terça-feira, 14 de março de 2017

Angelina Jolie realiza a primeira palestra como professora em universidade britânica

Angelina Jolie é atriz, diretora, embaixadora da ONU, ativista e, como se não bastasse, agora é professora. O novo trabalho, não remunerado, começa formalmente em setembro, mas a artista realizou sua primeira palestra na London School of Economics (Escola de Economia e Ciência Política de Londres), na Inglaterra, nesta terça-feira (14). Em entrevista ao jornal Evening standard, Jolie afirmou que estava nervosa com o primeiro dia de aula como professora: "Espero que eu vá bem. Isso é muito importante para mim".
A universidade britânica convidou a artista para dar aulas em maio de 2016. Angelina Jolie irá lecionar sobre temas como direitos das mulheres, igualdade de gêneros e segurança mundial, para alunos de pós-graduação do curso Mulheres, paz e segurança. Além dela, participarão da iniciativa nomes como a secretária-geral da Liga Internacional de Mulheres pela Paz e a Liberdade, Madeleine Rees, e a diretora do departamento legal da Anistia Internacional (AI), Jane Connors. 


"Espero que outras instituições acadêmicas sigam o exemplo, porque é vital que ampliemos o diálogo sobre como avançar quanto aos direitos das mulheres e a impunidade dos crimes que lhes afetam de forma desproporcional", afirmou Jolie, em comunicado divulgado pela universidade, na época do convite. O projeto partiu do LSE Centre for Women, Peace and Security (Centro LSE para Mulheres, Paz e Segurança), lançado pela artista e pelo ex-secretário de Segurança britânico, William Hague. Os dois se conheceram em 2011, quando a ativista social dirigiu Na terra de amor e ódio. Juntos, eles promoveram eventos para o debate de temas ligados ao abuso sexual.

Fonte: Diário de Pernambuco

"Não foi um chute. Marcos fingiu que doeu", diz Mayla ao defender Emilly


Procurada pela UOL, a Globo disse que não expulsará Emilly porque o casal estava só brincando na área externa da casa.
"Aquilo não foi um chute, as pessoas têm que começar a olhar melhor o que é um chute. Ele estava puxando o pescoço dela, parece e ela falou: 'sai daqui, Marcos. Ela empurrou ele com o pé e não chutou para machucar", defendeu Mayla.
A gêmea garante que está tranquila sobre uma possível desclassificação de Emilly, mas conta que chegou a perder o sono antes de assistir ao episódio que acirrou as torcidas nas redes sociais.
"Eu estava quase dormindo e meu celular começou a vibrar muito. Eu tive que olhar o que estava acontecendo. Eram meus amigos mandando prints, tuítes, e vídeo do tal chute. Quando eu vi o vídeo, nem me preocupei", disse.
Postura do Marcos com Emilly: "Não concordo" Mayla disse que a família não vai tomar partido em relação ao namoro de Emilly e Marcos. Os parentes do brother, no entanto, não aprovam o namoro e resolveram apoiar a eliminação da jovem.
"Na minha família nunca vamos ser nem a favor e nem contra [o namoro]. Somos a favor da felicidade dela. Se ela se sentir feliz ao lado do Marcos, vamos apoiá-la", declarou.
Mas, agora como espectadora do "BBB", ela diz o que a desagrada no cunhado: "Acho que é um relacionamento, eles estão namorando. Não concordo com a postura dele falando mal dela, concordando com o que as pessoas falam dela. Ele deveria defender a mulher dele em qualquer situação. Lá dentro [do 'BBB'] ou aqui fora todo homem tem que defender a sua mulher".

Fonte: UOL

Isis Valverde sobre protagonista em 'A Força do Querer': 'Quero emocionar'

EGO - Isis Valverde foi uma das atrizes que compareceram a coletiva de imprensa da nova novela das nove "A Força do Querer". Durante a conversa com os jornalistas, Isis falou sobre sua personagem, Ritinha. "Pretendo me entregar e fazer vocês se emocionarem. O resto é consequência. Tomei um longo café com a Glória Perez para conversar sobre quem seria a Rita. Conheci uma sereia profissional, depois um professor de mergulho e um de apneia. Era uma equipe toda voltada para que tudo acontecesse da melhor forma", contou.
Sobre a composição da personagem, comentou: "Sempre procurei na minha carreira mudar o tom de voz, o jeito. As pessoas são construídas disso. Eu já me envolvi muito com ela e me sinto muito livre com essa personagem".
A atriz fez questão de frisar que Ritinha é bem diferente de sua personagem em "O Canto da Sereia". "Entre a sereia anterior a essa e a Rita, a única coisa que liga as duas é o nome sereia. Essa acredita ser uma sereia, coisa que a anterior não acreditava. O jeito é diferente, tudo é diferente", pontuou.
A atriz sabe que a personagem terá um forte apelo com o público infantil. "Vi pela minha prima de 2 anos e 8 meses que ficou louca. A Débora Falabella também me contou que a filha dela já comprou cauda e que as mães vão querer me matar (risos)", falou.
Isis disse que a preparação foi intensa e difícil. "A cauda que eu uso é bem pesada e na água fica mais ainda. Fiz aulas de apneia e hoje fico dois minutos em apneia em movimento, mas comecei com 12 segundos e chego a quatro minutos se estiver estática. Achei que não ia conseguir. Desço até quatro metros. Pensei: 'Isso é loucura'. Aprendi tudo em três meses. Tem que aprender a lidar com a água entrando no nariz o tempo todo. Quando você sai da água faz uma jogada de cabeça e sai uma enxurrada de água pelo nariz", contou ela, que convidou profissionais de sereismo para passarem um tempo em sua casa. "Botei elas na minha casa e fui sugando tudo da alma delas", riu.
Isis tentou explicar a ausência de valores que fazem sua personagem causar tanta confusão, especialmente com os homens que passam por sua vida. "A personagem acredita que é sereia, a mãe diz que ela é filha de um boto. Sereias não se apaixonam, elas amam até certo ponto, mas é lindo porque eles ficam loucos. Ela tem um coração puro, é verdadeira", defendeu.
A mineira disse que a única semelhança com a personagem é o amor pela natureza. "Vivo dentro das regras sociais, da ética, mas ela desconhece todas, segue o coração dela e, às vezes, se ferra, ferra todo mundo, mas não é por mal, é por não conhecer a moral", garantiu.
A atriz também falou sobre feminismo e disse que foi um conceito que aprendeu cedo. "Descobri mais nova, quando minha mãe disse 'que pena que ela nasceu mulher'. Ela falou isso por a sociedade ser naturalmente machista. Aí comecei a tentar entender. O feminismo é a luta pela igualdade e os homens precisam perceber que também vão ganhar com isso. Tenho amigo que tem medo de pedir ajuda quando adoece, tem medo de chorar. A luta feminista não é odiar os homens", comentou ela, que estava usando uma camiseta com os dizeres "Todos deveríamos ser feministas".
Quando o assunto foi a repercussão da novela e a atenção que trará para a sua vida pessoal por ser protagonista, minimizou: "Eu fiquei dois anos longe das novelas. Tenho 12 anos de carreira, comecei ingênua e sem saber o que devia falar. Hoje, aos 30, posso dizer que aprendi a lidar com isso e sei botar um limite. Tem coisas que é curiosidade mesmo, mas tudo é o modo como você conduz".



Gshow BBB: Emilly chuta Marcos, e agora vai ser expulsa?

BBB2017: O que seria do BBB2017 sem a gaúcha Emilly hein? dessa vez a sister voltou a causar na casa, Emilly é alvo de revolta nas redes sociais, a gaúcha deu um chute em Marcos. (veja o resultado da votação na enquete UOL)
Os internautas se movimentaram nas redes pedindo a saída da Emilly do BBB2017. Não demorou muito para que a hashtag #EmillyExpulsa se tornasse a mais popular no Trending Topics do Twitter no Brasil.

Fonte: Jornal Prime

#FamososQuePartiram - Vange Leonel, cantora do êxito Noite Preta, de 1991


Nome Completo: Maria Evangelina Leonel Gandolfo
Data de Nascimento: 04 de maio de 1963
Local: São Paulo (SP)
Data de Morte: 14 de julho de 2014
Local: São Paulo (SP)

Vange Leonel foi um dos nomes mais importantes no mundo musical dos anos 90, sobretudo por ter lançado a canção "Noite Preta", que virou tema de abertura da novela das sete Vamp, em 1991 e o single de seu único álbum, Vange, do mesmo ano. A canção foi composta por ela e sua parceira, Cilmara Bedaque. Cinco anos depois, as duas criam a própria gravadora, Medusa Records, e o EP de Vange Leonel, Vermelho, que não foi tão bem recebido quando o álbum Vange. Assim, Vange Leonel abandona sua carreira musical e vira escritora. Publicou ao todo cinco livros e até roteirizou uma peça, As Sereias da Rive Gauche, em 2000, que mais tarde virou um de seus cinco livros.

Vange Leonel em 1996
Em meados de junho de 2014, a artista foi diagnosticada com câncer no ovário, que se espalhou para sua mucosa gástrica e evoluiu para um estágio terminal. Dias depois de ter sido internada, Vange morreu aos 51 anos, no dia 14 de julho de 2014, sendo cremada no dia seguinte em Itapecerica da Serra (SP).
Além de escritora de livros, ela mantinha um blog sobre cervejas e lutava pelos direitos das mulheres e dos homossexuais, tendo ela se assumido lésbica em 1995.
O clipe da música Noite Preta foi enviado pela co-autora, Cilmara Bedaque, em 2006, e atingiu 724 mil acessos.

Vange Leonel em cena do clipe Noite Preta