segunda-feira, 8 de outubro de 2018

SBT define destino de Mara Maravilha após saída polêmica do 'Fofocalizando​'


Caras - Há pouco menos de dois meses, Mara Maravilha surpreendeu ao ser tirada, repentinamente, do Fofocalizando no SBT.
Desde então, a web começou a especular qual seria o destino da apresentadora na emissora e nesta segunda-feira, 8, o mistério foi solucionado!
A cantora gospel ganhou um novo papel de Silvio Santos e assumirá a bancada de jurados do quadro Dez ou Mil no Programa do Ratinho ao lado de Arnaldo Saccomani, Décio Piccinini e Leão Lobo -- ex-colegas da atração de fofocas, Lola Melnick e Pedro Manso.
Dez ou Mil é uma competição divertida entre calouros, exibida semanalmente, que promete alegrar as noites dos telespectadores.
Logo após sua retirada do programa ao vivo do SBT, internautas cogitaram que a apresentadora seria chamada para fazer parte do elenco de A Fazenda 10, mas logo a informação foi desmentida pela própria Mara. Desde 17 de agosto seu futuro na emissora ainda era uma incógnita bastante discutida pelos internautas nas redes sociais.

Bolsonaro erra nome do vice no Jornal Nacional



Revista Fórum - Durante entrevista que concedeu ao Jornal Nacional nesta segunda-feira (8), o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) errou o nome de seu vice ao vivo. Em uma de suas respostas, o candidato teve que justificar algumas falas do General Mourão (PRTB) sobre a Constituição. Ao citar seu vice, o militar se confundiu e o chamou de “Augusto”, quando seu nome é Hamilton.
“O presidente será o senhor Jair Bolsonaro. Quem nos auxiliará, sim, o General Augusto Mourão. E ele… Hamilton Mourão. E ele sabe muito bem da responsabilidade que tem”, disse, confuso.

Em primeiro lugar no Rio, Witzel diz que não é 'um aventureiro'

Jornal do Brasil - Em primeiro lugar no Rio, o até então desconhecido Wilson Witzel (PSC) disse nesta segunda-feira (8) que não é um aventureiro, e que o alinhamento programático com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) e a presença nas ruas em agendas de campanha com Flávio Bolsonaro (PSL), filho mais velho dele e eleito senador, foram importantes para ele chegar à marca de 3 milhões de votos.
Em sua primeira disputa eleitoral, o ex-juiz federal desbancou Eduardo Paes (DEM), ex-prefeito da capital, que liderava todas as pesquisas. "Há uma identidade (com Bolsonaro). Nós estamos falando aquilo que a população quer ouvir", disse Witzel, na manhã desta segunda-feira, 8, na Central do Brasil.


O candidato afirmou não ser necessário que Bolsonaro suba em seu palanque para ganhar no segundo turno. "A questão não é ele vir para o meu palanque. É a questão das propostas. Outros candidatos falaram que iam votar em Jair Bolsonaro e tiveram votação pífia. Mas evidentemente estar ao lado do Flávio Bolsonaro mostrou à população um alinhamento ainda maior", afirmou Witzel.
"As propostas dele e as minhas estão alinhadas tanto na questão da saúde e da educação, quanto da segurança pública, no tocante à lavagem de dinheiro, à investigação. E também em relação ao melhor patrulhamento das áreas federais, para que não entrem armas e drogas. Existe uma pauta que é mais conservadora em relação ao direito penal, que hoje está no programa do Bolsonaro. A pauta econômica também, que agrada aos setores empresariais. Há uma identidade", continuou.
Witzel afirmou que sempre acreditou que estaria bem colocado no primeiro turno, apesar do que mostravam as pesquisas. Ele começou a corrida quase sem pontuar nas sondagens, mas na última, no sábado, estava em segundo lugar. "Eu esperava (a boa votação). As pesquisas não estão sendo realizadas adequadamente. Eu estava nas ruas e via o maciço apoio da população. Eu não fui surpreendido. Já dizia que podíamos vencer no primeiro turno. Muitos não acreditavam, mas eu acreditava. Por isso deixei de ser juiz federal para ser candidato. Porque sei que as pessoas querem alguém com capacidade intelectual, que apresente soluções diferentes do que temos hoje."
Nesta segunda etapa, ele pretende ir mais para o interior do Estado, Região dos Lagos, Região Serrana, Norte Fluminense e Sul Fluminense. "A estratégia é estar mais presente. Mostrar que nossas propostas são mais técnicas e coerentes e apresentam mudança considerável no modelo econômico. O que temos hoje, de concessões de 25 anos, é ruim, não atrai capital próprio".
O candidato rechaçou a pecha de desconhecido - "tem que perguntar isso para 3,1 milhões de pessoas" - e afirmou que está na frente porque os eleitores querem alguém com "um passado limpo".

#TBM - Relembrem "Never Let Me Go [Kelly G Bump-N-Go Vocal Mix]", de Tina Moore


Never Let Me Go é o nome do single lançado pela cantora estadunidense Tina Moore para seu álbum autointitulado. A versão original saiu em 1995, porém, o remix de Kelly G, de dois anos depois, foi o mais famoso. Alcançou a posição #1 nas paradas britânicas, além de ter sido a sétima mais tocada na Escócia e a vigésima-terceira no Eurochart Hot 100, que afere a Europa inteira.

#AFazenda - Luane Dias relembra passado infeliz de estudante


Durante uma conversa com Léo Stronda e João Zoli, a confinada, conhecida nacionalmente por participar do programa 'Esquenta!', relembrou a época em que era estudante de ensino médio e assumiu não ser chegada ao ambiente escolar. Luane Dias bancava a ladra quase todos os dias por não estar à fim de comprar os materiais escolares. "Eu roubava as coisas dos outros, roubava os materiais todos. Eu ia fazer o que? Comprar? Eu ia e pegava dos outros mesmo. Escolhia e falava 'Quero essa caneta, agora é minha. Se vira aí e me dá'. Eu era terrível, pegava tudo porque eu queria mesmo, minha mãe ficava louca comigo".
Luane lembra ainda que sempre chamava a atenção na sala de aula e praticamente obrigava os professores a aprová-la todos os anos. "Eu nem sei se terminei o Ensino Médio. Eu fui para as férias e nunca mais voltei, sei lá se me formei. Os professores não me aguentavam mais lá dentro, certeza que me passaram, para não me ver mais".
As informações são do site Terra.

Mestre de capoeira é morto a facadas após discussão política em Salvador

Jornal do Brasil - O mestre de capoeira e compositor Romualdo Rosário da Costa, 63 anos, conhecido como Moa do Katendê, foi morto a facadas na noite de ontem (7), após dizer que tinha votado no candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, em Salvador. Germínio do Amor Divino Pereira, 51 anos, parente do mestre de capoeira, também foi atingido e está no Hospital Geral do Estado (HGE) com ferimento no braço.
O autor do crime, Paulo Sérgio Ferreira de Santana, 36 anos, confessou o assassinato e alegou discussão política como motivação. Ele seria eleitor de Jair Bolsonaro.

Mestre Moa
Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, Paulo chegou em um bar, na localidade do Dique Pequeno, bairro do Engenho Velho de Brotas, e se envolveu em uma discussão com Moa do Katendê. “Após desentendimento, o autor da agressão saiu do estabelecimento, buscou uma arma branca, na sua residência, e retornou ao bar. No local, Paulo deu facadas, nas costas de Romualdo, que estava sentado, e um golpe com a mesma arma branca, no braço de Germínio”, diz a nota da secretaria.
Moa do Katendê morreu no local. No Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Paulo Sérgio disse que foi xingado e que estava consumindo bebida alcoólica desde o início da manhã de domingo. Em depoimento, ele confessou estar arrependido.
O caso está sob responsabilidade da delegada do DHPP, Milena Calmon, que ouvirá outras testemunhas para esclarecer o episódio.

(Com Agência Brasil)

Ex-atriz mirim da Globo anuncia gravidez do primeiro filho


RD1 - Lembra da atriz Tatyane Goulart? Ela começou na TV aos 7 anos de idade na novela “Felicidade”, da Globo, e, agora, aos 34 anos, anunciou nas redes sociais que a família vai aumentar.
A ex-atriz mirim está grávida da sua primeira filha. De biquíni, na piscina, mostrando a barriguinha de grávida, ela divulgou a gestação, de quatro meses.
Tatyane está afastada da TV há quase cinco anos. Na Globo, sua última aparição foi na série “Cinquentinha”, de Aguinaldo Silva, em 2009. Depois, em 2013, a atriz atuou em uma na teledramaturgia da Record.
Após estrear em “Felicidade”, um dos papéis de destaque da atriz foi em “Quatro por quatro”, como a filha do personagem de Humberto Martins. Agora, Goulart se dedica à dublagem.

Bolsonaro e Haddad vão disputar o segundo turno


As urnas apuradas em todo o Brasil mostram que Jair Bolsonaro e Haddad foram os mais votados. O primeiro, que disputa pelo PSL (Partido Social Liberal), conseguiu 46% dos votos, o equivalente a 49 milhões de brasileiros. Já Haddad, do PT (Partido dos 'Trabalhadores'), foi escolhido por 31 milhões, o equivalente à 29%. Os dois, portanto, passarão a disputar o segundo turno, já que o vencedor não obteve mais de 50% de votos.
Os dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostram que Ciro Gomes ficou em terceiro lugar com 13%, o equivalente à 13 milhões de eleitores. Os outros candidatos mais comentados na TV, Geraldo Alckmin e Marina Silva, ficaram, respectivamente, em quarto e oitavo lugar, com 5% e 1%.
A região Nordeste foi decisiva na garantia de haver um segundo turno, pois Fernando Haddad liderou o primeiro turno de oito estados, com exceção do Ceará, que teve Ciro Gomes à frente com 41% dos votos. Já as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste optaram por Jair Bolsonaro, assim como seis estados do Norte, com exceção do Pará, que escolheu Haddad para representar o país.
O segundo turno está agendado para o dia 28 deste mês, das 8hrs até as 17hrs.