sexta-feira, 5 de maio de 2017

Única filha de Lídia Brondi vive em Nova York e faz sucesso no exterior como artista visual


Os olhos ela puxou da mãe e parece que o talento para as artes também. Única filha da atriz Lídia Brondi, que hoje, longe dos holofotes, trabalha como psicóloga, Isadora Frost tem feito sucesso fora do país como artista visual.
Aos 31 anos, ela vive atualmente em Nova York, onde faz mestrado de Fotografia na prestigiada Parsons School of Design. Também filha do diretor de TV Ricardo Waddington, Isadora já era formada em Artes do Corpo pela PUC de São Paulo.

Isadora Frost vive em Nova York

O trabalho de Isadora Frost já pôde ser visto no Brasil e em cidades no exterior como em Nova York, onde mora, e em São Francisco, também nos EUA. Recentemente, ela esteve nas Ilhas Galápagos para uma série de fotos.

Isadora Frost com o irmão, Pedro; o pai, Ricardo Waddington, e a atriz Helena Ranaldi, ex-esposa de Ricardo
Sua mãe, Lídia Brondi, hoje com 56 anos, se separou de Ricardo Waddington em 1988, três anos depois de ela nascer. Lídia não teve filhos com o ator Cássio Gabus Mendes, com quem está casada desde 1991.

Lídia Brondi atualmente
Lídia Brondi e Reginaldo Faria em Tieta, que está sendo reprisada desde segunda-feira (1)

Greenpeace escala Torre Eiffel e gera alerta de segurança antes de eleição francesa


O chefe de polícia de Paris convocou uma reunião de segurança emergencial nesta sexta-feira (5), dois dias antes da eleição presidencial francesa, depois que ativistas do Greenpeace escalaram a Torre Eiffel em plena luz do dia e abriram uma enorme faixa com mensagem política.
Uma dúzia de ativistas do grupo escalou a face norte da imensa estrutura de metal, um dos pontos turísticos mais visitados do mundo, para pendurar uma faixa com o lema nacional da França, "Liberdade, Igualdade, Fraternidade".
O incidente expôs as preocupações existentes com a segurança, apesar de o país estar mobilizando policiamento adicional para o domingo, dia da votação, com a convocação de milhares de policiais e soldados em reação aos ataques de militantes islâmicos que mataram mais de 230 pessoas na França nos últimos dois anos e meio.
"Acima e além dos motivos, este golpe publicitário, no clima atual, expõe falhas no esquema de segurança da Torre Eiffel", disse o chefe de polícia, Michel Delpuech.


Abaixo do slogan republicano francês, em letras negras grandes, estava a palavra "Resista", uma mensagem dirigida contra Le Pen e seu partido.
O Greenpeace informou que uma dúzia de ativistas participou do ato erguendo uma faixa de 300 metros quadrados perto das 7h45 locais, portanto antes do início do horário de funcionamento da torre, mas bem depois do amanhecer nesta época do ano.
"Queríamos dizer que somos contra a ascensão do nacionalismo e do autoritarismo na França e em outros países", disse o diretor do Greenpeace francês, Jean-François Julliard, à rádio pública Francinfo.

Prisão de 'radicalizado'
Também nesta sexta-feira, como parte do reforço na segurança pré-eleição, um homem "radicalizado" foi preso perto de uma base militar em Evreux no oeste da França, disseram fontes judiciais à Reuters e EFE.
O carro do suspeito foi o que chamou a atenção das autoridades, depois que o estacionou perto da base e o deixou com as chaves na ignição.
Após encontrar em seu interior um cartucho de fuzil e um exemplar do Corão, foi iniciada uma operação para localizar o homem, que teria sido detido de madrugada quando voltava a seu veículo, de acordo com informações do site da revista "L'Express", que afirma que o detido é um ex-militar de 34 anos.
O site da revista acrescentou que perto da área militar foram encontrados, escondidos entre a folhagem, um fuzil, dois revólveres e munição.
O suspeito vive no departamento de Seine-Maritime, no noroeste do país, e nunca foi condenado pela Justiça.
A procuradoria antiterrorista de Paris já assumiu a investigação e pretende determinar os motivos da presença do homem na área e se tinha intenção de cometer uma ação violenta.

Segundo turno
Ao menos três de cada quatro dos 47 milhões de eleitores franceses devem ir às urnas durante o domingo para votar em uma disputa na qual se prevê que o político de centro Emmanuel Macron irá derrotar a líder de extrema-direita, Marine Le Pen.
Delpuech disse que a reunião de emergência irá envolver a polícia, funcionários da Prefeitura de Paris e a empresa que administra a torre erigida em 1889 para comemorar o 100º aniversário da Revolução Francesa.
A torre localizada no centro da capital, perto das margens do rio Sena, atrai quase 7 milhões de visitantes por ano, perto de 20 mil por dia em média, de acordo com os operadores.
Uma dúzia de ativistas do Greenpeace foi detida para interrogatório, disseram fontes da polícia.
O ato ocorreu no último dia da campanha. Os resultados preliminares da votação devem surgir por volta das 20h locais ainda no domingo.

Fonte: G1

Jovem de 17 anos morre em incêndio ao montar estúdio musical em casa; mãe se feriu

Um adolescente de 17 anos morreu durante um incêndio na residência onde morava, em um condomínio de alto padrão, em Vinhedo (SP) na madrugada desta sexta-feira (5). A mãe dele se feriu, segundo o Corpo de Bombeiros, e foi hospitalizada.
A Prefeitura de Vinhedo informou que a mulher foi atendida no pronto-socorro da Santa Casa da cidade e depois transferida para um hospital particular. O estado de saúde dela não foi informado.
As chamas atingiram uma sala acústica e um banheiro da residência, no condomínio Recanto dos Paturis. De acordo com informações do boletim de ocorrência, a vítima Arthur de Paiva Senger estava montando seu estúdio musical em um quarto improvisado.
Segundo informações do pai do rapaz, o empresário Marcelo Senger, que registrou o ocorrido, por razões desconhecidas, iniciou-se o incêndio.

Pai de Arthur, Marcelo Senger, posta foto do filho
O fato ocorreu entre 1h e 2h desta sexta. À polícia, o pai contou que acordou com o barulho e acionou o Corpo de Bombeiros. Para a EPTV, afiliada da TV Globo, os bombeiros confirmaram que o rapaz trabalhava no isolamento acústico do cômodo quando o incêndio começou.
Arthur tinha nacionalidade inglesa e atuava como DJ em eventos, segundo informações da sua rede social. De acordo com o pai, o enterro acontecerá no Cemitério Parque das Primaveras II, em Guarulhos (SP), às 16h30. A escola em que ele cursava o terceiro ano do ensino médio suspendeu as aulas nesta sexta.
Não está descartada a hipótese de ele ter manipulado material inflamável. As causas do incêndio estão sendo investigadas pela Polícia Civil.

Arthur Senger tinha 17 anos
Perícia
Na manhã desta sexta-feira, bombeiros estiveram na casa do jovem para verificar se podem contribuir com informações para o laudo da perícia, que será realizada pela polícia científica, de acordo com informações do repórter da EPTV Paulo Gonçalves, no local.


Escola sem aulas
Arthur cursava o terceiro ano no ensino médio no Colégio Integral de Vinhedo, que suspendeu as aulas do 6º ano do ensino fundamental ao terceiro ano nesta sexta, em luto, após confirmar a morte do rapaz.
Segundo a diretora da instituição, Enedi Favero Gestic, ele era um aluno exemplar e chegou na escola esse ano. As aulas do turno da tarde ocorrerão normalmente.

Condomínio onde jovem morreu em incêndio
Fonte: G1

Já?! Spin-off de ‘As Visões da Raven’ tem estreia confirmada para julho


A Disney Channel tem realmente pressa em voltar aos tempos áureos com séries adolescentes aclamadas por uma legião de fãs ao redor do mundo.
E de surpresa, o canal confirmou para a sexta-feira, 21 de julho, a estreia de ‘Raven’s Home’, spin-off da icônica ‘As Visões da Raven‘.
Vale lembrar que para esta mesma data a Disney agendou a estreia de ‘Os Descendentes 2’.
Mas calma, o telefilme vai ser exibido nos EUA por volta das 20 horas, enquanto o retorno de Raven só será às 22h.
A expectativa agora é saber como que a Disney Channel Brasil vai se organizar para trazer todo esse material ao país, e espera-se que seja ao menos em uma data próxima a estreia nos EUA.
Lançada em janeiro de 2003, ‘As Visões da Raven‘ detém até hoje uma das maiores audiências na história da TV a cabo americana. A série chegou ao final em janeiro de 2006 com mais de 100 episódios produzidos, o primeiro TV Show da Disney a bater essa marca.
A produção também foi a primeira comédia americana a ter uma adolescente negra como protagonista. ‘As Visões da Raven‘ chegou a conquistar quatro indicações ao Emmy Kids.
E suas reprises, que em 2016 acontecem à meia-noite no canal, geram cerca de 1 milhão de espectadores por mês.

Fonte: Cine POP

Estrela pornô é atacada por tubarão durante gravação de filme

Molly Cavalli, estrela pornô
Quem - Molly Cavalli, estrela pornô americana, foi atacada por um tubarão durante a gravação de um filme. A loira foi submersa em uma jaula no mar e teve o pé ferido pelo tubarão.
A atriz foi tirada no mar às pressas e levou 20 pontos. No Instagram, ela mandou uma mensagem para os fãs. "Obrigada por todas as mensagens de melhoras. Estou totalmente bem. Não é tão ruim quanto parece. Está cicatrizando bem rápido. Foi uma experiência apesar de tudo. Muito amor para a equipe da gravação que cuidou bem de mim", disse.

Em 'A Força do Querer', Cibele denuncia Ruy por agressão


Purepeople - Ruy (Fiuk) ficará em maus lençóis nos próximos capítulos da novela "A Força do Querer". O empresário será denunciado por agressão a Cibele (Bruna Linzmeyer) após ter uma briga feia com a ex-noiva, o que acabará acarretando no afastamento do filho de Joyce (Maria Fernanda Cândido) da sua própria empresa. Segundo informação publicada pela coluna "Notícias da TV", do jornalista Daniel Castro, tudo começa quando o playboy descobre que Cibele - que já terá forjado um aborto e divulgado a novidade na web - foi até a sua casa para provocar (Isis Valverde) e resolve tirar satisfação com ela. Na ocasião, os dois acabam discutindo até que Ruy resolve segurar o braço da filha de Dantas (Edson Celulari), o que faz com que a moça corra para a delegacia para denunciá-lo por agressão.

CIBELE IRONIZA PATERNIDADE DE RUY E DEIXA EMPRESÁRIO FURIOSO
Durante a discussão, Ruy questionará o motivo da atitude de Cibele: "Que é que você foi fazer lá em casa?", pergunta. "Ver a Joyce [Maria Fernanda Cândido]. Não posso?", rebate. "Presta atenção, garota. Se você invadir de novo o meu quarto, ficar irritando a Ritinha", ameaça Ruy. "Ah, a sereia ficou irritada", debocha a filha de Dantas, que logo aproveita para perguntar ao ex-noivo se ele tem certeza sobre ser mesmoo pai do filho da "sereia", a quem inicialmente se negou a assumir. É neste momento que Ruy fica enfurecido e acaba segurando o braço da ex com força, arrebentando sua pulseira: "Já deu essa cobrança, não deu? Já fez seu desabafo pra internet toda, já pegou o microfone pra falar pra todo mundo o que acha de mim! Não chega de mico não? Quer mais?", dispara Ruy. "Você ainda não pagou nada do que me deve, Ruy! nada!", diz a moça, que na sequência corre para a delegacia.

'QUERO A LEI MARIA DA PENHA', EXIGE CIBELE EM DEPOIMENTO A DELEGADA
Ao chegar à delegacia da mulher para fazer a denúncia, Cibele (que segundo a atriz Bruna Lizmeyer voltará com humor na trama) detalha a briga e pede que seja aplicada a "Lei Maria da Penha": "Me agrediu, quase quebrou meu braço, torceu meu braço, até arrebentou minha pulseira! Estou com o ombro todo doido, de quando ele me empurrou, me imprensou na parede", conta. "Primeira vez que ele te agride?", questiona a delegada. "Já tinha me dado empurrão, puxado cabelo. Toda vez que a gente discute ele me agride de algum jeito! Eu quero a Lei Maria da Penha nele!", mente a jovem para prejudicar o empresário.

RUY SE AFASTA DA PRÓPRIA EMPRESA POR CONTA DA EX
Após a denúncia, Ruy terá - por medida preventiva - que permanecer longe de Cibele, mas não apenas da moça. Por conta da filha de Dantas ser funcionária da empresa de sua família, o playboy - que terá recebido conselhos para assumir o filho de Ritinha - precisará ficar distante do trabalho, o que o deixa ainda mais furioso.

(Por Bianca Venturotti)

Em 'Rock Story', Gordo encontra Chiara e estraga os planos de Diana


Diana (Alinne Moraes) não cansa de aprontar 😡😡! No dia do casamento de Gui (Vladimir Brichta) e Júlia (Nathalia Dill), ela resolve levar Chiara (Lara Cariello) para um clube e não avisa ninguém. Na casa de festas, todos ficam desesperados com o sumiço da menina e Gordo (Herson Capri) liga insistentemente para a filha, que não atende.
Em certo momento, quando Diana se afasta, Chiara vê o telefone da mãe tocar e atende. A menina conta ao avô que está no clube e ele logo diz: “Olha, não fala nada pra ela que eu liguei, tá? Vou encontrar vocês, mas quero fazer uma surpresa!".

Gordo encontra Diana e leva a menina para o casamento
Chiara não diz nada para a mãe e Gordo consegue surpreender Diana, acabando com a diversão: “Acho que vocês já aproveitaram bastante. A Chiara tem um compromisso agora” .

Fonte: Gshow

Em 'Novo Mundo', Domitila vai se envolver com Pedro


Os dramas de Leopoldina (Letícia Colin) com as escapulidas de Pedro (Caio Castro) não vão parar por aí. Na verdade, vão ficar ainda mais intensos! O príncipe vai se envolver com Domitila (Agatha Moreira) e vai trazer mais problemas à princesa. "A gente fala dela como vilã porque, na verdade, ela entra na relação do Pedro com a Leopoldina de uma forma muito nociva para Leopoldina", analisa a autora Thereza Falcão. Alessandro Marson também opinia sobre a trama. Assista a tudo no vídeo acima!

Fonte: Gshow

Paolla Oliveira:"Eu acho que o feminismo não pode tachar a mulher moderna"

Sabe aquela imagem de atriz glamourosa em cima do salto? Esqueça! Em “A Força do Querer”, novela das 21h de Gloria Perez, Paolla Oliveira vive Jeiza, uma lutadora de MMA e policial. No entanto, se a imagem que te veio à cabeça, caro leitor, foi de uma mulher sem vaidade ou feminilidade: esqueça mais uma vez. 
Na novela, Paolla Oliveira levanta a bandeira de que as mulheres podem ser quem quiserem ser, sem que abram mão de seu lado doce e feminino. Loura, magra e deslumbrante, como sempre, a atriz apresenta uma lutadora policial livre de estereótipos machistas.

Paolla Oliveira vive uma policial em A Força do Querer
“Nessa novela, eu descobri que eu sou muito física e que a gente pode ter humor, feminilidade e doçura sendo policial ou lutando MMA. Mais que isso. Eu aprendi com essa personagem que, mais do que qualquer outro rótulo, ela é uma mulher. E, como mulher, pode ser quem quiser ser”, argumentou.
No entanto, engana-se quem pensa que a liberdade da mulher seja o principal mote de “A Força do Querer”. Em mais uma promessa de sucesso assinada por Gloria Perez, a trama das 21h também traz a questão da transexualidade. Sobre as temáticas, que prometem abordar diferentes facetas e movimentos da mulher moderna, Paolla Oliveira também alertou para os pensamentos feministas contemporâneos. Segundo ela, é importante que, até o feminismo, não rotule as experiências e escolhas de suas representantes. 
“Essa novela traz mulheres muito fortes e, na trama, a minha principal bandeira é mostrar que nós podemos ser quem nós quisermos. A mulher não tem que ter rótulos. E isso está ligado diretamente aos movimentos. Eu acho que o feminismo não pode tachar a mulher moderna. O movimento é tão grande e superior que precisa entender a essência de cada uma. Senão, a gente menospreza nós mesmas. Precisamos ter liberdade e sermos valorizadas por nossas escolhas”, posicionou-se.
E a temática mulher vai além. Fora sua missão social na pele da personagem Jeiza e de seu posicionamento público sobre o assunto e a abordagem do movimento feminista, Paolla Oliveira também trata das mulheres no cinema. 
“As mulheres permeiam a minha vida sempre. Seja com as meigas, mostrando a doçura, ou com a Jeiza e toda a sua força, esse é um assunto que está sempre presente na minha vida pessoal e profissional”, contou a atriz que em maio estreia seu novo longa. Protagonizado ao lado de Ricardo Pereira, a comédia “Mulheres” será exibida em todos os países que têm a língua portuguesa como idioma principal.

Fonte: Jornal do Brasil

#CasoJoséMayer - Su Tonani nega ser amante de ator


Su Tonani, figurinista que denunciou publicamente o ator José Mayer por assédio sexual, fez outro desabafo sobre o caso. Na quinta-feira (4), ela escreveu um texto para o blog Agora é que são elas, do jornal Folha de S.Paulo.
Desta vez, Su Tonani desmentiu os boatos de que teria vivido um relacionamento com Mayer e esclarecer os motivos de não ter procurado a Justiça para incriminá-lo.

LEIA ABAIXO NA ÍNTEGRA:
"Não, eu não fui amante de José Mayer. Declaro que não fiz acordo com nenhuma parte envolvida e muito menos recebi algum dinheiro.
Não fui demitida da Rede Globo. O meu contrato, como o previsto, se encerrou com o final da novela. Declaro que não retirei queixa contra José Mayer pelo simples fato de que nunca a fiz.
Eu fui vítima de assédio sexual. E agora estou sendo vítima novamente. Das especulações que colocam dúvidas sobre a minha dor. E me fazem revivê-la.
Em 31 março de 2017, depois de oito meses sendo assediada pelo ator José Mayer, depois de ter levado minha denúncia de assédio às instâncias de poder ao meu alcance e não ter encontrado justiça, depois de ver o medo dos colegas de testemunhar o que viram, sentindo que não tinha mais a quem recorrer, decidi. Sem nenhum outro recurso à minha disposição, optei por tornar pública minha denúncia no blog feminista #AgoraÉQueSãoElas. Um espaço que me acolheria.
Mas não pensem que foi uma decisão trivial. Ela foi recheada de medo. Sabe por que dá tanto medo de delatar um abuso?
Porque nossa cultura machista culpa a mulher, a vítima, pela violência vivenciada. É isso que corre as redes. É o que passa pelo boca a boca. É o que passeia por nossos aplicativos de relacionamento. É o que é impresso nos jornais. A história da mulher sedutora, agora passional e vingativa. Da mulher que mereceu. Da amante rejeitada.
Essa é a história que o mundo machista gosta de contar. E que nos acostumamos a aceitar como versão mais plausível. Saiba: essa prática nos desempodera. Nos revitimiza. E neste momento é como me sinto. Me sinto vítima novamente.

Vítima de quem, agora?
Vítima de profissionais exibicionistas. Vítima da narrativa produzida por tabloides irresponsáveis, das versões misóginas da violência que vivi que tornam suspeito meu gesto de denúncia, bem como a sororidade das que me apoiaram. E tenham certeza: estou sendo revitimizada pelo machismo que tenta me enfraquecer, me roubar a coragem de lutar. Mas cada vez que o conteúdo que questiona minhas razões é compartilhado, não sou só eu que estou sendo subjugada. Toda vítima está sendo coagida. Reprimida. Oprimida. Todas as que ainda não se manifestaram, em qualquer contexto, no país todo, duvida de si. E cogita seguir calada.
Dentre as intimações que recebi do delegado havia a informação de que eu estaria cometendo crime de desobediência por não depor. Como se neste tipo de crime a decisão de abrir um inquérito é exclusiva da vitima? Se eu assim quisesse, o ideal não seria uma delegadA? Temos as delegacia de atendimento às mulheres para isso, não?!
Me sinto interrogada inescrupulosamente. Mesmo sem prestar queixa nenhuma. Quantas vezes terei de pedir para respeitarem o meu não? E quantas não se identificarão tristemente e optarão pelo silêncio ao ver o escrutínio sob o qual me vejo agora?
Sinto que a minha história teve começo, meio e fim. Terminou na terça à noite, 4 de abril de 2017, com um pedido de desculpa da Rede Globo e uma carta de confissão do José Mayer, ambos lidos no Jornal Nacional. Senti que tive a justiça que desejava. Pouco creio que a punição criminal para o meu caso tenha alcance maior que já tivemos. Mais potência. Seja mais transformadora.
A clara sensação que tive após a publicação do meu relato, genuinamente acolhido pelas feministas foi: a minha coragem trouxe vida às memórias de abusos enterrados pelas mulheres no fundo do que são. Como já vimos acontecer com o #PrimeiroAssédio. Foi como se meu grito tivesse acordado a dor de outras. Foi como se o meu grito tivesse se tornado o de todas nós. Isso empodera. Mas assusta.
O meu objetivo ao expor a minha historia foi sair da invisibilidade, romper o silenciamento imposto, transcender este lugar de vítima que me era insuportável. Sou apenas uma profissional, que cansada de ser desrespeitada, lutou pelo que acredita. Por que incomodou tanto o meu silêncio pós-relato? Talvez porque eu não tenha cumprido o papel da oportunista exibicionista que o patriarcado esperava. Talvez porque não tenha sido a liderança, o exemplo que queriam que eu fosse. Desculpe desapontar estas e estes.
Em circunstancias diferentes da minha, é claro que o mais apropriado é um processo criminal e cível. Estimulo sim, todas as mulheres a levarem seus casos às autoridades, demandarem a devida atenção e buscarem a aplicação da lei. Mas acredito que obtive a justiça que queria e me sinto contemplada. Tive meu desejo desrespeitado uma vez. Isso me fez vítima. Quero deixar de sê-lo e seguir. Será que dessa vez minha vontade será respeitada?
O silêncio. É o que eu quero. Não o silenciamento coercitivo. O silêncio que eu escolho. A minha vida de volta. Qualquer versão diferente da que eu emiti neste mesmo blog e da que emito agora é mentirosa. E essas mentiras ferem, não só a mim, mas a todas as mulheres que batalham por sua voz. Queremos falar e calar quando bem entendermos. Nos concedam esse direito.
A minha história é a história de uma mulher jovem que não aceitou o assédio de um homem com mais poder que ela. Neste caso, o ator rico e famoso. O Brasil não está acostumado a lidar com este tipo de história. Eu sei. Mas não barateiem a minha história. Até porque ela é de muitas de nós.
Movemos um pouco a estrutura. Agora é segurar o rebite. O revés machista que deseja nos manter nos velhos lugares submissos de sempre. Me sinto vitoriosa. Fizemos grande porque fizemos juntas. Fui ouvida. Fomos. Somos muitas. Demonstramos força. E torço com tudo de mim que saiamos deste ciclo mais confiantes que sim, é possível mudar. Empresas começaram a repensar os protocolos nos casos de assédio. Homens descobriram que o mundo mudou. Falamos de assédio em espaços de poder antes impermeáveis a este debate.
Me orgulho de ter contribuído como pude para isso. E agora quero seguir.
Reservo a mim o direito de encerrar esse assunto. Chego ao final da minha jornada. Estou no limite da minha capacidade emocional de seguir na linha de frente dessa luta. Peço que respeitem os meus limites, violados anteriormente, quando tudo isso começou. Outras podem assumir a frente dessa luta. E eu me comprometo a sempre apoiá-las, assim como fui apoiada por tantas."

Fonte: Veja

Terapia de casal é alternativa para evitar divórcio: "Falta de sexo e traição são os principais motivos", diz psicóloga


EROSDITA - Se você não sabe qual é a hora de procurar ajuda, atenção: “No momento em que o casal não consegue mais ter uma relação saudável, é quando entra a necessidade de tentar descobrir o que está acontecendo. É onde entra a psicoterapia de casal ou terapia conjugal, que vem para ajudar as pessoas a perceberem como é que está o seu papel na relação. A terapia vai trabalhar em cima da remoção do conflito, mas é também um processo de autodescoberta”, explica Adriana.

Outro mito é pensar que o casal que busca terapia vai acabar se separando: “Quando o casal chega para a terapia, está muito claro que não existe intenção de se separar, pelo contrário. O que se quer é salvar, é melhorar o casamento. Quando um dos cônjuges tem certeza que quer se separar, nem cabe terapia. Ela só seria indicada para auxiliar no processo de separação, que quase sempre é doloroso”.”, analisa a psicóloga. Ela explicou ainda que a iniciativa geralmente é das mulheres (embora os homens estejam procurando cada vez mais) e que os principais motivos que levam à terapia são falta de sexo e traição. “Muitas vezes o casal precisa de ajuda para voltar a conversar porque o diálogo cessou”. Para saber todos os detalhes sobre esse assunto, é só conferir o programa Erosdita sobre o tema aqui abaixo:


Pedestre escapa da morte por um triz após carro desgovernado capotar


BBC - Um pedestre escapou da morte por um triz após um carro desgovernado capotar no Reino Unido.
Nas imagens, o homem é visto quase sendo atropelado pelo veículo, que gira no ar.
O pedestre cai no chão e um segundo carro freia próximo a ele.
A polícia de Leeds, no norte da Inglaterra, diz que ninguém ficou ferido com gravidade no incidente.

Morre aos 70 anos o cantor de samba Almir Guineto


O cantor e compositor Almir Guineto morreu na manhã desta sexta-feira (05), em decorrência de complicações provocadas por insuficiência renal crônica. A doença fora diagnosticada no final de 2015, e foi por isso que o sambista estava afastado dos palcos desde junho de 2016.
Nascido em 12 de julho de 1946, Almir veio de uma família de músicos e tinha contato com o samba desde sua infância. Seu pai, Iraci de Souza Serra, era violinista e integrava o grupo Fina Flor do Samba, e sua mãe, Nair de Souza, trabalhava como costureira e era uma das principais figuras da Acadêmicos do Salgueiro. Seu irmão, Francisco, mais conhecido como Chiquinho, foi um dos fundadores do grupo Os Originais do Samba, enquanto Almir era fundador do grupo Fundo de Quintal, isso no começo dos anos 80.
Sua carreira na música começou em 1969, quando Almir tornou-se um dos diretores da Salgueiro, sendo também mestre de bateria e parte do grupo de compositores que frequentavam o Bloco Carnavalesco 'Cacique de Ramos'. Em 1979, o cantor se mudou para São Paulo e fazer parte do grupo de cavaquistas dos Originais do Samba.
Dos anos 80 até aqui, o cantor já lançou mais de 15 álbuns e muitos sucessos, incluindo 'Insensato Destino', 'Mel na Boca', 'Mordomia', 'Caxambu', 'Jiboia', 'Conselho' e 'Rendição'.

#Política - "Não há luta de mérito na reforma trabalhista, há luta política", diz Temer


O presidente Michel Temer (PMDB) classificou como luta política, e não de mérito, as oposições à reforma trabalhista, incluindo as críticas que recebe do PT e da ex-presidente Dilma Rousseff. Temer afirmou que Dilma chegou a defender mudanças nas leis trabalhistas enquanto esteve no governo, mas que não conseguiu implementá-las. A proposta de Temer para modernizar a legislação trabalhista foi aprovada na Câmara dos Deputados e agora está no Senado.
“É uma luta política, as pessoas não estão discutindo tecnicamente”, disse o presidente em entrevista para a RedeTV! gravada na última terça-feira (2) e exibida na noite desta quinta (4). “A presidente Dilma, no passado, disse que era fundamental a reforma trabalhista, até em alguns momentos esboçou tentativas.”
O presidente afirmou também que os trabalhadores não ficarão fragilizados nas negociações com os patrões por causa da prevalência do acordado sobre o legislado, como prevê a proposta. “As pessoas que estão nos sindicatos, de empregados e empregadores, têm condições para afirmar acordos e vontades. Os sindicatos dos trabalhadores saberão e sabem negociar”, disse.
A legalização do trabalho intermitente, que permite a contratação por dias e horas específicos, vai gerar empregos, e não precarizar trabalhos, disse o presidente. Temer disse que as pessoas são contra o projeto da reforma trabalhista porque não leram a Constituição, que, destacou, já prevê a prevalência das convenções e dos acordos coletivos. O presidente disse ainda que não faltou conversa com a sociedade para propor o texto.
Quanto à terceirização, que foi aprovada em um projeto separado, Temer disse que a lei garante mais do que a terceirização da atividade-fim, mas também a responsabilidade da companhia que contrata o serviço por eventual negligência da empresa que oferece o trabalho terceirizado. “Há dupla garantia, o direito fica acrescido.”
Sobre as mudanças na legislação tributária, Michel Temer disse que o governo fará uma simplificação, “não exatamente uma reforma”. Ele prometeu que a proposta que vai apresentar irá desburocratizar os meios de pagamentos tributários. O presidente disse ainda que vai ajudar o Congresso Nacional a propor uma reforma política.

Fonte: IstoÉ

#Culinária - Faça uma coxinha de frango com molho barbecue caseiro que vai surpreender


Vogue - Quem não ama uma boa coxinha? Se você vai receber amigos nos próximos dias, gaste um tempinho na cozinha e faça uma porção generosa de coxinha de frango com molho barbecue caseiro, que é um dos petiscos de maior sucesso do restaurante Nam Thai, no Rio de Janeiro.

Vogue entrega a receita. Anote e aprenda, rendendo de 30 a 35 unidades:

Massa da coxinha
Receita
100 g de manteiga
1 alho picado
500 g de caldo de frango
500 g de leite
500 g de batata cozida
600 g de farinha de trigo
Sal e pimenta a gosto

Preparação da massa
Cozinhar a batata separadamente e depois misturar em uma panela grande com o leite, manteiga, alho, caldo de frango. Quando a mistura estiver homogênea, colocar a farinha e misturar bem. Sovar depois a massa com usando um pouco de óleo de cozinha.

Preparação do recheio
Cozinhar a coxa e sobre coxa com alho e cebola a gosto até ficar desmanchando. Desfiar e deixar esfriar.

Molho barbecue
Receita
1 chícara de catchup
1 colher de chá de molho inglês
1 colher de sobremesa de açúcar mascavo
1 colher de chá de cebola em pó
1 colher de cafe de alho em pó
Fumaça líquida a gosto
1 colher de sobremesa de gengibre

Modo de preparo
Colocar todos os ingredientes na panela e deixar cozinhar no fogo baixo por 30 minutos

Monte a coxinha
Depois de tudo pronto, comece a modelar as coxinhas e empane na farinha de rosca japonesa. Frite em óleo quente e sirva bem quentinha!

Nam Thai: rua Rainha Guilhermina, 95 A/B, Leblon, Rio de Janeiro. Tel. (21) 2259-2962

Brasil é avaliado pela ONU no Conselho de Direitos Humanos

As políticas públicas do Brasil serão avaliadas nesta sexta-feira (5), quando o país será submetido à Revisão Periódica Universal pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra (Suíça).
É a terceira vez desde a criação do conselho, em 2006, que o Brasil é avaliado pelos Estados-membros da ONU.
A revisão acontece a cada quatro anos e meio. Nela, o país avaliado deve apresentar um relatório que responda como implementou as recomendações feitas na revisão anterior. Esse documento, somado a um relatório elaborado pela sociedade civil e a outro redigido pela ONU, servem de base para novos questionamentos dos países-membros.

Cúpula do Salão dos Direitos Humanos, na sede da ONU, em Genebra, na Suíça
Espera-se que os países questionem o Brasil sobre a violência nas prisões, especialmente após os massacres em presídios no início deste ano, a violência policial e a questão indígena, que voltou ao noticiário nesta semana depois do ataque a índios do povo Gamela, no Maranhão.
Segundo o relatório da ONU para esta revisão, "os riscos que enfrentam as populações indígenas são maiores do que nunca desde a adoção da Constituição de 1988". Entre esses riscos está a PEC 215, emenda constitucional que transfere do Executivo para o Legislativo a prerrogativa de demarcar terras indígenas. A ONU recomenda a rejeição da proposta, que atualmente tramita na Câmara.
A PEC do Teto, que limita as despesas do governo federal ao Orçamento do ano anterior corrigido pela inflação, e outras medidas do ajuste fiscal do governo federal foram classificadas por Philip Alston, Relator Especial da ONU para pobreza extrema, como "inteiramente incompatíveis com as obrigações de direitos humanos do Brasil".
"Vai atingir fortemente os brasileiros mais pobres e mais vulneráveis, vai aumentar os índices de desigualdade em uma sociedade já muito desigual, e definitivamente assinala que direitos sociais são uma prioridade muito baixa para o Brasil nos próximos 20 anos."

VIOLÊNCIA POLICIAL
A última revisão do Brasil, em 2012, teve questionamentos principalmente sobre violência policial e o sistema carcerário. O país recebeu 170 recomendações dos outros membros da ONU.
O relatório que a ministra de Direitos Humanos, Luislinda Valois, apresentará em Genebra afirma que, destas 170 recomendações, 100 foram totalmente implementadas, 56 estão em processo de implementação, nove foram parcialmente implementadas e quatro não têm avaliação.
A falta de uma metodologia que explique como se deu essa classificação é uma das críticas ao documento do governo Michel Temer, segundo a coordenadora de política externa da ONG Conectas, Camila Asano. "Depois de quatro anos [desde a última revisão], o Brasil acaba tendo de dar uma resposta que não é embasada", afirmou à Folha. Segundo ela, não foram apresentados indicadores sobre o acompanhamento das políticas públicas.
Uma recomendação feita pela Espanha, por exemplo, sobre violência policial, pedindo a revisão dos programas de treinamento das forças de segurança enfatizando uso da força proporcional e o fim das execuções extrajudiciais, é apontada pelo governo como "totalmente implementada".
A desmilitarização da polícia foi a única recomendação da revisão de 2012 rejeitada. A proposta por uma reforma da polícia brasileira aparece novamente no relatório elaborado pela ONU para a revisão desta sexta-feira.
Após visita ao Brasil, o Subcomitê da ONU para Prevenção da Tortura afirmou estar "profundamente preocupado com as numerosas alegações em relação a atos violentos da polícia militar, que conduz patrulhas para manter a ordem pública e prender suspeitos".

MARIANA
A ONU também criticou a pouca atenção dada pelo governo brasileiro aos efeitos da tragédia no rio Doce, após o rompimento de uma barragem de minérios em Mariana (MG), em novembro de 2015. Segundo a entidade, o relatório brasileiro "menciona brevemente o pior desastre socioambiental do país".
"No plano nacional, persiste o desafio de efetivação de políticas públicas e normativas ambientais. Um exemplo é o ocorrido na cidade de Mariana, Minas Gerais, em 2015." Esta é a única menção ao desastre no relatório de 66 páginas elaborado pelo governo Temer.
"A tragédia deixou claro que tanto o Estado como as empresas responsáveis, Samarco, Vale e BHP Billiton, estão despreparados para lidar com uma situação de desastre humano e ambiental em largas proporções como esta", afirmou a ONU.
Segundo um grupo de especialistas da ONU enviados ao Brasil, "um ano após o colapso [da barragem], as medidas que o governo brasileiro e as empresas envolvidas atualmente desenvolvem foram simplesmente insuficientes para lidar com a extensão massiva de prejuízos ambientais e humanos".

LEI DE MIGRAÇÃO
Algo positivo a ser apresentado pelo Brasil é a nova Lei de Migração, aprovada pelo Senado e que aguarda a sanção de Temer. "É uma lei muito mais moderna, condizente com as leis internacionais e compatível com a Constituição brasileira", avalia Asano.
A ONU já pedia que o país adotasse uma legislação mais moderna em substituição ao Estatuto do Estrangeiro, de 1980.
A nova lei acaba com série de restrições existentes, como proibição de estrangeiros participarem de manifestações políticas e sindicatos, de fazerem transmissões radiofônicas e serem donos de aeronaves. A lei proíbe a pronta deportação de migrantes detidos nas fronteiras, garantindo-lhes acesso a um defensor público. Determina também um prazo de 24 horas para decidir sobre o que fazer com os migrantes que passam dias ilhados no chamado "conector", área dentro do aeroporto de Guarulhos.

Fonte: Folha de São Paulo

Estrela Dalva ainda brilha, mitológica, 100 anos após ter visto a luz da vida


A estrela Dalva de Oliveira brilha em todo o Brasil 100 anos após a vinda ao mundo na cidade paulista de Rio Claro (SP). Voz empoderada da era do rádio, Vicentina Paula de Oliveira (5 de maio de 1917 – 30 de agosto de 1972) nasceu há exatos 100 anos. Com cristalina voz de soprano, cuja extensão a permitia transitar com naturalidade dos graves aos agudos, Dalva iluminou o sentimento brasileiro com um canto aberto, folhetinesco, que atingiu (e ainda alcança) a alma popular. É por isso que a cantora que festejaria hoje o centenário de nascimento permanece envolta em aura mitológica.
Ao longo da discografia gravada entre 1937 e 1972, ano da dramática saída de cena na cidade do Rio de Janeiro (RJ), Dalva se consolidou com uma das mais emblemáticas vozes do Brasil. O auge artístico aconteceu no decorrer da década de 1950. Somente em 1950 – ano em que Dalva alça o voo solo que ensaiara três anos antes com a explosiva gravação do samba-canção Segredo (Herivelto Martins e Marino Pinto, 1947) – a cantora teria cinco sucessos históricos nas paradas nacionais. As gravações de Olhos verdes (Vicente Paiva), Tudo acabado (Osvaldo Martins e J. Piedade), Que será? (Marino Pinto e Mário Rossi), Errei, sim (Ataulfo Alves) e Ave Maria (Jayme Redondo e Vicente Paiva) mostraram que Dalva poderia seguir sem a proteção e o cancioneiro do ex-marido Herivelto Martins (1912 – 1992), de quem se separou em 1949 em ato ruidoso que gerou sofrência enfrentada por ambos em praça pública, sob julgamento popular, em série de composições que retratavam a dissonância conjugal.
Abatida, mas altiva, Dalva expiou a dor de amor e foi em frente, refazendo a vida afetiva e seguindo firme na carreira, numa época em que a sociedade machista e patriarcal condenava a priori qualquer mulher que ousasse se desvencilhar do marido. E Dalva saiu batendo a porta. Foi quando a voz de Dalva se fez ouvir mais alto no universo musical brasileiro, ainda que a fase com o Trio de Ouro tenha gerado gravações antológicas como Ave Maria no morro (Herivelto Martins, 1942).
Entre erros e acertos na vida e na música, Dalva jamais deixou que a estrela dela se apagasse, ainda que o brilho único do cristal da cantora tenha sido ofuscado na década de 1960 pela geração ligada à Bossa Nova. A mesma Bossa Nova que projetou o canto refinado de Pery Ribeiro (1937 – 2012), nascido da união de Dalva com Herivelto, carimbou os cantores da era do rádio com o rótulo de "ultrapassados". Mas todo Carnaval tem fim. E a Bossa Nova saiu momentaneamente de cena com a explosão da Tropicália em 1967, ano em que, talvez não por coincidência, Dalva adentrou os salões e voltou às paradas com a marcha-rancho Máscara negra (Zé Kétti e Pereira Matos, 1966), sucesso da folia daquele ano de 1967 em gravação lançada pela cantora em compacto editado em 1966.
Foi também no universo do Carnaval que Dalva emplacou o último grande sucesso da carreira, Bandeira branca (Max Nunes e Laércio Alves, 1970), dois anos antes de sair de cena. Só que a história mostrou que Dalva sempre permaneceria em cena mesmo sem a presença física. Lembrada e cultuada por nomes como Maria Bethânia, Gal Costa e Marisa Monte, para citar somente algumas cantoras referenciais que deram voz a músicas lançadas por Dalva, a estrela não se apagou em 1972.
Por mais que cantasse em região vocal distinta, Bethânia, sobretudo, levou adiante o legado e o repertório de Dalva. Talvez por ambas serem cantoras ligadas ao drama das canções. Dalva exaltou o Brasil e a Bahia em série de sambas. Mas Dalva foi, sobretudo, a voz dos boleros e dos sambas-canção dominantes na era do rádio. Com canto passional, a estrela iluminou até o universo dramático dos tangos e propagou a súplica amorosa do baião Kalu (Humberto Teixeira, 1952).
Dalva foi grande! Tão grande que soube se imortalizar na música sem Herivelto Martins, ainda que esteja para sempre associada ao artista que lhe forneceu composições igualmente grandes. Pela voz, a cantora traduziu e reverberou a alma e o sentimento do Brasil. O que lhe garantiu a perenidade da obra e do canto ímpar. E justifica a aura mitológica que ainda cerca o nome da estrela 100 anos após Dalva de Oliveira ter visto a luz da vida.
(Crédito da imagem: Dalva de Oliveira em retrato exposto na capa do álbum Dalva, de 1958)
(Crédito da reportagem: G1)

Satélite brasileiro é lançado em centro espacial na Guiana Francesa


Foi lançado nesta quinta-feira (4) o primeiro satélite controlado inteiramente pelo governo brasileiro.
O Satélite Geoestacionário Brasileiro de Defesa e Comunicações Estratégicas foi lançado do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, levado pelo foguete Ariane Cinco.
Com quase seis toneladas, ele foi construído por uma empresa francesa em parceria com o Brasil e custou R$ 2,8 bilhões. É o maior investimento do programa espacial brasileiro nesta década. O equipamento foi entregue em dezembro de 2016, em Cannes, na França.
O presidente Michel Temer e os ministros da Defesa, Raul Jungmann, e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, acompanharam o lançamento de uma sala do Comando Militar da Aeronáutica, em Brasília.


O satélite ficará a uma distância de 36 mil quilômetros da Terra. É o primeiro a ser operado e controlado pelo governo brasileiro. Quando estiver em operação, vai cobrir todo o território nacional e o Oceano Atlântico.
O satélite deve reforçar a segurança nacional, atuando na vigilância das fronteiras e do espaço aéreo já a partir de junho. A expectativa do governo brasileiro é de que o satélite amplie a cobertura da internet de banda larga no país, sobretudo nas áreas de difícil acesso, o que deve ocorrer a partir de setembro.
“Vai permitir a nossa soberania, nossa independência e, evidentemente, para o governo as suas comunicações estratégicas estarão blindadas de qualquer tipo de tentativa de obter informações que são essenciais para os brasileiros e brasileiras”, afirmou o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

Momento em que o satélite brasileiro, fornecedor de banda larga de internet no Brasil, é lançado
Fonte: Jornal Nacional

Suspeito de estuprar sobrinha de 13 anos é preso após vítima fazer denúncia motivada por campanha de TV

Um homem de 31 anos foi preso nesta quinta-feira (4), na cidade de Senhor do Bonfim, na região norte da Bahia, suspeito de ter estuprado várias vezes a sobrinha de 13 anos. Segundo a Polícia Civil, o crime foi descoberto após a vítima prestar queixa contra o tio motivada por uma campanha nacional que a menina viu recentemente na televisão.
Conforme o titular da 19ª Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Coorpin/Bonfim), delegado Felipe Neri Neto, a adolescente vinha sendo estuprada desde os 11 anos de idade dentro da própria casa. O suspeito nega o crime, mas segundo a polícia, um exame de corpo de delito constatou os abusos, segundo o delegado.
O suspeito, Damião Correia da Silva, estava com um mandado de prisão preventiva em aberto e foi locaizado por investigadores da 19ª Coorpin, nesta manhã. "Ela decidiu contar sobre o crime após essa campanha da TV, chamou familiares e compareceu à delegacia. Nós, então, fomos em busca do suspeito e conseguimos prendê-lo", destacou o delegado.
Conforme a polícia, Damião sempre visitava a casa da sobrinha e a ameaçava. Em depoimento, segundo a polícia, a mãe da jovem relatou que não tinha conhecimento dos abusos. "Ela [a mãe da adolescente] disse que nunca desconfiou", afirmou o delegado.
Damião ficara custodiado na sede da 19ª Coorpin e vai responder pelo crime de estupro de vulnerável.

Fonte: G1

Xuxa perde processo contra o Google por caso 'Amor, Estranho Amor'

Decisão da 19ª Câmara Cível do Rio de Janeiro, na última terça-feira, 2, negou recurso de Xuxa Meneghel em ação movida contra o Google que tramita desde 2010. A apresentadora tentava obrigar a empresa de tecnologia a remover buscas em que seu nome seja relacionado ao crime de pedofilia ou “escrito parcial ou integralmente, e independentemente de grafia, se correta ou equivocada, a uma prática criminosa qualquer”.


A polêmica gira em torno da participação de Xuxa no filme 'Amor, Estranho Amor', longa de 1982 em que a apresentadora aparece seminua na cama de um menino menor de idade. O texto da decisão do processo, em segunda instância, diz que “por unanimidade, após rejeitadas as preliminares, no mérito, negou-se provimento ao recurso, nos termos do voto” da desembargadora relatora Valeria Dacheux Nascimento.
Xuxa teme que a polêmica atrapalhe sua carreira com o público infantil e por isso procura censurar esse episódio de seu passado profissional. Em 2013, a apresentadora venceu um processo que impediu a Cinearte Produções, distribuidora do filme, de relançar o longa.

Fonte: Correio da Bahia

‘A Força do Querer’ faz a Globo respirar aliviada

Bibi (Juliana Paes) e Rubinho (Emílio Dantas)
VEJA - A nova novela de Gloria Perez não deixou para trás apenas a modorrenta A Lei do Amor, que terminou com média de audiência abaixo dos 30 pontos na Grande São Paulo. No ar desde 3 de abril, A Força do Querer completou um mês no ar com audiência de 31 pontos, melhor média no Ibope de uma novela das 9 da Globo desde 2014. Está longe dos tempos áureos. Mas os tempos, afinal, são mesmo outros.
Para quem não se lembra: antes de A Lei do Amor, de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, a emissora exibiu Velho Chico, de Benedito Ruy Barbosa, que acabou com média de cerca de 29 pontos, semelhante à de A Regra do Jogo, de João Emmanuel Araújo, sua antecessora. Babilônia, de Gilberto Braga e Ricardo Linhares, exibida antes dela, não chegou a 26 pontos de média. Antes, veio Império, de Aguinaldo Silva, que saiu do ar com média geral de 32 pontos, mas não largou tão bem assim.
No Rio, o primeiro mês de A Força do Querer teve audiência ainda melhor: 33 pontos. Outra boa notícia para a Globo é que a novela segue subindo no Ibope. Na semana passada (24 a 29 de abril), o folhetim bateu recordes semanais tanto em São Paulo, em que marcou 32 pontos, quanto no Rio, onde foi a 34.

Ritinha (Ísis Valverde) em A Força do Querer
Ritinha e Zeca (Marco Pigossi)
Ritinha
A vilã Irene (Débora Falabella)
Ritinha e Edinalva (Zezé Polessa)
Zeca

A viciada em jogos, Silvana (Lília Cabral)

Eurico (Humberto Martins), o marido de Silvana; Eugênio (Dan Stulbach) e Dantas (Edson Celulari) em cena da novela A Força do Querer

Estudante britânica escolhe Beyoncé como tema de tese de sociologia


O que é o "feminismo Beyoncé"? A pergunta já pautou muitas conversas em mesa de bar e "textões" nas redes sociais. Mas recentemente também foi tema do trabalho de conclusão de curso na Universidade de Warwick, no Reino Unido.
A estudante Molly Inglis, de 20 anos, analisou 10 mil palavras de letras das músicas da cantora americana para escrever as 66 páginas de sua dissertação em Sociologia.
Para a jovem, chama a atenção a forma como Beyoncé vê mulheres e o sexo. Segundo Inglis, a artista promove mensagens favoráveis à sexualidade com ênfase no sexo seguro e com consentimento. Dessa forma, passou, em especial nos últimos anos, a abraçar o feminismo de um jeito próprio.
Para escrever a dissertação, Inglis decidiu focar a análise nos dois últimos álbuns da cantora: Beyoncé (2013) e Lemonade (2016).

Estudante diz que Beyoncé encoraja as mulheres
"(Beyoncé) encoraja as mulheres a serem sexuais, a assumirem o controle da situação num quarto e a fazerem sexo por elas mesmas, para o prazer delas", afirma a estudante.

Feminismo e outras mensagens
Fãs associam a "Queen Bey" ("Rainha Bey", apelido pelo qual a cantora é chamada por eles) com o empoderamento de mulheres e garotas há muito tempo, desde a época em que fazia parte do grupo feminino Destiny's Child.
Em 2013, por exemplo, a artista sampleou um trecho da palestra "Todas deveríamos ser feministas", da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, na música Flawless.
Ao mesmo tempo, ela também insere outras mensagens em suas canções.
A música Formation, do álbum Lemonade, foi interpretada como um protesto de Beyoncé ao tratamento dado pela polícia à comunidade negra e como um ato de apoio ao movimento Black Live Matters ("As vidas dos negros importam", em tradução livre).
Mas, para a estudante, essa mesma nação também dialoga direto com as mulheres e traz um jogo de palavras embutido.
"Eu realmente gostei da letra. Gosto de quando ela fala: agora, senhoras, 'let's get in formation'", afirma Inglis, avaliando que há um duplo sentido na frase em inglês. Para ela, o trecho pode significar, ao mesmo tempo, vamos "nos organizar" e "vamos obter informação".
"[A música] Pede que as mulheres se organizem e também que obtenham informação para ter conhecimento sobre o que está acontecendo e para protestar contra", analisa a estudante britânica.

Fãs garantem que Beyoncé sempre cantou sobre feminismo, desde os tempos de Destiny's Child
Muitos fãs acreditam ainda que a música Hold Up, também do Limonade, era sobre a relação da cantora com seu marido, o rapper Jay Z.
Trata-se de um debate que ainda mobiliza quem se interessa pela vida e pela carreira da cantora, mas, de acordo com a estudante, ela pode apenas estar narrando a história de uma personagem na canção, que fala sobre um casal em crise.
Depois de analisar os dois álbuns, porém, Inglis diz que Beyoncé canta muito sobre os prós e contras do casamento.

Sociologia do dia a dia
O orientador da estudante ficou surpreso com o tema que ela escolheu para fazer a dissertação. Mas Inglis diz que isso prova como a sociologia é relevante para o nosso dia a dia.

Molly Inglis
"As críticas contra ela por levantar a bandeira do feminismo existem porque ela é uma artista negra", opina ela, complementando que artistas brancas que fazem o mesmo não são criticadas da mesma forma.
Para a estudante, o fato de Beyoncé cantar o feminismo é realmente importante porque tira o debate dos textos acadêmicos e o leva para outros temas mais acessíveis.
Inglis se diz "tentada" a entrar em contato com a cantora para contar que ela foi objeto principal de sua dissertação.
"Se ela lesse o trabalho, eu ganharia meu dia."

Fonte: BBC

Mulheres, médicos advertem: jamais façam estas três coisas depois do sexo


Blasting News - Cada atividade em que as pessoas se engajam demanda uma série de cuidados para ser levada a cabo da maneira mais segura possível. Ao andar de carro ou viajar de avião, as pessoas usam cintos de segurança. Antes de atravessar a rua, olham para os dois lados. Antes de engolir, mastigam cuidadosamente a comida. Usam preservativos e outros métodos anticoncepcionais para evitar a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis e uma gravidez não-desejada. Há, porém, alguns cuidados importantes que as pessoas negligenciam. Por exemplo, há algumas coisas que os médicos dizem que as mulheres devem evitar depois da prática do ato sexual e que, no entanto, por descuido ou ignorância do perigo, muitas deles fazem.

Entre os comportamentos comuns que devem ser evitadas pelo gênero feminino depois do #sexo, estão estas:

1 - Não ir ao banheiro
Por preguiça, por se sentir bem aconchegada na cama ou por não conhecer os benefícios de urinar até cerca de uma hora depois do ato sexual, boa parte das mulheres não vão ao banheiro depois do sexo. É uma pena, pois urinar depois do ato sexual elimina microrganismos nocivos que podem introduzido na vagina durante o intercurso, ajudando assim a prevenir infecções do trato urinário.

2 - Dividir uma banheira de água quente com o parceiro sexual
Segundo a ginecologista Leslie Page, a vulva, que é a parte externa e visível da vagina, incha em resposta ao estímulo sexual, deixando a vagina mais exposta a microrganismos que possam causar infecções.

Dividindo uma banheira com o parceiro após o ato sexual, por exemplo, a #Mulher corre o risco de ser contaminada por bactérias da pele e do ânus dele.

3 - Usar lenços umedecidos ou sabão para limpar a vagina
Nada mais natural do que a mulher querer tomar um bom banho depois do sexo, mas o melhor é que ela não use sabão nas partes íntimas. Como explica a doutora Page, o produto pode causar alergia ou irritação na região vagina - até porque a relação sexual deixa a região mais sensível a certas substâncias químicas.
Além dos problemas que o sabão pode causar, a médica aponta outra razão para não usar o produto: a vagina, diz, limpa-se sozinha.
Ainda no terreno dos produtos higiênicos que podem irritar a vagina, são dignos de menção os lenços umedecidos. Substâncias impregnadas em alguns deles podem causar irritação na região - afinal, recorde-se, a região está bem sensível depois do ato sexual.

10 tipos de transa que toda mulher tem que experimentar


Oba Oba - O sexo feminino é expert na arte de experimentar coisas novas e enjoar da mesmice, talvez seja por isso que mulher adora aventuras sexuais. Acredite, nenhuma mulher nega um bom sexo, isso é fato. 
E é por isso que fizemos uma lista de experiências sexuais que precisam ser testadas por todas as mulheres ao longo da vida, nem que seja para, depois, render boas risadas:

1. Transar em um estacionamento. Aí vai de cada uma ver qual se encaixa melhor nas fantasias sexuais, hahahah;
2. Sexo selvagem, daqueles de puxar cabelo, dar tapas carinhosos e usar palavras sujas, mas que estejam dentro dos limites;


3. Transar menstruada. É nojento? Pode ser que sim, mas no banho não tem tanto problema assim;
4. Passar a noite em um motel e experimentar diversos brinquedos eróticos, além de, claro, trocar o sono de 8hrs por sexo a noite toda;


5. Sexo com um homem mais velho. Lendas por aí dizem que eles são tão experientes que é viciante, rs;
6. Um ménage. Fica por conta de cada uma saber se prefere ser a terceira pessoa de alguém ou experimentar dentro de um relacionamento;


7. Transar em lugares ousados. Pode ser com uma porta aberta, em um lugar público...o que importa é a adrenalina de que talvez alguém possa pegar no flagra, hahahah;
8. Fazer sexo bêbada, mas em um nível ok para não vomitar no meio do ato, rs;
9. Realizar diversas fantasias sexuais, não vale uma, nem duas, várias;


10. Fazer sexo casual, só por diversão, sabe? Por desejo <3