terça-feira, 17 de outubro de 2017

Senado revê decisão do STF e devolve mandato a Aécio Neves


O Senado decidiu nesta terça-feira, por 44 votos a 26, devolver ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) o exercício do mandato parlamentar. Aécio estava afastado da Casa desde o final de setembro por decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), que se baseou nas investigações contra o mineiro a partir das delações premiadas de executivos do Grupo J&F. O colegiado também havia determinado a Aécio o recolhimento domiciliar noturno, medida que, assim como a suspensão do mandato, foi derrubada pelos senadores.
Para que pudesse voltar a frequentar o Senado, Aécio Neves precisaria de ao menos 41 votos entre seus 80 colegas. A deliberação sobre a decisão da Turma do STF foi iniciada pelo presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), por volta das 17h e o resultado saiu por volta das 19h40. Conforme decisão do ministro do Supremo Alexandre de Moraes nesta terça-feira, a votação foi aberta, ou seja, é possível saber como cada parlamentar se posicionou. Caso não houvesse 41 votos para devolver o mandato ao tucano ou para manter seu afastamento, a votação seria repetida, conforme Eunício.
Senadores cujas ausências eram dadas como certas, como o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e o líder do DEM na Casa, Ronaldo Caiado (GO), compareceram e votaram. Jucá, que tratava de uma diverticulite em um hospital de São Paulo, posicionou-se por devolver o mandato a Aécio Neves. Caiado, que quebrou um dos ossos do ombro esquerdo ao cair de uma mula, votou para manter o tucano afastado.
A decisão do Senado sobre o afastamento de Aécio havia sido adiada duas vezes. Na última delas, a Casa decidiu que esperaria o julgamento, pelo plenário da Corte, de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) impetrada em 2016, na qual os partidos PP, PSC e Solidariedade pediam que o afastamento de parlamentares do mandato fosse submetido às respectivas Casas Legislativas.
Na última quarta-feira, por 6 votos a 5, o STF decidiu que qualquer medida que “impossibilitar, direta ou indiretamente o exercício regular do mandato parlamentar”, deve ser analisada pela Câmara, em casos de deputados, e pelo Senado, em casos de senadores.
Por meio de nota, a assessoria de imprensa de Aécio Neves afirma que ele recebeu o resultado da votação na Casa “com serenidade”. “A decisão restabeleceu princípios essenciais de um Estado democrático, garantindo tanto a plenitude da representação popular, como o devido processo legal, assegurando ao senador a oportunidade de apresentar sua defesa e comprovar cabalmente na Justiça sua inocência em relação às falsas acusações das quais foi alvo”, afirma.

Gravado por Joesley
O senador mineiro foi gravado pelo empresário e delator Joesley Batista, sócio do Grupo J&F, pedindo a ele 2 milhões de reais para custear as despesas com sua defesa na Operação Lava Jato. O dinheiro foi repassado pelo ex-diretor de relações institucionais da JBS, Ricardo Saud, a Frederico Pacheco de Medeiros, primo do tucano. A Polícia Federal gravou as entregas do montante, em São Paulo, divididas em parcelas de 500.000 reais em dinheiro vivo. Aécio Neves nega que o dinheiro era propina e afirma que se tratava de um empréstimo de Joesley.
Deflagrada no dia seguinte à divulgação da delação da JBS, em maio, a Operação Patmos prendeu Pacheco de Medeiros, a irmã de Aécio Neves, Andrea Neves, e o ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), Mendherson de Souza Lima, que recebeu do primo do tucano uma das parcelas de 500.000 reais.
Também alvo da Patmos, Aécio foi afastado do mandato na ocasião pelo ministro do STF Edson Fachin, que negou o pedido de prisão do senador feito pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Em junho, por decisão do ministro Marco Aurélio Mello, o mineiro voltou ao Senado.

Fonte: VEJA

Cachorro faz xixi nas costas de rapaz e é adotado por ele


SBT - Depois do cachorro que deitou no véu de uma noiva e foi adotado, um outro vira-lata, com atitude menos nobre, ganhou um lar no Rio de Janeiro. Ele fez xixi em um rapaz que estava distraído mexendo no celular em uma calçada. A cena foi registrada por câmeras de segurança e viralizou nas redes sociais. O sucesso foi tanto que o homem decidiu adotar o animal.



Ataque terrorista na Somália deixa mais de 300 mortos e 400 feridos


Subiu para mais de 300 o número de mortos no ataque com caminhões-bomba na Somália no sábado, segundo o ministro da informação do país, Abdirahman Osman, sendo ao menos 15 crianças Outras 400 pessoas ficaram feridas, muitas com gravidade. Ainda, cerca de 70 pessoas estariam desaparecidas.
O governo responsabiliza o grupo extremista al-Shabab, que ainda não se pronunciou. Em publicação no Twitter, Osman classificou o ataque como cruel e disse que países como Turquia e Quênia ofereceram ajuda médica. O atentado teve como alvo uma rua movimentada próxima de vários ministérios do governo.
O presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed, declarou três dias de luto e pediu que a população doe sangue aos hospitais.
Os Estados Unidos condenaram o ataque na Somália. "Ataques covardes como este revigoram o compromisso dos EUA em ajudar nossos parceiros africanos no combate ao terrorismo", diz comunicado. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Antonio Guterres, pediu "união diante do terrorismo".

Fonte: Associated Press

Irmã gêmea pega carona no sucesso de Pabllo Vittar e bomba na web


Catraca Livre - Pabllo Vittar está fazendo escola! A ascensão da carreira da cantora tem influenciado sua irmã gêmea, Phamella Rodrigues, que também faz o maior sucesso nas redes sociais nos últimos tempos.
Com quase 10 mil seguidores no Instagram, a jovem chama atenção dos seguidores com selfies caprichadas e até fazendo propaganda de produtos de beleza.
Dia desses, Phamella até ‘bateu cabelo’ com a peruca da famosa drag queen.
De acordo com o jornal “Extra”, a moça já é mãe de uma menino de 5 anos de idade, e mora com a matriarca, o filho e a irmã mais velha na cidade de Uberlândia, Minas Gerais.
Orgulhosa do sucesso da irmã, Phamella sempre posa ao lado da cantora, a quem chama carinhosamente de “vacona”.

SBT esconde o jogo sobre Mirela, personagem de Larissa Manoela em “As Aventuras de Poliana”


O SBT resolveu fazer mistério sobre o personagem da jovem Larissa Manoela em “As Aventuras de Poliana”.
Chegou até a ser cogitado que ela fosse a protagonista, mas agora foi revelado que seu personagem se chamará Mirela, como informa o jornalista Flávio Ricco. A nova novela do SBT tem estreia prevista para maio de 2018.
Por enquanto são feitos segredos sobre o perfil da personagem, até pelo fato de que a estreia ainda demora. No entanto, a trama já teve as suas primeiras cenas em externas gravadas. Uma boa parte da equipe, incluindo a protagonista, viajou para o interior do Ceará e por lá ficaram cerca de uma semana gravando algumas sequências.
As gravações em estúdio já estão agendadas e devem começar a acontecer nos próximos dias. “As Aventuras de Poliana” tem estreia prevista para o primeiro semestre do ano que vem e vai substituir “Carinha de Anjo” no horário nobre da emissora paulista. A direção da nova trama infantil fica por conta do diretor Reynaldo Boury.

LARISSA VAI PARA OS EUA
Larissa Manoela é uma das atrizes que pretendem deixar o Brasil em breve para ir morar nos Estados Unidos. Se tudo der certo, a famosa pretende passar uma temporada no exterior para estudar.
“Eu faço 17 esse ano e quero me dedicar ao inglês. É muito importante”, avaliou ao canal de Mayra Cardi no YouTube. “Quero muito ir para Los Angeles. Isso vai abrir portas de caminhos maravilhosos.”
Ainda no papo, a loira explicou por que optou por fazer dieta: “A gente precisa da energia, a gente precisa estar forte, saudável. Não só por dentro, mas por fora também, porque eu trabalho muito com a imagem”.

Fonte: TV Foco

'Porcaria por porcaria, fiquem no SBT', afirma Silvio Santos


Faz tempo que Sílvio demitiu o superego e, tudo indica, congelou de vez a vaga. Ontem (15), em seu programa, ele deu mais uma prova disso. Antes de chamar os comerciais, o apresentador fez o seguinte apelo aos espectadores. “Vocês que estão em casa, não troquem de canal. Porcaria por porcaria, fiquem aqui no SBT”.
O curioso é que a audiência da atração no último domingo foi a menor desde 21 de agosto de 2016. A média registrada pelo Ibope foi de 13,4 pontos.

Fonte: UAI

Nathalia Dill aparece no 'Encontro' de óculos escuros


A atriz Nathalia Dill foi uma das convidadas do programa Encontro, de Fátima Bernardes, desta terça-feira (17), e causou estranhamento em quem assistia. O motivo? Nathalia apareceu no programa de óculos escuros. "Porque a Nathalia Dill tá de óculos, gente?"; "Espero que a Dill esteja com algum problema de vista que justifique os óculos. É perturbador e estranho."; "Nathalia Dill de óculos em pleno estúdio fechado. Que?"; "Nathalia Dill tá de conjuntivite?" foram alguns dos comentários tweetados pelos espectadores. Pouco depois, Nathalia se justificou, também no Twitter, dizendo que estava com terçol/conjuntivite, uma inflamação na pálpebra.


Veja outros comentários do pessoal que assistiu ao Encontro:






Carol Duarte elege cena de Ivan cortando cabelo como favorita: 'Saí feliz'


Purepeople - No ar como Ivan na novela "A Força do Querer", Carol Duarte participou do "Papo de Almoço", da Rádio Globo, e elegeu a cena em que Ivan corta o cabelo como uma das mais marcantes. "Foi um dia desgastante física e emocionalmente, mas eu saí feliz. Eu sabia que muitas pessoas iam assistir aquilo", disse em conversa com Fernanda Gentil, nesta terça-feira (17).

ATRIZ FESTEJA SUCESSO DE IVAN EM FOLHETIM
Durante a entrevista, Carol falou também sobre a repercussão de transição de Ivana para Ivan e comemorou o sucesso do personagem, que já rendeu até sósias. "Na semana em que a novela estreou, meu Instagram bombou demais. Às vezes eu saia, as pessoas me reconheciam... E eu pensava: 'Ah, é porque estou aparecendo na TV', 'Ah, é por isso!' O que eu não esperava foi o boom da personagem. Ivan ganhou uma dimensão muito grande. Eu dei uma entrevista para o 'The New York Times'! Palmas para a Gloria Perez. A dimensão da personagem é grande mesmo. Nem sei o alcance disso. A Gloria também deu a entrevista. Afinal de contas, ela que conduziu essa grandeza", ponderou.

CAROL FOI REPROVADA EM TESTE PARA IVAN
Carol lembrou ainda que chegou a ser reprovada no teste para a novela das nove. "Esse teste durou um mês. Foi punk. Eu não passei de início. A gente que é ator está acostumado (a receber este tipo de notícia) e a falar: 'ok'. Eu voltei, vi que era para a mesma personagem e rolou", comentou a namorada da fotógrafa Aline Klein, com quem sem relaciona há três anos. Sobre orientação de gênero, a artista questionou: "O que de fato nos diferencia? O que de fato é ser um homem e uma mulher? Nossa necessidade tem um extremismo, um binarismo (...) Há estereótipos que limitam nossa existência e trazem muito preconceito. Por que a menina tem que gostar de usar vestido? É um pedaço de pano!."

ARTISTA EXPLICA TÉCNICA PARA DEIXAR VOZ GROSSA
Com traços cada vez mais masculinos, Carol entregou o truque da voz grave na trama de Gloria Perez. "Tem uma coisa que eu abaixo minha voz e ela fica mais grave, mas também tem um trabalho de edição. Você aquece um pouco, joga ela pra baixo aí vem a edição", explicou.

(Por Patrícia Dias)

Simone é sequestrada em 'A Força do Querer'

Juliana Paiva nos bastidores de A Força do Querer
Como não conseguiu pagar sua dívida na jogatina, a arquiteta Silvana (Lília Cabral) verá sua filha Simone (Juliana Paiva) ser sequestrada por agiota e correrá risco de vida. Quem vai salvar a jovem é a policial Jeiza (Paolla Oliveira), que prenderá os sequestradores. Com esse problema, Silvana fica convencida de que realmente precisa de tratamento.

'Se houver mudança na lei, mulheres serão prejudicadas', diz Maria da Penha


A farmacêutica Maria da Penha, 71 anos, que dá nome à lei de combate à violência doméstica, disse que no início viu com bons olhos o projeto que busca mudar o texto da legislação. Depois, ao se inteirar, afirmou que se preocupa com a mudança "inconstitucional" e pede que o presidente Michel Temer (PMDB) vete parcialmente o projeto. Entidades do judiciário e de direitos humanos também pediram o veto.
O Senado aprovou, na última terça-feira (10), o projeto que altera a Lei Maria da Penha ao permitir que delegados concedam medidas protetivas de urgência a vítimas da violência doméstica. Atualmente, apenas os juízes podem definir as medidas.
“Eu me inteirei de que não pode haver confronto entre os poderes. E a questão da proteção tem que ser dada pelo poder judiciário. Então, eu estou realmente interessada de que essa polêmica seja resolvida, que o poder judiciário assuma seu papel, porque se houver uma mudança, com certeza vai prejudicar muitas mulheres. A lei vai ficar muito fragilizada”, disse.
Para Maria da Penha, pode haver o enfraquecimento da lei porque a defesa do autor do crime pode alegar inconstitucionalidade, por exemplo.
“Pode ser colocado pelo advogado que é inconstitucional aquela conduta. Porque a conduta é especifica do poder judiciário e é a polícia que está determinando essa punição”, afirma.
Maria da Penha defende que a aplicabilidade da lei seja aprimorada, não o texto. “Até hoje, tem tanta coisa para ser feita e eles estão pegando em um item que pode fragilizar a lei. Vamos dizer o seguinte: por que todos os municípios brasileiros não colocam políticas públicas para atender a mulher? Hoje, em dia, todas aas capitais brasileiras tem seu centro de referência, a casa abrigo, a delegacia da mulher e o juizado, que são os alicerces de aplicação da lei. Mas os municípios próximos das capitais não têm ao menos o centro de referência da mulher”, exemplifica.
Ela, que esperou 19 anos e seis meses para ver seu agressor punido, quer investigações mais completas e rápidas e celeridade da Justiça.
“A gente quer é que a segurança pública consiga fazer os relatórios e boletins de ocorrência com mais rapidez para quando chegar ao juiz ele já esteja bem embasado. A polícia conseguiu enviar o relatório sobre o caso. Tempo para se dedicar a investigação. A polícia acata a denúncia, mas o inquérito policial não acompanha essa rapidez. É necessário que isso aconteça para dar condições que todas as etapas da Lei da Maria da Penha sejam cumpridos”, afirma.
“Se houver necessidade de mudança que a seja feita através das ONGs que criaram a lei. Junto com o poder judiciário, junto com juizado, com um consenso em geral, para que a lei não enfraqueça e nem seja considerada inconstitucional. Quando a lei foi sancionada sugeriu a hipótese de que era inconstitucional dizendo que homem e mulher eram iguais perante a lei. Até hoje, sabemos que quando a mulher é recebida por homens, as mulheres são debochadas, são aconselhadas a não denunciar porque existe o machismo interferindo nessa situação”, completa.
Segundo o projeto, a medida concedida pelo delegado só será admitida em caso de risco real ou iminente à vida ou à integridade física e psicológica da mulher e de seus dependentes. A proposta prevê ainda o direito a atendimento policial especializado e ininterrupto, realizado preferencialmente por profissionais do sexo feminino.
O deputado Sergio Vidigal (PDT-ES), autor do texto, diz que o objetivo do projeto é dar agilidade na aplicação das medidas protetivas diante do aumento da violência contra a mulher.
"Há centenas de mulheres que ao aguardar as medidas protetivas, foram violadas e assassinadas. Não adianta ter lei moderna, ter que ser aplicada", disse.
Para Vidigal, o judiciário é muito lento. O parlamentar lembra que o texto está sendo discutido há mais de um ano e que passou por diversas comissões. "Deveriam [judiciário] ter interferido antes", disse.
O deputado defende que o delegado está mais perto da vítima e que o juiz pdoe demorar muito. "Nós queremos reduzir o índice de violência contra a mulher. Que designem um juiz de plantão, então", afirmou.


Entidades
ONGs e o Judiciário se manifestaram contrários ao projeto de lei e pedem o veto parcial de Temer.
A Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), entidade que congrega mais de 16 mil membros dos Ministérios Público dos Estados, Distrito Federal e Territórios e Militar, divulgou nota pedindo o veto parcial do projeto de lei, especificamente sobre o delegado poder aplicar medidas protetivas.
“É, portanto, flagrantemente inconstitucional que a restrição de direitos fundamentais sensíveis seja transferida da esfera judicial para a esfera policial, ao argumento simplório de que o Poder Judiciário seria lento ou omisso. Este PLC 07/2016 apenas aparentemente traz um avanço, que se inicia com propostas legítimas e com discurso de proteção às mulheres, mas, subrepticiamente, desfigura o sistema processual de proteção aos direitos fundamentais [...] Assim, além da inconstitucionalidade do dispositivo supracitado, pelas razões acima expostas, é de se considerar ainda que a matéria contraria ao interesse público, na medida em que desatende aos anseios das principais destinatárias da norma, as mulheres vítimas de violência doméstica familiar”, dizem trechos da nota encaminhada ao presidente.
O Fórum Nacional de Juízes de violência doméstica e familiar contra a mulher (Fonavid) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) também se manifestaram contrários ao projeto de lei, “uma vez que o referido dispositivo do projeto viola frontalmente a Constituição Federal”.
Para o Instituto Patrícia Galvão, “ao invés de ampliar a proteção às mulheres em situação de violência, a proposta pode aumentar a vulnerabilidade e colocar em risco a integridade emocional, física e a própria vida dessas mulheres. É amplamente sabido que as unidades policiais não dispõem de estrutura e de agentes capacitados que garantam a apreciação e encaminhamento adequados dos pedidos de medida protetiva de urgência”, diz nota que também pede o veto.
"Quem não conhece o sistema de Justiça, pensa que é algo positivo. A mulher vai à delegacia, registra a ocorrência e já sai com a medida de proteção de urgência. Mas na prática não vai ser dessa forma. Não basta ter um papel na mão. É essencial que essa decisão seja comunicada ao agressor. Então, o que vai acontecer na prática, é que a polícia vai ter que parar o seu trabalho de polícia, que é realizar a investigação criminal, para cumprir mandados de intimação ao agressor. O problema que temos hoje no sistema de Justiça é que a polícia não está conseguindo cumprir a função de fazer investigação criminal. O que em um primeiro momento parece ser uma maior proteção, a médio e longo prazo vai se transformar em impunidade", diz o promotor Thiago Pierobom, titular da 3ª Promotoria de Justiça de Defesa da Mulher em Situação de Violência Doméstica de Brasília e coordenador do Núcleo de Gênero Pró-Mulher do MPDFT.
"O grande receio que nós temos é que já foi uma luta histórica constituir a constitucionalidade da Lei Maria da Penha. Inclusive, essa proposta dos delegados foi trazida em 2005 quando estavam construindo a Lei Maria da Penha. E naquela época, o movimento de mulheres recusou essa possibilidade porque sabia que era inconstitucional. Se eu coloco uma norma inconstitucional dentro da lei, daqui alguns meses, o STF vai considerar inconstitucional essa norma. Isso a médio prazo tem o sério risco de enfraquecer a Lei Maria da Penha", afirma Pierobom.
Segundo Leila Linhares Barsted, diretora da Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação (Cepia) e uma das redatoras do texto da Lei Maria da Penha, “o projeto não foi discutido com o movimento de mulheres, foi debatido a portas fechadas. Todo grupo que discutiu a Lei Maria da Penha, e que vem há anos defendendo a implementação dessa lei, sequer foi chamado para essa discussão”, disse.
“A lei dá à polícia [prerrogativas] que estão constitucionalmente previstas para o Poder Judiciário. A outra questão é que ao receber a medida protetiva na polícia, na sede policial, a mulher deixa de ter acesso às instituições da Justiça, basicamente à Defensoria Pública e o Judiciário. Já existem muitas experiências, aqui no Rio de Janeiro, por exemplo, sabendo que há um risco de vida para a mulher, imediatamente contata o Poder Judiciário e em poucas horas pode dar essa medida protetiva”, completa.
Ainda de acordo com Barsted, há várias propostas que buscam “descaracterizar a Lei Maria da Penha, todas elas com perspectivas de esvaziar a sua amplidão e, inclusive, a questão de gênero que a lei incorpora”.

Medidas Protetivas
As medidas protetivas podem ser o afastamento do agressor do lar ou local de convivência com a vítima, a fixação de limite mínimo de distância que o agressor deve manter em relação à vítima e a suspensão da posse ou restrição do porte de armas, se for o caso. O agressor também pode ser proibido de entrar em contato com a vítima, seus familiares e testemunhas por qualquer meio ou, ainda, deverá obedecer à restrição ou suspensão de visitas aos dependentes menores, ouvida a equipe de atendimento multidisciplinar ou serviço militar. Outra medida que pode ser aplicada pelo juiz em proteção à mulher vítima de violência é a obrigação de o agressor pagar pensão alimentícia provisional ou alimentos provisórios.
"Essa norma específica é inconstitucional: regras estabelecem claramente que restrições relacionadas ao domicílio de uma pessoa ou a liberdade de uma pessoa só podem ser feitas mediante decisão judicial. A polícia não pode violar o local que a pessoa mora e nem restringir a liberdade de uma pessoa. E as medidas protetivas de urgência, elas acabam carregando um forte caráter de restrição. Tanto o local onde a pessoa mora, porque a pessoa tem que sair de casa, e a liberdade, porque restringe a liberdade da pessoa especialmente não se aproximando da mulher vítima de violência doméstica. Portanto, dar poderes jurisdicionais à polícia retirando do Poder Judiciário é uma medida que é inconstitucional", diz Pierobom.

Fonte: G1

Dudu Camargo derruba 80% da audiência e é dispensado de rádio


Dudu Camargo, o “pupilo de Silvio Santos”, como diz o material elaborado pelo departamento comercial da Super Rádio de São Paulo (AM 1150), foi dispensado da estação depois de registrar uma audiência 80% menor no horário que ocupava desde junho, o das 20h às 22h de segunda a sexta-feira, e faturamento publicitário “zero”, de acordo com o diretor da rádio, Luiz Carlos Patrício.
“Nas redes sociais, ele foi maravilhosamente bem, tinha 40.000 views a cada momento, Instagram e Face estourando, mas na audiência do rádio, não. A audiência caiu violentamente”, conta Patrício. “Caiu 80%. A rádio tinha cerca de 12.000 ouvintes por minuto nesse horário e hoje está em 2.000 e pouco.”
Questionado se Dudu também derrubou a receita publicitária nessa faixa, Patrício disse “lógico”. Mas, segundo o diretor, faturar não era o objetivo principal ao chamar Dudu para o elenco da rádio, mas tentar rejuvenescer e modernizar o público, o que não aconteceu. “O faturamento foi zero. Antes, a gente ainda faturava alguma coisa nesse horário, que não é o principal do AM, o horário nobre do AM é das 6h às 14h”, conta. “Mas em nenhum momento, a gente se preocupou com isso, porque a gente queria encontrar um novo caminho para a audiência, e não conseguiu.”
Para Patrício, o problema foi o conteúdo do programa, e a forma como era apresentado, por vezes de modo “apelativo” e com palavras “‘chulas”, o que desagrada ao público principal da rádio AM, o de mulheres com 25 anos ou mais. “Dudu Camargo é realmente um grande showman. Você abre o microfone e ele dá um show. Mas rádio AM são mulheres a partir de 25 anos, que não estão acostumadas com esse estilo. O programa muitas vezes chegava a ser apelativo, tinha fofocas, palavras mal colocadas, algumas chulas, um conteúdo diferente do entretenimento para dona de casa.”
Segundo Patrício, o projeto original era fazer um programa mais informativo, mais “jornalístico”, na faixa das 20h às 22h. Mas Dudu e a equipe de produção do programa foram desviando dessa proposta. “O programa passou a ser mais de entretenimento, a produção foi enveredando por esse caminho. Nós chamamos a atenção para que isso não acontecesse, mas não houve jeito.”
A equipe de produção do programa foi dispensada juntamente com Dudu. Ambos, Dudu e equipe, trabalhavam para a produtora de Cristian Gomes, o empresário com quem Dudu rompeu em agosto. A rescisão do acordo da rádio com a produtora, segundo Patrício, era uma possibilidade prevista em contrato e não implica o pagamento de multa. Também não tem ligação, segundo o diretor da Super Rádio, com a “desavença” entre Dudu e Gomes. O empresário, inclusive, continuava substituindo o “pupilo” quando ele se atrasava ou faltava, como fazia antes do rompimento com ele.

Fonte: VEJA

Fernanda Lacerda, a Mendigata, muda visual, deixa os dreads e surpreende


TV Foco - Para quem achava que esse dia nunca fosse chegar, a modelo Fernanda Lacerda, mais conhecida pelo apelido de Mendigata, mudou radicalmente o visual e abandonou seus famosos dreads loiros.
Ela divulgou a transformação neste sábado, 14 de outubro, mostrando o resultado nas redes sociais. Foram 72 horas de trabalho para que Fernanda abandonasse os dreads. “Não vejo a hora de bater esse cabelo, manas”, contou empolgada em sua rede social.

Confira a transformação:

Reese Witherspoon sofreu assédio sexual por diretor de Hollywood aos 16 anos


A atriz Reese Witherspoon foi a personalidade mais recente a se posicionar contra o assédio sexual contra mulheres, ao compartilhar uma trágica experiência vivida aos 16 anos de idade.
Segundo a vencedora do Oscar, ela foi vítima de assédio por parte de um diretor, além de ter sido encorajada a abafar o ocorrido a fim de manter seu emprego.
A revelação foi feita durante um evento feito para mulheres, organizado pela revista Elle, que aconteceu nesta segunda-feira (16).

“Essa foi uma semana realmente difícil para as mulheres em Hollywood, para as mulheres ao redor do mundo e muitas situações e indústrias estão sendo forçadas a relembrar e reviver trágicas e horrorosas verdades. E eu particularmente tenho as minhas próprias experiências, que se voltaram a mim de maneira tão vívida, que tenho encontrado dificuldades para dormir, pensar e compartilhar muitos desses sentimentos que tenho tido envolvendo ansiedade, honestidade e a culpa por não ter me pronunciado antes.
Eu realmente me sinto enojada do diretor que me assediou aos 16 anos e sinto muita raiva dos agentes e produtores que me fizeram crer que o silêncio era a condição necessária para o meu emprego. E eu adoraria dizer que esse foi um caso isolado na minha carreira, mas infelizmente não foi. Eu vivi inúmeras experiências de assédio sexual e não costumo falar sobre elas com tanta frequência.
Mas depois de ouvir todas essas histórias nos últimos dias e essas mulheres corajosas que se abriram nesta noite sobre tudo aquilo que já nos disseram que deveríamos varrer para debaixo do tapete, eu senti o desejo de falar sobre isso e me posicionar abertamente porque, de fato, eu nunca me senti tão menos sozinha nesta semana do que em toda a minha carreira.
E eu já conversei com tantas atrizes e roteiristas, particularmente mulheres, que também já sofreram situações similares e muitas delas bravamente vieram ao público com suas histórias. Essa verdade é extremamente encorajadora para mim e para todos ao redor do mundo, porque você só é possível curar dizendo a verdade.
Eu realmente estou encorajada com o fato de que isso será o novo normal. Para as jovem mulheres neste local, a vida será diferente pois estamos com vocês, vamos te proteger e isso me faz sentir melhor. É claro que me deixa triste ter que falar sobre esses problemas, mas eu seria negligente se não o fizesse”.
Harvey Weinstein ameaçou Felicity Huffman para ela usar vestidos da grife de sua esposa 
Mais de 20 atrizes vieram à público denunciá-lo por avanços sexuais…

As últimas foram as vencedoras do Oscar, Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow. Em uma matéria feita pelo jornal The New York Times, nesta terça-feira (10), as atrizes revelaram casos similares à série de outros assédios relatados por ex-funcionárias da The Weinstein Company, bem como pelas atrizes Ashley Judd e Rose McGowan.
Na época com 22 anos, Paltrow revelou que acabara de ter sido escalada para o filme ‘Emma’, produzido por Harvey Weinstein.
Na ocasião do assédio, o produtor a convidou para o hotel onde estava hospedado, para o que seria uma “reunião de negócios”. Lá, ele teria tentado massageá-la e havia a convidado para o seu quarto. A atriz afirmou que recusou as investidas do empresário, relatando o ocorrido para Brad Pitt, seu namorado naquele período. Na época, o ator confrontou Weinstein sobre o ocorrido. O representante do astro confirmou o fato ao jornal.

Sobre o assédio, Paltrow afirmou:
“Eu era uma criança, havia acabado de fechar o contrato para o filme, fiquei apavorada. […] Nós chegamos a um determinado momento em que as mulheres precisam mandar uma mensagem clara e objetiva de que isso acabou e não pode se repetir. Esse jeito de tratar as mulheres acaba agora!”
Futuramente, Paltrow acabou trabalhando novamente com a The Weinstein Company em ‘Shakespeare Apaixonado’, que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz em 1999.
Jolie também compartilhou sua história em um e-mail enviado para à publicação. Em seu relato, ela revela um caso semelhante aos demais, ocorrido durante o lançamento de ‘Corações Apaixonados’, em 1998.
Segundo a atriz, ela teria se encontrado com ele em um quarto de hotel e Weinstein teria feito investidas, que foram rejeitadas.
“Eu tive uma péssima experiência com Harvey quando ainda era jovem e por isso eu decidi nunca mais trabalhar com ele e fiz questão de avisar aqueles que trabalharam futuramente. Este tipo de comportamento com mulheres, independente de qual seja a área profissional e o país, é absolutamente inaceitável”.

Devido às inúmeras acusações de assédio, Harvey Weinstein foi demitido de sua própria empresa. Leia abaixo a nota divulgada da diretoria.
“Devido a novas informações sobre a má conduta de Harvey Weisntein que surgiram nos últimos dias, os diretores da Weinstein Company determinaram, e informaram Harvey Weinstein, que seu contrato com a The Weinstein Company está terminado, efetivo imediato.”

Harvey Weinstein foi quem levou consecutivamente a musa Jennifer Lawrence ao Oscar e os filmes de David O. Russell. Seu lobby era forte e ele sabia vender um filme como poucos.

Fonte: Cine POP

Baile funk e tiroteio marcam últimas gravações de 'A Força do Querer'

Parte do elenco de “A força do querer” gravou, na segunda-feira (16), na Comunidade Tavares Bastos, no Catete, cenas secretas do fim da novela, que termina na sexta-feira (20). Até um baile funk foi reproduzido para o último capítulo. Numa das cenas, Carine (Carla Diaz) aparece como a dona do morro ao lado de Rubinho (Emílio Dantas).


Vestida como Bibi (Juliana Paes), a loura briga com uma periguete que insiste em subir no camarote dela. No meio do baile, há uma briga entre bandidos com muito tiroteio. A continuação da cena sugere que Rubinho vai trair Sabiá (Jonathan Azevedo) para tomar o morro dele. Nesta terça-feira (17), Paolla Oliveira grava cenas no mesmo local, quando Jeiza vai apartar o confronto entre a bandidagem.

Fonte: iBahia