segunda-feira, 1 de maio de 2017

Joelma afirma ter perdoado Ximbinha após separação


Joelma participou do "Lady Night", comandado por Tatá Werneck, e citou perdão ao lembrar o término do casamento com Ximbinha. Segundo a cantora, vista acompanhada em aeroporto carioca do novo affair Alessandro Cavalcante, ela temeu não superar a separação com o guitarrista. "Eu fiquei com medo de não superar o que eu estava passando durante a separação, de não conseguir perdoar... Quando eu perdoei eu disse: 'agora é as estrelas'. Olha, perdoar é uma coisa, confiar é outra. Não devemos guardar coisas ruins dentro da gente porque isso impede a gente de ser feliz e ninguém vai me impedir de ser feliz nesse mundo", declarou.

Cantora avalia mudanças após separação
Durante a entrevista, Joelma avaliou as mudanças que ocorreram em sua vida após romper com Ximbinha. "Foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. Eu não esperava, eu não pedi, eu não queria, mas quem manda é Deus". Questionada a respeito do que não mudou, a paraense respondeu: "A guerreira que eu sempre fui desde o início". A loira descartou também ficar nua em ensaio para revista. "Não posaria nua, não tenho vontade. É uma coisa que me constrange muito, não consigo ficar pelada", explicou ela, que surgiu decotada e com transparência em ensaio.
Ainda à publicação, Joelma deu detalhes sobre a renovação do guarda-roupa. A stylist dela vetou babados no figurino em sua nova fase. "A Maris Tavares, minha personal, apareceu na minha vida através de uma amiga e disse assim: 'Eu vou preparar tudo pra ti, não te preocupa com nada. Quando você for fazer show em Goiânia, você vai chegar lá e vai estar tudo pronto'. E foi o que aconteceu", disse. A cantora, aliás, fez pequenas modificações, todas sem cirurgia: Joelma m exeu na sobrancelha, colocou lente de contato nos dentes, deu uma leve empinada no nariz com preenchedores faciais. " Ela sempre se mostrou muito aberta, no começo dava para notar que estava meio fragilizada, mas hoje é outra mulher, com um autoestima maravilhosa. Ela nos disse uma vez que nunca imaginava que teria essa mulher dentro dela", entregou a profissional.

Fonte: Cidade Verde

Cedo ou tarde, todos querem o retorno triunfal à Globo

Terra - Sem perspectiva de contrato longo, sentindo-se desprestigiados ou simplesmente atraídos por salários mais altos, muitos atores e apresentadores trocaram a Globo pela Record na última década.
Não deve ter sido uma decisão fácil. Ser ‘global’ gera um status imensurável à carreira – e ao ego, obviamente. É o ápice de quem sonha com o sucesso na TV.
Mas, para conseguir se destacar entre as centenas de contratados da emissora líder em audiência, não basta apenas talento.
Sem ter a ‘grande chance’ de mostrar do que são capazes, muitos se desiludem com a ex-Vênus Platinada e vão buscar reconhecimento e estabilidade financeira na concorrente.
Lá, o glamour é menor e a repercussão, também. Contudo, são maiores as chances de ganhar um papel de protagonista e faturar o suficiente para realizar, enfim, os sonhos materiais.


Foi assim com Rodrigo Faro. Em 2008, ele era um ator com pouca visibilidade na teledramaturgia da Globo, escalado somente para viver coadjuvantes.
Já com vinte anos de carreira naquela época, ousou romper o contrato com o canal e se transferir para a Record.
Rapidamente se tornou sucesso comandando atrações como ‘Ídolos’ e ‘O Melhor do Brasil’. Hoje, o seu ‘Hora do Faro’ é vice-líder no Ibope aos domingos e um dos melhores faturamentos da casa.
Há muitos anos sem renovar o quadro de apresentadores do fim de semana, a Globo vê no apresentador a figura ideal para alavancar a programação do sábado ou domingo.
A fúria pelo rompimento do acordo – um diretor da emissora chegou a declarar que Faro jamais voltaria a trabalhar lá – foi superada pela perspectiva de audiência e dinheiro que a imagem dele poderá render.
E Rodrigo Faro é, inquestionavelmente, um dos melhores artistas da televisão brasileira. Competente e carismático, com credibilidade e sem estrelismo, ímã de patrocinadores.
Na Record, não existe para onde crescer. Ao voltar triunfalmente à Globo, o apresentador, de 43 anos, oxigenaria a carreira e duplicaria o status. Além de acrescentar muitos milhões ao patrimônio.
Márcio Garcia fez a mesma rota: Globo-Record-Globo. Retornou ao canal carioca depois de quatro anos bem-sucedidos à frente de ‘O Melhor do Brasil’.
Após participações mornas em novelas e séries, só conseguiu em 2016 o tão sonhado programa próprio, ‘Tamanho Família’. A troca valeu a pena? Ainda que tenha enfrentado a temida ‘geladeira’ por um tempo, o apresentador não demonstra arrependimento.
Entre os que são essencialmente atores, a lista de ex-globais com passagem pela Record e que optaram regressar à Globo é extensa.
Um caso exemplar é o de Gabriel Braga Nunes. Em 2005, após dez trabalhos na Globo, ele assinou com a Record. Interpretou protagonistas e mereceu o respeito da crítica.
Em 2011, ao fazer seu retorno, salvou a Globo de um desastre ao assumir o papel de Fábio Assunção, que deixara o elenco de ‘Insensato Coração’ depois ter gravado várias cenas.
Desde então, Nunes passou a ter lugar cativo no primeiro time da emissora, sendo disputado pelos principais autores. No momento, coprotagoniza a novela das 18h, ‘Novo Mundo’.
A possível transferência de Rodrigo Faro da Record à Globo vai reforçar um movimento que se repete. A maioria dos artistas de outros canais quer estar na emissora número 1, a sorver tudo o que ela proporciona: prestígio, mídia, superação, consolidação.
Para o filósofo alemão Nietzsche, seria uma “vontade de potência”. Ou seja, o desejo de sentir-se no topo do mundo, dono de um poder especial. Quem nunca?

Betty Faria defende José Mayer em caso de acusação de assédio: "História mal contada"


R7 - Em entrevista concedida ao jornal O Globo, Betty Faria falou sobre o caso de acusação de assédio sexual envolvendo José Mayer e a figurinista Su Tonani. Os dois teriam vivido um affair nos estúdios da emissora.
Assim que a notícia veio à tona, diversas atrizes da Globo criaram uma campanha com o manifesto "Mexeu com Uma, Mexeu com Todas".
A veterana de 76 anos, que trabalhou com o galã em Tieta (1989), faz parte de um pequeno grupo que defende Mayer.
— Zé Mayer sempre foi um gentleman, respeitador. Só tenho elogios. Depois do (José) Wilker (1944-2014), foi o ator com quem mais contracenei. Passamos por situações constrangedoras. Somos do tempo em que não havia ônibus-camarim, a gente trocava de roupa numa Kombi. Já filmamos numa boate em Caxias, e eu fazia pipi na lata de Nescau e pedia: “Zé, olha pra lá”.
A atriz foi lembrada de que o próprio ator escreveu uma carta pedindo desculpas após o episódio.
— Não quero discutir o que ele fez ou escreveu. Ele deve ter tido seus motivos. Conhecendo o Zé dos bastidores, acho essa história mal contada.
Questionada pelo jornal se ela já teria passado por algo semelhante, Betty disse que sim. Que foram tantos casos que daria para ela mesma escrever um livro com diversos capítulos.
— Eu já sofri assédio, isso tudo que as mulheres estão sofrendo, mas não fiquei de mimimi. Resolvi meus problemas. Não quero falar, mas cada caso resolvi de um jeito. Se for falar tudo por que passei daria um livro. Imagina o que não passou uma pessoa razoavelmente bonitona, razoavelmente gostosona, durante 55 anos de carreira! Foram muitos casos. Não estou falando de um capítulo, daria um livro inteiro: “caso 1”, caso 2”. Imagina! Tive uns bizarros, mas sobrevivi.

Belchior passou últimos anos recluso, traduzindo suas canções e obra de Dante Alighieri

Belchior passou os últimos anos recluso, compondo e traduzindo a obra de um dos grandes poetas da humanidade, o italiano Dante Alighieiri. O cantor de 70 anos morreu na madrugada deste domingo (30) em Santa Cruz do Sul (RS). Assista à reportagem no vídeo acima.
O músico de nome imponente — Antonio Carlos Gomes Belchior Fontenelles Fernandes — cresceu em Sobral, no Ceará, em uma família nordestina típica de época, com 23 irmãos.
“Como vocês estão vendo é um dos maiores nomes da música popular. Um daqueles nomes que no sertão você diz que é percorrido a cavalo”, brincava.
“Foi na minha cidadezinha que eu vi cantador, ouvi violeiro, ouvi o rádio do vizinho, meu avô que tocava sax, flauta.”
A música foi com ele para Fortaleza, onde começou a estudar medicina, mas abandonou e foi estudar filosofia. Um pensador que tinha a poesia e a melodia como ferramentas.
Na capital, Belchior fez parte de um movimento rico da história da música brasileira. O pessoal do Ceará, que reunia entre outros, Fagner e Ednardo.
Foi em parceria com Fagner o primeiro sucesso, “Mucuripe”. A música venceu um festival em Brasília e Belchior decidiu tentar a vida de artista em São Paulo.
“Eu sempre gostei muito de música, minha mãe era totalmente a favor, meu pai era contra. Minha mãe dizia: “um cara como você, loiro, olhos, azuis, 1,92m sem salto alto, tem tudo para vencer. Vá para São Paulo. lá o dinheiro tá correndo. Mesmo assim eu vim, vim para São Paulo, a cidade mais populosa do nordeste, e aqui estou como o galo, vivendo de canto e de beleza”, disse o cantor.
A força de seus versos conquistou a grande estrela da música brasileira, Elis Regina. “Mucuripe” foi a primeira música de Belchior gravada por ela.
O grande sucesso chegaria também na voz de Elis. O desabafo de uma geração crescida sob a ditadura, que lutou por liberdade e se via cercada pela censura e a opressão do regime militar.
Apesar da qualidade de seus novos discos, o sucesso dos anos 70 não o acompanharia. Belchior ainda fazia shows, mas em 2007, sumiu da vida pública.
Dois anos depois, em 2009, o Brasil inteiro se perguntava “cadê Belchior”. A alma do artista, atormentada por problemas financeiros, e por razões que só ele conhecia, escolheu a reclusão como saída.
Na que talvez tenha sido a última entrevista dele para a televisão, numa pousada no coração do pampa uruguaio, contou que estava traduzindo o clássico "A divina comédia", de Dante Alighieri, e produzindo muito.
“Estou fazendo um trabalho de tradução da minha música para o espanhol. Vou lançar um cancioneiro nas duas línguas, um cancioneiro inteiro e já fiz um trabalho aqui de tradução da música. Estou compondo muito. Quero fazer para o próximo ano um trabalho com canções inéditas, já vinha fazendo.”
Belchior ainda comentou o movimento que pedia pela sua volta à vida pública e aos palcos. “Eu me sinto imensamente feliz em me ver tão amado e tão requisitado, sabe? Porque é muito bom isso. Eu tenho certeza que esse movimento é um movimento super bem-sucedido”, ri. “É o Brasil, o Brasil está comigo sempre, e estou voltando para o Brasil.”
Voltou, ainda recluso. A notícia da morte dele surpreendeu moradores de Santa Cruz do Sul (RS), que nem sabiam que o cantor vivia na cidade. Na madrugada deste domingo, Belchior sumiu de vez.
Mas pode ser encontrado a qualquer hora em seus versos, que como toda grande obra, retrata qualquer tempo.


Fonte: G1

Filha de Silvio Santos é internada com pneumonia


VEJA - Silvia Abravanel, filha de Silvio Santos e apresentadora do Bom Dia & Cia, programa matinal infantil do SBT, comunicou neste domingo que foi internada por causa de uma pneumonia. Ela usou as redes sociais para informar o diagnóstico e seu afastamento do programa.
Silvia, de 47 anos, contou que desde quinta-feira não estava se sentindo bem e no sábado teve que ser hospitalizada em São Paulo. A apresentadora se submeteu a vários exames, entre eles uma tomografia, e ficará afastada até quarta-feira.
“Agora já estou medicada, bem cuidada”, tranquilizou os fãs, em vídeo feito da cama do hospital e postado no Facebook. “Logo estou de volta.”

Moradores de vila na Tijuca negam agressão, e dizem que casal é racista


RIO - Depois da denúncia de homofobia, moradores da “vila da discórdia”, na Tijuca, acusam o casal homossexual, que registrou queixa de agressão contra eles, de ser racista. Eles alegam ainda que os dois chegaram a filmar festas no condomínio, o que consideraram invasão de privacidade. Flavio Miceli, de 60 anos, e Eduardo Michels, de 62 anos, estão sem poder voltar para a casa e permanecem hospedados com parentes. Os dois dizem ter sido brutalmente agredidos e xingados.
— Ainda estou muito abalado — disse Flavio, anteontem, alegando que o início da confusão foi uma reclamação sua sobre festas dos vizinhos que vão até as 5h.
O casal, que registrou queixa na 20ª DP (Vila Isabel), diz ter ouvido coisas absurdas, como a de que a vila “não é lugar de gay”. Os vizinhos, que não queriam comentar a denúncia, levada à Defensoria Pública do estado, resolveram ontem falar. A família que seria o pivô da confusão é a do aposentado Jorge Acyr da Matta, subsíndico do condomínio. Ele nega ser homofóbico e acusa Flavio e Eduardo de racistas. Segundo ele, os dois costumam desrespeitar seus parentes por serem negros. Sua mulher também teria sido maltratada.
— O meu erro foi não ter registrado a injúria racial — defende-se Jorge que está organizando um abaixo-assinado para tentar retirar o casal da vila. — Ele (referindo-se a Eduardo) já me chamou de macaco e favelado, e me trata como se eu fosse o porteiro, e não um morador. Hoje, nós é que estamos com medo de sofrer represálias na nossa casa
A versão de Jorge é que tudo começou no feriado de Tiradentes, quando ele comemorou seu aniversário na então pacata vila da Tijuca. Um desentendimento entre o aniversariante e Flavio foi parar na delegacia, onde um acusou o outro de ter iniciado as agressões. Jorge diz que abordou Flavio, que estava filmando a comemoração, por achar a atitude dele uma invasão de privacidade. Nesse momento, conta, empurrou o vizinho para não levar um soco. Já Flavio diz que caiu no chão e apanhou até de convidados da festa.

Mais briga após troca de fechadura
Uma nova briga teve início quando a fechadura do portão da vila foi trocada, e uma cópia da chave não foi entregue nem a Eduardo, nem a Flavio. O imóvel, onde mora Eduardo, está alugado em nome de Lúcia, irmã de Flavio. Ele mesmo não mora ali, onde vai para visitar Eduardo. Apenas quatro dias depois, esse novo desentendimento virou uma segunda queixa na delegacia.
Os vizinhos sustentam que a fechadura foi trocada porque enguiçou após chuvas. O síndico Gustavo Campos Barcelo informou, na polícia, que exigiu cópia do contrato de locação para entregar as chaves. Mas, segundo ele, em vez de entregar o documento, o casal teria feito ameaças. Flavio, por sua vez, assegura que apresentou o contrato de locação. Entretanto, observa que, ao ver o síndico, o reconheceu como um de seus agressores no dia da festa. Ativista LGBT, Eduardo diz ter ficado sem saber o que fazer ao se ver vítima de homofobia.
— Cortaram minha luz e até o interfone. O gay sempre acaba sendo ativista, porque sofre preconceito até mesmo dentro de casa. Um negro, quando é vítima de racismo, recebe apoio dentro de casa, mas o gay, não. Muitas vezes os próprios pais são preconceituosos.Os desentendimentos levaram os vizinhos a trocarem acusações mútuas em dois registros na delegacia de Vila Isabel num intervalo de apenas quatro dias. No primeiro deles (dia 21), o registro trata de uma agressão mútua. Jorge Acyr da Matta, que foi acusado de agredir Flavio, disse que abordou o vizinho porque ficou irritado com uma atitude tomada por ele. No sábado, Jorge disse que enquanto ocorria uma festa, Flávio filmava os convidados. Jorge alegou que foi o primeiro a ser agredido, quando abordou o vizinho para reclamar do que considerava uma invasão de privacidade. E que empurrou o vizinho para não ser atingido por um soco.
Na versão de Flávio, foi Jorge que se tornou agressivo primeiro. Quando tentava se proteger, acabou caindo ao chão. E logo depois também foi agredido por convidados da festa.
A troca das chaves do portão, segundo vizinhos do casal homossexual, se deu porque houve um defeito na fechadura, que ficou danificada por causa de chuvas. Novamente, as versões são contraditórias no boletim de ocorrência, registrado no dia 24.
O síndico do prédio, Gustavo Campos Barcelo, registrou uma queixa de ameaça contra , depois que ele se recusou a entregar uma cópia da nova chave para Flávio, Lúcia (irmã de Flávio) e Luís Eduardo.
Flávio alegou que pediu uma cópia do contrato de locação do imóvel para provar que de fato moravam no local, já que desconfiavam que o imóvel estava sendo sublocado. Com a recusa de apresentar o documento, os três deixaram o local. E o casal teria feito ameaças contra ele. Flávio, por sua vez, disse na delegacia que ao chegar ao apartamento do síndico reconheceu Gustavo como um daqueles que o agrediu no dia da festa. E que ao deixarem o local, Lúcia teria dito: isso não vai ficar assim, não. Vocês bateram no meu irmão.

Fonte: Globo.com

“O Outro Lado do Paraíso” vai abordar assédio sexual e violência contra a mulher


Os casos famosos envolvendo assédio sexual e violência contra a mulher nas últimas semanas, como os de Victor Chaves, José Mayer e Marcos Harter, incentivaram Walcyr Carrasco a falar sobre o tema em sua próxima novela na Globo, “O Outro Lado do Paraíso”, que substituirá “A Força do Querer” em outubro.
O autor vem acompanhando de perto o assunto e já se manifestou publicamente a respeito. “A violência doméstica pode ser um empurrão, um agarrão com força, uma humilhação pública ou até mesmo uma dominação psicológica. Sim, o abuso emocional é tão danoso quanto o físico e deixa marcas difíceis de curar. O abuso não é culpa da vítima, que muitas vezes, já sem autoestima, não consegue reverter a situação”, escreveu Carrasco recentemente em sua coluna na revista “Época”.
Essa não será a primeira vez que a violência contra a mulher ganha destaque em uma trama de Walcyr. Em “Amor à Vida” (2013), Marilda (Renata Castro Barbosa) vivia um relacionamento abusivo com o enfermeiro sadomasoquista Ivan (Adriano Toloza). Na época, as cenas de agressão ficaram apenas subentendidas para o público, e não chegou a ter grande repercussão.
Já em “Morde & Assopra, exibida em 2011, a ex-garota de programa Lavínia, personagem Nível Stelmann, era agredida constantemente pelo marido Oséas (Luiz Mello). Na época, a trama acabou perdendo destaque por conta de reclamações do Ministério da Justiça, que considerou as cenas de agressão impróprias para a faixa das 19h.

Fonte: RD1

Após enquadrada de Silvio Santos, Rachel Sheherazade vira garota do tempo do “SBT Brasil”

Rachel Sheherazade passará a exercer 
Rachel Sheherazade surpreendeu o público do “SBT Brasil”, principal telejornal do canal, ao apresentar, pela primeira vez, a previsão do tempo neste sábado (29).
A partir de agora, a jornalista dividirá as funções de âncora e garota do tempo no noticiário do SBT. Segundo o portal “UOL”, a polêmica comunicadora gravou a meteorologia, gostou e pediu para repetir a dose em outras oportunidades.
A nova função é exercida semanas após Silvio Santos a “enquadrar” durante o “Troféu Imprensa 2017”, quando ela recebeu o prêmio de melhor apresentadora de telejornal.
O dono da emissora, na ocasião, afirmou que havia contratado Sheherazade “para continuar com sua beleza, com a sua voz, lendo as notícias, e não para dar a sua opinião”. Neste dia, ele reclamou das opiniões políticas da jornalista.
“Não consegue falar uma frase sem se meter em política. Você vai ser candidata a algum cargo eletivo? Por que se mete tanto em política?”, questionou Silvio. “Eu gosto muito de política, de acompanhar a política, porque ela conduz a nossa vida, determina o nosso futuro, ela determina as nossas leis. Temos que acompanhar a política se queremos um país melhor”, rebateu Rachel.
“Você começou fazendo comentários políticos no SBT e eu pedi para não fazer mais, porque não pode fazer não. Você foi contratada para ler notícia e não para dar sua opinião. Se quiser fazer política, compra uma estação e faça o que quiser”, encerrou o patrão sobre o assunto.

Aguinaldo Silva não encontra substituto para José Mayer em “O Sétimo Guardião”


O ator José Mayer está longe das novelas desde o final de “A Lei do Amor”, e estava se preparando para retornar em 2018, em um dos papéis principais da próxima trama de Aguinaldo Silva no horário nobre, “O Sétimo Guardião”.
No entanto, aconteceu um “imprevisto”, já que ele foi acusado por uma figurinista por assédio sexual dentro dos Estúdios Globo. Para não se prejudicar com isso, a emissora achou por bem afastá-lo, pelo menos por enquanto.
Agora, sem ele na sua novela, Aguinaldo Silva está tendo que buscar um substituto, mas até o momento, não encontrou e está tendi dificuldade para isso, já que o personagem havia sido criado especialmente para Mayer.
“Escrevo pensando nele”, diz o novelista, de acordo com a coluna Outro Canal.

Fonte: TV Foco

Veja o novo cenário do “Programa do Ratinho” e saiba quem serão os convidados da estreia

Novo cenário do Boteco do Ratinho, com Araketu e Cláudia Leitte
Como já informamos no TV Foco, o “Programa do Ratinho” estreará novo cenário para o “Boteco do Ratinho”, quadro exibido todas as quartas na atração do SBT.
Já na próxima quarta (03) o canal estreia o novo cenário, como informa o jornalista Flávio Ricco. Os convidados da estreia serão a Claudia Leitte e a banda Araketu.
No mesmo programa, após Bolsonaro e Michel Temer, este na semana passada, Carlos Massa seguirá na mesma linha e entrevistará o prefeito João Doria no quadro “Dois Dedo de Prosa”.


Como pode ser observado na imagem abaixo, o cenário novo, diferente do que foi falado antes pelo próprio apresentador, não tem nada de circo. O Ratinho se mantém como vice-líder no horário, atrás apenas da Globo.

Cenário antigo do programa do Ratinho