domingo, 19 de agosto de 2018

Em 1997, estreava 'Por Amor', novela que teve casamento e maternidade como seus principais temas

Informações: Revista Amiga; Folha de São Paulo; Gabriel Farac; Terra; Gente.IG
Título: Por Amor
Período que foi transmitido: 13 de outubro de 1997 - 22 de maio de 1998
Capítulos: 191
Média Geral: 43.09
Situação: Razoável
Autor: Manoel Carlos
Colaboradores: Maria Carolina, Vinícius Vianna e Letícia Dornelles
Atores principais: Regina Duarte, Gabriela Duarte, Antônio Fagundes, Fábio Assunção, Marcelo Serrado, Susana Vieira, Vivianne Pasmanter, Cássia Kiss e Carlos Eduardo Dolabella
Mais destaques: Maria Ceiça, Murilo Benício, Regina Braga, Paulo José, Françoise Forton, Marco Ricca, Vera Holtz, Carolina Dieckmann, Carolina Ferraz, Eduardo Moscovis, Ingrid Guimarães, Maria Zilda Bethlem, Elizângela, Tonico Pereira e Rosane Gofman
Outros assuntos abordados: racismo, adultério, bissexualidade e alcoolismo
Direção: Ricardo Waddington, Alexandre Avancini, Edson Spinello e Ari Coslov
Direção Geral: Ricardo Waddington
Direção de Núcleo: Paulo Ubiratan


É luxo que chama isso, né? Uma das mais célebres obras da dramaturgia brasileira, 'Por Amor' é também eleita por muitos fãs como a melhor de Manoel Carlos, que já tinha em seu currículo outros sucessos, entre eles 'A Sucessora' (1978), 'Baila Comigo' (1981), 'Felicidade' (1991) e 'História de Amor' (1995).


Foi escolhida para substituir o sucesso das oito 'A Indomada' em 13 de outubro de 1997, e o enredo vinha sendo engavetado desde quando o autor terminou de escrever 'Sol de Verão', de 15 anos antes. Obteve de média geral 43 pontos na grande São Paulo, cinco pontos a menos que a antecessora e dois abaixo do determinado para esse horário, porém, Por Amor foi capaz de levar todos os prêmios de melhor novela do ano pra casa e ainda fez bonito na reta final, pois nos últimos 23 capítulos, acumulou médias semanais maiores que a antecessora. A novela chegou ao fim brilhantemente em 22 de maio de 1998, dando lugar para Torre de Babel, que também passou por uma crise na audiência, mas para a felicidade de todos os envolvidos no projeto, superou!

Veneza, na Itália, o cenário onde tudo começa
"Do que você seria capaz por amor?" foi a pergunta usada para divulgar a trama, que trouxe Regina Duarte como a quarta Helena do autor. Como resposta, a decoradora disse que renunciaria a própria vida por sua filha, a apaixonada Eduarda, interpretada por Gabriela Duarte (filha de Regina na vida real), e provou isso nas cenas transmitidas do capítulo 52, depois de darem juntas à luz aos bebês que esperavam. Foi aí que ocorreu a famosa troca de bebês, idealizada pela decoradora, que deu seu filho sadio para Eduarda criar, sem ela saber e com a ajuda do médico que ajudou a fazer o parto, César (Marcelo Serrado), e assumiu o seu neto, morto horas depois por má formação congênita. Com isso, Maneco (como o autor também é chamado) quis provar que o amor de uma mãe poderá ir até as últimas consequências se achar preciso, mesmo que venha a sofrer depois.

Helena logo após o parto de seu segundo filho
[foto: IG]
À força, Helena fez César trocar os bebês enquanto Eduarda dormia
"Estou muito admirado com a repercussão que o assunto teve. Mal a polêmica foi ao ar, Regina Duarte recebeu um fax de uma senhora gaúcha que viveu uma situação similar". - Manoel Carlos (30 de dezembro de 1997)

Na história, Helena era uma mãe muito dedicada e também uma mulher sozinha, que tinha acabado um relacionamento, e ao fazer uma viagem para Veneza, na Itália, para acompanhar Eduarda em sua despedida de solteira, redescobriu o amor ao bater os olhos no arquiteto Atílio (Antônio Fagundes), viúvo e em um relacionamento desgastante com Isabel (Cássia Kiss), que só queria saber de negócios e era secretária executiva da empresa dos Mota, família composta pela bem humorada e perversa Branca (Susana Vieira), o marido Arnaldo (Carlos Eduardo Dolabella), e seus três filhos, Leonardo (Murilo Benício), Milena (Carolina Ferraz) e Marcelo (Fábio Assunção), o noivo de Eduarda.

Susana Vieira, a Branca, em cena com Gabriela e Regina Duarte.
Nesse dia, era realizado o casamento de Helena e Atílio
Susana Vieira, Carolina Ferraz (Milena), Murilo Benício (Léo) e Antônio Fagundes (Atílio)
Gabriela Duarte, Fábio Assunção (Marcelo), Susana Vieira e Cláudia Mauro (Liza)
Cássia Kiss como Isabel, a secretária e depois amante de Arnaldo em Por Amor
Branca fazia da vida de seus desafetos um inferno, tratava bem quem a considerasse como amiga, e nunca esqueceu Atílio, seu grande amor no passado, mesmo casada com Arnaldo. Passou uma boa parte da novela protegendo, amando e tratando bem o Marcelo, pois era crente que ele era fruto de seu relacionamento com o ex-amante e guardou esse segredo por muito tempo, mas nem ela própria sabia ao certo da paternidade dos filhos, até que um dia, um teste de DNA revelou que o protegido deveria ser o Léo.

A personagem de Susana, vencedora do Prêmio Extra de Melhor Atriz, não dava sossego à ninguém!
No passado, Branca, fã de bebidas (especialmente do martíni), trabalhava como vendedora de flores para sobreviver e não via outra coisa na hora das refeições a não ser um prato de sopa. Tudo era bem diferente da vida boa que levava na mansão, mas mesmo sofrendo na pobreza, contava suas histórias com a 'serenidade' no olhar de quem deu a volta por cima.

[foto: Memória Globo]
Além de suportar a megera da sogra pra ser feliz junto ao amado, Eduarda tinha que se bater de frente com a ex-namorada dele, a periguete Laura (Vivianne Pasmanter), que nunca se conformou com o término do relacionamento e sempre esteve pronta pra dar o bote. Entre as duas, era só tiro, porrada e bomba por causa de Marcelo!

Laura Trajano: o diabo em forma de mulher
Volta e meia a Laura armava para ter Marcelo de volta, que nem antes da novela começar!
Tem mais: embora Laura fosse a vilã, o público se voltou totalmente contra Eduarda por ser ciumenta em excesso, esnobe com seu pai, o alcoólatra Orestes (Paulo José), e mimada. Coitada! Não merecia ser tão odiada assim, né não, gente? Não teve jeito, geral viu mais defeitos na mocinha da novela do que na vilã e criou a página 'Eu Odeio a Eduarda'.

Eduarda foi a mais perseguida pelos telespectadores na trama!
[cena do último capítulo, quando a filha de Helena descobre, finalmente, a troca de bebês]
A um mês do fim, a atriz se manifestou no Folha de São Paulo sobre o site, e disse não ligar pra isso. "Nunca me senti pessoalmente atingida. Se a página chamasse Eu odeio a Gabriela Duarte, ficaria chateada, mas não foi o caso. Eu tenho de dizer que isso tudo criou uma polêmica muito saudável em torno do meu trabalho".

Gabriela Duarte nos bastidores de Por Amor
A convivência de Branca com Milena, que já não era boa, piorou depois que ela começou a namorar Fernando (Eduardo Moscovis), um piloto de táxi aéreo que levava com muita frequência a família toda para Angra dos Reis nos primeiros capítulos. Preconceituosa igualzinha ao marido, Branca não gostava do rapaz, já que ele tinha condições financeiras inferiores, e preferia que a filha continuasse seu namoro com o médico Franco (Henri Pagnoncelli).

Eduardo Moscovis e Carolina Ferraz fizeram tanto sucesso juntos em Por Amor que atuaram novamente juntos na novela das seis Pecado Capital, cinco meses depois
Fernando era fruto do primeiro casamento de sua mãe, a cabeleireira Lídia (Regina Braga), que era casada com o pai de Eduarda, com quem teve a doce e esperta Sandrinha (Cecília Dassi).

Regina Braga e Paulo José em cena do folhetim das oito
Cecília Dassi levou o Prêmio Contigo! de Melhor Atriz Mirim do ano
Outros Temas Abordados
A novela apresentou à todos os telespectadores os chamados emergentes sociais, ou seja, pessoas que trabalharam duramente por anos e conseguiram enriquecer. Foi o caso de Manoel (Ricardo Petráglia), esposo da super agradável Margarida (um amor de pessoa ela), ou simplesmente Meg (Françoise Forton), com quem teve Laura e a adolescente Natália (Júlia Almeida). Ele era dono de uma imensa rede de supermercados e passava boa parte do dia fora de casa e só chegava quase no fim da noite.

Françoise Forton, Ricardo Petráglia e a cadela Inèz, outro destaque da trama que até dormiu na cada da atriz na vida real enquanto o dono, Tony, viajava.
[foto: Memória Globo]
O racismo foi representado pelo casal Wilson (Paulo César Grande) e Márcia (Maria Ceiça). Os dois moravam na Vila Santa Rita de Cássia, local onde fica o estúdio de decoração de Helena, no qual Márcia trabalhava como artista plástica. Pra ele, foi muito bom ter levado pra sua cama uma mulata. Ter filhos? Nem pensar, pois tinha medo que viesse um "negrinho" pra criar.

Maria Ceiça e Paulo César Grande em cena de Por Amor
[foto: Memória Globo]
Quando a trama começa, Márcia engravida pela terceira vez, mas diferente das outras, ela passa por cima da ordem do marido e não aborta, e alguns capítulos depois, nasce Ritinha, uma menina branca e loira (para felicidade de Wilson), e praticamente o pivô da briga entre os dois. Será que, se a filha fosse negra, o chefe de cozinha ainda assim iria cair de amores por ela?

Maria Ceiça, Carolina Dieckmann e Vera Holtz nos bastidores de Por Amor
Mesmo nos últimos capítulos, Maneco optou por colocar um sexto tema: bissexualidade, através do dentista Rafael (Odilon Wagner). Era casado com a irmã de Helena, Virgínia (Ângela Vieira), com quem teve o esnobe Rodrigo (Ângelo Paes Leme) e a estudante Juliana (Larissa Queiroz), melhor que o irmão. Tava tudo uma maravilha, até o dia que Rafael se envolveu com um rapaz chamado Alex (Beto Nasci) em suas idas à praia.

Ângela Vieira e Odilon Wagner
Odilon Wagner e Beto Nasci
Mais fotos:










Audiência
Por causa do fenômeno El Niño, que esquentou o país, e das festas de final de ano, Por Amor sofreu horrores, já que a audiência só fazia cair. Teve um excelente início, com 48 pontos no primeiro capítulo e 45 de média semanal, mas até dezembro, foi capaz de bater oito recordes negativos. O pior deles foi alcançado na véspera de réveillon, quando conseguiu apenas 23 pontos. De janeiro até a segunda semana de fevereiro, a novela se segurava entre 39 e 42 pontos, e, após, a média semanal não marcava mais menos de 41 pontos.
Por Amor não fez feio em sua reta final. Marcou 50 pontos no último sábado e saiu de cena com 57 pontos de média geral e 58 de pico em seu último capítulo. O maior recorde foi alcançado no penúltimo capítulo, quando conseguiu 58 pontos de média e 63 de pico, mais que o de sua antecessora, que registrou 56 pontos. Nesse quesito, ela está à frente de outras quatro tramas: Suave Veneno (que quase nem via 45 pontos durante seus 209 capítulos), Terra Nostra (mesmo com média geral superior - 44 -, o capítulo mais assistido teve 53 pontos), Esperança (um hiper fracasso do horário nobre dos anos 2000) e Páginas da Vida (cujo recorde máximo foi de 56 pontos).

Média Geral: 43.09
Semana 01: 13/10 a 18/10/1997 = 48 | 46 | 44 | 45 | 45 | 41 = 45
Semana 02: 20/10 a 25/10/1997 = 46 | 45 | 43 | 45 | 40 | 3943
Semana 03: 27/10 a 01/11/1997 = 46 | 42 | 44 | 41 | 40 | 38 = 42
Semana 04: 03/11 a 08/11/1997 = 40 | 43 | 42 | 41 | 41 | 3641
Semana 05: 10/11 a 15/11/1997 = 40 | 43 | 40 | 43 | 47 | 40 = 42
Semana 06: 17/11 a 22/11/1997 = 45 | 50 | 47 | 43 | 44 | 38 = 45
Semana 07: 24/11 a 29/11/1997 = 48 | 44 | 43 | 41 | 40 | 35 = 42
Semana 08: 01/12 a 06/12/1997 = 45 | 43 | 43 | 40 | 37 | 3340
Semana 09: 08/12 a 13/12/1997 = 45 | 43 | 41 | 45 | 40 | 36 = 42
Semana 10: 15/12 a 20/12/1997 = 45 | 40 | 39 | 39 | 36 | 30 = 38
Semana 11: 22/12 a 27/12/1997 = 38 | 38 | 26 | 36 | 34 | 32 = 34
Semana 12: 29/12 a 03/01/1998 = 31 | 31 | 23 | 28 | 30 | 32 = 29
Semana 13: 05/01 a 10/01/1998 = 36 | 37 | 42 | 45 | 44 | 41 = 41
Semana 14: 12/01 a 17/01/1998 = 42 | 41 | 40 | 42 | 40 | 35 = 40
Semana 15: 19/01 a 24/01/1998 = 42 | 41 | 47 | 46 | 40 | 39 = 43
Semana 16: 26/01 a 31/01/1998 = 47 | 40 | 40 | 40 | 38 | 31 = 39
Semana 17: 02/02 a 07/02/1998 = 44 | 45 | 39 | 34 | 39 | 37 = 40
Semana 18: 09/02 a 14/02/1998 = 42 | 44 | 46 | 45 | 45 | 42 = 44
Semana 19: 16/02 a 21/02/1998 = 44 | 43 | 43 | 42 | 39 | 38 = 42
Semana 20: 23/02 a 28/02/1998 = 38 | 44 | 44 | 46 | 40 | 38 = 42
Semana 21: 02/03 a 07/03/1998 = 43 | 45 | 44 | 41 | 39 | 40 = 42
Semana 22: 09/03 a 14/03/1998 = 46 | 43 | 45 | 44 | 45 | 44 = 45
Semana 23: 16/03 a 21/03/1998 = 43 | 43 | 44 | 43 | 42 | 41 = 43
Semana 24: 23/03 a 28/03/1998 = 46 | 49 | 44 | 45 | 44 | 42 = 45
Semana 25: 30/03 a 04/04/1998 = 45 | 46 | 49 | 47 | 47 | 47 = 47
Semana 26: 06/04 a 11/04/1998 = 47 | 51 | 43 | 42 | 45 | 42 = 45
Semana 27: 13/04 a 18/04/1998 = 49 | 48 | 45 | 43 | 44 | 42 = 45
Semana 28: 20/04 a 25/04/1998 = 44 | 48 | 51 | 45 | 49 | 45 = 47
Semana 29: 27/04 a 02/05/1998 = 48 | 50 | 50 | 49 | 48 | 46 = 49
Semana 30: 04/05 a 09/05/1998 = 52 | 53 | 53 | 52 | 49 | 46 = 51
Semana 31: 11/05 a 16/05/1998 = 52 | 52 | 52 | 51 | 51 | 50 = 51
Semana 32: 18/05 a 22/05/1998 = 55 | 53 | 54 | 58 | 57 | ## = 55
Reapresentação do último capítulo (23/05/1998): 40

Vejam abaixo a audiência de Por Amor mensalmente:


Trilha Sonora
Dias depois a estréia, a Som Livre distribuiu nas lojas de todo o Brasil a trilha sonora com 14 músicas nacionais, bem recebida pelos consumidores. Foi estampada por Ricardo Macchi, intérprete do jardineiro Genésio, amante da desavergonhada Magnólia (Elizângela), uma mulher casada. Se bem que, ao invés de Ricardo, que começou a trama como figurante, pra combinar, Carolina Ferraz poderia posar pra capa do disco, já que seu par romântico estampou o álbum internacional.


Vendeu ao todo 610 mil cópias, 50 a mais que o internacional, foi produzido pelo instrumentista Alberto Rosenblit e aberto por uma das mais pedidas nas rádios, Só Você, do cantor e ex-ator Fábio Júnior, tocada nas cenas do piloto Nando.
Outros destaques da trilha foram Palpite, da ex-cantora e hoje advogada Vanessa Cabral, usada para a personagem Milena, Per Amore, da cantora Zizi Possi, que era tema de Helena e Atílio, e Nem Um Dia, de Djavan, tema de Eduarda. Esta última foi gravada no ano anterior para o 12º álbum do cantor, Malásia, mas ficou conhecida pelo público graças à novela.
Teve ainda Ed Motta, em uma de suas poucas boas performances, Fora da Lei, música do gênero dance incluída para a personagem Catarina (Carolina Dieckmann), que morava com a mãe e ex-miss Sirléia (Vera Holtz) e o pai controlador Nestor (Marco Ricca) no mesmo prédio que Helena.

Marco Ricca e Vera Holtz no capítulo 81, quando Sirléia vai até a festa de aniversário da amante do marido, Sílvia (Mônica Carvalho), e descobre tudo!
[foto: Memória Globo]
Ex-namorado de Eduarda no passado, César teve como tema a canção Paralelas, composta por Belchior e regravada por Elba Ramalho para seu então álbum inédito, Baioque, no qual também esteve aquela que foi tema de A Indomada, 'Ciranda da Rosa Vermelha'.
Além de Per Amore, há outra canção de língua estrangeira na playlist nacional. Abrazame Así foi lançado por Roberto Carlos para o álbum Canciones Que Amo, do mesmo ano, inteiramente em espanhol.


No começo do ano seguinte, é produzida e lançada a trilha sonora internacional. Dentre os maiores sucessos, estão Stay With Me, da ex-integrante do grupo 'En Vogue' Jocelyn Enriquez. Jocelyn também é conhecida por integrar o Stars On 54 com as consagradas cantoras Amber e Ultra Naté, e juntas elas gravaram 'If You Could Read My Mind', que fez parte de Pecado Capital, remake de 1998 transmitido às 18hrs. Em Por Amor, Stay With Me era executada em todas as cenas da vilã Laura.
Egípcio radicado no Brasil, Gilbert integra o repertório internacional com a canção francesa Aïcha, na verdade composta pelo argelino Khaled, lembrado posteriormente pelo fenômeno El Arbi, de 1999. A original chegou à posição #1 nas paradas da Bélgica e França.
Os americanos da 10.000 Maniacs está no disco com a regravação de More Than This, originalmente lançada quinze anos antes pelos britânicos que faziam parte da banda Roxy Music, acabada há sete anos. É essa a única canção do álbum Love Among the Ruins, de junho de 1997.
Alexia, um dos fenômenos da dance music mundial, estava na área com o single Hold On, com ritmo lento e mais suave, diferente do que costumava fazer. A canção, tema de Catarina e Leonardo, foi escrita na intenção de homenagear seu pai, Agustinio Aquilani, que havia morrido recentemente.
Em novembro de 1997, Toni Braxton promoveu a canção How Could An Angel Break My Heart, de seu segundo álbum de estúdio Secrets, do ano anterior, que vendeu mais de 15 milhões de cópias pelo mundo. A canção foi composta pela cantora em parceria com Babybace, além de contar com a participação do saxofonista Kenny G.
Outros destaques da trilha são as canções As Long As You Love Me, da boyband americana Backstreet Boys, e Dindi, composta por Tom Jobim e interpretada por Eldra Patrick Debarge, cantor conhecido como El DeBarge, usada para as cenas de Flávia (Maria Zilda Bethlem), também decoradora assim como Helena, de quem é sócia no estúdio da vila.

Maria Zilda Bethlem como Flávia, sócia, amiga de Helena e também louca pra arrumar um homem igualzinho ao Atílio
Reprises
Pelo sucesso São Paulo afora, Por Amor foi reprisada no Vale A Pena Ver de Novo entre 1º de julho de 2002 e 10 de janeiro do ano seguinte em 139 capítulos, obtendo 21 pontos de média geral na capital paulista. Apesar de estar um ponto acima da meta, também pode ser chamada de grande sucesso, pois a audiência subiu à partir da metade da reprise. Além disso, o último capítulo registrou 36 pontos com direito a 40 de pico, sendo o terceiro mais assistido da década de 2000, atrás de O Cravo e A Rosa, com 37, e do remake de Anjo Mau, 38. No Painel Nacional de Televisão (PNT), o repeteco do clássico foi um grande sucesso, acumulando média geral de 24 pontos.
Foi reprisada duas vezes no Canal Viva: entre 19 de maio de 2010 e 8 de fevereiro de 2011, às 16h30, e de 08 de maio até 15 de dezembro do ano passado, em comemoração aos 20 anos de estréia, às 23h30, horário do qual é líder de audiência, superando Laços de Família (2000), do mesmo autor, e Pai Herói (1979), de Janete Clair.
Está na lista das produções da TV Globo mais exportadas para o exterior, tendo sido vista em 70 países.

Um brinde eterno ao sucesso de 'Por Amor'! Novela incrível demais!

Nenhum comentário: