quinta-feira, 18 de maio de 2017

Michel Temer diz que não irá renunciar!


O presidente Michel Temer fez seu pronunciamento na tarde desta quinta-feira (18) depois de terem sido espalhadas gravações de que teria comprado o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, depois dele ter sido preso na Operação Lava Jato. A informação foi dada pelo colunista da O Globo, Lauro Jardim.
Em uma dessas gravações, feita em março, o empresário Joesley Batista diz ao presidente que estava dando uma mesada a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro para que permanecessem calados na prisão. Joesley, junto com Wesley Barbosa, são donos do frigorífico JBS.
Hoje, Michel disse em rede nacional que só falou sobre o assunto agora porque "tentou conhecer o conteúdo de gravações que o citam". "Solicitei, aliás, ao Supremo Tribunal Federal, meu acesso a esses documentos, mas até o presente momento, não o consegui", completa.
Sobre as gravações, Michel Temer nega que tenha feito pagamento à Cunha e à Funaro para que se calassem e não o envolvesse em qualquer escândalo. "Não comprei o silêncio de ninguém. Nada tenho a esconder, e sempre honrei meu nome!", que confia ainda em poder provar no STF não ter nada a ver com as acusações.
O colunista Ricardo Noblat, também da O Globo, e vários sites de notícias postaram na rede que o presidente pretendia fazer seu discurso hoje à tarde para fazer sua renúncia, mas não fez o que até os brasileiros esperavam. "Não renunciarei! Sei o que fiz, e sei da correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro".
O discurso do presidente Michel Temer durou cerca de cinco minutos.


Se as investigações feitas contra Temer procederem, sofrerá pedido de impeachment, sendo assim impedido de governar até o fim de 2018.
Ele tornou-se o atual presidente do país desta forma, quando Dilma Rousseff sofreu impeachment por acusações de 'pedaladas fiscais' e edição de decretos de crédito suplementar.