terça-feira, 14 de maio de 2019

Grávida de 3 meses, Tatá Werneck conta que os enjoos ainda estão fortes


*TEXTO: CONTIGO!
A apresentadora Tatá Werneck contou que ainda não está melhor dos enjoos decorrentes da gravidez.
Esperando o nascimento de uma menina, ela voltou a gravar o programa Lady Night, do Multishow, e contou que ainda passa mal nos bastidores da atração.
Nesta semana, ela entrevistou a atriz Larissa Manoela e contou que ela a apoiou enquanto estava enjoada antes de entrar no palco. “Não vou esquecer seu carinho quando, antes de entrar e ainda passando muito mal, fiquei vomitando numa lixeira e ela me dando apoio. Está sendo bem difícil para mim”, disse ela.
Tatá ainda revelou que espera que Larissa a ajude a escolher o nome da filha. “Ficou de escolher o nome da minha filha porque Rafa e eu não estamos conseguindo”.

Ministros do STJ determinam soltura de Temer e coronel Lima


*TEXTO: R7
Por unanimidade, a Quinta Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) votou, nesta terça-feira (14), pela concessão de liberdade ao ex-presidente Michel Temer e ao coronel da reserva João Baptista Lima. 
Em seu voto, o relator, ministro Antonio Saldanha Palheiro determinou, como alternativa à prisão, a proibição dos réus de manter contato com outros investigados no mesmo caso, a proibição de mudança de endereço sem comunicação à Justiça, a entrega do passaporte e o bloqueio dos bens até o limite de sua responsabilidade. Os demais ministros seguiram o voto dele nesses quesitos.
Além disso, os ministros proibiram Temer de ocupar cargos de direção em partido político. 
"Os fatos narrados ocorreram entre 2011 e 2015, período em que o paciente Michel Temer exercia o mandato de vice-presidente da República... frisa-se que além de razoavelmente antigos os fatos, o prestígio político que teria sido essencial para a empreitada criminosa não mas persiste, visto que o paciente Michel Temer deixou a presidência da República no início deste ano e não exerce atualmente cargo público de desta que e relevância nacional", argumentou relator.
"O ordenamento jurídico vigente traz a liberdade do indivíduo como regra. [...] Há de se exigir, assim, que o decreto de prisão preventiva venha sempre concretamente motivado e não fundado em meras conjecturas.", declarou em outro trecho de seu voto. 
Palheiro ressaltou que não havia fatos concretos de que Temer e o amigo dele, o coronel da reserva da PM de São Paulo João Baptista Lima Filho, também preso, agiram para ocular provas ou dificultar a instrução processual, o que justificaria a prisão cautelar.
O ministro, Sebastião Reis Júnior, declarou-se impedido e não participou da sessão. Ele alegou que o escritório que trabalhou antes da magistratura atendeu a Eletronuclear, estatal envolvida no processo que levou Temer à cadeia.

Laurita Vaz
Segunda a votar, a ministra Laurita Vaz acompanhou o voto do relator. A magistrada começou seu voto ressaltando que "o STJ deve ser manter firme no combate aos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e outros contra a administração pública, que têm sangrado os cofres públicos gerando enormes prejuízos para a população e para o país".
No entanto, ela disse que a luta contra a corrupção "não pode virar caça às bruxas".
"Parece-me que a despeito da demonstração da gravidade das condutas imputadas ao paciente [Temer], não há nenhuma razão concreta e atual para se impor a prisão preventiva, uma vez que inexiste a demonstração de risco à ordem pública, a instrução criminal ou a aplicação da lei penal", observou. 

Rogerio Schietti Cruz
O ministro Rogerio Schietti Cruz argumentou que "a prisão preventiva quando não amparada em juízo de demonstrada necessidade cautelar acaba sinalizando que o preso é definitivamente culpado pelo crime".
"A população em geral, muitas vezes incentivada e mal-informada por setores da mídia mais interessados em vender notícia não entende o porque de alguém ter sido solto durante o processo ou antes dele, sobretudo nos casos em que por confissão do réu ou por flagrância delitiva não parece haver dúvida de que ele praticou o crime sob apuração. Em verdade, é assim que funciona o processo penal, não só no Brasil, mas em todo o mundo."
O magistrado também entendeu que não havia qualquer prova de interferência de Temer de forma a prejudicar as investigações.
"Reconheço que o risco da prática de novos crimes não é tão elevado a ponto de justificar a medida extrema [prisão]."

Nefi Cordeiro
O presidente da turma, ministro Nefi Cordeiro, seguiu o voto do relator. Sem citar nomes, ele fez uma crítica a juízes que se portam como "símbolos de combate à corrupção". 
"Manter solto durante o processo não é impunidade, como socialmente pode parecer. É sim garantia, somente afastada por comprovados riscos legais. Aliás, é bom que se esclareça ante a eventuais desejos sociais de um juiz herói contra o crime, que essa não é, não pode ser função de um juiz. Juiz não enfrenta crimes, juiz não é agente de segurança pública, não é controlador da moralidade social ou dos destinos políticos da nação."

Veja a íntegra do julgamento:

Irmãos, de 12 e 11 anos, cortam os cabelos pela primeira vez


*TEXTO: REVISTA CRESCER
Com que idade seu filho fez o primeiro corte de cabelo? Com um, três, talvez cinco anos? Pois, os irmãos Jensen e Cooper Allen, de West Bridgford, na Inglaterra, só passaram por essa experiência agora, aos 12 e 11 anos de idade, respectivamente. Com os cabelos que passavam das cinturas, finalmente a mãe, Janet, 47, permitiu que eles aderissem ao estilo "curtinho". Os dois já eram conhecidos na cidade por suas longas madeixas.
Segundo ela, os dois estavam pedindo por isso há seis meses, mas Janet disse que ficou arrasada em permitir que eles cortassem o cabelo "bonito". Os dois doaram os cerca de 30 centímetros cada para a Little Princess Trust - que fornece perucas reais para crianças e jovens.
A mãe de quatro filhos acrescentou: 'Todos nós temos cabelos compridos na minha família, até meu marido Max, 42, então nunca foi minha ideia cortar os cabelos dos meninos. Eu simplesmente amei o cabelo deles, achei lindo e realmente gostei deles - definiu-os como irmãos. Na escola primária, algumas crianças curiosas perguntavam 'por que você tem cabelo comprido, só as meninas têm cabelo comprido?'”, lembra ela. "Mas eles nunca foram maltratados por causa disso, com o passar dos anos, era pelo que eles eram conhecidos, o cabelo era o selo deles", disse.
E, curiosamente, agora eles levam mais tempo arrumando os cabelos do que antes do novo corte. "Na verdade, é mais trabalhoso para eles fazerem o cabelo quando acordam, então temos que dar estilo a ele. Antes, eles apenas davam uma escovada e prendiam para a escola", explica. "Eu gostava deles sendo diferentes do resto, mas eu também amo o novo corte de cabelo, uma vez que realmente mostra sua aparência bonita. Eles podem deixar seus cabelos crescerem no futuro, como o pai deles, mas duvido que volte a durar tanto tempo", finaliza.

Audiência - O crescimento da novela Verão 90 em todo o país


*TEXTO: KANTAR IBOPE MEDIA
A novela das sete Verão 90 mostra a volta por cima dada por uma das escritoras, Izabel de Oliveira, autora de outro sucesso das sete, Cheias de Charme, e também do fiasco insuperável Geração Brasil. Com um clima nostálgico, claro - já que se passa nos anos 90 -, a novela apresentou ao público uma história contada várias vezes em outras tramas, porém, de maneiras diferentes e com outros personagens, mas que, ainda assim, é assistível, embora a mídia especializada massacre-a.
Isabelle Drummond, Rafael Vitti e Jesuíta Barbosa fazem os personagens principais Manuzita, João e Jerônimo em Verão 90
O folhetim de Izabel, escrito juntamente com Paula Amaral, está fazendo um ótimo dever de casa quando o assunto é audiência, tanto é que até a 15ª semana, Verão 90 acumula 25 pontos de média parcial na grande São Paulo e 26 no Rio de Janeiro, a segunda principal praça do país. A praça que mais dá audiência é Belém, que marca constantemente 30 pontos e mais do que isso semanalmente, acumulando até agora 32 pontos de média.
Cena da abertura da novela Verão 90
Apesar dos índices satisfatórios, o sucesso de Verão 90 não é unanimidade, tanto é que em Goiânia ela conseguiu apenas 16 pontos parciais, assim como registra somente 18 em Salvador. Inclusive, essas duas cidades são as que mais desprezam a fraca e insossa O Sétimo Guardião, de Aguinaldo Silva, que acabará nesta sexta-feira (17). Em contrapartida, os índices só fazem crescer tanto em Belo Horizonte quanto em Porto Alegre, que obtiveram, respectivamente, 17 e 23 pontos na semana de estréia, e a média parcial é de 21 e 27 pontos.
O PNT (Painel Nacional de Televisão), que afere todas as 15 maiores metrópoles do país, mostra que Verão 90 já conseguiu alcançar a meta da emissora (por arredondamento), tirando o horário das sete de uma crise momentânea iniciada com a antecessora, O Tempo Não Para, que encerrou sua trajetória com 24 pontos, sendo prejudicada pelo horário eleitoral.

Audiência - O Sétimo Guardião registra a pior última segunda-feira das novelas das nove


O Sétimo Guardião foi mais uma novela que não conseguiu empolgar o público na reta final, mesmo com os assassinatos dos guardiões da fonte secreta de Serro Azul, tanto é que a média semanal dela não passa de 30 pontos, e o recorde até o momento é 31.
Ontem (13), a novela de Aguinaldo Silva passou mais um vexame ao registrar apenas 31 pontos de média, sendo menor que a última segunda-feira de outros fracassos como Em Família (2014), Velho Chico (2016) e Segundo Sol (2019). Em décimos, consolidou apenas 31.3 pontos. Até então, a última pior segunda-feira era de Babilônia (2015), que obteve 31.5 (32) pontos.
O Sétimo Guardião acabará nesta sexta-feira (17) e dará lugar para A Dona do Pedaço, de Walcyr Carrasco.

Vejam os índices registrados por outras novelas das nove (2011-presente):
- Insensato Coração (43)
- Fina Estampa (43)
- Avenida Brasil (49)
- Salve Jorge (43)
- Amor à Vida (48)
- Em Família (34)
- Império (40)
- Babilônia (32)
- A Regra do Jogo (39)
- Velho Chico (34)
- A Lei do Amor (33)
- A Força do Querer (45)
- O Outro Lado do Paraíso (48)
- Segundo Sol (41)
- O Sétimo Guardião (31)