terça-feira, 4 de abril de 2017

Cantor Victor se defende em rede social após indiciamento pela Polícia em MG

O cantor Victor Chaves, da dupla Victor & Léo, se defendeu, na tarde desta terça-feira (4), em um vídeo publicado em uma rede social, a respeito do indiciamento pela Polícia Civil de Minas Gerais por vias de fato, uma contravenção penal, contra a mulher dele, Poliana Bagatini Chaves.
"Pessoal, eu venho a público para esclarecer uma coisa diante da qual surgiram e surgem incontáveis boatos. Eu fui indiciado legalmente por vias de fato, contravenção. Ou seja, eu não machuquei ninguém. O que eu pratiquei foi um ato de desespero para conter uma pessoa que estava completamente fora de si de pegar uma criança de um ano. E pela minha filha, o que eu fiz, eu faria de novo. Então, tudo está sendo apurado devidamente", declarou o cantor.
O advogado Adilson Rocha, doutor em criminologia, disse ao G1 que contravenção penal não é considerada crime e que tem função preventiva – ao contrário do crime que tem função repressiva. Ainda de acordo com Rocha, a contravenção penal tem potencial ofensivo, como bate-boca, empurrão e tapa no rosto, por exemplo, mas que é um tipo de agressão que não deixa lesões, marcas corporais, porque é inferior à lesão corporal.


O advogado disse que, normalmente, nesses casos faz-se apenas um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), e a pena costuma ser a prestação de serviço à comunidade ou o pagamento de cestas básicas. O especialista explicou que a condenação à prisão é muito rara e que a pena prevista para esses casos é de 15 dias a três meses de reclusão.
A conclusão do inquérito foi divulgada nesta terça-feira (4). Poliana, que tem 29 anos e está grávida, prestou queixa contra o marido, de 41 anos, no dia 24 de fevereiro. Em depoimento, o cantor negou ter agredido a mulher.
"A Polícia Civil, diante das provas coletadas, concluiu pelo indiciamento de Vitor Chaves pela contravenção penal prevista no artigo 21, do Decreto Lei 3.688, vias de fato, conforme demonstrado no laudo pericial das imagens das câmeras de segurança do prédio e pelo depoimento da vítima", afirmou em nota oficial a corporação.
No início da manhã, o advogado de Victor, Felipe Martins, disse que ainda não tinha tido acesso à conclusão da investigação e que não iria se posicionar. O empresário de Victor não foi localizado nesta terça-feira (4).
A Polícia Civil informou que encaminhou o inquérito à Justiça. Conforme o Fórum Lafayette, a partir do recebimento, será distribuído para uma das varas e o juiz vai abrir vistas para que o Ministério Público de Minas Gerais se manifeste.

Imagens
A investigação foi conduzida pela delegada Danúbia Quadros, chefe da Divisão Especializada no Atendimento à Mulher, ao Idoso e à Pessoa com Deficiência (Demid) de Belo Horizonte. Ela aguardava perícia das imagens do circuito de segurança do prédio do casal para concluir o inquérito. A polícia não deu detalhes sobre o laudo das imagens.
Parte dos fatos teria ocorrido no elevador do prédio. "Segundo a versão da vítima, ele [cantor] empurrou a mesma ao chão e desferiu alguns chutes no elevador”, informou a delegada durante a investigação.
Em 13 de março, a delegada divulgou que o exame de corpo de delito de Poliana foi negativo para lesão corporal, isto é, não havia comprovação de lesões aparentes. Contudo, este resultado não descartava a possibilidade de agressão sem deixar marcas.
Na data, Danúbia afirmou também que, de acordo com as declarações prestadas por Victor em depoimento um dia antes, houve um desentendimento familiar com a mulher, causado pelo fato de ele ter levado a filha para o apartamento da mãe dele, que fica no mesmo prédio. Conforme a delegada, o cantor disse que a mulher teria ficado muito nervosa com a situação.
“Segundo o investigado, para contê-la pelo fato de ele estar muito preocupado de ela sair naquele estado e levar a bebezinha de um ano e um mês, ele teve que contê-la para evitar um prejuízo maior para a filhinha. Segundo ele, ele não agrediu a vítima. Segundo ele, ele não chutou a perna da vítima, não empurrou a vítima ao chão”, contou a delegada sobre o depoimento prestado em 12 de março.
Ainda conforme a delegada, no dia 24 de fevereiro, Poliana procurou uma delegacia. Entretanto, ela não aguardou o atendimento, alegando que estava com pressão baixa. Segundo a delegada, Poliana retornou no dia seguinte para prestar declarações e também apontou o fato de o marido ter levado a filha na casa da sogra como a causa do desentendimento. A polícia continuou investigando o caso, porque, segundo a Lei Maria da Penha, registros de agressão independem de representação da vítima para serem apurados.

Entenda o caso
No dia 24 de fevereiro, Poliana Chaves foi a uma delegacia, em Belo Horizonte, e fez uma queixa contra o marido Victor Chaves. Segundo o boletim de ocorrência, Poliana disse que foi agredida por Victor por motivos fúteis no prédio do casal, que foi jogada no chão e recebeu vários chutes. Afirmou que, depois das agressões, foi impedida de sair do local por um segurança e pela cunhada.
No mesmo dia, a mãe de Victor, Marisa Chaves, também prestou queixa na polícia e deu outra versão. No segundo boletim de ocorrência, ela disse que Poliana foi ao apartamento dela transtornada e de forma agressiva fez ameaças e quebrou vários objetos.
No dia, a mãe do cantor afirmou aos policiais que a irmã dele tentou acalmar Poliana e que Victor segurou o braço da mulher, pedindo que se acalmasse. Marisa afirmou que a nora se atirou no chão chorando e se debatendo.
Dois dias depois, Poliana publicou uma carta em um perfil de rede social em que afirmou que em momento algum considerou que tivesse ocorrido qualquer crime, principalmente, praticado por Victor.
Em uma entrevista exclusiva à TV Globo, o cantor negou a agressão. A repórter Aline Aguiar perguntou ao artista se houve agressão. Victor respondeu: “Absolutamente. Eu nunca agredi ninguém na minha vida e muito menos a minha mulher, grávida do João”, disse à época.
Mesmo depois de a mulher de Victor negar a agressão, a polícia continuou investigando o caso. Victor, que era jurado no The Voice Kids, da TV Globo, pediu para se afastar do programa. Na edição do dia 26 de fevereiro, o apresentador André Marques leu um comunicado que dizia que a Globo repudia toda e qualquer forma de violência e acredita que essa acusação precisa ser apurada com rigor garantindo o direito de defesa na busca da verdade.


Fonte: G1

'Cauda de Isis Valverde custa uns R$ 40 mil', diz professora de sereismo

Ísis Valverde e Marco Pigossi nas gravações da novela
A moda de sereismo, que já conquistou famosas como Ivete Sangalo e Britney Spears, promete explodir com Ritinha, personagem de Isis Valverde em "A Força do Querer". Em conversa com o EGO, Mirella Ferraz, que foi professora da atriz e ajudou Gloria Perez no folhetim, fala sobre o mercado de caudas no Brasil e conta que algumas - de mergulho profissional -, como a de Isis, chegam a custar R$ 40 mil.

Mirella Ferraz
"Hoje em dia o mercado de roupas de sereia é muito forte no Brasil e em diversos outros países. Existem caudas de até R$ 40 mil. Elas são feitas de silicone, então são perfeitas. Tem escamas em 3D. A da Isis é deste modelo, mais cara, com 30 quilos, escamas perfeitas e custa uns R$ 40 mil", diz Mirella, falando um pouco mais sobre os produtos usados para dar perfeição à cauda: "Usam o neoprene, que é um tecido próprio para mergulho. A nadadeira é feita de monofin. Tudo muito profissional e um pouco caro."
Diferentemente de Isis, que já aparece na trama com uma cauda profissional, Mirella relembra que aos 5 anos se vestia de sereia de uma forma amadora. "Lembro até hoje da minha primeira cauda. Brinco que nasci sereia com pernas e, aos 5 anos, já roubava meia-calça da minha mãe. Vestia uma só nas duas pernas e corria para nadar. Depois fui crescendo e aperfeiçoando. Consegui ter a minha primeira cauda profissional em 2003", conta ela.
Mirella, que além de mergulhadora profissional e professora de sereismo também tem um ateliê de roupas de sereia, fala sobre o segmento no Brasil. Sem entrar no detalhe de valores, ela revela que consegue se manter apenas com o trabalho de sereia.
"Ganho minha vida há cinco anos assim. A venda de caudas de sereia é muito boa e explodiu no Brasil recentemente. De 2015 pra cá, estou vendendo muito mais. Antes o mercado era apenas de crianças que gostavam da personagem Ariel (do filme 'A Pequena Sereia'), depois algumas famosas começaram a aderir e se popularizou", diz.

Truques para ser uma sereia 
Relembrando alguns ensinamentos que passou para Isis Valverde, Mirella conta que ser sereia não é uma tarefa tão fácil. Foram quatro meses de preparação com a atriz, que precisou aprender como nadar corretamente, abrir o olho embaixo d'água e até apneia.
"O mergulho de uma sereia é completamente diferente. Você não bate as pernas, elas ficam juntas. É igual golfinho ou baleia, um nado ondulatório. Ensinei também a Isis a aguentar mais tempo sem respirar durante o nado. Ela precisou aprender toda uma expressão corporal e facial nos mergulhos. Uma sereia não pode soltar bolhas de ar, tem que ficar com os olhos abertos e fazer algumas acrobacias. Nós treinamos giros, cambalhotas, nados com o cabelo, que são suas armas de sedução", explica a professora Mirella.

Ísis Valverde nas gravações de A Força do Querer

Fonte: EGO

Cuidado com novo golpe que circula pelo WhatsApp


Se receber uma mensagem no WhatsApp com um link para um vale-presente (ou gift card) da loja O Boticário, nem pense em abrir. Trata-se de uma isca para o mais novo golpe que circula pelo aplicativo de mensagens e lesou pelo menos 50 mil pessoas em cinco dias, nas contas da empresa de segurança digital PSafe.
A oferta promete R$ 500 de crédito em qualquer loja da rede, mas o link encaminha a vítima para um questionário de três perguntas sobre O Boticário. A próxima página pede que o resultado seja compartilhado com dez amigos para que o vale-presente fique disponível.
A manobra apenas faz com que o golpe, que encaminha as vítimas para páginas que roubam dados, seja disseminado. Segundo a PSafe, houve registros, neste caso, de que, após o questionário, foi solicitado a quem preenchia que baixasse um app da loja. O aplicativo seria uma porta de entrada de vírus no aparelho. O ideal é manter a máxima de segurança de não baixar arquivos de origem desconhecida e principalmente sem antes confrontar tais “promoções” nos canais oficiais.

Fonte: Cenário MT

XBOX 360 É O CONSOLE MAIS POPULAR NO BRASIL

A quarta edição da Pesquisa Game Brasil, realizada anualmente para traçar o perfil dos jogadores brasileiros, indica que o Xbox 360 continua sendo o console mais popular no país, representando 44,2% dos entrevistados.
O resultado segue com o PlayStation 3 (29,2%) e PlayStation 2 (26,5%) em segundo e terceiro lugar, respectivamente. Os consoles da nova geração aparecem em seguida, com o PlayStation 4 (21,8%) na frente do Xbox One (16%). Realizada pela Sioux, Blend e ESPM, a pesquisa conversou com 2.947 participantes, entre os dias 1 e 16 de fevereiro, em todos os estados do Brasil.


Outro resultado é que o PS4 é o console favorito dos brasileiros, com 30,7% de indicação, seguido pelo Xbox 360 (28,6%), PS3 (17,5%) e Xbox One (13,2%). Ainda, a PlayStation se mantém como a marca preferida dos jogadores, com 59% das escolhas, enquanto o Xbox tem 36% da preferência e a Nintendo 5%.
Continuando nos consoles, 67,5% dos jogadores adquirem produtos por meio de lojas oficiais no Brasil, enquanto 17,3% optam pelo mercado paralelo e 9,5% em viagens internacionais. É interessante observar que 62,9% dos entrevistados compram somente até 3 jogos por ano.
A pesquisa deste ano inclui analises sobre o público nacional de eSports, indicando que 61% dos entrevistados nunca participaram de algum campeonato, enquanto 37% competiram entre amigos e 2% participaram de torneios grandes. 20% dos jogadores que estiveram em campeonatos fazem parte de equipes profissionais, sendo que 32% já ganharam dinheiro jogando.
As conclusões do perfil dos jogadores no Brasil indicam que as mulheres continuam crescendo no segmento, sendo que em 2017 elas representam 53,6% do público. De todos os entrevistados, apenas 6,1% se consideram "hardcore gamers", com a maioria se identificando mais como um consumidor casual.

Fonte: IGN

Após ficar mais de uma hora no confessionário, Marcos grita com produção do “BBB17”: ‘Podem me tirar’


O clima segue bastante tenso dentro da casa do “BBB17”. Marcos, por exemplo, permaneceu por mais de 1 hora dentro do confessionário falando com a produção do programa na tarde desta terça-feira (4).
O gaúcho que no dia de ontem arrumou diversas confusões dentro da casa, não pareceu baixar sua bola, mesmo falando com a produção do reality show. Marcos gritou com a produção do reality show. Os comentários exaltados do gaúcho foram ouvidos na casa e pelos assinantes do pay-per-view. “Vocês podem me tirar daqui, mas vou sair digno”, disse o brother, segundo os usuários do Twitter.
Na internet, o comportamento do médico causou espanto em diversos internautas: “O Marcos está gritando muito dentro do confessionário. Eu estou na câmera da sala e deu para escutar ele berrando. Ieda escutou também”, disse um. “Marcos surtando no confessionário dizendo que ‘verás que um filho teu não foge à luta’. Ninguém deu o remédio dele hoje?”, perguntou outro. “Vamos tirar esse descontrolado”, pediu um terceiro.
Depois, Marcos se arrependeu do surto e decidiu pedir desculpas à todos os outros brothers.

Fonte: TV Foco

Ai, que luxúria: grife nova iorquina lança campanha com modelos fazendo sexo

Ousadia é a palavra de vez, ao que parece. A grife Eckhaus Latta lançou sua campanha de Primavera 2017, digamos, bastante destemida, que chegou a tirar o site da label do ar devido ao número de visitantes. O motivo? Na campanha os modelos aparecem vestidos com as roupas da marca e...fazendo sexo.
Segundo Mike Eckhaus e Zoe Latta, a ideia dos estilistas e criadores da grife não foi provocar e sim mostrar o sexo de uma forma bonita.


“Para nós era importante pensar o sexo como algo natural e não uma coisa fabricada, hipersexualizada ou tabu”, declarou Eckhaus.
Zoe Latta, por sua vez, explicou que o objetivo era sim despertar o desejo sexual nas pessoas, mas também “normalizar o sexo e não fazer um sensacionalismo”.
Para a campanha, os estilistas colocaram um anúncio na Craigslist (classificado do EUA), onde procuravam pessoas "interessantes e interessadas" em participar da campanha, mas não tiveram muito resultados e brincaram sobre a possibilidade dos dois estrelarem. Foi então que Sam Muglia, diretor de casting, encontrou e indicou algumas pessoas que toparam o desafio e posaram para as lentes de Heji Shin.
Vale lembrar que Eckhaus Latta já possui no histórico uma busca constante em desafiar limites e como o objetivo final é vender, Mike afirma que estavam “pensando em como usar a relação entre publicidade de moda e sexualidade para dizer que sexo vende”.

Campanha de primavera 2017

Fonte: Jornal do Brasil

Xuxa mostra bastidores de Dancing Brasil no Canal X

A Record estreou na última segunda-feira, dia 3, Dancing Brasil, o mais novo reality show da emissora que colocará os famosos para dançar! Apresentador por Xuxa Meneghel, a atração ainda contará com coreografias da própria Rainha dos Baixinhos, que participou de diversos ensaios e suou a camisa.
Mostrando no Canal X, seu canal do YouTube, os bastidores das gravações do número de abertura do programa, que é ao vivo, a loira mostrou sua simpatia de sempre, além de revelar cenas exclusivas. Em determinado momento, ela recebe um elogio da coreógrafa Aninha Calderon, que afirma que uma bailarina surgiu de dentro de Xuxa:

- Surgiu e desapareceu!, brincou a apresentadora.

Foram três meses de muito ensaio antes da grande estreia da atração, que vai ao ar todas as segundas-feiras, às 22h30 na Record. Além de ensaios e figurinos, Xuxa ainda revelou cenas da gravação do teaser do programa, que aconteceu no Arco da Lapa, no Rio de Janeiro, e mostrou os participantes, famosos como Juliana Silveira, Mayte Piragibe, Sheila Mello e Leo Miggiorin. Leo, aliás, encheu Xuxa de elogios!
- Nossa é muita emoção, sério! Pra quem sempre assistiu, pra quem sempre gostou de estar perto, de admirar... dançar com ela... eu tô me sentindo paquito! (...) tô muito feliz! é muito cansativo, se entrega muita energia, mas ela só traz mais alegria pra gente, mais brilho.
Por fim, como o canal mostra cenas cotidianas de Xuxa, há uma cena engraçada em que ela aparece sendo fechada no trânsito... por uma freira!

Fonte: Folha Vitória

Primeiro capítulo da novela 'A Força do Querer' fisga o público pela expectativa

Ísis Valverde como a sedutora Ritinha em A Força do Querer
Difícil fugir da redundância pra definir o impacto causado pelo primeiro capítulo da novela "A Força do Querer": que estreia forte! A parceria de Glória Perez com o diretor Rogério Gomes, o Papinha, já dá sinais de que além de dar certo, será um sucesso. Das quatro protagonistas anunciadas anteriormente, duas dominaram e brilharam no capítulo desta segunda-feira (3): os dramas de Bibi (Juliana Paes) e Ivana (Carol Duarte) comoveram e envolveram o espectador, ambas mostrando a que vieram. Ritinha (Isis Valverde) foi a expectativa saciada só na última cena e Jeiza (Paolla Oliveira) deixou o público na vontade com sua ausência.

IVANA X JOYCE
Na contramão de muitas das tramas que a precederam, "A Força do Querer" teve uma primeira fase curtinha, que pode ser considerada apenas um prólogo. Um dos destaques desse início foi a Ivana-mirim, que deixou bem clara sua insatisfação com os apetrechos todos que a mãe a obrigou a usar durante uma seção de fotos. A menina deu um tom de humor para a cena e como quase toda criança ganha o público pelo carisma. Após a passagem de tempo a tensão entre mãe e filha ficou clara logo de cara. Carol Duarte faz uma ótima estreia e já dá provas de que vai dar conta do recado da personagem, que precisa conquistar a empatia dos telespectadores e levá-los para o seu lado. É uma grande missão, e a atriz mostra estar preparada.

Ivana já demonstra incômodo com as imposições da mãe, Joyce (Maria Fernanda Cândido)
O SONHO DE ZECA E RUY: REALISMO FANTÁSTICO?
De todo o capítulo, o único senão talvez seja a cena do sonho dos meninos Ruy e Zeca resgatados pelo índio. Nesse momento os efeitos especiais causaram um certo estranhamento, e ficou a dúvida: será que tem realismo fantástico ao longo de toda a trama ou foi só esse momento onírico? Mas, por outro lado, nessa primeira fase Dan Stulbach protagonizou cenas ótimas, como os momentos em que Eugênio se desespera ao ver que o filho caiu no rio, e depois quando conversa com o guia em frente à fogueira, achando que o menino havia morrido. Ah, e Lilia Cabral, como de costume, arrasou. Silvana não deixa dúvidas de que é um prato cheio para todo o talento da atriz.

BIBI, CAIO E RUBINHO
A trama de Bibi reflete sua personalidade intensa. Ela já começou terminando a relação com Caio (Rodrigo Lombardi) e não só a briga dos dois como o sofrimento do executivo depois de ver a amada com Rubinho (Emílio Dantas) foi de tirar o fôlego. Lombardi foi seguro e também deu intensidade aos sentimentos em cena ainda que não da mesma forma estourada que Juliana (como a personagem pede). Na trilha do casal a canção "Eu te amo" de Chico Buarque foi uma escolha bastante acertada, pois dá a dramaticidade no tom exato. Vimos pouco de Bibi após a passagem de tempo, mas a surpresa que ela ganhou do marido, Rubinho, já virou memes no Twitter, ainda durante a exibição do capítulo.

Bibi briga com Caio no primeiro capítulo
Na transição de fase, Bibi recebe homenagem de seu marido, Rubinho
O GANCHO DA SEREIA
E no fim, depois de tanto falarem dela, Ritinha deu o ar da graça, saindo de dentro do rio para seduzir não só Zeca (Marco Pigossi) e Ruy (Fiuk), mas também o público. A fotografia das cenas de Isis chama atenção pela atmosfera mística criada, além é claro dos encantos da atriz que mergulha (literalmente, nesse caso), no universo da personagem. Deu para ver pouco ainda de Parazinho e a cultura do Norte, mas o querer mais foi pleno no fim do capítulo. Para amanhã fica a expectativa de mais sereísmo e da chegada da Jeiza, que vem para deixar claro que mulher pode (e deve, e vai) fazer o que quiser.

CHEIRO DE SUCESSO
Esta estreia tem cheiro de sucesso, mas não podemos esquecer de que "Salve Jorge", a última novela de Gloria, sofreu com a audiência e recebeu duras críticas. Para conhecer mais os personagens e entender melhor a trama, confira o nosso quem é quem. E se você está curioso para saber o que vem por aí, veja o resumo da semana.

(Por Samyta Nunes)

Fonte: Purepeople

Bolsonaro solta frase asquerosa sobre quilombolas em evento


Catraca Livre - O repulsivo deputado federal Jair Bolsonaro aproveitou uma palestra nesta terça-feira, 4, no clube Hebraica, no Rio de Janeiro, para soltar mais uma de suas declarações baseadas em racismo, machismo e outros tipos de preconceito.
Ao falar sobre reservas indígenas e quilombolas, o deputado soltou a seguinte frase: "onde tem uma terra indígena, tem uma riqueza embaixo dela. Temos que mudar isso daí", afirmou, de acordo com o jornal O Estado de S. Paulo.
Na sequência, ele dá esta declaração: "Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de R$ 1 bilhão por ano é gasto com eles."
Ele disse ainda, segundo o jornal, que vai acabar com todas as reservas caso seja eleito em 2018.
Considerado o político mais repulsivo do mundo por um site estrangeiro, Bolsonaro coleciona falas de cunho machista e racista. Ao responder uma pergunta de Preta Gil, ele já disse em um programa de TV que seus filhos não "correm risco" de se apaixonar por negrasporque foram "muito bem educados". Ela prometeu processá-lo.

Ele também é lembrado por dizer que a deputada Maria do Rosário não deveria ser estuprada porque não merece e que refugiados são "a escória do mundo".

Confissão de José Mayer indica sobrevida de primitivismos morais


por Reinaldo Azevedo - O blog #AgoraÉqueSãoElas, da Folha, errou feio ao publicar o relato da figurista Susllem Meneguzzi, acusando o ator José Mayer de assédio — ou, a ser verdadeira a narrativa da vítima, que não foi contestada, houve bem mais do que isso. Qual foi o erro? Não ter tentado ouvir previamente o acusado. Contraria o Manual de Redação da Folha e, por óbvio, do bom jornalismo. Errou, mas, pelo visto, não mentiu.
O jornal havia retirado do ar o testemunho de Susllem, que agora volta. Para ler, clique aqui.
Sim, tenho considerações a fazer que dizem respeito ao nosso tempo e a tempos pelos quais anseio. Vamos lá.
Li o relato de José Mayer, em que reconhece a culpa, com certo asco. Sim, pela coisa em si, que é deplorável, mas também porque ele busca, de algum modo, diluir suas responsabilidades pessoais nas de todos os homens.
Lá está escrito:
“Tristemente, sou, sim, fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.”

Vamos devagar aí!
“Quem nunca contou uma piada machista? Quem nunca contou uma piada contra gays? Quem nunca contou uma piada contra preto? Quem nunca contou uma piada contra aleijado?”
Bem, a primeira coisa a responder nesse caso é a seguinte: nem todos contam. Eu, por exemplo, não conto. Mas também não conto piadas contra empresários, policiais ou direitistas só porque eles são empresários, policiais e direitistas, né? Faço essa observação para que Gregório Duvivier se acalme. Não estamos e jamais estaremos do mesmo lado.
De resto, fuja do conforto do “quem nunca?”. Isso nada tem a ver com a polícia da linguagem instituída pelo politicamente correto — (“Ah, não se diz mais ‘aleijado’). Estamos falando de escolhas de civilização. Qual queremos?

Machismo atávico?
Escreve o ator:
“Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, não sou.”
Entendo. Por alguma razão, talvez sem onde focar o seu desejo, ele resolveu que com Susllem pudesse ser diferente, não é? Ora… O personagem “pegador” já contracenou com mulheres deslumbrantes. Não consta que tenha se excedido. Ainda que se quisesse evocar algum componente de ordem psíquica a justificar a sua conduta, parece que a hipótese sai bastante enfraquecida. Assediar a figurinista evidencia um mau uso das relações de poder. Eis a verdade.
Infelizmente, é preciso admitir que, não fosse a publicação do relato, o ator estaria impune — ainda que a punição de agora seja apenas moral.

Feminismos
Sim, existe o feminismo necessário, e há o feminismo destrambelhado. Mas não sou mulher e não serei eu a dizer qual serve e qual não serve. Sou casado com mulher, tenho duas filhas e não reconheço, sob qualquer pretexto, uma, vamos dizer, determinação sociológica que imponha aos homens agir contra os direitos assegurados às mulheres (e aos homens) pela Constituição.
Aliás, repito aqui o que sempre disse às minhas filhas: não importa em que fase do processo você fique com vontade de dizer “Não”. O “não” quer dizer… NÃO!
Sim, reconheço: poucas militâncias podem ser tão obscurantistas como o feminismo sectário. Hoje, há malucas e malucos proclamando por aí que toda transa heterossexual é “estupro”, porque, afinal, o “homem que penetra” e a “mulher que é penetrada” teriam se transformado em categorias simbólicas. Assim, a violência sexual estaria embutida mesmo nas práticas consensuais, amorosas, virtuosas. Não! Estaríamos diante de uma questão, digamos, ontológica. E a doçura de uma relação sexual só mascararia um histórico de violência.
Que coisa, né? Por esse caminho, então, a gente poderia passar a mão na cabeça de José Mayer e livrá-lo da culpa. Afinal, cada homem no particular não poderia ser responsabilizado por uma violência inata, que não escolheu, da qual não pode se livrar.
É claro que existe o feminismo doidivanas, que vaza, às vezes, para a legislação. A caracterização do “feminicídio” é uma dessas bobagens vendidas como “conquista das mulheres”. Não! É só exercício tosco do direito. Recentemente, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) resolveu voltar à Grécia antiga do século 4 a.C. e propor uma greve de sexo, como na peça Lisístrata, de Aristófanes. No caso, as mulheres protestavam contra a Guerra do Peloponeso. Proposta de Lisístrata, a líder: paz em troca de sexo. Ou sexo em troca de paz, sei lá.
Bem, a guerra principal que há no Brasil, ora bem-feita, ora malfeita, é contra a safadeza, né, senadora? Contra aqueles que abusaram de suas prerrogativas para assaltar os cofres públicos. E, claro, fico tranquilo se souber que Gleisi ficará longe de “Édipo Rei”, de Sófocles; de “Electra”, de Eurípedes, e de “Medeia”, do mesmo autor. Vai que ela comece a ver virtudes redentoras, respectivamente, no parricídio, no matricídio e no filicídio…
Como vocês sabem, eu tenho muito receio da direita que não lê. Mas também é preciso tomar muito cuidado quando a esquerda lê.

Caminhando para o fim
Há um feminismo (ou feminismos) estúpido, anti-homem e, em muitos aspectos, anti-humanista. Basta ver a militância da maioria dessas correntes em favor da descriminação do aborto. A tese, em si, me parece — de novo a palavra — “humanamente” bárbara. Mas me incomoda menos essa enormidade do que outra: o não reconhecimento de que o feto é pessoa em potencial, sim.
Assim como os protegidíssimos ovos de tartaruga são, afinal, tartarugas potenciais. Sem contar que a afirmação de que o feto é algo que só diz respeito ao que a mulher fará com o seu corpo elimina o homem da narrativa. Afinal, nesse caso, ele foi o quê? Um doador aleatório de semente? Voltamos a um período da Idade Média, quando se acreditava que as fêmeas de urubu eram inseminadas pelo esperma dos machos, que estes largavam literalmente ao vento?
E olhem que esse caso dá pano pra manga porque logo se vai resgatar a tese estúpida da “cultura do estupro”. Bem, qualquer psicanalista sério atestaria que o comportamento do ator não é o do estuprador. Até porque parece que o excitava a prática furtiva, num ambiente quase público. Tudo indica que o constrangimento dela é que assanhava a sua sede. É outra psicologia do estuprador.
“Cultura do estupro” é uma invenção militante que não serve para o caso. O que se tem aí é machismo tosco, imposição do forte sobre o fraco e, claro!, certeza da impunidade.
Ok. José Mayer pediu desculpas. Mas a sua carta evidencia que tem muito a aprender.
Que as mulheres não deixem barato! E falo isso na minha condição mais básica, independentemente de escolhas políticas ou ideológicas: fala o filho de mulher, o marido de mulher, o irmão de mulher, o pai de mulheres.

Fonte: VEJA

Arquiteta Chu Ming Silveira, criadora do orelhão, completaria 76 anos hoje

Nome: Chu Ming Silveira
Data de Nascimento: 04 de abril de 1941
Local: Xangai (China)
Profissão: arquiteta e design
Data de Morte: 18 de junho de 1997


A arquiteta sino-brasileira e criadora do orelhão Chu Ming Silveira, é tema de uma homenagem do Google em forma de Doodle. Esta mulher nasceu na cidade de Xangai em 04 de abril de 1941, sendo a segunda de quatro filhos. Era filha de Shui Young Queen e Chu Chen, um engenheiro civil que, durante a guerra, serviu às forças armadas nacionalistas do militar e político Chiang Kai-Shek.
Chu Ming recebeu o nome ocidental de Verônica ao ser batizada, junto com sua família, na religião católica no final de 1940, quando todos decidiram deixar a China.
Todos chegaram ao Brasil depois de uma viagem de navio que durou três meses, aportando na cidade do Rio de Janeiro em 1951. Chu Ming formou-se em arquitetura no ano de 1964 na Universidade Mackenzie, em São Paulo, e em 1972, lançou o Orelhão, projeto de cabines ovais para telefones públicos.
Casou-se com o engenheiro paulista Clóvis Silveira, com quem teve dois filhos, Djan, nascido em 1971, e Alan, nascido em 1976.


O Orelhão hoje
Apesar de ser cada vez mais difícil encontrar alguém usando um Orelhão no Brasil por conta do crescimento no número de celulares, ainda há cerca de 50 mil protetores telefônicos instalados no país. Com a popularidade do projeto, a ideia ganhou ao longo dos anos adaptações no Peru, Colômbia, Angola, Moçambique e na China, país onde a arquiteta nasceu.

Orelhão em Belo Horizonte (MG)

Cenas Inesquecíveis - Raquel provoca Tonho da Lua em 'Mulheres de Areia' (1993)


Em Pontal D'Areia, o deficiente mental Tonho da Lua (Marcos Frota) era constantemente perseguido pela vilã Raquel (Glória Pires), que vinha desmanchando todas as suas esculturas de areia e lhe dizendo desaforos. Relembre:

Susan Sarandon diz que seu assessor de imprensa inventou boato de que ela e Julia Roberts brigavam em set de filme


Revista Monet - A atriz Susan Sarandon afirmou que seu ex-assessor de imprensa inventou o boato de que ela e Julia Roberts brigavam constantemente nos sets de filmagens de ‘Lado a Lado’ (1998), dirigido por Chris Columbus. “A imprensa noticiou que nós duas nos odiávamos durante as filmagens. Depois eu descobri que o meu assessor de imprensa na época que estava criando esses rumores”, disse a atriz em mensagem publicada no Twitter.
“Se você está gravando um filme com um ator, todo mundo presume que vocês estão tendo um caso. Se é com uma atriz, todo mundo acha que você estão brigando”, disse Sarandon. No filme de 1998 a atriz interpreta uma mãe que diagnosticada com uma doença terminal que cria uma amizade com a namorada do pai de seus filhos. Assista ao trailer:


Logo depois a atriz também tratou dos rumores sobre um suposto desentendimento entre ela e Jessica Lange nos bastidores da série ‘Feud’. “Todo mundo me pergunta se nós duas nos damos bem. Nós não só nos demos muito bem como continuamos mantendo contato após as gravações. Quando você trabalha com artistas brilhantes acaba também ficando melhor”, disse Sarandon.

Priscila Pires sobre sexo com atual namorado: 'Coitados dos vizinhos!'


A vida sexual de Priscila Pires e o namorado, o personal trainer João Reis, é bem agitada. Durante o ensaio que o casal fez para o Paparazzo, a ex-BBB contou que gosta de fazer barulho - e muito! - na hora da transa. E a recíproca tem que ser a mesma por parte do parceiro, assegura ela.
"Faço muito barulho. Coitados dos vizinhos! Mas acho que já se acostumaram, porque ainda me cumprimentam na rua. Gosto de gritar, de falar, e combinei com o João que a gente só transa quando a minha casa está vazia, sem meus filhos e sem o meu irmão, Felipe, que mora comigo", disse Priscila.
João - que tem 110kg de puro músculo - curte bastante o comportamento da namorada na cama. "Quando ela grita durante o sexo me excita ainda mais. Adoro!", contou ele.
E ao chegar em casa e constatar que não há ninguém, Priscila Pires sempre segue um ritual: "Pego uma garrafa d'água na cozinha, ligo o ar condicionado do meu quarto e me jogo na minha enorme cama. Não há melhor lugar do que o meu quarto para transar."

Fonte: EGO

Imagens de câmeras de segurança confirmam que Victor, da dupla com Léo, agrediu esposa


A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu que Victor Chaves, cantor que faz dupla sertaneja com o irmão Leo, agrediu a mulher Poliana Bagatini. Nesta terça-feira (4), por meio de nota, a polícia informou que indiciou o artista, com base nas imagens das câmeras de segurança do prédio - onde o casal tem um apartamento, em Belo Horizonte -, e o depoimento da vítima.
Pelo crime de "contravenção penal prevista no artigo 21, do Decreto Lei 3.688/41, vias de fato, conforme demonstrado no laudo pericial das imagens das câmeras de segurança do prédio e pelo depoimento da vítima, Victor pode pegar uma pena que varia de prisão simples, de quinze dias a três meses, ou multa, com a valor a ser definido pela Justiça, caso ele seja condenado.

A denúncia
A mulher do cantor Victor Chaves registrou um boletim de ocorrência contra o marido por agressão, na sexta-feira, 24 de fevereiro, em Belo Horizonte. Grávida, Poliana Bagatini, de 29 anos, compareceu à Delegacia de Mulheres, na avenida Augusto de Lima, para registrar o caso. A agressão teria acontecido no bairro Luxemburgo, na região Centro-Sul da capital, onde o casal tem um apartamento.
Por volta das 11h, ela acionou a Polícia Civil para registrar uma queixa contra o marido. No Boletim de Ocorrência, Poliana relatou que o cantor a jogou no chão e deu vários chutes nela, após uma discussão. Ela teria tentado sair de casa, mas foi impedida por um segurança e pelo marido, e só conseguiu deixar o local com a ajuda de uma vizinha, que escutou a discussão e a colocou no elevador. Poliana também relatou que vinha recebendo ameaças por parte da irmã do cantor.
Ele e Poliana têm uma filha de 1 ano e anunciaram em janeiro a segunda gravidez da empresária. 

Afastamento
O cantor era jurado do programa "The Voice Kids", exibido aos domingos na TV Globo. Na segunda edição, em meio a acusação, ele foi afastado pela emissora, que não exibiu imagens de Victor, mesmo as já gravadas.
A reportagem de O TEMPO entrou em contato com a assessoria de comunicação da dupla e aguarda um posicionamento sobre o caso.

Após assédio, Globo suspende José Mayer de participar de novas produções por tempo indeterminado


A TV Globo tomou uma dura iniciativa contra o ator José Mayer: suspendê-lo de novas produções da emissora por tempo indeterminado. A iniciativa foi tomada ontem (3) por conta do assédio sofrido pela figurinista Susllem Tonani, de 27 anos, cometido pelo ator. Tanto a emissora quanto Mayer se manifestaram sobre o assunto e enviaram notas, e hoje, atrizes e outros artistas se manifestaram e usaram camisetas e colocaram imagens no Instagram com a frase "Mexeu com uma, mexeu com todas", que inclui também a hashtag #chegadeassédio. Na lista, inclui Drica Moraes, Camila Pitanga, Letícia Sabatella, Fátima Bernardes, Dira Paes, Camila Queiroz, Maria Casadevall, Tati Quebra Barraco e Débora Falabella, que está no ar em A Força do Querer.

Uma publicação compartilhada por Débora Falabella (@deborafalabellaoficial) em

no domingo passado, estive reunida com algumas das mulheres que mais admiro para discutir um assunto importantíssimo que ainda é, infelizmente, muito recorrente no nosso país. o assédio, moral e sexual, merece um basta - e já! ele não pode mais ser "normal". precisamos inventar um "novo normal"; sem constrangimento, piadinhas e sem abuso de poder. é pra frente que se olha, de mãos dadas com o coletivo, com toda a empatia e sororidade. juntas, somos mais potentes, mais seguras, corajosas e confiantes. esse movimento não é sobre um caso só. nosso propósito vai muito além. denuncie, fale com o seu superior, com amigas que você confia; procure o RH, não se cale!!! mulherada, os tempos mudaram! agora é assim: MEXEU COM UMA, MEXEU COM TODAS!!! #mexeucomumamexeucomtodas #chegadeassédio
Uma publicação compartilhada por Alice Wegmann (@alice.weg) em



Uma publicação compartilhada por Leandra Leal (@leandraleal) em


Uma publicação compartilhada por Drica Moraes (@oficialdricamoraes) em

Drica Moraes, Luisa Arraes, Tainá Müller, Cissa Guimarães, Astrid Fontenelle e Alice Wegmann
A TV Globo divulgou a seguinte nota:
"Em relação à denuncia de assédio envolvendo o ator José Mayer e a figurinista Susllen Tonani, a Globo reafirma o teor da nota divulgada na última sexta-feira, quando afirmou que o caso foi apurado e que as devidas providências estavam sendo tomadas. Naquela nota, a emissora enfatizou que repudia toda e qualquer forma de desrespeito, violência ou preconceito. E que zela para que as relações entre funcionários e colaboradores se deem em um ambiente de harmonia de acordo com o Código de Ética e Conduta do Grupo Globo. Esta convicção da Globo foi reafirmada para um grupo de atrizes, diretoras e produtoras, reunidas no domingo à noite, quando a emissora informou que, apurado o caso, tomou a decisão de suspender o ator José Mayer de produções futuras dos estúdios Globo por tempo indeterminado. O ator foi notificado na segunda-feira dessa decisão. Sobre a iniciativa de funcionários, colaboradores e executivos de usar hoje camisetas com os dizeres 'Mexeu com uma, mexeu com todas', a Globo se solidariza com a manifestação, que expressa os valores da empresa. O ator José Mayer, de enorme talento e com grandes serviços prestados à Globo e as artes brasileiras, certamente terá oportunidade de expressar seus sentimentos em relação ao triste episódio e esclarecer que atitudes pretende tomar. A Globo lamenta que Susllen Tonani tenha vivido essa situação inaceitável num ambiente que a emissora se esforça cotidianamente para que seja de absoluto respeito e profissionalismo. E, por essa razão, pede a ela sinceras desculpas".

O ator José Mayer divulgou uma carta:

"Eu errei.
Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava.
A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora.
Mesmo não tendo tido a intenção de ofender, agredir ou desrespeitar, admito que minhas brincadeiras de cunho machista ultrapassaram os limites do respeito com que devo tratar minhas colegas. Sou responsável pelo que faço.
Tenho amigas, tenho mulher e filha, e asseguro que de forma alguma tenho a intenção de tratar qualquer mulher com desrespeito; não me sinto superior a ninguém, nao sou.
Tristemente, sou sim fruto de uma geração que aprendeu, erradamente, que atitudes machistas, invasivas e abusivas podem ser disfarçadas de brincadeiras ou piadas. Não podem. Não são.
Aprendi nos últimos dias o que levei 60 anos sem aprender. O mundo mudou. E isso é bom. Eu preciso e quero mudar junto com ele.
Este é o meu exercício. Este é o meu compromisso. Isso é o que eu aprendi.
A única coisa que posso pedir a Susllen, às minhas colegas e a toda a sociedade é o entendimento deste meu movimento de mudança.
Espero que este meu reconhecimento público sirva para alertar a tantas pessoas da mesma geração que eu, aos que pensavam da mesma forma que eu, aos que agiam da mesma forma que eu, que os leve a refletir e os incentive também a mudar.
Eu estou vivendo a dolorosa necessidade desta mudança. Dolorosa, mas necessária.
O que posso assegurar é que o José Mayer, homem, ator, pai, filho, marido, colega que surge hoje é, sem dúvida, muito melhor.
José Mayer"

A figurinista Susllem Tonani ainda não se manifestou.