sexta-feira, 28 de abril de 2017

Leia tudo sobre 'Tieta', grande sucesso de 1989 que será exibido pelo Canal Viva nesta segunda!


Título: Tieta
Transmissão Original: 14 de agosto de 1989 - 30 de março de 1990
Gênero: romance, comédia, drama, realismo fantástico
Criadores: Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzohn e Ricardo Linhares
Capítulos: 195
Reprise: entre 14 de setembro de 1994 - 07 de abril de 1995, no Vale A Pena Ver de Novo




Betty Faria na pele de sua personagem, Tieta (Antonieta)
À partir do dia 1º de maio, o Canal Viva irá exibir um dos maiores sucessos do horário das oito nos anos 80, que obteve média geral de 65 pontos de audiência quando a meta ainda era 50. Protagonizada por Betty Faria (a protagonista título) e escrita por Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzohn e Ricardo Linhares, Tieta foi baseada no livro Tieta do Agreste, de Jorge Amado, e será a novela que substituirá o fenômeno das seis A Gata Comeu às 15h30.
Contou ainda com José Mayer, Lídia Brondi, Yoná Magalhães, Sebastião Vasconcelos, Cassio Gabus Mendes, Marcos Paulo, Arlete Salles, Flávio Galvão, Ary Fontoura, Armando Bógus, Reginaldo Faria e Joana Fomm nos papéis principais.

Enredo Principal
Sebastião Vasconcellos como Zé Esteves
Antonieta Esteves, ou simplesmente Tieta (Cláudia Ohana), foi escorraçada da pequena cidade de Santana do Agreste pelo seu próprio pai, Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos), que se sentiu desonrado ao ver sua filha, então com apenas 18 anos, na cama com um homem, armadilha esta preparada por sua irmã Perpétua (Adriana Canabrava). À golpes de cajado, ele a põe para fora da cidade. Humilhada, Tieta sai do nordeste com destino à São Paulo, e lá refaz sua vida, voltando somente vinte e cinco anos depois, disposta à se vingar de todos.

Cláudia Ohana como Tieta na primeira fase da novela
Paralelo a isso, estão os 4 cavaleiros do Apocalipse: Osnar (Marcos Winter), Ascânio (Edson Fieschi), Amintas (Leonardo Brício) e Timóteo (Roberto Rego Pinheiro), amigos de infância que passam por uma transformação nessa mesma época. Ascânio vai embora no mesmo dia em que Tieta é expulsa da cidade, enquanto os outros três amigos ficam e levam suas vidas.


O personagem de Paulo Betti, Timóteo, se casa com a filha mais nova de Zé Esteves, Elisa, de Tássia Camargo
Osnar se envolve com Tieta em uma parte da novela
Mesmo com um salto enorme no tempo da novela, pouca coisa mudou. Osnar e Amintas (José Mayer e Roberto Bonfim) nunca se casaram, enquanto Timóteo (Paulo Betti) se casou com Elisa (Tássia Camargo), irmã mais nova de Tieta e fruto do relacionamento de seu pai com sua segunda esposa, Tonha (Yoná Magalhães), mulher um pouco mais velha e também amiga de Tieta que vive oprimida pelo marido autoritário.

Yoná Magalhães na pele da submissa Tonha
Ascânio (Reginaldo Faria) quer a todo custo mudar o destino da cidade, fazendo-a retomar o caminho do século XXI. Por isso cai nas malhas da Brastânio, empresa que pretende construir uma fábrica em Mangue Seco, ameaçando a virgindade e pureza da região com gases extremamente poluentes. Na discussão que a novela propõe, sobre o que é ou não o progresso, a postura de Ascânio é a seguinte: até que ponto o Terceiro Mundo pode se dar ao luxo de manter paraísos ecológicos enquanto, à volta destes, milhões de pessoas levam vida subumana?

Reginaldo Faria em cena de Tieta
Perpétua, tão ruim quanto o pai, casou-se com um militar, a quem todos chamam de Major, com quem teve Ricardo (Cássio Gabus Mendes) e Cupertino, ou Peto (Danton Mello). O sonho de Perpétua é que seu filho mais velho se torne padre.

Joana Fomm foi a vilã Perpétua

Danton Mello, aos 14 anos, como Cupertino (Peto)
Cássio Gabus Mendes como Ricardo, o sobrinho mais velho de Tieta, com quem acaba tendo relações sexuais para o choque do público que assistia a novela, e da mãe dele, Perpétua.
Enquanto esteve fora de Santana do Agreste, Tieta se casou com o Comendador Felipe Cantarelli, de quem ficou viúva. Ela não voltou sozinha. Trouxe também Leonora (Lídia Brondi), sua enteada e filha de Felipe.

Betty Faria em cena com Reginaldo Faria, o Ascânio na segunda fase, e Lídia Brondi, sua enteada Leonora
Lídia Brondi em cena da novela
E mais!
Tieta também apresenta a história de outras personagens femininas marcantes, como Imaculada (Luciana Braga), uma das “rolinhas” do prefeito de Santana do Agreste, Artur da Tapitanga (Ary Fontoura), que dá abrigo, alfabetização e comida a meninas, em troca de favores sexuais; Carol (Luiza Tomé), a “teúda e manteúda” amante do coronel Modesto Pires (Armando Bógus), que a tiraniza; a doce e ainda virgem Carmosina (Arlete Salles) que, já adulta, descobre o amor e o sexo; Tonha, a sofrida mulher de Zé Esteves que, com sacrifício, consegue se libertar da perversidade do marido; e Elisa, que, em crise com o marido, Timóteo, tem sonhos românticos com o ator Tarcísio Meira, chegando a preparar um enxoval para um possível encontro com o ídolo.
Artur tem um filho desaparecido, do qual não pode nem ouvir falar.

Ary Fontoura como o prefeito Artur da Tapitanga, com as suas 'rolinhas'
Luciana Braga como Maria Imaculada
Arlete Salles era a solteirona Carmosina

Bemvindo Sequeira como o bêbado e morador de rua Bafo de Bode
O mendigo da cidade, Bafo de Bode (Bemvindo Sequeira) dizia inúmeras verdades para todos e não estava nem aí, pois ninguém ia tomar atitude, afinal, ele não passava de um mendigo e bêbado.
O padre Mariano (Cláudio Corrêa e Castro), assim como Carmosina, sabia da vida toda dos moradores da cidade, mas dificilmente usa isso a seu favor.

Cláudio Corrêa e Castro foi o Padre Mariano
Modesto é casado com Dona Aída (Bete Mendes). Meio apagada, até que se descobre o contrário: na verdade, aprendeu a maneira mais apropriada de lidar com o marido e mantê-lo junto de si. Todo mundo pensa que ela ignora a relação extraconjugal de Modesto, mas ela só esconde que sabe, e esconde bem, pregando para a filha, Letícia (Renata Castro Barbosa), que vida de mulher é sofrimento.

Armando Bógus em cena como seu personagem Modesto, com Luíza Tomé, que interpretava a "teúda e manteúda" do coronel, Carol
Bete Mendes interpretou a traída e paciente Aída
Renata Castro Barbosa era a filha de Aída e Modesto, Letícia
Outra vilã da novela foi interpretada por Françoise Forton. Helena casou-se com Ascânio, a quem abandona no início da história por não suportar viver em Santana do Agreste.

Françoise Forton interpretou a vilã Helena
Renato Consorte como Chalita, que queria e muito casar!
O ator Renato Consorte era Chalita, proprietário de um bar, e podre de rico, o que ninguém da cidade saiba. Ele sonha muito em se casar com Dona Amorzinho (Lília Cabral), uma viúva casta que anda pra cima e pra baixo com Perpétua e a solteirona Cinira (Rosane Gofman). Amorzinho é cortejada por Chalita, mas a irmã de Tieta sempre dá um jeito de lhe cortar o barato, fazendo assim com que os dois nunca engatem um romance.


Perpétua anda sempre com Dona Amorzinho (à esquerda) e Cinira
Lília Cabral em cena da novela, como sua personagem, Dona Amorzinho
Rosane Gofman como a encalhada Cinira, que assim como Amorzinho, tinham um olho na missa, e o outro na vida dos outros (era o que dizia a chamada da reprise no Vale A Pena Ver de Novo em 1994).

Há ainda o advogado Marcolino Pitombo (Otávio Augusto), que passa a maior parte do tempo em Salvador, onde ganha muito dinheiro. Marcolino tem participação importante na questão sobre a posse das terras onde querem instalar a fábrica Brastânio. É casado com Juracy (Ana Lúcia Torre), que sofre de artrose e passa o tempo todo nas águas do Mangue Seco por lhe fazer bem e amenizar o seu problema. Marcolino e Juracy tiveram dois filhos, Edmundo (Jonathan Nogueira) e Silvana (Cláudia Magno).


Ana Lúcia Torre era Dona Juracy, que sofria de artrose em Tieta
Outros personagens
COMANDANTE DÁRIO (Flávio Galvão) — Atlético, atraente, cobiçado pelas mulheres, esteve na Marinha e se reformou para viver o resto de sua vida no paraíso de Mangue Seco. Na polêmica sobre as vantagens e desvantagens do progresso, é radical: defende que as áreas de Mangue Seco devem ficar intocáveis. O grande opositor de Ascânio (Reginaldo Faria).

Flávio Galvão na época da novela
LAURA (Cláudia Alencar) — Mulher de Dário (Flávio Galvão), grande companheira do marido, a quem sabe conquistar na cama e na cozinha. Exteriormente é a mais sensata das criaturas. No quarto com o marido, só não é capaz de executar o célebre “ipicilone”: este, só Tieta (Betty Faria) é capaz.
JAIRO (Elias Gleizer) — Espécie de agente turístico de Santana do Agreste. Proprietário da marinete que faz a ligação entre a cidade e Esplanada, a localidade mais próxima. Sabe tudo sobre a história do local, e torna-se muito útil quando tentam descobrir quem são os proprietários das terras cobiçadas pela Brastânio.
Mistérios
Dois mistérios movimentaram a trama de Tieta. Perpétua agarrava-se a uma caixa escondida em seu guarda-roupa. O conteúdo dessa caixa aguçou a curiosidade de todos mas nunca foi revelado. Especulava-se que seria o órgão genital do falecido marido de Perpétua. No final, depois da megera desmoralizada, o povo da cidade fez fila para ver o que havia dentro da tal caixa, mas apenas foi exibida a reação dos personagens, surpresa, assustada, enojada ou divertida.


Também especulou-se quem seria a “Mulher de Branco”, uma misteriosa figura feminina que assombrava a cidade em noite de lua cheia e atacava sexualmente homens “indefesos”. Depois de várias vítimas, a identidade da assombração veio à tona: Laura, a fogosa esposa do Comandante Dário – que já havia aceitado com naturalidade dividir os carinhos de seu marido com a jovem Silvana.


Bordões
A personagem Dona Milu (Mirian Pires), mãe de Carmosina, fixou na cabeça de todos o bordão “mistééééério!”.
Tonha se despedia com um engraçado “Te-chau!”.
Timóteo usava a expressão “nos trinques!” para salientar que algo estava bom, ou havia sido bem feito.
E Modesto Pires soltava um “u-ú!” cada vez que queria sua amante Carol em seu colo.

Trilha Sonora

Capa da trilha sonora 1 da novela
Volume 1
01. Meia Lua Inteira - Caetano Veloso (tema de locação)
02. Tudo O Que Se Quer (All I Ask Of You) - Emílio Santhiago e Verônica Sabino (tema de Ascânio e Leonora)
03. No Rancho Fundo - Chitãozinho & Xororó (tema de Osnar)
04. Paixão Antiga - Tim Maia (tema de Helena)
05. Paixão de Beata (Neném de Mulher) - Pinto do Acordeon (tema de Amorzinho e Cinira)
06. Tieta - Luiz Caldas (tema de abertura)
07. Segredos da Noite - Instrumental (tema da Mulher de Branco)
08. Coração do Agreste - Fafá de Belém (tema de Tieta)
09. Eu e Você - José Augusto (tema de Elisa)
10. Cadê O Meu Amor - Quinteto Violado (tema de Carmosina)
11. Amor Escondido - Fagner (tema de Carol)
12. Por Você, Com Você - Guilherme Arantes
13. Tenha Calma - Maria Bethânia (tema de Tieta e Ricardo)
14. Imaculada - Instrumental (tema de Imaculada)

Capa da trilha sonora 2 da novela
Volume 2
01. Imaculada - Elba Ramalho (tema de Imaculada)
02. Uma Nova Mulher - Simone (tema de Tonha)
03. Dancei - Martinho da Vila (tema de Modesto Pires)
04. Alguém Me Disse - Gal Costa (tema de Elisa)
05. A Lua e o Mar - Moraes Moreira e Pepeu Gomes (tema de locação)
06. Água Na Boca - 3 do Nordeste (tema de Artur da Tapitanga)
07. Urbana - Ary Sperling (tema de Arturzinho)
08. Luar do Sertão - Roberta Miranda (tema de Laura)
09. Indo e Vindo (One Of The Road) - Paulo Ricardo (tema de Rosalvo)
10. Vem Morena - Nana Caymmi (tema de Carol)
11. Doida Pra Te Amar - Nando Cordel (participação especial de Amelinha) (tema de Carmosina)
12. Sinceridade - João Bosco (tema de Silvana)
13. Toucan's Dance - Sérgio Mendes
14. O Comandante (Star Spangled Banner) / O Bêbado - Banda de Santana do Agreste (tema de Dário / tema de Bafo-de-Bode)

Audiência Mensal
Meta: 50 pts
Ago/1989 - 64,7
Set/1989 - 61,0
Out/1989 - 62,7
Nov/1989 - 66,3
Dez/1989 - 63,8
Jan/1990 - 63,9
Fev/1990 - 66,7
Mar/1991 - 69,6
Pontuação Total: 64.8 (65)

Embora tivessem o mesmo sangue, Tieta e Perpétua tinham personalidades totalmente opostas
Audiência Detalhada
14/08 a 19/08/1989 67 65 66 62 64 59 = 64
21/08 a 26/08/1989 64 68 67 66 67 59 = 65
28/08 a 02/09/1989 65 63 63 70 68 60 = 65
04/09 a 09/09/1989 62 63 62 60 66 59 = 62
11/09 a 16/09/1989 69 67 64 63 62 58 = 64
18/09 a 23/09/1989 60 57 55 59 61 57 = 58
25/09 a 30/09/1989 63 62 60 55 59 54 = 59
02/10 a 07/10/1989 60 58 59 63 60 55 = 59
09/10 a 14/10/1989 59 64 63 65 62 57 = 62
16/10 a 21/10/1989 64 69 72 69 71 62 = 68
23/10 a 28/10/1989 67 64 60 61 59 57 = 61
30/10 a 04/11/1989 66 65 63 62 67 58 = 64
06/11 a 11/11/1989 67 69 73 72 70 64 = 69
13/11 a 18/11/1989 71 73 68 67 65 62 = 68
20/11 a 25/11/1989 67 65 67 66 63 59 = 65
27/11 a 02/12/1989 65 69 64 69 69 61 = 66
04/12 a 09/12/1989 72 69 63 ** 65 59 = 66
11/12 a 16/12/1989 68 72 73 70 74 63 = 70
18/12 a 23/12/1989 63 58 62 53 58 51 = 57
25/12 a 30/12/1989 58 66 62 67 61 58 = 62
01/01 a 06/01/1990 64 65 62 69 72 64 = 66
08/01 a 13/01/1990 69 67 62 63 65 60 = 64
15/01 a 20/01/1990 62 60 61 59 60 56 = 60
22/01 a 27/01/1990 66 65 60 66 62 57 = 63
29/01 a 03/02/1990 69 67 72 70 67 64 = 68
05/02 a 10/02/1990 71 65 66 62 60 58 = 64
12/02 a 17/02/1990 72 67 67 73 71 65 = 69
19/02 a 24/02/1990 67 71 ** 65 64 60 = 65
26/02 a 03/03/1990 70 71 67 65 69 65 = 68
05/03 a 10/03/1990 69 72 67 64 66 62 = 67
12/03 a 17/03/1990 70 65 69 72 65 68 = 68
19/03 a 24/03/1990 72 71 73 71 75 66 = 71
26/03 a 31/03/1990 75 73 72 76 78 60 = 72



Curiosidades
  • Com a excelente repercussão da novela, Betty Faria lançou sua linha de roupas Tieta by Betty Faria.
  • O autor ressaltou que, em Tieta, pretendeu fazer uma metáfora sobre a volta da liberdade de expressão na novela brasileira. No capítulo em que Tieta (Claudia Ohana) é expulsa de casa pelo pai, Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos), ele arranca aquele dia do calendário e diz: "Faz de conta que esse dia nunca aconteceu". O dia marcado na folhinha é 13 de dezembro de 1968, data em que foi promulgado o AI-5.
  • Joana Fomm optou por uma linguagem circense na interpretação da moralista viúva Perpétua. O que, a princípio, pareceu uma temeridade – alguns achavam que ela deveria mudar o tom –, revelou-se um achado. A personagem foi um dos grandes sucessos da novela. Segundo a atriz, as situações propostas pela trama e a harmonia entre os atores resultavam em muitas gargalhadas nas gravações.
  • Cássio Gabus Mendes, intérprete de Ricardo, gravou duas sequências inteiramente nu. A primeira, gravada no município de Volta Redonda, no Rio de Janeiro, Ricardo volta para sua cidade natal e mergulha em um açude. A segunda foi gravada na cidade cenográfica, quando Ricardo, sem roupa nenhuma no corpo, tenta chegar em casa após suas vestes terem sido roubadas pelos meninos no açude.
  • A novela foi reapresentada no Vale A Pena Ver de Novo 14 de setembro de 1994 e 07 de abril de 1995, substituindo Rainha da Sucata e sendo substituída por Pedra Sobre Pedra.
  • José Mayer e Paulo Betti rodavam o Brasil, ainda na época da novela, com a peça Perversidade Sexual em Chicago, de David Mamet, sob direção do também ator José Wilker. Após o sucesso dos personagens Osnar e Timóteo, os teatros onde a peça era encenada começaram a ficar lotados.
  • A fictícia Santana do Agreste foi construída numa área de 10.000 km² em Guaratiba, no Rio de Janeiro, sendo composta por 8 ruas, 2 praças, um circo abandonado, 15 ruínas, 2 igrejas e 46 prédios.
  • Durante a reprise de 1994, a Som Livre colocou nas lojas um CD com as algumas das músicas presentes nas duas trilhas da novela.
Não percam Tieta, à partir do dia 1º, às 15h30
Fonte:
Memória Globo;
Planeta TV;
Wikipédia;
PPP Audiência da TV;
Teledramaturgia;
Mercado Livre;