domingo, 8 de outubro de 2017

Reprise de Tieta faz Viva disparar no Ibope e ficar atrás apenas de eternos campeões da TV paga


Reprisada desde o último mês de julho pelo canal Viva, que reprisa antigas atrações da Globo na TV paga, a novela Tieta fez o Viva ter um grande boom de audiência.
Segundo dados divulgados pelo Kantar Ibope, na TV por assinatura, apenas entre os canais pagos, o Viva perde apenas para os eternos campeões da TV paga: Cartoon Network e Discovery Kids.
Ambos tem 1,0 pontos de audiência e estão empatados no primeiro lugar do ranking na semana entre 25 e 29 de setembro na Grande São Paulo. O Viva fica em terceiro, logo atrás, com apenas um décimo a menos: 0,9 ponto.
Nos horários em que é exibida, às 15h30 e às 0h30, Tieta é líder geral na TV por assinatura, contanto todos os públicos, o que ajuda a entende o Viva estar em terceiro lugar geral da TV paga.
No ranking dos canais mais assistidos da TV por assinatura, também estão AXN, SporTV, Globo News, Nickelodeon, Megapix, Fox, Discovery Home & Health e o Gloob.
A reprise de Tieta vai continuar no ar até dezembro deste ano – mais exatamente no dia 16 daquele mês. Em seu lugar, ficará Bebê a Bordo, de 1988, escrita por Carlos Lombardi.
Os números são consolidados e refletem a preferência de um seleto grupo de telespectadores na Grande São Paulo.

Fonte: Observatório da Televisão

Mais uma vítima de ataque à creche em Janaúba (MG) tem alta

Paramédicos transportam vítima de incêndio em creche de Janaúba, interior de Minas Gerais
RIO - Mais uma criança ferida do ataque à creche Gente Inocente, em Janaúba, no interior de Minas Gerais, teve alta. A menina Ludmila Cristine Ferreira Silva, de 6 anos, estava internada no Hospital Universitário Clemente de Faria, em Montes Claros (MG), e deixou a unidade na manhã deste domingo. Outras 25 pessoas continuam internadas.
Segundo a direção do Hospital Universitário Clemente de Faria, apenas uma criança de três anos segue internada na unidade. Outras dez vítimas permanecem na Santa Casa de Montes Claros, segundo informações do G1. Há também pessoas hospitalizadas em hospitais de Belo Horizonte. Sete crianças e dois adultos estão no Hospital João XXIII, duas das vítiimas em estado grave. Já o Hospital Odilon Behrens têm três crianças em seu Centro de Terapia Intensiva (CTI). Elas respiram sem ajuda de aparelhos e têm quadro estável. Segundo o G1, elas devem ter alta ainda neste domingo.
As vítimas estavam na creche na última quinta-feira, quando o vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, que trabalhava no local, realizou o ataque. Ele incendiou o próprio corpo e 50 crianças. Até o momento, oito alunos morreram. A nona vítima da tragédia é a professora Helley de Abreu Batista, de 43 anos. Ela enfrentou o vigia e conseguiu salvar parte dos alunos.

Fonte: Globo

Gaby Amarantos vai estrear no cinema no papel de uma serial killer


MACEIÓ — Cinco anos após lançar seu primeiro disco, encarar milhares de pessoas em shows pelo Brasil seria tarefa simples demais para Gaby Amarantos. A cantora paraense resolveu, então, buscar algo diferente: há uma semana, numa noite chuvosa, ela estava num casebre de um bairro pobre de Maceió, travando um diálogo tenso, com palavras quase inaudíveis, sobre seu desejo de fugir da cidade. A conversa foi interrompida por um grito de “corta!”, a deixa para a saída de cena de Kellyane, personagem que marca sua estreia como protagonista no cinema. Gaby, que em março irá substituir Taís Araújo no programa “Saia justa”, do GNT, como revelou a coluna de Patrícia Kogut no GLOBO, será a estrela de “Serial Kelly”. No filme, ela vive uma cantora de forró que se revela uma assassina justiceira durante uma turnê por Alagoas. A direção é do alagoano Renê Guerra, dos curtas “Os sapatos de Aristeu” (2008) e “Quem tem medo de Cris Negrão” (2012), e a produção é de Vânia Catani, de “O filme da minha vida”, dirigido por Selton Mello. Ainda em filmagem, “Serial Kelly” é descrito pelo diretor como uma “comédia subversiva”.
A subversão começa com a ideia de colocar Gaby na pele da protagonista, uma sugestão de Vânia. O diretor então se deu conta de que havia criado uma personagem muito semelhante à cantora paraense.
— Era arriscado, mas, considerando que Renê é também preparador de elenco, eu sabia que ele tinha experiência pra lidar com isso. E a Gaby tem uma persona própria. Quem já foi a seus shows viu que ela atua naquele universo — diz a produtora.
A cantora de tecnobrega está colocando a aposta à prova em 50 dias de filmagens. No set montado no bairro de Fernão Velho, o GLOBO acompanhou a gravação de uma cena intimista, entre Gaby e Ane Oliva. Para capturar os murmúrios, a equipe de mais de 70 pessoas, entre atores, figurantes, técnicos, motoristas e produtores, além de policiais e agentes de trânsito, silenciava a ponto de se ouvir as respirações.
Isso sem falar na plateia informal, os moradores da região, que se juntaram nas portas das casas, à beira de uma linha férrea desativada, para presenciar um fato histórico: segundo a equipe, a capital alagoana não recebia filmagens deste porte há décadas. Tão disciplinados quanto os profissionais, os espectadores mantiveram silêncio, mesmo com a final da Copa do Brasil entre Cruzeiro e Flamengo acontecendo — o empate sem gols ajudou.
A maior fonte de ruído foi a chuva insistente. Mas, também cooperando, as precipitações mais fortes ocorreram somente durante o jantar e as pausas para trocas de cenário. As gravações, que naquele dia começaram por volta das 18h, ocorreram quase sem interrupções até o sol nascer, quando não seria mais possível registrar as cenas noturnas. Mesmo quem passou pela região logo cedo pela manhã de quinta-feira não viu qualquer rastro da dezena de caminhões, tendas e geradores que pernoitaram ali.
Para Gaby, a aventura é também a realização de um sonho de infância. Ela lembra de suas experiências com teatro na adolescência e diz que não imaginava que ainda teria a chance de ser atriz, depois que a música “a sequestrou”.
— Quando vi a Janelle Monáe em “Estrelas além do tempo”, pensei: “Meu Deus, tomara que essa moda venha para o Brasil”. Só agora estamos começando a entender que as pessoas podem fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo — conta a cantora, que já teve pontas em filmes e atuou em programas de TV representando ela mesma . — Minimizar e acessar esses lugares de emoção é muito difícil. O mais complicado é não confundir. Estou sentindo tudo o que a Kelly sente. As paixões, as dores, a compulsão por comer, o desejo sexual.
Gaby engordou dez quilos para o papel.
— Ninguém me pediu. Eu fiz porque entendi que essa mulher tem um corpo político — ela argumenta.
E gastou cinco semanas se preparando para filmar. Sua visão sobre a personagem, com seus conflitos internos e motivações, coincide com a de Renê. Trata-se de uma mulher vingadora, “amoral e libertária”, como diz o diretor, no território de matadores, “porque Alagoas, historicamente, tem essa fama”. Mas a personagem principal é colocada, ao mesmo tempo, em posições de vulnerabilidade e empoderamento.
— Em terra de matador, mulher que mata é serial killer. Kelly encontra vários personagens em sua trajetória, como um grupo de travestis que são fadas-madrinhas. É muito importante falar que, em 2012, Alagoas foi uma das capitais que mais mataram transexuais no Brasil, e essa é uma camada que o filme traz também, de uma violência que vem de uma ancestralidade — diz Renê, que geralmente aborda a temática LGBT em suas obras.
Gaby se envolveu tanto com o projeto que gravou músicas inéditas exclusivamente para a trilha sonora do filme.
— O papel da Kelly me faz ter mais coragem, inclusive, pra ser a própria Gaby. Depois do sucesso, comecei a pensar que talvez estivesse muito colorida, muito exagerada. Talvez tivesse que encaixar meu corpo nos padrões, mas foi a Kelly que me salvou — desabafa a cantora.

* Giovanni Sanfilippo viajou a convite da produção do filme

Fonte: Globo

‘Supernatural’ pode ser removida do catálogo da Netflix


A Netflix Brasil está prestes a perder mais uma série de sucesso de seu catálogo.
Segundo o LançamentosNetflix, o serviço de screaming ainda não conseguiu renovar o contrato com a Warner Bros. e ‘Supernatural‘ pode sair do catálogo no primeiro semestre de 2018.
A Netflix disponibiliza 11 temporadas da série, e a 12ª temporada tinha previsão de estrear ainda esse ano. Porém, sem a renovação do contrato ela pode nunca estrear na Netflix.
Recentemente, o grupo Fox e a Netflix encerraram o contrato de parceria e foram removidas do catálogo as séries ‘The O.C.’, ‘Prison Break’, ‘American Horror Story’, ’14 Horas’, ‘How I Met Your Mother’, ‘Glee’, ‘Bones’ e ‘Son of Anarchy’.

Fonte: Cine Pop

Cleo Pires revela ter uma queda não correspondida por Selton Mello

Cleo Pires não tem mesmo papas na língua! A atriz deu uma entrevista a Tatá Werneck no programa Lady Night e confessou que possui um interesse não correspondido por Selton Mello, com quem trabalhou em Meu Nome Não É Johnny, filme de 2008.
- Fiquei muito nervosa. Eu tinha tipo um crush real. Eu sempre fui meio a fim do Selton, mas ele nunca deu… ele deu zero bola para mim. Zero.

E parece que essa quedinha não aconteceu somente com Cleo, já que Tatá, que atualmente namora o ator Rafael Vitti, também assumiu que gostaria de ter ficado com o astro:
- Eu já pequei, sabia? Mas ele nunca respondeu minhas mensagens. Mas é verdade. Gente, não tem nada a ver, mas ele é um cara muito inteligente.

E não parou por aí, não! Cleo continuou falando sobre Selton no programa e era só elogios ao crush.
- Ele é inteligente, e sexy… gato!

Dá para acreditar que Selton não quis nada com Cleo?

Fonte: Folha Vitória

#ACoisaTáPreta - Justiça pede penhora de bens do apresentador Ratinho


O apresentador do SBT, Carlos Massa, o Ratinho está passando por uma blitz promovida pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, órgão do Ministério da Fazenda, que busca seus bens para quitar a dívida tributária de R$ 74 milhões referente ao Imposto de Renda.
Segundo informações da revista Época, sua fazenda no Acre, avaliada em R$ 225 milhões, é um dos bens penhorados para garantir o pagamento da dívida. Foi solicitado à Agência Nacional de Aviação Civil que informasse sobre as aeronaves em nome de Ratinho.
A defesa do apresentador e empresário está contestando a cobrança na Justiça, pois discorda da metodologia aplicada para calcular o imposto.

Fonte: Observatório de Televisão

Situação de garoto encontrado em cela no Piauí é crítica no que diz respeito à educação escolar


O garoto de 13 anos que havia sido encontrado dentro de uma cela após o fim das visitas aos presos embaixo da cama de um estuprador em Teresina, no Piauí, está em uma série muito inferior à qual deveria estar diante da idade que tem. O menino estuda, mas está matriculado no 1º ano do Ensino Fundamental, e o ideal seria que ele estivesse no 8º, e pra piorar, não sabe ler nem escrever.
A prisão do pai do menino por abandono de incapaz já foi decretada, e também, assim como a mãe do garoto, os dois também nunca estudaram.
O menino tem mais três irmãos, de 8, 9 e 12 anos. Todos foram encaminhados para um abrigo.

Carta aberta à Dona Regina, do Encontro

Não sei como chegou até a senhora a notícia da performance no Museu de Arte de Moderna de São Paulo, na qual uma menina de 5 anos foi estimulada pela mãe a interagir fisicamente com um homem adulto nu – para deleite de uma plateia de adultos vestidos. Também não faço ideia de como a senhora foi parar na plateia de um programa televisivo cuja intenção não parecia ser expor diferentes pontos de vista sobre o episódio, mas sim reforçar um pensamento único e um julgamento sumário – o de desqualificar qualquer crítica à performance como “censura”.
O que eu sei é que a senhora entendeu algo que passou despercebido ao discurso hegemônico dos intelectuais e artistas que se manifestaram sobre o caso: o problema da performance não estava na nudez; o problema da performance não estava nas fronteiras da definição do que é arte; o problema da performance não estava no uso de recursos públicos. Com uma só palavra a senhora desmontou a fala daqueles que, de maneira sincera ou falsa, insistiam nesses pontos: a palavra foi “criança”.
Talvez a senhora não se dê conta da importância da sua manifestação. Com seu jeito simples, o que a senhora fez foi revelar o abismo crescente que se cava entre os brasileiros comuns e a classe que pretende falar em seu nome. Esses brasileiros não se chocam com a nudez nem estão interessados na arte das elites pensantes e falantes, até porque têm mais o que fazer. Mas, para esses brasileiros, a infância é uma fronteira que não pode ser ultrapassada. O que a senhora fez foi vocalizar o desconforto do Brasil real diante desse limite que foi desrespeitado.
A reação dos apresentadores foi reveladora desse abismo. Diante de uma idosa que poderia ser a mãe ou avó querida de qualquer espectador, as expressões e olhares foram de: perplexidade, ódio, desprezo, deboche. E a senhora respondeu com um olhar de bondade, sereno e doce. Ao “Não vou nem comentar” emitido com ar de desdém e superioridade moral, a senhora respondeu com a paciência de quem não se incomoda em explicar o óbvio: o choque não vinha da nudez do adulto, vinha da exposição da criança. E o fato de a menina estar acompanhada da mãe não era um atenuante da situação: era um agravante.
Diferentemente dos intelectuais do Facebook, a senhora sabe que o que aconteceu no MAM não tem nada a ver com o Davi de Michelangelo; que o que aconteceu no MAM não tem nada a ver com o que acontece em praias de nudismo, onde aliás as regras são bastante rígidas; que o que aconteceu no MAM não tem nada a ver com os hábitos e costumes da Dinamarca; que o que aconteceu no MAM não tem nada a ver com uma criança tomar banho nua com os pais – adultos cujo vínculo afetivo e convivência cotidiana fazem do contato físico e da intimidade uma experiência positiva e saudável para o seu desenvolvimento emocional e psicológico – como aliás afirma uma nota na Associação Médica Brasileira que critica duramente a performance, por suas “repercussões imprevisíveis” diante da vulnerabilidade emocional da criança.
Não se se esses intelectuais das redes sociais não entendem ou se fingem que não entendem nada disso. O mais irônico, Dona Regina, é que eles parecem não se dar conta da campanha involuntária que estão fazendo, ao jogarem no colo da direita a bandeira da defesa da infância – como já jogaram, aliás, a bandeira do combate à corrupção. Com progressistas agindo dessa maneira, os conservadores agradecem.
Parabéns, Dona Regina. Para quem assistiu foi muito legal.

Fonte: G1

Aos 50 anos de vida e 20 como cantor, padre Marcelo Rossi volta ao disco


Aos 50 anos de vida e 20 de carreira fonográfica, iniciada em 1997 com a edição do álbum Terço Bizantino, o cantor e padre paulistano Marcelo Rossi volta ao disco após três anos de ausência. O retorno acontece com o lançamento de Imaculada – Ao vivo, CD e DVD que chegarão ao mercado fonográfico ainda neste primeira quinzena de outubro de 2017.
Produzido por Guto Graça Mello, o disco ao vivo perpetua apresentação feita pelo artista em 3 de agosto no Santuário Mãe de Deus, na cidade de São Paulo (SP). O repertório inclui a música (inédita na voz de Rossi) Acaso não sabeis – composta e lançada em álbum de 2015 pela Comunidade Católica Colo de Deus e regravada por Rossi no registro ao vivo do show que gerou o projeto Imaculada – entre sucessos da época em que o padre cantor era campeão de vendas do mercado fonográfico brasileiro, evangelizando a massa com músicas como Anjos de Deus, Erguei as mãos, O vira de Jesus e Sonda-me.
Ainda com público fervoroso dentro do universo pop de música católica, embora já tenha visibilidade bem menor na mídia, padre Marcelo Rossi contabiliza 25 títulos na discografia, incluindo coletâneas e o atual CD / DVD Imaculada – Ao vivo.
(Crédito da imagem: capa do DVD Imaculada – Ao vivo, de padre Marcelo Rossi)

Fonte: G1

#ACobraFumou - Marcos espalha para outros peões que transou com Ana Paula e os dois discutem


A falta de respeito foi grande na manhã de hoje (08) na Fazenda - Nova Chance. O ex-BBB Marcos Harter, em conversa com outros peões, revelou o sapeca-iaiá com Ana Paula Minerato em baixo do edredom durante a festa Oktoberfest, e a peoa foi tirar satisfação com ele.
Marcos ainda deu aulas para Minerato sobre o que é transar. "Transar não significa apenas penetração, é realmente uma coisa que você não quer ver". Pode isso produção?
A loira interrompeu Marcos e começou, com razão, a soltar os cachorros em cima dele: "Eu faço o que eu quiser, mas ninguém fica gritando coisas sobre mim, igual você fez aqui agora. Não foi bonito, não foi certo".
"Tem 200 câmeras aqui e sou eu que tô expondo?"
"Você gosta de expor as pessoas", disse Minerato ao homem da sunga centropeito.
Iiiih, a coisa tava feia!