quarta-feira, 5 de abril de 2017

'Pega Ladrão': conheça a história da nova novela das 7


Ambientada no Rio de Janeiro, entre os bairros de Copacabana e Tijuca, Pega Ladrão tem como trama central o roubo ao Hotel Carioca Palace e seus desdobramentos na vida de cada um dos envolvidos, sejam eles hóspedes, suspeitos ou convidados do grande baile de gala. Assinando a autoria de uma novela pela primeira vez, Claudia Souto propõe "falar de ética com bom humor, sob o ponto de vista de pessoas comuns". A nova novela das 7 tem estreia prevista para junho.

Camila Queiroz
Neta do dono do Hotel, Luíza (Camila Queiroz), que vive por lá desde criança, vê sua festa de 25 anos se transformar em uma grande investigação policial. O roubo de 40 milhões de dólares do cofre, fruto da venda de Pedrinho Guimarães (Marcos Caruso), sem consentimento da herdeira, do Carioca Palace para Eric Ribeiro (Mateus Solano), é arquitetado por quatro funcionários: o concierge Malagueta (Marcelo Serrado), o garçom Júlio (Thiago Martins), o recepcionista Agnaldo (João Baldasserini) e a camareira Sandra Helena (Nanda Costa). A princípio eles hesitam, mas depois, diante de situações limite na vida de cada um, topam participar do roubo.

Thiago Martins e Nanda Costa
Com pagamento em dinheiro, o bon vivant Pedrinho planeja se mudar para os Estados Unidos, acompanhado da neta e do mordomo Nelito (Rodrigo Fagundes). Na noite do baile, com o plano do roubo bem-sucedido, Luíza sofre dois baques: descobre que Eric é o novo proprietário do Carioca Palace e que ela e o avô estão arruinados. Para ajudar, a jovem tem uma forte decepção: o amado é investigado, e a polícia o prende como principal suspeito do roubo. Ela, então, decide ir à luta para se bancar e sustentar o avô, algo que nunca precisou fazer na vida.

Nanda Costa e João Baldasserini ensaiam cena da novela
Marcelo Serrado será Malagueta, o articulador do assalto

Viúvo e pai da adolescente Bebeth (Valentina Herszage), Eric deseja transformar o imóvel em algo mais rentável. O jovem empresário nunca mais se apaixonou após perder a mulher, apesar das investidas de Maria Pia (Mariana Santos). Porém, uma paixão arrebatadora une Luiza a Eric e os sonhos dela de tomar a frente do hotel para devolver ao lugar seus tempos de glória se desfazem justamente pelas mãos dos homens que ela mais ama.
Para desvendar o crime milionário, a inspetora Antônia (Vanessa Giácomo), irmã de Nelito, não mede esforços. Profissional incorruptível, briga por justiça, porém não tem controle sobre os assuntos do coração e descobre o amor nos braços de Júlio, o ladrão arrependido. O quarteto criminoso, que não pode gastar o dinheiro para não levantar suspeitas, segue trabalhando normalmente no Carioca Palace, torcendo para que o local decrete falência e todos sejam demitidos.

Pega Ladrão marca a estréia de Valentina Herszage na TV
Mariana Santos
Vanessa Giácomo

Técnico confirma estreia antecipada do goleiro Bruno

O técnico do Boa Esporte, Julinho Camargo, confirmou ontem que vai utilizar o goleiro Bruno no hexagonal final do Módulo II do Campeonato Mineiro, que começa no sábado, mas não garantiu a estreia do camisa 1 contra no fim de semana contra o Uberaba, em Varginha. A presença do jogador será definida no coletivo que Julinho comanda amanhã no Sul de Minas.
“Realmente nossa intenção era utilizá-lo na Série B do Campeonato Brasileiro que começa em maio, mas o Bruno está evoluindo muito rápido e vou antecipar sua estreia para o Campeonato Mineiro. Só ainda não sei em qual etapa da competição ele vai estar em campo”, explicou ontem por telefone o treinador do Boa Esporte.

Goleiro Bruno com a camisa de novo time
Para Julinho, o bom rendimento de Bruno após sete anos na prisão não o surpreendeu. “Para mim não foi uma surpresa. Trabalhei muitos anos no Grêmio e no Internacional e sei muito bem como é o treinamento de um atleta de um time de ponta. Um jogador que faz este tipo de preparação tem um lastro enorme. Mesmo contando o tempo em que o Bruno ficou sem treinar profissionalmente, ele chegou com um lastro muito grande ao Boa”, avaliou.
De acordo com Julinho, Bruno precisa apenas aprimorar um pouco mais os trabalhos de força. Apesar de ter feito alguns treinos por conta própria na prisão, a carga não era a mesma de um atleta profissional.
Nesta quarta-feira Bruno completa 23 dias de treinamentos na equipe mineira. A polêmica contratação ainda divide opiniões. No dia 27 de março, o Boa foi xingado de “time de assassino” quando enfrentou a Patrocinense, em Patrocínio. O jogador sequer estava na cidade. Sobre as cobranças e atos de hostilidade pelo qual Bruno e o Boa devem enfrentar, principalmente em partidas fora de casa, Julinho garante que todo o grupo, inclusive Bruno, está preparado. “O torcedor dentro do seu estádio faz de tudo para desestabilizar o adversário. Sabemos que eles podem utilizar essa situação, mas estamos preparados. Jogador de futebol está acostumado com pressão”, completa o técnico do Boa.

Fonte: O Tempo

Ministério da Saúde muda recomendação para dose única de vacina contra febre amarela


O Ministério da Saúde mudou a recomendação quanto à dosagem da vacina contra febre amarela, decidindo que dose única é suficiente. Essa já era a orientação da OMS (Organização Mundial da Saúde), que garante que uma dose é suficiente para assegurar aos pacientes a imunidade ao longo da vida. A medida é válida a partir deste mês de abril. 

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, informou a decisão nesta quarta-feira (5). 
— A partir de agora, as pessoas que já tomaram uma dose não precisam se vacinar mais contra a febre amarela ao longo da vida.

Até então, a recomendação da pasta era houvesse uma dose e, após dez anos, um reforço. A vacina deve ser tomada por viajantes com destino a qualquer país que exija vacinação contra febre amarela ou a zonas de risco de transmissão dentro do País, além dos moradores destas regiões. Para se vacinar, basta ir a uma UBS e tomar a imunização de forma gratuita, sem que haja necessidade de apresentar comprovante de viagem.
O governo voltou a informar que estuda o fracionamento do imunizante, recurso que transforma o que seria uma dose da vacina em cinco, reduzindo o efeito protetor do imunizante para um ano.

Fonte: R7

Mulher de Victor Chaves apaga carta em que defendia o marido

A esposa do cantor sertanejo Victor Chaves apagou de seu Instagram a carta que escreveu em defesa do marido. Em um dos trechos da carta, Poliana havia deixado claro que o marido não a machucou e sequer faria isso, e para provar que não houve a agressão, decidiu ir a uma unidade do IML fazer corpo de delito.


No dia 24 de fevereiro, Victor virou notícia na mídia após sua mulher ter registrado queixa contra ele por agressão, contando ter sido derrubada e chutada no chão diversas vezes. O resultado do corpo de delito saiu, e deu negativo, levando Poliana a retirar as acusações contra o cantor, porém o caso ainda continua após uma imagem registrar um momento em que Victor apenas a retirou do elevador durante a briga.

Maria Ribeiro apoia figurinista após entrevista de Caio Blat defendendo José Mayer em caso de assédio



RIO (Globo.com) - A atriz Maria Ribeiro usou sua conta no Twitter para apoiar a figurinista Susllem Tonani, que está acusando o ator José Mayer de assédio sexual durante as gravações da novela "A lei do amor", da TV Globo. Ela publicou uma mensagem nesta quarta-feira, em meio à repercussão de uma entrevista do ator Caio Blat, marido de Maria, na qual ele defende Mayer, criticando a decisão da emissora de afastar o galã por tempo indeterminado.
"Pra todo mundo q ta perguntando no twitter e no insta: to cem por cento ao lado da Su - minha amiga corajosa - e das minas. #chegadeassédio", escreveu a atriz, uma conhecida feminista, que também é colunista do GLOBO, em tweet publicado por volta de 12h desta quarta.



Em entrevista ao site "Glamurama" durante a festa de lançamento de "Os Dias Eram Assim”, próxima supersérie da Globo, na noite desta terça-feira, Caio Blat defendeu Mayer dizendo que não concorda com a decisão de afastá-lo.
"Não estou sabendo dessa decisão de afastá-lo, mas não acho certa.José Mayer é uma pessoa que a gente conhece. A declaração que ele deu hoje foi brilhante. A forma como ele se colocou foi perfeita. Ele não representa ameaça a ninguém. Fez uma brincadeira fora de tom, e na presença de outras pessoas. Não houve intimidação", disse ele, de acordo com o "Glamurama", durante o evento no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio.
Por volta das 8h desta quarta, Maria já tinha se posicionando a favor da figurinista quando respondeu a um seguidor dela no Twitter que perguntou sobre a entrevista de Blat.

Oscar Magrini e Thiago Rodrigues saem em defesa de José Mayer


O caso de assédio sexual envolvendo o ator José Mayer e a figurinista Su Tonani está repercutindo entre seus colegas de trabalho. Em meio a uma série de protestos que envolveram famosas e anônimas, alguns atores resolveram se posicionar publicamente sobre o caso. Caio Blat foi o primeiro deles e, na manhã desta quarta-feira, 05, saiu em defesa do ator, afirmando que Mayer ''não representa ameaça''. Mais tarde, foi a vez de Oscar Magrini e Thiago Rodrigues falarem sobre o assunto. 
A denúncia de assédio foi tema levantado por Fátima Bernardes durante o Encontro desta manhã. A apresentadora procurou falar sobre os protestos das atrizes e equipe técnica da Globo, que foram trabalhar vestindo camisetas com a frase ''Mexeu com uma, mexeu com todas. Chega de assédio''. Então a apresentadora pediu a opinião de seu convidados.
Oscar Magrini era um deles e disse algumas palavras sobre o ocorrido. O ator disse que este não deve ser um caso isolado dentro da emissora. ''Não só aqui na Globo como em todos os lugares do mundo sempre existiu o assédio quando a mulher é bonita. Ou da própria mulher em cima do homem'', disse. ''Mas a minha liberdade termina onde começa a sua'', acrescentou. Na sequência, o ator disse que ''a mulher também tem que saber se colocar para não instigar o outro'', ao dizer sobre o direito das mulheres de usarem roupas provocantes.
Nesse momento, Fátima cortou seu convidado e disse: ''Mais do que instigar, né, o outro precisa respeitar, independentemente de como ela está''. Ao que o ator respondeu: ''É o que eu falei. A minha liberdade acba quando começa a sua''. 
Já o ator Thiago Rodrigues utilizou suas redes sociais para falar sobre o assunto. Questionado por uma seguidora sobre seu posicionamento ante o caso, o ator respondeu: ''Eu conheço o Zé! Eu gosto dele. Posso te garantir que ele está mal com isso tudo. Que ele pague se tiver que pagar!'', comentou. ''Apenas sou contra a crucificação e ódio! Não é assim que se desbanca o machismo. E sim com educação básica para a sociedade. Se não melhor cortar logo a cabeça dele em praça pública e fica todo mundo satisfeito?'', questionou.

Fonte: UAI

Como está Isadora Ribeiro, a Vilma de Torre de Babel?

Nome Completo: Isadora Ribeiro de Sousa
Data de Nascimento: 13 de junho de 1965
Local: Curitiba (PR)
Ocupação: atriz, apresentadora, modelo
Principais Papéis: modelo de abertura da novela Tieta (1989); a fogosa Suzana em Pedra Sobre Pedra (1992); a mulher do prefeito Breno, Vera, em Mulheres de Areia (1993); Odaísa em Explode Coração (1995); a traída Vilma em Torre de Babel (1998).

Isadora Ribeiro de Sousa está ausente de trabalhos como atriz desde 2011, quando acabou a novela Amor & Revolução, do SBT. Isadora ficou conhecida como Garota do Fantástico por ter participado da abertura deste programa nos anos 80, além de ter brilhado como atriz em diversas novelas da Globo, como Mulheres de Areia (1993), Explode Coração (1995) e Torre de Babel (1998). Hoje, com 51 anos e sem nenhum trabalho, acredita que o fato de estar afastada durante esse tempo da TV aumenta ainda mais a dificuldade de conseguir novos papéis. "Se o artista não tiver os contatos dos autores, diretores e produtores de casting, essa dificuldade triplica".

Isadora mantém a boa forma, mesmo com 51 anos e 7 sem pisar numa academia
A atriz recebeu durante esse período de afastamento apenas um convite, feito pela Record, mas precisou recusar devido a outros projetos. "Fiz apresentações com a peça ‘Diário de bordo’ em cidades do Paraná e agora acertamos apresentações em Curitiba para novembro. No cinema, estou ajudando na produção do longa ‘Fronteira de Salete Machado’, do qual serei protagonista. Sempre estou em busca de trabalho".
É casada desde 1995 com o empresário Walter Sampaio, com quem teve duas filhas, Maria Antônia (nascida em 1997) e Valentine (nascida em 30 de agosto de 2006).
Ela aparece também na abertura da novela Tieta, de 1989, que será reprisada no Canal Viva à partir de maio deste ano.
Em Torre de Babel, Isadora interpretou Vilma, casada com o mulherengo Henrique Toledo (Edson Celulari), com quem teve dois filhos, Junior (Caio Graco) e Tiffany (Stephani Neves), e usa as crianças como chantagem para não se separar e ficar de mãos abanando. Terminou assassinada por Ângela (Cláudia Raia).

Luiza Valdetaro abandona redes sociais e leva vida discreta em Londres após prisão do marido

Luíza Valdetaro com amiga em Londres
Luíza Valdetaro abandonou sua conta no Instagram no dia 26 de outubro de 2016. Não por coincidência foi a data da prisão de seu marido e pai de sua filha caçula, o empresário Mariano Marcondes Ferraz, réu na Operação Lava Jato. Desde então, a atriz se mantém em silêncio nas redes sociais e tem preferido uma vida mais discreta em Londres, para onde se mudou no ano passado. Luiza, que tinha uma carreira em ascensão como atriz no Brasil, hoje trabalha por trás das câmeras e é sócia da produtora BlueMoonn KN.
Em sua foto mais recente, publicada por sua sócia no Instagram, ela aparece na festinha da escola da filha, Malu, de 9 anos. Luiza assinará a direção de conteúdo da próxima temporada do programa de viagens “Destino certo”, exibido pela + Globosat e apresentado por Mel Fronckowiak, mulher de Rodrigo Santoro. Antes de trocar o Rio por Londres, ela pôde ser vista em novelas como “Gabriela” e “Joia rara”.

Luíza Valdetaro na novela América
O empresário Mariano Marcondes Ferraz segue como réu na Operação Lava Jato. Ele passou uma semana na prisão e foi solto depois de pagar uma fiança de R$ 3 milhões.

Fonte: Extra

Marcelo Adnet fala sobre separação de Dani Calabresa: 'Sempre fã dela'


Marcelo Adnet - que esteve na noite desta terça-feira, 4, no lançamento de "Tá no ar, no livro", na Zona Sul do Rio - falou sobre o fim do casamento com a atriz Dani Calabresa.
"A amizade continua, a parceria para possíveis trabalhos também continua, o carinho e a admiração também. Continuo sendo fã e sempre serei fã da Dani. Tenho uma admiração imensa. Passamos bastante tempo juntos e o importante para mim neste momento é que a parceria e a amizade continue. A separação fez parte, o resto é parceria nossa que não pode acabar. Ela é uma pessoa incrível", disse o ator e humorista.
Na manhã desta terça, 4, em coletiva do programa "Zorra", Calabresa falou rapidamente sobre a separação. "Foram dez anos de uma relação muito feliz, de muito amor, muita amizade, parceria... Para você ter uma ideia éramos casados e fazíamos stand up junto, trabalhávamos na mesma emissora e a gente ainda ia para casa e fazia coisinhas felizes. Deu muito certo, foi muito legal e agora a gente está separado, mas segue a parceria, vamos gravar a 'Escolinha' e estamos bem", disse ela, acrescentando que a separação aconteceu recentemente.

Fonte: EGO

Leia a íntegra do depoimento de Su Tonani, figurinista que acusou José Mayer de assédio sexual


O relato surpreendente da figurinista Su Tonani, da TV Globo, sobre o assédio sexual sofrido por José Mayer causou a suspensão do ator, por tempo indeterminado, das produções da emissora. A denúncia foi feita no blog #Agoraéquesãoelas, do jornal Folha de S.Paulo, na última sexta-feira (31), e chegou a ser tirada do ar, por conta da gravidade das acusações. Logo depois, foi republicado, com a resposta do ator.
Nesta terça-feira (4), após ser afastado da emissora, Mayer admitiu o erro, através de uma carta aberta. "Eu errei. Errei no que fiz, no que falei, e no que pensava. A atitude correta é pedir desculpas. Mas isso só não basta. É preciso um reconhecimento público que faço agora", disse em um trecho do texto.
Abaixo, confira íntegra do texto feito pela figurinista, que recebeu o apoio de colegas de emissora - entre elas, atrizes e apresentadoras que já contracenaram com Mayer.

“José Mayer me assediou”

Por Su Tonani*

"Eu, Susllem Meneguzzi Tonani, fui assediada por José Mayer Drumond. Tenho 28 anos, sou uma mulher branca, bonita, alta. Há cinco anos vim morar no Rio de Janeiro, em busca do meu sonho: ser figurinista.
Qual mulher nunca levou uma cantada? Qual mulher nunca foi oprimida a rotular a violência do assédio como “brincadeira”? A primeira “brincadeira” de José Mayer Drumond comigo foi há 8 meses. Ele era protagonista da primeira novela em que eu trabalhava como figurinista assistente. E essa história de violência se iniciou com o simples: “como você é bonita”. Trabalhando de segunda a sábado, lidar com José Mayer era rotineiro. E com ele vinham seus “elogios”. Do “como você se veste bem”, logo eu estava ouvindo: “como a sua cintura é fina”, “fico olhando a sua bundinha e imaginando seu peitinho”, “você nunca vai dar para mim?”.
Quantas vezes tivemos e teremos que nos sentir despidas pelo olhar de um homem, e ainda assim – ou por isso mesmo – sentir medo de gritar e parecer loucas? Quantas vezes teremos que ouvir, inclusive de outras mulheres: “ai que exagero! Foi só uma piada”. Quantas vezes vamos deixar passar, constrangidas e enojadas, essas ações machistas, elitistas, sexistas e maldosas?
Foram meses envergonhada, sem graça, de sorrisos encabulados. Disse a ele, com palavras exatas e claras, que não queria, que ele não podia me tocar, que se ele me encostasse a mão eu iria ao RH. Foram meses saindo de perto. Uma vez lhe disse: “você é mais velho que o meu pai. Você tem uma filha da minha idade. Você gostaria que alguém tratasse assim a sua filha?”
A opressão é aquela que nos engana e naturaliza o absurdo. Transforma tudo em aceitável, em tolerável, em normal. A vaidade é aquela que faz o outro crer na falta de limite, no estrelato, no poder e na impunidade. Quantas vezes teremos que pedir para não sermos sexualizadas em nosso local de trabalho? Até quando teremos que ir às ruas, ao departamento de RH ou à ouvidoria pedir respeito?
Em fevereiro de 2017, dentro do camarim da empresa, na presença de outras duas mulheres, esse ator, branco, rico, de 67 anos, que fez fama como garanhão, colocou a mão esquerda na minha genitália. Sim, ele colocou a mão na minha buceta e ainda disse que esse era seu desejo antigo. Elas? Elas, que poderiam estar no meu lugar, não ficaram constrangidas. Chegaram até a rir de sua “piada”. Eu? Eu me vi só, desprotegida, encurralada, ridicularizada, inferiorizada, invisível. Senti desespero, nojo, arrependimento de estar ali. Não havia cumplicidade, sororidade.
Mas segui na engrenagem, no mecanismo subserviente.
Nos próximos dias, fui trabalhar rezando para não encontrá-lo. Tentando driblar sua presença para poder seguir. O trabalho dos meus sonhos tinha virado um pesadelo. E para me segurar eu imaginava que, depois da mão na buceta, nada de pior poderia acontecer. Aquilo já era de longe a coisa mais distante da sanidade que eu tinha vivido.
Até que nos vimos, ele e eu, num set de filmagem com 30 pessoas. Ele no centro, sob os refletores, no cenário, câmeras apontadas para si, prestes a dizer seu texto de protagonista. Neste momento, sem medo, ameaçou me tocar novamente se eu continuasse a não falar com ele. E eu não silenciei.
“VACA”, ele gritou. Para quem quisesse ouvir. Não teve medo. E por que teria, mesmo?
Chega. Acusei o santo, o milagre e a igreja. Procurei quem me colocou ali. Fui ao RH. Liguei para a ouvidoria. Fui ao departamento que cuida dos atores. Acessei todas as pessoas, todas as instâncias, contei sobre o assédio moral e sexual que há meses eu vinha sofrendo. Contei que tudo escalou e eu não conseguia encontrar mais motivos, forças para estar ali. A empresa reconheceu a gravidade do acontecimento e prometeu tomar as medidas necessárias. Me pergunto: quais serão as medidas? Que lei fará justiça e irá reger a punição? Que me protegerá e como?
Sinto no peito uma culpa imensa por não ter tomado medidas sérias e árduas antes, sinto um arrependimento violento por ter me calado, me odeio por todas as vezes em que, constrangida, lidei com o assédio com um sorriso amarelo. E, principalmente, me sinto oprimida por não ter gritado só porque estava em meu local de trabalho. Dá medo, sabia? Porque a gente acha que o ator renomado, 30 e tantos papéis, garanhão da ficção com contrato assinado, vai seguir impassível, porque assim lhe permitem, produto de ouro, prata da casa. E eu, engrenagem, mulher, paga por obra, sou quem leva a fama de oportunista. E se acharem que eu dei mole? Será que vão me contratar outra vez?
Tenho de repetir o mantra: a culpa não foi minha. A culpa nunca é da vítima. E me sentiria eternamente culpada se não falasse. Precisamos falar. Precisamos mudar a engrenagem.
Não quero mais ser encurralada, não quero mais me sentir inferior, não quero me sentir mais bicho e muito menos uma “vaca”. Não quero ser invisível se não estiver atendendo aos desejos de um homem.
Falo em meu nome e acuso o nome dele para que fique claro, que não haja dúvidas. Para que não seja mais fofoca. Que entendam que é abusivo, é antigo, não é brincadeira, é coronelismo, é machismo, é errado. É crime. Entendam que não irei me calar e me afastar por medo. Digo isso a ele e a todos e todas que, como ele, homem ou mulher, pensem diferente. Que entendam que não passarão. E o que o meu assédio não vai ser embrulho de peixe. Vai é embrulhar o estômago de todos vocês por muito, muito tempo."

Fonte: Correio da Bahia

Torturado pela ditadura, Amado Batista defende a volta dos militares ao poder. Pode isso, produção?


247 - O cantor Amado Batista, que foi torturado durante a ditadura militar, defendeu o retorno da ditadura e afirmou querer o deputado Jair Bolsonaro (PSC) à frente da Presidência da República. "Prefiro a ditadura a essa anarquia que está hoje", afirmou. "Democraticamente, (o próximo presidente) tem que ser Jair Bolsonaro", completou. As declarações do músico foram feitas durante as gravações do Programa do Porchat, do humorista e ator Fábio Porchat, que será exibido nesta quarta-feira pela TV Record.
Em 2013, em uma entrevista ao programa de Frente com Gabi, apresentado por Marília Gabriela, Amado Batista afirmou que não se sentia uma vítima da ditadura e comparou os torturadores a "uma mãe que corrige um filho" (??). Ele foi preso quando trabalhava em uma livraria sob a acusação de fornecer livros considerados subversivos pelo regime a intelectuais que frequentavam o estabelecimento.

Fonte: Brasil 247

Novo filme de Shia LaBeouf vende apenas um ingresso no Reino Unido


Tudo bem que ‘Man Down‘ estreou em apenas uma sala de cinema no Reino Unido, mas partindo da ideia de que uma sala de cinema – no mínimo – tenha mais de 30, 40 lugares, vender um ingresso é realmente um fato curioso.
Segundo o Hollywood Reporter, o filme faturou apenas US$ 8.70 em seu fim de semana de estreia, o que equivale a apenas a um ingresso vendido.
Também é importante ressaltar que na Terra da Rainha ‘Man Down‘ foi lançado em plataformas digitais no mesmo dia que estreou no cinema.

Cantor Victor retirou a mulher de elevador durante briga em BH, diz advogado


O cantor Victor Chaves, da dupla Victor & Léo, retirou a mulher dele, Poliana Bagatini Chaves, do elevador do prédio onde moram, em Belo Horizonte, durante uma briga, segundo afirmou o advogado do músico, Felipe Martins Pinto. O músico foi indiciado pela Polícia Civil de Minas Gerais por vias de fato, uma contravenção penal, contra a mulher, nesta terça-feira (4).
Poliana, que tem 29 anos e está grávida, prestou queixa no dia 24 de fevereiro, alegando que o marido, de 41 anos, tinha a agredido no condomínio onde moram. Em depoimento, o cantor negou ter agredido a mulher. Nesta quarta-feira (5), o advogado disse, em entrevista coletiva na capital mineira, que Victor tem convicção de sua inocência. O defendor de Poliana Chaves não foi localizado.
"Ele se colocou à frente da porta do elevador, dizendo que ela não poderia sair com a filha, que ela não tinha condições de sair com a filha. Ela então entrou à força no elevador e ele a puxou do elevador. (...) O que acontece é que ele a retirou do elevador, então ele até a puxa do elevador e depois a retira da porta do elevador”, disse o defensor do cantor.
Questionado pela imprensa sobre se esta situação é mostrada nas imagens do circuito interno de segurança do prédio, o advogado confirma. A delegada Danúbia Quadros, chefe da Divisão Especializada no Atendimento à Mulher, ao Idoso e à Pessoa com Deficiência (Demid), aguardava apenas o laudo destas imagens para concluir o inquérito. A polícia não divulgou as imagens e não deu detalhes sobre o resultado da perícia.
Felipe Martins disse que o inquérito prova que Victor não machucou a mulher. “O Victor foi atingido nos dois principais bens que ele tem, os dois grandes valores, a mãe dele e a filha dele. Então no momento em que ele percebe o que aconteceu com a mãe, aquela situação com que ele se deparou, ele então identifica que há um risco concreto para a filha de um ano, e ele em momento algum machuca a Poliana”, destaca.
Ainda segundo Martins, Poliana entrou descontrolada no apartamento da sogra, no mesmo condomínio, porque não queria que a filha do casal ficasse no local. Durante a briga, o advogado contou que a mulher do cantor agrediu Marisa Chaves, mãe de Victor. A sogra chegou a registrar um boletim de ocorrência contra a nora, mas desistiu da queixa a pedido do filho, de acordo com Martins.
A Polícia Civil informou que encaminhou o inquérito à Justiça. Conforme o Fórum Lafayette, a partir do recebimento, será distribuído para uma das varas e o juiz vai abrir vistas para que o Ministério Público de Minas Gerais se manifeste.

Cantor se defende em rede social
Victor se defendeu em um vídeo publicado em uma rede social a respeito do indiciamento pela Polícia Civil de Minas Gerais por vias de fato, uma contravenção penal, contra a mulher dele, Poliana Bagatini Chaves. O vídeo foi publicado na tarde desta terça-feira (4), após o indiciamento.
"Pessoal, eu venho a público para esclarecer uma coisa diante da qual surgiram e surgem incontáveis boatos. Eu fui indiciado legalmente por vias de fato, contravenção. Ou seja, eu não machuquei ninguém. O que eu pratiquei foi um ato de desespero para conter uma pessoa que estava completamente fora de si de pegar uma criança de um ano. E pela minha filha, o que eu fiz, eu faria de novo. Então, tudo está sendo apurado devidamente", declarou o cantor.
O advogado Adilson Rocha, doutor em criminologia, disse ao G1 que contravenção penal não é considerada crime e que tem função preventiva – ao contrário do crime que tem função repressiva. Ainda de acordo com Rocha, a contravenção penal tem potencial ofensivo, como bate-boca, empurrão e tapa no rosto, por exemplo, mas que é um tipo de agressão que não deixa lesões, marcas corporais, porque é inferior à lesão corporal.

Entenda o caso
No dia 24 de fevereiro, Poliana Chaves foi a uma delegacia, em Belo Horizonte, e fez uma queixa contra o marido Victor Chaves. Segundo o boletim de ocorrência, Poliana disse que foi agredida por Victor por motivos fúteis no prédio do casal, que foi jogada no chão e recebeu vários chutes. Afirmou que, depois das agressões, foi impedida de sair do local por um segurança e pela cunhada.
No mesmo dia, a mãe de Victor, Marisa Chaves, também prestou queixa na polícia e deu outra versão. No segundo boletim de ocorrência, ela disse que Poliana foi ao apartamento dela transtornada e de forma agressiva fez ameaças e quebrou vários objetos.
No dia, a mãe do cantor afirmou aos policiais que a irmã dele tentou acalmar Poliana e que Victor segurou o braço da mulher, pedindo que se acalmasse. Marisa afirmou que a nora se atirou no chão chorando e se debatendo.
Dois dias depois, Poliana publicou uma carta em um perfil de rede social em que afirmou que em momento algum considerou que tivesse ocorrido qualquer crime, principalmente, praticado por Victor.
Em uma entrevista exclusiva à TV Globo, o cantor negou a agressão. A repórter Aline Aguiar perguntou ao artista se houve agressão. Victor respondeu: “Absolutamente. Eu nunca agredi ninguém na minha vida e muito menos a minha mulher, grávida do João”, disse à época.
Mesmo depois de a mulher de Victor negar a agressão, a polícia continuou investigando o caso. Victor, que era jurado no The Voice Kids, da TV Globo, pediu para se afastar do programa. Na edição do dia 26 de fevereiro, o apresentador André Marques leu um comunicado que dizia que a Globo repudia toda e qualquer forma de violência e acredita que essa acusação precisa ser apurada com rigor garantindo o direito de defesa na busca da verdade.

Fonte: G1