sábado, 1 de abril de 2017

SP - Único hospital de Luiziânia fecha por causa de dívida, diz prefeito

G1 - O hospital São Luiz Gonzaga, o único de Luiziânia (SP), fechou neste sábado (1º) e parou de atender a cerca de 400 pacientes da cidade, de Santópolis do Aguapeí (SP) e de Queiroz (SP). A partir deste sábado, moradores de Luiziânia e dos outros dois municípios que precisarem de atendimento mais complexo terão de viajar de 50 a 80 quilômetros, conforme o caso.
A instituição era gerenciada pela Associação Beneficente de Luiziânia e recebia verbas da prefeitura da cidade, mas não pode mais receber verbas do município. O prefeito Ricardo Bertaglia (PMDB) disse que o hospital tem dívida tributária e, por isso, a prefeitura não pode repassar mais dinheiro à instituição, já que a lei impede que os repasses sejam feitos se houver débitos por parte da associação. "Ressalto que não tive a transição com a associação porque tive apenas três meses para apurar e chegar à conclusão do que seria necessário para atender a população e não contrariar a lei 13.019/14."
A única UBS da cidade que funcionava das 7h às 17h foi adaptada para funcionar 24h e atender a demanda, segundo a prefeitura. Os casos de alta complexidade devem ser encaminhados à Penápolis. O prefeito disse que 21 funcionários do hospital, entre serventes e enfermeiras, serão demitidos.
A TV TEM questionou o prefeito sobre os repasses que foram feitos neste ano, mesmo com a proibição da lei. Ele disse que sabe que foram irregulares, mas tomou a decisão para não interromper o atendimento de uma hora para outra e para ter tempo de adequar a UBS. Nenhum responsável pela Associação foi encontrado para falar sobre o assunto.
O comerciante Marcos Antônio Ribeiro era usuário do hospital e está indignado com o fechamento. Ele disse que o atendimento sempre foi bastante eficiente, mesmo nos últimos dias. Ele acredita que será muito complicado o atendimento de todos os pacientes em uma única Unidade Básica de Saúde (UBS) na cidade.
O diretor clínico do hospital, Sidnei Albregado, afirmou que quatro médicos ficarão à disposição na UBS da cidade, sendo um ginecologista, um pediatra, um cirurgião e uma clínico-geral. A direção das associação que gerenciava o hospital foi dissolvida.
Fundado em 1991, o hospital era mantido exclusivamente pela prefeitura. Em 1993, foi criada a Associação Beneficente de Luiziânia, que passou a gerir as ações do hospital. Os recursos financeiros continuaram a ser repassados pela prefeitura.
O hospital fazia cirurgias de média complexidade como laqueaduras, retirada de nódulo de seio e apendicite, entre outras, mas já não eram feitas desde janeiro deste ano por falta de infraestrutura, como falta de anestesista no hospital. A ordem para a paralisação das cirurgias foi do prefeito Ricado Bertaglia, que tomou posse neste ano.
Em dezembro de 2016, quando ainda eram feitas cirurgias no local, o repasse feito pela prefeitura foi de R$ 155 mil. Nos três primeiros meses deste ano, sem cirurgias, o valor repassado foi de R$ 100 mil em média, mensalmente.
A Secretaria de Estado da Saúde informa que, conforme preconiza o Sistema Único de Saúde (SUS), a prefeitura tem total autonomia para tomar a decisão sobre o fechamento da unidade, pois se trata de atenção básica. O Ministério da Saíde disse, por telefone, que também não tem relação com a gestão do hospital e que não tem dados sobre verbas repassadas.
O promotor de Justiça Fernando César Burghetti disse que o Ministério Público de Pénapolis (SP), que responde pela comarca de Luiziânia, ainda não havia sido informado sobre o fechamento, mas e ele irá pedir mais esclarecimentos da prefeitura.

Artistas assinam petição pública sobre o caso José Mayer

O Dia - Começou a circular pela web uma petição virtual solicitando que o jornal " Folha de São Paulo" explique o motivo pelo qual retirou do ar o texto com o desabafo da figurinista Susllem Meneguzzi Tonani, de 28 anos, que acusou o ator José Mayer de assédio sexual dentro da Globo. Dentre as pessoas que assinaram virtualmente o documento estão as atrizes Carolina Kasting, Letícia Sabatella, Natália Lage, Ana Petta, Monica Martelli, a ex-jogadora Ana Moser além de profissionais de vários ramos.

Entenda o caso: A coluna adiantou e figurinista denuncia José Mayer por assédio
"Ao mesmo tempo, fomos surpreendidas e cobramos explicações deste veículo de comunicação sobre os motivos para a retirada do ar da referida publicação. O texto trazia um forte e emocionado relato de assédios sofridos pela figurinista Su Tonani por parte do ator José Mayer, ambos funcionários da TV Globo. 
Certamente o que levou Su a fazer esse desabafo é a necessidade de não deixar casos como esse, que infelizmente vitimam mulheres e meninas a todo instante, debaixo do tapete do machismo que sempre tenta minimizar estes episódios", diz o texto do abaixo-assinado. Ao todo o site precisa de 100 assinaturas, já tendo 41 até a publicação desta nota. 
Em nota publicada no próprio site, a "Folha de São Paulo" justificou: "O conteúdo foi retirado do ar porque desrespeitou o princípio editorial da Folha de só publicar acusação após ouvir e registrar os argumentos da parte acusada, salvo nos casos em que isso não for possível. Sanado o defeito, o texto voltou a ficar disponível."

Arlindo Cruz já não está mais em coma induzido, informa o filho


O cantor Arlindo Cruz já não está mais em coma induzido, segundo informou em redes sociais o filho do artista Arlindo Neto, o Arlindinho. Num vídeo publicado neste sábado (1º) no Instagram, Arlindinho reforça e dá mais detalhes do que já havia adiantado no Facebook na sexta-feira (31), quando contou que o pai havia saído do coma.
"O estado ainda é grave, porém tem tido uma evolução interessante, vamos rezar pra que ele vá logo pro semi-intensivo!", escreveu Arlindinho.
Internado desde o dia 17 de março, o sambista Arlindo Cruz sofreu um Acidente Vascular Cerebral e, desde então, se recupera no Centro de Terapia Intensiva da Casa de Saúde São José, no Humaitá, bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro.
Neste sábado, o filho voltou a fazer nova publicação se referindo ao carinho que o pai tem recebido desde que foi internado com problemas de saúde. "Arlindo Cruz , o cabra pra ser amado, hein?! Acho que já respondi mensagem do mundo todo", disse.

Após seis anos casados, Dani Calabresa e Marcelo Adnet anunciam separação

Não é pegadinha de primeiro de abril, Dani Calabresa e Marcelo Adnet deram um ponto final do casamento de 6 anos. A separação que estava subentendida pelo público desde a última polêmica vivida pelo casal em julho de 2016, foi confirmada na manhã deste sábado (1) pelo colunista Ancelmo Gois, do jornal O Globo.
Para os fãs do casal era visível um afastamento entre os dois, já que Adnet não aparecia nos cliques de Dani nas redes sociais e nem acompanhava a esposa em suas viagens. A humorista até tentou afastar os rumores de uma separação em janeiro deste ano ao compartilhar uma foto ao lado de Adnet em seu perfil no Instagram, mas a decisão de anunciar publicamente o fim do casamento veio no começo deste mês.


De acordo com a publicação, Dani e Adnet deixaram de dividir o mesmo teto, mas "o carinho, a amizade e a parceria", marca registrada dos humoristas, continuam.

Relação abalada
Em novembro de 2014, Marcelo Adnet foi flagrado aos beijos com uma loira nas ruas do bairro do Leblon, Rio de Janeiro. Na ocasião o humorista assumiu a culpa da traição e se desculpou publicamente pelo erro. "Errei e me arrependo. Minha atitude afetou a mulher mais importante pra mim. Eu e Dani estivemos sempre juntos. Ela é minha melhor amiga e o amor da minha vida. Nos amamos e vamos superar isso juntos e casados. Nada importa mais do que a nossa relação", escreveu Adnet.
Dani Calabresa foi bastante criticada por continuar o casamento com Adnet e em entrevista ao jornal 'O Globo' afirmou que o amor superava a traição. "Ele errou, sentiu que errou, quis me contar e me mandou um áudio ainda de madrugada.Todo mundo erra. Como você lida com o erro é o que faz a essência de cada um. Quando tem amor, vale a pena passar por cima de uma besteira", disse.
Já em 2016, o ator foi clicado curtindo a noite ao lado da estilista Lara Vaz. Desta vez, Adnet negou qualquer tipo de envolvimento romântico com a estilista e teria dito a alguns amigos que as fotos não comprovavam nada. Desde então, o casal não vinha sendo visto juntos, o que alimentou o boato de separação na mídia.

Fonte: Correio da Bahia

Na novela Rock Story, Nicolau conta aos pais que está com câncer

Nicolau conta para os pais sobre doença
A vida de Nicolau (Danilo Mesquita) não está nada fácil: depois de descobrir que está com câncer, ele teve que abandonar a turnê da 4.4. Mas a parte mais difícil, sem dúvidas, será revelar toda a verdade aos pais. O garoto relutou muito para que esse momento chegasse, mas chegou a hora de enfrentar Gilda (Suzy Rêgo) e Haroldo (Paulo Betti) cara a cara. Prepare-se, porque vem mais emoção por aí.
Ao ouvir a revelação, Gilda fica em estado de choque. “Ele não tem essa doença, Haroldo, já falei! Isso não é verdade, deve ser outra coisa, tem que procurar um médico logo pra ver o que é, examinar... mas não é isso, é outra coisa”, diz ela, sem acreditar.

Gilda não consegue acreditar que Nicolau está doente
Nicolau abraça a mãe com força e ela desaba. Haroldo tenta se manter forte, mas mal consegue falar. O desespero de Gilda aumenta quando o filho revela que já operou uma vez e escondeu de todos. A dona do salão perde o controle: “É pra isso que a gente serve, menino?! E se você tivesse morrido nessa cirurgia? Longe da gente? Sozinho? Você tinha que ter contado! Nunca vou te perdoar! Nunca”.


Com muita paciência, Nicolau consegue acalmar os pais e afirma que se sente bem melhor: “Foi tão bom me abrir com vocês, tô aliviado... eu tava com muito medo, mas foi o contrário do que eu esperava... Vocês dois são demais, viu?”.

Fonte: Gshow

Marilene Saade tem ligeira melhora: 'Praticamente um milagre', diz irmão

Marilene Saade e Stênio Garcia
O quadro de saúde de Marilene Saade, mulher do ator Stênio Garcia, continua grave, mas teve uma ligeira melhora durante a madrugada deste sábado, 1º. Em conversa com o EGO no início da manhã, o irmão da atriz, Roberto Saad, disse estar confiante na recuperação. "Ela está tendo uma boa reação. Às 10h, será divulgado um novo boletim médico. Esperamos ter uma excelente notícia", conta.
Às 11h18, em nova conversa com o EGO, Roberto contou que a irmã deve ser desentubada ainda neste sábado e que sua melhora impressiona os médicos. "O caso dela é praticamente um milagre. Os médicos não sabem explicar o motivo que a levou a ter a Síndrome da Angústia Respiratóriado Aguda (SARA), mas isso não importa. O que importa é que ela está cada vez melhor. O tubo respiratório deverá ser retirado e ela deixará o coma induzido. Stênio também está bem, tranquilo, tomando café. O que importa é vê-la curada".
Segundo Roberto, Stênio segue com sua fé e serenidade inabaláveis. Hospedado na casa do irmão de Marilene, o ator faz orações a ela no altar do apartamento de Roberto. Ao EGO, Stênio pediu: "A única coisa que posso pedir nesse momento tão delicado é uma energia positiva de todo mundo, um pensamento espiritualizado. Queremos o amor de todos! Queremos uma corrente positiva, não importa a religião. A gente quer uma posição positiva em relação à saúde dela".

Stênio Garcia na casa do cunhado
Entenda o que aconteceu
Em coma induzido, Marilene teve complicações após a cirurgia para retirada do útero, realizada na quarta-feira, 29. A atriz teve a Síndrome da Angústia Respiratóriado Aguda (SARA), descrita como um quadro de lesão pulmonar aguda, provocada por diversos distúrbios que causam o acúmulo de líquidos nos pulmões, mais especificamente nos alvéolos (local onde ocorre a troca gasosa).
Ao EGO, a mãe de Marilene, Terezinha Saade, contou que a filha saiu da cirurgia passando mal. "No quarto, ela reclamou que estava sentindo falta de ar e seu coração estava com o batimento muito acelerado. Ela relatou esse incômodo para os médicos, mas eles disseram que tudo ia passar, que era efeito da anestesia. Fomos embora para casa e, mais tarde, no mesmo dia, ela precisou ir para o CTI".
Confiante, Stênio Garcia disse ao EGO ter a certeza que a mulher irá se recuperar. "Estamos reunidos emitindo energia para a Marilene sair dessa e vai sair, porque cada vez mais recebemos notícias melhores dela", afirmou o ator, que fraturou duas costelas antes da operação da mulher e também acabou internado no mesmo hospital que ela. Felizmente, Stênio já se recuperou e está em casa.
Marilene fez a cirurgia de retirada do útero por indicações médicas. Ela tinha um mioma uterino desde 2005, mas não havia realizado o procedimento cirúrgico anteriormente por medo. "Tenho pavor de anestesia, mas o mioma cresce e esmaga o útero. Estou sendo forçada, a dor está muito forte", relatou ela, em conversa com o EGO, em março deste ano.

Mister Brau dá dicas para Justin Bieber e astros gringos curtirem o Rio


Cantor de sucesso no Brasil, o fictício Mister Brau (Lázaro Ramos), que volta ao ar na Globo no dia 18 de abril, conversou com o UOL e deu excelentes dicas para Justin Bieber e outros astros internacionais, que virão Rock in Rio, curtirem a Cidade Maravilhosa. O cantor sugere lugares para aproveitar com discrição, fugindo dos passeios turísticos básicos do Rio. Confira!


Para curtir o dia
"O Justin Bieber já fez uma coisa ótima, que foi ir à praia com poucos seguranças. Chegou na praia, interagiu com a galera. O público gosta disso, de artista que se mistura também. Praia no Rio tem que ir."

Mister Brau no baile charme
Para se divertir na balada
"Conhecer lugares populares, como o baile de charme do viaduto de Madureira. O legal é que a luz é baixa, vai demorar um tempo para alguém reconhecê-lo. Ele vai aproveitar bastante, dançar com a galera. Dar um pulo na Lapa e comer um hambúrguer carioca, que é diferente do americano. Se puder ir na feira de São Cristovão e comer uma feijoada, melhor ainda."

Grupo Melanina Carioca
Para paquerar
"Se o Mister Brau fosse solteiro, ele iria no show do Melanina Carioca, que é um bom lugar para paquerar; no viaduto de Madureira e na Yolo Love Party, festa em Bento Ribeiro, conhecida pela mistura de tribos."


Curtir no anonimato
"As praias mais distantes, Prainha, Grumari são ótimas. Fazer amizade com algum carioca também é uma boa. Aí depois vai para uma casa que tenha quintal, que tenha uma boa conversa". Jack Johnson foi um famoso que aproveitou para surfar na zona oeste carioca.

Como lidar com as fãs brasileiras
"Atender os pedidos de selfie, não sei se dá, porque geralmente os astros internacionais têm uma demanda grande, mas pelo menos recusar com classe e educação". Em agosto passado, Zac Efron seguiu o conselho e atendeu aos pedidos de selfie dos fãs na praia de Copacabana.

Fonte: UOL

Final da novela 'A Lei do Amor' revela que Marina é Isabela e menciona assédio


Purepeople - E no fim, Marina (Alice Wegmann) e Isabela eram de fato a mesma pessoa, como todos imaginavam, na novela "A Lei do Amor". O último capítulo da trama de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari surpreendeu não pela revelação do mistério em torno da sósia da garçonete, mas sim por uma cena bem curta que tocou no assunto do dia: assédio sexual. Entre pontos positivos e negativos, o folhetim fez um bom desfecho, com direito a homenagem para o Vale do Rio Doce. Porém, caracterização dos atores para o período após a passagem de tempo deu a impressão de rejuvenescimento.

TUDO AO MESMO TEMPO AGORA
Foi um capítulo corrido. Com blocos pequenos e muita trama para desenrolar, as cenas ganharam dinâmica e no início a sensação era de que tudo estava acontecendo ao mesmo tempo, agora. Helô (Claudia Abreu) sendo salva, o parto, o transplante, a fuga de Mág (Vera Holtz) e seu suicídio, o AVC de Tião (José Mayer)... O ritmo era de um trem desgovernado, com o perdão do trocadilho. Por outro lado, não faltou emoção, foi de assistir com o coração na boca, palpitando.

Cláudia Abreu e Reynaldo Gianecchini nas últimas cenas do final da novela
A LEI DO AMOR E DO PERDÃO
Para o final feliz do casal protagonista, perdão. Helô deixou para trás a traição de Pedro (Reynaldo Gianecchini) em uma cena comovente do capítulo, mostrando que o amor falou mais alto. Com um filho de cinco anos e ainda apaixonados como na juventude, os dois fecharam a história reproduzindo momentos românticos do casal na primeira fase da trama, deixando a mensagem de que o fim pode ser sempre um (re)começo. Só que a caracterização deles causou um estranhamento, pois os cabelos longos de Helô e Letícia e o visual sem barba de Pedro os deixou parecendo mais jovens.

A POSSIBILIDADE MAIS PROVÁVEL
Mesmo com três finais gravados, Maria Adelaide e Vincent optaram pela solução mais simples e, talvez, viável. Ok, assim como o finado Élio (João Campos), todos achávamos que Marina era uma personagem criada por Isabela para se vingar. Os autores preferiram não arriscar, mas alguns pontos desse plano ficaram sem explicação, com fios soltos.

MARINA/ISABELA E TIAGO: JUNTOS OU NÃO NO FINAL?
Apesar de indefinido, o desfecho da relação entre Tiago e Isabela ficou apontado na reencontro e troca de olhares, cinco anos depois do acerto de contas na lancha (que lembrou o assassinato de Alex (Rodrigo Lombardi) em "Verdades Secretas" em alguns momentos). Assim como a dupla de autores fez com Bento (Marco Pigossi) e Amora (Sophie Charlotte) em "Sangue Bom", o casal deu a entender que a paixão prevaleceu ao tempo. Dramaturgicamente é um recurso interessante, que foge do padrão "e foram felizes para sempre", o que seria um clichê um tanto forçado para um casal tão controverso. Fica a pergunta no ar: será que eles vão conseguir se entender depois de tudo que viveram?

PALMAS PARA GRAZI MASSAFERA!
Não só no capítulo final, como em toda a trama, o destaque é de Luciane (Grazi Massafera). A atriz estava mais do que à vontade no papel, esteve sempre segura e muito inspirada. Despachada e sempre muito franca, a ex-garota de programa que sonhava em ser primeira -dama de São Dimas passeou por vários núcleos levando humor e arrancando risadas, sem deixar cair a peteca nas cenas dramáticas, como na morte do sogro e outros momentos. Sem dúvida nenhuma a melhor personagem.

A CEREJA DO BOLO
"A Lei do Amor" teve uma primeira fase que impressionou muito, depois precisou rearranjar a história para alavancar a audiência, sofreu críticas e foi seguindo, com muitas reviravoltas no melhor estilo novelão. Muitos vilões, várias mortes inesperadas, cenas fortes e não raro melodramáticas. Entretanto, não se pode negar a habilidade dos autores e da direção nessa trajetória. Uma prova disso foi colocar neste último capítulo um diálogo entre Laura (Heloisa Jorge) e Jáder (Érico Brás) em que o enfermeiro a elogia e ela avisa que pode considerar assédio. Se foi por coincidência, por deboche ou por posicionamento em relação à acusação de assédio negada José Mayer nesta sexta-feira (31), é difícil dizer, pois a cena dá margem à muitas interpretações. Mas se não foi coincidência, foi sagacidade.
(Por Samyta Nunes)

“A Lei do Amor” bate recorde de audiência no último capítulo e supera três antecessoras

Vera Holtz no último capítulo de A Lei do Amor. Sua personagem, Magnólia, tenta fugir para o exterior e acaba sendo impedida por Tião, que avisa no aeroporto sobre sua fuga e manda parar o avião imediatamente. Depois de correr de Tião, ela vai parar numa estação ferroviária, onde um trem se aproxima e atropela Magnólia, sendo este aí o fim da vilã.
Novela das nove da Globo, “A Lei do Amor” chegou ao fim nesta sexta-feira (31) com ótima audiência e superou três antecessoras.
Exibida das 21h13 às 22h40, a trama escrita por Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari bateu recorde de audiência no último capítulo, com 37.8 pontos de média e chegando a pico de 40 pontos, segundo dados preliminares da Grande São Paulo.
Com esse índice, “A Lei do Amor” superou o índice final de três antecessoras: “Velho Chico” (35), “Babilônia” (34) e “Em Família” (37).

Confira a seguir a audiência do último capítulo das dez últimas novelas do horário das nove.
Velho Chico – 35
A Regra do Jogo – 41
Babilônia – 34
Império – 46
Em Família – 37
Amor à Vida – 48
Salve Jorge – 46
Avenida Brasil – 52
Fina Estampa – 47
Insensato Coração – 47

Cada ponto equivale a 70.5 mil domicílios na Grande São Paulo. Os dados são prévios e podem sofrer alterações no consolidado.

Fonte: TV Foco

Todas as suas novelas (TODAS) são ambientadas em São Paulo. Leia sobre Sílvio de Abreu e suas obras


Nome Completo: Sílvio Eduardo de Abreu
Data de Nascimento: 20 de dezembro de 1942
Local: São Paulo (SP)
Profissão: ator, dramaturgo, diretor, cenógrafo
Principais Novelas: Guerra dos Sexos, Cambalacho, Rainha da Sucata, A Próxima Vítima, Torre de Babel, Belíssima

Sílvio Eduardo de Abreu nasceu em 20 de dezembro de 1942 na cidade de São Paulo (SP), no bairro da Liberdade. É visível seu amor pela sua cidade pelo fato de ter ambientado suas tramas nela, que é a maior cidade do Brasil.
Quando tinha 19 anos, se matriculou na Escola de Arte Dramática de São Paulo, graduando-se em cenografia. Já fez trabalhos como ator, incluindo a peça Tchin Tchin, ao lado de Cleide Yáconis, e as novelas A Muralha, e A Próxima Atração, que marca sua primeira vez na Rede Globo.
A primeira novela escrita por Sílvio de Abreu foi lançada em 1977. Éramos Seis, exibida pela Rede Tupi, é uma adaptação do livro homônimo de Maria José Dupré, e conta a história de Dona Lola, que preza pela felicidade do marido Júlio, e dos quatro filhos: Carlos, Alfredo, Julinho e Maria Isabel. Com o passar do tempo, muita coisa na vida de Lola muda, como a morte de Júlio e Carlos, o sumiço de Alfredo, a união de Maria Isabel com um homem casado, e a de Julinho com uma moça rica. Dona Lola foi interpretada por Nicette Bruno, e Éramos Seis de Silvio foi o segundo remake da Tupi e um de quatro ao total. O último foi produzido em 1994 pelo SBT (também escrito por ele) e protagonizado pela atriz Irene Ravache.
Seus pais eram o músico Mozart de Abreu e a costureira Ana Mestieri de Abreu, e Silvio fez a sua vida estudantil na escola paroquial Nossa Senhora da Paz. Embora tivesse se formado em cenografia, nunca exerceu a profissão.

O começo na Globo
04 de setembro de 1978. É a data de estréia de Pecado Rasgado, novela das sete da Rede Globo e um de vários sucessos de Silvio na mesma emissora, tanto é que a novela ganhou reprise no Vale A Pena Ver de Novo em 1983.
Teve como protagonista Aracy Balabanian, que interpretou Teca, uma famosa psicóloga com problemas sentimentais.
Em 1981, foi substituto de Cassiano Gabus Mendes em 'Plumas e Paetês' no fim da novela.


Aracy Balabanian como a psicóloga Teca. A atriz era uma das que mais atuaram nos trabalhos de Silvio de Abreu
Grandes sucessos
Em 1981, mais uma vez no horário das sete, Silvio volta a emplacar mais uma novela. No dia 26 de outubro daquele ano, estreara Jogo da Vida, que teve a difícil missão de substituir o fracasso O Amor É Nosso. A trama foi inspirada no argumento de Janete Clair, As Quatro Marquesas, e teve a atriz Glória Menezes como Jordana, que foi abandonada pelo marido Silas (Paulo Goulart) depois de 18 anos de casada, e após este ficar rico. Juntos, tiveram uma única filha, Lívia (Débora Bloch), que decide sair da casa da mãe para morar com o pai.


Glória Menezes e Paulo Goulart como capa da revista Amiga, representando seus personagens da novela Jogo da Vida
Um ano depois do fim de Jogo da Vida, o autor escreveu e lançou Guerra dos Sexos. A principal história é a dos primos Charlô (Fernanda Montenegro) e Otávio (Paulo Autran) (que se tratam pelos apelidos jocosos de Cumbuca e Bimbo). Eles já namoraram na adolescência, e receberam como herança de seu tio Enrico as lojas Charlô's e a mansão onde moram. Os atritos entre os primos, tanto em casa como no escritório, tornam essa convivência impossível. Charlô faz a Otávio uma proposta: um dos herdeiros deverá abrir mão de sua parte em nome do outro, numa arriscada aposta de cem dias, período que Charlô e sua equipe têm para elevar o lucro das Lojas Charlô's (gravada no Shopping Eldorado) em uma percentagem estipulada. Caso contrário ela perde tudo. Começa aí uma verdadeira guerra dos sexos.

Logotipo da primeira versão
Fernanda Montenegro e Paulo Autran em Guerra dos Sexos, de 1983
Fernanda e Paulo numa das cenas mais antológicas da televisão brasileira
Tarcísio Meira interpretou o filho adotivo de Charlô, Felipe, que teve vários casamentos e não conseguia se acertar com as mulheres. Maitê Proença e Ângela Figueiredo interpretaram Juliana e Analu, as filhas de Felipe.
Passou os anos de 1984/85 como supervisor de texto da novela Vereda Tropical, voltando logo após com seu próximo trabalho, Cambalacho. Natália do Vale interpretou a vilã, Andréia, que armava um grande golpe em cima de seu marido, Antero (Mário Lago), para enfim poder ficar com sua fortuna. No decorrer da trama, é descoberto que a fortuna foi para o nome de Leonarda Furtado (Naná) (Fernanda Montenegro), que vive aplicando golpes/cambalachos como meio de sobrevivência. Chega ainda de viagem a suposta filha de Naná, Daniela (Louise Cardoso), que morava no exterior e a mãe não a via desde pequena, e acompanhada de dois vigaristas que se fazem passar por nobres franceses, Armandinho (Oswaldo Loureiro) e João Pedro (Luiz Fernando Guimarães).

A novela ganhou reprise em 2015 no Canal Viva. Antes, já tinha ido ao ar no Vale A Pena Ver de Novo em 1991.

Fernanda Montenegro e Gianfrancesco Guarnieri foram companheiros de golpes em Cambalacho
Regina Casé era Albertina, fã de Tina Turner que passou a se chamar Tina Pepper em homenagem à sua ídola
Louise Cardoso foi a vilã Daniela, que se fazia de filha de Leonarda
Edson Celulari como Tiago, que vive em divergência com seu pai Antero (Mário Lago) por ter escolhido ser bailarino
No dia 09 de novembro de 1987, entra no ar mais um sucesso de audiência, Sassaricando. O núcleo principal é o triângulo amoroso Aparício Varela (Paulo Autran), Rebeca (Tônia Carrero) e Teodora Abdalla (Jandira Martini). Há 34 anos, Aparício Varela abandonou um grande amor no Rio de Janeiro para realizar o sonho de se tornar milionário. Casado com a tirana Teodora Abdala, herdeira da Tecelagem Abdala, em São Paulo, ele leva uma vida de luxo. Preside a fábrica da mulher, mas não é feliz com a vida que leva. É submisso, sofre com os chiliques da filha, a mimada Fedora (Cristina Pereira), e das cunhadas, Lucrécia (Maria Alice Vergueiro) e Fabíola (Ileana Kwasinsky). Ao ficar viúvo, Aparício assume a presidência da empresa, o comando da mansão e decide reconquistar o amor da antiga namorada, a estilista Rebeca. Mas as coisas não saem do jeito que ele previa. Após ser rejeitado, o empresário decide levar uma vida de “sassaricos”. Além de não desistir do romance com Rebeca, ele também deseja conquistar duas amigas da estilista, a atriz Leonora (Irene Ravache) e a dona de casa Penélope (Eva Wilma).



Cláudia Raia como Tancinha
Cláudia Raia, Marcos Frota e Alexandre Frota como o triângulo amoroso Tancinha, o seu vizinho Apolo e o publicitário Beto
Tônia Carrero e Paulo Autran em Sassaricando
Jandira Martini como Teodora Abdalla
Cristina Pereira encarnou a filha de Teodora e Aparício, Fedora Abdalla. Diogo Vilella fez o seu marido, Leonardo, que a detesta, e só é casado com ela por interesse

Laerte Morrone como Aprígio, irmão de Aparício

Sílvio escreve seu primeiro enredo para o horário das oito. Rainha da Sucata retratava o universo dos novos-ricos e da decadente elite paulista contrapondo duas personagens femininas, a emergente Maria do Carmo (Regina Duarte) e a socialite falida Laurinha Figueroa (Glória Menezes), entre março e outubro de 1990. Do Carmo fica rica com os negócios do pai, o vendedor de ferro-velho Onofre (Lima Duarte), tornando-se uma bem sucedida empresária, mas que ainda mantém os mesmos hábitos de seu passado humilde. É apaixonada por Edu Figueroa (Tony Ramos), que no passado a desprezara e humilhara. Agora rica, Maria propõe ao rapaz que os dois se casem para poder salvar a família da falência, porém fica enlouquecida com Laura, que é madrasta do rapaz e faz de tudo para conquistá-lo.

Regina Duarte em Rainha da Sucata
Glória Menezes, Tony Ramos e Regina Duarte viveram um triângulo amoroso na trama
Aracy Balabanian como Dona Armênia, dona de um sotaque que mistura armênio com português. Vivia ameaçando Maria do Carmo, dizendo que iria jogar o Prédio da Sucata (empresa de propriedade da própria Maria) "na chón", expressão esta que virou bordão ao ser repetida várias vezes pelo telespectador.
Dona Armênia tinha três filhos: Geraldo (Marcello Novaes), Gerson (Gerson Brenner) e Gino (Jandir Ferrari)
Antônio Fagundes, como o arqueólogo Caio, e Marisa Orth, como Nicinha, a noiva de Caio, que tem medo de morrer solteira
Paralelamente à novela, escreveu a minissérie Boca do Lixo, transmitida em oito capítulos em julho de 1990. Teve como protagonista a modelo Sílvia Pfeifer, que fez ali seu primeiro trabalho. Sua personagem tinha o nome de Cláudia Toledo, uma bela mulher cuja carreira artística começou de forma bastante promissora. Fazendo fotografias para revistas masculinas e o cinema nacional, no período das pornochanchadas, a transformou em um símbolo sexual. Mas com a retração da indústria cinematográfica a sua desastrosa experiência em televisão, a carreira de Cláudia entra em decadência. Porém a vida de Cláudia mudou totalmente ao ser assediada pelo industrial Henrique Ribeiro (Reginaldo Farias), um quarentão solteiro e rico. O inevitável envolvimento entre os dois resulta em casamento e eles vão morar na cidade de Rio Negro, onde Henrique assumiu o seu cargo na metalúrgica herdada pelo seu pai. Em Rio Negro que Cláudia conhece Tomás (Alexandre Frota), empreiteiro de uma obra de seu marido, um tipo másculo e bonitão com quem ela se envolve. Mas o casamento e o adultério fazem parte de um plano criminoso de Henrique, que precisa desaparecer depois de dar um golpe envolvendo muito dinheiro.



O autor volta para o horário das sete em 31 de agosto de 1992, com a estréia de Deus Nos Acuda, que conta a história de Celestina (Dercy Gonçalves), um anjo responsável pelo Brasil. Ao ser ameaçada por Deus de ser enviada para o país que deveria ajudar a crescer, ela entra em desespero e procura o anjo Gabriel, seu amigo (Cláudio Corrêa e Castro). Para ajudar Celestina, Gabriel pede ao Todo-Poderoso que a deixe ficar no céu por mais seis meses. Deus, no entanto, impõe uma condição: Celestina terá que tornar um cidadão brasileiro mais honesto, digno e solidário, sem desrespeitar o livre-arbítrio que todo ser humano deve ter. Para cumprir sua missão, Celestina escolhe a trambiqueira Maria Escandalosa (Claudia Raia), uma jovem carismática, bonita e com bom coração, filha do também trapaceiro Tomás Euclides (Jorge Dória). Convencida de que transformará o caráter da moça, Celestina desobedece às leis divinas e a salva de uma explosão, passando a zelar pela vida da jovem na Terra. A trambiqueira, no entanto, não sabe que é objeto da atenção divina e muito menos que é vigiada dia e noite.
Além de Celestina, outro personagem invade a vida de Maria Escandalosa. Trata-se do milionário Ricardo (Edson Celulari), o filho mais velho de Otto Bismark (Francisco Cuoco). Maria conhece o rapaz e se apaixona perdidamente por ele. Seu sentimento é correspondido, mas ela não consegue revelar para Ricardo que ganha a vida aplicando golpes e, por conta disso, vive um romance conturbado, cheio de segredos. A empatia do casal foi enorme e fez sucesso com o público.




Edson Celulari e Cláudia Raia se conheceram durante as gravações desta novela. A união durou até dezembro de 2010. São pais de Enzo (nascido em 1997) e Sophia (nascida em 2003).
Cláudio Corrêa e Castro e Dercy Gonçalves em Deus Nos Acuda

Otto tinha fama de Barba Azul por ser acusado de matar suas ex-mulheres
É também o autor de A Próxima Vítima, transmitida entre 13 de março e 03 de novembro de 1995. A novela começa contando a história de Ana (Susana Vieira) e Marcelo Rossi (José Wilker). Ela, uma dona de uma pizzaria. Enquanto ele, na verdade, é casado com a rica estérica Francesca Ferreto (Tereza Rachel). Ana e Marcelo tiveram juntos três filhos, Sandro (André Gonçalves), Giulio (Eduardo Felipe) e Carina (Deborah Secco) escondidos de Francesca, que descobre a vida dupla ainda no primeiro capítulo.
Marcelo tem ainda outro relacionamento amoroso na mansão das irmãs Ferreto, onde mora. Isabela (Cláudia Ohana), que namorava o advogado Diego (Marcos Frota), e é filha da socialite Carmela, a mais nova de todas. A chefe da família Ferreto é Filomena (Aracy Balabanian), proprietária de um frigorífico localizado na zona oeste de São Paulo, e esposa de Eliseo (Gianfrancesco Guarnieri), seu subalterno. Não é a mais velha das irmãs, mas o fato de ser forte e dominadora a fez alcançar o posto de líder. Romana Ferreto (Rosamaria Murtinho), a irmã mais velha, mora em Florença, na Itália, e adora dinheiro.
Foram 203 noites que o Brasil parou para assistir e desvendar um dos maiores mistérios da televisão brasileira: "quem é o assassino do Horóscopo Chinês?". A filantropa Júlia Braga (Glória Menezes); o marido de Filomena; o advogado Hélio Ribeiro (Francisco Cuoco); o garçom da Pizzaria da Mama, Josias da Silva (José Augusto Franco) e o contador Cléber Noronha (Antônio Pitanga) foram alguns personagens que morreram assassinados no decorrer da trama. Giggio de Angelis foi o personagem que gerou os outros nove assassinatos na trama, pois este morrera atingido por tiros de pistola em 1968, e todas as pessoas que foram mortas, na verdade, eram testemunhas do assassinato de Giggio. O culpado foi descoberto somente no capítulo 203, o último: Adalberto Vasconcellos, o marido de Carmela e pai de Isabela, que assassinara Giggio por amor à Francesca, embora ela fosse casada com Giggio.
Adalberto, quando a novela ainda estava nos primeiros meses de exibição, mandou para cada um de suas vítimas uma lista com as suas datas de nascimento e os seus signos.


Da esquerda para a direita, Filomena (Aracy Balabanian), Carmela (Yoná Magalhães) e Romana (Rosamaria Murtinho)


José Wilker e Susana Vieira, como os amantes Marcelo e Ana
Aracy Balabanian e Tereza Rachel, a Francesca Ferreto, em A Próxima Vítima
Ana e os filhos Sandro e Giulio
José Wilker e Deborah Secco, como pai e filha, Marcelo e Carina
Cláudia Ohana como Isabela em A Próxima Vítima
Tony Ramos é o verdureiro Juca, apaixonado por Ana
Os filhos de Juca: Tonico (Selton Mello), que tinha um romance proibido com Carina, e Yara (Georgiana Góes), que se envolveu amorosamente com três personagens na novela
A mulher do advogado Hélio, Helena (Natália do Vale) e o filho do casal, Lucas, que enfrenta uma luta contra as drogas
Vera Gimenez foi a secretária do frigorífico de Filomena, Andréia, que era chantageada por Isabela e obrigada a ser sua cúmplice em todas as suas armações. Andréia não era mau caráter, mas guardava um segredo do passado que se fosse revelado, poderia comprometer sua vida presente.

Viviane Pasmanter foi a estudante de direito Irene, também filha de Hélio e Helena

Entre 1997/98, foi supervisor de texto da novela Anjo Mau, um dos grandes sucessos do horário das seis e remake da obra original transmitida há 21 anos antes. Dois meses após o final, entra no ar, em 25 de maio, no horário das oito, Torre de Babel, que por pouco virou um fracasso. Em quase oito meses de transmissão, a novela conseguiu exatos 44 pontos de média geral, um a menos que a meta exigida pela emissora, considerando-a razoável. No primeiro mês, a produção ficou desesperada, pois o número máximo que os capítulos alcançaram era de 42 pontos. Só à partir de julho que a coisa melhorou, pois o Tropical Tower Shopping, um dos cenários principais da novela, explodiu misteriosamente, matando os personagens que eram constantemente criticados pelo público, como o casal de lésbicas Rafaela/Neuza e Leila (Christiane Torloni; Sílvia Pfeifer), e o drogado Guilherme (Marcello Antony).




A trama conta a história do perito em fogos de artifício, José Clementino (Tony Ramos), que em uma festa de inauguração de uma das obras da construtora pertencente à César Toledo (Tarcísio Meira), flagra sua mulher tendo relações sexuais com dois homens. Ele mata a esposa e um dos homens a golpes de pá, sendo condenado à 19 anos de reclusão graças ao depoimento decisivo de César. Quando termina de cumprir a pena, fica obcecado pelo seu desejo de vingança contra César, o homem que o colocou de vez na cadeia. Ao sair da prisão, volta para onde sua família mora, em um ferro velho: seu pai, Agenor (Juca de Oliveira), e suas filhas, Sandra (Adriana Esteves) e Shirley (Karina Barum), e seus dois meio-irmãos, Gustinho (Oscar Magrini) e Boneca (Ernani Moraes).

Tony Ramos como Clementino
Sandrinha alimentava sentimentos negativos por seu pai
César é casado com Marta (Glória Menezes), de quem se distancia para viver um amor antigo com a advogada Lúcia (Natália do Vale), porém decide retomar o seu casamento.

Sílvia Pfeifer e Christiane Torloni formaram um casal na trama. Torloni interpretou a estilista e decoradora Rafaela Katz, que na verdade se chamava Neuza, e era irmã de Clementino. Sílvia foi a sua parceira, Leila, que a adorava muito
À partir do capítulo 45, todos os telespectadores só faziam uma pergunta: "quem explodiu o shopping?". Até o último capítulo, a suspeita caiu em cima de Clementino por causa de seu plano de vingança, porém, Luzineide (Eliane Costa), a cozinheira de uma das lanchonetes do shopping Tropical Towers e empregada de sua colega Bina (Cláudia Jimenez) assim que esta ficou rica, revelou que foi Sandrinha a responsável pela explosão do shopping. Foi uma das poucas vezes que a personagem Luzineide falou na novela, pois sempre pediam para que ela se calasse toda vez que abria a boca.
Um dos destaques da trama foi Ângela (Cláudia Raia), que nutria um imenso amor por Henrique (Edson Celulari), embora não fosse correspondida.

Tarcísio Meira e Glória Menezes formaram par romântico em Torre de Babel e são esposos na vida real
Glória Menezes, como a dona de casa Marta

Cláudia Raia como Ângela
Cleyde Yáconis como a rica Diolinda, e Victor Fasano como o seu filho, Edmundo, dono das Padarias Falcão
Karina Barum como Shirley, que ficou "manca" quando ainda era criança por culpa de Sandrinha
Cláudia Jimenez como a extrovertida Bina Colombo, que veio a se casar com Edmundo, ficando dividida entre ele, Gustinho e Boneca
Os irmãos Gustinho e Boneca
A advogada Lúcia Prado assume romance com Alexandre, filho de César
Marcello Anthony como o drogado Guilherme, em Torre de Babel. No decorrer da trama, o telespectador descobre que ele é pai de um menino, Guiminha (Felipe Latgé), fruto de seu relacionamento com a ex-prostituta Celeste (Letícia Sabatella), que reside junto com a criança no Mato Grosso
O deficiente mental Jamanta é apaixonado por Sandrinha, que o esnoba. O personagem reaparece sete anos depois, na novela Belíssima
Eliane Costa interpretou a amiga de Bina, Luzineide
Em 7 de novembro de 2005, entra no ar, substituindo América, Belíssima, que veio a ser a terceira novela das oito mais assistida nos anos 2000. Até o dia 7 de julho do ano seguinte, Sílvio contou a história de Júlia Assumpção (Glória Pires), presidente da loja de roupas íntimas Belíssima, que também é uma das grandes referências no setor. Ela e seu irmão, Pedro (Henri Castelli), perdeu os pais em um acidente de avião, e desde então ficou sob tutela de sua avó, a vilã Bia Falcão (Fernanda Montenegro), que controlava os passos dos dois.


Júlia se envolve com o grego Nikos (Tony Ramos), que vem ao Brasil em busca de seu filho Cemil (Leopoldo Pacheco), levado ao Brasil ainda antes de nascer pela sua mãe Katina (Irene Ravache), que fugiu da Grécia com o turco Murat Guney, que pensa que Cemil é seu filho verdadeiro. Ela e Murat tiveram juntos a fogosa Safira (Cláudia Raia), que nunca parava em um casamento. Teve três filhos de pais diferentes. Além de Safira, tiveram também o mulherengo Narciso (Vladimir Brichta).



Glória Pires foi a protagonista Júlia
Júlia teve um romance com André (Marcelo Antony), operário da linha de produção da Belíssima que aparece na vida da neta de Bia Falcão para roubar seu patrimônio
Tony Ramos foi o grego Nikos
Letícia Birkheuer foi a mau caráter Érica, bisneta de Bia Falcão em Belíssima
Cláudia Abreu foi a ex-menina de rua Vitória, filha de Bia Falcão, sendo este um dos segredos mais bem guardados pela vilã durante toda a trama
Bia Falcão também foi a envolvida no acidente de sua filha, a modelo Stella
Vera Holtz foi a melhor amiga de Bia Falcão, Ornela Sabatini. É frequentadora assídua da academia Physical, onde aproveita para conhecer homens muito mais novos que ela
Narciso (Vladimir Brichta) é tio de Mateus (Cauã Reymond), que segue seu exemplo quando o assunto é pegação. Para ganhar dinheiro escondido de seu pai, Cemil (Leopoldo Pacheco), Mateus faz programa com mulheres mais velhas, e uma de suas clientes é Ornela, com quem acaba se envolvendo.
Leopoldo Pacheco interpretou o filho de Nikos, que acreditava que seu pai fosse o turco Murat (Lima Duarte)
Cláudia Raia como a fogosa Safira


Safira tinha adoração pelo borracheiro Pascoal (Reynaldo Gianecchini), que falava o português errado e cheio de gírias. As filhas de Safira, Giovana (Paolla Oliveira) e Maria João (Bianca Comparato), também não tiram os olhos dele, que não pensa em outra mulher a não ser Safira
Grega de nascimento, Katina fugiu da Grécia para viver com o turco Murat, mas fica ressentida por não poder lhe revelar que Cemil não é seu filho biológico, e sim de Nikos
Pedro Paulo Rangel esteve em Belíssima como Gigi/Argemiro, irmão de Bia, de caráter totalmente contrário ao de sua irmã. Estava sempre do lado de Júlia quando esta sofria repreensões de Bia
Os personagens de Cláudia Abreu e Henri Castelli, Vitória e Pedro, viveram um romance sem ao menos desconfiar que eram tia e sobrinho
Silvio foi autor da última novela das oito da Rede Globo, Passione, transmitida entre maio de 2010 e janeiro do ano seguinte. 55 anos antes, Bete Gouveia (Fernanda Montenegro) engravidou de outro homem, e Eugênio Gouveia (Mauro Mendonça) se comprometeu em assumir o filho que ela estava esperando. Porém, Eugênio forjou a morte desse filho por não suportar a ideia de criá-lo por não ser o pai biológico. Antes de morrer, ele revela à Bete toda a verdade. Essa criança foi adotada por um casal de italianos e cresceu na Itália, tendo recebido o nome de Antônio, sendo conhecido por todos como Totó (Tony Ramos). Eugênio era presidente da Metalúrgica Gouveia, e depois que morreu, o cargo passou para sua mulher.



Fernanda Montenegro deu vida à Bete, que descobre o fato do filho estar vivo em Passione
Totó foi criado na Itália por ex-empregados da família Gouveia. Lá, foi casado e teve quatro filhos, Adamo (Germano Pereira - na esquerda da foto), Agnello (Daniel de Oliveira - na foto), Agostina (Leandra Leal) e Alfredo (Miguel Roncato)
Tem ainda a história de Clara (Mariana Ximenes), uma jovem ambiciosa que era a enfermeira de Eugênio. É a única que escutou a revelação que ele fez à esposa sobre Totó. É neta de Valentina (Daisy Lucidi), de quem tem muita raiva, e irmã de Kelly (Carol Macedo), a quem ama muito. Clara tem um cúmplice em suas armações, Fred (Reynaldo Gianecchini), que quer subir na vida de todo jeito.

Mariana Ximenes e Reynaldo Gianecchini
Bete teve de filhos o ambicioso Saulo (Werner Schünemann), diretor da metalúrgica que sonha em se tornar presidente; Gerson (Marcello Antony), famoso corredor da Stock Car; e a estilista Melina (Mayana Moura).
Já no quinto mês de exibição, Saulo é assassinado misteriosamente à facadas e deixado nu na cama de um motel. O mistério foi levado até o final da trama. A arma do crime foi deixada na casa de Fred, porém, quando está na prisão, ele recebe uma carta assinada por Clara como "anta", um xingamento que era sempre utilizado pela mesma, perguntando se ele havia gostado do 'presente' deixado por ela. A revelação de que Clara matou Saulo só foi transmitida nos últimos minutos da trama, quando, após forjar a própria morte em um acidente de carro durante fuga da polícia, aparece em uma ilha do Pacífico, relembrando todos os acontecimentos, inclusive os momentos em que esteve sozinha com Saulo no motel. O motivo do assassinato foi vingança, pois quando era criança, Clara era abusada sexualmente por Saulo.
Quem ganhou destaque na novela foi o italiano Berilo Rondelli (Bruno Gagliasso), marido de Agostina (Leandra Leal), filha de Totó, e de Jéssica (Gabriela Duarte), filha do Rei do Lixo, Olavo (Francisco Cuoco). No final, os três terminaram juntos.

Jéssica
Berilo (Bruno Gagliasso) e suas mulheres, Agostina, e Jéssica, no final da novela
Vera Holtz interpretou a batalhadora Candê, que sustentava sua filha Felícia (Larissa Maciel) e a neta, Fátima (Bianca Bin), criada como se fosse sua filha, e fruto de um romance entre Felícia e Gerson
Daisy Lucidi e Carol Macedo em cena da novela Passione. Daisy interpretou Valentina, avó de Kelly, personagem de Carol, e Clara.
Simone Gutierrez interpretou a secretária da empresa de reciclagem de Olavo, Lurdinha, que assim como a Luzineide de Torre de Babel, não podia abrir a boca que já falava toda a vida
Gerson, um dos filhos de Bete, é corredor da Stock Car
Werner Schünemann interpretou o empresário Saulo Gouveia, outro filho de Bete, que termina assassinado antes mesmo do final da novela, o que gerou mais um mistério de 'quem matou'
Silvio de Abreu foi supervisor de texto das novelas Alto Astral (2014) e Sol Nascente (2016), e escreveu alguns capítulos de Babilônia (2015) e A Lei do Amor (2016). Sua última novela até o momento foi o remake Guerra dos Sexos (2012).
Com o fim de Passione, a Globo deixou de usar a denominação "novela das oito" para as tramas sucessoras justamente por conta do horário em que as novelas começavam até mesmo antes da estréia das novelas das nove.

Glória Menezes, Tony Ramos, Maitê Proença, Cleyde Yáconis, Reynaldo Gianecchini, Fernanda Montenegro, Irene Ravache, Aracy Balabanian, Claudia Raia, Edson Celulari, Nicette Bruno, Vera Holtz e Alexandre Borges são algumas das constantes presenças nos trabalhos do autor.

Mais sobre a vida pessoal de Silvio de Abreu
Silvio é casado com a psicóloga e escritora Maria Célia de Abreu, que em março deste ano, lançou o livro 'Velhice - Uma Nova Paisagem'.
Em 2013, lançou o livro 'Crimes no Horário Nobre - A Teledramaturgia de Sílvio de Abreu', que conta toda a história do autor. No ano seguinte, Silvio declarou não querer mais fazer novelas por um tempo, já que passou a ser diretor de teledramaturgia dramática no Departamento de Dramaturgia da Globo, supervisionando os atores que entrarão para a lista de contratados da emissora, substituindo uma boa parte dos que já eram da casa.


Fontes:
Info Escola
Memória Globo
Wikipédia
Enciclopédia - Itaú Cultural