a porcentagem de pessoas que desaprovam a atuação de Temer no combate à inflação passou de 56% para 61%. Sobre a reforma da previdência, 64% desaprovam a forma como o tema está sendo tratado - em julho, eram 54%.
Na área econômica, diz o diretor do Ipsos, "a mensagem do governo de colocar a casa em ordem não chegou à população".
"O mercado desde o início viu com bons olhos, mas as pessoas não perceberam isso de cara. Todas as ações que demandam médio e longo prazo tem que ser muitíssimo bem explicadas - e não foi o caso."
Em entrevistas recentes, o ministro da Fazenda de Temer, Henrique Meirelles, disse que espera apresentar ao Congresso nos próximos meses um projeto para alterar o sistema previdenciário. O ministro já anunciou uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que também será encaminhada ao Legislativo, para controlar o crescimento dos gastos públicos.
Nesse cenário, o governo federal manteve uma avalição estável. A parcela de pessoas que o consideram ruim ou péssimo ficou em 49%, contra 48% em julho; 8% o consideram bom ou ótimo.


'Resistência'
A avaliação de Dilma Rousseff, que presta depoimento nesta segunda-feira no Senado, não mudou muito. Afastada da Presidência desde maio, Dilma manteve os mesmos 71% de reprovação registrados em julho. Sua aprovação caiu dois pontos, de 25% para 23%.
O diretor da Ipsos explica que a estabilidade é natural, já que a petista está fora do poder. Longe do cargo, ela não recebe os ônus nem bônus das ações do governo.
Para ele, os 20% de aprovação da presidente afastada devem se manter, porque representariam um grupo mais à esquerda, ligado ao PT ou contrário ao processo de impeachment.
"Esse percentual reside nos núcleos onde PT, Lula e Dilma atuaram bem: pessoas de classes e escolaridade mais baixa, do Nordeste, ou aqueles que não apoiam o impeachment. O não apoio ao impeachment ao longo dos últimos meses ficou em torno desses 20% a 25%. É uma espécie de resistência. "

Fonte: BBC

"Não ouço minhas músicas", revela Marisa Monte


Três e meia da tarde era o horário marcado para a entrevista com Marisa Monte. Três e meia da tarde meu avião pousou no aeroporto Santos Dumont, no Rio, com duas horas de atraso. No caminho até o Leblon, onde seria o encontro, eu listava, aflita, as consequências da demora. Marisa estaria de péssimo humor, não teria tempo, nem estaria me esperando. Contrariando as expectativas, ao atravessar a porta do apartamento de seu assessor de imprensa, a cantora abriu um sorriso: “Nós nos conhecemos, não?”. Ufa! Sim. Essa seria nossa quarta conversa, mas o primeiro longo têté-à-têté de verdade. Uma oportunidade rara de papear sobre a vida com a cantora mais importante e discreta do país.
E lá estava ela, bem-humorada e à vontade, com um vestido delicado, lenço vermelho amarrado em volta do pescoço e meia de náilon preta, look superfeminino, contrastando com os sapatos masculinos que ela adora, pois considera os saltos finos “uma ameaça” às mulheres. Os cabelos cacheados estavam presos de forma displicente e, no rosto, o único traço de maquiagem era um batom vermelho, uma de suas marcas pessoais.
Marisa faz poucas aparições. Quando surge é para falar sobre um novo trabalho, e ela acaba de lançar o disco Coleção, o 11º em três décadas de carreira. Desde quando começou a cantar, foram milhões de discos vendidos, quatro prêmios Grammy e hits que nunca saem de moda. De intérprete, tornou-se compositora, produtora, aprendeu a tocar instrumentos, produziu documentários e realizou a parceria mais estrondosa da música pop nacional ao lançar, em 2002, os Tribalistas, com os amigos Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes.


Ao mesmo tempo que se abre no palco, fora dele Marisa tem uma vida reservada. Casou-se duas vezes, com o músico Pedro Bernardes, com quem teve Mano Wladimir, de 13 anos; e com o atual marido, o empresário Diogo Pires Gonçalves, pai de Helena, de 7. Sempre manteve a família longe dos holofotes. Nem os paparazzi conseguem capturar seu cotidiano. Marisa descreve sua rotina como intensa e produtiva, em que a música corre em paralelo a atividades como fazer tricô, crochê, costurar, cuidar do jardim e bater um bolo. Adepta de uma dieta saudável e de exercícios físicos, mudou pouquíssimo desde os anos 1980, mesmo prestes a completar 50 anos, em 1º de julho de 2017. A data não a assusta. Marisa espera, ansiosamente, completar 90. “Se Deus quiser, vou chegar lá!”

A seguir, confira os principais trechos da entrevista. Leia a matéria na íntegra na edição de setembro da revista que já está nas bancas.

Marie Claire Entre uma turnê e outra, você desaparece. O que faz quando está sumida?
MM Gravo discos, cuido do meu acervo, componho, estudo um novo instrumento. Também assisto a shows, ouço música dos outros. Preciso me nutrir: ver filmes, ler livros, bater papo, ir a uma exposição, viajar sem ser para trabalhar. Enfim, viver. Minha criação é reflexo disso.

MC Quando foi que você sentiu que ia viver de música?
MM Esse momento não existiu. Lembro que, com 13 anos, as pessoas diziam: “Ai, ela canta. Canta pra gente?”. E estão pedindo até hoje [risos]. Trabalho desde os 14, 15 anos. Desenhava minhas próprias roupas. Aos 16, tinha uma empresa. Criei uma bolsa de couro e todo mundo pediu uma igual. Passei a vendê-las e também brincos. Minhas mãos eram cheias de calos. Ao mesmo tempo, fazia música. Sempre achei que podia rea­lizar várias coisas. Até hoje, faço tricô, crochê, costuro. Podia trabalhar com moda. Sou boa empreendedora.

MC Você tem o costume de ouvir suas próprias músicas?
MM Muito pouco. Só a trabalho. Claro que, se estiver num lugar e tocar, ouço. Mas colocar meu disco para tocar, não. Se autoconsumir não faz muito sentido.


MC O que foi determinante para você ser quem é hoje?
MM Fazer teatro no colégio, aos 14 anos. Morar fora um ano, aos 18. Naquela época, não tinha internet, telefone celular. Estava sozinha mesmo, e isso é muito sério, porque precisava segurar a onda quando entrava numa roubada qualquer. Também os encontros com o Nelsinho [Motta], o Arnaldo [Antunes], o [Carlinhos] Brown, o Leo [empresário]. Tenho parceiros de muitos anos que conservo e, ao mesmo tempo, sigo ampliando minha rede. O fato de eu ser carioca e brasileira também é determinante para eu fazer esse tipo de música, uma forma de expressão artística muito forte na cidade.

MC O Nelson Motta, aliás, já disse que você é tímida. É verdade?
MM Algumas situações me deixam desconfortável, como todo mundo cantando “Parabéns pra Você” ou entrar num lugar e todos me olharem. Não tenho uma personalidade de estrela, que gosta de chamar atenção. Sou discreta. Acredito que sou invisível: entro nos lugares e ninguém me reconhece. Circulo muito, principalmente sozinha, e as pessoas realmente não me veem.
Mas no palco é diferente porque, para estar ali, eu me preparei.

MC Em 2017, você completa 50 anos. Dá um frio na barriga?
MM Nunca vivi nenhuma crise de idade. Quero ficar velha! Espero ansiosamente pelos 90. Perdi minhas duas avós com 90 e poucos anos. Se Deus quiser, vou chegar lá.

MC O que acha do ressurgimento do movimento feminista?
MM Não tenho dúvida de que as mulheres ainda têm muito espaço a conquistar. Assisti ao “State of the Union”, a declaração anual do presidente dos Estados Unidos, e havia muitas mulheres em torno de [Barack] Obama. Aqui, no Congresso Nacional, a presença feminina é ínfima. A falta de representatividade das mulheres no Legislativo faz com que as leis sejam feitas por homens e para os homens.

Fonte: Revista Maire Claire

Filha de Fafá de Belém recebe ameaças de morte nas redes sociais: 'Doente e covarde'

A cantora Mariana Belém, filha de Fafá de Belém, sofreu ameaça de morte nas redes sociais. Além dela, suas filhas Laura, de apenas 4 anos, e Júlia, de menos de um ano, também foram ameaçadas. 
Mariana fez um desabafo em uma rede social e mostrou estar assustada com a situação. "Uma pessoa está me ameaçando de morte e de estuprar a mim e minha filha. Por favor, denunciem o perfil como eu fiz. Obrigada", pediu ela, que recebeu pelo menos sete mensagens ofensivas e de ódio nos últimos dias.


A cantora contou também que denunciou o caso em uma delegacia de São Paulo na segunda-feira (29). "Acabei de sair do DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais). Boletim de Ocorrência feito e ordem de Justiça expedida. Agora é com a polícia e nada mais posso falar", explicou.
Em conversa com o site 'Ego', Mariana afirmou não ter medo das ameaças e disse estar bastante chateada com a situação. "Não tenho medo, tenho pena. A pessoa que escreveu isso é doente e covarde porque usa uma rede social para promover ódio, preconceito e homofobia. Eu recebi mensagens com palavras grotescas e extremamente ofensivas".
"Levei o caso para a polícia para que o autor da mensagem seja punido porque ele cometeu um crime. Espero que esta pessoa seja pega e pague por esse erro. Torço para que isso sirva de lição e para que as pessoas entendam que a Internet não é terra de ninguém. Cada um é responsável pelas suas atitudes. O inquérito já foi instaurado", contou ao 'Ego'.
Apesar de a conta do autor dos ataques ter sido suspensa no Twitter, a cantora mostrou-se determinada em resolver o problema. "O print é uma coisa maravilhosa, né? A conta pode cair que a gente segue tendo provas. Que vocês tenham um dia lindo e abençoado", escreveu Mariana em rede social.

Fonte: Correio da Bahia

Dance Mania: os maiores sucessos de Achim Jannsen

Achim Jannsen é seu nome verdadeiro. Nasceu na Alemanha e se tornou conhecido por produzir as músicas de Jan Wayne e por ser integrante dos grupos Belushi - da música Put Your Hands Up In The Air (Ohh Ohh Ohh Ohh) -; Grenada - da música Superstar -; e Unit 5 - da música Feel The Stars.

Eric Chase
Como Eric Chase, lançou a música If You Tolerate This, no final de 2009, dando-lhe destaque mundial. A canção fez parte de coletâneas brasileiras assinadas pela Building Records, entre elas os CDs Na Balada 2010 e Adrenalina 2011, sendo esta última mixada. Possui duas versões oficiais: Club Mix (6:49) e Original Mix (07:19).



O primeiro single foi um divisor de águas, dando-lhe a oportunidade de lançar, no ano seguinte, a música The Way It Is, remake do sucesso de mesmo nome lançado há 30 anos. Ele deu à este clássico uma roupagem mais dançante e viciante.
Presente nos álbuns Na Balada - Hits 2010 e Vibe 97 Vol 14.



Fez parceria com Chris Avantgarde e divulgou a canção What Do You Want em 2011.



Outros grupos
Achim trabalhou ao lado de Michael Simon e Mirko Von Schlieffen, criando com eles o grupo Unit 5, onde lançou dois singles: I Love You e Feel The Stars, ambos do ano de 2002. Este último caiu na coletânea As 7 Melhores 2003, da rádio Jovem Pan FM, distribuída pela Building Records.
O grupo não deu continuidade.



Com os mesmos DJs do Unit 5, foi criado o famoso Grenada, e juntos, com este nome, lançaram a música Superstar em 2002, com um ritmo dançante e com remixes de trance.
Em 2004, veio o single My First Love, o segundo e o último do grupo, que veio a se separar.
Presente no álbum Na Balada 6.





Ainda ao lado de Michael Simon, Achim criou o grupo Belushi com outro DJ, Holger Stolm, criando com eles a música Put Your Hands Up In The Air, trance de 2003, que ganhou remixes de Raccoon e de Pulsedriver e Bass-T. Não é muito conhecida no Brasil, integrando apenas o 12º CD da série Metro Tech, também de 2003.



Lista de outros grupos que Achim Jannsen já fez parte:

  • Velvet
  • Dance United
  • Gipico
  • Juice Orchestra
  • K-Club
  • Mental Ground Zero
  • Tube
  • Superstrip
  • The Master
  • Veona

Outros nomes usados por Achim

  • Discoking
  • House Pool
  • Jansen (o mais recente, lançando o single Staring At The Sun, de 2008, de pouco reconhecimento)

Dança dos Famosos: Lisandra Souto ganha sapato de presente em seu primeiro ensaio

Lisandra Souto chegou para ensaiar no Dança dos Famosos um pouco tímida. "Ai, meu Deus, que vergonha! Você vai tirar minha vergonha?", disse ela para o professor Marcus Lobo. Ele, veterano do quadro (foi par de Mariana Santos em 2015), tratou de deixar a atriz à vontade com um presentinho: lindos sapatinhos, que ela curtiu bastante!
"Estou com um sapatinho de cristal para me dar sorte. Vou usar em todas as coreografias. É lindo, amei!", agradeceu a morena. Ela, que vai usar as habilidades de modelo na sua dança - que você vai poder conferir no Domingão de 4/9 -, mostrou também expectativa pelas mudanças no corpo: "A gente vai emagrecer, né? Vou perder uns gramas (risos)".

Sapato que a atriz ganhou
Lisandra e seu coreógrafo

Chris Brown é acusado de usar uma arma para ameaçar mulher


Chris Brown se envolveu em mais uma polêmica e está sendo investigado pela Polícia após ser acusado de ameaçar uma mulher com uma arma. As informações são do site TMZ.
Segundo o site, o incidente aconteceu numa casa em Los Angeles, Estados Unidos, na manhã desta terça-feira, 30. A mulher estava junto com ele e, após uma discussão, ele teria apontado a arma para ela.
De acordo com a publicação, o cantor estava na casa com alguns amigos, incluindo o cantor Ray J. Estavam todos conversando quando, num momento, Ray estava fazendo uma tatuagem e algumas pessoas não convidadas apareceram na casa. Então as pessoas da casa disseram para essas 'visitas' irem embora.
Neste momento, começaram as discussões e uma das pessoas que foi convidada a ir embora, uma mulher, liga para a Polícia fazendo a acusação. Pessoas dentro da casa, porém, garantem que Chris estava dormindo o tempo todo.
Depois disso, Ray J saiu da casa dirigindo e a Polícia o parou, checou seus documentos e o liberou. Seu carro, porém, ficou como evidência e o cantor foi para casa de Uber.

Fonte: Portal A Tarde

Humorista Rodrigo Sant'Anna faz redução de bochechas


O ator e humorista global Rodrigo Sant'Anna passou por uma cirurgia ainda pouco comum: a bichectomia. O procedimento é nada menos que diminuir o tamanho das bochechas. A informação foi divulgada pelo jornal "Extra".
Ele, por sinal, já exibe a mudança no visual, como pode ser visto na imagem do antes e depois. Mas o humorista não está só: outros artistas, como Kim Kardashian e Mulher Filé, já passaram pela cirurgia.
O cirurgião Marco Cassol, ouvido pelo "Extra", afirma que "muitos homens procuram o consultório querendo melhorar a aparência após o emagrecimento" e as bochechas, claro, não passam despercebidas.

Fonte: Portal A Tarde

William Bonner teria saído de casa antes do anúncio da separação


Depois da surpresa pelo anúncio da separação de William Bonner e Fátima Bernardes, feito pelo Twitter, na noite de segunda-feira, começaram a surgir inúmeras teorias sobre o final da relação.
O colunista Leo Dias, do jornal O Dia, afirmou que Bonner teria saído da casa da família já na semana passada, para morar sozinho. Já Fátima segue morando com os filhos do casal, os trigêmeos Laura, Vinícius e Beatriz, em um condomínio na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O colunista afirma, ainda, que a crise que motivou a separação não teria sido primeira que o casal enfrentou, e que o jornalista já teria saído de casa antes.
A iniciativa de pedir a separação teria sido de William Bonner, segundo a revista Veja, que também publicou que a crise enfrentada pelo casal teria iniciado ainda no começo do ano.
A teoria de que o relacionamento não andava bem é reforçada ainda pelo site Glamurama, que publicou que Bonner teria mandado reformar um apartamento na Lagoa, no Rio de Janeiro, e que a mudança do jornalista teria sido feita ainda em junho. Na época, a assessoria de imprensa dele negou a separação.

Fonte: Diário Gaúcho

Luana Piovani leva 'puxão de orelha' do Detran SP


Luana Piovani levou um puxão de orelha do Detran SP nesta terça-feira, 30, por falta de segurança ao andar de carro com os filhos. Em um post no Facebook, a atriz aparece em um vídeo acompanhada dos filhos Dom, Liz e Bem, dentro de um veículo em movimento e logo depois começa a receber críticas de internautas, já que Bem estava sem cinto e os menores no colo dela e de uma babá.
No post do órgão que controla o trânsito em São Paulo, a atitude também foi questionada: "A Luana Piovani postou o vídeo abaixo comemorando o aniversário no carro com seus filhos. E olha só o resultado: um monte de gente começou a puxar a orelha dela. E por que? Simples e importantíssimo: as crianças não podem nunca ser transportadas no colo (exceto em táxis, ok?). Pra isso existem as cadeirinhas. Pros maiorzinhos (acima de 7 anos e meio), como ela, cinto de segurança, sempre, em qualquer um dos bancos do veículo. Copiou, Luana Piovani? Segurança é indispensável".
No próprio post de Luana, os internautas alertaram para o perigo. "Bebês no colo? Num veículo em movimento? ", escreveu um. "E eu aqui preocupada do perigo de estarem sem cadeirinhas! ", postou outro.
Outros elogiaram a atriz, mas deixaram seu recado: "Lindos. Usem sinto e cadeirinhas. Adoro vcs"; "Cadeirinhas!!!!!!! E feliz aniversário!"
Mas também houve quem defendesse Luana, apontando que não seriam necessários os equipamentos de segurança. "Jesus, que gente chata...eles estão em uma van.....claro que não tem cadeirinha.....apontem menos os dedos, pessoal..... pra cada dedo apontado para o outro, existem três apontando pra você ", escreveu uma internauta. "Pelo que vejo ela está em uma Van, sendo dispensado o uso da cadeirinha, pelo que eu sei", postou outra.
O Detran SP confirmou ao EGO que "no caso de transporte coletivo, como ônibus ou van, não é necessário o uso de cadeirinha", mas afirmou que o carro em questão não se enquadra nesta categoria, portanto todos os filhos de Luana deveriam estar sentados em uma cadeirinha especial, enquanto ela e as babás também deveriam estar usando os cintos de segurança.
Procurada pelo EGO, a assessoria de imprensa de Luana Piovani afirmou que não conseguiu entrar em contato com a atriz - que filma um longa em São Paulo - até a publicação desta matéria.

Atriz não será penalizada
O órgão esclareceu no Facebook que apesar do 'puxão de orelha', não vai ser aplicada nenhuma de penalidade a atriz. "Importante destacar que, neste caso, cabe o mesmo que já explicamos recentemente em casos semelhantes: não é possível aplicar multas com base em imagens de redes sociais, câmeras de TV, etc. É necessário que haja o flagrante de um agente de trânsito ou equipamento devidamente homologado e aferido especificamente para fiscalização (radares) no ato da infração. Mais uma vez, nos manifestamos para mais um exemplo que ninguém deve repetir!".

Fonte: EGO

Caso MC Daleste: morte do cantor paulista foi encomendada por traficantes


Aos poucos, as autoridades vão chegando cada vez mais perto dos culpados pela morte do funkeiro MC Daleste. Segundo uma matéria do G1, o motivo do crime foi o seu envolvimento com uma ex-garota de programa, que deixou a prostituição para se casar com um traficante, e essa informação está presente em gravações entregues ao promotor Ricardo José Gasques Silvares, que concordou em reabrir as investigações, encerradas em dezembro do ano passado.
As gravações (são 15) revelam a motivação do crime, o nome do mandante do assassinato e o preço pago pela execução do cantor.

Mark Chapman, assassino de John Lennon, tem pedido de condicional negado mais uma vez


O homem que atirou em John Lennon em 1980 não conseguiu obter liberdade condicional pela nona vez. Mark David Chapman permanecerá atrás das grades em uma prisão de segurança máxima no Estado de Nova York. Ele vem tentando a liberdade condicional desde 2000 (à cada dois anos, um pedido).