segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Arthur Aguiar relembra momentos de pânico em assalto no Rio


Contigo! - O ator Arthur Aguiar veio à público para relembrar os momentos de tensão que viveu ao lado de sua mulher, Mayra Cardi, e da filha, Sophia, no Rio de Janeiro. A família foi abordada por assaltantes que levaram o carro deles.
Nesta segunda-feira (21), o artista usou as redes sociais para comentar as notícias e desmentir uma informação. Ele afirmou que os assaltantes não tentaram sequestrar Mayra e Sophia.
“Queria esclarecer que de fato houve o assalto, obviamente não é legal. Mas não houve nada de tentativa de sequestro. O que aconteceu é que a Sophia estava no banco de trás com a Mayra, que estava dando de mamá para ela, e eu demorei um tempo para conseguir tirá-las do carro. Foi muito ruim, não teve a tentativa de sequestro, o que aconteceu foi só a demora para tirá-las do carro. Obviamente, a única coisa que eu queria fazer era tirá-las de lá e graças a Deus eu consegui”, afirmou ele.
O ator ainda falou sobre como estão. “Eu estou bem, está todo mundo bem. Muito obrigada pelas mensagens que mandaram. Me senti super cuidado. Eu precisei de alguns dias para ficar um pouco off. Eu consegui recuperar o carro, está tudo bem e isso que importa”.

Após elogio, Marília Mendoça fala sobre possível relacionamento com Neymar


CARAS - Marília Mendoça não perde nenhuma oportunidade!
A web não deixa passar nada despercebido e o comentário do jogador, Neymar Jr., na foto da cantora não foi diferente. "Sou fã. Gata demais", disparou Ney com um emoji de carinha de apaixonado. Não demorou muito para que suas palavras criassem o boato sobre um possível namoro entre os dois.
Sempre descontraída em sua conta do Twiter, a cantora decidiu entrar na brincadeira e compartilhou o print de uma nota que falava sobre o novo casal nesta segunda-feira, 21. "Meu deus", escreveu ela com uma risada sem fim.
O craque e a sertanejam ganharam até três opções de nomes do ship. "Marimar, Neymari, Mariney", escreveu uma internauta.

Crítica: Justiceiro começa bem, mas derrapa em sua 2ª temporada na Netflix


TecMundo - Quando o Justiceiro apareceu na segunda temporada de “Demolidor”, havia um projeto da Netflix ser um casa para os heróis de rua do Marvel Studios e o anti-herói deixou um boa impressão — além do potencial para virar uma série própria. E isso aconteceu, com um ano de estreia cheio de altos e baixos, mas bastante promissor.
Uma continuação era uma questão de tempo. Ela veio um pouco “atrasada”, após a broxante decisão da Netflix de desistir de “Punho de Ferro”, “Luke Cage” e “Demolidor”, deixando “Jessica Jones” e “Justiceiro” com um futuro bastante incerto no serviço de streaming.


Mesmo assim, o segundo ano chegou com a promessa de mais uma boa encarnação na pele de Jon Bernthal. E isso aconteceu, com um começo alucinante. Mas… A coisa toda desandou lá no final. Confira abaixo os destaques.

Uma pitada de faroeste
Bem, como sabemos, ao final da primeira temporada, seu grande amigo de Forças Armadas, Billy Russo (Ben Barnes), revela-se como o assassino da família de Castle. A vingança é servida de forma brutal e Russo fica com o rosto todo desfigurado, o que o deixa próximo de sua contraparte de papel, o vilão Retalho.
Eis que entra em cena a psiquiatra Krista Dumont (Floriana Lima), que trata do rapaz, agora todo desmemoriado e preso à uma cama de hospital, com uma máscara à la “Manhunt”. Enquanto ele tem pesadelos com uma certa caveira, aos poucos vai se lembrando do que aconteceu — diga-se de passagem, nessa série ninguém dorme direito.


Já Castle vive como um herói anônimo de faroeste, pulando de cidade em cidade meio sem propósito, sob a alcunha de Pete Castiglione. Quando pensa que as coisas estão melhorando, ao conhecer a bela bartender Beth (Alexa Davalos), entra em cena a jovem Rachel/Amy (Giorgia Whigham), que se mete em encrencas com um padre barra-pesada chamado de John Pilgrim (Josh Stewart), envolvido com a máfia russa.

Jon Bernthal realmente assumiu o posto de Frank Castle
Hugh Jackman, Robert Downey Jr., Ryan Reynolds, Jason Momoa… Todos esses atores mostraram que quando você assume personagens tão queridos como sua segundo pele, a história naturalmente vai favorecer suas atuações e os fãs vão seguir. Jon Bernthal se tornou Frank Castle, criou uma voz e movimentos para ele — todas as cenas de ação são feitas por ele mesmo.
A ferocidade e os combates, muito bem coreografados e cheios de impacto, são o ponto alto da série. Ver o Justiceiro se tornando o anti-herói que conhecemos dos quadrinhos é lindo, com direito à toda ultraviolência (propositalmente banalizada) que vem nesse pacote. Tudo o que você pensa ao vê-lo enchendo geral de porrada é: “ainda bem que ele está do nosso lado”.


Um dos melhores episódios, senão o melhor, é o que ele mostra toda sua habilidade em uma homenagem ao clássico “Assalto à 13ª DP”, de John Carpenter, que gira em torno de grupos em conflito em uma delegacia de polícia.

Boas referências dos quadrinhos
Quem acompanha as revistas, sabe que os melhores momentos do Justiceiro estiveram nas mãos dos roteiristas Chuck Dixon e Garth Ennis — sim, ele também foi bem tratado pelo seu criador, Gerry Conway, e por nomes como Howard Mackie e Jason Aaron. A boa notícia para quem vai ver essa segunda temporada é que há bastante influência dos quadrinhos.
Aqui, Castle está menos impulsivo (nem tanto, ok) e mais metódico, mais preparado para o combate, com o Justiceiro de Dixon em suas guerras contra gangues em Nova York. Aliás, a maneira como ele manipula o submundo, pensa como os vilões, mas age como anti-herói é uma dessas características.


De Ennis, a atração empresta todo o pano de fundo militar e personagens como Curtis Hoyle (Jason R. Moore), que também serviu como Russo ao seu lado. O vilão Pilgrim, uma espécie de “padre pistoleiro” (alguém aí também se lembrou de “Preacher”?) é algo também bem comum nas tramas criadas pelo roteirista irlandês.

Mudança de antagonista atrapalhou um pouco
Se Curtis e Rachel/Amy foram bem no apoio a Castle, o mesmo não se pode dizer da agente especial Madani (Amber Rose Revah). Tanto sua parte na trama quanto sua atuação ficaram abaixo da média e o antagonismo com a psiquiatra Dumont e Russo — que todos esperavam ser mais oponente de Castle do que de Madani — deixou a trama um pouco arrastada e até mesmo um pouco perdida antes dos capítulos finais.
Por conta disso, a conclusão se diluiu em mais capítulos do que deveria e até mesmo a bem-vinda aparição de Karen Page (Deborah Ann Woll) ficou um pouco ofuscada. Aliás, a falta de contato com o Universo Cinematográfico Marvel ou até mesmo com os outros heróis de rua da Netflix pode desapontar quem gostaria de ver o Justiceiro mais integrado às outras histórias e personagens.

Vale a pena?
Os quatro episódios iniciais são muito bons e daí em diante a série oscila um pouco, com um final que deve dividir opiniões. Todos os assuntos que tornam essa versão tridimensional e verossímil do Justiceiro bastante interessante, acabam se resolvendo de uma forma mais simplista e preguiçosa.
Os temas como morte/vida, fundamentalismo religioso, extremismo, violência, ética e moral, que arranham os subtextos de vários personagens, acabam ficando na superfície, sem o aprofundamento que parecia estar sendo construído. Para ter uma ideia, até mesmo o plot inicial com Beth (lembra da bartender?) é completamente esquecido, sem mais nem menos.


A cena final chega a lembrar um filme dos anos 80 e das encarnações de Dolph Lundgren ou Thomas Jane. Ou seja, se você é fã do personagem e gostou da primeira temporada, vale ver até o final, mas não exatamente pelo que ele entrega — e sim pelo caminho construído até ele.

Globo volta atrás e decide investir no ''Vídeo Show''


CARAS - Menos de um mês depois do fim do Vídeo Show, a TV Globo decidiu voltar com o tradicional programa e investir novamente na atração que ficou mais de 30 anos no ar.
De acordo com informações do colunista Flávio Ricco, do portal UOL, a alta cúpula da emissora estuda retornar com a atração em um formato diferenciado. A ideia é lançar a revista eletrônica na versão web, com conteúdos exclusivos e interativos.
Nos bastidores do canal, a estratégia de ressucitar o Vídeo Show foi bem vista pelos executivos e pelo elenco da casa, que sempre era prestigiado pelo programa que nos últimos tempos, passou por uma série de alterações visando alavancar a sua audiência.
Mesmo sendo queridinha por parte do público, a atração não reagia mais no Ibope e perdia constantemente a liderança paraA Hora da Venenosa, da TV Record, e até para o Fofocalizando, do SBT.

Michel Teló comemora 38 anos no palco e ganha bolo surpresa dos filhos e de Thais Fersoza


Contigo! - A duplinha Melinda e Teodoro encantou os fãs ao acompanharem uma apresentação do musical Bem Sertanejo, estrelado pelo pai.
Na plateia, os dois acompanharam com atenção a perfomance de Michel Teló. Ao fim, a mamãe Thais Fersoza subiu ao palco com um bolo, tudo para comemorar os 38 anos do maridão.
No último sábado, ela já havia acompanhado a apresentação. Ela ficou agarradinha ao amado nos bastidores enquanto ele não se apresentava. Escondidinhos, eles aproveitaram para namorar. "Olha só o que acontece nos bastidores", disse ela que ganhou um beijão do marido. "Eu nem canto, fico só curtindo", completou toda boba ao ver o sorrisão do eleito.



Comprador de imóvel de Flávio Bolsonaro confirma ter pago parte em dinheiro

Jornal do Brasil - O ex-jogador de vôlei de praia Fábio Guerra afirmou nesta segunda-feira, 21, que pagou cerca de R$ 100 mil em dinheiro ao senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) pela compra de um apartamento na zona sul do Rio de Janeiro, em 2017.
A declaração de Guerra corrobora a versão dada por Flávio Bolsonaro neste domingo, 20, para os 48 depósitos de R$ 2 mil feitos em sua própria conta entre junho e julho de 2017 em um caixa eletrônico da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).


A movimentação foi considerada atípica pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), cujo relatório foi anexado ao inquérito que investiga suspeita de prática de lavagem de dinheiro ou "ocultação de bens, direitos e valores" no gabinete do deputado estadual Flávio Bolsonaro na Alerj.
Em entrevista às emissoras de TV Record e Rede TV, Flávio afirmou que recebeu "em cash" os R$ 96 mil que ele mesmo depositou em sua conta como parte do pagamento de um imóvel que vendeu por R$ 2,4 milhões na capital fluminense.
Segundo Flávio Bolsonaro, ele havia comprado o mesmo imóvel da construtora PDG ainda na planta por um valor um pouco superior a R$ 1 milhão. A quantia, de acordo com ele, foi financiada pela Caixa Econômica Federal.
Reportagem da TV Globo mostrou que um outro trecho do relatório do Coaf destacou como movimentação atípica na conta de Flávio Bolsonaro a compra de um título da Caixa no valor de R$ 1.016.839,00.
O senador eleito afirmou que decidiu vender o imóvel porque a entrega dele atrasou. Ele enfatizou que a compra ocorreu com recursos lícitos obtidos com a sua atuação empresarial - ele é sócio de uma loja de chocolate em um shopping na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, e tem salas comerciais alugadas na capital.
À reportagem, o comprador do imóvel de Flávio Bolsonaro confirmou ter pago cerca de R$ 100 mil em dinheiro pelo apartamento, mas não deu mais detalhes da transação. Ele disse ter ido ao banco nesta segunda-feira para obter os extratos da compra do imóvel. O advogado do ex-jogador de vôlei de praia deve emitir uma nota à imprensa com mais informações sobre o caso.

Investigação
Os dados do Coaf integram uma investigação do Ministério Público do Rio sobre a suspeita de prática de lavagem de dinheiro ou "ocultação de bens, direitos e valores" no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, iniciada há seis meses. Entre os alvos está o ex-assessor Fabrício Queiroz, que movimentou R$ 1,2 milhão em transações suspeitas entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, como revelou o jornal O Estado de S. Paulo em dezembro.
Neste domingo, o jornal O Globo mostrou que um relatório do Coaf apontou que as movimentações financeiras nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Alerj, atingiram R$ 7 milhões entre os anos de 2014 e 2017.
À TV Record, Flávio disse que Queiroz apresentou uma "explicação plausível" logo após a divulgação dos dados e que espera que seu ex-assessor esclareça logo o assunto às autoridades.
Segundo reportagem da TV Globo, após análise do relatório de inteligência financeira (RIF) das movimentações bancárias de Queiroz, o MP do Rio pediu o novo relatório ao Coaf sobre as contas de Flávio Bolsonaro em 14 de dezembro e foi atendido no dia 17, um dia antes do deputado estadual ser diplomado senador. Portanto, segundo o MP, ele não tinha foro privilegiado na ocasião.
Após saber da existência desse relatório sobre sua movimentação financeira, Flávio Bolsonaro pediu a suspensão da investigação ao Supremo Tribunal Federal (STF), alegando que o MP do Rio não tinha competência para investigá-lo porque ele já tinha prerrogativa de foro com a diplomação como senador. O pedido foi atendido pelo ministro Luiz Fux. Agora, cabe ao ministro Marco Aurélio Mello, relator do processo no Supremo, analisar o caso depois que o tribunal retomar as suas atividades, em 1.º de fevereiro.
Na entrevista exibida neste domingo, Flávio Bolsonaro disse que não acionou o STF querendo foro privilegiado, mas apenas saber de quem é a competência para investigar o caso.
"Não pedi foro privilegiado ao STF. O que fiz foi uma reclamação, que é o remédio jurídico correto, para perguntar ao Supremo Tribunal Federal, obedecendo a uma decisão do próprio STF, que lá atrás decidiu sobre o foro e tem uma vírgula que diz assim: caso a caso o Supremo Tribunal Federal dirá qual é o foro competente. Se é o Rio de Janeiro, o MP do Rio, ou se é Brasília, o MP Federal. Então, a decisão que o Supremo vai tomar é para onde é que tenho que prestar os esclarecimentos", afirmou Flávio Bolsonaro. "Não tenho nada para esconder de ninguém. Tem origem. Não tem origem ilícita", afirmou.

Jorge, da dupla com Mateus, se separa após sete anos de casamento

Metrópole FM - Chegou ao fim o casamento de sete ano dos sertanejo Jorge, da dupla com Mateus, e a designer de moda Ina Freitas. A decisão do fim do casamento estava sendo pensada desde o fim do ano passado.
Rumores indicam que o relacionamento dos dois já estava em crise há alguns meses. Juntos, eles tiveram o pequeno Davi, atualmente com um ano de idade.


Jorge e Ina se casaram em 2011, numa cerimônia de luxo na fazenda Grota Funda, em Nazário, Goiás. Tanto o sertanejo quanto a designer não se pronunciaram sobre o caso.

Fim do Jorge & Mateus? Nada disso!
Nas últimas semanas, as redes sociais foram tomadas por uma suposta separação de Jorge & Mateus, após um desentendimento nos bastidores de um show. Mesmo após Jorge ter se pronunciado oficialmente, a dupla resolveu comentar o caso mais uma vez.
Tudo aconteceu enquanto eles estavam no palco de um show em São Vicente, em São Paulo. “Tem gente que fala que a gente não conversa, mas deixa eu falar uma coisa pra vocês: dupla não é que nem marido e mulher que anda de mão dada não, viu?”, avisou Jorge. “A gente não dorme junto, graças a Deus”, completou.


“O pessoal acha que a gente tem que dormir juntos, sabe? Aí a gente foi fazer um show em Salvador, no domingo retrasado, eu subi por um elevador, ele subiu pelo outro. Aí alguém falou: ‘ih, estão separados, subiram em elevadores diferentes’. “É que o elevador não aguenta o nosso peso”, brincou Mateus. Leia mais.

Charlie Brown Jr | Guitarrista critica anúncio de volta da banda

Omelete - O guitarrista do Charlie Brown Jr., Thiago Castanho, se pronunciou nas redes sobre o show da banda que acontecerá no aniversário de São Paulo. A apresentação, anunciada como "reunião" da banda, envolverá integrantes antigos do grupo e diversos convidados especiais (saiba mais).
Após os primeiros rumores indicarem que a ausência de Castanho fosse por causa de problemas de saúde, o guitarrista esclareceu que não teve interesse em participar do evento. Em um vídeo no Instagram, o músico disse: "O Charlie Brown Jr não vai voltar porque Charlie Brown Jr. sem Chorão não existe, e eu não estou doente". Confira:

Castanho fez parte do Charlie Brown Jr. pela maior parte da existência do grupo, tendo gravado os três primeiros discos e saído da banda em 2001, antes de retornar em 2005 e permanecer até o encerramento das atividades.
O show em São Paulo abre a turnê comemorativa “Tamo Aí na Atividade – Apresenta Charlie Brown Jr” com apresentações previstas em diversas cidades brasileiras a partir de abril.
Chorão morreu em 2013, vítima de overdose de cocaína. No mesmo ano, Champignon cometeu suicídio e o Charlie Brown Jr encerrou suas atividades.

Trump e 'Gotti', de John Travolta, são indicados ao Framboesa de Ouro de piores filmes

Estadão - O filme de máfia Gotti, de John Travolta, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foram indicados nesta segunda-feira, 21, para o Prêmio Framboesa de Ouro, que reconhecerá os piores filmes de 2018, após um ano que organizadores chamaram de desastroso - tanto na frente como atrás das câmeras.
A nova comédia sobre Sherlock Holmes Holmes & Watson ganhou seis indicações, incluindo para seus protagonistas Will Ferrell e John C. Reilly, que foram destacados por “estragar dois dos personagens mais amados da literatura”.

'Gotti', de John Travolta, é um dos indicados ao Framboesa de Ouro, premiação que elege os piores filmes do ano
A premiação Framboesa de Ouro, criada em 1980, é o oposto da cerimônia do Oscar. Os indicados foram anunciados um dia antes das nomeações dos prêmios da Academia - a maior honra da indústria cinematográfica.
“Com um mercado de ações cambaleante, um possível impeachment iminente do presidente, violentos incêndios florestais, enchentes devastadoras, ataques a tiros e um rosário de pragas que chegaram a proporções quase bíblicas, 2018 foi um ano cheio de desastres”, disse o fundador do Framboesa de Ouro, John Wilson, em comunicado.
“E, então, houve os filmes do ano passado”, acrescentou.
Trump foi indicado duas vezes na categoria de pior ator por aparecer como ele mesmo nos documentários de 2018 Death of a Nation, do cineasta conservador Dinesh D’Souza, e Fahrenheit 11/9, do progressista Michael Moore.
Gotti, sobre o falecido chefe da máfia de Nova York John Gotti, arrecadou apenas 4,3 milhões de dólares na bilheteria norte-americana e ganhou seis indicações, incluindo de pior filme, roteiro, ator e “pior combinação na tela” para os protagonistas Travolta e sua mulher, Kelly Preston.

Após repercussão de polêmica, Ludmilla cancela participação em show de Nego do Borel e cantor se pronuncia


Hugo Gloss - Após as vaias que recebeu no “Bloco das Poderosas”, de Anitta, e de toda a polêmica envolvendo os comentários transfóbicos que fez no Instagram a respeito de Luisa Marilac, Nego do Borel voltou a se desculpar nas redes sociais. Nesta segunda-feira (21), ele publicou uma série de vídeos no Stories pedindo perdão pelo ocorrido.
“Estou aqui mais uma vez para me desculpar pelo comentário que fiz para a Luisa. Eu acho que brinquei com uma coisa muito séria, que eu não sabia o quanto era importante. Hoje eu sei, hoje estou aprendendo, já vivi muito preconceito, sabe? Está doendo muito dentro de mim eu ter que abrir meus comentários e ver as pessoas falando que sou transfóbio, homofóbico, um lixo que devia voltar para o buraco da onde eu vim“, começou Nego.
E ele continuou: “Eu realmente errei muito. Eu não sabia o quanto isso era importante, não tinha entendimento, então, fiz um comentário achando que seria engraçado, seria legal e está acontecendo o que está acontecendo. Cada dia eu olho mais a internet e procuro… Eu entendo como o quanto é importante a área LGBT, a galera LGBT, a história deles, muitas pessoas já morreram por isso, muitas pessoas podem morrer por isso, é muito sério“.


Para quem não sabe, a polêmica começou quando Luisa Marilac, que ficou famosa pelo bordão “e teve boatos de que eu ainda estava na pior”, comentou em uma foto do funkeiro de sunga na praia. “A cada dia que passa você está mais gato, homem“, escreveu ela. Nego do Borel respondeu: “Você é um homem gato também, parabéns. Deve estar cheio de gatas!“.
Hoje, a voz de “Me Solta” voltou a reconhecer seu erro. “Me perdoa, estou pedindo desculpas, sou um ser humano. Eu acho que todo ser humano erra e merece perdão. Às vezes minha mãe está vendo televisão e ela vê que estão me vaiando, me chamando de transfóbico, homofóbico e não é isso que eu quero, não é isso que eu sou, mas eu entendo a galera que está chateada porque é muito sério o que está acontecendo“, afirmou.
“Quero agradecer a vocês também por me ensinarem, vocês estão sendo meus professores. Estou aprendendo muito com isso tudo. E não sou só eu, mas muitas pessoas estão vendo essa repercussão e aprendendo também. Estamos criando um respeito também que tinha, mas não tinha“, completou Nego.
Em meio à repercussão do bapho, mais um convidado cancelou sua participação no novo DVD do cantor. Depois de Luísa Sonza, Ludmilla também optou por não se apresentar na gravação que está marcada para o dia 29 de janeiro, no Rio. No Stories, o funkeiro ainda falou sobre a desistência delas. “Queria agradecer também, do fundo do meu coração, às minhas irmãs Ludmila, Luísa, que não vão poder participar do meu DVD, mas eu super entendo, supertranquilo“, disse. Assista abaixo:


Procurada pelo hugogloss.com, a assessoria de Nego do Borel confirmou a saída das cantoras do show e informou que outros artistas devem ser convidados para substituí-las. E a assessoria de Lud respondeu: “Como já noticiado pelo próprio Nego do Borel, a assessoria de imprensa de Ludmilla confirma que a mesma não fará mais parte da gravação do DVD do cantor“.
Nesta segunda (21), em vídeo divulgado no canal de Matheus Mazzafera no Youtube, Luísa Sonza confirmou que o motivo de ter cancelado o “feat” com Nego foi por conta do comentário a respeito de Marilac. “Porque obviamente eu não concordo com algumas atitudes que ele teve e isso não é de acordo com meus ideais e minhas ideias… É, pelo que aconteceu com a Luisa [Marilac]. Ele reconheceu [o erro] e acho que isso vai ele a rever e a entender que isso é um assunto sério. Eu tento ser sempre muito transparente e gosto de ter coerência nas minhas nas minhas ideias“, disse a voz de “Devagarinho”. Assista abaixo (a partir de 4:26):


Como falamos aqui, o cantor foi vaiado ao subir ao palco de Anitta no “Bloco das Poderosas” ontem, na capital carioca. Para defendê-lo, a anfitriã parou a festa para afirmar que não o abandonaria: “Eu jamais vou virar as costas para um amigo meu. O que posso fazer como amiga é instruir as pessoas das cosas que elas não sabem”. Hoje, Anitta usou seu Stories para se pronunciar sobre o assunto. Dizendo que não tinha noção das últimas ações de Nego do Borel, a estrela afirmou que não concordava com o amigo em muitas coisas, mas não tinha o costume de dar as costas para pessoas próximas. Clica aqui para ver o que ela disse.