sábado, 16 de setembro de 2017

Luana Piovani promete levar o filho Dom ao Rock in Rio: ‘Já separou a blusa e vai vir de cabelo moicano’

Luana Piovani marcou presença em mais uma noite do Rock in Rio e promete ser figurinha repetida nos próximos dias do festival. “Estou curtindo muito a música e o evento. Amanhã (domingo) venho de novo e vou trazer o Dom”, afirmou a loira, que é mãe do menino de 5 anos e dos gêmeos Bem e Liz, de 2 anos.
“Dom está animado e ansioso para o seu primeiro Rock in Rio. Ele até já separou a blusa com desenho de caveira e vai vir de cabelo moicano”

Fonte: Gshow

Fãs choram com ausência de Lady Gaga no Rock in Rio

Rio - As perucas coloridas e o clima de festa foram transformados em choro. Os cerca de 200 fãs que aguardavam Lady Gaga em frente ao hotel Fasano, em Ipanema, foram pegos de surpresa pela notícia do cancelamento do show da cantora, principal atração da abertura do Rock in Rio, devido a uma crise de fibromialgia.
A organização do evento decidiu que a banda Maroon 5 substituirá a apresentação de Lady Gaga nesta sexta-feira, realizando assim dois shows, nos dias 15 e 16. O Rock in Rio ofereceu reembolso a quem desistir de ir, ressaltando que o dinheiro não será devolvido na bilheteria, mas em data a definir. A medida foi determinada também pelo Procon-RJ.


A notícia do cancelamento do show caiu como uma bomba para os fãs. Todos lamentaram, alguns hostilizaram e muitos disseram estar insatisfeitos com a nova atração. “Ela não tem culpa por ter cancelado o show, a doença é muito grave. Vamos pedir reembolso e usar esse dinheiro que economizamos por muito tempo para assisti-la em uma próxima oportunidade”, disseram os fãs Luana Elias, vestida de Lady Gaga na porta do hotel, e João Pedro, 19.
Muitos vieram de longe. Segundo a organização do Rock in Rio, 60% dos ingressos foram vendidos para compradores de fora da cidade e são esperados 810 mil passageiros nos 262 vôos extras que o Aeroporto Internacional do Rio receberá até o fim do evento.
A professora Augusta Cerqueira, por exemplo, saiu de Recife para realizar o sonho da filha Alice Melo, 18. “Tive que me dopar ontem para andar de avião pela primeira vez. Era o sonho da vida dela. Acho que não faz mais sentido irmos amanhã”, disse. “Não estou chateada com ela, porque todo o equipamento dela chegou. A equipe dela estava preparada para vir para cá. Então, se ela cancelou, foi algo extremamente sério”, compreendeu Alice.
O estudante Lucas Galeli veio da Argentina só para ver a apresentação. “Lamento tanto que nem consigo chorar. Gastei todas as economias da minha vida para estar nesse show. Achei um absurdo ela ter avisado de última hora”, reclamou ele. Maximus Vargas, de 24 anos, veio de Rondônia e não conseguia acreditar. “Levei três dias no ônibus para chegar aqui. Gastei R$ 2 mil e fiz reserva no hostel para uma semana no Rio. Ainda sonho que amanhã ela se apresentará”, disse.


Para amenizar a dor dos fãs na porta do hotel, Penelopy Jean, cover de Lady Gaga há cinco anos, foi ao local: “Temos que pensar no ser humano que ela é, na Stefani (nome da cantora). É uma pessoa como nós. Não é a última chance, quem sabe ano que vem ela faz uma turnê só no Brasil?”, sonhou, antes de posar para fotos com outros fãs.

Em rede social, declaração de amor à cidade
Lady Gaga já havia anunciado, na quarta-feira, que sofre de fibromialgia, doença que causa dores musculares crônicas. Devido ao problema de saúde, ela pretendia dar uma pausa na carreira musical após o Rock in Rio, mas a interrupção teve que ser adiantada.
No Instagram, a cantora revelou estar sofrendo de “dores severas” e pediu desculpas aos fãs. Gaga assegurou que está em boas mãos, sendo cuidada pelos melhores médicos. Na publicação, ela aproveitou para lembrar que, em 2012, tatuou a palavra “Rio” na nuca, com design estilizado por crianças de favelas cariocas.
“Vocês têm um lugar especial no meu coração, eu amo vocês”, se declarou a cantora.

Fonte: O Dia

Vem aí em 'A Força do Querer'... Rubinho grita com Dedé e faz o filho chorar


Nos próximos capítulos de A Força do Querer, Rubinho (Emílio Dantas) vai mostrar que realmente está mudando. A vítima, desta vez, será o próprio filho, Dedé (João Bravo).
Segundo o jornal Extra, Rubinho gritará com Dedé após o menino desobedecer uma ordem. Na ocasião, eles e Bibi (Juliana Paes) estarão foragidos e com nomes diferentes e, por isso, o traficante proibirá todo acesso à internet e ao telefone.
Contrariando a vontade do pai, Dedé ligará para a avó Aurora (Elizângela), e Rubinho descobrirá. “Falei pra ficar longe desse telefone, não falei? Eu disse pra ninguém, não disse?”, gritará. Bibi, por sua vez, defenderá o filho. “Bibi… passei a visão, não passei? Se eu falei: não se liga pra ninguém é pra não ligar pra ninguém! Telefone da dona Aurora tá na escuta, não dá pra realizar isso não?”, dirá.
“Ele é criança, Rubinho! Não tem que entender tudo não: é criança!”, responderá a Perigosa. “Fala assim que ele faz de novo! Fala!”. Bibi, no entanto, não gosta do tom do marido, que sai irritado.
Após a briga do pai, Dedé cairá no choro. “Meu pai falou que pode ser preso por causa de mim!”, dirá ele. “Falou besteira! Se ele for preso de novo, que Deus o livre não vai, é por causa das coisas que ele fez, não é por sua causa não!”, consolorá a mãe.

Fonte: Observatório da Televisão

#DanceMania - CD duplo "In The Mix 97", da Virgin Records


No começo de 1997, a gravadora Virgin Records lançou o quarto lançamento da série In The Mix, depois do sucesso dos três primeiros lançados no ano anterior. No repertório do In The Mix 97, tem o DJ Robert Miles e Maria Nayler, com o single One & One, para abrir o CD 1; e ainda os hit Moving On Up, do grupo M People, e Insomnia, de Faithless. No mesmo CD, há as músicas Breathe, de The Prodigy, Jump To The Beat, de Wildchild, U Girls, de Nush, e Tall 'n' Handsome, de Outrage. No CD 2, tem os hits U Got The Luv, de The Source e Candi Station, Take California, de Propellerheads, Dreamer, de Livin' Joy, Offshore, de Chicane, e On A Ragga Tip, de SL2.
Os CDs podem ser encontrados pelo site Mixcloud! Escutem lá!

Rock in Rio tem gari roqueiro que sonha ver show do Guns n'Roses


No Rock in Rio, gari também é fã de rock. Rodrigo Cavalcante, de 38 anos, adora música e está trabalhando pela primeira vez no evento. Com um corte de cabelo moicano e pintado de vermelho reluzente, além de acessórios como anel de caveira e diversas pulseiras, ele chama a atenção de todos que circulam pela Cidade do Rock, na Zona Oeste do Rio. Realizando um sonho de estar no festival, ele sonha em poder assistir ao show de sua banda favorita, os Guns n'Roses.
"Se der para chegar perto, sentir só o cheirinho já está bom. É a realização de um sonho, ainda mais com o Guns", explicou Rodrigo, cuja música favorita é Welcome To The Jungle.


Mas este não é o primeiro grande evento em que o gari roqueiro trabalha. Ele já é figura fácil também no carnaval, fazendo a limpeza da Marques de Sapucaí.
Com um visual alternativo, ele conta que sempre se sentiu acolhido. A esposa também é gari da Comlurb e os três filhos "compartilham da mesma loucura".
"Meus trajes são diferentes. Eu não sou de moda, sou de montar a minha roupa e sair. Eu vou para casamento, para qualquer evento do meu jeito", explicou.
O cabelo moicano faz a cabeça do gari roqueiro desde 2015 e já foi laranja (para combinar com o uniforme da empresa), verde, azul e preto. Ele conta que, como recebeu apoio dos colegas, não teve problema em manter o estilo que, como ele define é "punk rock".
Rodrigo e seus colegas da Comlurb colocam em prática, pela primeira vez, um modelo de recolhimento de lixo que tenta ser 100% sustentável. No primeiro dia de festival, a empresa recolheu 66 toneladas de resíduos. Destes, 11,68 toneladas foram encaminhadas às cooperativas de catadores para reciclagem. Outras 54,4 toneladas de resíduos foram levadas para a Estação de Transferência do Caju, onde o material orgânico será transformado em composto e o resto vai virar energia.

Fonte: G1

Marcos Harter tenta consolar Ana Paula Minerato e se dá mal


Ana Paula Minerato chorou em "A Fazenda" na primeira festa do reality show, que aconteceu na última sexta-feira, 15.
E Marcos Harter tentou ajudar, mas a reação dela foi surpreendente.
Ela se sentia excluída e começou a chorar, de acordo com o UOL. Vendo a cena, Harter foi consolá-la e resolveu sentar ao lado dela.
Mas ela não gostou nada e se levantou da cama assim que ele sentou lá.
Marcelo ainda tentou tirar um sarro, diz o site, ao falar que aquele casal "já era". "Nunca", respondeu ela.
"As pessoas humilham as outras, é horrível", completou ela.

Fonte: Catraca Livre

Apresentador da Record chora ao vivo ao noticiar morte de Marcelo Rezende


Como já informado, morreu neste sábado, 16 de setembro, o jornalista e apresentador Marcelo Rezende. Ele foi vítima de um câncer no pâncreas e no fígado.
Reinaldo Gottino, que comandava a edição especial do “Cidade Alerta”, foi quem anunciou a morte de Rezende aos telespectadores da Record. Visivelmente abadalo, o jornalista não segurou a emoção. “É um momento muito difícil para todos nós da Record”, disse ele, já com lágrimas nos olhos.
“Ele dizia ‘não temos amigos, nem inimigos, trabalhamos para o interesse público, o interesse da comunidade’. Marcelo deixa cinco filhos, uma neta e uma legião de fãs”, completou, emocionado.

Fonte: TV Foco

Marcelo Rezende morre aos 65 anos em São Paulo


O jornalista Marcelo Rezende morreu neste sábado (16), aos 65 anos, na zona sul de São Paulo. Um dos maiores nomes do jornalismo brasileiro, o apresentador da Record TV lutava contra um câncer no pâncreas e no fígado desde o final de abril. A informação foi confirmada pelo Hospital Moriah, onde estava internado desde terça-feira (12).

Ainda não foram divulgadas informações sobre velório e enterro.

Com a coragem que o acompanhou ao longo da vida, o jornalista anunciou em rede nacional que estava com a doença. Durante uma entrevista ao Domingo Espetacular no início de maio, horas antes de ser internado pela primeira vez, Rezende disse que encararia a doença de frente.
O câncer agressivo o obrigou a deixar repentinamente o comando do Cidade Alerta, jornalístico que apresentava desde 2012. Foi nessa última etapa da carreira que Marcelo Rezende se reinventou como apresentador.
Entre denúncias e notícias sobre violência urbana, Marcelo Rezende encontrou espaço para o bom humor. Transformou os repórteres em personagens, deu apelidos à equipe técnica, colocou o comentarista Percival de Souza sentado num trono. Criou bordões que ganharam as ruas e já entraram para a história da TV brasileira. Um deles, o “corta pra mim”, virou título de sua autobiografia (Editora Planeta, 2013).

Marcelo Rezende nasceu no Rio de Janeiro, em 12 de novembro de 1951, fruto de um casal de baixa renda. Filho de um bancário e uma funcionária da aeronáutica, decidiu, aos 16 anos, se mudar para a Bahia e viver em uma comunidade hippie.
Um ano mais tarde, ingressou no jornalismo por acaso, durante uma visita à redação do Jornal dos Sports, no Rio de Janeiro. Rezende tinha apenas 17 anos e foi convidado para trabalhar como repórter na cobertura de futebol. Foram o talento e as amizades que conquistou lá que o levaram para a Rádio Globo e, na sequência, O Globo. No jornal carioca, onde trabalhou por sete anos, teve a chance de ficar próximo do ídolo, Nelson Rodrigues.
Antes de chegar à televisão, o jornalista ainda passou pela revista Placar. Só então, em 1987, foi contratado como repórter esportivo pela TV Globo. Com pouco tempo na emissora carioca, migrou para o jornalismo investigativo – área que marcou a sua carreira profissional. Participou de coberturas importantes e saiu na frente em várias delas. Um exemplo é a investigação sobre a fuga de PC Farias, tesoureiro da campanha de Fernando Collor, em 1993. Mas a matéria de maior repercussão na carreira do apresentador foi um caso de violência policial na Favela Naval, em Diadema, na grande São Paulo. A denúncia feita por Rezende em 31 de março de 1997 no Jornal Nacionalcausou indignação no País, rodou o mundo e colocou os direitos humanos na pauta da sociedade. Pelo trabalho, Rezende recebeu os prêmios APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e o Líbero Badaró.
No ano seguinte, o jornalista voltou a ser premiado no Líbero Badaró por uma denúncia de vendas de armas, também exibida no Jornal Nacional. Ele já havia conquistado, em 1994, o diploma de honra ao mérito do Festival de Filme e Televisão de Nova York pela reportagem Trabalho do Menor, exibida no Globo Repórter.
A estreia como apresentador foi no Linha Direta, em 27 de março de 1999. O jornalista participou ativamente do projeto que colocou o programa policial que reconstituía crimes praticados por foragidos da justiça de volta à grade da Globo – a primeira versão, feita em 1990, durou só quatro meses no ar. De acordo com a emissora carioca, Rezende dizia que “a proposta do Linha Diretaera, desde o princípio, condenar a impunidade e retratar os casos policiais com o máximo de verossimilhança”. Isso era possível pois, além de contar histórias, a atração incentivava os telespectadores a denunciar o paradeiro dos criminosos ou fornecer pistas que ajudassem na solução dos casos. O jornalista trabalhou sete meses montando uma equipe de 50 profissionais para colocar o programa no ar.
Rezende deixou a Globo e, em 2002, foi para a Rede TV!, onde assumiu a apresentação do telejornal policial Repórter Cidadão.
Em 2004, foi contratado pela Record TV, como apresentador da primeira versão do Cidade Alerta. Ficou até 2006, quando foi contratado novamente pela Rede TV! para ancorar o RedeTV!News, principal jornalístico da casa. Deixou a emissora em 2008. Dois anos depois, estreava na Band no comando do Tribunal na TV – atração nos mesmos moldes do Linha Direta.
Ainda em 2010, Rezende voltou para a Record TV, como repórter especial do Domingo Espetacular. No ano seguinte, virou apresentador do Repórter Record. Mas, em 2012, Marcelo Rezende reassumiu o comando do Cidade Alerta e, com uma dose de irreverência, mudou o jeito de fazer programa policial na televisão brasileira. A inovação deu certo e fez história. Em setembro de 2015, o vespertino venceu por pelo menos três vezes o Jornal Nacional, fato até então inédito na televisão. Quando não ficava na frente, por várias vezes o Cidade Alerta empatava no período de confronto direto entre os dois noticiários. Um marco histórico, já que, desde a estreia, em 1969, o Jornal Nacional sempre teve a liderança isolada de audiência.
O sucesso foi interrompido pela descoberta do câncer agressivo, em exame realizado em 28 de abril. Mesmo após o diagnóstico, Marcelo Rezende apresentou três edições do programa e fez questão de não abandonar a legião de fãs. Durante o período em que esteve fora do ar, usou as redes sociais para se manter em contato com o público. Em todas as mensagens, passou demonstrações de confiança e fé.
Marcelo Rezende deixa cinco filhos e uma neta.

Fonte: R7

Produtor de 'Narcos', da Netflix, é assassinado a tiros no México


O produtor Carlos Muñoz Portal, que trabalhava como produtor da Netflix, morreu aos 37 anos na última segunda-feira, 11.
Ele procurava locações para a próxima temporada da série Narcos em uma região violenta do México, segundo o site El País.
Muñoz saiu para tirar fotografias do local, mas horas depois o seu corpo foi encontrado com diversas marcas de tiros, diz a reportagem.
Um amigo próximo disse ao mesmo site que moradores podem ter se assustado com a presença de alguém de fora com uma câmera.
O profissional era veterano da indústria cinematográfica e outras produções e trabalhou em grandes projetos, como 007 Spectre, Velozes e Furiosos e Chamas da Vingança.
"Estamos cientes da morte de Carlos Muñoz Portal, um respeitado gerente de locação, e oferecemos nossas condolências aos seus familiares. Os fatos ainda são desconhecidos, já que as autoridades continuam investigando o que aconteceu", afirmou a Netflix em mensagem enviada para a mesma reportagem.

Fonte: Catraca Livre

#ÉMuitaCoragem - Popó promete a filho gay que subirá ao ringue com música de Pabllo Vittar


O pugilista Popó anunciou que subirá ao ringue, em sua próxima luta, ao som de Pabllo Vittar. Ele fez a promessa para um de seus filhos, Juan, que é homossexual assumido;
"Em homenagem a todos os trans, todos os gays, todos os heteros, todos juntos, eu vou subir no ringue com a música K.O.", explicou o lutador. O hit K.O., da drag queen, já possui mais de 160 milhões de visualizações no YouTube.
Após fazer a promessa, passou um recado para a cantora: "Como ela chama? Pabllo Vittar, vou subir no ringue com sua trilha sonora". Popó ainda arriscou uma estrofe da música após ser provocado pelo repórter: "Seu amor me pegou... Nocauteou!".

Fonte: Folha Vitória

Baleiro canta balada do Jota Quest no segundo CD com trilha de 'Pega pega'


Com lançamento previsto para outubro, em edição da gravadora Som Livre, o segundo CD com músicas da trilha sonora da novela Pega pega – atual atração da TV Globo no horário das 19h – tem seleção poliglota. Há gravações em português, inglês, espanhol e até em francês. O time brasileiro está (bem) representado por cantores e grupos como Gabriel O Pensador, Maria Rita, Pato Fu e Zeca Baleiro.
O maior destaque dessa seleção, até pelo ineditismo do fonograma, é a gravação de Só hoje (Rogério Flausino e Fernanda Mello) – balada lançada há 15 anos pela banda Jota Quest no álbum Discotecagem pop variada (2002) – na voz do cantor maranhense Zeca Baleiro.
O rapper carioca Gabriel O Pensador figura no disco com gravação de composição de autoria própria, Fé na luta, lançada em 2016 com sample de Dias de luta, dias de glória (Chorão e Thiago Castanho, 2005), música lançada pelo grupo Charlie Brown Jr. há 12 anos. A cantora paulistana Maria Rita cai no samba Cutuca (Davi Moraes, Fred Camacho e Marcelinho Moreira) em gravação lançada recentemente em single.
Já o Pato Fu tem reavivada gravação de Sonífera ilha (Branco Mello, Marcelo Fromer, Tony Bellotto, Carlos Barmack e Ciro Pessoa, 1984), música do repertório do grupo Titãs abordada pelo grupo mineiro no primeiro projeto infantil, Música de brinquedo (2010), lançado há sete anos.
O repertório do CD Pega pega 2 também inclui dueto póstumo e virtual de Gonzaguinha (1945 – 1991) com Luiza Possi em Recado, música do próprio Gonzaguinha que batizou álbum lançado pelo artista carioca em 1978.
(Crédito da imagem: capa do disco Pega pega 2, de Zeca Baleiro)

#DanceMania - "Trance Nation 2001", mixado pelo DJ Ferry Corsten, ou System F


Em abril de 2001, o DJ System F, conhecido mundialmente pelos hits 'Out Of The Blue' e 'Cry', lançou o quinto volume da série Trance Nation, um álbum duplo com 36 sucessos do gênero, entre eles, 'Das Glockenspiel', de Schiller, a música que abre o álbum; 'Strange World' (2000 Remake), de Push; 'Fire Wire', de Cosmic Gate; 'How U Like Bass', de Norman Bass; 'Synaesthesia', de The Thrilseekers, e 'Touch Me', de Rui da Silva.

Na Coreia do Sul, você pode clonar o seu cachorro falecido por US$ 100 mil

A clonagem animal não é um assunto exatamente novo, já que nos anos 1990 acompanhamos a criação e nascimento da ovelha Dolly, que foi o primeiro mamífero a ser clonado com sucesso a partir de uma célula adulta. Agora, uma empresa sul-coreana está se dando bem por oferecer, por um bom dinheiro, a possibilidade de trazer o seu cãozinho falecido de volta – ou melhor, fazer nascer um clone exato daquele que morreu.
A empresa em questão se chama Sooam Biotech Research Foundation, e, atualmente, é o único laboratório no mundo que faz esse tipo de serviço. Mas o custo é alto: US$ 100 mil. A companhia se especializou em clonagem de porcos e gado para pesquisas científicas, até que decidiu começar a clonar cães domésticos com intuito comercial. Segundo a empresa, esse serviço é o mais requisitado pelos clientes, sendo que já foram clonados quase 800 cachorros desde 2006.


O processo leva aproximadamente dois meses, e começa com o resfriamento do corpo do animal falecido. Isso deve ser feito pelo tutor do animal, enrolando-o em toalhas molhadas e colocando-o em uma geladeira. Depois, a pessoa precisa levar o animal para a empresa, onde uma célula madura do cão é misturada com um óvulo sem material genético, sendo implantado o embrião em uma cadela que servirá como mãe de aluguel. A gestação canina dura dois meses e, depois do desmame, o cliente pode levar o seu filhote para casa.
Mas os planos da Sooam não param na clonagem de animais domésticos: a empresa pretende clonar um mamute a partir de restos congelados descobertos na Sibéria. Vale lembrar que os mamutes foram extintos há 5.600 anos.

Fonte: Inquisitr,Vice