quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Bailarina de Itaboraí faz vaquinha para estudar nos Estados Unidos


R7 - Bailarina desde pequena, Ana Lívia Costa Santos, de 15 anos, participou de importantes festivais nacionais e despertou a atenção de uma conceituada escola de dança no exterior. A menina que sonha em rodar o mundo na ponta dos pés, conquistou a primeira grande oportunidade em um programa de verão da Companhia Miami City Ballet, nos Estados Unidos. Porém, para embarcar rumo ao sonho, ela precisa conseguir R$ 40 mil até junho.
A quantia está fora da realidade da família de Ana Lívia, que mora em Itaboraí, região metropolitana do Rio. O pai, Edmilson Silva Santos, trabalha como vigilante e a mãe, Adriana Costa, como auxiliar administrativa. Para complementar a renda, o casal vende doces e salgados aos fins de semana, dinheiro extra que nos últimos anos tem ajudado a financiar os cursos e viagens da menina.
A jovem bailarina ganhou uma bolsa de 50% na escola norte-americana, mas ainda precisa arcar com a outra metade da mensalidade, além dos custos com viagem e hospedagem. Para não desistir da oportunidade, a família iniciou uma campanha de financiamento coletivo na internet.
— A gente criou essa vaquinha eletrônica para tentar levantar esse valor e não deixar esse sonho para trás. A gente não tem condições. Nos finais de semana que eu estou em casa, a gente vai pra rua, a gente vende salgado, vende bolo, de vez em quando tem essa necessidade mesmo. Apenas com a nossa renda, a gente não teria condições de manter ela como bailarina — explicou o Edmilson, pai da menina.

Ana Lívia começou no ballet aos 3 anos e atualmente faz parte da turma de formação de uma academia de São Gonçalo, município vizinho a Itaboraí. Estudante do segundo ano do ensino médio, ela dá aulas desde os 13 anos na própria escola para crianças, entre 2 e 12 anos. Depois do Colégio, ela segue para a academia, onde faz aulas de ballet, sapateado e jazz. Apesar de intensa, a rotina não desanima a adolescente.
— A dança representa tudo na minha vida, eu comecei bem pequenininha e até hoje o amor só cresceu. Na verdade, representa também meu bem estar, eu gosto de estar fazendo isso, é algo que me deixa bem feliz — destacou Ana Lívia.

Em julho passado, a menina conquistou o terceiro lugar na mostra competitiva do Festival de Dança de Joinville, considerado o mais importante do país. No mês seguinte, ela voltou a Santa Catarina para se apresentar no 8° Festival de Dança de Florianópolis, onde conquistou o segundo lugar, além da indicação de melhor bailarina da noite.
O ano de Ana Lívia terminou com uma grande apresentação no Teatro Carlos Gomes, no centro do Rio. Logo após o espetáculo 'O Quebra-Nozes', ela recebeu o convite para o curso de verão dos Estados Unidos, feito pela diretora da academia.

— As pessoas que passam por essa companhia [Miami City Ballet] têm uma carreira muito forte. A principio ela vai em julho para fazer o curso de verão, passa duas semanas e volta. Se for aprovada ela retorna em setembro para fazer a continuidade do curso. Lá, ela vai ter oportunidade de ser selecionada e ficar na academia — contou Edmilson.

Além de Ana Lívia, outros dois jovens da mesma academia também foram selecionados para o programa.
— Eu estou muito animada com essa possibilidade de estudar fora do Brasil, vai ser uma grande oportunidade e, quem sabe futuramente, ser a primeira bailarina de uma companhia, de uma escola de ballet fora do país — declarou a menina.

Desde que recebeu o convite, a família de Ana Lívia tenta buscar formas de levantar o dinheiro necessário para a viagem. Além da venda de salgados aos finais de semana, os pais da bailarina fazem rifas e tentam mobilizar as pessoas a doarem através da vaquinha virtual. Até o momento, o financiamento coletivo conta com pouco mais de R$ 1.400.