terça-feira, 17 de abril de 2018

Na luta contra o câncer, Catra aparece transformado e abre o jogo


SBT - Na luta contra um câncer no estômago, descoberto no início do ano passado, Mr. Catra deu uma entrevista exclusiva ao Fofocalizando e abriu o jogo sobre a doença. No bate-papo com o apresentador Leo Dias, o funkeiro revelou como descobriu o tumor e as transformações que está fazendo em sua vida.
"Esse câncer eu adquiri durante a vida por causa dos excessos que eu tive na minha vida. Excessos de loucura, de noites sem dormir, muita preocupação e estresse", revelou Catra. O funkeiro também falou sobre a evolução de seu tratamento. Confira na entrevista:

Anvisa proíbe dois medicamentos contra impotência e depressão

Catraca Livre - A Anvisa proibiu a comercialização de dois medicamentos --Viagra Master e Lavita Caps-- que alegavam ter propriedades terapêuticas. Ambos eram vendidos na internet sem registro.


A propaganda do Viagra Master atribuía ao produto propriedades como: "auxilia na prevenção e combate da impotência", "aumenta o desejo sexual", "aumento de fertilidade".
O Lavita Caps, que também era comercializado na internet, não tinha autorização para fazer qualquer alegação terapêutica. No entanto, a publicidade declarava que o produto “previne doenças cardíacas", "melhora a memória e a capacidade de aprendizagem", "combate a depressão, stress, enxaqueca e ansiedade".
Segundo o site da Anvisa, “os produtos foram proibidos e não podem ser fabricados, distribuídos ou comercializados em todo o território nacional. Todas as propagandas que atribuam propriedades terapêuticas de saúde ou funcionais aos produtos Viagra Master ou Lavita Caps estão suspensas”.
Também foi publicada a interdição da empresa Bio Bonté Indústria e Comércio de Cosméticos Ltda. Com a decisão fica suspensa a fabricação, comercialização e uso dos produtos fabricados pela empresa.

Capa de ganhador do Jabuti é removida de exposição e autor aponta censura


Diário de Pernambuco - O desenho que ilustra a capa do HQ Castanha do Pará, de Gildalti Moura Jr., foi removido de uma exposição no Parque Shopping de Belém (PA) nesta terça-feira (17). A imagem da obra, ganhadora do Jabuti de Melhor História em Quadrinho em 2017, mostra um menino de rua (o protagonista) escapando de um policial em uma feira de rua.
A presença do desenho na exposição virou alvo de críticas na internet. Um PM chegou a publicar no Facebook que se sentiu "ofendido" com a ilustração. "Com tantas coisas acontecendo no Estado no setor da segurança pública, ainda temos isso para enfrentar. Resgatar valores não querem, né", escreveu o oficial. A polêmica foi suficiente para que o shopping retirasse o desenho da mostra.
Gidalti, autor do HQ, também usou do Facebook para criticar a retirada da imagem, alegando "censura". "Sobre a censura à capa de meu livro em exposição em Belém, gostaria de declarar total repúdio aos conceitos arbitrários que classificaram a imagem como uma ofensa à polícia militar. A retirada da obra do evento é um gesto que vai contra valores fundamentais que defendo, dentre estes, a liberdade de expressão", disse.
"A obra é ficcional, tem caráter lúdico e expõem situações rotineiras nas metrópoles brasileiras. Quem a compreendeu como apologia ao crime e/ou a desmoralização da polícia militar, o faz de forma leviana e sem ao menos ler o livro 'Castanha do Pará'. A retirada da imagem da exposição é uma vitória parcial da ignorância, do medo e de forças antagônicas à liberdade", concluiu o artista.
A coordenação da exposição de quadrinhos esclareceu que a decisão de retirar o desenho de Gidalti Moura Jr foi tomada em acordo com a curadoria do evento e que outra obra do mesmo autor será colocada na mostra. "A mudança ocorreu diante de manifestações de frequentadores do shopping que se sentiram incomodados com a cena de violência, no espaço que é frequentado por crianças", justificou em nota a coordenação. Em nota, o Parque Shopping disse que reafirma sua missão de incentivar as artes e dar luz ao trabalho de curadores e artistas paraenses.

Veja as publicações:


"La Casa de Papel" se torna a série de língua não-inglesa mais vista na Netflix


Correio do Povo - Um relatório divulgado aos acionistas da Netflix na segunda-feira comprovou o sucesso de "La Casa de Papel", que se tornou a série de língua não-inglesa mais assistida na plataforma de streaming. O documento, no entanto, não apresentou números consolidados sobre a audiência da produção espanhola.
Dirigido por Álex Pina, o seriado acompanha um grupo de assaltantes reunido pelo Professor (Álvaro Monte), que lidera Berlim (Pedro Alonso), Tóquio (Úrsula Corberó), Nairóbi (Alba Flores), Rio (Miguel Herrán), Moscou (Paco Tous), Denver (Jaime Lorente), Oslo (Roberto García) e Helsinque (Darko Peric) na missão de levar 2,4 milhões de euros da Casa da Moeda da Espanha. A série estreou na TV espanhola em maio do ano passado e foi adicionada ao catálogo da Netflix em 25 de dezembro com uma nova edição e uma quantidade diferente de episódios.
"Estamos vendo mais exemplos de conteúdo de idioma não-inglês transcendendo fronteiras. Neste trimestre, 'La Casa de Papel', um thriller em espanhol, se tornou a série de língua não-inglesa mais assistida da Netflix de todos os tempos", diz o texto, que ressalta o investimento da empresa em produções internacionais. O relatório ainda diz que "O Mecanismo" está perto de se tornar a série original da Netflix mais vista no Brasil.

#VemTretaPorAí - Léo Dias detona Bruna Marquezine: “É uma nojenta”


Área VIP - Na tarde da última segunda-feira (16), o apresentador e colunista Léo Dias, causou em uma declaração dada sobre a atriz Bruna Marquezine, no programa “Fofocalizando”, no SBT.
Ao assistir uma matéria em que tentou abordar a atriz e foi ignorado, ele disparou as seguintes palavras: “Pra que tentar falar com ela? Ela não gosta da gente, não! Mas tudo bem, entrevistamos gente muito mais legal e talentosa do que ela”, iniciou Leo Dias sobre Bruna Marquezine. Logo depois, ele continuou: “Ela não é acessível, se sente superior. É uma nojenta”.


No fim da declaração, o colega e apresentador Leão Lobo concordou com a declaração de Léo Dias e acrescentou: “Ela tenta fazer uma princesa em ‘Deus Salve o Rei’ mas está péssima”.

Dona Ivone Lara é velada na quadra do Império Serrano


O corpo de Dona Ivone Lara é velado na quadra da escola de samba Império Serrano, na manhã desta terça-feira (17), em Madureira, Zona Norte do Rio. A sambista morreu na noite desta segunda-feira (16) por conta de um quadro de insuficiência cardiorrespiratória. Ela estava internada desde sexta-feira (13), data em que completou 96 anos, no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) da Coordenação de Emergência Regional (CER), no Leblon, na Zona Sul da cidade.


"Ao mesmo tempo que é um dia de muita tristeza, temos que celebrar essa carreira maravilhosa. Minha avó foi um ser de luz. Ela era muito humilde, às vezes não tinha noção dessa representatividade dela para a música e para o país. É muito orgulho para mim (ser neto)", diz André Lara.
Segundo ele, as composições inéditas da avó devem ser recuperadas. "Ela sempre compôs e teve muitos parceiros. São coisas que não foram gravadas, músicas que foram resgatadas e finalizamos. Se Deus quiser, vamos tirá-las do baú".


O sambista e amigo Marquinhos de Oswaldo Cruz, que comandou homenagem para Dona Ivone Lara no sábado (14), afirma que Dona Ivone fez história não só no samba. "Ela conseguiu ser a maior compositora da história do país, não só do samba. Do país, e sem perder a essência do morro. Ninguém queria entrar no palco depois dela no final dos anos 90. Ela levantava o povo", afirmou Marquinhos.


Alfredo Lara, filho de Dona Ivone, diz que ela precisou vencer barreiras até mesmo em casa. "Ela ia no samba mas não frequentava, meu pai ficava com ciúme. Quando viu que era a carreira que ela queria seguir, e que todo mundo elogiava, ele aceitou".
“Dona Ivone só tem coisa boa, ela nasceu para fazer sucesso. Uma grande amiga minha, parecia que era da família. Gravei 'Tiê', mas gosto de muitas outras: 'Sorriso Negro', 'Acreditar'. Ela tinha muita criatividade, dizem que muitas canções inéditas, tenho curiosidade de ver e com certeza vamos ver”, comentou Alcione.


O sepultamento do corpo de Dona Ivone Lara está marcado para as 16h30 no cemitério de Inhaúma, na Zona Norte.
Dona Ivone Lara já vinha apresentando um quadro de anemia e precisou receber doações de sangue. O estado de saúde dela já era considerado bastante grave. No hospital, a família comentou a morte da sambista.
"Ela estava sempre procurando um caderninho pra escrever uma música, estava sempre cantarolando pro neto. Até a última semana ela estava superbem, com a cabeça ótima. Ela estava muito fraquinha, mas a cabeça estava ótima", contou a nora Eliana Lara Martins da Costa.


Segundo o colunista Mauro Ferreira, Dona Ivone Lara morreu aos 96 anos e não aos 97 anos, como informam quase todas as fontes, pois nasceu em 1922, não em 1921. A data de 1921 foi forjada pela mãe da artista em 1932 para que ela pudesse ser admitida em colégio interno, cuja idade mínima para o ingresso era 11 anos.
O ano de 1921 passou a constar até nos documentos de Ivone, mas ela nasceu de fato em 13 de abril de 1922. Essa questão já foi esclarecida na biografia de Ivone.
Conhecida como a “Grande Dama do Samba”, ela nasceu em família de amantes da música popular e enfrentou o preconceito por ser mulher e sambista. Seu maior sucesso é “Sonho meu”, música que estourou nas paradas de sucesso com Maria Bethânia e Gal Costa.

Fonte: G1

Simaria, da dupla com Simone, está com anemia e tuberculose ganglionar


Revista Quem - Simaria Mendes, dupla de Simone, teve alta na tarde desta terça-feira (17) após ficar internada por cinco dias em um hospital em São Paulo. A cantora, que passou por uma bateria de exames, foi diagnosticada com anemia e tuberculose ganglionar.
"A paciente Simaria Mendes Rocha deu entrada no Hospital Sírio-Libanês no dia 12/04 com queixa clínica de emagrecimento, alterações gastrointestinais e estafa devido a agenda intensa de compromisso. Realizados exames laboratoriais que mostraram anemia e durante investigação específica ficou evidenciado aumento do gânglio supraclavicular à direita. Feita avaliação histopatológica que diagnosticou reativação de tuberculose ganglionar. A paciente recebeu alta hospitalar hoje, dia 17/04, e continuará tratamento em sua residência, sendo acompanhada pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho e pelo Prof. Dr. David Uip e deverá permanecer afastada do trabalho pelo período de 30 dias", informou a assessoria de imprensa da dupla.
Por conta do problema de saúde, ela não se apresentou com a irmã na 48ª Expoagro da Itapetininga, em São Paulo, no Recinto Acácio Moraes Terra, na última sexta-feira (13). Ela segue ausente do trabalho, que será realizado apenas pela irmã. "Simone segue cumprindo a agenda de shows normalmente e, em maio, as cantoras mantém as férias já programadas. Simaria agradece o carinho e compreensão de todos os fãs e, neste momento, irá dedicar os seus dias para cuidar da saúde."
No segundo semestre de 2016, Simaria passou por procedimento de saúde para tratar uma laringite e traqueite aguda. Ela se afastou dos palcos na ocasião por três dias.

“O Outro Lado do Paraíso”: Juvenal impede Renato de cortar orelha de Tomaz


RD1 - Por pouco Tomaz (Vítor Figueiredo) não será mutilado por Renato (Rafael Cardoso) durante o período em que será mantido refém do médico em “O Outro Lado do Paraíso”.
Conforme já adiantado pelo RD1, Renato decidirá cortar a orelha do garoto para pressionar Clara (Bianca Bin) a pagar o resgate que ele lhe exigiu. “Vou mandar uma coisa para a Clara se decidir mais depressa. Vou cortar a orelha do moleque“, avisa o vilão a Fabiana (Fernanda Rodrigues), na cena que encerra o episódio do dia 5 de maio.
Com “peninha” de Tomaz, Fabiana pedirá a Renato que dê ao menos uma anestesia no neto de Sophia (Marieta Severo) para que este não sofra tanto – mas tampouco fará muita questão de poupar o menino.
O ex-marido de Lívia (Grazi Massafera), então, se dirigirá com seu bisturi ao quarto onde Tomaz e Juvenal (Anderson di Rizzi) estão sendo mantidos reféns, ambos amarrados e amordaçados, e anunciará suas intenções de mutilar Tomaz. Este se desespera e Juvenal tenta intervir, implorando para que Renato não cometa tamanha agressão contra o garoto que até pouco tempo o chamava de pai.
No fim das contas, Renato só não comete a atrocidade que planejava porque, durante o bate-boca com o lapidador, recebe um telefonema de Clara avisando que já tem as barras de ouro que ele exigiu para devolver Tomaz.

'Eu era chamado de viado e minha irmã era a virgem do Brasil', diz Junior Lima

Jornal do Brasil - O cantor Junior Lima participou recentemente do canal no YouTube "Ilha de Barbados" para falar sobre exposição na mídia. Ele relembrou episódios da infância e falou sobre preservar a imagem do filho Otto, de seis meses.
"Eu comecei muito moleque, com seis anos de idade, e você vai dar entrevista... Sempre vem os repórteres com uma maldade, uma malícia que eu e minha irmã não tínhamos, e a gente pagou caro por isso muitas vezes", disse.
Questionado sobre o que teria acontecido, ele falou de "estigmas". "(Era chamado de) viado, minha irmã era a virgem do Brasil por causa de uma entrevista de vacilo, que você não viu a maldade no que a pessoa estava falando", contou.
Junior disse que foi escolha dele e da irmã viver de música e que os dois ficavam "azucrinando" os pais para que eles liberassem a ideia de poder trabalhar com música.
"Na época, eu acompanhava Balão Mágico, Trem da Alegria, e comecei a falar "criança também pode fazer isso'", lembrou. Ele disse que ver o pai saindo de casa arrumado para fazer shows o motivou e que, no dia a dia, o chamava de pai, mas, quando o via sair, chamava de Xororó.

Exposição
Junior publica poucas fotos em que o rosto do filho aparece e disse que só postou uma quando Otto tinha cinco dias de vida para "matar a curiosidade" das pessoas. "Agora, posto o mínimo possível. Tento preservar ele, porque ele não está escolhendo essa exposição. Quando ele puder escolher um pouco mais, eu vou poder dar meu parecer, minha opinião, mas é opção dele", afirmou.

Morre aos 96 anos a cantora Ivone Lara


A cantora e compositora de samba Dona Ivone Lara faleceu na noite desta segunda-feira (16), três dias depois de ter completado 96 anos e de ser internada por conta de um quadro de insuficiência respiratória e problemas com anemia. O estado de saúde da artista era considerado grave.
Yvonne Lara da Costa nasceu em 13 de abril de 1922, e não no ano anterior como é constado em seus documentos. O ano foi forjado por sua mãe, a costureira Emerentina, que queria colocá-la em um colégio interno cuja idade mínima era de 11 anos.

Ivone Lara em foto rara na infância (foto: Itaú Cultural)
Ivone Lara nos anos 1940 (foto: Itaú Cultural)
(foto: Itaú Cultural)
Ficou órfã de pai e mãe com apenas 12 anos, e passou a ser criada pelos tios, que assim como seus genitores, eram músicos. Foi através dessa convivência que aprendeu a cantar e tocar cavaquinho, além de ter escrito sua primeira canção, "Tié, Tiê", cuja inspiração foi um pássaro 'tiê-sangue', presente que ganhou dos também compositores Hélio e Fuleiro.
Tinha frequentes contatos com pessoas famosas quando ainda estava no anonimato, entre elas o maestro Heitor Villa-Lobos, cuja esposa, Lucília, era sua professora de música. Era formada em enfermagem, e quando trabalhava numa clínica psiquiátrica (vulgo hospício) do Engenho de Dentro, conheceu a Dra. Nise da Silveira, trabalhando com ela até 1977, ano em que se aposentou.

Ivone Lara em uma roda de médicos no Hospital Engenho de Dentro (foto: Itaú Cultural)
Ao longo de sua carreira, Ivone se apresentou em quase todos os continentes, além de ter lançado cerca de 15 discos e 2 DVDs, composto e interpretado letras famosas como "Sonho Meu", "Acreditar", "Alguém me Avisou", "Sorriso Negro", "Juízo Final" e "Festa Animada" (tema do especial do Sítio do Pica-Pau Amarelo, transmitido em 1982).

A cantora, em foto dos anos 1980, posa com os integrantes do grupo Fundo de Quintal (foto: Itaú Cultural)
Com a cantora Beth Carvalho (foto: Buteco do Edu)
Ao lado das também sambistas Gisa Nogueira e Leci Brandão (foto: Funarte)
Dona Ivone Lara no carnaval carioca de 1985 (foto: Extra)
Ivone Lara em foto mais recente (foto: UOL)
Amou e casou somente uma vez. Seu marido, Oscar Costa, era filho do presidente da Escola de Samba Prazer da Serrinha, e morreu vítima de infarto fulminante em 1975, abalado com a notícia de que o filho mais velho, o também falecido Odir, acabara de sofrer um acidente automobilístico.

O marido, Oscar Costa, e os filhos, Odir e Alfredo, que tinham respectivamente
três e dois anos (foto: Itaú Cultural)
Ivone deixa o filho caçula, Alfredo Lara da Costa, e três netos. Seu corpo será velado hoje (17) na quadra da escola de samba Império Serrano, e o enterro amanhã, às 16h30, no Cemitério de Inhaúma, zona norte do Rio.