sábado, 17 de junho de 2017

Condenada por morte de padre há 19 anos é presa no Rio ao visitar namorado na cadeia


Policiais da 11ª DP (Rocinha), no Rio, prenderam na manhã deste sábado uma mulher condenada pelo assassinato de um padre italiano na Grande São Paulo, em 1998. Patrícia Dias Bicalho, de 42 anos, foi detida quando visitava o namorado, Reginaldo da Silva Cruz Neto, de 29 anos, que é interno do presídio Ismael Sirieiro, onde está cumprindo pena pelo crime de roubo.
Patrícia estava foragida da Justiça de São Paulo. Ela foi condenada pela morte do padre diocesano italiano Leo Comissari. O religioso foi assassinado a tiros em junho de 1998, dentro de um carro, em frente à sua casa, em São Bernardo do Campo. Ele tinha 56 anos.
Segundo o delegado Antônio Ricardo Lima Nunes, o crime repercutiu muito na época, pois Leo foi o primeiro de uma equipe de padres e freiras de Ímola, na Itália, a chegar na região, em 1978. Depois, outros vieram da mesma cidade e se espalharam pelas favelas de São Bernardo. O padre criou a Pastoral da Criança na região.
Segundo a Polícia Civil, Patrícia fazia visitas semanais a Reginaldo e não reagiu à prisão. Ela, no entanto, afirma não ser a assassina do religioso e acusa o ex-marido. Ainda segundo o delegado, Patrícia, que ficará no presídio de Bangu 8, conta que fugiu com o ex-companheiro quando ele foi acusado pelo crime, estando solta até a manhã deste sábado.
Ela foi condenada à revelia em 11 de novembro de 2016 pelo juíz Fernando Martinho de Barros Penteado, de São Bernardo do Campo. A pena dela é de 21 anos de reclusão em regime fechado.
Reginaldo da Silva Cruz Neto foi condenado por roubo a um comércio, em 2012, na Tijuca, Zona Norte do Rio, e está em regime semiaberto. Como não tem trabalho, ele fica 24 horas no presídio.

Fonte: Extra