sábado, 9 de março de 2019

Fábio Assunção bebe Santo Daime em tribo indígena


RD1 - Não é novidade que o ator Fábio Assunção vive uma intensa luta contra a dependência química. Há pouco tempo, ele foi exposto nas redes sociais passando por mais uma crise e recebeu apoio dos fãs e colegas de profissão; a situação, como se sabe, é delicada.
Disposto a reverter o cenário, Fábio foi a uma aldeia indígena, a 362 quilômetros de Rio Branco, no Acre, buscar novas experiências. Segundo o jornal “Extra”, o ator participou de rituais com banho de ervas medicinais para limpar o corpo.
O famoso chá de ayahuasca também foi ingerido por Fábio. A bebida, produzida por plantas amazônicas, é popularmente conhecida como Santo Daime. Alguns registros íntimos do ator na aldeia caíram nas redes sociais. Ele aparece todo vestido de branco.
Carlos Brandão, cacique da tribo, garantiu a bondade de Fábio. “Em nenhum momento ele demonstrou tristeza. Era só alegria, principalmente com as crianças. É uma pessoa afável, amiga, humilde e de bom coração“, afirmou.

Ator da série Empire é denunciado por forjar ataque racista


UAI - Um grande júri de Chicago denunciou o ator norte-americano Jussie Smollett por 16 crimes, após ser acusado pela polícia local de organizar um ataque racista e homofóbico contra si mesmo porque estava insatisfeito com o salário na série de TV Empire, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (08).
Os detalhes da denúncia apresentada contra o ator não foram divulgados, mas a CBS informou que a ação indica que "não há motivos razoáveis para acreditar que tal ataque foi cometido". Inicialmente, a única denúncia era a de falso testemunho.
No dia 29 de janeiro, Smollett, que é negro e gay, foi à polícia registrar que dois homens mascarados o abordaram em uma rua escura gritando insultos racistas e homofóbicos. No relato, ele disse que eles o agrediram, jogaram uma "substância química desconhecida" sobre ele e amarraram uma corda ao redor do seu pescoço antes de fugirem. O ator ainda acrescentou que os agressores eram simpatizantes do presidente americano, Donald Trump.
A polícia de Chicago abriu uma investigação e descobriu que o ator, de 36 anos, pagou US$ 3.500 a dois irmãos para realizarem o suposto ataque. Após a revelação da fraude, ele foi preso e libertado em seguida mediante pagamento de fiança de US$ 100 mil.
De acordo com as investigações, a intenção de Smollett era explorar as ansiedades dos americanos sobre as divisões políticas e raciais e obter publicidade e um aumento salarial. Por conta do caso, o ator que interpreta um personagem gay em "Empire" foi afastado dos dois últimos episódios da série.
Os dois homens que participaram da falsa agressão, que incluiu ainda o envio de cartas com conteúdo agressivo para Smollet, foram detidos e libertados dias depois após revelarem a farsa. Agora se tornaram testemunhas de acusação.

Próxima do fim, “Malhação – Vidas Brasileiras” bate recorde em 2019


RD1 - As maldades de Solange (Fernanda Paes Leme) renderam à “Malhação – Vidas Brasileiras” a maior audiência de 2019, nesta quinta-feira (7). A temporada, que se aproxima do fim, superou “Cordel Encantado” (2011), no “Vale a Pena Ver de Novo”, e impulsionou “Espelho da Vida”, também próximo dos últimos capítulos. “Verão 90”, às 19h, e “O Sétimo Guardião”, às 21h, pontuaram bem.
No ar das 18h09 às 18h39, “Malhação – Vidas Brasileiras” alcançou 18,0 pontos, com 19,2 de pico e 29% de participação no número de televisores ligados (share). Em cena, a armação de Solange que colocou o diretor do colégio Sapiência, Marcelo (Bukassa Kabengele), em maus lençóis junto aos pais dos alunos. O folhetim, de Patrícia Moretzsohn, chega ao fim no dia 15.
Fernanda Paes Leme em 'Malhação - Vidas Brasileiras'
Antes de “Malhação”, “Cordel Encantado” bateu 16,8 pontos, com 19,3 de pico e 30,1% de share, das 16h36 às 18h09; “O Álbum da Grande Família”, que antecedeu o “Vale a Pena Ver de Novo”, consolidou 13,1 pontos, com 15,4 de pico e 27,4% de share, entre 15h41 e 16h36. Logo após, “Espelho da Vida” emplacou 20,0 pontos, com 22,1 de pico e 30,5% de share, das 18h39 às 19h21.
O capítulo em que Vanessa (Camila Queiroz) descobriu as más intenções do comparsa, Jerônimo (Jesuíta Barbosa) – disposta a usá-la como testemunha de acusação contra João (Rafael Vitti) –, “Verão 90” garantiu 25,7 pontos, com 27,7 de pico e 36,8% de share, entre 19h46 e 20h29. Já “O Sétimo Guardião”, com a falsa morte de Laura (Yanna Lavigne), marcou 30,6 pontos, com 33 de pico e 43,3% de share, das 21h15 às 22h24.

'Aos prantos', diz Veruska Boechat sobre homenagem ao jornalista em novela


RIO — A mulher Ricardo Boechat, Veruska Boechat, utilizou as redes sociais para postar uma cena da novela "Espelho da Vida", da Rede Globo, em que o jornalista é citado. Na cena, o personagem Daniel (Rafael Cardoso) elogia a paisagem do Rio de Janeiro, em seguida o motorista do táxi diz que "apesar da grande perda do Boechat, o Rio continua lindo".
O trecho em vídeo foi postado por Veruska em sua conta no Instagram, acompanhada da legenda: "Aos prantos com a homenagem ao meu marido na novela das seis da Globo, “Espelho da Vida.”, escreveu ela, que em seguida agradeceu à autora da novela. "Obrigada, Elizabeth Jhin".


A cena foi ao ar no capítulo desta sexta-feira. No folhetim, Daniel se dirige ao motorista do veículo e diz: "A cidade é linda, meu amigo". O motorista, então, responde: "apesar de tudo, apesar da grande perda do Boechat, o Rio continua lindo".
Até as 21h, a postagem já acumulava mais de 40 mil visualizações.

#AnteneSe - Ver ou vir, qual utilizar?


*Texto: Mundo Educação
Observe os exemplos:
a) Quando você vir o que ela fez, tomará as providências necessárias! (verbo ver)
b) Quando você vier e souber o que ela fez, tomará as providências necessárias! (verbo vir)

Há sempre muitos equívocos, principalmente quanto à primeira oração, pois é muito comum ouvirmos “quando você vir aqui em casa”, por exemplo!

Toda dúvida está na conjugação dos verbos “ver” e “vir” no futuro do subjuntivo:
• O verbo ver é precedido da partícula “se” ou “quando” e tem terminação em “ir” na primeira pessoa: quando eu vir, quando tu vires, quando ele/ela vir, quando nós virmos, quando vós virdes, quando eles/elas virem.
• O verbo vir, também precedido por “se” ou “quando”, é caracterizado pelo acréscimo da vogal “e”: quando eu vier, quando tu vieres, quando ele/ela vier, quando nós viermos, quando vós vierdes, quando eles/elas vierem.

Outra imprecisão está na conjugação destes verbos no presente do indicativo (vir-> vimos) e no pretérito perfeito do indicativo (ver-> vimos):
a) Nós vimos porque queríamos lhe dar os parabéns! (vir)
b) Nós vimos quando você entrou na festa ontem! (ver)

Portanto, para não haver suspeitas, é importante verificar o uso correto de “ver” e “vir”, principalmente destes dois casos apontados acima.

Veja outros exemplos:
1. Se eles vierem/virem, diga a eles que não irei demorar! (verbo vir)
2. Saberemos se é verdade, se virmos/vermos a notificação assinada! (verbo ver)
3. Quando ele vir/ver seu boletim, vai ter muito orgulho! (verbo ver)
4. Vamos decidir para onde iremos, quando eles vierem/ virem da escola! (verbo vir)

Observação: os derivados de ver e vir seguem o mesmo modelo: rever, antever, intervir, convir, etc.

'Leaving Neverland': após novas denúncias de pedofilia, devemos parar de ouvir Michael Jackson?


G1 - Há muitos que acreditam que é impossível e até indesejável simplesmente banir o cantor ou fingir que seu trabalho nunca existiu – e não só os fãs irredutíveis que ainda acreditam na sua inocência.
Catherine Strong, da Universidade RMIT, da Austrália, compara o banimento do trabalho do artista com colocar "um pequeno band-aid sobre uma enorme ferida aberta."
Em um texto no site The Conversation, ela defende que a sociedade lide com o problema de frente. A ideia não é separar o artista da obra, mas discutir o problema ao invés de simplesmente deixar as obras de lado.

'Leaving Neverland': Dan Reed, diretor do documentário, entre os supostos abusados Wade Robson e James Safechuck
"O abuso sexual na indústria da música é um problema sistêmico, contínuo, que não vai ser resolvido apenas apagando o legado musical", diz ela.
Até porque separar o autor de sua obra é uma tarefa complicada quando sua vida está entrelaçada com seu trabalho. Videoclipes de músicas como "Smooth Criminal" e "Black or White" abrem com imagens de crianças. A música "Scream", de 1995, é sobre o "sofrimento" de Jackson com o processo civil por abuso sexual que ele sofreu em 1993, na qual ele se coloca como uma vítima de uma acusação injusta.
Para Wesley Morris, crítico do jornal New York Times, o problema no caso de Jackson é o desejo que surge das denúncias de se obter algum tipo de justiça.
"Em outros casos do #MeToo, sempre houve um caminho muito claro a ser seguido. Alguém tem que ser demitido, alguém tem que ir pra cadeia, e isso tem acontecido. Alguém consegue 'justiça'", diz ele no podcast The Daily. "Mas isso não pode acontecer aqui. Michael Jackson está morto. O que poderia mudar?"

Michael Jackson e Wade Robson no passado
"Isso é uma tragédia. Não é uma saída satisfatória. Não acho que o jeito certo de lidar com isso é cobrindo os ouvidos quando você ouve uma música do Michael Jackson", diz ele.
Para Catherine Strong, é possível manter Jackson no rádio. "Mas nunca tocá-lo sem lembrar aos ouvintes das coisas das quais ele é acusado. Façamos o mesmo com outros artistas acusados e culpados de crimes", diz ela.
O diretor do filme, Dan Reed, disse à BBC que os tempos mudaram e que agora estamos menos dispostos a fechar os olhos para problemas do tipo.

Michael Jackson e James Safechuck no passado
"Agora, há um sentimento de que quando alguém diz que sofreu um abuso sexual – quer seja uma mulher, uma criança ou um homem – a primeira reação não deve ser ignorar a pessoas, mas ouvir o que ela tem a dizer", disse Reed.
Mas o diretor não defende "reações viscerais" contra o cantor.
"Todo mundo com quem eu conversei que assistiu ao filme disse algo como 'Não acho que consigo ouvir mais as música de Michael Jackson'. Mas eu não acredito em banir músicas ou em queimar livros. Há uma espécie de reação visceral agora, mas eu acho que precisamos crescer e ser capazes de ouvir a sua música – e ao mesmo tempo perceber que ele era um predador pedófilo."

Jurado do Masterchef, Henrique Fogaça surpreende a todos ao revelar problema de saúde


1 News - O aclamado chef de cozinha, Henrique Fogaça, possui 44 anos de idade, e é um dos grandes nomes da bancada de juradas do reality show culinário da TV Bandeirantes, o MasterChef.
Na manhã deste sábado (9), ele anunciou que precisará dar uma pausa em seus trabalhos para cuidar de um problema em seu ombro, o qual deverá contar com uma intervenção cirúrgica. O anúncio foi feito em seu perfil oficial no Instagram, onde ele deu detalhes sobre a situação que está enfrentando.
Por meio de uma foto onde ele aparece em uma maca, com o braço direito imobilizado, o chef disse que depois de passar 8 meses com vários problemas no ombro e nos tendões, os quais estavam fazendo com que ele sentisse fortes dores, finalmente teria chegado a hora de realizar a operação.

Veja a seguir a publicação de Henrique Fogaça:


Os seguidores e fãs do jurado do MasterChef rapidamente começaram a enviar mensagens de apoio. Um deles desejou que tudo corra bem, torcendo por uma ótima cirurgia e recuperação.

Ex-empregada de Michael Jackson defende o cantor: “Esta não é a pessoa que conheci”


Observatório do Cinema - Ex-empregada de Michael Jackson, Grace Rwaramba saiu em defesa do falecido cantor após a exibição do documentário Deixando Neverland. Rwaramba trabalhou para Jackson e viveu sob seu mesmo teto por mais de uma década até ser demitida.
Em uma declaração fornecida à ABC, a mulher que trabalhou como babá dos filhos de Michael Jackson por anos declarou que simpatiza com as supostas vítimas caso os crimes realmente tenham acontecido, mas destacou que não acredita que seu antigo patrão fosse capaz disso.
“Se Michael abusou de Wade Robson e James Safechuck, eles têm minha mais profunda simpatia e compaixão. Eu não reivindico saber o que aconteceu entre Michael e seus acusadores. Eu não estava lá”, disse Rwaramba em seu comunicado.
“No entanto, já que Michael não está mais aqui para se defender, e porque eu tenho uma visão única dele e da vida que ele viveu, sinto-me obrigada a falar contra o que eu acredito firmemente serem falsas alegações. A pessoa que Wade e James descrevem não é a pessoa que eu conhecia”, ela acrescentou.
“Ele confiava em todos a ponto de ser extremamente ingênuo, sempre tendo as melhores intenções. Ele estava longe de ser perfeito, mas em meus mais de doze anos morando com Michael, conhecendo ele e seu estilo de vida intimamente, nunca vi ou experimentei nada que me levasse a acreditar que ele era capaz de abusar sexualmente das crianças.”
A ex-babá afirmou ainda que o rancho Neverland tinha um “exército” de funcionários por todos os cantos, então não acredita que Jackson teria sido capaz de abusar das crianças sem que alguém soubesse o que estava acontecendo.
“Eu estava em Neverland quando muitos dos amigos da família iam e vinham. Em todo momento, entre 60 e 100 funcionários trabalhavam em segurança, manutenção, limpeza, jardins, cozinha e muitos outros papéis. Manter o rancho de forma tão imaculada levou todo um exército de trabalhadores que sempre estavam por perto.”
Ela também falou sobre a época em que Wade Robson, um dos acusadores de Jackson, e sua mãe, Joy, visitariam Neverland.
“Ao longo dos anos, conheci bem os Robson enquanto eles visitavam o rancho em muitas ocasiões diferentes. Neverland era um lugar encantador onde os mordomos, cozinheiros, camareiras, funcionários do zoológico, jardineiros e outros funcionários faziam com que todos os hóspedes se sentissem como a realeza, e todos que tiveram a sorte de visitar o rancho adoraram!”
“A única coisa que foi consistente sobre os Robson ao longo dos anos foi a determinação de Joy em transformar Wade em uma estrela”, ela continuou. “Enquanto todas as outras crianças, muitas vezes incluindo Michael, estavam tendo brigas de balão de água ou assistindo a um filme no cinema, Joy forçava Wade a fazer passos de dança e de vez em quando acenava para Michael para pedir algumas dicas.”
O documentário conta a seguinte história: “No auge de seu estrelato, Michael Jackson começou relacionamentos duradouros com dois garotos de 7 e 10 anos e suas famílias. Agora com 30 anos, eles contam a história de como foram abusados ​​sexualmente por Jackson e como chegaram a um acordo para ficarem calados anos depois.”
Ações judiciais movidas por Robson e Safechuck contra Jackson foram rejeitadas por um juiz em Los Angeles em 2017.
Deixando Neverland será exibido no Brasil em duas partes na HBO, nos dias 16 e 17 de março.