quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Logan Paul é punido pelo YouTube após vídeo com suicida

Canal Tech - O YouTube anunciou uma série de sanções a Logan Paul, produtor de conteúdo que, na última semana, publicou um vídeo com imagens do cadáver de um homem que se suicidou por enforcamento. O vlogueiro vai perder seu status de parceiro preferencial da plataforma, o que dava a ele acesso prioritário para anunciantes interessados, e também deixará de participar de produções originais do serviço de assinaturas Red.
Na prática, isso significa uma grande perda de influência e também de possibilidade de monetização para Paul. De acordo com o YouTube, foram cancelados uma série de shows originais que o tinham como astro principal e estavam em produção, bem como a participação do vlogueiro na série Foursome, na qual ele interpretava um personagem desde 2016.
Por outro lado, não ficou claro se Logan Paul também perdeu a parceria em si com o YouTube, o que significaria que ele se tornaria incapaz de monetizar qualquer um de seus vídeos. É provável que isso não tenha acontecido, o que contraria reivindicações feitas por parte do público online, que desde a publicação do vídeo polêmico vinha pedindo que a Google tomasse providência quanto aos atos do influenciador.
O principal motivo para isso é o caráter de seu público. Antiga estrela do Vine, Logan Paul estreou no YouTube em 2016 com vídeos diários e voltados, principalmente, para adolescentes. Esse caráter contrasta com a produção publicada em 31 de dezembro de 2017, na qual ele visita Aokigahara, conhecida como a “floresta do suicídio”, no Japão, e acaba encontrando o cadáver de um homem que havia tirado a própria vida.
Com o início da polêmica, Paul tirou o vídeo do ar. Durante as horas em que permaneceu ativa, entretanto, a produção angariou mais de 6,3 milhões de visualizações, chegando também ao 10º lugar entre os vídeos mais vistos daquele dia no YouTube. A presença de propagandas de sua marca de roupas, a Maverick, levou a ainda mais críticas, apesar de o vídeo em si não ter sido monetizado, bem como o caráter jocoso que antecede o encontro com o cadáver.


Nas cenas, Paul afirma que aquelas foram as cenas "mais reais" que já gravou em sua vida e que as imagens, apesar de pesadas, marcariam história no YouTube por seu ineditismo e também pelo caráter social. O vídeo foi gravado como parte de uma série baseada em uma viagem ao Japão, realizada no final do ano passado.
O vlogueiro respondeu à polêmica com duas declarações públicas. Na primeira, publicada no Twitter, ele afirmou que o intuito da produção era justamente alertar sobre questões relacionadas à saúde mental e o suicídio, dizendo que as reações gravadas foram impensadas. Depois, em vídeo, voltou a afirmar isso, pedindo desculpas e que seus fãs não o defendam, pois ele agiu errado e sabe disso, trabalhando para melhorar dali em diante.
A reação do YouTube quanto ao caso, entretanto, levou mais tempo do que o desejado pela comunidade, o que também levou a críticas à plataforma em um momento no qual ela é bastante citada pelas políticas de direitos autorais e redução na monetização. Em comunicado, a Google admitiu a própria reação demorada, mas disse estar tomando atitudes não apenas contra Paul, mas também para garantir que vídeos como o dele não circulem mais pela plataforma.
Por enquanto, entretanto, nada disso entrou em vigor, já que, por mais que a produção original tenha sido retirada do ar, ela continua perfeitamente disponível no YouTube pelas mãos de outros usuários, que fizeram o upload do material para seus próprios canais. Os clipes aparecem em versões censuradas ou não, muitas delas monetizadas, com os fundos seguindo para os bolsos de terceiros.
E esse pode ser apenas o início dos problemas para Paul. Na última semana, a marca de roupas Maverick Apparel, voltada para crianças e adolescentes, anunciou estar estudando um processo judicial contra o YouTuber pelo nome de sua grife, que estaria levando a uma queda de vendas e confusão por parte dos consumidores. A empresa deu ao produtor de conteúdo sete dias para que ele deixe de utilizar o nome, algo que, provavelmente, não vai acontecer.
Paul não voltou a se pronunciar sobre o assunto. Desde a publicação do vídeo polêmico e do subsequente pedido de desculpas, seu canal está parado e não recebeu atualizações. De acordo com dados do site Social Blade, Logan Paul é o 24º maior YouTuber do mundo, com mais de 7,8 milhões de inscritos e quase 1 bilhão de visualizações totais.