terça-feira, 16 de maio de 2017

Planeta Proxima B, o mais próximo do nosso Sistema Solar, pode hospedar vida

O planeta que orbita ao redor da estrela mais próxima do Sol pode ter condições para hospedar vida, indica uma simulação da atmosfera do planeta Proxima B, que orbita a estrela Proxima Centauri. A pesquisa foi conduzida utilizando um modelo que há anos é referência para o estudo de meteorologia na Terra.
Publicada na revista "Astronomy & Astrophysics", o estudo foi conduzido pela Universidade de Exeter, no Reino Unido, pelo professor e astrofísico Ian Boutle, e é a primeira tentativa de explorar virtualmente a atmosfera de um planeta exterior ao Sistema Solar.
Descoberto em agosto de 2016, o Proxima B é um planeta rochoso com uma massa similar a da Terra e à distância certa da sua estrela para poder ter água no estado líquido na sua superfície.
Por isso, se começou a pensar na possibilidade de que este planeta, que fica a "apenas" 4,2 anos luz da Terra, também tenha uma atmosfera parecida com a terrestre. Na espera dos dados dos telescópios que poderão ajudar a encontrar a resposta definitiva, foi utilizado o modelo meteorológico mais comum para estudar a atmosfera da Terra para criar os cenários do planeta.

Planeta 'Proxima B' é parecido com a Terra
A primeira simulação partiu da hipótese de que o Proxima B tenha uma composição semelhante a terrestre, uma outra, ao contrário, levou em conta uma atmosfera mais simples, composta de nitrogênio com traços de dióxido de carbono. As simulações dos dois cenários, realizadas levando em conta diversas configurações orbitais, indicaram que o Proxima B pode ser um planeta habitável e ter um clima estável.
No entanto, os pesquisadores britânicos ressaltaram que os dados conseguidos por eles ainda são preliminares e que ainda é muito cedo para tirar conclusões.
Fonte: Jornal do Brasil

Apartamento do governador Pezão é assaltado no Leblon

O apartamento do governador Luiz Fernando Pezão na rua Rainha Guilhermina, no Leblon, foi invadido e roubado por homens encapuzados na última quarta-feira (10). Homens armados levaram objetos de valor, entre eles computadores. O governador, contudo, não estaria frequentando o apartamento há pelo menos quatro meses, de acordo com reportagem do jornal O Dia.
A Polícia Civil confirmou o roubo, em e-mail enviado ao JB, e informou que a delegada Monique Vidal, titular da 14ª DP (Leblon), determinou o registro da ocorrência, solicitou as imagens do local e já investiga o caso.

Pezão não frequentava apartamento há quatro meses
"O fato ocorreu na última quarta-feira. Assim tivermos novidades, vamos informar", disse a assessoria da Polícia Civil.
Em abril de 2012, quando Pezão era vice-governador de Sérgio Cabral, o apartamento também foi assaltado, ocasião em que levaram joias e roupas, enquanto ele viajava de férias pela Itália.

Fonte: Jornal do Brasil

Quadro de Pablo Picasso de 1939 e confiscado por nazistas é vendido por R$ 193 milhões


O quadro "Femme assise, robe bleue", de Pablo Picasso, foi vendido em um leilão da Christie's, em Nova York, por US$ 45 milhões (pouco mais de R$ 139 milhões), nessa segunda-feira (15).
A expectativa da empresa de artes era arrecadar entre US$ 35 milhões e US$ 50 milhões durante a venda. O quadro, pintado a óleo sobre a tela, é datado em 25 de outubro de 1939.
"Femme assise, robe bleue" é um dos retratos mais conhecidos do mestre espanhol e foi confiscado pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Obra mostra amante e uma das principais musas do pintor.
O quadro retrata Dora Maar, como ficou conhecida a fotógrafa e poeta Henriette Theodora Markovitch. Dora foi a quarta das setes mulheres de Picasso e, entre o fim dos anos 1930 e início dos 1940 foi a principal modelo dos quadros do artista. O quadro foi pintado no início da Segunda Guerra Mundial, no dia do aniversário de 58 anos do artista espanhol. Na época, Maar estava com 31 anos.
Segundo a Deutsche Welle, a pintura, anteriormente de propriedade do marchand Paul Rosenberg foi confiscada pelos nazistas na França ocupada, em 1940. O quadro foi resgatado quando era levado de trem de Paris para Morávia.

Fonte: G1

Tânia Alves dá declaração surpreendente ao saber que estava eliminada do 'Dancing Brasil'


Caras - Sexta eliminada do Dancing Brasil, a atriz Tânia Alves deu uma declaração inesperada após deixar a competição na noite desta segunda-feira, 16.
Ao contrário do que se imagina, a atriz disse que não ficou totalmente triste com o fim de sua participação no reality.
"Pra mim foi um sonho ter uma vida de dançarina, não de bailarina porque não tenho formação para isso, mas mesmo assim aprendi muito, na posição do corpo, perna. Mas por outro lado é quase que uma alforria porque a minha vida era toda Dancing Brasil, então agora eu vou comer muito, dormir muito, descansar muito", disse ela.
Apresentadora do reality, Xuxa Meneghel ficou surpresa com o comentário sincero da veterana. Nas redes sociais, os fãs também se surpreenderam com a atitude da estrela.




Artur Xexéo lança biografia de Hebe Camargo: "Ela não guardava segredos"

Ela foi uma das pessoas que estava no Porto de Santos para recolher os equipamentos que Assis Chateaubriand, dono da primeira rede de televisão, encomendou do exterior. Tinha um programa próprio na Rádio Difusora, uma das mais importantes do país em meados do século passado. Homenageou Carmem Miranda em um disco que foi muito aclamado. Foi convidada para cantar o hino nacional na primeira transmissão ao vivo da TV, em 1950. Apresentou vários programas cujo título era seu próprio nome. Agora, a artista, de quem você já sabe de quem estamos falando, é a pauta do novo livro do jornalista Artur Xexéo, batizado “Hebe – a biografia”.


Hebe Camargo é uma das maiores personalidades da televisão brasileira, tendo visto a mesma nascer, crescer e consolidar-se no mercado do entretenimento. Por admirar este ícone, Xexéo resolveu reunir várias façanhas da apresentadora, radialista e cantora em um único exemplar de 300 páginas. Durante a pesquisa, conversou com muitas personalidades como Eliana, Gloria Pires, Ignácio de Loyola Brandão, Boni e Tom Cavalcante. Por ser uma mulher bem resolvida, ela falava sobre tudo na televisão e não ter nenhuma novidade era o maior medo do autor.
“A Hebe era uma mulher muito espontânea, não guardava segredos. Na televisão, ela falava sobre a vida. Então, meu medo era não ter novidades para contar. Desde o início, para fugir do lugar comum, eu decidi me voltar para a carreira de cantora que achei que fosse menos conhecida. Ela canta muita Bossa Nova, Tom Jobim e Vinícius de Moraes, que eram estilos que mais gostava. Durante uma época, abandona a vida de cantora e só volta quase que no final da vida. Neste momento, é produzida pelas melhores discografias do Brasil. Todos se derretem por ela. Hebe tinha uma voz maravilhosa, não desafinava nunca. Mas, de qualquer forma, o livro não é só sobre isso e é bom ter a história dela escrita”, afirma Xexéo.
Um dos maiores motivos de escrever um livro sobre a Hebe é que a nova geração pudesse se dar conta de quão importante ela foi para a história do país. A apresentadora não se resume a um sofá onde entrevista convidados especiais. É muito mais do que isso. O próprio jornalista se impressionou com as descobertas de sua pesquisa. “Eu tinha uma imagem da artista que ela era, via a dondoca que sempre tentou ilustrar as pessoas. Depois desse livro, descobri que ela era uma mulher muito generosa, solidária e amiga. Isso me comoveu muito”, conta. Ela era conhecida por colecionar paixões e era dona da cabeleira loira mais marcante da televisão brasileira, apesar de ser, naturalmente, morena. Um exemplo disto foi a ausência da cantora na transmissão ao vivo da TV, quando foi convidada para cantar o hino nacional. A desculpa foi um problema de saúde que a impossibilitaria de aparecer, mas a verdade é muito diferente disso. “Ela não foi para ficar com o namorado que era muito mais importante do que inaugurar a televisão no Brasil”, brinca Xexéo.


Apesar de ter a vontade de conhecer mais a fundo esta mulher cheia de controvérsias, o autor se voluntariou para escrever a biografia por ser um grande fã da carreira de Hebe. A verdade é que tinha uma relação muito pessoal com a figura da apresentadora. “Quando eu era um menino, a minha avó materna sempre ficava ao meu lado para assistir TV comigo e ela era muito fã da Hebe. Sempre que aparecia, precisávamos parar tudo para ver o programa dela, religiosamente. Como ela fez televisão desde sempre, acompanhei toda a trajetória. Era uma figura que tinha consciência da necessidade do entretenimento, mesmo nas entrevistas. Se fizesse alguém sorrir, seu trabalho estava feito. Pensar nela, me traz memórias da minha infância”, lembrA o jornalista. Talvez pelo carinho que tem pela cantora, Xexéo afirma que ninguém, hoje em dia, consegue tomar o espaço que ela tinha. “Acredito que ninguém esteja procurando, porque alguém tão versátil quanto ela é difícil. É um tipo de tarefa que não precisam mais”, lamenta.
Essa versatilidade de ser uma cantora, apresentadora e radialista está muito bem representada no livro, de acordo com o sobrinho da famosa, Claudio Pessutti. Ele marcou presença na noite de autógrafos que aconteceu, no começo de maio, na Livraria da Travessa do Shopping Leblon. “Consigo ver a Hebe no livro, mas é importante que as pessoas percebam que aquilo é apenas uma parte da história. Para contar tudo, seria preciso fazer uma coletânea porque foram quase 70 anos de uma carreira muito bonita. Tem muita coisa que apenas um exemplar não daria conta de falar. Na pesquisa de uma biografia, um amigo indica outro e isso vira uma progressão matemática. E muita gente tem histórias com a Hebe, sejam elas românticas ou engraçadas. Filmes e exposições complementariam o que foi perdido no livro”, conta o sobrinho.
Foi pensando em continuar, perpetuar e cultivar a memória da artista que os familiares criaram a empresa ‘Hebe forever’. Claudio é um dos sócios e, atualmente, se dedica apenas a isto. Infelizmente, o estabelecimento ainda não se tornou um instituto, mas podemos esperar que a ideia saia do papel nos próximos dois ou três anos. “Essa ideia ainda precisa ser amadurecida para poder estruturar bem com o objetivo de ser algo de sucesso. Independente disso, planejamos fazer um filme, musical de teatro, exposição, documentário e minissérie. Os três primeiros já estão encaminhados e um deles deve sair ainda este ano. A exposição, que está sendo feita pelo Marcelo Dantas, vai começar por São Paulo e, dependendo do público, vamos expandir para as grandes capitais. Pretendemos levar esse material a todo o país, inclusive cidades pequenas. O musical será produzido por Luiz Oscar Niemeyer. Já o filme, não temos elenco escalado, mas sabemos que a produtora e redatora será a Carolina Kotscho”, informa. A escolha da produtora é interessante, tendo visto que Kotscho já trabalhou com outros filmes-biografia de sucesso como ‘2 filhos de Francisco’, que conta a história da dupla Zezé de Camargo e Luciano. Apesar da família já ter decidido a produção, ainda não há um roteiro definido, por isso, não sabemos qual época da vida da cantora será o ponto chave da gravação. Além de todo esse incentivo, a empresa também aparece nas redes sociais para divulgar o trabalho da artista.


A verdade é que existem muitas histórias sobre Hebe que precisam ser contadas. Como o próprio autor do livro disse, ela foi uma pessoa que viveu intensamente. Entre muitas passagens interessantes, Xexéo destacou a foto em que Hebe aparece na primeira passeata contra o governo de João Goulart, em 1964, as várias manifestações, inclusive, acabaram influenciando no golpe militar. “Tem foto dela com as mulheres pedindo a saída do ex-presidente. Quando perguntaram porque fez isso, ela disse que estava saindo do cabelereiro e viu umas mulheres muito felizes caminhando. Então, pensou que alguma coisa elas deveriam estar fazendo de útil e bom, por isso, acabou indo atrás. Não sei se isso é verdade, mas acho que nunca vamos saber”, disse o autor.
As polêmicas sobre sua vida não param por aí. Durante o programa do Roda Viva em 1987, Hebe revela que já havia feito um aborto quando era mais jovem. A informação chocou muitas pessoas, afinal, não é uma prática legalizada no país. “Não acho que ela tenha falado para causar alguma discussão sobre o assunto. Como era uma mulher espontânea, quando os apresentadores do programa perguntaram, ela respondeu. Se nunca tivessem questionado, acho que não saberíamos”, informa o autor. No show, Hebe afirmou que este tema deve ser algo tratado com muito cuidado por ser uma decisão pessoal. Já naquela época, defendeu a opção da mulher.
Hebe era uma pessoa que expunha muito a sua opinião, principalmente, sobre política. Durante sua passagem pelo SBT, se envolveu em diversas discussões com Silvio Santos por ter falado mais do que deveria na emissora. “Ela se envolvia demais com esses temas, era como se estivesse acontecendo na pele dela. Tanto que, às vezes, eu tentava preservá-la dos noticiários, para que não houvesse mais estresse. Principalmente, no final da vida quando já estava um pouco debilitada. Pelo o que eu conheci da minha tia, acredito que ela estaria indignada e muito triste com o que está acontecendo no Brasil. Não tenho palavras para descrever o que estamos passando. Seria fatal para ela ver até onde que a corrupção foi”, lamenta o sobrinho.
Hebe e Claudio eram muito próximos, de acordo com ele. Uma prova disso é que a herança da artista foi dividida entre ele e o único filho da cantora, Marcello de Camargo Capuano. “Sinto muita falta dela, porque o que ficou foi a saudade, porque aqueles momentos que nós passamos juntos foram vividos intensamente. Ela é muito mais que uma mãe para mim. Na verdade, a Hebe sempre foi tudo. Devo a ela quem sou, o que construí e aprendi. Se eu pudesse descreve-la em duas palavras diria que é a minha vida”, conta emocionado. Ser parente de alguém tão importante para o país poderia ser levado como um fardo, mas Claudio se sente honrado de fazer, de certa forma, parte da história da TV. “Ser sobrinho dela é algo realmente espetacular. Nunca tive identidade própria. Quando as pessoas me atendem no telefone, eu digo que é o Claudio, mas só me identificam quando relembro que sou o sobrinho da Hebe. Mas levo isso na brincadeira porque é uma dádiva carregar a sua memória. Chegando na livraria para a noite de autógrafos tive uma experiência incrível: uma moça estava chorando muito por nunca ter tirado uma foto com a minha tia e me pediu para, metaforicamente, representa-la em uma foto. Isso é uma benção para mim”, finaliza.

Fonte: Jornal do Brasil

Renata Sorrah volta a defender Lula: "A direita está raivosa"

Renata Sorrah voltou a defender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, réu na Operação Lava-Jato. 
Ela postou no Twitter que "a direita está raivosa" com a candidatura do ex-presidente. 
"Se só com uma possível candidatura eles estão assim, imagine com a vitória do Lula", escreveu a artista.
Como a coluna contou, Renata foi a Curitiba na última quarta-feira 10, dia do depoimento do ex-presidente ao juiz Sergio Moro, em um ato de apoio ao ex-presidente. 
Sorrah participou da campanha virtual #MoroPersegueLula e postou uma foto ao lado dos senadores Paulo Rocha (PT-PA) e José Pimentel (PT-CE), e escreveu: "A esperança vai vencer o medo, vai vencer a opressão e a perseguição também! #MoroPersegueLula".

Fonte: Jornal do Brasil

"Não sou suicída", garante Brad Pitt após divórcio de Angelina Jolie


Depois de se abrir em entrevista pela primeira vez depois da separação de Angelina Jolie em setembro de 2016, Brad Pitt agora é um livro aberto. Em recente conversa com a Associated Press, Pitt garantiu aos fãs que "não tem segredos e nada a esconder" sobre sua vida e seus problemas com bebida.
Brad ainda brincou sobre a preocupação dos fãs com sua saúde mental e garantiu: "Eu não sou suicída, nem nada. Existe ainda muita beleza no mundo e muito amor. E muito amor para dar", completou.
Na entrevista, o ator não teve medo de falar da vida íntima e declarou que tem tentado se acostumar "com a nova configuração da família". "Filhos são tudo", disse Brad sobre os seis que tem com a atriz e ex-mulher Angelina Jolie. "Filhos são a sua vida. E eles tem tomado todo o foco da minha, como deveriam de qualquer forma", continuou. O galã confirmou sua preocupação com as crianças no processo do divórcio, que tem sido amplamente midiatizado e também sobre como tem tentando ser melhor pai para os filhos. "Crianças são tão delicadas, elas absorvem tudo. Elas precisam ser ouvidas. Quando eu fico ocupado em "modo" trabalho, eu não ouço. Eu quero melhorar isso", revelou.
Brad declarou, em recenete entrevista à GQ, ter dormido no chão da casa de um amigo por um mês e meio depois da separação. Hoje, o astro vive na antiga casa que a família Jolie-Pitt dividia em Los Feliz, bairro das celebridades em Los Angeles. Angelina teria comprado recentemente uma casa a poucos quarteirões da atual residência de Brad, para facilitar as visitas dos filhos ao pai.

Fonte: Marie Claire

EUA acusam a Síria de usar 'crematório' para ocultar massacres

O governo dos Estados Unidos acusou nesta segunda-feira as autoridades sírias de instalar um forno crematório em uma prisão militar para destruir os restos mortais de milhares de prisioneiros executados e exortou a Rússia a pressionar seu aliado de Damasco a cessar os massacres.
Em apoio a esta denúncia, um alto funcionário do Departamento de Estado exibiu à imprensa fotos de satélite recentemente desclassificadas que mostram o complexo carcerário de Saydnaya, ao norte de Damasco.
Nestas fotos pode-se ver os tetos de diferentes edifícios do complexo com anotações como "prisão principal" e "provável crematório".
Stuart Jones, sub-secretário interino do Departamento de Estado para o Oriente Médio, afirmou que "a partir de 2013, o regime sírio modificou um edifício no complexo de Saydnaya para o que acreditamos ser um crematório".
"Apesar de muitas atrocidades cometidas pelo regime já terem sido documentadas, acreditamos que a construção de um crematório é um esforço para encobrir a extensão dos massacres em Saydnaya", ressaltou o funcionário.

Neve derretida
Em uma das fotos, um dos edifícios contém a menção "neve derretida em uma parte do teto", detalhe que, segundo o funcionário, indicaria a existência de "um crematório instalado pelo regime".
Jones indicou que a informação sobre o crematório chegou ao conhecimento de Washington por meio de agências humanitárias e pela "comunidade americana de inteligência".
Segundo ele, até 50 pessoas seriam enforcadas diariamente nesta prisão.
O funcionário não forneceu um número concreto de vítimas, mas mencionou um estudo da organização Anistia Internacional que estima entre 5.000 e 11.000 o número de mortos nesta prisão entre 2011 e 2015.
Neste mesmo período, o governo de Assad teria aprisionado entre 65.000 e 117.000 pessoas.
O informe da Anistia Internacional onde constam esses números, no entanto, não faz menção a um crematório nas instalações.
Em Beirute, o Observatório Sírio de Direitos Humanos informou à AFP que "não possuímos informação de que tenha um crematório. Sabemos que o número de pessoas executadas ali é elevado".
Esta acusação sobre a existência do eventual crematório ocorre poucos dias depois da visita do chanceler russo, Sergei Lavrov, a Washington, onde manteve encontros com o presidente Donald Trump e o secretário de Estado, Rex Tillerson.
"O secretário Tillerson foi firme e claro com o ministro Lavrov: a Rússia tem uma enorme influência sobre Assad", disse Heather Nauert, porta-voz do Departamento de Estado.
Jones, no entanto, foi mais direto e destacou que os massacres na Síria "ocorrem, aparentemente, com o apoio incondicional da Rússia e do Irã".

Capa de Veja 'pisoteia' sobre cadáver de Marisa Letícia


São Paulo – "É a revista Veja, não Lula, que pisoteia sobre o cadáver daquela que, durante oito anos, foi a primeira-dama de nosso país", afirma nota divulgada hoje (13) pelo departamento de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) sobre a reportagem de capa da revista Veja deste fim de semana.
Com fundo rosa, a capa traz foto em preto e branco de Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Luiz Inácio da Silva, morta em fevereiro deste ano, e o título "A morte dupla", referindo-se ao depoimento do ex-presidente à operação Lava Jato, na quarta-feira (10). A revista julga Lula negativamente por ter atribuído a Marisa decisões em relação ao apartamento tríplex do Guarujá, que não chegou a ser propriedade do casal.
"O que há de errado em atribuir à própria esposa e companheira uma decisão qualquer que afete a vida da família? Nada, absolutamente nada – a menos, é claro, que a revista parta da premissa de que as supostas ‘decisões’ atribuídas a dona Marisa tenham envolvido ações ilegais, e que Lula tenha se aproveitado do fato de que sua mulher está morta para jogar-lhe o peso da responsabilidade por tais supostas ações", afirma a nota da PUC-SP.
"A revista, portanto, já fez o seu julgamento. Já lavrou a sentença condenatória: Lula adquiriu o tríplex como propina, e para se livrar da cadeia manchou a reputação de dona Marisa. Não contente com se antecipar à Justiça, assumindo o lugar do júri e do carrasco, a revista ainda se arroga o direito de interpretar as motivações mais íntimas de Lula, e expor a sua figura à execração pública da forma mais vil, covarde, inaceitável e desumana", sustenta ainda a nota da universidade.
A PUC-SP conclui que "é a revista Veja, não Lula, que pisoteia sobre o cadáver daquela que, durante oito anos, foi a primeira-dama de nosso país. Ao atacar a memória de dona Marisa, a revista fere o sentimento de dignidade do povo brasileiro. A exposição de sua foto, na capa, cumpre a função de punir exemplarmente, a exemplo dos rituais da Sagrada Inquisição, uma mulher simples, do povo, que cometeu a ousadia de ocupar o Palácio do Planalto. A Casa Grande não perdoa".
"Quando todos achavam que nenhuma vileza superaria a capa da própria revista Veja de 26 de abril de 1989, dedicada ao cantor Cazuza – 'uma vítima da Aids agoniza em praça pública' -, a revista prova, mais uma vez, que não há limites para a patifaria, para a infâmia e a ignomínia", finaliza.
Rede varejista
A Marisa, rede varejista de roupas femininas, também aproveitou nesta sexta-feira (12) de forma abusiva o ensejo do Dia das Mães e do depoimento de Lula para explorar o que supostamente teria sido a intenção do ex-presidente de responsabilizar a mulher pelas decisões em relação ao tríplex. A empresa lançou nas redes sociais campanha que diz "se a sua mãe ficar sem presente, a culpa não é da Marisa".
Especialistas em marketing e propaganda sabem que a estratégia de apelar para assuntos políticos que dividem a população é um tanto quanto arriscada. Enquanto contenta quem apoia a mídia tradicional, que neste caso ataca a figura de Lula, a campanha causa repulsa em quem não concorda com o pré-julgamento promovido pela mídia. A empresa, no entanto, prefere se colocar em evidência, ainda que isso traga prejuízo à sua imagem.
Esta não é a primeira vez que a rede Marisa se mostra questionável em suas práticas. A empresa já foi autuada pela Superintendência do Trabalho e Emprego de São Paulo, em março de 2010, acusada de ligação com o trabalho escravo de sul-americanos. A autuação ocorreu pelo fato de terem sido encontrados imigrantes em trabalho análogo à escravidão em oficinas de costura que a empresa contratava.

Dilma critica jornalismo de 'Veja': 'desqualificado e grotesco'
A ex-presidente Dilma Rousseff também divulgou nota neste sábado, em repúdio à capa de Veja. Segundo Dilma, a revista "ataca covardemente" a memória de Marisa.

Confira a nota: 
Uma das mais queridas figuras da história recente de nosso País, Marisa Letícia Lula da Silva faleceu em fevereiro, vítima de um persistente e injusto ataque. Feriram a ela, ao seu companheiro de vida, seus filhos, enfim, a toda a família. Uma mulher que amava seu País e tinha profundo compromisso com o povo brasileiro. Agora, mesmo depois de sua morte, continua sendo alvo da mais cruel perseguição pela mídia.
Não foi suficiente a devassa sofrida em seu lar, vasculhado por policiais, na vida privada invadida, na pressão sobre filhos e netos. Não bastaram os grampos injustificados e as acusações sem provas que corroeram sua saúde.
A revista Veja, desta semana, julga ser necessário ferir sua memória, atingindo tudo o que ela mais amou. Essa campanha perversa e sórdida de destruição da imagem do ex-presidente Lula usa do que há de pior no jornalismo para levantar as mais perversas calúnias e falsidades.
O Brasil não merece esse jornalismo desqualificado e grotesco. Se não a respeitaram em vida que a respeitem depois de morta.

Fim de sinal analógico faz vendas de smart TVs aumentarem


São Paulo — O final do sinal analógico fez as vendas de TVs aumentarem no Brasil. Uma pesquisa divulgada pela Eletros (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos) indica que houve aumento de 37% nas vendas de TVs no primeiro bimestre deste ano, em relação ao mesmo período no ano passado.
Segundo dados da consultoria GfK, a Samsung, líder do segmento, atingiu a marca de 41,9% de parcela de mercado em março deste ano.
A empresa indica alguns fatores para o aumento de procura de TVs: o fim do sinal analógico em grandes cidades (como São Paulo); a liberação do dinheiro do FGTS; e o sucesso da Black Friday do ano passado, que esgotou os estoques do varejo e exigiu o reabastecimento do mercado–o que impulsionou o número de vendas da Samsung.
Em entrevista a EXAME.com, Gustavo Assunção, vice-presidente de Consumer Eletronics da Samsung Brasil, conta que os modelos smart e os com resolução 4K foram os que tiveram mais saída.
“Temos um portfólio super democrático. Há smart TVs de 32 polegadas HD e modelos 4K. Essa ultra resolução é certificada por entidades internacionais, porque as TVs não apresentam nenhum subpixel branco. Algumas fabricantes usam o padrão RGBW que não é certificado”, declarou Assunção, alfinetando modelos da rival LG.
O vice-presidente indica a plataforma Tizen das smart TVs e o acessório One Connect– que permite controlar aparelhos diferentes conectados com apenas um controle remoto– como principais diferenciais das televisões da Samsung.
Um dos modelos mais vendidos atualmente é a smart TV 32J4300 (na foto acima), que tem tela HD de 32 polegadas e custa cerca de 1.300 reais.
A fabricante diz acreditar que as vendas do segmento continuarão a crescer neste ano e indica que o aumento de oferta de conteúdos em 4K em plataformas como Netflix e GloboPlay pode ajudar a puxar essa tendência.

Fonte: Exame

Inteligência dos EUA veem Coreia do Norte por trás de ciberataque


Washington – Funcionários da inteligência dos Estados Unidos e especialistas vinculados ao setor privado suspeitam que hackers norte-coreanos estejam por trás do ciberataque mundial lançado na última sexta-feira e que afetou cerca de 300 mil computadores, de acordo informações publicadas pelo jornal “The New York Times”.
Segundo o jornal nova-iorquino, alguns dos códigos utilizados no ransomware “WannaCry” coincidem com os utilizados em ataques cibernéticos norte-coreanos realizados no passado, como o do ano de 2014 na Sony, embora não se trata de uma prova definitiva do envolvimento de Pyongyang, já que piratas de outros países poderiam estar copiando esse método.
A empresa californiana de segurança informática Symantec identificou em uma versão do WannaCry, o código de ataques ao banco central de Bangladesh, em 2016, a bancos da Polônia no início do ano e a Sony Pictures Entertainment, em represália, para o filme “A Entrevista”, uma sátira do líder norte-coreano, Kim Jong-un.
A Symantec detectou no passado a origem de ataques nos EUA, Coreia do Norte e Israel.
Funcionários da inteligência americana têm os mesmos indícios que a Symantec, e investigadores tanto do Google como da empresa russa Kaspersky confirmaram as semelhanças do código.
No entanto, todos afirmam que as pistas não são definitivas.
O ransomware “WannaCry” aproveita para se propagar em uma vulnerabilidade do sistema operacional da Microsoft detetada pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA, cujos detalhes roubaram em abril e levado ao ar pelos hackers.
Os responsáveis pelo ataque exigiram um pagamento na moeda digital Bitcoin para recuperar o acesso aos computadores e afetou a pelo menos 150 países, prejudicando hospitais no Reino Unido, grandes empresas na França e Espanha, a rede ferroviária em Alemanha, órgãos públicos ne Rússia e universidades na China.

Fonte: Exame

Monica Iozzi deleta redes sociais depois de comentário sobre Lula


Catraca Livre - "Não interessa o que Lula disse! Não interessa a interpretação de ninguém sobre o que ele disse. Esqueçam o Lula! Estamos falando sobre uma senhora que sofreu muito antes de morrer", repreendeu Mônica Iozzi no seu perfil do Facebook em relação à postagem de uma loja de redes na rede social. "Uma empresa utilizar a imagem de uma pessoa falecida para fazer marketing???? Onde vamos parar? Meu Deus!!! Não há mais respeito a nada no mundo??? Nem à memória de uma mãe, de uma avó? Que nojo. Que tristeza", continuou.

A atriz e apresentadora também fez postagem similar criticando à rede de lojas no Instagram e Twitter. Depois de vários ataques e críticas aos seus comentários, Monica Iozzi saiu das duas redes sociais. Segundo blog Na Telinha, a assessoria da atriz informou que ela decidiu "tirar férias" das redes sociais: "Monica Iozzi resolveu tirar férias das redes sociais até que os limites da tolerância voltem a respeitar a divergência de ideias".

O perfil da atriz no Facebook continua ativo, no entanto. Confira a postagem de Monica Mozzi no Facebook: