sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

'Minha mãe era muito passional', diz filho de Loalwa Braz, do Kaoma

"Minha mãe era muito passional. Ela era muito alegre, mas quando ela se enfezava com alguma coisa, aí ela explodia mesmo", lembra João Carlos Braz Machado, filho de Loalwa Braz, em entrevista exclusiva ao Fantástico (veja no vídeo acima). A cantora do hit "Chorando se foi" foi encontrada carbonizada dentro de um carro em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio, na quinta-feira (19). Três suspeitos foram presos e levados para o Complexo Penitenciário de Gericinó (RJ).
Walter Lowal Braz, irmão de Loalwa, lembra da irmã pela forma intensa como ela se doava aos outros. "Sempre pensando nos outros em primeiro lugar, muita vezes deixando de ganhar, deixando de fazer as coisas pra ela mesma pra beneficiar aquele que tivesse precisando perto dela", disse.


"Chorando se foi" explodiu nos anos 90 e se tornou uma das músicas mais regravadas da história, com versões nas vozes da Ivete Sangalo e Jennifer Lopez. A cantora Gabi Amarantos se emocionou ao falar de Loalwa. "A febre da lambada foi uma coisa que eu vivi na minha infância, então eu era tiete do Kaoma, tiete da Loalwa".
De acordo com o delegado que investiga o caso, Leonardo Macharet, titular da 124ª Delegacia de Polícia, o funcionário da pousada de Loalwa Braz Vieira, onde ela também morava, "não demonstrou nenhum tipo de arrependimento" ao confessar participação na morte da cantora de "Chorando se foi". Ainda segundo o delegado, a conduta dele foi "incompatível com a natureza humana".
"Uma pessoa que não demonstrou nenhum tipo de arrependimento pela prática de um crime tão bárbaro. Ele viu que não teria solução, ele não teria como sustentar aquela versão, e isso possibilitou o encerramento do caso", disse o delegado Leonardo Macharet. Segundo o delegado, a motivação do crime foi patrimonial.

Interior do carro que Loalwa foi encontrada morta
Fonte: G1

Fora do padrão, cirurgia bariátrica de Romário causa polêmica


Após revelar ter passado por uma cirurgia bariátrica para o tratamento de diabete e aparecer bem mais magro em fotos nas redes sociais, o ex-jogador de futebol e senador Romário reacendeu a polêmica sobre a regulamentação e indicações do procedimento médico.
Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), a cirurgia bariátrica só é indicada para pacientes com Índice de Massa Corpórea (IMC) superior a 40 ou para aqueles com índice acima de 35 que desenvolveram outras doenças, como hipertensão ou a própria diabete.
Romário, no entanto, declarou que pesava 80 quilos antes da cirurgia, o que equivaleria a um IMC de 28 considerando sua altura - 1,67 metro. "Várias sociedades médicas no mundo já reconhecem a efetividade da cirurgia bariátrica para o tratamento da diabete para pacientes com IMC entre 30 e 35, mas para pessoas com índice abaixo disso não há evidência suficiente de bons resultados", diz Ricardo Cohen, coordenador do Centro de Obesidade e Diabete do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.
"Essa foi uma indicação muito atípica. Geralmente pessoas com esse IMC têm a diabete tratada com medicamentos", opina Bruno Halpern, diretor da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).
O médico Áureo Ludovico de Paula, responsável pela cirurgia de Romário e de outros famosos, como o apresentador Faustão, rebate as críticas. Ele diz que o ex-jogador chegou ao seu consultório com IMC 31 e já existem estudos que mostram bons resultados para pacientes diabéticos com esse perfil. "Acompanhamos por cinco anos 494 pacientes operados e 90% deles tiveram bons resultados."

Mais magro, Romário posa com fã no Rio de Janeiro
Técnica
Outra questão polêmica no tratamento do ex-jogador foi a técnica escolhida, chamada de interposição ileal, quando a parte final do intestino delgado, o íleo, é sobreposta sobre a parte inicial, chamada de duodeno. O procedimento nunca foi regulamentado pelo CFM, mas, em 2014, foi tirado da lista de procedimentos experimentais por decisão da Justiça Federal de Goiás. O conselho recorreu da sentença e aguarda resposta. Ludovico de Paula diz que o acompanhamento dos pacientes mostra que a técnica é segura e eficaz. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Klara Castanho não passa em testes e está fora de Malhação, diz jornal


A atriz Klara Castanho está fora da próxima temporada da novela teen Malhação. De acordo com o jornal Agora São Paulo, Klara fez novos testes para o folhetim, com outros atores, mas não teria passado. A nova temporada, que segundo a publicação se chamará Viva as Diferenças, não contará com Klara no elenco.
O jornal acrescenta que a nova temporada será ambientada em São Paulo, é escrita por Cao Hamburguer e tem estreia prevista para abril. Um dos atores confirmados no elenco é Matheus Abreu, que interpretou os gêmeos em Dois Irmãos.

Fonte: GCN.net

Globo demite apresentadora que substituiria Monica Iozzi


Maíra Charken, a grande aposta da Rede Globo para substituir Monica Iozzi, no Vídeo Show, foi demitida.
Segundo o colunista Flávio Ricco, o desligamento de Maíra teria ocorrido de forma amigável e haveria até quem acredite que ela possa retornar futuramente à emissora. Apesar das tentativas da Globo, Maíra não foi bem aceita pelo público no comando do Vídeo Show.
Em pouco tempo ela foi afastada da bancada do programa e ficou como repórter da atração. Mesmo mudando de função, Maíra não agradou e sua última aparição na emissora foi no quadro Saltibum, no Caldeirão do Huck.

Fonte: GCN.net

Ex-bilionário Eike Batista está na lista dos foragidos da Interpol

O empresário Eike Batista está na lista de foragidos da polícia internacional. Ele foi o principal alvo da Operação Eficiência, a nova etapa da Lava Jato deflagrada nesta quinta-feira (26) no Rio de Janeiro. O Ministério Público Federal acusa Eike de ter pagado propina ao ex-governador do Rio Sérgio Cabral, que está preso desde novembro.
Seis da manhã. É o horário em que eles costumam apertar a campainha. Aos pés do Cristo Redentor, a luz do dia revelou o destino da Polícia Federal: uma mansão com jeito de fortaleza, a casa do empresário Eike Batista. Mas o principal alvo da Operação Eficiência não estava.
Os policiais apreenderam na casa obras de arte, relógios, joias, R$ 100 mil em dinheiro e dois carros de luxo.
O advogado do empresário chegou pouco depois e não quis gravar entrevista. Disse que Eike Batista tinha ido para Nova York, numa viagem de trabalho.
A assessoria de Eike Batista declarou que ele está no exterior, mas não especifica se é em Nova York. Informa ainda que ele vai se apresentar em breve às autoridades como fez espontaneamente em outras oportunidades.
Mesmo com a promessa do empresário, na tarde desta quinta-feira (26) a Polícia Federal incluiu o nome de Eike Batista na difusão vermelha da Interpol. Com isso, a partir de agora, aquele que já foi um dos homens mais ricos do mundo é considerado foragido internacional e poderá ser preso assim que for localizado.
“Em relação à viagem do senhor Eike Batista, não havia prévio conhecimento. Estava-se acompanhando a movimentação dos investigados e, na madrugada de hoje, chegou ao conhecimento que poderia ter saído para fora do país na data do dia 24, na parte da noite. Agora a Polícia Federal já está em pleno contato com a Interpol, que já está atuando no sentido de verificar no âmbito de cooperação policial”, disse Tacio Muzzi, delegado da Polícia Federal.
O Ministério Público Federal acusa Eike Batista de corrupção ativa, no esquema liderado pelo ex-governador Sérgio Cabral. A prisão preventiva do empresário foi decretada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal do Rio.
Segundo as investigações, Eike Batista pagou US$ 16,5 milhões para Sérgio Cabral, o equivalente hoje a R$ 52 milhões.
O dinheiro saiu de uma conta no Panamá, em nome de uma das empresas de Eike Batista, a Golden Rock Foundation, subsidiária da Centennial Mining Fund, holding também de Eike Batista.
Para disfarçar a operação, foi usada uma transação real: a compra de uma mina de ouro. A Centennial Mining Fund assinou um contrato falso com uma empresa dos doleiros de Sérgio Cabral, os irmãos Renato e Marcelo Chebar. 
Os irmãos Chebar se passaram por intermediários na compra da mina, para receber uma comissão. Mas contaram ao Ministério Público que nunca participaram do negócio da mina.
Só assinaram o contrato para receber o dinheiro numa conta no Uruguai e depois repassar o valor para Sérgio Cabral.
“Então o contrato foi feito de maneira fictícia, uma tipologia clássica de lavagem de dinheiro, para que pudesse dar lastro a essa transação entre a Golden Rock e a Arcadia Associados”, explicou o procurador da República Eduardo el Hage.
“Isso deixa bem claro que o senhor Eike Batista, de forma bem contemporânea, procura escamotear a verdade dos órgãos públicos de persecução penal”, disse o procurador da República José Augusto Vagos.
Agora a investigação quer descobrir as razões desse pagamento. Os procuradores ainda não sabem exatamente que benefícios Eike Batista pode ter recebido. Mas, segundo o Ministério Público, o simples pagamento da propina já configura crime.
Para o Ministério Público Federal, o pagamento de Eike Batista para Sérgio Cabral foi pela boa vontade do ex-governador nos negócios de Eike Batista e de suas empresas no Rio.
Mesmo já estando na cadeia, Sérgio Cabral recebeu nesta quinta um novo mandado de prisão preventiva. Ao todo, o juiz Marcelo Bretas decretou nove prisões preventivas.
O ex-secretário Wilson Carlos e o operador financeiro Carlos Miranda também já estavam presos. Eles são acusados de receber no exterior parte da propina.
Flávio Godinho, braço direito de Eike Batista e vice-presidente do Flamengo, foi preso em casa, na manhã desta quinta, na Zona Sul do Rio. É acusado de ser o responsável pela engenharia financeira para o pagamento de propina de Eike Batista para Sérgio Cabral.
A polícia prendeu ainda Thiago de Aragão Gonçalves Pereira e Silva, sócio no escritório de advocacia da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo; Álvaro José Galiez Novis, acusado de depositar grandes quantias de dinheiro na conta de Sérgio Cabral; e Sérgio de Castro Oliveira, considerado pela denúncia operador financeiro da organização criminosa.
Assim como Eike Batista, Francisco de Assis Neto, o Kiko, outro operador financeiro do esquema, também é considerado foragido.
A Operação Eficiência cumpriu dois mandados de condução coercitiva, quando o suspeito é obrigado a ir prestar depoimento.
O irmão mais novo do ex-governador, Maurício Cabral, foi encontrado na Lagoa, Zona Sul do Rio.
Num outro prédio, os agentes buscaram a ex-mulher de Sérgio Cabral, Susana Neves Cabral. Ela é mãe dos três primeiros filhos do ex-governador. 
Segundo o Ministério Público Federal, Susana Neves Cabral e o ex-cunhado são suspeitos de se beneficiarem do esquema, com mordomias pagas com o dinheiro da corrupção.
Susana Cabral era chamada de Susi nas anotações do operador financeiro Carlos Bezerra. A contabilidade dele revela que só entre 2014 e 2016, a ex-mulher de Sérgio Cabral recebeu, ao menos 13 vezes, dinheiro transferido por Carlos Bezerra e Carlos Miranda, oriundo de recursos ilícitos da organização criminosa, no valor de R$ 883 mil.
Mas na colaboração premiada dos irmãos Marcelo e Renato Chebar ficou claro que os valores distribuídos a Susana Cabral eram ainda maiores.
Os doleiros de Sérgio Cabral disseram no depoimento que os gastos dela envolviam boletos de cartão de crédito em valores elevados, de R$ 40 mil a R$ 50 mil por mês, além de outros pagamentos como IPVA, conta de luz, gás e escola.
O doleiro Renato Chebar revelou que foram feitas inúmeras entregas de dinheiro em espécie, totalizando aproximadamente R$ 275 mil.
O advogado de Susana Neves Cabral disse que a condução foi uma violência.
“Ela não diz que houve qualquer benefício porque ela não sabe a origem. Havia pagamentos que eram feitos como já saiu na imprensa isso, mas ela não sabia a origem desse dinheiro, para ela eram valores lícitos. Uma espécie de pensão. Não havia nada judicializado com relação a isso”, explicou Sérgio Riera, advogado de Susana.
Segundo os procuradores, o valor total do esquema de Sérgio Cabral rastreado na investigação chega a US$ 100 milhões no exterior, o equivalente a R$ 340 milhões. Eles já conseguiram repatriar R$ 270 milhões, que estão à disposição da Justiça.
A operação desta quinta foi chamada de Eficiência porque esse era o nome de uma conta bancária que Sérgio Cabral tinha nos Estados Unidos, quando ainda era deputado estadual, no Rio. Nessa conta, investigadores dizem que Sérgio Cabral movimentou os primeiros milhões de dólares.
Na sexta-feira (27), Sérgio Cabral, o ex-dono da conta Eficiência , faz aniversário na prisão. A data só vai ser marcada pela continuação do trabalho dos procuradores.
“O patrimônio dos membros da organização criminosa chefiada pelo senhor Sérgio Cabral é um oceano ainda não completamente mapeado”, disse o procurador da República Leonardo Cardoso.
Nós não conseguimos contato com os advogados de Sérgio Cabral, do irmão dele, Maurício Cabral, de Sérgio de Castro Oliveira, de Álvaro José Novis e de Flávio Godinho.
As defesas de Wilson Carlos, de Carlos Miranda e de Thiago de Aragão Gonçalves Pereira e Silva não quiseram se pronunciar.
O Flamengo declarou que a prisão de Flávio Godinho é de cunho pessoal.
O advogado de Francisco de Assis Neto disse que o cliente não está foragido, que viajou com a família para os Estados Unidos, que a passagem foi comprada com muita antecedência e que Francisco vai se apresentar às autoridades assim que voltar ao Brasil.

Fonte: Jornal Nacional

'BBB 17' abre votação de gêmeos


Antônio ou Manoel? Emilly ou Mayla? Já está aberta a votação para decidir quais gêmeos permanecem na disputa pelo prêmio de R$ 1,5 milhão no Big Brother Brasil. O público tem até domingo para decidir qual dos irmãos vai permanecer na disputa.
Assim que Tiago Leifert anunciou que apenas um de cada dupla vai continuar na casa mais vigiada do Brasil, os gêmeos ficaram bem decepcionados. As irmãs gaúchas até choraram de tristeza.
Aliás, uma delas, Mayla, já iniciou a pegação no reality e beijou Luiz Felipe. Já o gêmeo capixaba Antônio beijou a Líder Mayara e, em seguida, Manoel trocou carinhos com a outra líder Vivian.

Fonte: UAI.com